SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
EMEF Des. Achilles de Oliveira Ribeiro
Nágila Euclides da Silva Polido
EMEF Henrique de Souza Filho – Henfil
Maria Helena Pereira
CLUBE DE ASTRONOMIA
Prefeitura do Município de São Paulo
Diretoria de Educação de São Mateus – DRE / SM
LEITURA INICIAL
LANE, Smith. É um livro. São Paulo: Cia das Letrinhas, 2010.
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
“Um projeto de aprendizagem é um projeto no qual o
aluno vai aplicar o que está aprendendo enquanto
cria um produto. Porém, diferentemente de um
projeto para gerar apenas um produto complexo, um
projeto de aprendizagem é projetado para que
aconteça a aprendizagem.(...)
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
“(...) Portanto, ao invés de ter apenas divisão de
tarefas, etapas, previsão de recursos, tempos, etc., o
projeto de aprendizagem também prevê paradas para
reflexão, feedback, autoavaliação e avaliação de
pares, discussão com outros grupos e atividades
para “melhoria de ideias...”
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
“Diferentemente de uma sequência didática, num
projeto de aprendizagem há preocupação em gerar
um produto. Porém, esse produto não precisa ser um
objeto concreto. Pode ser uma ideia, uma campanha,
uma teoria, etc. A grande vantagem de gerar esse
produto é criar oportunidades para o aluno aplicar o
que está aprendendo e também desenvolver algumas
habilidades e competências.”
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
Ambientes colaborativos fornecem ferramentas para
criar e reter artefatos de aprendizagem. Os alunos
desenvolvem competências do Séc. XXI criando seus
artefatos online usando ferramentas que simplificam:
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
Escrita: artigos, poemas, relatórios, histórias, textos
Gerenciamento de mídia: fotos, listas, multimídia,
arquivos
Interação de alunos: painéis de mensagem, debates,
votações, brainstorming, perguntas
Publicação de website
(Extraído do Curso sobre Aprendizagem por Projetos da Fundação Oracle,
revisado e ministrado por Cesar Nunes)
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
Pergunta, questão, tem a mesma origem que quest
(em Inglês), que significa; jornada, busca de
alguma coisa importante.
As perguntas funcionam como convites
generosos à criatividade, trazendo à tona aquilo
que ainda não existe.
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
Como fazer boas perguntas?
• Como fazer perguntas simples, mas que cheguem
ao cerne da questão?
• Esta pergunta é realmente relevante para a vida
real?
• É uma pergunta genuína? Em que eu realmente
não sei sua resposta?
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
Como fazer boas perguntas?
• Esta pergunta gera imaginação, ação criativa,
esperança e novas possibilidades? Ou
provavelmente vai focar em problemas passados e
obstáculos?
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
Avaliação
As avaliações por rubrica auxiliam os professores a
ensinar assim como a avaliar os trabalhos do
aluno. A criação de rubricas potencializa os
processos de ensino-aprendizagem.
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
O que é avaliação por rubrica?
Uma avaliação por rubrica, em geral, se constitui em
um documento que descreve vários níveis de
qualidade, de excelente a insuficiente, para uma
determinada tarefa. Frequentemente é utilizada
com uma tarefa complexa, tal como um projeto de
longa duração, uma redação, ou um trabalho de
pesquisa.
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
O que é avaliação por rubrica?
Seu propósito é dar aos alunos um feedback
informativo sobre seus trabalhos em andamento e
dar avaliações detalhadas de seu trabalho final.
PROJETOS DE APRENDIZAGEM
O que é avaliação por rubrica?
Tem duas características comuns:
(1) uma lista de critérios, ou "o que conta" em um
projeto ou tarefa; e
(2) graduações de qualidade, com descrições dos
trabalhos dos alunos como excelentes, medianos e
que apresentam dificuldades.
INFORMÁTICA EDUCATIVA
• Portaria n.o 5.636/2011 (em vigência)
• As atividades de Informática Educativa
devem ser integradas ao currículo e
promover intercâmbios entre as diferentes
áreas da escola
• Proposta de ambientes de aprendizagem
inovadores, colaborativos e interativos
INFORMÁTICA EDUCATIVA
• Potencialização do uso crítico dos recursos
como forma de expressão oral, escrita,
registro, socialização e produção de textos
em diferentes linguagens, além de favorecer
o uso das TICs no desenvolvimento das
competências leitora e escritora no processo
de formação dos alunos, pesquisa e
produção do conhecimento e auxiliar na
implementação do Programa Ampliar. (Art. 2º)
INFORMÁTICA EDUCATIVA
“os projetos podem contribuir para favorecer,
nos estudantes, a aquisição de capacidades
relacionadas com a formulação e resolução de
problemas, diagnóstico de situações e o
desenvolvimento de estratégias analíticas e
avaliativas, favorece a tarefa de pesquisa e a
integração de diferentes disciplinas.”
(Hernándes:1998)
INFORMÁTICA EDUCATIVA•
• Em 2011, a SME propôs que o trabalho baseado
em aprendizagem colaborativa, implementando a
OC/TIC, fosse feito por projetos em ambiente
colaborativo, o THINKQUEST (www.thinkquest.org).
• Em 2013, com a descontinuidade do ambiente
doThinkQuest, a SME implementou a utilização
de uma nova plataforma, o EDMODO
(www.edmodo.com).
• .
INFORMÁTICA EDUCATIVA
Vantagens:
• Ambiente especialmente criado para a
educação;
• Ambiente de formação de educação à
distância;
• Permite o estabelecimento de processos de
avaliação formativa;
INFORMÁTICA EDUCATIVA
Vantagens:
• Permite a organização dos registros e
disponibilização do material das aulas, tanto
na escola como em qualquer lugar, com
acesso à Internet;
• Permite a visualização da participação dos
alunos de forma individual ou como o
professor assim propor.
INFORMÁTICA EDUCATIVA
A participação da Informática Educativa
permitiu:
• Promover a autonomia dos alunos;
• Desenvolver técnicas de pesquisa;
• Utilizar o computador como recurso;
• Registrar e compartilhar suas ações e ideias.
SALA DE LEITURA
Objetivos:
• Inserir os alunos na cultura escrita, por meio do
contato com os diferentes gêneros de textos
presentes em seu cotidiano;
• Despertar o interesse pela leitura, por meio do
manuseio de livros, revistas e outros suportes e da
vivência de diversas situações nas quais seu uso se
faça necessário;
SALA DE LEITURA
• Favorecer a aprendizagem dos diferentes
procedimentos de leitura e uso dos diversos
gêneros de circulação social.
SALA DE LEITURA
• Articulação das práticas realizadas na Sala de
Leitura com as novas tecnologias, uma vez que
estas estão incorporadas ao cotidiano dos
alunos de ensino fundamental, sobretudo a
partir do 6° ano, quando em geral desenvolvem
mais autonomia.
• Três tipos de leitores: o leitor contemplativo, o
leitor movente e o leitor imersivo (Santaella,
2004).
SALA DE LEITURA
Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes
competências para o LEITOR POLIVALENTE:
a) Capacidade de ler em todas as modalidades:
em voz alta, para si mesmo, seletivamente,
compreendendo os textos que lê;
b) Capacidade de ler em todos os tipos de
suporte: antigos e modernos;
SALA DE LEITURA
Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes
competências para o LEITOR POLIVALENTE:
c) Capacidade de ler todo tipo de textos e
documentos: textos literários, científicos, de
divulgação - saber procurar, localizar e extrair
a informação desejada; saber reformular a
informação e utilizá-la sobre todos os suportes
multimídia;
SALA DE LEITURA
Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes
competências para o LEITOR POLIVALENTE:
d) Capacidade de orientar-se nos lugares de
leitura: biblioteca familiar, de aula, biblioteca
escolar, biblioteca pública, livraria;
e) Capacidade de situar-se nos objetos de leitura:
no texto, no paratexto (prefácio, epílogo,
notas, índice, sumário etc.) e no intertexto;
SALA DE LEITURA
Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes
competências para o LEITOR POLIVALENTE:
f) Capacidade de reconhecer-se em sua própria
prática de leitor, ou seja, ser capaz de manter
um discurso crítico no que se refere às
próprias práticas como também no que se
refere aos textos que lê;
g) Capacidade de relacionar atividade de leitura
com os demais aspectos do domínio da língua.
PROGRAMA AMPLIAR
• Portaria SME n° 5.360, de 04/11/2011 – instituiu
o Programa Ampliar;
• Art. 3° e Art. 4° - constituição do Programa
Ampliar por meio de atividades curriculares e
projetos já existentes (Sala de Leitura e
Informática Educativa);
PROGRAMA AMPLIAR
• Os projetos conjuntos da Sala de Leitura e do
Laboratório de Informática buscam efetivar as
sugestões apresentadas pela Secretaria
Municipal de Educação (SME) a partir de
experiências já desenvolvida;
• Em 2013, o Programa Ampliar está sendo
substituído pelo Programa Mais Educação.
ARTICULAÇÃO SALA DE LEITURA E
INFORMÁTICA EDUCATIVA
• Um dos pressupostos das sugestões de
redimensionamento de bibliotecas públicas,
escolares e salas de leitura é o trabalho em
equipe. A colaboração entre os diversos atores
do processo educativo potencializa as ações
desenvolvidas nesses espaços e parece ser o
caminho natural para integrar a leitura às novas
tecnologias.
ARTICULAÇÃO SALA DE LEITURA E
INFORMÁTICA EDUCATIVA
Na chamada Sociedade da Informação e do
Conhecimento, ler um livro, assistir a um filme,
ouvir uma música, navegar na internet são –
todas – ações que contribuem para a formação
do educando. Hoje, dissociar a leitura literária
das possibilidades das TIC é retirá-la de seu
contexto real. (Nuñez, 2002: p. 224-225).
BUTLEN, Max. A leitura na escola e na biblioteca multimídia: entre o
poder e o desejo. In: RÖSING, T. M. K. e BECKER, P. (org.).
Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca.
Passo Fundo: UPF, 2002, p. 285-299.
HERNÁNDEZ, F. & VENTURA, M. A organização do currículo por
projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto
Alegre: Artmed, 1998.
NUÑEZ, Eloy Martos. Espaços de leitura: projetos, conteúdos e
animação cultural. In: RÖSING, T. M. K. e BECKER, P. (org.).
Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca.
Passo Fundo: UPF, 2002, p. 221-251.
ALGUMAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
PERROTTI, Edmir e PIERUCCINI, Ivete. Infoeducação: saberes e
fazeres da Contemporaneidade. In: LARA, M.L.G.; FUJINO, A;
NORONHA, D. P. (orgs.). Informação e contemporaneidade:
perspectivas. Recife: Néctar, 2007, p. 97-119.
ROJO, Roxane Helena R. (org.). Multiletramentos na escola. São
Paulo: Parábola Editorial, 2012 (Coleção Estratégias de Ensino –
vol. 29).
SANTAELLA, Lúcia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do
leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.
ALGUMAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revista Educatrix - Ed.05
Revista Educatrix - Ed.05Revista Educatrix - Ed.05
Revista Educatrix - Ed.05Editora Moderna
 
Transformando a sala de aula
Transformando a sala de aulaTransformando a sala de aula
Transformando a sala de aulaMupi
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.sil2007
 
Trabalho com Projetos de Aprendizagem
Trabalho com Projetos de AprendizagemTrabalho com Projetos de Aprendizagem
Trabalho com Projetos de Aprendizagemapolinarius
 
Projeto bioludicologia
Projeto bioludicologiaProjeto bioludicologia
Projeto bioludicologiafamiliaestagio
 
Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016João Paulo Proença
 
A biblioteca transforma-se e transforma a escola
A biblioteca transforma-se e transforma a escolaA biblioteca transforma-se e transforma a escola
A biblioteca transforma-se e transforma a escolaAntónio Pires
 
Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1
Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1
Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1Elizabeth Fantauzzi
 
Usando TIC e Projetos de Aprendizagem
Usando   TIC e Projetos de AprendizagemUsando   TIC e Projetos de Aprendizagem
Usando TIC e Projetos de AprendizagemBernardete Motter
 
Documento Final | Acção 1 | HEC 11
Documento Final | Acção 1 | HEC 11Documento Final | Acção 1 | HEC 11
Documento Final | Acção 1 | HEC 11João Lima
 
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosA aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosEdeilson Silva
 
Portifolio 2012 Ana Paula
Portifolio 2012 Ana PaulaPortifolio 2012 Ana Paula
Portifolio 2012 Ana PaulaAna Paula Pires
 
Atividade2nathalyohanna
Atividade2nathalyohannaAtividade2nathalyohanna
Atividade2nathalyohannaNathalyOhanna
 

Mais procurados (20)

Revista Educatrix - Ed.05
Revista Educatrix - Ed.05Revista Educatrix - Ed.05
Revista Educatrix - Ed.05
 
Transformando a sala de aula
Transformando a sala de aulaTransformando a sala de aula
Transformando a sala de aula
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
 
O theka final
O theka finalO theka final
O theka final
 
Trabalho com Projetos de Aprendizagem
Trabalho com Projetos de AprendizagemTrabalho com Projetos de Aprendizagem
Trabalho com Projetos de Aprendizagem
 
Projeto bioludicologia
Projeto bioludicologiaProjeto bioludicologia
Projeto bioludicologia
 
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de BiologiaInovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
 
Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016
 
Projeto "E se eu fosse o autor?" - Incentivo à leitura através da cultura dig...
Projeto "E se eu fosse o autor?" - Incentivo à leitura através da cultura dig...Projeto "E se eu fosse o autor?" - Incentivo à leitura através da cultura dig...
Projeto "E se eu fosse o autor?" - Incentivo à leitura através da cultura dig...
 
O Uso do Computador Nas Escolas Brasileiras Como Recurso ´Pedagógico
O Uso do Computador Nas Escolas Brasileiras Como Recurso ´PedagógicoO Uso do Computador Nas Escolas Brasileiras Como Recurso ´Pedagógico
O Uso do Computador Nas Escolas Brasileiras Como Recurso ´Pedagógico
 
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de AulaPráticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
 
A biblioteca transforma-se e transforma a escola
A biblioteca transforma-se e transforma a escolaA biblioteca transforma-se e transforma a escola
A biblioteca transforma-se e transforma a escola
 
Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1
Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1
Projeto Pedagógico Mind Lab - vol1
 
Usando TIC e Projetos de Aprendizagem
Usando   TIC e Projetos de AprendizagemUsando   TIC e Projetos de Aprendizagem
Usando TIC e Projetos de Aprendizagem
 
Documento Final | Acção 1 | HEC 11
Documento Final | Acção 1 | HEC 11Documento Final | Acção 1 | HEC 11
Documento Final | Acção 1 | HEC 11
 
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interaçãoDia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
 
O professor criador de experiências educativas para captar a atenção dos alu...
O professor criador de experiências  educativas para captar a atenção dos alu...O professor criador de experiências  educativas para captar a atenção dos alu...
O professor criador de experiências educativas para captar a atenção dos alu...
 
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosA aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
 
Portifolio 2012 Ana Paula
Portifolio 2012 Ana PaulaPortifolio 2012 Ana Paula
Portifolio 2012 Ana Paula
 
Atividade2nathalyohanna
Atividade2nathalyohannaAtividade2nathalyohanna
Atividade2nathalyohanna
 

Destaque (7)

Roteiro5e6 Estrelas
Roteiro5e6 EstrelasRoteiro5e6 Estrelas
Roteiro5e6 Estrelas
 
Vídeo aula 2
Vídeo aula 2Vídeo aula 2
Vídeo aula 2
 
Roteiro1 introducao
Roteiro1 introducaoRoteiro1 introducao
Roteiro1 introducao
 
Astronomia
AstronomiaAstronomia
Astronomia
 
Roteiro5e6 estrelas
Roteiro5e6 estrelasRoteiro5e6 estrelas
Roteiro5e6 estrelas
 
As Estrelas
As EstrelasAs Estrelas
As Estrelas
 
Aula 3 - CFQ - 7º ANO
Aula 3 - CFQ - 7º ANOAula 3 - CFQ - 7º ANO
Aula 3 - CFQ - 7º ANO
 

Semelhante a Projetos de aprendizagem e leitura

6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...
6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...
6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...EB 2,3 Rainha Santa Isabel - Carreira
 
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Universidade Federal de Pernambuco
 
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de ProjectoA Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de ProjectoCarlos Pinheiro
 
Oficina conteudos digitais - nte
Oficina conteudos digitais  - nteOficina conteudos digitais  - nte
Oficina conteudos digitais - nteloizaroncete
 
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVESOFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVESjosemilia17
 
OFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVES
OFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVESOFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVES
OFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVESjosemilia17
 
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVESOFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVESjosemilia17
 
Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...
Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...
Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...SimoneHelenDrumond
 
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...Isabel Nina
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didáticoCarina
 
Apres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworksApres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworksAna Agostini
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.sil2007
 
Apres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworksApres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworksAna Agostini
 
Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1isamorais54
 
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência NaturaisOrientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturaispibidbio
 
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasBiblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasAna Ferreira
 

Semelhante a Projetos de aprendizagem e leitura (20)

6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...
6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...
6 Passos com TIC para @prender ou Desenvolver a autonomia dos alunos para ger...
 
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
 
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de ProjectoA Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
 
Workshop parte II
Workshop parte IIWorkshop parte II
Workshop parte II
 
Oficina conteudos digitais - nte
Oficina conteudos digitais  - nteOficina conteudos digitais  - nte
Oficina conteudos digitais - nte
 
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVESOFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
 
OFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVES
OFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVESOFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVES
OFICINA - NTE E ESCOLA JACY ALVES
 
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVESOFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
OFICINA: NTE E ESC. JACY ALVES
 
Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...
Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...
Semieduc - PORTFÓLIOS DE IDÉIAS INSPIRADORAS PARA INOVAR AS AULAS DO AMBIENTE...
 
eTwinning: Project Based Learning
eTwinning: Project Based LearningeTwinning: Project Based Learning
eTwinning: Project Based Learning
 
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
 
Metodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
Metodologias Ativas, Imersivas e InovadorasMetodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
Metodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didático
 
Apres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworksApres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworks
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
 
Apres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworksApres.projeto pbworks
Apres.projeto pbworks
 
Avaliação Conteúdos Online
Avaliação Conteúdos OnlineAvaliação Conteúdos Online
Avaliação Conteúdos Online
 
Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1Relatório final isabel morais.doc 1
Relatório final isabel morais.doc 1
 
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência NaturaisOrientações didáticas -  terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
Orientações didáticas - terceiro e quarto ciclo de Ciência Naturais
 
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasBiblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
 

Mais de Maria Helena Pereira

Mais de Maria Helena Pereira (7)

Roteiro minicurso seminario
Roteiro minicurso seminarioRoteiro minicurso seminario
Roteiro minicurso seminario
 
Clube de astronomia
Clube de astronomiaClube de astronomia
Clube de astronomia
 
Roteiro7 Constelações
Roteiro7 ConstelaçõesRoteiro7 Constelações
Roteiro7 Constelações
 
Roteiro3e4 Escalas no Universo
Roteiro3e4 Escalas no UniversoRoteiro3e4 Escalas no Universo
Roteiro3e4 Escalas no Universo
 
Roteiro7 constelacoes
Roteiro7 constelacoesRoteiro7 constelacoes
Roteiro7 constelacoes
 
Roteiro3e4 escalas no universo
Roteiro3e4 escalas no universoRoteiro3e4 escalas no universo
Roteiro3e4 escalas no universo
 
Roteiro2 medidas astronomicas
Roteiro2 medidas astronomicasRoteiro2 medidas astronomicas
Roteiro2 medidas astronomicas
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Projetos de aprendizagem e leitura

  • 1. EMEF Des. Achilles de Oliveira Ribeiro Nágila Euclides da Silva Polido EMEF Henrique de Souza Filho – Henfil Maria Helena Pereira CLUBE DE ASTRONOMIA Prefeitura do Município de São Paulo Diretoria de Educação de São Mateus – DRE / SM
  • 2. LEITURA INICIAL LANE, Smith. É um livro. São Paulo: Cia das Letrinhas, 2010.
  • 3. PROJETOS DE APRENDIZAGEM “Um projeto de aprendizagem é um projeto no qual o aluno vai aplicar o que está aprendendo enquanto cria um produto. Porém, diferentemente de um projeto para gerar apenas um produto complexo, um projeto de aprendizagem é projetado para que aconteça a aprendizagem.(...)
  • 4. PROJETOS DE APRENDIZAGEM “(...) Portanto, ao invés de ter apenas divisão de tarefas, etapas, previsão de recursos, tempos, etc., o projeto de aprendizagem também prevê paradas para reflexão, feedback, autoavaliação e avaliação de pares, discussão com outros grupos e atividades para “melhoria de ideias...”
  • 5. PROJETOS DE APRENDIZAGEM “Diferentemente de uma sequência didática, num projeto de aprendizagem há preocupação em gerar um produto. Porém, esse produto não precisa ser um objeto concreto. Pode ser uma ideia, uma campanha, uma teoria, etc. A grande vantagem de gerar esse produto é criar oportunidades para o aluno aplicar o que está aprendendo e também desenvolver algumas habilidades e competências.”
  • 6. PROJETOS DE APRENDIZAGEM Ambientes colaborativos fornecem ferramentas para criar e reter artefatos de aprendizagem. Os alunos desenvolvem competências do Séc. XXI criando seus artefatos online usando ferramentas que simplificam:
  • 7. PROJETOS DE APRENDIZAGEM Escrita: artigos, poemas, relatórios, histórias, textos Gerenciamento de mídia: fotos, listas, multimídia, arquivos Interação de alunos: painéis de mensagem, debates, votações, brainstorming, perguntas Publicação de website (Extraído do Curso sobre Aprendizagem por Projetos da Fundação Oracle, revisado e ministrado por Cesar Nunes)
  • 8. PROJETOS DE APRENDIZAGEM Pergunta, questão, tem a mesma origem que quest (em Inglês), que significa; jornada, busca de alguma coisa importante. As perguntas funcionam como convites generosos à criatividade, trazendo à tona aquilo que ainda não existe.
  • 9. PROJETOS DE APRENDIZAGEM Como fazer boas perguntas? • Como fazer perguntas simples, mas que cheguem ao cerne da questão? • Esta pergunta é realmente relevante para a vida real? • É uma pergunta genuína? Em que eu realmente não sei sua resposta?
  • 10. PROJETOS DE APRENDIZAGEM Como fazer boas perguntas? • Esta pergunta gera imaginação, ação criativa, esperança e novas possibilidades? Ou provavelmente vai focar em problemas passados e obstáculos?
  • 11. PROJETOS DE APRENDIZAGEM Avaliação As avaliações por rubrica auxiliam os professores a ensinar assim como a avaliar os trabalhos do aluno. A criação de rubricas potencializa os processos de ensino-aprendizagem.
  • 12. PROJETOS DE APRENDIZAGEM O que é avaliação por rubrica? Uma avaliação por rubrica, em geral, se constitui em um documento que descreve vários níveis de qualidade, de excelente a insuficiente, para uma determinada tarefa. Frequentemente é utilizada com uma tarefa complexa, tal como um projeto de longa duração, uma redação, ou um trabalho de pesquisa.
  • 13. PROJETOS DE APRENDIZAGEM O que é avaliação por rubrica? Seu propósito é dar aos alunos um feedback informativo sobre seus trabalhos em andamento e dar avaliações detalhadas de seu trabalho final.
  • 14. PROJETOS DE APRENDIZAGEM O que é avaliação por rubrica? Tem duas características comuns: (1) uma lista de critérios, ou "o que conta" em um projeto ou tarefa; e (2) graduações de qualidade, com descrições dos trabalhos dos alunos como excelentes, medianos e que apresentam dificuldades.
  • 15. INFORMÁTICA EDUCATIVA • Portaria n.o 5.636/2011 (em vigência) • As atividades de Informática Educativa devem ser integradas ao currículo e promover intercâmbios entre as diferentes áreas da escola • Proposta de ambientes de aprendizagem inovadores, colaborativos e interativos
  • 16. INFORMÁTICA EDUCATIVA • Potencialização do uso crítico dos recursos como forma de expressão oral, escrita, registro, socialização e produção de textos em diferentes linguagens, além de favorecer o uso das TICs no desenvolvimento das competências leitora e escritora no processo de formação dos alunos, pesquisa e produção do conhecimento e auxiliar na implementação do Programa Ampliar. (Art. 2º)
  • 17. INFORMÁTICA EDUCATIVA “os projetos podem contribuir para favorecer, nos estudantes, a aquisição de capacidades relacionadas com a formulação e resolução de problemas, diagnóstico de situações e o desenvolvimento de estratégias analíticas e avaliativas, favorece a tarefa de pesquisa e a integração de diferentes disciplinas.” (Hernándes:1998)
  • 18. INFORMÁTICA EDUCATIVA• • Em 2011, a SME propôs que o trabalho baseado em aprendizagem colaborativa, implementando a OC/TIC, fosse feito por projetos em ambiente colaborativo, o THINKQUEST (www.thinkquest.org). • Em 2013, com a descontinuidade do ambiente doThinkQuest, a SME implementou a utilização de uma nova plataforma, o EDMODO (www.edmodo.com). • .
  • 19. INFORMÁTICA EDUCATIVA Vantagens: • Ambiente especialmente criado para a educação; • Ambiente de formação de educação à distância; • Permite o estabelecimento de processos de avaliação formativa;
  • 20. INFORMÁTICA EDUCATIVA Vantagens: • Permite a organização dos registros e disponibilização do material das aulas, tanto na escola como em qualquer lugar, com acesso à Internet; • Permite a visualização da participação dos alunos de forma individual ou como o professor assim propor.
  • 21. INFORMÁTICA EDUCATIVA A participação da Informática Educativa permitiu: • Promover a autonomia dos alunos; • Desenvolver técnicas de pesquisa; • Utilizar o computador como recurso; • Registrar e compartilhar suas ações e ideias.
  • 22. SALA DE LEITURA Objetivos: • Inserir os alunos na cultura escrita, por meio do contato com os diferentes gêneros de textos presentes em seu cotidiano; • Despertar o interesse pela leitura, por meio do manuseio de livros, revistas e outros suportes e da vivência de diversas situações nas quais seu uso se faça necessário;
  • 23. SALA DE LEITURA • Favorecer a aprendizagem dos diferentes procedimentos de leitura e uso dos diversos gêneros de circulação social.
  • 24. SALA DE LEITURA • Articulação das práticas realizadas na Sala de Leitura com as novas tecnologias, uma vez que estas estão incorporadas ao cotidiano dos alunos de ensino fundamental, sobretudo a partir do 6° ano, quando em geral desenvolvem mais autonomia. • Três tipos de leitores: o leitor contemplativo, o leitor movente e o leitor imersivo (Santaella, 2004).
  • 25. SALA DE LEITURA Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes competências para o LEITOR POLIVALENTE: a) Capacidade de ler em todas as modalidades: em voz alta, para si mesmo, seletivamente, compreendendo os textos que lê; b) Capacidade de ler em todos os tipos de suporte: antigos e modernos;
  • 26. SALA DE LEITURA Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes competências para o LEITOR POLIVALENTE: c) Capacidade de ler todo tipo de textos e documentos: textos literários, científicos, de divulgação - saber procurar, localizar e extrair a informação desejada; saber reformular a informação e utilizá-la sobre todos os suportes multimídia;
  • 27. SALA DE LEITURA Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes competências para o LEITOR POLIVALENTE: d) Capacidade de orientar-se nos lugares de leitura: biblioteca familiar, de aula, biblioteca escolar, biblioteca pública, livraria; e) Capacidade de situar-se nos objetos de leitura: no texto, no paratexto (prefácio, epílogo, notas, índice, sumário etc.) e no intertexto;
  • 28. SALA DE LEITURA Butlen (2002: p. 285-286) propõe sete grandes competências para o LEITOR POLIVALENTE: f) Capacidade de reconhecer-se em sua própria prática de leitor, ou seja, ser capaz de manter um discurso crítico no que se refere às próprias práticas como também no que se refere aos textos que lê; g) Capacidade de relacionar atividade de leitura com os demais aspectos do domínio da língua.
  • 29. PROGRAMA AMPLIAR • Portaria SME n° 5.360, de 04/11/2011 – instituiu o Programa Ampliar; • Art. 3° e Art. 4° - constituição do Programa Ampliar por meio de atividades curriculares e projetos já existentes (Sala de Leitura e Informática Educativa);
  • 30. PROGRAMA AMPLIAR • Os projetos conjuntos da Sala de Leitura e do Laboratório de Informática buscam efetivar as sugestões apresentadas pela Secretaria Municipal de Educação (SME) a partir de experiências já desenvolvida; • Em 2013, o Programa Ampliar está sendo substituído pelo Programa Mais Educação.
  • 31. ARTICULAÇÃO SALA DE LEITURA E INFORMÁTICA EDUCATIVA • Um dos pressupostos das sugestões de redimensionamento de bibliotecas públicas, escolares e salas de leitura é o trabalho em equipe. A colaboração entre os diversos atores do processo educativo potencializa as ações desenvolvidas nesses espaços e parece ser o caminho natural para integrar a leitura às novas tecnologias.
  • 32. ARTICULAÇÃO SALA DE LEITURA E INFORMÁTICA EDUCATIVA Na chamada Sociedade da Informação e do Conhecimento, ler um livro, assistir a um filme, ouvir uma música, navegar na internet são – todas – ações que contribuem para a formação do educando. Hoje, dissociar a leitura literária das possibilidades das TIC é retirá-la de seu contexto real. (Nuñez, 2002: p. 224-225).
  • 33. BUTLEN, Max. A leitura na escola e na biblioteca multimídia: entre o poder e o desejo. In: RÖSING, T. M. K. e BECKER, P. (org.). Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca. Passo Fundo: UPF, 2002, p. 285-299. HERNÁNDEZ, F. & VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre: Artmed, 1998. NUÑEZ, Eloy Martos. Espaços de leitura: projetos, conteúdos e animação cultural. In: RÖSING, T. M. K. e BECKER, P. (org.). Leitura e animação cultural: repensando a escola e a biblioteca. Passo Fundo: UPF, 2002, p. 221-251. ALGUMAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 34. PERROTTI, Edmir e PIERUCCINI, Ivete. Infoeducação: saberes e fazeres da Contemporaneidade. In: LARA, M.L.G.; FUJINO, A; NORONHA, D. P. (orgs.). Informação e contemporaneidade: perspectivas. Recife: Néctar, 2007, p. 97-119. ROJO, Roxane Helena R. (org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012 (Coleção Estratégias de Ensino – vol. 29). SANTAELLA, Lúcia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004. ALGUMAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS