Cefepima

1.858 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.858
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cefepima

  1. 1. CefepimeDenise SelegatoMarcela OliveiraRaíssa GolinFaculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  2. 2. 1. Introdução1.1. Cefepime:A cefepime é uma cefalosporina de 4ª geração e, como todas ascefalosporinas, trata-se de um antibiótico beta-lactâmico bactericida.Tem um espectro de ação mais amplo para gram negativas quecefalosporinas de 1ª, 2ª e 3ª geração, além de ação em micro-organismosgram-positivos e enterobacteriás.1.2. Especialidades Farmacêuticas• Brasil: MAXCEF (Bristol–M–Squibb)• Nomes Internacionais: Axepim (FR); Axera (PH); Caprifim (ID);Cefemax (TW); Cefepima (CO); Cefepitax (BR); Ceficad (IN);Cefinov (ID); Cepiram (PH); Dimipra (PH); Efectus (DO); Emax (ID);Exepime (ID); Forzyn Beta (PY); Funjapin (TW); Interprim (ID);Kabol (DO); Macef (ID); Macepim (TW); Maxcef (AR, UY); Maxef(MX); Maxfrom (AR); Maxicef (ID); Maxilan (ID); Maxipime (AT, AU,BE, BG, CH, CL, CN, CZ, DE, DK, EC, EE, ES, FI, GR, HK, HN,HU, IT, JP, KP, LU, MX, MY, NL, NZ, PE, PK, PL, PT, RU, SE, SG,TR, TW, VE, ZA); Megapime (MY, TH); Pimcef (PE); Pime (TH);Procepim (ID); Rapime (ID); Rovatim (PH); Sanpime (PH); Sefpime(TH); Silex (PH); Supecef (TW); Zepim (PH); Zepime (PH)1.3. Nome Genérico:Cloridrato de Cefepima G (ABL).1.4. Medicamentos Similares:• CEFEPEN (Cellofarm);• CEMAX (Biochimico);• UNIFEPIM (União Química)• Cloridrato de Cefepima genérico: equivalente a Cefepima.1.5. Formas Farmacêuticas Disponíveis:Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  3. 3. 1.5.1. Uso injetável• Injetável (pó) 500 mg: MAXCEF• Injetável (pó) 1 g: MAXCEF; CLORIDRATO DE Cefepima GENÉRICO(ABL); G• Injetável (pó) 2 g: MAXCEF; CLORIDRATO DE Cefepima GENÉRICO(ABL); G• Injetável (pó) 1 g (sistema fechado): MAXCEF; CLORIDRATO deCefepima GENÉRICO (ABL); G• Injetável (pó) 2 g (sistema fechado): MAXCEF; CLORIDRATO DECefepima GENÉRICO (ABL); G2. Estrutura Química:• Fórmula Linear: C19H28Cl2N6O6S2.• Peso Molecular: 571.49822.• Número CAS: 123171-59-5.• Sinônimos:o Cefepime hydrochloride;o Cefepime HCl;o Cefepime dihydrochloride;o CHEBI:31368;o 123171-59-5;o Maxipime (TN);o Cefepime hydrochloride hydrate.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  4. 4. Devido à sua estrutura química, a cefepima penetra pelas porinasparietais mais rapidamente que outras cefalosporinas (como a ceftazidima ea cefotaxima), atingindo uma maior concentração para ação bactericida.Uma hora após a sua administração parenteral, em doses variáveis de500, 1.000 e 2.000 mg, atingem-se níveis plasmáticos de 21,6, 44,5 e85,8 mg/ml, respectivamente.3. Armazenagem Antes de AbertoOs parâmetros para armazenagem do medicamento são:• Temperatura ambiente: 15-30°C.• Proteção à luz.• Proteger da umidade.• Aparência do pó seco: branco a amarelo-claro.4. Farmacocinética e Farmacodinâmica• Absorção: rápida e completa (IM).• Ligação a proteína plasmática: cerca de 20% (baixo).• Distribuição (Vd): Para adultos, é de 16-20 litros (alto Vd);o Penetra no fluido inflamatório em concentração superior a80% dos níveis do soro;o Penetra na mucosa bronquial em concentração superior a60% do nível do soro.o Atravessa a barreira hematoencefálica.• Metabolismo: minimamente hepático.• Meia-vida plasmática: aproximadamente 2 horas.• Tempo necessário para atingir o pico de concentração no soro:o IM: 1 a 2 horas.o IV: 0,5 horas.• Excreção: Renal (85% de eliminação pela urina da droga inalterada).• São tempo-dependente.5. Mecanismos de AçãoFaculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  5. 