LE SCANDALE DU CORPS PARLANT
(O ESCÂNDALO DO CORPO FALANTE)
SHOSHANA FELMAN
JORDANA AVELINO
MAURO R. TONIOLO SILVA
UNIVERS...
INTRODUÇÃO
Criar um animal que pode fazer promessas –
não é essa a tarefa paradoxal que a natureza
se impôs em relação ao homem? Não ...
“Eu escolhi abordar a promessa em primeiro lugar porque, por
um ato ilocucionário, fica bastante claro, e mais bem analisá...
Análise do mito de Don Juan (de Molière). A personagem-título é
pródiga em promessas e as viola sem parar. O escândalo da
...
I
ENTRE LINGUÍSTICA E FILOSOFIA DA LINGUAGEM:
TEORIAS DA PROMESSA, PROMESSAS DA TEORIA
Don Juan de Molière
1. A REFLEXÃO DE J. L. AUSTIN:
ENTRE VERDADE E FELICIDADE
Instigador das pesquisas sobre os atos do discurso e introdutor
do termo “performativo”, o filósofo J. L. Austin começou p...
Critério gramatical: assimetria, em alguns verbos, entre a 1º
pessoa do presente do indicativo (voz ativa) e as outras pes...
Segundo Austin, “se relaxarmos um pouco nossas ideias de
inverdade e verdade, veremos que as afirmações, os constativos,
q...
Ele me disse: Puxe-a. – ato locucionário.
(Enunciado em si - Produção de sentido)
Ele me pressionou a puxá-la. – ato ilocu...
2. AS MODIFICAÇÕES DE ÉMILE BENVENISTE:
FELICIDADE E LEGITIMIDADE
• Reconhecendo a importância da categoria da
performatividade da própria linguística,
Benveniste se opõe ao alargamento de...
Três princípios analíticos:
• A exclusão da teoria geral da força do ilocucionário – isso serve de
salvaguarda ou proteção...
Quatro inclusões complementares para a
definição do performativo:
• O performativo sempre expressa atos de autoridade, da ...
Elza Soares em show: “A carne mais barata do
mercado é a (minha) carne negra”
II
A PERVERSÃO DA PROMESSA:
DON JUAN E A PERFORMANCE LITERÁRIA
Essencialmente, o domínio do erotismo é o
domínio da violência, o domínio da violação.
Bataille (O erotismo)
O que é mais ...
3. O CONFLITO DONJUANESCO
E AS FORÇAS ILOCUTÓRIAS DE COMPROMISSO
À exceção do desenlace, a ação do Don Juan de Molière é
repleto de acontecimentos performativos: atos de linguagem
que nos...
A ameaça como forma de promessa negativa.
Se a promessa consiste em se comprometer a fazer algo POR
alguém, a ameaça consi...
4. AS VISÕES OPOSTAS DA LINGUAGEM
• Se a semelhança essencial das forças opostas ilude os
protagonistas, é porque os vários indivíduos que
realizam atos de ...
• Na verdade, a determinação do grau de verdade ou
falsidade das declarações de Don Juan parece ser a
principal preocupaçã...
5. A FELICIDADE DA LINGUAGEM
“[...] não se pode achar que Don Juan falha quando tenta
conquistar uma mulher falando. Ao invés do “golpe falho”, o
mito ...
6. RETÓRICA DA SEDUÇÃO
“Os sentimentos são sempre recíprocos”
Lacan
“O mundo funciona apenas através do mal-entendido.
É através do equívoco univ...
• A retórica da sedução pode assim ser resumida
pela excelência performativa: "Eu prometo", uma
declaração na qual toda a ...
• Assim como discurso sedutor explora a capacidade da
linguagem para refletir sobre ele mesmo, por meio da auto-
referenci...
• A fonte da obrigação está deslocada aqui desde a
primeira até a segunda e terceira pessoas: “Você
não uma obrigação para...
7. EROTISMO E TEOLOGIA
Relação entre sedução e descrença. (p.41-46)
Don Juan não crê, pois ele faz crer. Ele sabe que a crença não é
mais que o e...
8. A PROMESSA DE CASAMENTO
Promessa de casamento=> ato herético
• SGANARELLE: - Não custa nada para ele se casar,
ele não precisa usar qualquer outra...
• Se o discurso da sedução é como um discurso de
promessa, talvez não seja por acaso que a promessa
de Don Juan é sempre u...
• Essa interação de significado entre ‘promessa’ e ‘casamento’
torna-se ainda mais impressionante quando notamos que
Austi...
Outra surpresa da língua francesa...
• Sobre a etimologia do termo “Constância” => ela
serve para definir a constativo.
• ...
9. TEOLOGIA E ARITMÉTICA
SGANARELLE: Você tem a alma bem descrente [...]. Como é possível que você não
acredite no Céu ? [...] Mas é preciso crer e...
10. O RACIOCÍNIO (LÓGICA) GENÉTICA
OU
A PROMESSA DE PATERNIDADE
• “A desconstrução de Don Juan para o valor do
‘primeiro’, do principio de uma série ordinal,
implica ao mesmo tempo em um...
• Don Louis faz referência à promessa: “nós
compartilhamos a glória de nossos ancestrais
apenas na medida em que tentamos ...
11. ANÁFORA / METÁFORA
Don Juan, a partir daí, desconstrói essa lógica paternal de
identidade, essa promessas da metáfora, pela própria figura de...
12. TRAVESSIAS DA MORTE,
OU O PARADOXO DO LIMITE
“Dormir ou morrer, você promete nada, você mantém tudo.”
