SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADESTRAMENTO ALMIRANTE ÁTTILA
MONTEIRO ACHÉ
CURSO ESPECIAL DE MERGULHADORES DE COMBATE (C-ESP-MEC)
SUMÁRIO:
1) ESTRUTURA DO CURSO
2) ÍNDICES DO TESTE FÍSICO DE SELEÇÃO
3) REQUISITOS PARA MATRÍCULA
4) PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO PARA O CANDIDATO AO CURSO
1) ESTRUTURA DO CURSO:
a)O C-ESP-MEC está estruturado em três etapas ( ‘A”, “B” e “C”) , a saber:
Etapa “A” (17 semanas):
-FASE 0 – Preparação Física;
-FASE I – Instrução de Mergulho Autônomo Básico;
Etapa “B” (22 semanas):
-FASE II – Instrução de Operações Especiais em ambiente Terrestre;
-FASE III – Instrução de Operações Especiais Submarinas;
Etapa “C” (6 semanas):
-Estágio de Qualificação em Ambiente Ribeirinho e de Montanha.
ETAPA ALFA:
A FASE 0 terá a duração de treze semanas. Será ministrada nesta fase a disciplina
Treinamento Físico Militar.
A FASE I dura quatro semanas e nela são ministradas as disciplinas Treinamento Físico
Militar E Equipamento Autônomo de Circuito Aberto.
ETAPA BRAVO:
A FASE II dura onze semanas dividida em sete semanas teóricas e quatro semanas
práticas. Será ministradas as disciplinas Treinamento Físico Militar, Higiene de
Campanha e Primeiros Socorros, Defesa Pessoal e a parte teórica das disciplinas
Comunicações, Técnicas de Combate, Demolição e Armamento. . Nesta fase, os alunos
realizam exercícios típicos de Operações Especiais em ambiente terrestre, evoluindo do
treinamento básico individual às ações mais complexas. São criadas situações
específicas para preparar e testar a habilidade dos alunos em suportar situações
operacionais de extremo desconforto, em condições psicológicas adversas, bem como
avaliá-los quanto à exposição ao frio, sono escasso, cansaço e ao racionamento de
comida e água, circunstâncias por vezes encontradas quando da execução das tarefas
afetas ao Mergulho de Combate. Além disso, estes exercícios têm ainda como propósito
desenvolver o espírito de equipe e a confiança individual na própria capacidade de
resistência. Esta fase é conduzida em áreas específicas, com características especiais
que permitam a realização das instruções necessárias, relacionadas à topografia,
vegetação, terreno, relevo, hidrografia, apoio administrativo e facilidades para operação
com aeronaves, entre outras. Em certo momento desta fase, os alunos são submetidos a
circunstâncias de grande tensão e esforço físico, situações capazes de testar a disposição
do aluno para o combate e sobrevivência em situações adversas.
A FASE III tem a duração de onze semanas, dividida em duas etapas: teórica, com
duração de quatro semanas, e prática, com duração de setes semanas. São ministradas as
disciplinas Treinamento Físico Militar, Defesa Pessoal, Técnicas de Combate,
Operações Especiais Submarinas e Operações Anfíbias. A parte prática será ministrada
em localidade que apresente requisitos especiais, tais como: boa transparência d’água,
ausência de correntada, etc.
ETAPA CHARLIE:
Com duração de seis semanas e é conduzida sob a forma de estágio avançado,
mesclando os conhecimentos adquiridos durante todo o curso. Nela é ministrada a
disciplina “Operações Ribeirinhas” e a unidade de ensino “Montanhismo” da disciplina
“Técnicas de Combate”; são também conduzidas práticas de operações especiais em
ambiente ribeirinho da Amazônia e Pantanal Matogrossense. Durante esta etapa, na
cidade de São João Del Rey, MG, os alunos participam de um Estágio Básico do
Combatente de Montanha. Com o propósito de conhecer as peculiaridades de cada
região (amazônica e pantanal), os alunos participam de um Estágio de Vida na Selva, na
cidade de Manaus–AM, ministrado pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva
(CIGS), assim como de um estágio similar, ministrado pelo 17º Batalhão de Fronteira
do Exercito Brasileiro, localizado em Corumbá–MS, ou pelo Grupamento de Fuzileiros
Navais de Ladário.
Nesta fase, como última atividade do curso, os alunos executarão uma Operação
Especial típica de Mergulhadores de Combate, em uma área próxima à cidade do Rio de
Janeiro, com o propósito de verificar o aprendizado obtido.
Para tal, durante a sua realização, os alunos deverão aplicar os conhecimentos