5. A Cefepime tem mecanismo de ação similar ao das outras cefalosporina,ou seja, inibe a síntese da parede celular da bactéria, através da ligação (forteafinidade) com as proteínas ligadoras de penicilina (PBP), principalmente aPBP 2 e 3. Essa inibição impede a etapa final da transpeptidação da síntesedo peptideoglicano, sendo, portanto, bactericida.A cefepime é mais resistente a hidrólise pelas betalactamases que ascefalosporinas de 1, 2 e 3ª geração. Além disso, possui maior afinidade pelosPBP 2 e 3 da parede dos gram-negativas e tem maior atividade antibacterianadevido ao sítio de ligação ser saturado com menos moléculas.6. Forma de Uso:6.1. Uso Injetável (via intramuscular): Cefepima pó 500 mg• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção ou Lidocaína 0,5 ou 1%.o Volume: 1,5 mL• Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãonormal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com água estéril para injeção oulidocaína 0,5 ou 1%: temperatura ambiente (15-30°C), por 24 horasou refrigeração (2-8ºC) por 7 dias.• Administração: em adultos, nas nádegas (quadrante superiorexterno) e em crianças, na face lateral da coxa.ATENÇÃO: reconstituição com Lidocaína é apenas para injeçãointramuscular.6.2. Uso Injetável (via intravenosa direta): Cefepima pó 500 mg• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção; Cloreto de Sódio 0,9%ou Glicose 5%.o Volume: 5 mL.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  6. 6. • Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãonormal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com água estéril para injeção,cloreto de sódio 0,9% ou glicose 5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas e sob refrigeração (2-8ºC) por 7 dias.• Tempo de injeção: 3 a 5 minutos.6.3. Uso Injetável (via intramuscular): Cefepima pó 1 g• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção ou Lidocaína 0,5 ou 1%.o Volume: 3 mL• Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãonormal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com Água Estéril para Injeção;Cloreto de Sódio 0,9% ou Lidocaína: temperatura ambiente (15-30°C): 24 horas. Refrigeração (2-8ºC): 7 dias.• Administração: em adultos, nas nádegas (quadrante superiorexterno); em crianças, na face lateral da coxa.ATENÇÃO: reconstituição com Lidocaína é apenas para injeçãointramuscular.6.4. Uso Injetável (via intravenosa direta): Cefepima pó 1 g• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção; Cloreto de Sódio 0,9%ou Glicose 5%.o Volume: 10 mL.• Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãoFaculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  7. 7. normal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com Água Estéril para Injeção,Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas e sob refrigeração (2-8ºC) por 7 dias.• Tempo de injeção: 3 a 5 minutos.6.5. Uso Injetável (infusão intravenosa): Cefepima pó 1 g• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção; Cloreto de Sódio 0,9%ou Glicose 5%.o Volume: 10 mL.• Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãonormal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com Água Estéril para Injeção;Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas e sob refrigeração (2-8°C) por 7 dias.• Diluição:o Diluente: Cloreto de Sódio 0,9%; Glicose 5%.o Volume: 50-100 mL.• Aparência da solução diluída: incolor a amarelo-claro logo após adiluição; quando armazenada, vai se tornando amarelo mais forte,chegando a amarelo-amarronzado (condição normal desde querespeitados os parâmetros de estabilidade, como temperatura etempo).• Estabilidade após diluição com Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas ou sobrefrigeração (2-8°C) por 7 dias.• Tempo de infusão: 30 minutos.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  8. 8. 6.6. Uso Injetável (infusão intravenosa por sistema fechado):Cefepima pó 1 g• Bolsa de cloreto de sódio 0,9% específica para sistema fechado.• Reconstituição e diluição (realizadas simultaneamente)o Diluente: Cloreto de Sódio 0,9%.o Volume: 100 mL.• Aparência da solução diluída: incolor a amarelo-claro logo após adiluição; quando armazenada, vai se tornando amarelo mais forte,chegando a amarelo-amarronzado (condição normal desde querespeitados os parâmetros de estabilidade, como temperatura etempo).• Estabilidade após diluição com Cloreto de Sódio 0,9%: temperaturaambiente (15-30°C) por 24 horas e sob refrigeração (2-8°C) por 7dias.• Tempo de infusão: 30 minutos.6.7. Uso Injetável (via intravenosa direta): Cefepima pó 2 g• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção; Cloreto de Sódio 0,9%ou Glicose 5%.o Volume: 10 mL.• Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãonormal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com Água Estéril para Injeção;Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas e sob refrigeração (2-8ºC) por 7 dias.• Tempo de injeção: 3 a 5 minutos.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  9. 9. 6.8. Uso Injetável (infusão intravenosa): Cefepima pó 2 g• Reconstituição:o Diluente: Água Estéril para Injeção; Cloreto de Sódio 0,9%ou Glicose 5%.o Volume: 10 mL.• Aparência da solução reconstituída: incolor a amarelo-claro logoapós a reconstituição; quando armazenada, vai se tornandoamarelo mais forte, chegando a amarelo-amarronzado (condiçãonormal desde que respeitados os parâmetros de estabilidade,como temperatura e tempo).• Estabilidade após reconstituição com Água Estéril para Injeção;Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas e sob refrigeração (2-8°C) por 7 dias.• Diluição:o Diluente: Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%.o Volume: 50-100 mL.• Aparência da solução diluída: incolor a amarelo-claro logo após adiluição; quando armazenada, vai se tornando amarelo mais forte,chegando a amarelo-amarronzado (condição normal desde querespeitados os parâmetros de estabilidade, como temperatura etempo).• Estabilidade após diluição com Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose5%: temperatura ambiente (15-30°C) por 24 horas e sobrefrigeração (2-8°C) por 7 dias.• Tempo de infusão: 30 minutos.6.9. Uso Injetável (infusão intravenosa em sistema fechado):Cefepima pó 2 g• Bolsa de Cloreto de Sódio 0,9% específica para sistema fechado.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  10. 10. • Reconstituição e diluição (realizadas simultaneamente):o Diluente: Cloreto de Sódio 0,9%.o Volume: 100 mL.• Aparência da solução diluída: incolor a amarelo-claro logo após adiluição; quando armazenada, vai se tornando amarelo mais forte,chegando a amarelo-amarronzado (condição normal desde querespeitados os parâmetros de estabilidade, como temperatura etempo).• Estabilidade após diluição com Cloreto de Sódio 0,9%: temperaturaambiente (15-30°C): 24 horas. Refrigeração (2-8°C): 7 dias.• Tempo de infusão: 30 minutos.O resumo das reconstituições pode ser observado na Tabela 01:Tabela 01: Preparo das Soluções de MAXCEFAdministraçãoDose Volume dediluente aseradicionado(mL)Volumeaproximadono frasco-ampola(mL)Concentraçãoaproximadade Cefepime(mg/mL)IV500mg 5 5,7 901g 10 11,4 902g 10 12,8 160IM500mg 1,5 2,2 2301g 3 4,4 2307. CompatibilidadeFaculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  11. 11. A cefepime é estável em água estéril para injeção, água bacteriostática,dextrose 5% em água (D5W), dextrose 10% em água (D10W), dextrose 5%em salina (D5NS), dextrose 5% em anéis de lactato e Salina (NS ou NaCl0,9%).Tem estabilidade variável em soluções de diálise peritoneal.7.1. Compatibilidade para administração endovenosa (Y-siteadministration): Amicacina, ampicillina/sulbactam, anidulafungina,aztreonam, bivalirudina, bleomicina, bumetanida, buprenorfina,butorfanol, gluconato de cálcio, carboplatina, carmustina, ciclofosfamida,citarabina, dactinomicina, dexametasona, sódio ou fosfato,dexmedetomidina, docetaxel, doxorubicina, lipossoma, fenoldopam,fluconazol, fludarabine, fluorouracil, furosemida, gentamicina,granisetron, hetastarch em injeção de eletrólitos lactosados (Hextend®),hidrocortisona, succinato de sódio, hidromorfona, imipenem/cilastatina,insulina (regular), ketamina, leucovorina, lorazepam, melfalan, mesna,metotrexato, metilprednisolona, metronidazol, milrinona, micofenolate,paclitaxel, piperacillina/tazobactam, ranitidina, remifentanila,sargramostima, bicarbonato de sódio, sufentanila,sulfametoxazola/trimetoprima, telavancina, tiotepa,ticarcillina/clavulanato, tigeciclina, tobramicina, valproato, zidovudina.7.2. Incompatibilidade: Acetilcisteína, aciclovir, amfotericina B,caspofungina, clorpromazina, cimetidina, ciprofloxacino, cisplatina,dacarbazina, daunorubicina, diazepam, difenhidramina, doxorubicina,droperidol, enalapril, eritromicina, etoposida, famotidina, filgrastima,floxuridina, nitrato de gálio, ganciclovir, haloperidol, hidroxizina,idarubicina, ifosfamida, sulfato de magnésio, manitol, mecloretamina,meperidina, metoclopramide, midazolam, mitomicina, mitoxantrona,morfina, nalbufina, nicardipina, ondansetron, fenitoína, proclorperazina,prometazina, streptozocina, teofillina, vinblastina, vincristina.7.3. Compatibilidade variável: Dobutamina, dopamina, morfina,propofol, vancomicina.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  12. 12. 8. Doses - Indicações rotuladas:A cefepima é utilizada, em adultos, para o tratamento de infecções no tratourinário (severas ou não severas), incluindo pielonefrite causada porEscherichia coli, Klebsiella pneumoniae, ou Proteus mirabilis, monoterapia paraneutropenia febril, infecção da pele e dos tecidos moles (moderada a grave)causada por Streptococcus pyogenes ou staphylococci susceptível a meticilina(não resistente), pneumonia (moderada a grave) causada por Streptococcuspneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella pneumoniaeou Enterobacter species, infecções intra-abdominal complicada (em associaçãocom metronidazol) causada por E. coli, P. aeruginosa, K. pneumoniae,Enterobacter species ou Bacteroides fragilisagainst, staphylococci susceptível ameticilina (não resistente), Enterobacter sp e muitos outros bacilos gram-negativos.Já para crianças de 2 meses a 16 anos, é utilizada para tratamentoempírico de neutropenia febril, infecções da pele e de tecidos moles sem-complicações, pneumonia e infecções do trato urinário complicadas ou não,incluindo pielonefrite.8.1. Pneumonia• Pneumonia (moderada a grave): 1 a 2 g, via intravenosa, cada 8 ou 12horas, por 7 a 10 dias, e não for causada por Pseudomonas, ou até por21 dias, se causada por Pseudomonas.• Nosocomial (pneumonia adquirida no hospital ou pneumonia relacionadaa ventilação - HAP/VAP): 1-2 g a cada 8 ou 12 horas.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  13. 13. ATENÇÃO: para a terapia de pneumonia nosocomial, a duração podevariar de 7 a 21 dias ou mais, caso a infecção seja causada pelaPseudomonas.• Pneumonia adquirida na comunidade (incluindo pseudomonal): 1-2 g acada 12 horas por 10 dias.8.2. Tratamento empírico de neutropenia febril• 2 g, via intravenosa, cada 8 horas, por 7 dias (ou até controle daneutropenia). Se a febre desaparecer após 7 dias, mas a neutropeniacontinuar, reavaliar periodicamente a necessidade da Cefepima.8.3. Infecção Urinária• Infecção Urinária (leve a moderada): via intramuscular ou intravenosa,500 mg a 1 g, cada 12 h por 7 a 10 dias.• Infecção Urinária (grave), causada por Escherichia coli ou Klebsiellapneumoniae: via intravenosa, 2 g cada 12 h por 10 dias.8.4. Infecção da Pele e dos Tecidos Moles• Infecção da Pele e dos Tecidos Moles (moderada a grave); 2g, viaintravenosa, cada 12 horas, por 10 dias.8.5. Infecção Intra-abdominal (complicada)• É utilizado em associação com o metronidazol.• Infecção Intra-abdominal (complicada) para adultos e adolescentes: 2g,via intravenosa, cada 12 horas (junto com metronidazol), por 7 a 10 dias.• Não é recomendada para infecções intra-abdominais adquiridas nohospital associadas a resistência de multi-drogas para gram-negativasou para infecções intra-abdominais adquiridas na comunidade, de leve aFaculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  14. 14. moderada, devido ao risco de toxicidade e o desenvolvimento deresistência dos micro-organismos (Solomkin, [IDSA] 2010).9. Doses - Indicações não rotuladas9.1. Abcesso cerebral ou prevenção pós-neurocirurgia:• I.V.: 2 g a cada 8 horas associado com vancomicina.9.2. Otite externa malígna:• I.V.: 2 g a cada 12 horas.9.3. Infecções das Articulações Prostéticas causadas porEnterobacter spp ou Pseudomonas aeruginosa:• I.V.: 2 g a cada 12 horas por 4 a 6 semanas.• Caso o tratamento seja para P. aeruginosa, considerara associaçãocom aminoglicosídeo (Osmon, 2013).9.4. Sepse latetal ou trombose no sino cavernoso:• I.V.: 2 g a cada 8 a 12 horas.• Associar com metronidazol para sepse.10.Ajuste de DoseFaculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  15. 15. 10.1. Idosos: Mesmas doses de adultos e adolescentes.10.2. Diminuição da Função Renal: nenhum ajuste de dose énecessário.10.3. Pacientes com Diminuição da Função Renal10.3.1. Adultos: o ajuste de dose acontece através do cálculo doclearance de creatinina (estimado usando a fórmula de Cockcroft-Gault). A tabela abaixo mostra o ajuste de dose recomendado.• Dose inicial igual a dose de pacientes com função renal normal. Apósa dose inicial, pode ser necessária uma redução da dose de acordocom o grau de diminuição da função renal.• Doses de manutenção, em função do clearance de creatinina,calculada a partir de uma dose normal que se daria para um pacientesem problemas renais.ClCr Dose 500mga cada 12horasDose 1g acada 12horasDose 2g acada 12horasDose 2g acada 8horas>60 mL/min 500mg acada 12horas1000mg acada 12horas2000mg acada 12horas2000mg acada 8 horas30-60mL/min500mg acada 24horas1000mg acada 24horas2000mg acada 24horas2000mg acada 12horas11-29mL/min500mg acada 24horas500mg acada 24horas1000mg acada 24horas2000mg acada 24horas<11 mL/min 250mg acada 24horas250mg acada 24horas500mg acada 24horas1000mg acada 24horasDiálise 500mg acada 481000mg acada 482000mg acada 482000mg acada 48Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  16. 16. horas horas horas horasHemodiálise 500-1000mga cada24horas**500mg acada 24horas **500mg acada 24horas **1000mg acada 24horas**** em dias de hemodiálise, administrada após o procedimento.10.3.2. Pacientes em hemodiálise intermitente:- Administração após a hemodiálise.- Dose inicial: I.V., 1 g.- Dose de manutenção: 0.5-1 g a cada 24 horas ou 1-2g a cada 48-72 horas(Heintz, 2009) ou 2g 3 vezes por semana após a diálise (Perez, 2012).10.3.3. Diálise peritoneal: administrar dose recomendada a cada 48 horas.10.3.4. Terapia de Substituição Renal Contínua (continuous renalreplacement therapy - CRRT):O clearance da droga é dependente do método de substituição renal, filtro efluxo utilizados.A dosagem apropriada depende de monitorização da respostafarmacológica, sinais e sintomas, efeitos adversos causados por acúmulode drogas e concentração do antibiótico no sitio de ação.Recomenda-se as seguintes doses para pacientes com fluxo de 1-2 L/horae função renal mínima residual:• Continuous Veno-Venous Hemofiltration (CVVH): dose inicial de 2 g,seguido se dose de manutenção de 1-2g a cada 12 horas.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  17. 17. • Continuous Veno-Venous Hemodiafiltration ou Continuousvenovenous hemodiafiltration (CVVHD/CVVHDF): dose inicial de 2 gseguido de dose de manutenção de 1 g a cada 8 horas ou 2 g a cada 12horas.10.4. Crianças (2 meses até 16 anos de idade)10.4.1. Pneumonia (moderada a grave); infecção da Pele e dos TecidosMoles (moderada a grave); Infecção Urinária (leve a moderada, nãocomplicada ou complicada): 50 mg por kg de peso, via intravenosa,cada 12 h, por 10 dias.10.4.2. Infecção Urinária (grave, não complicada ou complicada): 50 mgpor kg de peso, via intravenosa ou via intramuscular, cada 12 h, por 7a 10 dias.10.4.3. Neutropenia Febril (terapia empírica): 50 mg por kg de peso, viaintravenosa, cada 8 h, por 7 dias (ou até controle da neutropenia).10.4.4. Infecção de pele e tecido moles sem-complicação: I.V.: 50mg/kg/dose every 12 hours for 10 days11.Susceptibilidade dos Organismos11.1. Ativo contra:Gram negativa: ação semelhante a cefotaxima e ceftriaxona (terceira geração).• Streptococcus pyogenes.• Streptococcus do grupo A, B, C e G.• Streptococcus pneumoniae.• Viridans strep.• Staphylococcus epidermidis: existem cepas resistentes.Gram negativa:Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  18. 18. • Neisseria gonorrhoeae.• Neisseria meningitidis.• Moraxella catarrhalis.• Haemophilus influenzae.• Escherichia coli.• Klebsiella spp.• Enterobacter spp.o Enterobacter cloacae (que são resistentes a outrascefalosporinas).o Enterobacter aerogenes.• Serratia sp.• Salmonella sp.• Shigella sp.• Proteus mirabilis.• Proteus vulgaris.• Providência sp.• Morganella sp.• Citrobacter freudii.• Citrobacter diversus.• Citrobacter sp.• Aeromonas sp.• Acnetobacter sp: já existem cepas resistentes.• Burkholderia cepacia (Ps.): já existem cepas resistentes.• Pseudomonas spp: menos ativa que a ceftazidima.o Pseudomonas aeruginosa: tem ação semelhante à ceftazidima.• Bacteroides spp.• Bacteroides fragilis.• Yersinia enterocoliticaAnaerobias:• Peptostreptococcus sp.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  19. 19. 11.2. Inativa contra:• Estafilococos resistentes à meticilina (MRSA).• Pneumococos resistentes à penicilina.• Clostridium difficile.• Alguns enterococos, como o Enterococus faecalis.• Bacteroides fragilis.• L. monocytogenes.• Escherichia coli e Klebsiella spp ESBL+ (extended-spectrum beta-lactamase).• Escherichia coli e Klebsiella spp KPC+ (Klebsiella pneumoniaecarbapenemase).• Stenotrophomonas maltophilia.• Legionella sp.• Pasteurella multocida.• Anaerobias: com excessão de Peptostreptococcus sp.12.Cuidados Especiais:12.1. Risco na GravidezRisco B: Não há estudos adequados em mulheres (em experimentosanimais não foram demonstrados riscos).12.2. AmamentaçãoExcretado no leite em pequenas quantidades; problemas nãodocumentados.12.3. Não Usar o Produto em caso deReação alérgica prévia a penicilinas, derivados da penicilina, penicilaminaou cefalosporinas.12.4. Avaliar Riscos X BenefíciosDiminuição da função renal (reduzir doses); história de doençagastrintestinal, particularmente colite ulcerativa, enterite regional ou coliteassociada a antibióticos (pode ocorrer colite pseudomembranosa); história dedoença com sangramento (pode ocorrer sangramento por hipoprotrombinemia).Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  20. 20. 13.Precauções:• INR elevado: Pode ser associada ao aumento da INR, especialmenteem pacientes com deficiência nutricional, tratamento prolongado, doençahepática ou renal.• Neurotoxicidade: reações neurológicas graves (alguns fatais) foramrelatados, incluindo encefalopatia, mioclonia, convulsões e estado demal epiléptico sem convulsões. Risco pode ser aumentada na presençade insuficiência renal; assegurar dose ajustada para a função renal ouinterromper o tratamento se o paciente desenvolver neurotoxicidade.Efeitos são geralmente reversíveis com a descontinuação de cefepima.• Alergia à penicilina: Use com precaução em pacientes com história dealergia à penicilina, especialmente as reações mediadas por IgE (ex.:anafilaxia, angioedema, urticária).• Superinfecção: O uso prolongado pode resultar em superinfecção porfungos ou bactérias, incluindo diarreia associada a infecção porClostridium difficile (CDAD) e colite pseudomembranosa; CDAD foiobservado em pacientes com mais de 2 meses de pós-antibiótico.• Saúde Mental (efeitos no estado mental): Pode causar nervosismo,relatos de casos de euforia, delírio, ilusões e despersonalização comcefalosporinas; raramente tem sido associado com encefalopatia(confusão, alucinações, estupor e coma); a maioria dos casos ocorreuem pacientes com insuficiência renal que receberam doses queexcederam as recomendações.• Saúde Mental (efeitos no tratamento psiquiátrico): raramente podecausar neutropenia, usar com precaução se associado com clozapina ecarbamazepina.14.Reações Adversas:• >10%:o Gastrointestinais: diarreia; usar com cuidado em pacientes comhistórico de colite.o Hematológicas: Teste de Coombs positivo sem hemólise.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  21. 21. o Renais: pode aumentar o risco de encefalopatia, mioclonais econvulsão.o Convulsão: principalmente em alta concentração do fármaco eassociado a falência renal.• 1% to 10%:o SNC: febre e dor de cabeça (1%).o Dermatológico: erupção cutânea (1% a 4%), prurido (1%)o Endócrinas e metabólicas: hipofosfatemia (3%)o Gastrointestinal: diarreia (≤ 3%), náuseas (≤ 2%), vômito (≤ 1%)o Hematológicas: aumento dos eosinófilos (2%)o Hepática: ALT aumentado (3%), aumento de AST (2%), PTTanormal (2%) e PT anormal (1%).o Local: inflamação, flebite e dor (1%).• <1%, após comercialização e/ou caso relatados: agranulocitose,aumento da fosfatase alcalina, choque anafilático, anafilaxia, bilirrubinaaumentada, aumento de BUN, colite, coma, confusão, creatininaaumentada, encefalopatia, alucinações, hematócrito, hipercalcemia,hipercalemia, hiperfosfatemia, hipocalcemia, leucopenia, mioclonia,neutropenia, ataque epiléptico não-convulsivo, monilíase oral, colitepseudomembranosa, convulsões, estupor, trombocitopenia, urticária,vaginite.15.Interações Medicamentosas:• Em soluções IV, as penicilinas e cefalosporinas não devem sermisturados com aminoglicosídeos porque pode haver precipitaçãodesses produtos; se necessário, devem ser administrados em locaisdiferentes (não misturados numa mesma seringa, frasco ou bolsa); seutilizada a técnica em Y para administração, deve-se suspendertemporariamente um produto enquanto se administra o outro. Outrasincompatibilidades: consultar informações do fabricante.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  22. 22. • Inibidores da agregação plaquetária: pode aumentar os riscos dehemorragia.• Medicamentos nefrotóxicos: pode ter o risco de nefrotoxicidadeaumentado.• Aminoglicosídeos: cefalosporinas (4 ª geração) pode aumentar o efeitonefrotóxico da aminoglicosídeos. Risco C: monitoramento terapêutico.• Vacina BCG (contra tuberculose): antibióticos podem diminuir o efeitoterapêutico da vacina BCG. Risco X: Evitar combinação.• Probenecida (agente uricosúrio): pode aumentar a concentração séricade cefalosporinas. Risco C: monitoramento terapêutico.• Picossulfato de sódio (laxante): antibióticos podem diminuir o efeitoterapêutico da Picossulfato de sódio. Gestão: considere usar um produtoalternativo para a limpeza do intestino antes da colonoscopia nospacientes que utilizaram recentemente ou são simultaneamenteutilizando um antibiótico. Risco D: Considere modificação terapia.• Antiácidos: diminuem a absorção de cefepima.• Vacina tifoide: antibióticos podem diminuir o efeito terapêutico da vacinacontra o tifo. Apenas a cepa viva atenuada Ty21a é afetado. Gestão: Avacinação com a vacina contra a febre tifoide vivo atenuado (Ty21a)deve ser evitado em pacientes que estão sendo tratados com agentesantibacterianos sistêmicos. Utilização desta vacina deve ser adiada atépelo menos 24 horas após a cessação de agentes antibacterianos.Risco D: Considere modificação terapia.• Antagonistas da vitamina K (por exemplo, warfarina): cefalosporinaspodem aumentar o efeito anticoagulante de antagonistas da vitamina K.Risco C: terapia monitor.16.Interações em Testes Biológicos:• Positivo para teste de Coombs direto, mesmo sem hemólise;• Falso-positivo para o teste de glicose urinária usando sulfato cúprico(solução de Benedict, Clinitest ®, solução de Fehling);• Falso-positivo para soro ou creatinina na urina na reação de Jaffé;Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  23. 23. • Falso positivo em teste para proteínas na urina e esteroides.17.Referência Bibliográfica• P.R. Vade-mécum - TAVARES, W. Manual de Antibióticos eQuimioterápicos Anti-infecciosos. 3 ed. ATHENEU• Cefepime - Lexicomp. Disponível em:http://online.lexi.com/lco/action/doc/retrieve/docid/patch_f/65533.Acessado em: 11.06.13.• Allaouchiche B, Breilh D, Jaumain H, et al, “Pharmacokinetics ofCefepime During Continuous Veno-VenousHemodiafiltration,” Antimicrob Agents Chemother, 1997, 41(11):2424-7. [PubMed 9371344]• American Thoracic Society and Infectious Diseases Society of America,“Guidelines for the Management of Adults With Hospital-Acquired,Ventilator-Associated, and Healthcare-Associated Pneumonia,” Am JRespir Crit Care Med, 2005, 171(4):388-416.[PubMed 15699079]• Arguedas AG, Stutman HR, Zaleska M, et al, “Cefepime.Pharmacokinetics and Clinical Response in Patients With CysticFibrosis,” Am J Dis Child, 1992, 146(7):797-802. [PubMed 1496945]• Barbhaiya RH, Knupp CA, and Pittman KA, “Effects of Age and Genderon Pharmacokinetics of Cefepime,” J Antimicrob Chemother, 1992,36(6):1181-5.• Barradell LB and Bryson HM, “Cefepime. A Review of Its AntibacterialActivity, Pharmacokinetic Properties, and Therapeutic Use,” Drugs, 1994,47(3):471-505. [PubMed 7514976]• Blumer JL, Reed MD, Lemon E, et al, “Pharmacokinetics (PK) ofCefepime in Pediatric Patients Administered Single and Multiple 50mg/kg Doses Every 8 Hours by the Intravenous (I.V.) or Intramuscular(I.M.) Route,” 34th Interscience Conference on Antimicrobial Agents andChemotherapy, 1994, Orlando, Fl. Abs. A69.Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  24. 24. • Garrelts JC, Wagner DJ, "The Pharmacokinetics, Safety, and Toleranceof Cefepime Administered as an Intravenous Bolus or as a RapidInfusion," Ann Pharmacother, 1999, 33(12):1258-61.[PubMed 10630824]• Heintz BH, Matzke GR, Dager WE, “Antimicrobial Dosing Concepts andRecommendations for Critically Ill Adult Patients Receiving ContinuousRenal Replacement Therapy or IntermittentHemodialysis,” Pharmacotherapy, 2009, 29(5):562-77.[PubMed19397464]• Lipsky BA, Berendt AR, Cornia PB, et al, "2012 Infectious DiseasesSociety of America Clinical Practice Guideline for the Diagnosis andTreatment of Diabetic Foot Infections," Clin Infect Dis, 2012,54(12):e132-73.[PubMed 22619242]• Malone RS, Fish DN, Abraham E, et al, "Pharmacokinetics of CefepimeDuring Continuous Renal Replacement Therapy in Critically IllPatients," Antimicrob Agents Chemother, 2001, 45(11):3148-55.[PubMed11600370]• Osmon DR, Berbari EF, Berendt AR, et al, “Diagnosis and Managementof Prosthetic Joint Infection: Clinical Practice Guideline by the InfectiousDiseases Society of America,” Clin Infect Dis, 2013, 56(1):e1-25.[PubMed 23223583]• Perez KK, Hughes DW, Maxwell PR, et al, “Cefepime for Gram-NegativeBacteremia in Long-term Hemodialysis: A Single-CenterExperience,” Am J Kidney Dis, 2012, 59(5):740-2.[PubMed 22440135]• Saez-Llorens X, Castano E, Garcia R, et al, “Prospective RandomizedComparison of Cefepime and Cefotaxime for Treatment of BacterialMeningitis in Infants and Children,” Antimicrob Agents Chemother, 1995,39(4):937-40.[PubMed 7785999]• Solomkin JS, Mazuski JE, Bradley JS, et al, “Diagnosis and Managementof Complicated Intra-Abdominal Infections in Adults and Children:Guidelines by the Surgical Infection Society and the Infectious DiseasesSociety of America,”Clin Infect Dis, 2010, 50(2):133-64.[PubMed20034345]Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos
  25. 25. • Trotman RL, Williamson JC, Shoemaker DM, et al, "Antibiotic Dosing inCritically Ill Adult Patients Receiving Continuous Renal ReplacementTherapy,"Clin Infect Dis, 2005, 41(8):1159-66.[PubMed 16163635]• Tunkel AR, Hartman BJ, Kaplan SL, et al, “Practice Guidelines for theManagement of Bacterial Meningitis,” Clin Infect Dis, 2004, 39(9):1267-84.[PubMed 15494903]• Yahav D, Paul M, Fraser A, et al, “Efficacy and Safety of Cefepime: ASystematic Review and Meta-Analysis,” Lancet Infect Dis, 2007,7(5):338-48.[PubMed 17448937]Faculdade de Ciências FarmacêuticasDisciplina: Controle Biológico de Qualidade de Fármacos e Medicamentos

×