Kierkegaard
• “Se o erotismo de Don Juan se apresenta, estrutural...
• Para Don Juan: ordem do finito=> constitui a ordem do
infinito. Assim, paradoxalmente, é porque tem um
número limite que...
13. O ENSINAMENTO DA RUPTURA
[...] Don Juan não é simplesmente um mestre da ruptura, ele é o
professor. Ao fazer suas promessas, ele ensina aos outros,...
14. O CORTE DONJUANESCO ou ARESTA DE CORTE
DE DON JUAN (inglês)
A luta de Don Juan contra um fantasma
• “Em uma brilhante imagem, Molière mostra de modo
emblemático a essência do ato de ...
15. O MAIOR CORREDOR
OU
O ESPAÇO DE UM MOVIMENTO
A partir do começo da peça, de fato, Don Juan é caracterizado
como aquele que, por definição, está sempre em movimento,
nã...
16. A FUNÇÃO DA PRESSA:
TEMPORALIDADE DA PROMESSA
“Este amor é bastante precipitado, sem dúvida, mas, que diabos...!
Um deles ama tanto em quinze minutos, como o outro fari...
• A promessa, também, é um vôo a diante, na
medida em que ela se origina a partir da função
pressa(...). Constituído pelo ...
17. O ATO DE FALHAR,
OU A REPETIÇÃO
[...] o ato de falhar aparece, na peça, não apenas como a causa,
como a condição de engendramento da promessa, mas também
...
Don Juan subverte a unicidade da promessa ao repetir a própria
promessa de unicidade – o casamento, ato por excelência úni...
18. A PROMESSA DE CONSCIÊNCIA
• “Don Juan se coloca em uma relação parasitária
com a promessa (...) trazendo para fora, através da
repetição, a violação...
• O mito de Don Juan é em efeito o mito da
promessa da consciência caindo em seu rosto.
Agora, a promessa da consciência é...
19. A TRIPLA CONCLUSÃO
OU A PROMESSA DO FIM
Os três desfechos de Don Juan: a conversão de Don Juan ao
código social da religião; a morte de Don Juan pela estátua; a
a...
20. O CONVITE PARA JANTAR
OU O FESTIM DE PEDRA
A morte mítica de Don Juan => o
convite para um jantar
• A comida aparece no mito de Don Juan, como o gozo, pois
não serve...
21. DA BOCA À MÃO
Não é indiferente que a morte de Don Juan esteja associada à
BOCA enquanto órgão do prazer. (p.76)
DE certa forma, pode-se...
22. O COMPROMISSO E SUAS GARANTIAS
A morte de Don Juan: um final em terceiro
lugar, uma finalidade complementar.
• Sganarelle: “Eis, com sua morte, todos ali...
III
O ESCÂNDALO DO PERFORMATIVO
Se a economia conceitual do performativo havia governado o
mito de Don Juan na interpretação de Molière, o texto de
Molièr...
23. O DONJUANISMO DE AUSTIN
[...] a análise austiniana, se é um ato, não é mais que o ato de
falhar o constativo do performativo. Como encontrar a ver...
24. A QUESTÃO DO FUNDAMENTO
• É essa auto-subversão, este caráter de auto-
transgressivo Austiniano que Benveniste não pode
aceitar;
• Oposição entre ...
• Benveniste se recusa a concordar que o performativo
pode falhar na sua própria declaração, e de subverter a
própria cons...
25. A RUPTURA DA PROMESSA
Como o fim do mito de Don Juan, o fim da pesquisa austiniana
não conseguiu nem eliminar o escândalo do ato falhado, nem fe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O escândalo do corpo falante - Shoshana Felman

514 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
514
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O escândalo do corpo falante - Shoshana Felman

  1. 1. LE SCANDALE DU CORPS PARLANT (O ESCÂNDALO DO CORPO FALANTE) SHOSHANA FELMAN JORDANA AVELINO MAURO R. TONIOLO SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA
  2. 2. INTRODUÇÃO
  3. 3. Criar um animal que pode fazer promessas – não é essa a tarefa paradoxal que a natureza se impôs em relação ao homem? Não é esse o problema real relacionado ao homem? Nietzsche (Genealogia da moral, 2° ensaio, cap. I)
  4. 4. “Eu escolhi abordar a promessa em primeiro lugar porque, por um ato ilocucionário, fica bastante claro, e mais bem analisável; como um terreno montanhoso, ele apresenta contornos nítidos”. (Searle) (p.9-10) Mas o que é uma promessa? O que se faz exatamente quando se diz “eu prometo”? E quais são as consequências? Felman propõe “fazer intervir [nos achados de análise linguística e lógica] a interrogação nietzschiana: em que a promessa constitui um paradoxo, um problema? De que forma a lógica da promessa é a marca de uma contradição fundamental, que é própria do ser humano ?” (p.10)
  5. 5. Análise do mito de Don Juan (de Molière). A personagem-título é pródiga em promessas e as viola sem parar. O escândalo da sedução parece estar essencialmente ligado ao escândalo da promessa violada. “Gostaria de propor, assim, a partir de uma tripla leitura – de um texto literário, de um texto linguístico e de um texto filosófico –, uma meditação sobre a promessa, de tal forma que o espaço literário se tornará o espaço do reencontro, o lugar da prova e do questionamento – mas também do transbordar – do linguístico e do filosófico”. (p. 12) “É no momento preciso desse transbordar da coisa literária [...] que se abre um irredutível escândalo: o escândalo da relação incongruente entre a linguagem e o corpo: o escândalo da sedução do corpo humano quando fala”. (p. 12-13)
  6. 6. I ENTRE LINGUÍSTICA E FILOSOFIA DA LINGUAGEM: TEORIAS DA PROMESSA, PROMESSAS DA TEORIA
  7. 7. Don Juan de Molière
  8. 8. 1. A REFLEXÃO DE J. L. AUSTIN: ENTRE VERDADE E FELICIDADE
  9. 9. Instigador das pesquisas sobre os atos do discurso e introdutor do termo “performativo”, o filósofo J. L. Austin começou por desmistificar – de uma forma um tanto nietzchiana – a ilusão sustentada pela história e a filosofia, segundo a qual a única questão da linguagem era ser “verdade” ou “inverdade”. (p.17) Austin se põe a buscar um critério especificamente linguístico que ajudaria a identificar e reconhecer o performativo, que consolidaria formalmente a oposição estabelecida entre performativo e constativo. Ora, é então que a reflexão do filósofo, atingindo um impasse, realiza uma volta. Se existem critérios linguísticos para formalizar essa distinção, tais critérios não provaram nem exaustivos nem, sobretudo, absolutos. (p.19)
  10. 10. Critério gramatical: assimetria, em alguns verbos, entre a 1º pessoa do presente do indicativo (voz ativa) e as outras pessoas e tempos verbais. “Eu juro”, “eu prometo” – o enunciado que efetiva o ato; - todos as outras formas são apenas descrições. Esse critério é insuficiente: performativo implícito também foge ao critério verdade/inverdade. Se admitirmos a existência do performativo implícito, fica difícil encontrar uma frase que não ceda a seu impulso. Mesmo enunciados constativos podem subentender elipses que realizam “atos de linguagem”. (p.20)
  11. 11. Segundo Austin, “se relaxarmos um pouco nossas ideias de inverdade e verdade, veremos que as afirmações, os constativos, quando considerados sob o aspecto de sua relação com os fatos, não são muito diferentes de qualquer outro caso de conselho, veredito, advertência, etc”. (p.20) Essa afirmação não fragiliza e desarticula a distinção original entre performativo e constativo? Austin propõe em seu lugar uma “teoria geral do discurso como tal”. Ato ilocucionário: palavra estudada em relação com o contexto de interlocução, situação concreta e convencional do discurso, no qual a palavra adquire, além de seu sentido, uma certa força de enunciação. Distinção entre sentido e força.
  12. 12. Ele me disse: Puxe-a. – ato locucionário. (Enunciado em si - Produção de sentido) Ele me pressionou a puxá-la. – ato ilocucionário. (Condições e intenções determinadas - Jogo de força) Ele me convenceu a puxá-la. – ato perlocucionário. (Produção de efeito sobre o interlocutor). Categorias de enunciação: - Vereditos: exercícios de julgamento (condenar, avaliar); - Ordens: asserção de autoridade (comandar, perdoar); - Compromissos: Assumir compromisso futuro (prometer, jurar); - Comportamentos: ligados a atitudes sociais (felicitar, saudar); - Exposições: esclarecimento discursivo (afirmar, interrogar).
  13. 13. 2. AS MODIFICAÇÕES DE ÉMILE BENVENISTE: FELICIDADE E LEGITIMIDADE
  14. 14. • Reconhecendo a importância da categoria da performatividade da própria linguística, Benveniste se opõe ao alargamento dessa categoria e, consequentemente, se dissocia da doutrina geral dos atos ilocucionários => ele não vê razão em abandonar a distinção entre o performativo e constativo e acredita que isso é justificável e necessário. • Benveniste inclui em reavaliação a teoria de Austin: três subtrações (exclusões) e quatro adições (especificações, elementos de definição)
  15. 15. Três princípios analíticos: • A exclusão da teoria geral da força do ilocucionário – isso serve de salvaguarda ou proteção na oposição formal do constativo e performativo.. • A exclusão da teoria das falhas ou infelicidades do performativo – a infelicidade segundo Benveniste não existe como um performativo, logo ela está excluída. O grito: “eu decreto uma mobilização geral” não pode ser um ato, porque a autoridade necessária estaria faltando, e isso se reduziria a palavras. “Um enunciado performativo que não é um ato não existe.” Se há uma infelicidade não é um performativo. • A exclusão do clichê, desde a categoria do performativo – “[eu perdôo∕seja bem vindo] não são dados como prova conclusiva para a noção do performativo. Pelo menos não as de hoje, pois a vida social se banalizou. As fórmulas simples devem ser trazidas de volta ao seu sentido original e recuperadas a sua função performativa.”(p.10, versão em inglês)
  16. 16. Quatro inclusões complementares para a definição do performativo: • O performativo sempre expressa atos de autoridade, da legitimidade da autoridade, da certeza. São declarações feitas por aqueles a quem o direito de pronunciá-las pertence. • Um enunciado performativo tem a propriedade de ser único. Sendo um ato individual e histórico, um enunciado performativo não pode ser repetido. • O performativo é definido por uma propriedade singular que é auto- referencial de ser referir a uma realidade que constitui ela própria. “É ao mesmo tempo uma manifestação e um fato real.” O ato é assim idêntico ao enunciado do ato. • O enunciado performativo é um ato de nomear o ato realizado e seu agente. Um enunciado performativo deve nomear o desempenho falado bem como o seu intérprete. O enunciado é o ato, aquele que pronuncia realiza o ato de denominá-lo.
  17. 17. Elza Soares em show: “A carne mais barata do mercado é a (minha) carne negra”
  18. 18. II A PERVERSÃO DA PROMESSA: DON JUAN E A PERFORMANCE LITERÁRIA
  19. 19. Essencialmente, o domínio do erotismo é o domínio da violência, o domínio da violação. Bataille (O erotismo) O que é mais estranho, é que, se acreditamos no ditado popular, apenas [o amante] pode jurar e, se ele ignora seu juramento, obter o perdão dos deuses; porque não é um juramento, dizem, aquele em que se meteu Afrodite. Platão (O banquete)
  20. 20. 3. O CONFLITO DONJUANESCO E AS FORÇAS ILOCUTÓRIAS DE COMPROMISSO
  21. 21. À exceção do desenlace, a ação do Don Juan de Molière é repleto de acontecimentos performativos: atos de linguagem que nos quais as forças de enunciação podem ser descritos pelas cinco classes ilocutórias de Austin: 1. Performativos de veredito: realizados pelos antagonistas de Don Juan; 2. Performativos de ordem: Don Juan em relação a Sganarelle; 3. Performativos de compromisso: Don Juan em relação às mulheres; 4. Performativos de comportamento: Don Juan em relação a Monsieur Dimanche; 5. Performativos de exposição: Sganarelle em relação a Don Juan. (p.31)
  22. 22. A ameaça como forma de promessa negativa. Se a promessa consiste em se comprometer a fazer algo POR alguém, a ameaça consiste em fazer algo CONTRA alguém. Embora o sentido seja diferente, a força que as anima é a mesma. O conflito que opõe Don Juan a seus antagonistas opõe a promessa e a ameaça (promessa negativa resultante da falta à promessa positiva, mas positivamente promissora, por sua vez, em não deixar de punir a falta à promessa). O paradoxo da promessa se revela pelo fato de que a promessa não apenas ocasiona o conflito, mas ainda, a estrutura. A tensão da peça opõe forças antagonistas de mesmo tipo – forças que emergem da categoria COMPROMISSO. (p.32)
  23. 23. 4. AS VISÕES OPOSTAS DA LINGUAGEM
  24. 24. • Se a semelhança essencial das forças opostas ilude os protagonistas, é porque os vários indivíduos que realizam atos de compromisso têm diferentes conceitos de linguagem. O conflito real está na oposição entre duas visões de linguagem, uma, a cognitiva ou constativa, e a outra, a performativa. Segundo o ponto de vista cognitivo, o que caracteriza a oposição entre Don Juan e suas vítimas, é o fato de que a linguagem é um instrumento para transmitir a verdade, isto é, um instrumento de conhecimento, um meio de conhecer a realidade. • Neste ponto de vista, a única função reservada para a linguagem é a função constativa: o que está em jogo em um enunciado é a sua correspondência - ou falta de correspondência - a seu referente real, isto é, a sua verdade ou falsidade.
  25. 25. • Na verdade, a determinação do grau de verdade ou falsidade das declarações de Don Juan parece ser a principal preocupação dos personagens da peça. "Eu não sei se você está dizendo a verdade ou não", diz Charlotte. "É o que você diz é verdade?" Dom Louis pergunta. E as duas mulheres insistem: CHARLOTTE: - Não, não, nós temos que saber a verdade. MATHURINE: - Temos de resolver isso. • Don Juan não compartilha esse ponto de vista da linguagem. A linguagem, para Don Juan, é performativa e não informativa, é um campo de prazer, não de conhecimento. Como tal, não pode ser qualificado como verdadeira ou falsa, mas muito especificamente como feliz ou infeliz, bem ou mal sucedidas. (p. 14, versão em inglês)
  26. 26. 5. A FELICIDADE DA LINGUAGEM
  27. 27. “[...] não se pode achar que Don Juan falha quando tenta conquistar uma mulher falando. Ao invés do “golpe falho”, o mito da sedução irresistivível de Don Juan não dramatiza nada além do sucesso da linguagem, a felicidade do ato da palavra. A ameaça como forma de promessa negativa”. (p.35) “A questão do erotismo para o homem se coloca, através do mito de Don Juan, como a questão do relacionamento do erotismo e da linguagem sobre o teatro do corpo falando, onde o destino se alegra como aquele que, através desse corpo falante, realiza o ato. O mito de Don Juan, em outros termos, dramatiza a noção de ato humano como a questão do relacionamento entre o ato sexual e o ato de linguagem. (p.36)
  28. 28. 6. RETÓRICA DA SEDUÇÃO
  29. 29. “Os sentimentos são sempre recíprocos” Lacan “O mundo funciona apenas através do mal-entendido. É através do equívoco universal que todos concordam. Porque se, Deus nos livre, nós entendemos nunca poderíamos concordar.” Baudelaire (p. 37, versão em francês)
  30. 30. • A retórica da sedução pode assim ser resumida pela excelência performativa: "Eu prometo", uma declaração na qual toda a força do discurso de Don Juan está submetido, e que se opõe, por outro lado, ao significado do discurso de outros personagens na peça. • “O diálogo entre Don Juan e os outros é assim um diálogo entre duas ordens que, na realidade, não se comunicam: a ordem do ato e a ordem do significado, o registro do prazer e o registro do conhecimento. Quando ele responde ‘Eu prometo” para “nós temos de saber a verdade’ a estratégia de sedução é paradoxalmente criada, no espaço da linguística que ele mesmo controla. Um diálogo de surdos.” (p.17, versão em inglês)
  31. 31. • Assim como discurso sedutor explora a capacidade da linguagem para refletir sobre ele mesmo, por meio da auto- referencialidade dos verbos performativos, ele também explora um modelo paralelo de auto-referencialidade do desejo narcisista do interlocutor, e seu (ou sua) capacidade para produzir, por sua vez, uma ilusão reflexiva especular. • O sedutor estende às mulheres o espelho narcísico de seu próprio desejo de si mesmas. Dessa forma Don Juan diz a Charlotte: “Você não é uma obrigação para mim (...), você deve isso inteiramente a sua própria beleza... sua beleza é sua segurança”. • Isso significa que a descrição constativa da mulher também inclui um vocabulário de compromisso; os verbos (obrigar, assegurar) são performativos, mas eles não estão mais na categoria de atos de linguagem eficazes.
  32. 32. • A fonte da obrigação está deslocada aqui desde a primeira até a segunda e terceira pessoas: “Você não uma obrigação para mim... sua beleza é sua segurança.” O constativo, na fala de Don Juan, parece ser a afirmação de uma promessa, de um compromisso assumido. • Enquanto o sedutor parece estar comprometendo- se, sua estratégia consiste em criar a reflexiva, dívida auto-referencial, tal como, não enfrentá-la. Desse modo, o escândalo da sedução consiste na exploração hábil e lúcida, por Don Juan, da estrutura especular do significado e capacidade reflexiva da linguagem. (p.18, versão em inglês)
  33. 33. 7. EROTISMO E TEOLOGIA
  34. 34. Relação entre sedução e descrença. (p.41-46) Don Juan não crê, pois ele faz crer. Ele sabe que a crença não é mais que o efeito da reflexão, da reflexividade que ele explora. Se, para Don Juan, dizer é fazer, é antes de tudo fazer crer. O ato de sedução é antes de tudo um performativo de crença. Assim, para Don Juan, a crença que ele manipula nos outros é sempre uma performance da linguagem, um efeito ilusório produzido por um significante reflexivo de auto-referenciação. A descrença donjuanesca é antes de tudo uma descrença na capacidade da linguagem de nomear uma verdade transitiva.
  35. 35. 8. A PROMESSA DE CASAMENTO
  36. 36. Promessa de casamento=> ato herético • SGANARELLE: - Não custa nada para ele se casar, ele não precisa usar qualquer outra armadilha para pegar suas amigas. Ele se casa o tempo todo. • SGANARELLE : - Mas ver você se casando todo mês, do jeito que você faz... jogando assim com um mistério sagrado... • DON JUAN: - Venha agora, isso está entre o céu e eu, nós vamos resolver isso juntos.
  37. 37. • Se o discurso da sedução é como um discurso de promessa, talvez não seja por acaso que a promessa de Don Juan é sempre uma promessa de casamento. O que o mito de Don Juan desse modo traz a tona é que existe uma ligação necessária entre a noção de promessa e a noção de casamento. • A língua francesa sugere esse tipo de relação, desde o significado etimológico do verbo ‘épouser’: - “casar” => “prometer”; - e na forma adjetiva ‘promis’, ‘promise’ => ‘contratado’.
  38. 38. • Essa interação de significado entre ‘promessa’ e ‘casamento’ torna-se ainda mais impressionante quando notamos que Austin na sua definição de ‘comissivos’ – a categoria do ato ilocucionário de compromisso – estão especificados dois tipos de atos de compromisso: por um lado, promessa adequada, e por outro lado, o que ele escolhe, curiosamente, chamar de ‘desposório’ (espousals). • “Se cada casamento é uma promessa, cada promessa é até certo ponto uma promessa de casamento - na medida em que cada promessa promete constância, e acima de tudo, promete consistência, continuidade no tempo entre o ato de compromisso e a ação futura. “Qualquer ato de fala” diz Austin [confirma-nos], pelo menos para a consistência. Don Juan é, naturalmente, apenas jogador, através da multiplicidade da sua promessa de casamento, com a ilusão de constância inerente à promessa(...).É por isso que ele é, miticamente falando, a figura de inconstância, de infidelidade.” (p.21, versão em inglês)
  39. 39. Outra surpresa da língua francesa... • Sobre a etimologia do termo “Constância” => ela serve para definir a constativo. • Como Benveniste afirma, "uma declaração constativa é realmente uma declaração de uma observação [fato estabelecido]. • Assim, não é por acaso que, no mito de Don Juan, esta figura de excessiva inconstância é o que subverte o constativo. Assim como o casamento, o constativo também passa a ser uma promessa de constância: uma promessa de que o significado vai durar.
  40. 40. 9. TEOLOGIA E ARITMÉTICA
  41. 41. SGANARELLE: Você tem a alma bem descrente [...]. Como é possível que você não acredite no Céu ? [...] Mas é preciso crer em algo neste mundo. Em que você crê, afinal? DON JUAN: Eu creio que dois e dois são quatro, Sganarelle, e que quatro e quatro são oito. SGANARELLE: A bela crença [...] até parece! Sua religião, pelo que vejo, é a aritmética? O que significa essa crença no número, na aritmética? Em que a aritmética se opõe à religião? Quais as implicações filosóficas da asserção “Eu creio que 2 + 2 = 4? [...] creio no sistema aritmético na medida em que ele não tem, estritamente, sentido, na medida em que é um sistema inteiramente auto-referencial, determinado por seus próprios axiomas, e que não depende nem da linguagem nem da realidade para sua validade. (p.47-48)
  42. 42. 10. O RACIOCÍNIO (LÓGICA) GENÉTICA OU A PROMESSA DE PATERNIDADE
  43. 43. • “A desconstrução de Don Juan para o valor do ‘primeiro’, do principio de uma série ordinal, implica ao mesmo tempo em uma desconstrução geral do próprio conceito como base inicial para identidade. Desta forma, Don Juan subverte o principal raciocínio genético e a instituição de paternidade.” (p.23, versão em inglês) • Sua paternidade aparece aqui como um ato de linguagem, e a filiação como uma promessa do céu. Agora Don Juan, no seu papel como filho, como um amante, mais uma vez faz a figura concreta de uma promessa não mantida - uma subversão da crença ligada à promessa do Céu: "este filho... é a tristeza... da própria vida, cuja alegria... Eu acreditava que ele seria. "
  44. 44. • Don Louis faz referência à promessa: “nós compartilhamos a glória de nossos ancestrais apenas na medida em que tentamos assemelhar-los, e o renome de suas ações que eles deixam sobre nós exige que nos comprometamos a seguir o caminho que eles traçaram". • “A promessa paternal é, em outras palavras, a promessa da metáfora: da metáfora como uma base para o princípio da identidade, que é como uma promessa de um sentido próprio e de um nome próprio. ‘O que você fez no mundo?’ Don Louis pergunta a Don Juan, ‘para ser um cavalheiro? Você pensa que isso é o suficiente para levar o nome...?’”(p. 24, versão em inglês)
  45. 45. 11. ANÁFORA / METÁFORA
  46. 46. Don Juan, a partir daí, desconstrói essa lógica paternal de identidade, essa promessas da metáfora, pela própria figura de sua vida que é aquela da anáfora, da incessante retomada do começo pela repetição das promessas não cumpridas, não realizadas. (p.52-54) [...] a anáfora não repete, assim, nada mais que a inconsequência ou a não-consecução. Paradoxalmente, o próprio não cumprimento da promessa possibilita seu recomeço: é porque a promessa amorosa não se realizou que ela pode recomeçar.
  47. 47. 12. TRAVESSIAS DA MORTE, OU O PARADOXO DO LIMITE
  48. 48. “Dormir ou morrer, você promete nada, você mantém tudo.” Kierkegaard • “Se o erotismo de Don Juan se apresenta, estruturalmente e simbolicamente, com uma relação com a morte, a passagem de uma mulher para outra, que é, a promessa da quebra de si, acaba por ser uma violação da memória (uma violação na memória do desejo), na medida em que constitui um ato de esquecer a morte.” • Para Nietzsche: “Se a felicidade e a perseguição da nova felicidade mantêm viva em qualquer sentido a vontade de viver, nenhuma filosofia tem a verdade, talvez mais do que a do cínico... Na sua menor e maior felicidade há sempre uma coisa que torna a felicidade: o poder do esquecimento, ou, em mais uma frase aprendida, uma capacidade de sentir “não historicamente” toda a sua duração... o esquecimento é a propriedade de toda a ação.”(p.26, versão em inglês)
  49. 49. • Para Don Juan: ordem do finito=> constitui a ordem do infinito. Assim, paradoxalmente, é porque tem um número limite que é, como tal, infinito. • Da mesma forma, a série de mulheres que Don Juan deseja é infinita porque procede, de fato, a partir do final (FIN), da passagem incessante do finito, do funcionamento recorrente da morte na figura do novo começo em si, a partir do ritmo anafórico repetitivo: morte∕renascimento.
  50. 50. 13. O ENSINAMENTO DA RUPTURA
  51. 51. [...] Don Juan não é simplesmente um mestre da ruptura, ele é o professor. Ao fazer suas promessas, ele ensina aos outros, pela ironia de seu próprio comportamento e pela necessidade de sua carne, que a promessa é capaz, como tal, de não ser realizada. (p.58) A perversão donjuanesca é, assim, antes de tudo uma forma de lucidez superior: uma crueldade no sentido de Artaud. [...] a peça dramatiza a própria crueldade do performativo: a crueldade do ato de linguagem – ato por excelência do corpo falante – na medida que ele comporta em si mesmo uma inelutável necessidade de ruptura ou de corte.
  52. 52. 14. O CORTE DONJUANESCO ou ARESTA DE CORTE DE DON JUAN (inglês)
  53. 53. A luta de Don Juan contra um fantasma • “Em uma brilhante imagem, Molière mostra de modo emblemático a essência do ato de Don Juan como luta ou confronto dramático entre dois instrumentos cortantes: a foice do tempo e a espada de Don Juan. Ao fazer cortes, na performance de Don Juan se busca, acima de tudo, cortar o avanço da morte, para escapar do tempo (...) ele se esforça para cortar o corte do tempo. Se Don Juan perde o fantasma - de mulher ou de tempo-, se a sua espada ou seu desempenho são apenas resultados aqui, (...) é porque a possibilidade de falta - como é representado pelo corte de foice do tempo - está do domínio do performativo. O mito de Don Juan, assim, lida com o performativo de tal forma a trazer à luz esta violação inerente a ele.”(p. 29, versão em inglês)
  54. 54. 15. O MAIOR CORREDOR OU O ESPAÇO DE UM MOVIMENTO
  55. 55. A partir do começo da peça, de fato, Don Juan é caracterizado como aquele que, por definição, está sempre em movimento, não para jamais. Don Juan é aquele que não permanece, no duplo sentido da palavra permanecer, espacial (ficar em um lugar, viver em um lugar seu, próprio) e temporal (durar). (p. 62) Modelada sobre os paradoxos de sentido do movimento de Don Juan e dramatizando-as, a estrutura movimentada e descontinuada da peça de Molière problematiza a relação do erotismo no tempo como uma subversão do tempo literário e como uma desconstrução da dicotomia antes/depois e da oposição atrás/diante. (p. 65)
  56. 56. 16. A FUNÇÃO DA PRESSA: TEMPORALIDADE DA PROMESSA
  57. 57. “Este amor é bastante precipitado, sem dúvida, mas, que diabos...! Um deles ama tanto em quinze minutos, como o outro faria em seis meses.” • Corrida contra o tempo: Se Don Juan é de fato um "corredor“, sua raça - governado por urgência- é na realidade uma corrida contra o tempo. “ -“Eu sei que o seu coração é o maior corredor do mundo", diz Sganarelle a ele. • “Este paradoxo temporal igualmente habita a promessa, cuja relação com o tempo é particularmente perverso.(...) . De fato, a promessa de Don Juan, engendrada pela estrutura anafórica morte∕renascimento, é definida por sua vez, ao final,em dois significados: pela morte, ou pelo fim da vida, que a vida está buscando.”
  58. 58. • A promessa, também, é um vôo a diante, na medida em que ela se origina a partir da função pressa(...). Constituído pelo ato de antecipar o ato de concluir, a promessa é sintomática da (não) coincidência de desejo com o presente. • “Se Don Juan ‘falha em manter sua palavra,’ é porque a sua palavra, a sua promessa, está no início constituído pelo ato da falha. Don Juan é, portanto, apenas o sintoma de uma perversidade inerente à promessa.” (p.32, versão em inglês)
  59. 59. 17. O ATO DE FALHAR, OU A REPETIÇÃO
  60. 60. [...] o ato de falhar aparece, na peça, não apenas como a causa, como a condição de engendramento da promessa, mas também como o princípio de repetição infinita, pois é a falha donjuanesca à promessa que dá nascimento a uma série de ameaças e advertências, aos atos de envolvimento de seus perseguidores que evocam, para se fundamentar, a autoridade do Céu como promessa de justiça. (p.67) Se a promessa consiste na produção de uma espera (de sentido?) , a decepção dessa espera não faz mais que perpetuá- la, fazendo ricochetear os atos de compromisso. A peça inteira é feita de uma cadeia significante de promessas que se engendram reciprocamente, e no qual o princípio de encadeamento é sua própria falha.
  61. 61. Don Juan subverte a unicidade da promessa ao repetir a própria promessa de unicidade – o casamento, ato por excelência único – é para arruinar não a performance da linguagem, mas sua autoridade. “Um ato performativo não tem existência senão como ato de autoridade”. (p.68) [...] a primeira pessoa não tira sua autoridade senão da hierarquia ordinal, do valor fundador do primeiro no qual – lembremos – Don Juan não crê. A multiplicação de promessas destaca a divisão inerente à primeira pessoa. (p.69)
  62. 62. 18. A PROMESSA DE CONSCIÊNCIA
  63. 63. • “Don Juan se coloca em uma relação parasitária com a promessa (...) trazendo para fora, através da repetição, a violação que é inerente a [ela].” • “(...) cada promessa promete a conclusão de incompletude, cada promessa é, acima de tudo, a promessa da consciência, na medida em que postula uma não interrupção da continuidade, entre intenção e ato.” • “Na verdade, o mito de Don Juan é o mito do performativo somente no performativo, empurrado para as suas extremas consequências lógicas, decreta a sua própria subversão. O que o mito do corpo falante, em outras palavras, realiza, é a subversão da consciência.” (p. 34, versão em inglês)
  64. 64. • O mito de Don Juan é em efeito o mito da promessa da consciência caindo em seu rosto. Agora, a promessa da consciência é nada, mas a promessa do céu, é a promessa do constativo. • A morte de Don Juan => traz à fruição dos avisos que o Céu invocado como uma promessa de justiça cumpre o compromisso celeste. • Será que promessa do Céu sobre Don Juan está mais bem mantida por sua morte do que tem sido através de seu nascimento?
  65. 65. 19. A TRIPLA CONCLUSÃO OU A PROMESSA DO FIM
  66. 66. Os três desfechos de Don Juan: a conversão de Don Juan ao código social da religião; a morte de Don Juan pela estátua; a aparição de Sganarelle cobrando suas garantias perdidas. (p.71) Desfecho fantástico: a intervenção da estátua – a perda de Don Juan; Desfecho realista: a falsa conversão de Don Juan – salvamento e sobrevida de Don Juan; Desaparecimento do escândalo de Don Juan (Don Juan não escandalizará mais o mundo).
  67. 67. 20. O CONVITE PARA JANTAR OU O FESTIM DE PEDRA
  68. 68. A morte mítica de Don Juan => o convite para um jantar • A comida aparece no mito de Don Juan, como o gozo, pois não serve para nada, é pura despesa. • O ato de comer nos remete a função pressa=> transmite uma angústia. • A morte de Don Juan se aproxima através das ameaças de seus perseguidores, por isso ele tem pressa ao comer. • A estátua do comandante ‘perturba a refeição’ de Don Juan. “O termo ‘festa da pedra’ - o subtítulo hermético da peça de Molière - pode, portanto, ser entendida como uma referência à pedra da estátua em si: a pedra da estátua, na medida em que é uma imagem concreta da morte, não só como a que quebra a refeição, mas como a que, por definição, não podem ser digeridas, assimilada, ou compreendida - o que a boca não pode incorporar ou apropriar.” (p. 37, versão em inglês)
  69. 69. 21. DA BOCA À MÃO
  70. 70. Não é indiferente que a morte de Don Juan esteja associada à BOCA enquanto órgão do prazer. (p.76) DE certa forma, pode-se dizer que o mito de Don Juan é o mito da boca, na medida em que a boca é precisamente o lugar mediador entre a linguagem e o corpo. A boca de Don Juan não é simplesmente o órgão da felicidade e da apropriação, é também o órgão por excelência da palavra, mesmo da sedução. Simbolismo do desfecho fantástico: Se Don Juan morre, simbolicamente, por não ter cumprido suas promessas, não ter respeitado suas dívidas, por ter se recusado a entregar, ele não morre senão pelo que ele dá: Don Juan que dá de comer, que dá sua mão, que dá sua palavra, morre dando de comer, dando sua mão, dando sua palavra à estátua da morte.
  71. 71. 22. O COMPROMISSO E SUAS GARANTIAS
  72. 72. A morte de Don Juan: um final em terceiro lugar, uma finalidade complementar. • Sganarelle: “Eis, com sua morte, todos aliviados; o céu ofendido, as leis violadas, donzelas seduzidas, famílias desonradas, pais ultrajados, esposas conspurcadas, maridos humilhados todos satisfeitos. Quanto a mim, que só tenho a mim mesmo, pergunto modestamente a quem me ouve; e o meu salário? E o meu salário? E o meu salário? • A morte de Don Juan é tão injusto como a sua vida=>ela impede o pagamento da dívida e quebra-se a promessa mais uma vez. “O compromisso do Céu não é mantido. Os salários não são pagos.” • A promessa do próprio fim: de criar o significado, de trazer a satisfação para o desejo, de eliminar o escândalo. • “Mesmo com a morte de Don Juan, o escândalo não é eliminado, já que a morte é o maior escândalo de todos. O escândalo se mostra irredutível.” (p.39, versão em inglês)
  73. 73. III O ESCÂNDALO DO PERFORMATIVO
  74. 74. Se a economia conceitual do performativo havia governado o mito de Don Juan na interpretação de Molière, o texto de Molière poderia esclarecer as questões teóricas, linguísticas e filosóficas das pesquisas sobre o performativo? O problema donjuanesco por excelência, a questão do relacionamento entre o erótico e o linguístico, tomado pela linguística e filosofia analítica, poderia de alguma maneira informar a teoria dos atos de linguagem? (p.83)
  75. 75. 23. O DONJUANISMO DE AUSTIN
  76. 76. [...] a análise austiniana, se é um ato, não é mais que o ato de falhar o constativo do performativo. Como encontrar a verdade disso que, como tal, desconstrói o próprio critério de verdade? A distinção de Austin acaba por subverter a si mesma; Austin abandona a oposição constativo/performativo (statement/performance) em proveito de uma teoria do performativo generalizada: a doutrina geral dos atos ilocucionários . Como Don Juan, usa o potencial subversivo e auto-subversivo do performativo. (p.88)
  77. 77. 24. A QUESTÃO DO FUNDAMENTO
  78. 78. • É essa auto-subversão, este caráter de auto- transgressivo Austiniano que Benveniste não pode aceitar; • Oposição entre Austin e Benveniste: pode o performativo, como tal, servir de base ou fundamento para a teoria? • “Para Benveniste, a resposta é sim, e o interesse do performativo reside precisamente na sua capacidade de servir como base para a análise linguística.” • A relação Austiniana ao instrumento performativo não é, como para Benveniste, uma relação de um fundamento, mas sim, uma relação de uma perda de solo ou de base.
  79. 79. • Benveniste se recusa a concordar que o performativo pode falhar na sua própria declaração, e de subverter a própria consciência. • Ele exclui, dessa forma, não só a doutrina dos atos ilocucionários, mas também, especificamente a teoria das infelicidades, das falhas. • A teoria da exclusão das falhas é mais que uma conveniência técnica, mais que um viés metodológico. • “Agora, para Austin, a capacidade para o fracasso está situado não fora, mas dentro do performativo, tanto como o ato de fala e como instrumento teórico. Infelicidade, ou fracasso, não é para Austin um acidente do performativo, é inerente a ela, é essencial. Em outras palavras, assim como Don Juan, Austin concebe o fracasso não como externa, mas como interna à promessa, como o que realmente a constitui. ” (p. 45, versão em inglês)
  80. 80. 25. A RUPTURA DA PROMESSA
  81. 81. Como o fim do mito de Don Juan, o fim da pesquisa austiniana não conseguiu nem eliminar o escândalo do ato falhado, nem fez desaparecer a insatisfação. Mas Benveniste, enquanto linguísta, enquanto portador do projeto de uma ciência constativa, cognitiva, da linguagem, recusa admitir um tal fim não-rentável. Como Sganarelle ele reclama, precisamente, pelas garantias perdidas. (p.93) Benveniste, enquanto linguista, põe um limite para respeitá-lo, quer dizer para de-terminar; para classificar, opor, construir. Ao contrário, Austin, como Don Juan, não põe limite senão para transgredi-lo, quer dizer para in-determinar: des-clasificar, des- articular, des-contruir. Enquanto promessa de ciência, a linguística é uma promessa respeitada e segura. Enquanto promessa de consciência, a filosofia é uma promessa que não pode ser segura. (p.94)

×