Competitividade

634 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
634
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Competitividade

  1. 1. Equipe: Deyvid Américo Caroline CarvalhoCOMPETITIVIDADE Douglas Moraes Milena Meurer
  2. 2. Competitividade Não existe consenso quanto à definição do conceito e, conseqüentemente, quanto às metodologias mais adequadas de avaliação. Apesar de existirem vários indicadores, percebe-se a freqüência de duas famílias:
  3. 3. Primeira família A competitividade é vista de certa forma como desempenho,e este pode ser medido na participação no mercado (market-share) alcançada por uma firma em um mercado em certo momento do tempo
  4. 4. ATENÇÃO! A eficiência na utilização de recursos produtivos definiria algumas das eventuais fontes de competitividade existentes, mas nunca a competitividade em si, já que esta depende de vários outros fatores, muitos deles subjetivos ou não mensuráveis
  5. 5. FATORES QUE INTERFEREM NACOMPETITIVIDADEAlém do preço, temos a qualidade deprodutos e de fabricação e outros similares, ahabilidade de servir ao mercado e acapacidade de diferenciação de produtos,fatores esses parcial ou totalmente subjetivos
  6. 6. Segunda família Na segunda família a competitividade é vista como eficiência. A competitividade é um fenômeno que reflete o grau de capacitação detido pelas empresas, que se traduz nas técnicas por elas praticadas.
  7. 7. ASSIM... O desempenho obtido no mercado seria uma conseqüência dessa capacitação. Considera-se, assim, que é o domínio de técnicas mais produtivas que, em última instância, habilita uma empresa a competir com sucesso, ou seja, representa a causa efetiva da competitividade.
  8. 8. UMA ANÁLISE A competitividade deve ser entendida como a capacidade da empresa de formular e programar estratégias concorrenciais que lhe permitam conservar de forma duradoura uma posição sustentável no mercado
  9. 9. ESSÊNCIA DASESTRATÉGIAS A essência da formulação estratégica é lidar com a competição. Além disso é preciso saber impor correções de rumo quando necessário. Para isso é necessário verificar o ambiente econômico e as especificidades do mercado.
  10. 10. AS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS1) Novos entrantes2) Produtos ou serviços substitutos3) Poder de barganha dos fornecedores4) Poder de barganha dos clientes5) competindo por uma posição entre concorrentes existentes.
  11. 11. ESCOLHA DAESTRATÉGIA Existem duas preocupações centrais que sublinham a escolha da estratégia competitiva. A primeira é a estrutura da indústria na qual a empresa compete. As indústrias diferem muito na natureza da competição e nem todas oferecem igual oportunidade de lucratividade continuada
  12. 12. AA segunda preocupação centralda estratégia é a posiçãodentro da indústria.Algumas posições são maislucrativas do que outras, a despeitode qual possa ser a lucratividademédia da indústria.
  13. 13. VANTAGEM COMPETITIVADois tipos básicos de vantagemcompetitiva: menor custo ediferenciação.O primeiro é a capacidade deuma empresa de projetar,produzir e comercializar umproduto comparável com maiseficiência que seuscompetidores.
  14. 14. Já a diferenciação é a capacidade de proporcionarao comprador um valor excepcional e superior, em termosde qualidade do produto, características especiais ouserviços de assistência.
  15. 15. ESTRATÉGIASGENÉRICASExistem três abordagensestratégicas genéricas que ajudampotencialmente bem sucedidaspara superar as outras empresasem uma indústria:1) Liderança no custo total2) Diferenciação3) Enfoque
  16. 16. RISCO DAS ESTRATÉGIAS GENÉRICASO primeiro, falhar emalcançar ou sustentar aestratégia; segundo, que ovalor da vantagemestratégica proporcionadapela estratégia sejadesgastado com aevolução da indústria.

×