adquiridos no curso, sendo os responsáveis pelo desenrolar de toda a operação, desde o
seu planejamento até a sua conclusão. As ações deverão ser planejadas tendo como base
os fundamentos do Processo de Planejamento Militar, constantes da disciplina
“Processo de Planejamento Militar e Estudo de Casos”.
2) ÍNDICES S TESTES FÍSICOS DE SELEÇÃO
PADRÕES DE EXIGÊNCIA:
a) Corrida: Consiste em correr a maior distância possível no intervalo de tempo de 12
minutos, em circuito predeterminado e demarcado. Esse circuito deverá possibilitar ao
aplicador do teste o seu completo controle. Os candidatos, antes de iniciar a corrida,
serão ser instruídos sobre o percurso, de modo a não invalidar o teste pela inobservância
do trajeto.
b) Subida no cabo: Este teste consiste em subir no cabo, preso verticalmente, utilizando
somente os braços. O resultado obtido será definido pela altura estabelecida na tabela
acima ultrapassando a marca com ambas as mãos.
c) Agachamento: Partindo da posição inicial em pé, mãos na cintura e pés ligeiramente
afastados, o candidato deverá flexionar as pernas, com o corpo ereto e voltado para
frente e retornar à posição inicial. A contagem se faz a cada retorno do candidato à
posição inicial. A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao
número de movimentos executados no período de dois (2) minutos.
d) Barra: As flexões na barra serão realizadas com as palmas das mãos voltadas para
frente (pronação). O exercício consiste em içar verticalmente o corpo, suspenso em uma
CORRIDA SUBIDA
NO CABO
AGACHAMENTO BARRA ABDOMINAL FLEXÃO NATAÇÃO
2.900m
12min
5m 90/2min 08 60/2min 40 100mts
1min.40seg
barra horizontal, até que o queixo ultrapasse a altura da barra e são contadas entre a
distensão total dos braços e sua flexão até que o queixo a atinja. Para alcançar a barra o
militar poderá utilizar qualquer meio, todavia, o impulso não deve ser empregado para
contar a primeira flexão na barra.
e) Abdominal: O exercício consiste em flexionar o tronco até que os cotovelos toquem
nas coxas, partindo da posição decúbito dorsal, com os braços cruzados sobre o peito,
joelhos unidos, pernas dobradas e apoiadas no chão com ajuda de um auxiliar. A
contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial. A pontuação obtida será
de acordo com a tabela e corresponderá ao número de movimentos executados no
período de dois (2) minutos.
f) Flexão: O teste tem início com o candidato apoiado de frente sobre o solo, com as
mãos espalmadas, os braços, o abdome e as pernas distendidas e unidas, cabeça erguida
e olhando para o horizonte, flexionando os braços e retornando à posição inicial,
distendendo-os completamente. Durante o desenrolar do exercício poderá ser efetuada
uma única parada, na posição inicial. A pontuação será de acordo com a tabela.
g) Natação 100m: Consiste em realizar um percurso de 100 metros no menor tempo
possível, empregando qualquer estilo de natação, com exceção do conhecido como
“cachorrinho”. O teste deverá ser realizado preferencialmente em piscina. Caso o
percurso seja realizado no mar, o teste será aplicado, no máximo, a dois candidatos
simultaneamente, devendo estar disponíveis os meios materiais e pessoal necessário a
uma eventual prestação de socorro. Não será permitido o uso de qualquer acessório
(nadadeira, colete, etc.), não podendo o candidato agarrarse bóias ou embarcações, sob
pena de reprovação. A escolha do local e da hora do teste deverá ser condicionada às
condições de segurança, de modo a garantir a ausência de trânsito de embarcações
estranhas, possibilitar o pronto atendimento em caso de socorro e evitar fatores de risco,
como fortes correntadas. A pontuação será distribuída de acordo com a tabela.
3) REQUISITOS PARA MATRÍCULA
Para o C-ESP-MEC, conforme descrito abaixo:
a) CB ou SG, do CPA ou do CAP, do sexo masculino em condições de reenganjar;
b) não estar realizando estágio de aplicação referente à Curso realizado;
c) ser indicado em exame psicológico, aplicado pelo SSPM, para atividades de
mergulho;
d) estar apto em inspeção de saúde para atividade de mergulho;
e) estar com o controle anual psicofísico para a atividade de mergulho;
f) ser aprovado em exame de suficiência física aplicado no CIAMA;
g) ser voluntário;
h) ter menos de 33 anos de idade em primeiro de janeiro do ano da matrícula;
i) preencher os requisitos para matrícula em curso estabelecido no PCPM;
4) PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO PARA O CANDIDATO AOS
CURSOS
Este programa visa apenas mera orientação ao candidato, de forma a que tenha maiores
chances de sucesso no teste físico de seleção e, caso aprovado no processo seletivo,
também adquira um condicionamento físico básico para o desempenho das atividades
do curso.
Recomenda-se que o candidato recorra a um profissional da área de Educação Física e
que realize uma avaliação, clínico-médica, antes do início do treinamento. Um
acompanhamento personalizado por um nutricionista é também importante e trará
grandes benefícios ao rendimento dos treinos e na preservação de lesões.
O programa tem como foco promover e manter no candidato flexibilidade, resistência
aeróbica e anaeróbica, resistência muscular localizada, força, potência, agilidade e
velocidade.
Ressalta-se que o excesso de carga nos treinos pode promover condições de desgaste
nas articulações e músculos, vindo a acarretar fraturas de stress ou outras lesões, quer
durante o treinamento, quer alguns meses depois, já durante o curso. Assim, é essencial
que não haja excesso e os períodos de descanso sejam preservados.
Além disso, qualquer sessão de treinamento deve ser iniciada e terminada por exercícios
gerais de alongamento e aquecimento, de pelo menos 15 minutos, além de hidratação
dequada à atividade.
O treinamento resume-se num programa de 16 semanas (quatro meses), englobando
corrida, natação e TNM (treinamento neuromuscular – musculação voltada para
resistência muscular localizada, força e potência muscular, sobretudo nos grupos
musculares das costas, peitoral, abdominal, dorsal, braços e pernas). Os treinos de
corrida devem ser feitos com tênis adequados para esta prática.
1ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 4,5 Km – 30’ e TNM Natação 400m – 15’, 2 x
TER Corrida 5,0 Km – 32’ e TNM Natação 400m – 15’, 2 x
QUA Corrida 5,0 Km – 32’ e TNM Natação 500m – 19’, 2 x
QUI Corrida 5,7 Km – 35’ e TNM Natação 500m – 19’, 2 x
SEX Corrida 6,0 Km – 37’ e TNM Natação 600m – 22’, 2 x
SÁB Corrida 7,0 Km – 42’ e TNM Natação 600m – 22’, 1 x
2ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 7,0 Km – 42’ e TNM Natação 600m – 22’, 2 x
TER Corrida 7,0 Km – 40’ e TNM Natação 600m – 22’, 1 x
QUA Corrida 7,0 Km – 40’ e TNM Natação 700m – 24’, 2 x
QUI Corrida 7,0 Km – 39’ e TNM Natação 700m – 24’, 1 x
SEX Corrida 7,0 Km – 39’ e TNM Natação 800m – 26’, 2 x
SÁB Corrida 7,0 Km – 38’ e TNM Natação 800m – 26’, 1 x
3ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 7,0 Km – 38’ e TNM Natação 800m – 26’, 2 x
TER Corrida 7,5 Km – 40’ e TNM Natação 900m – 28’, 1 x
QUA Corrida 7,5 Km – 40’ e TNM Natação 900m – 28’, 2 x
QUI Corrida 7,5 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 30’, 1 x
SEX Corrida 7,5 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 30’, 2 x
SÁB Corrida 7,5 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 30’, 1 x
4ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 7,5 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 30’, 2 x
TER Corrida 8,0 Km – 44’ e TNM Natação 1000m – 30’, 1 x
QUA Corrida 8,0 Km – 44’ e TNM Natação 1000m – 29’, 2 x
QUI Corrida 8,0 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 29’, 1 x
SEX Corrida 8,0 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 29’, 2 x
SÁB Treinamento p/ teste físico de seleção
Descanso
5ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 8,0 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 29’, 1 x
TER Corrida 8,0 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 28’, 2 x
QUA Corrida 8,0 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 28’, 2 x
QUI Corrida 8,0 Km – 41’ e TNM Natação 1000m – 28’, 1 x
SEX Corrida 8,0 Km – 41’ e TNM Natação 1000m – 28’, 2 x
SÁB Corrida 8,0 Km – 40’ e TNM Natação 1000m – 27’, 1 x
6ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 8,0 Km – 40’ e TNM Natação 1000m – 27’, 2 x
TER Corrida 8,0 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 27’, 1 x
QUA Corrida 8,0 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 27’, 2 x
QUI Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 27’, 1 x
SEX Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x
SÁB Treinamento p/ teste físico de seleção
Descanso
7ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x
TER Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 26’, 1 x
QUA Corrida 8,5 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x
QUI Corrida 8,5 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 26’, 1 x
SEX Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x
SÁB Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 26’, 1 x
8ª Semana
DIA MANHÃ TARDE
SEG Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x
TER Corrida 9,0 Km – 45’ Natação 1000m – 26’, 1 x
QUA Corrida 9,0 Km – 45’ Natação 1000m – 25’, 2 x
QUI Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 25’, 1 x
SEX Corrida 7,5 Km – 36’ e TNM Natação 1000m – 25’, 2 x
SÁB Treinamento p/ teste físico de seleção Descanso
OBS: em princípio, nesta etapa dos treinos, o candidato já deverá estar atingindo com
facilidade todos os índices mínimos do teste físico de seleção.
A partir deste ponto, recomenda-se dar alguns dias de descanso e depois reiniciar o
treinamento desde a primeira semana, aumentando progressivamente o rigor nos
tempos, mas sem exageros.
Operações Especiais Mergulhadores de Combate
1) HISTÓRICO DO MERGULHO DE COMBATE
2) RESUMO DAS MISSÕES DOS MERGULHADORS DE COMBATE
3) ESPECIALIDADES ADICIONAIS DOS MERGULHADORES DE COMBATE
4) ALGUMAS IMAGENS DO CURSO E DA ATIVIDADE
1) HISTÓRICO DO MERGULHO DE COMBATE
Apesar de haver registros desde antigüidade, nas guerras púnicas, do emprego de
nadadores e mergulhadores em “operações especiais” (se é que podemos chamá-las
assim), foi na 2ª Guerra Mundial que a atividade se firmou efetivamente.
Durante aquele conflito, Itália e Estados Unidos da América (além de outros países,
com menor ênfase, ou com menos sucesso – Alemanha, Reino Unido e Japão) se
valeram de Mergulhadores de Combate para alcançar seus objetivos táticos e
estratégicos.
A Marinha norte-americana empregava seus MEC em tarefas de coleta de dados de
inteligência, como reconhecimentos e levantamentos de praias em proveito de
operações anfíbias, durante a Campanha do Pacífico. A necessidade de informações das
praias começou a ser sentida no Assalto Anfíbio de Tarawa, quando as embarcações de
desembarque e viaturas anfíbias foram impedidas de chegar à praia por arrecifes,
obrigando os fuzileiros a um longo trânsito dentro d’água, sob fogo inimigo, até
chegarem em terra.
Na Normandia os mergulhadores de combate norte-americanos (então chamados de
Underwater Demoition Teams – UDTs) foram empregados na remoção de obstáculos
durante o desembarque, no próprio “Dia D”. Com a perda da surpresa, o percentual de
baixas entre eles foi de cerca de 70%.
A Marinha italiana, por sua vez, dava ênfase às operações ofensivas de Mergulhadores
de Combate contra objetivos inimigos. E nesse particular obteve os maiores êxitos da
história, notadamente na ação contra os navios britânicos surtos no porto de Alexandria
(Egito), em 1941.
Em 18/DEZ/41, seis Mergulhadores de Combate italianos, após terem sido lançados
pelo submarino Sciré, que era especialmente adaptado para ser empregado no
lançamento submerso de agentes de operações especiais, e de permanecerem na água
por mais de nove horas, colocaram fora de ação os encouraçados Valiant e Queen
Elizabeth, além de destruírem um petroleiro e o terminal onde o mesmo se encontrava
atracado (fruto do incêndio decorrente da explosão desse navio). Com tal ataque eles
alteraram, de maneira decisiva, o equilíbrio de forças navais no Mediterrâneo Oriental
em favor da Itália. A partir daí, a Marinha inglesa não contava com qualquer
encouraçado na área para se contrapor aos cinco da Marinha italiana!
No Brasil, a atividade se iniciou na década de 60, quando dois Oficiais e duas Praças
lograram êxito no curso de UDT (hoje denominado Basic Underwater Demolition-Sea,
Air and Land – BUD-SEAL), nos EUA. Fruto da experiência desses pioneiros, foi
criada em 1970 a Divisão de Mergulhadores de Combate na Base Almirante Castro e
Silva. Dois anos depois, mais dois Oficiais e três Praças foram enviados à França, onde
se qualificaram como “Nageurs de Combat” (1972). Mesclando as técnicas do curso
francês, que privilegiava as operações de mergulho, com as técnicas do curso norte-
americano, que dava grande ênfase às operações terrestres, e adaptando-as às
necessidades de nossa Marinha, foi ministrado em 1974 o primeiro Curso Especial de
Mergulhador de Combate no Brasil, pela então Escola de Submarinos, hoje CIAMA.
A fim de atender adequadamente às crescentes solicitações da Esquadra e dos Distritos
Navais, a Divisão de Mergulhadores de Combate da Base Almirante Castro e Silva foi
transformada, em 1983, no Grupo de Mergulhadores de Combate, parte integrante do
Comando da Força de Submarinos.
Em 1996, as Orientações Ministeriais determinaram a criação do Curso de
Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais. A primeira turma desse
curso foi formada em DEZ/1998.
No dia 12 de dezembro de 1997, pela Portaria nº 371, o Ministro da Marinha criou o
Grupamento de Mergulhadores de Combate (GRUMEC). A nova OM, ativada no dia
10 de março de 1998, tem semi-autonomia administrativa e é diretamente subordinada
ao Comando da Força de Submarinos.
Ao longo dos anos que antecederam a criação do GRUMEC como OM, surge também o
lema Fortuna Audaces Sequitur, traduzido como “A Sorte Acompanha os Audazes”,
sempre evocado pelas equipes MEC nos momentos críticos que antecedem o início de
cada missão.
Para quem não conhece o trabalho desenvolvido no GRUMEC, a associação das
palavras “sorte” e “audácia” pode induzir a um erro de avaliação ao sugerir que o
sucesso nas missões atribuídas aos Mergulhadores de Combate ao longo de mais de 35
anos de atividade possa ser fruto do acaso ou de ações inconseqüentes realizadas por
militares que dão pouco valor às suas vidas. O baixo índice histórico de acidentes revela
o contrário.
Após lograr êxito em um dos mais rigorosos cursos das Forças Armadas, os
Mergulhadores de Combate apresentam-se ao GRUMEC, onde iniciam uma segunda
fase de sua formação. Incorporando-se a uma das equipes operativas, o Mergulhador de
Combate passa a integrar a agenda de treinamento específica dessa equipe e participa
ativamente de minuciosas fases de planejamento e preparação para cada missão. O
perfeito entrosamento, aliado às habilidades individuais diariamente exercitadas, trazem
como conseqüência natural o sucesso – representado no lema pela palavra SORTE – e a
tranqüilidade para ousar com responsabilidade e conhecimento dos riscos envolvidos,
ousadia essa representada no lema pela palavra AUDÁCIA. Ou seja, o fato de a “sorte
acompanhar os audazes” não é fruto do acaso e sim resultado de um trabalho sério e
competente, reconhecido pela Marinha ao definir o GRUMEC como a organização
militar responsável pela execução de operações especiais no âmbito da Esquadra,
integrando permanentemente sua Força de Emprego Rápido, em perfeita sintonia com
as mudanças de paradigma quanto ao emprego das Forças Armadas no século XXI, em
face da sua reduzida estrutura e conseqüente baixo custo de manutenção, em
comparação à grande flexibilidade e agilidade de emprego em múltiplas tarefas.
Desde antes da década de 1980, os militares do GRUMEC vêm participando de todas as
Operações Anfíbias da Esquadra; apoiando os lançamentos de torpedos e mísseis;
realizando exercícios de ataque a navios, tanto da Esquadra como das Forças Distritais;
participando de operações ribeirinhas na Amazônia e no pantanal mato-grossense; e
executando exercícios de retomada de navios e plataformas de petróleo e resgate de
reféns. Seguindo a tendência dos mergulhadores de combate das marinhas mais
desenvolvidas, como a dos Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha, Chile e
Argentina, o GRUMEC também vem realizando adestramentos em operações terrestres
além-mar. Cabe destaque particular para o Grupo Especial de Retomada e Resgate do
GRUMEC (GERR/MEC), voltado, desde 1985, para ações anti-seqüestro em ambiente
marítimo, contribuindo para a proteção dos inúmeros terminais e plataformas
petrolíferas e navios em nossa Amazônia Azul.
O GRUMEC também contribui para a segurança dos Grupos de Visita e Inspeção (GVI)
dos navios da Marinha, além de apoiar seu adestramento. Os GVI são responsáveis por
fiscalizar navios e embarcações que navegam nas águas jurisdicionais brasileiras.
Os Mergulhadores de Combate também estão prontos, caso necessário, para serem
empregados em ações voltadas à garantia da lei e da ordem (GLO), preceito
constitucional fundamental nos Estados democráticos contemporâneos.
Além disso, eventuais intercâmbios e cursos são realizados em unidades similares no
estrangeiro (Buzos Tácticos do Chile e da Argentina, Buceadores de Combate da
Espanha, SEAL dos EUA, Nageurs de Combat da França). O GRUMEC também
mantém estreitos laços com outras forças nacionais militares e policiais que conduzem
operações especiais, como a Brigada de Operações Especiais do Exército, o Esquadrão
Aeroterrestre de Salvamento da FAB (Para-SAR), o Batalhão de Operações Especiais
de Fuzileiros Navais (Batalhão Tonelero), Batalhão de Operações Especiais da PMERJ
(BOPE), Núcleo Especial de Polícia Marítima da Polícia Federal (NEPOM), dentre
outros.
Fortuna audaces sequitur!
2) RESUMO DAS MISSÕES DOS MERGULHADORES DE COMBATE
a) Nas Operações Anfíbias:
Os MEC realizam reconhecimento hidrográfico de praias cogitadas para Operações
Anfíbias, além de abrir e demarcar canais e demolir obstáculos existentes nessas praias;
b) Nas atividades anti-seqüestro, incluindo as ações de grupos terroristas:
Os MEC realizam a retomada das instalações (navios e plataformas de petróleo) e o
resgate dos eventuais reféns;
c) Nas demais ações e operações da guerra naval, incluindo as operações de paz, os
MEC são empregados para:
- Destruir ou sabotar navios ou embarcações, instalações portuárias, pontes, comportas,
etc. em ambiente marítimo e ribeirinho;
- Capturar ou resgatar pessoal ou material;
- Realizar reconhecimento, vigilância e outras tarefas de coleta de dados de inteligência;
- Infiltrar e retirar agentes e sabotadores de território sob controle inimigo;
- Interditar linhas de comunicação e suprimento inimigas em rios e canais;
- Realizar a abordagem inicial de navios suspeitos hostis ou potencialmente hostis,
garantindo as condições para a verificação de eventuais ilícitos por uma Força Naval,
em ações de interdição nas operações de Controle de Área Marítima, em apoio ao
cumprimento do Código Internacional de Proteção de Navios e Instalações Portuárias da
ONU (ISPS code).
Em qualquer das atividades acima descritas, os MEC podem usar diversos meios de
infiltração, como equipamentos de mergulho autônomo de circuito fechado ou aberto,
embarcações pneumáticas, caiaques, minisubmersíveis, pára-quedas (incluindo salto
livre a grandes altitudes e saltos duplos – Tandem).
Para realizar tais atividades, os MEC poderão ser lançados a partir de navios,
submarinos, helicópteros e aviões.
No futuro próximo, com o atual incremento das atividades terroristas e demais crimes
transnacionais no Mundo, inclusive afetando o tráfego marítimo, que no caso do Brasil
é a vertente que representa mais de 95% do nosso comércio exterior, e ameaçando as
riquezas naturais da nossa Amazônia Azul, vislumbra-se maior foco do GRUMEC nas
atividades anti-seqüestro, nas ações de proteção marítima, em ações de presença em
nossas fronteiras em operações ribeirinhas e em participações nas Operações de Paz da
Organização das Nações Unidas (ONU) ou Organização dos Estados Americanos
(OEA).
3) ESPECIALIDADES ADICIONAIS DOS MERGULHADORES DE COMBATE
Os MEC, após o curso de formação, realizam diversos cursos e estágios buscando
especialização adicional, como: curso de desativação de artefatos explosivos (DAE),
curso básico de pára-quedismo (salto enganchado), curso de mestre de salto, curso de
salto livre, curso de mestre de salto livre, curso de precursor pára-quedista, curso de
dobragem, manutenção e suprimentos pelo ar (DOMPSA), estágio básico de
montanhismo, curso de operações na selva, estágio de operações no Pantanal, estágio de
atirador de elite (sniper), dentre outros.
4) ALGUMAS IMAGENS DO CURSO E DA ATIVIDADE:
Fotos e Videos Relevantes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anexo a do guia do aluno comanf 2012 composição dos kits
Anexo a do guia do aluno comanf 2012   composição dos kitsAnexo a do guia do aluno comanf 2012   composição dos kits
Anexo a do guia do aluno comanf 2012 composição dos kits
Falcão Brasil
 
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Falcão Brasil
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
Falcão Brasil
 
Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...
Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...
Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
Falcão Brasil
 
Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)
Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)
Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)
Falcão Brasil
 
Curso de Especialização(c espc) em 2014 CIAA
Curso de Especialização(c espc) em 2014 CIAACurso de Especialização(c espc) em 2014 CIAA
Curso de Especialização(c espc) em 2014 CIAA
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
Falcão Brasil
 
CGCFN-1-1 - Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros Navais
CGCFN-1-1 -  Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros NavaisCGCFN-1-1 -  Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros Navais
CGCFN-1-1 - Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros Navais
Falcão Brasil
 
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1
Falcão Brasil
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
Falcão Brasil
 
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Falcão Brasil
 
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)
Falcão Brasil
 
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
Falcão Brasil
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
Falcão Brasil
 
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros NavaisGCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
Falcão Brasil
 
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do BrasilPlano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Falcão Brasil
 

Mais procurados (20)

Anexo a do guia do aluno comanf 2012 composição dos kits
Anexo a do guia do aluno comanf 2012   composição dos kitsAnexo a do guia do aluno comanf 2012   composição dos kits
Anexo a do guia do aluno comanf 2012 composição dos kits
 
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA PÁRA-QUEDISTA PPA INF/3
 
Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...
Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...
Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais (CAMECO): Um...
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
 
Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)
Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)
Manual Técnico do Guia Aéreo Avançado (EB60-MT-34.409)
 
Curso de Especialização(c espc) em 2014 CIAA
Curso de Especialização(c espc) em 2014 CIAACurso de Especialização(c espc) em 2014 CIAA
Curso de Especialização(c espc) em 2014 CIAA
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
 
CGCFN-1-1 - