SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
FACULDADE DO CENTRO LESTE
ELIONALDO DE OLIVEIRA CRUZ
MELHORIA DE PRODUTIVIDADE
PORTUÁRIA COM MUDANÇAS DE
LAYOUT:
CASO DO COMPLEXO PORTUÁRIO DA
VALE
SERRA
2016
ELIONALDO DE OLIVEIRA CRUZ
MELHORIA DE PRODUTIVIDADE
PORTUÁRIA COM MUDANÇAS DE
LAYOUT:
CASO DO COMPLEXO PORTUÁRIO DA
VALE
Monografia apresentada ao Curso de
Pós-graduação em MB-Logística da
Faculdade do Centro Leste, como
requisito parcial para obtenção de título
de Especialista em Logística.
Orientador: Prof. Erico Colodeti Filho,
MSc.
SERRA
2016
Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP)
(Biblioteca da UCL - Faculdade do Centro Leste, Serra, ES, Brasil)
C955m Cruz, Elionaldo de Oliveira.
Melhoria de produtividade portuária com mudança de layout
caso do complexo portuário da Vale. / Elionaldo de Oliveira Cruz
- 2016.
33f.
Orientador: Érico Colodetti Filho
Monografia (Pós-graduação) – UCL – Faculdade do Centro
Leste, Curso de MBA - Logística.
1. Porto de Tubarão. 2. Produtividade portuária. 3. Layout e
produção. I.Título.
CDU 658.78
AGRADECIMENTOS
Agradeço em primeiro lugar a Deus por ter me dado saúde e condições financeiras
para concluir meu curso.
Em especial agradeço ao coordenador Erico Colodetti pela orientação deste trabalho.
Agradeço a todo o corpo de professores que fizeram parte do currículo do MBA em
Logística
Por fim meus agradecimentos também se estendem entre os colegas de classe que
muito contribuíram através de troca de conhecimentos e compartilhamento de
informações no decorrer do desenvolvimento das matérias.
“Não somos culpados pelo mundo que encontramos ao nascer. Mas precisamos,
na medida de nossas possibilidades, fazer alguma coisa pelo mundo que está
sendo construído (ou destruído). E que será herdado aos que hão de vir.”
Gilberto Cotrim
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO.....................................................................................................10
1.1 CONTEXTO.........................................................................................................10
1.2 SITUAÇÃO POBLEMA......................................................................................11
1.3 OBJETIVOS DA PESQUISA..............................................................................12
1.3.1 OBJETIVO GERAL .........................................................................................12
1.3.2 Objetivos específicos...........................................................................................12
1.3.3 Justificativa.........................................................................................................12
2 REVISÃO DE LITERATURA..............................................................................12
2.1 INTRODUÇÃO....................................................................................................12
2.2 LOGISTICA..........................................................................................................13
2.2.1 O superporto e seu impacto nas operações portuária de Vitória...................14
2.2.2 Alguns responsáveis dentro de uma área portuária........................................14
2.3 LAYOUT................................................................................................................17
2.4 ESTOQUE..............................................................................................................18
2.5 PRODUÇÃO PORTUARIA................................................................................18
2.6 GARGALOS. NAS OPERAÇÕES PORTUÁRIA.............................................19
3 METODOLOGIA.....................................................................................................21
3.1 INTRODUÇÃO......................................................................................................21
3.2 METODOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA................................21
3.2.1 |Levantamento de dados para o estudo.............................................................21
3.2.2 Classificação da pesquisa...................................................................................21
3.2.3 Pesquisa exploratória........................................................................................22
4 RELATO DE CASO...............................................................................................22
4.1 INTRODUÇÃO.....................................................................................................22
4.2 A EMPRESA VALE NO ES.................................................................................22
4.2.1 Demanda atual....................................................................................................23
4.3 TGL......................................................................................................................24
4.4 EMPRESA TRANSPETRO E SUAS OPERAÇÕES........................................25
4.5 RESPOSTAS DA TRANSPETRO.......................................................................26
4.6 MUDANÇAS DE LAYOUT E SEUS IMPACTOS NA PRODUTIVIDADE
PORTUARIA.................................................................................................................29
CONCLUSÃO................................................................................................................30
REFERENCIA...............................................................................................................31
LISTA DE FIGURAS
Figura 1:Plojeto de um Super. Porto no ES...........................................................14
Figura 2:Visão Geral dos Portos construídos e que estão sendo construído no
ES................................................................................................................................19
Figura 3:Portos sem papel........................................................................................20
Figura 4:Visão panorâmica do complexo de tubarão............................................24
Figura 5:TGL............................................................................................................25
Figura 6:Pier de barcaças........................................................................................26
Figura 7: Pátio de estocagem da TEVIT...............................................................28
Quadro comparativo de cargos e funções numa área portuária................................14
RESUMO
No mundo é arrecadado com operações portuária 60 trilhões, o PIB está dividido
através da linha do equador que separa os países, desta forma pode ser notado como
países pertencentes ao hemisfério norte os que ficam com o total de 90% estão bem
mais avançados que os do hemisfério sul com 10% justamente devido os fretes destes
serem mais altos (PRATA,2011).O estado do Espirito Santo contempla uma boa
parte desse PIB,uma vez que tem aumentado o numero de empresas que utilizam os
serviços portuários. Sendo assim as filas de navios tem aumentado no porto da barra
que é o local de espera, logo surge a necessidade de medidas que acelerem as
operações; desta forma surge o seguinte problema de pesquisa: O terminal de grão
líquidos(TGL) é usado pela empresa Petrobrás para escoar seus produtos líquidos
através de dutos, porém este píer está bem próximo de um de seus principais píer que
escoa minério e pelotas que são produzidas em Minas e no estado. Dada a demanda
de aumento de postos de combustíveis devido ao crescimento do mercado
automobilístico surgem as seguintes indagações: Até que ponto o posicionamento do
píer TGL poderá atrasar a produção da Vale de escoamento de seus produtos e até
que ponto os navios transpetro poderão esperar sem riscos de esvaziamento de
reservas nos 5 tanques do pátio da TEVIT com capacidade de 11mil metros cúbicos
de derivados, álcool e Biodiesel de armazenamento? Seria mais viável a mudança de
layout através de mudança do píer TGL para o píer que fica nos fundos do Cais de
rebocadores?
Palavras chave: Porto de tubarão, Produtividade portuária, Layout e
produção.
INTRODUÇÃO
1.1 CONTEXTO
No mundo é arrecadado com operações portuária 60 trilhões, o PIB está dividido
através da linha do equador que separa os países desta forma pode ser notado como
países pertencentes ao hemisfério norte que ficam com o total de 90% estão bem
mais avançados que os do hemisfério sul com 10% justamente devido os fretes de o
sul ser mais caros (PRATA, 2011). Como tem aumentado o numero de empresas que
utilizam os serviços portuários no estado do Espirito Santo as filas de navios tem
aumentado no porto da barra, logo surge a necessidade de medidas que acelerem as
operações; que retirem ou minimizem os gargalos da logística portuária.
Barboza apud instituto ILOS relembra uma pesquisa realizada que apontam os
fatores burocrático tais como: leis e exigências de agencias reguladoras, tempo de
espera para embarque e desembarque de cargas, Portos saturados, observam-se filas
de caminhões esperando algum espaço para descarregar no porto de Santos, a
saturação das estruturas portuárias e a inevitável necessidade de esperar horas ou
mesmo dias para embarcar ou desembarcar mercadorias nos pátios. Infraestrutura de
acesso rodoviário: Com a saturação dos portos, o acesso à área portuária pelas
rodovias, Custo portuário: Sendo muito dinheiro gasto para que o usuário consiga
importar ou exportar via portos nacionais, Deficiência na armazenagem: Mesmo
quando o usuário consegue transpor as filas e a falta de acesso ao porto até chegar ao
pátio do terminal, este ainda se depara com a falta de espaço e de capacidade de
armazenagem das mercadorias nos portos brasileiros, Demora na liberação dos
produtos: Exigências burocráticas criam outro problema: o tempo em que as cargas
com as mercadorias são liberadas e chegam ao porto.
A Secretaria Especial de Portos (SEP) recentemente desenvolveu o programa Porto
24h, colocando as agências para funcionar durante todo dia, o problema é a escassez
de mão de obra, em especial os práticos e a defasagem dos equipamentos brasileiros
que acabam por atrasar a movimentação e acabam prejudicando a fila de navios na
espera.
Conforme o ministério dos portos existe algumas modalidades e inovações na área
portuária, estas novidades na área portuária trouxeram avanços e desbloqueios na
logística portuária tais como:
O Porto sem Papel é um sistema de informação que tem como objetivo
principal reunir em um único meio de gestão as informações e a
documentação necessárias para agilizar a análise e a liberação das
mercadorias no âmbito dos portos brasileiros. A SEP/PR já implantou o
projeto nos 34 portos públicos, eliminando mais de 140 formulários em papel
que foram convertidos para um único documento eletrônico. (VICTOR
TARDIO APUD PORTOS DO BRASIL, 2015).
1.2 SITUAÇÃO POBLEMA
Um sistema de transportes é composto pelos indivíduos e bens transportados, pelos
veículos para deslocamentos e pelas redes e infraestrutura onde ocorrem os fluxos de
movimentação, nesse sentido os portos são considerados como terminais onde se
encontram diversos segmentos de uma complexa rede de transportes e na sua
concepção mais simples, um porto é entendido como um nó referenciado pela
interseção de hidrovias, rodovias, ferrovias, aerovias e duto vias que recebe tanto
cargas quanto passageiros a concepção, a construção e a operação de um porto
podem implicar em um elevado custo de oportunidade para qualquer município,
estado ou nação, se tais etapas não forem técnica e ambientalmente otimizadas.
(PRATA, 2006).
A viabilidade de um porto, tendo em vista se constituir investimentos significativos
com participação e interação de diversos modais de transporte, está associada à
movimentação de grande quantidade de cargas para ter viabilidade financeira e
econômica. Um porto, normalmente, é um elemento de conexão entre o modal
hidroviário com os demais modais.
1.3 OBJETIVOS DA PESQUISA
1.3.1 Objetivo Geral
O objetivo geral deste trabalho é mostrar que a alteração no layout no berço do
Terminal de Grãos e Líquidos e do berço de barcaças, do porto de tubarão pode
melhorar a produtividade nas atividades de carga e descarga dos navios.
1.3.2 Objetivos específicos
Serão os seguintes objetivos específicos:
 Analisar as mudanças nas instalações do Terminal de Grãos Líquidos
(TGL), para o cais de rebocadores.
 Apresentar as literaturas inerentes à produção portuária.
1.3.3 Justificativa
Esse trabalho se torna importante na medida em que as empresas que utilizam o
porto de Tubarão poderão conquistar benefícios na agilidade na diminuição de filas
de navios que ficam aguardando no ante porto para poderem entrar no píer para
atracação e também na produtividade das operações de carga e descarga com uma
alteração do layout atual.
2 REVISÃO DE LITERATURA
2.1 INTRODUÇÃO
O objetivo deste capitulo é trazer aos leitores fundamentos científicos e teóricos
para confirmação sobre a necessidade de mudança de layout desta forma será
apresentado estudos sobre Logística, Tipos de portos, Layout, Produção Portuária e
gargalos frequentes na logística portuária.
2.2 LOGISTICA
Logística está ligada a abastecimento de suprimentos, transportes e comunicações.
“Logística é o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo
eficiente e eficaz de mercadorias”
(BALLOU RONALD H.P.27,2006)
A logística estuda 05 meios de transportes de mercadorias ou pessoas que são
denominados de modal dentre eles:
A) Rodoviários compostos por carros, caminhões, carretas etc;
B) Ferroviário relacionado a tudo que se move em ferrovias;
C) Dutos viários que são os elementos líquidos, gasoso ou pastoso que se movimentam
através de dutos;
D) Aeroviários relacionados ao ar aviões de diversos modos etc;
E) Marítimo relacionado a transporte por mar
Dentre as razões do objeto deste estudo na área marítima é que este modal tem sido o
mais procurado no estado do Espirito Santo para exportação e importação devido sua
acessibilidade ao mar, a alta quantidade de volume transportado deixa o valor do
transporte bem menor que os demais modais.
Como os custos de transportes acabam impactando nos ganhos da produção, o
conhecimento de logística,torna-se imprescindível para qualquer tipo de empresa desta
forma:
“[Logística é a chave de muitos negócios por muitas razões, entre as quais
incluímos o alto custo de operação das cadeias de abastecimento].”
(SENAI, educação profissional, p.8,2004).
A aplicação de alguns conceitos da logística tais como: modais de transporte,
distribuição física, armazenamento e estocagem, cadeia de suprimento, sistema de
comunicação eletrônica-EDI, arranjos de espaço físico-Layout, Softwares
gerenciadores de armazéns-WMS, são de suma importância para uma análise mais
apurada para que haja redução de custos nas operações dentro da cadeia de
suprimento.
2.2.1 O super. Porto e seu impacto nas operações portuária de Vitória
Em 2011 aconteceu em vitória o fórum de logística empresarial e infraestrutura do
espirito santo, foram debatidos questões relacionado com a logística, estrutura
logística dos portos no ES e alguns gargalos nas operações de desembarque de
contêineres em Vila Velha onde o transito dos caminhões de descarregamento de
contêineres do porto transito e nas filas de navios que ficam aguardando para
atracarem chegando a três dias de espera o navio de carga geral e 1 dia o de
contêiner, desta forma a criação do super. Porto irá desafogar o transito de navios no
porto. (PRATA ALMEIDA, ACESSO 2016).
Figura 1:Plojeto de um Super. Porto no ES
Fonte: Prata (ACESSO, 2016).
2.2.2 Alguns responsáveis dentro de uma área portuária
Ter conhecimento dos principais órgãos e funções que atuam numa área portuária
tem sua devida importância para compreensão da produção nesta área.
Alguns órgãos que operacionalizam numa área portuária:
Companhias Docas Que são as atuais
administradoras dos
portos organizados
GEMPO - Grupo
Executivo para
Modernização dos
Portos
Compete-lhe, entre outras
tarefas, elaborar e
programar o programa
integrado de
modernização portuária;
CAP - Conselho de
Autoridade Portuária
É o responsável pela
regulamentação sobre a
exploração portuária,
horário de funcionamento
do porto, homologação
dos valores das tarifas
portuárias, estímulo à
competitividade, tomada
de medidas para
desenvolver o porto, entre
outros assuntos de
interesse para a melhoria
dos portos e suas
operações.
É composto por
representantes do poder
públicos, bem como
usuários, operadores
portuários e trabalhadores.
OGMO - Órgão Gestor
de Mão-de-Obra
Criado pela mesma Lei,
tem a função de
administrar o
fornecimento da mão-de-
obra e controle do
trabalho avulso portuário
e trabalho portuário.
Operador Portuário Operador Portuário
Responsável pelas
operações alfandegadas
portuárias, dentro das
áreas dos portos
organizados, suas
atividades são todas
aquelas que envolvem a
movimentação de cargas
provenientes e/ou
destinadas ao transporte
aquaviário.
Sindicato dos
Trabalhadores Avulsos Podem ser classificados
por quatro:
-Sindicato dos
Estivadores- responsável
pela movimentação e
arrumação de cargas a
bordo dos navios.
- Sindicato dos Bloquistas
- pessoas responsáveis
pela "peação e despeação"
de cargas a bordo dos
navios.
- Sindicato dos
Consertadores -
trabalhadores que cuidam
de consertos de
embalagem ou cargas a
bordo dos navios.
- Sindicato dos Vigias -
responsável pela guarda
da entrada de pessoas nos
navios atracados nos
portos.
Práticos (pilotos
marítimos)
Trata-se de pessoal
técnico especializado,
com grande conhecimento
marítimo e náutico,
A necessidade da
utilização dos práticos,
nos portos e canais
brasileiros, é
regulamentada por
legislação específica,
indicando quando e
quantos deverão participar
das manobras dos navios.
O uso da praticagem é,
inclusive, um dos
princípios da IMO.
Rebocadores
(Tug/Tugboat/Towboaí)
São pequenas
embarcações dotadas de
motores de grande
potência e utilizadas no
auxílio das manobras dos
grandes navios na entrada,
atracação e saída dos
portos e canais em todo o
mundo. Também atua nos
serviços de rebocagem de
navios nos portos, alto
mar e em salvamentos.
No Brasil, a legislação
regulamenta o uso destas
embarcações nos portos e
canais, indicando a
necessidade e quantidade
de embarcações que
deverão ser utilizadas nas
manobras dos navios.
Quadro 1:Comparativo de cargos e funções numa área portuária
Fonte: Ministério dos portos (2014)
2.3 LAYOUT
Segundo as definições de oliveira e Luiz (2004) layout significa a disposição física
do equipamento industrial, esta estratégia é um conjunto de projetos e arranjos. O
estudo do espaço é muito importante e necessário para movimentação de materiais,
armazenamento e locomoção de pessoas e serviços, Davis, Nicholas e Chase (2001)
discorrem sobre uma metodologia chamada de JIT que é um conjunto de atividades
projetado para atingir a produção em alto volume, utilizando estoques mínimos de
matérias-primas, estoque intermediário e bens acabados as peças chegam à estação
de trabalho seguinte justo a tempo, neste caso o objetivo maior será zerar o estoque,
como existe uma diversidade de mercadorias que operam nos portos que vai de
produtos sazonais, produtos comodites, minerais e produtos perecíveis em certas
áreas haverá uma variação onde tanto o estoque, quanto sua ausência é aceito.
O SENAI (2004) vem diferenciando o layout dentro de uma operação onde é usado
o sistema Just time (JIT) onde na sua maioria os estoques são mantidos no chão da
fabrica entre as estações de trabalho e não em almoxarifado, principalmente em
portos onde as matérias primas ficam próximas aos piers dependendo das
mercadorias a serem transportadas se forem materiais que não podem ter contato
com chuva ou ficar exposto ao tempo o uso do JIT e o layout do local já é mudado
pois encontramos a presença de galpões que armazenam e guardam seus materiais
tanto os que serão exportados e os materiais que chegam, a forma do layout nestas
áreas deverão seguir suas necessidades operacionais.
De acordo com Cury (2012) é da equipe de analistas a responsabilidade do
planejamento do layout, nele é realizado correções necessárias para diminuir custos,
toda correção se dá através da planta do local.
Havendo mudança de layout dentro de uma área portuária haverá necessidade de
acompanhamento das leis portuárias, licenciamento ambiental geralmente haverá
uma nova estrutura que envolverá novos elementos tais como: plataformas,
tubulações, mudança no calado, profundidade, largura da abertura e criação de um
mole e etc.
O Layout corresponde ao arranjo dos diversos postos de trabalho nos espaços
existentes na organização, envolvendo, além da preocupação de melhor
adaptar as pessoas ao ambiente de trabalho, segundo a natureza da atividade
desempenhada, a arrumação dos móveis, máquinas, equipamentos e matérias
primas.(CURY,P.396,2012).
O Layout pode Facilitar o fluxo de materiais, produtos, equipamentos evitando danos
e acelerando processos de produção, pois numa mudança simples ou complexa,seja
de maquinas ou instalações poderá abrir espaços para que as atividades fruam de
forma mais rápida.. A aplicação de Layout é importante para um porto pela
realização de estudos para identificação de estrutura adequada, a sua localização e o
espaço disponível a ser utilizado.
Dias (1993) resume dizendo que é preciso saber os objetivos a serem atingidos.
Desta forma, pode-se dizer que para uma área portuária, pode ser interessante à
redução do fluxo de materiais ou uma maior estocagem ou ainda redução nos
custos(Dias, 1993).
2.4 ESTOQUE
De forma metafórica referindo-se ao estoque numa organização,vai „seguindo numa
via de mão dupla‟, pois apesar de sua posição estratégica dentro de uma empresa ou
indústria há os custos com manutenção que envolve: custos de espaço quando se trata
de um ambiente alugado, custo de capital relacionado ao valor investido nos produtos
que poderia está sendo usados em outras aplicações, custos de serviços e estocagem
quando há uma necessidade de pagamento de imposto e seguros das mercadorias e
custos de riscos de estocagem são custos gerados no decorrer de movimentações com
empilhadeiras, roubos ou quebra de produtos (BALHOU. H.RONALD, 2006).
2.5 PRODUÇÃO PORTUARIA
Slack, et al (2002) relatam que um dos principais papeis da produção numa empresa
é impulsionar a estratégia, dando-lhe vantagem competitiva a longo prazo,
correlacionando estratégia da produção Davis, Nicholas e Chase(2001) dizem que a
estratégia de produção está focada no desenvolvimento de um planejamento de longo
prazo para determinar como utilizar os principais recursos da empresa, para que haja
um alto grau de compatibilidade entre esses recursos e a estratégia corporativa de
longo prazo da empresa. Desta forma os recursos são vistos através de uma visão
geral no organograma das operações portuárias e visualização de seus recursos,
portuário. O estado do Espirito Santo foi acometido de mudanças em seus portos
através de novos projetos que contemplaram a criação de novos portos, com exceção
do porto de aguas profundas todos os demais já deram inicio de suas construções,
abaixo uma figura sobre a visão geral dos Portos construídos e que estão sendo
construído no ES.
Figura 2:Visão Geral dos Portos construídos e que estão sendo construído no ES
Fonte: Prata (ACESSO, 2016).
2.6 GARGALOS NAS OPERAÇÕES PORTUÁRIAS
Percebe-se que também tem sido gargalo na logística portuária as burocracias
através de procedimentos que fazem com que as operações portuárias fiquem
atrasadas, através da quantidade de documentos que precisam ser levados de uma
entidade a outra para serem liberados, o ministério dos portos criou uma base de
dados onde são lançados as informações e redistribuídas aos demais setores ligados
as leis portuárias, estas mudanças trará na logística marítima, ganho para a produção
através da agilidade e desburocratização através do porto sem papel.
Figura 3:Portos sem papel
Fonte: Secretaria dos portos (ACESSO, 2016).
Segundo Oliveira M. e Leandro (Apostila p.15, 2004) gargalo:
“É a obstrução da etapa de um processo em certa linha de produção. Isto
ocorre quando a capacidade de produção é lenta em algumas partes e a
demais seguem o fluxo normal de produção”.
Outros gargalos podem ser visto nas mudanças físicas nos pátios, intervenções
específicas, com a extensão dos estudos para períodos maiores e a outros setores da
empresa e sua localização. Paradas por bloqueios em equipamentos em navios e no
empilhamento, recomendando operação simultânea.
Fatores como tempo chuvosos e sazonalidade que interferem em algumas operações,
as demoras nas distribuições do tempo em que o navio fica na espera, que tem sido
um dos piores gargalos na área portuária, algumas empresas já utilizam de
simuladores como a arena 12.0 que tem trazido modelagens e resultados que estão
minimizam custos e maximizam lucros (REVISTA EXAME-Acesso 2016).
3 METODOLOGIA
3.1 INTRODUÇÃO
3.2 METODOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA
Por meio dessa pesquisa foram recolhidas informações para que numa possível
aplicação ou procedimento haja resultados esperado. Será apresentado neste capitulo
o caminho para trazer respostas do problema de pesquisa, através do levantamento de
dados para o estudo e a classificação da pesquisa para que seja revelado às
circunstancias para que seja explicado em qual resultado deseja chegar através deste
trabalho.
Metodologia é uma palavra derivada de “método”, do Latim “methodus”
cujo significado é “caminho ou a via para a realização de algo”. Método é
o processo para se atingir um determinado fim ou para se chegar ao
conhecimento. Metodologia é o campo em que se estudam os melhores
métodos praticados em determinada área para a produção do conhecimento.
(SIGNIFICADOS acesso 2016)
3.2.1 levantamento de dados para o estudo
Foram usadas fontes bibliográficas através de livros, artigos, revistas eletrônica,
sobre logística, layout, produção, estoque e porto, para que fosse realizada a
pesquisa.
3.2.2 classificação da pesquisa
Pode-se classificar o método usado para realização deste trabalho como relato de
caso, pesquisa exploratória e pesquisa bibliográfica.
No caso do relato de caso o leitor precisa entender os dados lançados no trabalho.
Yoshida (2007, p.112), Na descrição do caso, a sequência deve ser
cronológica, organizada, com detalhes suficientes para que o leitor estabeleça
sua interpretação, eliminando dados supérfluos, detalhes de datas dos
exames, dados confusos ou não confirmados.
Por meio de buscas em publicações do tipo impressa ou eletrônica artigos, livros,
revistas, manuais e através de um relato de caso. de vários autores onde serão
analisados os conceitos e aplicados neste trabalho com o intuito de se atingir os
objetivos desse trabalho de forma fácil e compreensiva. Além disso, é acessível e
pode esgotar em si mesmo.
3.2.3 Pesquisa Exploratória
Esse tipo de pesquisa realiza a investigação de falhas e problemas através de dados
relevantes que servirá de base para balizar esse trabalho para a solução com a
mudança de Layout.
Monografias Brasil escolas apud ABNT (Acesso 2016) Como o próprio
nome indica, a pesquisa exploratória permite uma maior familiaridade entre o
pesquisador e o tema pesquisado, visto que este ainda é pouco conhecido,
pouco explorado.
4 RELATO DE CASO
4.1 INTRODUÇÃO
4.2 A EMPRESA VALE NO ES
O porto de tubarão foi inaugurado em 1962 com uma demanda que na época
propiciava um tempo de ociosidade para atracação de navios dando assim a criação
de um terminal de grãos líquidos (TGL) num formato de uma janela este píer se
encontra numa posição horizontal entre os piers I e II, desta forma para que haja
operações tanto em um píer quanto no outro que estão em formato vertical não
poderá ter navio atracado neste píer. na época a demanda era de uma empilhadeira,
um virador de vagões e um carregador de navios com apenas uma linha de
transportadores. Em 1973 houve uma expansão no mercado mundial de minérios
aumentando a capacidade para 30.000 Toneladas horas e foram criados outros meios
de comercialização e logística de materiais.
Os manuseios dos produtos são feitos nos seus terminais internos que são:
TPD (Terminal de Produtos Diversos), TPM (Terminal de Praia Mole), TPS
(Terminal de Produtos Siderúrgicos), TGL (Terminal de Granéis Líquidos) e
o Terminal de Minério. Esses terminais fazem o uso do Modal Marítimo que
têm os grandes navios para transportar as cargas até os seus clientes finais, os
países no qual a logística marítima da VALE alcança são: Canadá, Estados
Unidos, Colômbia, Peru, Chile, Noruega, Inglaterra, País de Gales, França,
Guiné, Angola, Alemanha, Suíça, Omã, Moçambique, Índia, Japão, Coreia
do Sul, Mongólia, Cingapura, Nova Caledônia e Austrália. O modal
Marítimo utilizado pela VALE está presente em mais de 38 países, gerando
mais de 174 mil empregos no mundo, atuando além do minério também na
área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia e siderurgia.
(VALE ACESSO 2015).
4.2.1 Demanda atual
Dada à demanda de aumento de postos de combustíveis e ao crescimento do mercado
automobilístico no ES, surge o problema da pesquisa através das seguintes
indagações: Até que ponto o posicionamento do píer TGL atrapalha a movimentação
da Vale e até que ponto os navios transpetro poderão esperar sem riscos de
esvaziamento de reservas nos 5 tanques do pátio da TEVIT com capacidade de 11mil
metros cúbicos de derivados, álcool e Biodiesel de armazenamento? seria mais viável
a mudança de layout através de mudança do píer TGL para o píer que fica nos fundos
do Cais de rebocadores? Para respostas destas perguntas será feito um estudo
bibliográfico com base nas demandas de todas as operações portuárias haja vista que
o anteporto (Porto da Barra) é composto de uma fila de espera de navios que irão
atracar ou no porto de vitória ou no complexo de tubarão podendo ficar até mesmo
aguardando até mesmo um período de três dias para ser atracado. O aluguel da
embarcação fica em média por 25 mil dólares por dia somente pelo aluguel da
embarcação.
Numa entrevista feita pela rede Gazeta ao presidente do sindicato das navegações
marítimas no dia 04 de Dezembro 2015, foi dito que os navios de minério costumam
demorar a sua atracação em até 6 dias nas épocas de safra de milho e soja, haja visto
que a sazonalidade está diretamente ligada a certos meses do ano a necessidade de
movimentação deste produto é maior(ENTREVISTA ACESSO,2015).
Abaixo uma visão panorâmica do porto de Tubarão:
Figura 4:Visão panorâmica do complexo de tubarão
Fonte: VALE (ACESSO, 2015).
4.3 TGL
Berço de granéis líquidos, utilizado pela Petrobrás, recebe navios de até 162m de
comprimento é especializado na descarga de combustíveis, neste píer há uma
plataforma central onde está às tubulações que ligam o terminal até a área de
tancagem.
Os equipamentos de bombeamento líquidos estão-nos próprios navios que atracam
no terminal.
A empresa Vale é a responsável administrativamente por este terminal que é
operado pela empresa transpetro.
Abaixo estão as figuras que demonstram onde os navios atracam para
descarregamento e onde são armazenados os produtos líquidos TEVIT.
Figura 5:TGL
Fonte:Transpetro(2012)
4.4 EMPRESAS TRANSPETRO E SUAS OPERAÇÕES
A empresa BR em parceria com a empresa transpetro gerencia todas as operações de
transportes e armazenamentos de combustíveis da Petrobrás ela também transporta
combustíveis pela malha ferroviária de minas para um pátio que tem uma localização
estrategicamente próximo a linhas férrea, recebe via tubulações os combustíveis que
chegam de navios através do TGL e sua distribuição final de combustiveis aos postos
de combustiveis do estado e algumas empresas se dá pelo modal rodoviário através
de caminhões,dada a importância deste setor e seu retorno logístico para a vale fica
bem nítido como a mudança de layout do TGL se torna tão sensível no caso das
operações. As 26 unidades aquaviárias instaladas em mais de oito mil quilômetros da
costa brasileira operaram a média mensal de 414 navios e demostra o poder desta
empresa neste mercado. A construção de um terminal em Porto de Barra do Riacho,
em Aracruz, sua base em vila velha poderá servir como estratégia para suprir as
demandas de combustíveis no ES, nos períodos das obras em momentos da transição
do píer TGL para o Pier de barcaças onde logo no final é descarregado combustível
para abastecimento de navios.
Figura 6:PIER DE BARCAÇAS
Fonte:Transpetro(2012)
4.5 RESPOSTAS DA TRANSPETRO
Foi enviado algumas perguntas aos responsáveis da TEVIT e realizou-se as seguintes
perguntas que ajudarão a entender a dimensão deste setor e as implicações na
mudança de layout:
1-Qual a quantidade de combustível é abastecida cada vez que um navio desembarca
no tgl?
Volume médio de 30.000,00 m³ de produto por navio.
2-Qual o tempo em que os navios desembarcam no tgl, existe algum numero exato
todo mês ou varia de mês para mês?
Média anual de tempo de descarga para cada 24 hs , e em média mensal de 4 navios.
3-A empresa vale ganhos algum royalty ou pagamento mensal por deixar os tubos
que vão do tgl até o pátio de onde saem os caminhões carregados passarem dentro de
sua área?
A VALE recebe por volume movimentado através de contrato.
4-Existe algum valor pago em aluguel para usarem a área da vale ou são apenas
trocas de favores por meio de fornecimento de combustíveis para a vale?
Existe valor pago para utilização da área.
5-O pier tgl foi construído primeiro ou veio depois dos piers da vale?
Depois.
6-Já tentaram mudar o tgl de lugar? Quando? Porque não mudaram?
Estudos e projetos encontram-se em andamento, com a finalidade de relocar as
atividades do TGL para Praia Mole.
7-Que tipo de combustíveis passa pelo descarregamento no tgl?
Gasolina, diesel ( S10, S500 e Marítimo ), óleo combustível.
8-Que tipo de combustível é descarregado nos fundos do pier da doce nave?
Bunker ( combustível para navios )
9-Existe alguma limitação de navios que podem entrar no berço do tgl?
Sim, limitado a 40000 PTB
10-Alem do tgl qual o outro pier que a Petrobras usa para descarregar seus
combustíveis aqui no ES?
Terminal de Barra do Riacho em Aracruz, Terminal da Oiltanking em V. Velha e
Terminal Norte Capixaba – São Mateus
11-pelo fato de o local do tgl está numa situação de descida quantas bombas são
usadas para bombear o combustível que saem dos navios e duto para os tanques dos
pátios?
As bombas são do Navio e não sei precisar quantas, mas a vazão gira em torno de
700 m³/h
12-Quantos caminhões saem carregados por dia do pátio da transpetro?
Este assunto deverá ser direcionado a BR distribuidora.
13-Se houvesse um acidente e o pier ficasse interditado por algum tempo qual seria o
plano B para a Petrobras trabalhar seus abastecimentos no ES?
Transporte rodoviário do Rio de Janeiro para Espírito Santo e/ou via Terminal da
Oitanking em V Velha..
14-De qual destino vem estes navios que carregam combustíveis para descarregar no
tgl?
Salvador/ BA ; Suape / PE; Santos SP e Baia de Guanabara /RJ.
15-A transpetro paga algum aluguel para a empresa vale?
Petrobras e BR Distribuidora Paga.
Abaixo nota-se que além das tubulações são usadas linhas férreas que fazem
transportes de combustíveis logo se percebe que poderão servir como meio
estratégico para carregamento dos tanques no momento das construções sugeridas no
trabalho.
Figura :7 Pátio de estocagem da TEVIT
Fonte: Manual transpetro(2012).
4.6 MUDANÇA DO LAYOUT E SEUS IMPACTOS NA PRODUTIVIDADE
O regulamento do complexo de tubarão(Art.23 pag11- Art. 23)
Particularidades do Pier 2 de Tubarão trás a seguinte restrição concernente a
suas operações: Para as manobras de atracação e desatracação de navios com
comprimento total superior a 350,00 metros, deverá ser observada a restrição
referente à necessidade do Píer 5 (TGL) estar desocupado atracação e
desatracação de navios com comprimento total superior a 350,00 metros,
deverá ser observada a restrição referente à necessidade do Píer 5 (TGL) estar
desocupado.
O regulamento faz referências concernente a certas restrições que existem nas
atracações de alguns navios, são observados até mesmo horário propicio para
atracação em alguns píer tais como o Pier II onde as manobras de atracação, no
período noturno, deverá ser observada a restrição referente à necessidade do Píer 1
Lado Norte ou do Píer 2 estar desocupado, para os navios com comprimento total
superior a 170,00 metros, o haver atracado no Píer 2 navio que possua boca máxima
superior a 60,00 metros. (REGULAMENTO P.14).
Para uma área portuária a mudança de Layout trás implicações em todas as áreas
desde aos processos de operações com máquinas e veículos, quanto aos percursos de
atracações de navios no píer, desta forma poderá haver redução do fluxo de materiais
ou uma maior estocagem ou ainda redução nos custos” (Dias, 1993), Além disso,
facilita o fluxo de materiais, produtos e equipamentos evitando danos e agilizando o
processo. Com a mudança do Layout através da mudança do píer TGL, o Porto de
tubarão poderá ter uma melhora significativa em toda sua operação Ao criarmos um
Layout devemos entender para que determinada tarefa seja utilizada, a quantidade e o
caminho percorrido pela documentação.
CONCLUSÃO
Como melhorar a produtividade nas atividades de carga e descarga de navios de
minério com a mudança de layout no porto de Tubarão? Através da alteração no
layout do porto de tubarão poderá haver uma melhoria na produtividade nas
atividades de carga e descarga dos navios. A analise e as mudanças nas instalações
do píer TGL (Terminal de Grãos Líquidos), para o cais de rebocadores; Identificar os
principais gargalos dentro do porto de tubarão e propor medidas que possam sanar
estes problemas Investigar as literaturas inerentes à produção portuária. Esse trabalho
se torna importante na medida em que as empresas que utilizam o porto de Tubarão
podem conquistar benefícios na produtividade das operações de carga e descarga
com uma simples alteração do layout atual. Acredita-se que com uma simples
mudança de layout, a produtividade do porto será aumentada. O porto da vale apesar
de sua diversidade de operações pode ser usado como modelo de operações logísticas
para todo o mundo, alguns gargalos são comuns em todos os portos do mundo outros
foram criados em consequência de um erro de planejamento feito em curto prazo e
que não foi projetado para o futuro, foi o caso do problema de estudo neste trabalho,
pois o terminal do TGL foi criado para atender uma lacuna de tempo nas operações
existentes nos demais píer sem contarem que houvesse uma expansão de demandas
de exportação de minério e pelotas, já na área do TGL o consumo de combustíveis
aumentou dando assim uma necessidade de outro local para descarregamentos, como
a empresa Petrobrás consegue sanar isto com a criação de outros terminais fora da
vale ficou claro que o maior problema se encontra nas operações do píer, pois estão
ficando parada em alguns momentos de descarregamento no TGL, desta forma a
transferência deste píer para outro local viabilizaria não só as operações da vale
quanto as da Petrobras. ao realizar a transferência do píer TGL Um boa estrutura
para operação nos piers é essencial para que se tenha um aproveitamento suficiente
para transporte de todo material e equipamento utilizado dentro do porto. Quando há
referencias de mudanças de layout dentro de um porto há variáveis que impacta no
calado, profundidade, criação do mole e observações nas restrições marítima pois
estamos integrando área marítima com ambiental.
REFERENCIA
ALMEIDA, M. A. C. Projeto de Pesquisa: guia prático para monografia. 4° ed.
Rio de Janeiro: Ed.WAK, 2007.
Anne Warth Revista Exame, agência Estado. Secretaria Dos Portos, Com portos
24hs,custo.com.logística.deve.cair.25%,2013.disponivel.em:<http://economia.estad
ao.com.br/noticias/geral,com-portos-24-horas-custo-com-logistica-deve-cair-
25,151252e> Acesso Dez. 2015.
Barboza M. A. M. A ineficiência da infraestrutura Logística do Brasil, Revista
portuária.Econômia&negócios,Disponívelem:<http://www.revistaportuaria.com.br/
noticia/16141l>. Acesso em 31 maio. 2015.
BALLOU RONALD H.P.27,ED 5°,2006,ed.Bookman Porto Alegre,
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE E CENTRO DE
SIGNIFICADOS,Disponivel,em:http:< /www.significados.com.br/metodologia/>
Acesso abril 2016.
BALHOU. H.RONALD gerenciamento da cadeia de suprimento/logística
empresarial 5 ed Porto Alegre ED.Bookman,2006.
CURY, Antônio. Organização e Métodos Uma visão Holística. 7 ª ed. P,386.São
Paulo: Ed. Atlas,2000.
_____ 8° ed.P.396 São Paulo: Ed. Atlas, 2012.
Davis. N, Chase, B.Richard Fundamentos da administração da produção 3°
Ed.p65, Porto Alegre ED.Bookman, 2001.
DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais uma abordagem logística. 4° ed.
São Paulo: Ed. Atlas, 1993.
Entrevista Transpetro [Mensagem pessoal].Mensagem recebida por <
gilsonsilvabrito@ymail.com> em 20 Dez.2015.
Junior.V.R Entrevista Espera de navios para atracar no Porto de Vitória pode custar
R$.150.mil..2013.disponivel.em:<http://g1.globo.com/espirito-santo/bom-dia-
es/videos/v/espera-de-navios-para-atracar-no-porto-de-vitoria-pode-custar-r-150-
mil/2642461/>Acesso.em.05.Dezembros.2015.
HING, HONG YUH. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada – Supply
chain. São Paulo: Atlas, 1999.
Machado.Sergio 2008. Disponível em:<http:// www.transpetro.com.br/.../transpetro-
apresenta-relatorio-anual-de-2008.>.Acesso em 31 maio. 2015.
MEMORIAL.D.V.p.14.2010.disponível
em:<http://www.vale.com/PT/business/logistics/ports-
terminals/Documents/pdf/memorial_descritivo_terminal_tubarao.pdf> Acesso em 05
Dez 2015.
O CUSTO da ineficiência. Revista Exame, Disponível em:
<http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/Infra2008/especiais/custo-
neficiencia-410882.html>. Acesso em: 30 set. 2015.
Oliveira M, Leandro D.S. Apostila Assistente de planejamento e controle da
produção p.15 Ed SEST/SENAT ES 2004.
PRATA, B.T. Avaliação de desempenho operacional de terminais portuários de
carga unitizada: Uma aplicação das redes de petri coloridas, Fortaleza, 2006, p.6-
/aplicativos.fipe.org.br/enaber/pdf/66.pdf>. Acesso em 23 agosto. 2015.
PRATA EDUARDO ALMEIDA, IN- fórum de logística empresarial e infraestrutura
do Espirito Santo, Disponível em:<2011 8b73e37eaafd&v=&b=&from_search=3>
Acesso em 17 abr.2016.
_____ Projeto de um Super. Porto no ES 2011.
SEST/SENAT ES- Oliveira et al,Layouts industrial, São Paulo: ícone,1989. Slack N.
Chambers S. Administração da produção 3° ed p.65 São Paulo: Ed Atlas, 2008.
SENAI, educação profissional, Logística p.8,2004.
SECRETARIA DE PORTOS. Disponível em: <www.portosdobrasil.gov.br/sistema-
portuário-nacional>. Acessado em fev. 2014.
_____VICTOR,TARDIO,APUD,PORTOS,DO,BRASIL,
2015,.Disponível,em:<http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/inteligencia-
logistica/porto-sem-papel-psp> Acessado em fev. 2014.
Terminal Aquáviário de Vitória,2° Ed.p.12, 25, 33, 2012. Disponível em:<
http://www.transpetro.com.br/pt_br/areas-de-negocios/terminais-e-
oleodutos/informacoes-portuarias.html > Acesso 18.03.2016.
UNCTAD. Conferência Das Nações Unidas 2012 In: PRODUTIVIDADE
PORTUÁRIA: estudo de caso do processo de descarga de minério no terminal
portuário ponta da madeira – VALE.
Melhoria da produtividade portuária no Complexo Portuário da Vale em Tubarão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Naval Summit Brazil
Naval Summit BrazilNaval Summit Brazil
Naval Summit BrazilJuliaGreghi
 
Ministério dos Transportes
Ministério dos TransportesMinistério dos Transportes
Ministério dos Transportesguest5b59f9bb
 
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalRui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalJornal GGN
 
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário pBndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário pIsis Perdigão
 
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH aplop
 
Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)
Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)
Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)Fernando S. Marcato
 
Cleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACCleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACJornal GGN
 
Logística Como Integrar Para Crescer
Logística  Como Integrar Para CrescerLogística  Como Integrar Para Crescer
Logística Como Integrar Para CrescerLuis Nassif
 
Modelo de determinacao de localizacao de armazem
Modelo de determinacao de localizacao de armazemModelo de determinacao de localizacao de armazem
Modelo de determinacao de localizacao de armazemCENORF
 
Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...
Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...
Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...ABRACOMEX
 
Contribuição para o estudo das parcerias público – privadas no sector portuá...
Contribuição para o estudo das parcerias público –  privadas no sector portuá...Contribuição para o estudo das parcerias público –  privadas no sector portuá...
Contribuição para o estudo das parcerias público – privadas no sector portuá...Cláudio Carneiro
 

Mais procurados (16)

Naval Summit Brazil
Naval Summit BrazilNaval Summit Brazil
Naval Summit Brazil
 
Ministério dos Transportes
Ministério dos TransportesMinistério dos Transportes
Ministério dos Transportes
 
Revista APS N.º 62 – Junho 2014
Revista APS N.º 62 – Junho 2014Revista APS N.º 62 – Junho 2014
Revista APS N.º 62 – Junho 2014
 
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia navalRui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
Rui Carlos Botter, ex presidente do instituto panamericano de engenharia naval
 
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário pBndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
 
PecéM Cede
PecéM CedePecéM Cede
PecéM Cede
 
Artigo supply boats
Artigo supply boatsArtigo supply boats
Artigo supply boats
 
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
 
Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)
Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)
Seminário sobre a Nova Lei dos Portos (Lei n° 12.815/2013)
 
Cleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACCleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABAC
 
Logística Como Integrar Para Crescer
Logística  Como Integrar Para CrescerLogística  Como Integrar Para Crescer
Logística Como Integrar Para Crescer
 
Modelo de determinacao de localizacao de armazem
Modelo de determinacao de localizacao de armazemModelo de determinacao de localizacao de armazem
Modelo de determinacao de localizacao de armazem
 
Fabiano lorenzi
Fabiano lorenziFabiano lorenzi
Fabiano lorenzi
 
Pré-Sal
Pré-SalPré-Sal
Pré-Sal
 
Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...
Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...
Programa Comex INfoco: "Agente de Carga Internacional: Oportunidades e Desafi...
 
Contribuição para o estudo das parcerias público – privadas no sector portuá...
Contribuição para o estudo das parcerias público –  privadas no sector portuá...Contribuição para o estudo das parcerias público –  privadas no sector portuá...
Contribuição para o estudo das parcerias público – privadas no sector portuá...
 

Semelhante a Melhoria da produtividade portuária no Complexo Portuário da Vale em Tubarão

Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalRui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalLuiz de Queiroz
 
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026Portos de Portugal
 
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoProjeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoSistema Famato
 
Projeto interdisciplinar ii
Projeto interdisciplinar iiProjeto interdisciplinar ii
Projeto interdisciplinar iisernajoao
 
Cargo n.º 163 – Dezembro 2005
Cargo n.º 163 – Dezembro 2005Cargo n.º 163 – Dezembro 2005
Cargo n.º 163 – Dezembro 2005MANCHETE
 
Investimentos portuarios-brasil-bahia
Investimentos portuarios-brasil-bahiaInvestimentos portuarios-brasil-bahia
Investimentos portuarios-brasil-bahiaPortal iBahia
 
Manual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoManual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoAlberto Cardoso
 
Apresentação resumida programação otimizada de frotas de embarcações
Apresentação resumida   programação otimizada de frotas de embarcaçõesApresentação resumida   programação otimizada de frotas de embarcações
Apresentação resumida programação otimizada de frotas de embarcaçõesGláucio Bastos
 
eBook – Operações portuárias - kmm.pdf
eBook – Operações portuárias - kmm.pdfeBook – Operações portuárias - kmm.pdf
eBook – Operações portuárias - kmm.pdfMarcos Boaventura
 
Relatório de Infraestrutura - Março - 2012
Relatório de Infraestrutura - Março - 2012Relatório de Infraestrutura - Março - 2012
Relatório de Infraestrutura - Março - 2012Sistema FIEB
 
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fevdelano chaves gurgel do amaral
 
Apresentação criação vetria mineração
Apresentação   criação vetria mineraçãoApresentação   criação vetria mineração
Apresentação criação vetria mineraçãoTriunfoRi
 

Semelhante a Melhoria da produtividade portuária no Complexo Portuário da Vale em Tubarão (20)

Projeto Cidade da Pesca - Masterplan
Projeto Cidade da Pesca - Masterplan Projeto Cidade da Pesca - Masterplan
Projeto Cidade da Pesca - Masterplan
 
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalRui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
 
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
 
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoProjeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste Competitivo
 
Projeto interdisciplinar ii
Projeto interdisciplinar iiProjeto interdisciplinar ii
Projeto interdisciplinar ii
 
Case Columbia
Case ColumbiaCase Columbia
Case Columbia
 
Cargo n.º 163 – Dezembro 2005
Cargo n.º 163 – Dezembro 2005Cargo n.º 163 – Dezembro 2005
Cargo n.º 163 – Dezembro 2005
 
Jose Candido Senn
Jose Candido SennJose Candido Senn
Jose Candido Senn
 
Investimentos portuarios-brasil-bahia
Investimentos portuarios-brasil-bahiaInvestimentos portuarios-brasil-bahia
Investimentos portuarios-brasil-bahia
 
2013 Portos e navios 2
2013 Portos e navios 22013 Portos e navios 2
2013 Portos e navios 2
 
Manual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoManual cross docking implementação
Manual cross docking implementação
 
Apresentação resumida programação otimizada de frotas de embarcações
Apresentação resumida   programação otimizada de frotas de embarcaçõesApresentação resumida   programação otimizada de frotas de embarcações
Apresentação resumida programação otimizada de frotas de embarcações
 
1234
12341234
1234
 
1234
12341234
1234
 
eBook – Operações portuárias - kmm.pdf
eBook – Operações portuárias - kmm.pdfeBook – Operações portuárias - kmm.pdf
eBook – Operações portuárias - kmm.pdf
 
Relatório de Infraestrutura - Março - 2012
Relatório de Infraestrutura - Março - 2012Relatório de Infraestrutura - Março - 2012
Relatório de Infraestrutura - Março - 2012
 
2 quetzal posicionamento dinâmico
2 quetzal posicionamento dinâmico2 quetzal posicionamento dinâmico
2 quetzal posicionamento dinâmico
 
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
 
Desenho bordo de linha
Desenho bordo de linhaDesenho bordo de linha
Desenho bordo de linha
 
Apresentação criação vetria mineração
Apresentação   criação vetria mineraçãoApresentação   criação vetria mineração
Apresentação criação vetria mineração
 

Mais de Elionaldo Cruz

Tcc oficial 2015 corrigido final (1)
Tcc oficial 2015   corrigido final (1)Tcc oficial 2015   corrigido final (1)
Tcc oficial 2015 corrigido final (1)Elionaldo Cruz
 
Pr sga-01 - controle dedocumentos
Pr sga-01 - controle dedocumentosPr sga-01 - controle dedocumentos
Pr sga-01 - controle dedocumentosElionaldo Cruz
 
ALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICA
ALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICAALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICA
ALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICAElionaldo Cruz
 
TRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETING
TRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETINGTRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETING
TRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETINGElionaldo Cruz
 
EDUCAÇÃO EJA NO SISTEMA PRISIONAL
EDUCAÇÃO  EJA  NO SISTEMA PRISIONALEDUCAÇÃO  EJA  NO SISTEMA PRISIONAL
EDUCAÇÃO EJA NO SISTEMA PRISIONALElionaldo Cruz
 
FORMAÇÃO DE CARREIRA
FORMAÇÃO DE CARREIRAFORMAÇÃO DE CARREIRA
FORMAÇÃO DE CARREIRAElionaldo Cruz
 

Mais de Elionaldo Cruz (7)

Tcc oficial 2015 corrigido final (1)
Tcc oficial 2015   corrigido final (1)Tcc oficial 2015   corrigido final (1)
Tcc oficial 2015 corrigido final (1)
 
Pr sga-01 - controle dedocumentos
Pr sga-01 - controle dedocumentosPr sga-01 - controle dedocumentos
Pr sga-01 - controle dedocumentos
 
Trabalho inovação
Trabalho inovaçãoTrabalho inovação
Trabalho inovação
 
ALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICA
ALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICAALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICA
ALMOXARIFADO INDUSTRIAL E LOGISTICA
 
TRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETING
TRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETINGTRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETING
TRABALHO DE EMPREENDEDORISMO E MARKETING
 
EDUCAÇÃO EJA NO SISTEMA PRISIONAL
EDUCAÇÃO  EJA  NO SISTEMA PRISIONALEDUCAÇÃO  EJA  NO SISTEMA PRISIONAL
EDUCAÇÃO EJA NO SISTEMA PRISIONAL
 
FORMAÇÃO DE CARREIRA
FORMAÇÃO DE CARREIRAFORMAÇÃO DE CARREIRA
FORMAÇÃO DE CARREIRA
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 

Melhoria da produtividade portuária no Complexo Portuário da Vale em Tubarão

  • 1. FACULDADE DO CENTRO LESTE ELIONALDO DE OLIVEIRA CRUZ MELHORIA DE PRODUTIVIDADE PORTUÁRIA COM MUDANÇAS DE LAYOUT: CASO DO COMPLEXO PORTUÁRIO DA VALE SERRA 2016
  • 2. ELIONALDO DE OLIVEIRA CRUZ MELHORIA DE PRODUTIVIDADE PORTUÁRIA COM MUDANÇAS DE LAYOUT: CASO DO COMPLEXO PORTUÁRIO DA VALE Monografia apresentada ao Curso de Pós-graduação em MB-Logística da Faculdade do Centro Leste, como requisito parcial para obtenção de título de Especialista em Logística. Orientador: Prof. Erico Colodeti Filho, MSc. SERRA 2016
  • 3. Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) (Biblioteca da UCL - Faculdade do Centro Leste, Serra, ES, Brasil) C955m Cruz, Elionaldo de Oliveira. Melhoria de produtividade portuária com mudança de layout caso do complexo portuário da Vale. / Elionaldo de Oliveira Cruz - 2016. 33f. Orientador: Érico Colodetti Filho Monografia (Pós-graduação) – UCL – Faculdade do Centro Leste, Curso de MBA - Logística. 1. Porto de Tubarão. 2. Produtividade portuária. 3. Layout e produção. I.Título. CDU 658.78
  • 4. AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar a Deus por ter me dado saúde e condições financeiras para concluir meu curso. Em especial agradeço ao coordenador Erico Colodetti pela orientação deste trabalho. Agradeço a todo o corpo de professores que fizeram parte do currículo do MBA em Logística Por fim meus agradecimentos também se estendem entre os colegas de classe que muito contribuíram através de troca de conhecimentos e compartilhamento de informações no decorrer do desenvolvimento das matérias.
  • 5. “Não somos culpados pelo mundo que encontramos ao nascer. Mas precisamos, na medida de nossas possibilidades, fazer alguma coisa pelo mundo que está sendo construído (ou destruído). E que será herdado aos que hão de vir.” Gilberto Cotrim
  • 6. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.....................................................................................................10 1.1 CONTEXTO.........................................................................................................10 1.2 SITUAÇÃO POBLEMA......................................................................................11 1.3 OBJETIVOS DA PESQUISA..............................................................................12 1.3.1 OBJETIVO GERAL .........................................................................................12 1.3.2 Objetivos específicos...........................................................................................12 1.3.3 Justificativa.........................................................................................................12 2 REVISÃO DE LITERATURA..............................................................................12 2.1 INTRODUÇÃO....................................................................................................12 2.2 LOGISTICA..........................................................................................................13 2.2.1 O superporto e seu impacto nas operações portuária de Vitória...................14 2.2.2 Alguns responsáveis dentro de uma área portuária........................................14 2.3 LAYOUT................................................................................................................17 2.4 ESTOQUE..............................................................................................................18 2.5 PRODUÇÃO PORTUARIA................................................................................18 2.6 GARGALOS. NAS OPERAÇÕES PORTUÁRIA.............................................19 3 METODOLOGIA.....................................................................................................21 3.1 INTRODUÇÃO......................................................................................................21 3.2 METODOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA................................21 3.2.1 |Levantamento de dados para o estudo.............................................................21 3.2.2 Classificação da pesquisa...................................................................................21 3.2.3 Pesquisa exploratória........................................................................................22 4 RELATO DE CASO...............................................................................................22 4.1 INTRODUÇÃO.....................................................................................................22 4.2 A EMPRESA VALE NO ES.................................................................................22 4.2.1 Demanda atual....................................................................................................23 4.3 TGL......................................................................................................................24 4.4 EMPRESA TRANSPETRO E SUAS OPERAÇÕES........................................25
  • 7. 4.5 RESPOSTAS DA TRANSPETRO.......................................................................26 4.6 MUDANÇAS DE LAYOUT E SEUS IMPACTOS NA PRODUTIVIDADE PORTUARIA.................................................................................................................29 CONCLUSÃO................................................................................................................30 REFERENCIA...............................................................................................................31
  • 8. LISTA DE FIGURAS Figura 1:Plojeto de um Super. Porto no ES...........................................................14 Figura 2:Visão Geral dos Portos construídos e que estão sendo construído no ES................................................................................................................................19 Figura 3:Portos sem papel........................................................................................20 Figura 4:Visão panorâmica do complexo de tubarão............................................24 Figura 5:TGL............................................................................................................25 Figura 6:Pier de barcaças........................................................................................26 Figura 7: Pátio de estocagem da TEVIT...............................................................28
  • 9. Quadro comparativo de cargos e funções numa área portuária................................14
  • 10. RESUMO No mundo é arrecadado com operações portuária 60 trilhões, o PIB está dividido através da linha do equador que separa os países, desta forma pode ser notado como países pertencentes ao hemisfério norte os que ficam com o total de 90% estão bem mais avançados que os do hemisfério sul com 10% justamente devido os fretes destes serem mais altos (PRATA,2011).O estado do Espirito Santo contempla uma boa parte desse PIB,uma vez que tem aumentado o numero de empresas que utilizam os serviços portuários. Sendo assim as filas de navios tem aumentado no porto da barra que é o local de espera, logo surge a necessidade de medidas que acelerem as operações; desta forma surge o seguinte problema de pesquisa: O terminal de grão líquidos(TGL) é usado pela empresa Petrobrás para escoar seus produtos líquidos através de dutos, porém este píer está bem próximo de um de seus principais píer que escoa minério e pelotas que são produzidas em Minas e no estado. Dada a demanda de aumento de postos de combustíveis devido ao crescimento do mercado automobilístico surgem as seguintes indagações: Até que ponto o posicionamento do píer TGL poderá atrasar a produção da Vale de escoamento de seus produtos e até que ponto os navios transpetro poderão esperar sem riscos de esvaziamento de reservas nos 5 tanques do pátio da TEVIT com capacidade de 11mil metros cúbicos de derivados, álcool e Biodiesel de armazenamento? Seria mais viável a mudança de layout através de mudança do píer TGL para o píer que fica nos fundos do Cais de rebocadores? Palavras chave: Porto de tubarão, Produtividade portuária, Layout e produção.
  • 11. INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO No mundo é arrecadado com operações portuária 60 trilhões, o PIB está dividido através da linha do equador que separa os países desta forma pode ser notado como países pertencentes ao hemisfério norte que ficam com o total de 90% estão bem mais avançados que os do hemisfério sul com 10% justamente devido os fretes de o sul ser mais caros (PRATA, 2011). Como tem aumentado o numero de empresas que utilizam os serviços portuários no estado do Espirito Santo as filas de navios tem aumentado no porto da barra, logo surge a necessidade de medidas que acelerem as operações; que retirem ou minimizem os gargalos da logística portuária. Barboza apud instituto ILOS relembra uma pesquisa realizada que apontam os fatores burocrático tais como: leis e exigências de agencias reguladoras, tempo de espera para embarque e desembarque de cargas, Portos saturados, observam-se filas de caminhões esperando algum espaço para descarregar no porto de Santos, a saturação das estruturas portuárias e a inevitável necessidade de esperar horas ou mesmo dias para embarcar ou desembarcar mercadorias nos pátios. Infraestrutura de acesso rodoviário: Com a saturação dos portos, o acesso à área portuária pelas rodovias, Custo portuário: Sendo muito dinheiro gasto para que o usuário consiga importar ou exportar via portos nacionais, Deficiência na armazenagem: Mesmo quando o usuário consegue transpor as filas e a falta de acesso ao porto até chegar ao pátio do terminal, este ainda se depara com a falta de espaço e de capacidade de armazenagem das mercadorias nos portos brasileiros, Demora na liberação dos produtos: Exigências burocráticas criam outro problema: o tempo em que as cargas com as mercadorias são liberadas e chegam ao porto. A Secretaria Especial de Portos (SEP) recentemente desenvolveu o programa Porto 24h, colocando as agências para funcionar durante todo dia, o problema é a escassez de mão de obra, em especial os práticos e a defasagem dos equipamentos brasileiros
  • 12. que acabam por atrasar a movimentação e acabam prejudicando a fila de navios na espera. Conforme o ministério dos portos existe algumas modalidades e inovações na área portuária, estas novidades na área portuária trouxeram avanços e desbloqueios na logística portuária tais como: O Porto sem Papel é um sistema de informação que tem como objetivo principal reunir em um único meio de gestão as informações e a documentação necessárias para agilizar a análise e a liberação das mercadorias no âmbito dos portos brasileiros. A SEP/PR já implantou o projeto nos 34 portos públicos, eliminando mais de 140 formulários em papel que foram convertidos para um único documento eletrônico. (VICTOR TARDIO APUD PORTOS DO BRASIL, 2015). 1.2 SITUAÇÃO POBLEMA Um sistema de transportes é composto pelos indivíduos e bens transportados, pelos veículos para deslocamentos e pelas redes e infraestrutura onde ocorrem os fluxos de movimentação, nesse sentido os portos são considerados como terminais onde se encontram diversos segmentos de uma complexa rede de transportes e na sua concepção mais simples, um porto é entendido como um nó referenciado pela interseção de hidrovias, rodovias, ferrovias, aerovias e duto vias que recebe tanto cargas quanto passageiros a concepção, a construção e a operação de um porto podem implicar em um elevado custo de oportunidade para qualquer município, estado ou nação, se tais etapas não forem técnica e ambientalmente otimizadas. (PRATA, 2006). A viabilidade de um porto, tendo em vista se constituir investimentos significativos com participação e interação de diversos modais de transporte, está associada à movimentação de grande quantidade de cargas para ter viabilidade financeira e econômica. Um porto, normalmente, é um elemento de conexão entre o modal hidroviário com os demais modais.
  • 13. 1.3 OBJETIVOS DA PESQUISA 1.3.1 Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é mostrar que a alteração no layout no berço do Terminal de Grãos e Líquidos e do berço de barcaças, do porto de tubarão pode melhorar a produtividade nas atividades de carga e descarga dos navios. 1.3.2 Objetivos específicos Serão os seguintes objetivos específicos:  Analisar as mudanças nas instalações do Terminal de Grãos Líquidos (TGL), para o cais de rebocadores.  Apresentar as literaturas inerentes à produção portuária. 1.3.3 Justificativa Esse trabalho se torna importante na medida em que as empresas que utilizam o porto de Tubarão poderão conquistar benefícios na agilidade na diminuição de filas de navios que ficam aguardando no ante porto para poderem entrar no píer para atracação e também na produtividade das operações de carga e descarga com uma alteração do layout atual.
  • 14. 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo deste capitulo é trazer aos leitores fundamentos científicos e teóricos para confirmação sobre a necessidade de mudança de layout desta forma será apresentado estudos sobre Logística, Tipos de portos, Layout, Produção Portuária e gargalos frequentes na logística portuária. 2.2 LOGISTICA Logística está ligada a abastecimento de suprimentos, transportes e comunicações. “Logística é o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias” (BALLOU RONALD H.P.27,2006) A logística estuda 05 meios de transportes de mercadorias ou pessoas que são denominados de modal dentre eles: A) Rodoviários compostos por carros, caminhões, carretas etc; B) Ferroviário relacionado a tudo que se move em ferrovias; C) Dutos viários que são os elementos líquidos, gasoso ou pastoso que se movimentam através de dutos; D) Aeroviários relacionados ao ar aviões de diversos modos etc; E) Marítimo relacionado a transporte por mar Dentre as razões do objeto deste estudo na área marítima é que este modal tem sido o mais procurado no estado do Espirito Santo para exportação e importação devido sua acessibilidade ao mar, a alta quantidade de volume transportado deixa o valor do transporte bem menor que os demais modais. Como os custos de transportes acabam impactando nos ganhos da produção, o conhecimento de logística,torna-se imprescindível para qualquer tipo de empresa desta forma: “[Logística é a chave de muitos negócios por muitas razões, entre as quais incluímos o alto custo de operação das cadeias de abastecimento].” (SENAI, educação profissional, p.8,2004).
  • 15. A aplicação de alguns conceitos da logística tais como: modais de transporte, distribuição física, armazenamento e estocagem, cadeia de suprimento, sistema de comunicação eletrônica-EDI, arranjos de espaço físico-Layout, Softwares gerenciadores de armazéns-WMS, são de suma importância para uma análise mais apurada para que haja redução de custos nas operações dentro da cadeia de suprimento. 2.2.1 O super. Porto e seu impacto nas operações portuária de Vitória Em 2011 aconteceu em vitória o fórum de logística empresarial e infraestrutura do espirito santo, foram debatidos questões relacionado com a logística, estrutura logística dos portos no ES e alguns gargalos nas operações de desembarque de contêineres em Vila Velha onde o transito dos caminhões de descarregamento de contêineres do porto transito e nas filas de navios que ficam aguardando para atracarem chegando a três dias de espera o navio de carga geral e 1 dia o de contêiner, desta forma a criação do super. Porto irá desafogar o transito de navios no porto. (PRATA ALMEIDA, ACESSO 2016).
  • 16. Figura 1:Plojeto de um Super. Porto no ES Fonte: Prata (ACESSO, 2016). 2.2.2 Alguns responsáveis dentro de uma área portuária Ter conhecimento dos principais órgãos e funções que atuam numa área portuária tem sua devida importância para compreensão da produção nesta área.
  • 17. Alguns órgãos que operacionalizam numa área portuária: Companhias Docas Que são as atuais administradoras dos portos organizados GEMPO - Grupo Executivo para Modernização dos Portos Compete-lhe, entre outras tarefas, elaborar e programar o programa integrado de modernização portuária; CAP - Conselho de Autoridade Portuária É o responsável pela regulamentação sobre a exploração portuária, horário de funcionamento do porto, homologação dos valores das tarifas portuárias, estímulo à competitividade, tomada de medidas para desenvolver o porto, entre outros assuntos de interesse para a melhoria dos portos e suas operações. É composto por representantes do poder públicos, bem como usuários, operadores portuários e trabalhadores. OGMO - Órgão Gestor de Mão-de-Obra Criado pela mesma Lei, tem a função de administrar o fornecimento da mão-de- obra e controle do trabalho avulso portuário e trabalho portuário. Operador Portuário Operador Portuário Responsável pelas operações alfandegadas portuárias, dentro das áreas dos portos organizados, suas atividades são todas aquelas que envolvem a movimentação de cargas provenientes e/ou destinadas ao transporte aquaviário. Sindicato dos Trabalhadores Avulsos Podem ser classificados por quatro: -Sindicato dos Estivadores- responsável pela movimentação e arrumação de cargas a bordo dos navios.
  • 18. - Sindicato dos Bloquistas - pessoas responsáveis pela "peação e despeação" de cargas a bordo dos navios. - Sindicato dos Consertadores - trabalhadores que cuidam de consertos de embalagem ou cargas a bordo dos navios. - Sindicato dos Vigias - responsável pela guarda da entrada de pessoas nos navios atracados nos portos. Práticos (pilotos marítimos) Trata-se de pessoal técnico especializado, com grande conhecimento marítimo e náutico, A necessidade da utilização dos práticos, nos portos e canais brasileiros, é regulamentada por legislação específica, indicando quando e quantos deverão participar das manobras dos navios. O uso da praticagem é, inclusive, um dos princípios da IMO. Rebocadores (Tug/Tugboat/Towboaí) São pequenas embarcações dotadas de motores de grande potência e utilizadas no auxílio das manobras dos grandes navios na entrada, atracação e saída dos portos e canais em todo o mundo. Também atua nos serviços de rebocagem de navios nos portos, alto mar e em salvamentos. No Brasil, a legislação regulamenta o uso destas embarcações nos portos e canais, indicando a necessidade e quantidade de embarcações que deverão ser utilizadas nas manobras dos navios. Quadro 1:Comparativo de cargos e funções numa área portuária Fonte: Ministério dos portos (2014)
  • 19. 2.3 LAYOUT Segundo as definições de oliveira e Luiz (2004) layout significa a disposição física do equipamento industrial, esta estratégia é um conjunto de projetos e arranjos. O estudo do espaço é muito importante e necessário para movimentação de materiais, armazenamento e locomoção de pessoas e serviços, Davis, Nicholas e Chase (2001) discorrem sobre uma metodologia chamada de JIT que é um conjunto de atividades projetado para atingir a produção em alto volume, utilizando estoques mínimos de matérias-primas, estoque intermediário e bens acabados as peças chegam à estação de trabalho seguinte justo a tempo, neste caso o objetivo maior será zerar o estoque, como existe uma diversidade de mercadorias que operam nos portos que vai de produtos sazonais, produtos comodites, minerais e produtos perecíveis em certas áreas haverá uma variação onde tanto o estoque, quanto sua ausência é aceito. O SENAI (2004) vem diferenciando o layout dentro de uma operação onde é usado o sistema Just time (JIT) onde na sua maioria os estoques são mantidos no chão da fabrica entre as estações de trabalho e não em almoxarifado, principalmente em portos onde as matérias primas ficam próximas aos piers dependendo das mercadorias a serem transportadas se forem materiais que não podem ter contato com chuva ou ficar exposto ao tempo o uso do JIT e o layout do local já é mudado pois encontramos a presença de galpões que armazenam e guardam seus materiais tanto os que serão exportados e os materiais que chegam, a forma do layout nestas áreas deverão seguir suas necessidades operacionais. De acordo com Cury (2012) é da equipe de analistas a responsabilidade do planejamento do layout, nele é realizado correções necessárias para diminuir custos, toda correção se dá através da planta do local. Havendo mudança de layout dentro de uma área portuária haverá necessidade de acompanhamento das leis portuárias, licenciamento ambiental geralmente haverá uma nova estrutura que envolverá novos elementos tais como: plataformas, tubulações, mudança no calado, profundidade, largura da abertura e criação de um mole e etc.
  • 20. O Layout corresponde ao arranjo dos diversos postos de trabalho nos espaços existentes na organização, envolvendo, além da preocupação de melhor adaptar as pessoas ao ambiente de trabalho, segundo a natureza da atividade desempenhada, a arrumação dos móveis, máquinas, equipamentos e matérias primas.(CURY,P.396,2012). O Layout pode Facilitar o fluxo de materiais, produtos, equipamentos evitando danos e acelerando processos de produção, pois numa mudança simples ou complexa,seja de maquinas ou instalações poderá abrir espaços para que as atividades fruam de forma mais rápida.. A aplicação de Layout é importante para um porto pela realização de estudos para identificação de estrutura adequada, a sua localização e o espaço disponível a ser utilizado. Dias (1993) resume dizendo que é preciso saber os objetivos a serem atingidos. Desta forma, pode-se dizer que para uma área portuária, pode ser interessante à redução do fluxo de materiais ou uma maior estocagem ou ainda redução nos custos(Dias, 1993). 2.4 ESTOQUE De forma metafórica referindo-se ao estoque numa organização,vai „seguindo numa via de mão dupla‟, pois apesar de sua posição estratégica dentro de uma empresa ou indústria há os custos com manutenção que envolve: custos de espaço quando se trata de um ambiente alugado, custo de capital relacionado ao valor investido nos produtos que poderia está sendo usados em outras aplicações, custos de serviços e estocagem quando há uma necessidade de pagamento de imposto e seguros das mercadorias e custos de riscos de estocagem são custos gerados no decorrer de movimentações com empilhadeiras, roubos ou quebra de produtos (BALHOU. H.RONALD, 2006). 2.5 PRODUÇÃO PORTUARIA Slack, et al (2002) relatam que um dos principais papeis da produção numa empresa é impulsionar a estratégia, dando-lhe vantagem competitiva a longo prazo, correlacionando estratégia da produção Davis, Nicholas e Chase(2001) dizem que a
  • 21. estratégia de produção está focada no desenvolvimento de um planejamento de longo prazo para determinar como utilizar os principais recursos da empresa, para que haja um alto grau de compatibilidade entre esses recursos e a estratégia corporativa de longo prazo da empresa. Desta forma os recursos são vistos através de uma visão geral no organograma das operações portuárias e visualização de seus recursos, portuário. O estado do Espirito Santo foi acometido de mudanças em seus portos através de novos projetos que contemplaram a criação de novos portos, com exceção do porto de aguas profundas todos os demais já deram inicio de suas construções, abaixo uma figura sobre a visão geral dos Portos construídos e que estão sendo construído no ES. Figura 2:Visão Geral dos Portos construídos e que estão sendo construído no ES Fonte: Prata (ACESSO, 2016). 2.6 GARGALOS NAS OPERAÇÕES PORTUÁRIAS Percebe-se que também tem sido gargalo na logística portuária as burocracias através de procedimentos que fazem com que as operações portuárias fiquem atrasadas, através da quantidade de documentos que precisam ser levados de uma
  • 22. entidade a outra para serem liberados, o ministério dos portos criou uma base de dados onde são lançados as informações e redistribuídas aos demais setores ligados as leis portuárias, estas mudanças trará na logística marítima, ganho para a produção através da agilidade e desburocratização através do porto sem papel. Figura 3:Portos sem papel Fonte: Secretaria dos portos (ACESSO, 2016). Segundo Oliveira M. e Leandro (Apostila p.15, 2004) gargalo: “É a obstrução da etapa de um processo em certa linha de produção. Isto ocorre quando a capacidade de produção é lenta em algumas partes e a demais seguem o fluxo normal de produção”. Outros gargalos podem ser visto nas mudanças físicas nos pátios, intervenções específicas, com a extensão dos estudos para períodos maiores e a outros setores da empresa e sua localização. Paradas por bloqueios em equipamentos em navios e no empilhamento, recomendando operação simultânea. Fatores como tempo chuvosos e sazonalidade que interferem em algumas operações, as demoras nas distribuições do tempo em que o navio fica na espera, que tem sido um dos piores gargalos na área portuária, algumas empresas já utilizam de simuladores como a arena 12.0 que tem trazido modelagens e resultados que estão minimizam custos e maximizam lucros (REVISTA EXAME-Acesso 2016).
  • 23. 3 METODOLOGIA 3.1 INTRODUÇÃO 3.2 METODOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA Por meio dessa pesquisa foram recolhidas informações para que numa possível aplicação ou procedimento haja resultados esperado. Será apresentado neste capitulo o caminho para trazer respostas do problema de pesquisa, através do levantamento de dados para o estudo e a classificação da pesquisa para que seja revelado às circunstancias para que seja explicado em qual resultado deseja chegar através deste trabalho. Metodologia é uma palavra derivada de “método”, do Latim “methodus” cujo significado é “caminho ou a via para a realização de algo”. Método é o processo para se atingir um determinado fim ou para se chegar ao conhecimento. Metodologia é o campo em que se estudam os melhores métodos praticados em determinada área para a produção do conhecimento. (SIGNIFICADOS acesso 2016) 3.2.1 levantamento de dados para o estudo Foram usadas fontes bibliográficas através de livros, artigos, revistas eletrônica, sobre logística, layout, produção, estoque e porto, para que fosse realizada a pesquisa.
  • 24. 3.2.2 classificação da pesquisa Pode-se classificar o método usado para realização deste trabalho como relato de caso, pesquisa exploratória e pesquisa bibliográfica. No caso do relato de caso o leitor precisa entender os dados lançados no trabalho. Yoshida (2007, p.112), Na descrição do caso, a sequência deve ser cronológica, organizada, com detalhes suficientes para que o leitor estabeleça sua interpretação, eliminando dados supérfluos, detalhes de datas dos exames, dados confusos ou não confirmados. Por meio de buscas em publicações do tipo impressa ou eletrônica artigos, livros, revistas, manuais e através de um relato de caso. de vários autores onde serão analisados os conceitos e aplicados neste trabalho com o intuito de se atingir os objetivos desse trabalho de forma fácil e compreensiva. Além disso, é acessível e pode esgotar em si mesmo. 3.2.3 Pesquisa Exploratória Esse tipo de pesquisa realiza a investigação de falhas e problemas através de dados relevantes que servirá de base para balizar esse trabalho para a solução com a mudança de Layout. Monografias Brasil escolas apud ABNT (Acesso 2016) Como o próprio nome indica, a pesquisa exploratória permite uma maior familiaridade entre o pesquisador e o tema pesquisado, visto que este ainda é pouco conhecido, pouco explorado.
  • 25. 4 RELATO DE CASO 4.1 INTRODUÇÃO 4.2 A EMPRESA VALE NO ES O porto de tubarão foi inaugurado em 1962 com uma demanda que na época propiciava um tempo de ociosidade para atracação de navios dando assim a criação de um terminal de grãos líquidos (TGL) num formato de uma janela este píer se encontra numa posição horizontal entre os piers I e II, desta forma para que haja operações tanto em um píer quanto no outro que estão em formato vertical não poderá ter navio atracado neste píer. na época a demanda era de uma empilhadeira, um virador de vagões e um carregador de navios com apenas uma linha de transportadores. Em 1973 houve uma expansão no mercado mundial de minérios aumentando a capacidade para 30.000 Toneladas horas e foram criados outros meios de comercialização e logística de materiais. Os manuseios dos produtos são feitos nos seus terminais internos que são: TPD (Terminal de Produtos Diversos), TPM (Terminal de Praia Mole), TPS (Terminal de Produtos Siderúrgicos), TGL (Terminal de Granéis Líquidos) e o Terminal de Minério. Esses terminais fazem o uso do Modal Marítimo que têm os grandes navios para transportar as cargas até os seus clientes finais, os países no qual a logística marítima da VALE alcança são: Canadá, Estados Unidos, Colômbia, Peru, Chile, Noruega, Inglaterra, País de Gales, França, Guiné, Angola, Alemanha, Suíça, Omã, Moçambique, Índia, Japão, Coreia do Sul, Mongólia, Cingapura, Nova Caledônia e Austrália. O modal Marítimo utilizado pela VALE está presente em mais de 38 países, gerando mais de 174 mil empregos no mundo, atuando além do minério também na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia e siderurgia. (VALE ACESSO 2015).
  • 26. 4.2.1 Demanda atual Dada à demanda de aumento de postos de combustíveis e ao crescimento do mercado automobilístico no ES, surge o problema da pesquisa através das seguintes indagações: Até que ponto o posicionamento do píer TGL atrapalha a movimentação da Vale e até que ponto os navios transpetro poderão esperar sem riscos de esvaziamento de reservas nos 5 tanques do pátio da TEVIT com capacidade de 11mil metros cúbicos de derivados, álcool e Biodiesel de armazenamento? seria mais viável a mudança de layout através de mudança do píer TGL para o píer que fica nos fundos do Cais de rebocadores? Para respostas destas perguntas será feito um estudo bibliográfico com base nas demandas de todas as operações portuárias haja vista que o anteporto (Porto da Barra) é composto de uma fila de espera de navios que irão atracar ou no porto de vitória ou no complexo de tubarão podendo ficar até mesmo aguardando até mesmo um período de três dias para ser atracado. O aluguel da embarcação fica em média por 25 mil dólares por dia somente pelo aluguel da embarcação. Numa entrevista feita pela rede Gazeta ao presidente do sindicato das navegações marítimas no dia 04 de Dezembro 2015, foi dito que os navios de minério costumam demorar a sua atracação em até 6 dias nas épocas de safra de milho e soja, haja visto que a sazonalidade está diretamente ligada a certos meses do ano a necessidade de movimentação deste produto é maior(ENTREVISTA ACESSO,2015). Abaixo uma visão panorâmica do porto de Tubarão:
  • 27. Figura 4:Visão panorâmica do complexo de tubarão Fonte: VALE (ACESSO, 2015). 4.3 TGL Berço de granéis líquidos, utilizado pela Petrobrás, recebe navios de até 162m de comprimento é especializado na descarga de combustíveis, neste píer há uma plataforma central onde está às tubulações que ligam o terminal até a área de tancagem. Os equipamentos de bombeamento líquidos estão-nos próprios navios que atracam no terminal. A empresa Vale é a responsável administrativamente por este terminal que é operado pela empresa transpetro. Abaixo estão as figuras que demonstram onde os navios atracam para descarregamento e onde são armazenados os produtos líquidos TEVIT.
  • 28. Figura 5:TGL Fonte:Transpetro(2012) 4.4 EMPRESAS TRANSPETRO E SUAS OPERAÇÕES A empresa BR em parceria com a empresa transpetro gerencia todas as operações de transportes e armazenamentos de combustíveis da Petrobrás ela também transporta combustíveis pela malha ferroviária de minas para um pátio que tem uma localização estrategicamente próximo a linhas férrea, recebe via tubulações os combustíveis que chegam de navios através do TGL e sua distribuição final de combustiveis aos postos de combustiveis do estado e algumas empresas se dá pelo modal rodoviário através de caminhões,dada a importância deste setor e seu retorno logístico para a vale fica bem nítido como a mudança de layout do TGL se torna tão sensível no caso das operações. As 26 unidades aquaviárias instaladas em mais de oito mil quilômetros da costa brasileira operaram a média mensal de 414 navios e demostra o poder desta empresa neste mercado. A construção de um terminal em Porto de Barra do Riacho, em Aracruz, sua base em vila velha poderá servir como estratégia para suprir as demandas de combustíveis no ES, nos períodos das obras em momentos da transição do píer TGL para o Pier de barcaças onde logo no final é descarregado combustível para abastecimento de navios.
  • 29. Figura 6:PIER DE BARCAÇAS Fonte:Transpetro(2012) 4.5 RESPOSTAS DA TRANSPETRO Foi enviado algumas perguntas aos responsáveis da TEVIT e realizou-se as seguintes perguntas que ajudarão a entender a dimensão deste setor e as implicações na mudança de layout: 1-Qual a quantidade de combustível é abastecida cada vez que um navio desembarca no tgl? Volume médio de 30.000,00 m³ de produto por navio. 2-Qual o tempo em que os navios desembarcam no tgl, existe algum numero exato todo mês ou varia de mês para mês?
  • 30. Média anual de tempo de descarga para cada 24 hs , e em média mensal de 4 navios. 3-A empresa vale ganhos algum royalty ou pagamento mensal por deixar os tubos que vão do tgl até o pátio de onde saem os caminhões carregados passarem dentro de sua área? A VALE recebe por volume movimentado através de contrato. 4-Existe algum valor pago em aluguel para usarem a área da vale ou são apenas trocas de favores por meio de fornecimento de combustíveis para a vale? Existe valor pago para utilização da área. 5-O pier tgl foi construído primeiro ou veio depois dos piers da vale? Depois. 6-Já tentaram mudar o tgl de lugar? Quando? Porque não mudaram? Estudos e projetos encontram-se em andamento, com a finalidade de relocar as atividades do TGL para Praia Mole. 7-Que tipo de combustíveis passa pelo descarregamento no tgl? Gasolina, diesel ( S10, S500 e Marítimo ), óleo combustível. 8-Que tipo de combustível é descarregado nos fundos do pier da doce nave? Bunker ( combustível para navios ) 9-Existe alguma limitação de navios que podem entrar no berço do tgl? Sim, limitado a 40000 PTB 10-Alem do tgl qual o outro pier que a Petrobras usa para descarregar seus combustíveis aqui no ES? Terminal de Barra do Riacho em Aracruz, Terminal da Oiltanking em V. Velha e Terminal Norte Capixaba – São Mateus 11-pelo fato de o local do tgl está numa situação de descida quantas bombas são usadas para bombear o combustível que saem dos navios e duto para os tanques dos pátios? As bombas são do Navio e não sei precisar quantas, mas a vazão gira em torno de 700 m³/h
  • 31. 12-Quantos caminhões saem carregados por dia do pátio da transpetro? Este assunto deverá ser direcionado a BR distribuidora. 13-Se houvesse um acidente e o pier ficasse interditado por algum tempo qual seria o plano B para a Petrobras trabalhar seus abastecimentos no ES? Transporte rodoviário do Rio de Janeiro para Espírito Santo e/ou via Terminal da Oitanking em V Velha.. 14-De qual destino vem estes navios que carregam combustíveis para descarregar no tgl? Salvador/ BA ; Suape / PE; Santos SP e Baia de Guanabara /RJ. 15-A transpetro paga algum aluguel para a empresa vale? Petrobras e BR Distribuidora Paga. Abaixo nota-se que além das tubulações são usadas linhas férreas que fazem transportes de combustíveis logo se percebe que poderão servir como meio estratégico para carregamento dos tanques no momento das construções sugeridas no trabalho. Figura :7 Pátio de estocagem da TEVIT Fonte: Manual transpetro(2012).
  • 32. 4.6 MUDANÇA DO LAYOUT E SEUS IMPACTOS NA PRODUTIVIDADE O regulamento do complexo de tubarão(Art.23 pag11- Art. 23) Particularidades do Pier 2 de Tubarão trás a seguinte restrição concernente a suas operações: Para as manobras de atracação e desatracação de navios com comprimento total superior a 350,00 metros, deverá ser observada a restrição referente à necessidade do Píer 5 (TGL) estar desocupado atracação e desatracação de navios com comprimento total superior a 350,00 metros, deverá ser observada a restrição referente à necessidade do Píer 5 (TGL) estar desocupado. O regulamento faz referências concernente a certas restrições que existem nas atracações de alguns navios, são observados até mesmo horário propicio para atracação em alguns píer tais como o Pier II onde as manobras de atracação, no período noturno, deverá ser observada a restrição referente à necessidade do Píer 1 Lado Norte ou do Píer 2 estar desocupado, para os navios com comprimento total superior a 170,00 metros, o haver atracado no Píer 2 navio que possua boca máxima superior a 60,00 metros. (REGULAMENTO P.14). Para uma área portuária a mudança de Layout trás implicações em todas as áreas desde aos processos de operações com máquinas e veículos, quanto aos percursos de atracações de navios no píer, desta forma poderá haver redução do fluxo de materiais ou uma maior estocagem ou ainda redução nos custos” (Dias, 1993), Além disso, facilita o fluxo de materiais, produtos e equipamentos evitando danos e agilizando o processo. Com a mudança do Layout através da mudança do píer TGL, o Porto de tubarão poderá ter uma melhora significativa em toda sua operação Ao criarmos um Layout devemos entender para que determinada tarefa seja utilizada, a quantidade e o caminho percorrido pela documentação.
  • 33. CONCLUSÃO Como melhorar a produtividade nas atividades de carga e descarga de navios de minério com a mudança de layout no porto de Tubarão? Através da alteração no layout do porto de tubarão poderá haver uma melhoria na produtividade nas atividades de carga e descarga dos navios. A analise e as mudanças nas instalações do píer TGL (Terminal de Grãos Líquidos), para o cais de rebocadores; Identificar os principais gargalos dentro do porto de tubarão e propor medidas que possam sanar estes problemas Investigar as literaturas inerentes à produção portuária. Esse trabalho se torna importante na medida em que as empresas que utilizam o porto de Tubarão podem conquistar benefícios na produtividade das operações de carga e descarga com uma simples alteração do layout atual. Acredita-se que com uma simples mudança de layout, a produtividade do porto será aumentada. O porto da vale apesar de sua diversidade de operações pode ser usado como modelo de operações logísticas para todo o mundo, alguns gargalos são comuns em todos os portos do mundo outros foram criados em consequência de um erro de planejamento feito em curto prazo e que não foi projetado para o futuro, foi o caso do problema de estudo neste trabalho, pois o terminal do TGL foi criado para atender uma lacuna de tempo nas operações existentes nos demais píer sem contarem que houvesse uma expansão de demandas de exportação de minério e pelotas, já na área do TGL o consumo de combustíveis aumentou dando assim uma necessidade de outro local para descarregamentos, como a empresa Petrobrás consegue sanar isto com a criação de outros terminais fora da vale ficou claro que o maior problema se encontra nas operações do píer, pois estão ficando parada em alguns momentos de descarregamento no TGL, desta forma a transferência deste píer para outro local viabilizaria não só as operações da vale quanto as da Petrobras. ao realizar a transferência do píer TGL Um boa estrutura para operação nos piers é essencial para que se tenha um aproveitamento suficiente para transporte de todo material e equipamento utilizado dentro do porto. Quando há referencias de mudanças de layout dentro de um porto há variáveis que impacta no calado, profundidade, criação do mole e observações nas restrições marítima pois estamos integrando área marítima com ambiental.
  • 34. REFERENCIA ALMEIDA, M. A. C. Projeto de Pesquisa: guia prático para monografia. 4° ed. Rio de Janeiro: Ed.WAK, 2007. Anne Warth Revista Exame, agência Estado. Secretaria Dos Portos, Com portos 24hs,custo.com.logística.deve.cair.25%,2013.disponivel.em:<http://economia.estad ao.com.br/noticias/geral,com-portos-24-horas-custo-com-logistica-deve-cair- 25,151252e> Acesso Dez. 2015. Barboza M. A. M. A ineficiência da infraestrutura Logística do Brasil, Revista portuária.Econômia&negócios,Disponívelem:<http://www.revistaportuaria.com.br/ noticia/16141l>. Acesso em 31 maio. 2015. BALLOU RONALD H.P.27,ED 5°,2006,ed.Bookman Porto Alegre, CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE E CENTRO DE SIGNIFICADOS,Disponivel,em:http:< /www.significados.com.br/metodologia/> Acesso abril 2016. BALHOU. H.RONALD gerenciamento da cadeia de suprimento/logística empresarial 5 ed Porto Alegre ED.Bookman,2006. CURY, Antônio. Organização e Métodos Uma visão Holística. 7 ª ed. P,386.São Paulo: Ed. Atlas,2000. _____ 8° ed.P.396 São Paulo: Ed. Atlas, 2012. Davis. N, Chase, B.Richard Fundamentos da administração da produção 3° Ed.p65, Porto Alegre ED.Bookman, 2001.
  • 35. DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais uma abordagem logística. 4° ed. São Paulo: Ed. Atlas, 1993. Entrevista Transpetro [Mensagem pessoal].Mensagem recebida por < gilsonsilvabrito@ymail.com> em 20 Dez.2015. Junior.V.R Entrevista Espera de navios para atracar no Porto de Vitória pode custar R$.150.mil..2013.disponivel.em:<http://g1.globo.com/espirito-santo/bom-dia- es/videos/v/espera-de-navios-para-atracar-no-porto-de-vitoria-pode-custar-r-150- mil/2642461/>Acesso.em.05.Dezembros.2015. HING, HONG YUH. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada – Supply chain. São Paulo: Atlas, 1999. Machado.Sergio 2008. Disponível em:<http:// www.transpetro.com.br/.../transpetro- apresenta-relatorio-anual-de-2008.>.Acesso em 31 maio. 2015. MEMORIAL.D.V.p.14.2010.disponível em:<http://www.vale.com/PT/business/logistics/ports- terminals/Documents/pdf/memorial_descritivo_terminal_tubarao.pdf> Acesso em 05 Dez 2015. O CUSTO da ineficiência. Revista Exame, Disponível em: <http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/Infra2008/especiais/custo- neficiencia-410882.html>. Acesso em: 30 set. 2015. Oliveira M, Leandro D.S. Apostila Assistente de planejamento e controle da
  • 36. produção p.15 Ed SEST/SENAT ES 2004. PRATA, B.T. Avaliação de desempenho operacional de terminais portuários de carga unitizada: Uma aplicação das redes de petri coloridas, Fortaleza, 2006, p.6- /aplicativos.fipe.org.br/enaber/pdf/66.pdf>. Acesso em 23 agosto. 2015. PRATA EDUARDO ALMEIDA, IN- fórum de logística empresarial e infraestrutura do Espirito Santo, Disponível em:<2011 8b73e37eaafd&v=&b=&from_search=3> Acesso em 17 abr.2016. _____ Projeto de um Super. Porto no ES 2011. SEST/SENAT ES- Oliveira et al,Layouts industrial, São Paulo: ícone,1989. Slack N. Chambers S. Administração da produção 3° ed p.65 São Paulo: Ed Atlas, 2008. SENAI, educação profissional, Logística p.8,2004. SECRETARIA DE PORTOS. Disponível em: <www.portosdobrasil.gov.br/sistema- portuário-nacional>. Acessado em fev. 2014. _____VICTOR,TARDIO,APUD,PORTOS,DO,BRASIL, 2015,.Disponível,em:<http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/inteligencia- logistica/porto-sem-papel-psp> Acessado em fev. 2014. Terminal Aquáviário de Vitória,2° Ed.p.12, 25, 33, 2012. Disponível em:< http://www.transpetro.com.br/pt_br/areas-de-negocios/terminais-e- oleodutos/informacoes-portuarias.html > Acesso 18.03.2016. UNCTAD. Conferência Das Nações Unidas 2012 In: PRODUTIVIDADE PORTUÁRIA: estudo de caso do processo de descarga de minério no terminal portuário ponta da madeira – VALE.