PLM 'End-to-End' como diferencial competitivo

498 visualizações

Publicada em

Evandro Gama Ph.D. Chairman & Advisor at Cadware-Technology - Researcher and Professor at IMT .

O mundo caminha para soluções mais robustas de colaboração da informação e do conhecimento.
Empresas líderes de manufatura cada vez mais reconhecem a importância das aplicações de PLM (Product Lifecycle Management) e Manufatura Digital para atender necessidades colaborativas e globais que exigem produtividade.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
498
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PLM 'End-to-End' como diferencial competitivo

  1. 1. Evandro Gama Ph.D. Chairman & Advisor at Cadware-Technology Researcher and Professor at IMT Engenheiro de Produção Mecânica, chairman e advisor para a Cadware-Technology. Promove educação e assessoria em soluções e integração de sistemas PLM, Fábrica Digital e Manufatura Digital, MES/MOM, ERP, BPM e CMMI/SCAMPI. Coordena os eventos PLM-Summit e ProIndústria-Fórum, cursos e workshops em PLM, CAD, Fábrica Digital e Manufatura Digital. Mestre em Engenharia de Produção, Planejamento e Controle de Sistemas Produtivos pela UFSCar. Doutor em Engenharia Mecânica - Planejamento, Simulação e Gerenciamento de Sistemas de Manufatura pela EESC/USP. PLM ‘End-to-End’ como diferencial competitivo
  2. 2. O mundo caminha para soluções mais robustas de colaboração da informação e do conhecimento. Empresas líderes de manufatura cada vez mais reconhecem a importância das aplicações de PLM (Product Lifecycle Management) e Manufatura Digital para atender necessidades colaborativas e globais que exigem produtividade.
  3. 3. • PLM ‘End to End’ • Enxerga o PLM no Chão de Fábrica • PLM como fator competitivo para a a atual economia Sumário
  4. 4. ‘Drivers’ (Direcionadores) EXTERNOS INTERNOS ALINHAMENTO ESTRATÉGIO PARA COMPETITIVIDADE
  5. 5. EXTERNOS INTERNOS ‘Drivers’ (Direcionadores)
  6. 6. EXTERNOS INTERNOS ‘Drivers’ (Direcionadores)
  7. 7. Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/04/140425_brasil_industria_ru
  8. 8. Quais os fatores para a perda de competitividade? • Os níveis salariais dos trabalhadores (carga tributária); • O preço da energia; • Os índices de produtividade em cada país; • O reflexo das taxas de câmbio. Segundo a consultoria BCG, mudanças nesses fatores alteraram de forma drástica as estruturas de custo das indústrias na maior parte dos países analisados e a capacidade de competirem. - Ex.: no mercado globalizado (local e internacional). O Brasil é classificado como um país onde as empresas estão “SOB PRESSÃO", juntamente com Rússia, China, Polônia, República Checa e outros. "O Brasil perdeu terreno em todas as dimensões", diz o BCG, que atribui a ‘perda substancial de competitividade’ da indústria brasileira ao fato do aumento de custos e apreciação cambial não terem sido acompanhados por uma alta da produtividade do trabalhador brasileiro.
  9. 9. Não produtividade do trabalhador brasileiro Você é produtivo? Você ainda usa a Manufatura Clássica? Como está a Gestão das Infomações na sua empresa? Como os direcionadores internos podem compensar os externos? Qual a sua visão de PLM? O conceito de Manufatura Digital está bem estruturado? Você sabe o que é PLM ‘End to End’?
  10. 10. Como reagir? Visão PLM ‘End to End’ para mais competitividade...
  11. 11. O que é competitividade? Competitividade é a capacidade de qualquer organização cumprir sua missão com mais êxito que outras organizações concorrentes (players). Baseia-se na capacidade de satisfazer as necessidades e expectativas de mercado (clientes, colaboradores e fornecedores). No contexto da economia de mercado, a competitividade significa a obtenção de uma rentabilidade/lucratividade igual ou superior aos rivais de mercado (criação de valor). Se a rentabilidade de uma empresa, numa economia aberta, é inferior a dos concorrentes, a médio ou longo prazo estará debilitada até chegar a zero e tornar-se negativa.
  12. 12. Você não vai conseguir competitividade com a manufatura clássica Falta de visão ‘clara’ do processo de avaliação de maturidade das empresas de manufatura para o uso adequado da informação como vantagem competitiva; Principalmente na adequação de tecnologias e processos e na habilidade de formação do indivíduo para um novo cenário da indústria mundial que releva a informação como vantagem competitiva.
  13. 13. MANUFATURA CLÁSSICA INDÚSTRIA DIGITAL GAP QUAL O PROBLEMA DE HOJE? 20152000 PLM – NEGÓCIOS & MANUFATURA
  14. 14. ?ILHAS DE CONHECIMENTO (SILOS DE DADOS) ALINHAMENTO DE FLUXO DE TRABALHO (MAPEAMENTO DE PROCESSOS) Integração de áreas que participam do processo de manufatura.
  15. 15. O QUE ESSES PROBLEMAS ACARRETAM? LONGOS CICLOS DE PROJETO E PRODUÇÃO GESTÃO DE DADOS E PROCESSOS A MAIORIA DOS SISTEMAS NÃO TEM FOCO NA ENTREGA ÁREAS DE PROCESSO MANUFATURA CLÁSSICA APOIADA NA TECNOLOGIA DA ÉPOCA COMO MUDAR?
  16. 16. FRAMEWORK PLM2MVISÃO ATUAL DO PLM COMO PROCESSO DE NEGÓCIOS INCLUI MANUFATURA DIGITAL E PLM NO CHÃO DE FÁBRICA PLM DE FORMA SIMPLES • MENORES CICLOS DE PROJETO E PRODUÇÃO • AJUSTE DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO • MAIS PRODUTIVIDADE • MAIS LUCRATIVIDADE
  17. 17. O PLM integra pessoas, dados, processos e sistemas de negócios e oferece uma estrutura centralizada de informações do produto de forma colaborativa dentro do conceito de empresa estendida, ou seja, inclui a empresa como um todo, clientes, parceiros e fornecedores. Visão PLM (Product Lifecycle Management)? Uma abordagem para a integração e colaboração entre as várias áreas funcionais de uma empresa de manufatura: análise e planejamento de requisitos; engenharia conceitual e prototipagem; engenharia do produto, engenharia de manufatura; produção; vendas e distribuição; manutenção e suporte; descarte do produto e reciclagem.
  18. 18. PLM (i) PDP - PDM PARA PLM (ii) MANUFATURA DIGITAL (iii) PLM NO CHÃO DE FÁBRICA (iv) INTEGRAÇÃO COM ERP GESTÃO COMERCIAL O PLM proporciona todo o processo de gerenciamento do ciclo de vida de um produto, desde sua concepção, atravessando as fases de (i) projeto, (ii e iii) manufatura, (iv) manutenção e (v) descarte desse produto. ‘End to End’ Fonte: CIMdata, 2008.
  19. 19. A avaliação sistemática identifica o atual nível de maturidade das empresas; também auxilia a modelagem de processos de negócios para decisões de investimentos e ainda na definição do ‘roadmap’ (mapa de fluxo) para a implementação do PLM e Manufatura Digital de uma forma correta. Qual o grande desafio do PLM? Integração de áreas que participam do processo de manufatura através de uma avaliação sistemática (assessment).
  20. 20. A avaliação sistemática identifica o atual nível de maturidade das empresas; também auxilia a modelagem de processos de negócios para decisões de investimentos e ainda na definição do ‘roadmap’ (mapa de fluxo) para a implementação do PLM e Manufatura Digital de uma forma correta. Qual o grande desafio do PLM? Integração de áreas que participam do processo de manufatura através de uma avaliação sistemática (assessment).
  21. 21. PLM Product Lifecycle Management MES Manufacturing Execution System ERP Enterprise Resource Planning • Aspectos funcionais, lógicos e de aplicação; • Visões de hardware, comunicação (redes, XML, cloud), software e processos (BPM/BPMN).
  22. 22. Por que ambientes de negócios dirigidos a PLM? • Necessidade de melhoria de produtividade; • Aumento da taxa de inovação; • Colaboração e qualidade nos processos; • Obrigação de criar valor para a organização.
  23. 23. Cenários – Manufatura Colaborativa com PLM & DM Manufatura Clássica Estrutura organizacional tradicional A comunicação entre departamentos é feita de uma forma linear e muitas vezes existe ruptura. Retrabalho: retroalimentação constante. Engenharia Simultânea Cada departamento se esforça para acelerar o tempo de desenvolvimento. A proposta é fazer com que todas as etapas envolvidas iniciem mais cedo de forma simultânea acelerando o início da produção. Problemas sérios: Não induz os departamentos envolvidos a considerar todos os estágios do ciclo de vida do produto; não trabalha no modelo de empresa estendida; e não consegue considerar todos os aspectos de solicitação de demanda.
  24. 24. Cenários – Manufatura Colaborativa com PLM & DM Manufatura Clássica Estrutura organizacional tradicional A comunicação entre departamentos é feita de uma forma linear e muitas vezes existe ruptura. Retrabalho: retroalimentação constante. Engenharia Simultânea Cada departamento se esforça para acelerar o tempo de desenvolvimento. A proposta é fazer com que todas as etapas envolvidas iniciem mais cedo de forma simultânea acelerando o início da produção. Problemas sérios: Não induz os departamentos envolvidos a considerar todos os estágios do ciclo de vida do produto; não trabalha no modelo de empresa estendida; e não consegue considerar todos os aspectos de solicitação de demanda. Fonte: MAYER, P.; PLAPP, J. Extending PLM to the Shop Floor. Eagan, MN: White-paper Intercim, 2008 (Adaptado).
  25. 25. Cenários – Manufatura Colaborativa com PLM & DM Manufatura Clássica Estrutura organizacional tradicional A comunicação entre departamentos é feita de uma forma linear e muitas vezes existe ruptura. Retrabalho: retroalimentação constante. Engenharia Simultânea Cada departamento se esforça para acelerar o tempo de desenvolvimento. A proposta é fazer com que todas as etapas envolvidas iniciem mais cedo de forma simultânea acelerando o início da produção. Problemas sérios: Não induz os departamentos envolvidos a considerar todos os estágios do ciclo de vida do produto; não trabalha no modelo de empresa estendida; e não consegue considerar todos os aspectos de solicitação de demanda. Fonte: MAYER, P.; PLAPP, J. Extending PLM to the Shop Floor. Eagan, MN: White-paper Intercim, 2008 (Adaptado).
  26. 26. Nasce o Modelo PLM2M
  27. 27. Modelo PLM2M (Aspecto Macro)
  28. 28. Modelo PLM2M – Visão Funcional
  29. 29. Modelo PLM2M – Visão Funcional PLM2M – FRAMEWORK VISÃO FUNCIONAL EM CLOUD
  30. 30. Modelo PLM2M – Visão Lógica
  31. 31. Modelo PLM2M – Visão de Aplicação
  32. 32. Modelo PLM2M – Visão de Aplicação PLM2M – FRAMEWORK VISÃO DE APLICAÇÃO EM CLOUD
  33. 33. PLM
  34. 34. [ ] Manufatura Tradicional [ ] Engenharia Simultânea [ ] Empresa Estendida [ ] Manufatura Colaborativa [ ] PLM [ ] Fábrica Digital [ ] Manufatura Digital [ ] PLM no Chão de Fábrica (MES) [ ] Integração com Gestão (ERP) PLM QUAL A MELHOR SOLUÇÃO?
  35. 35.  Fim

×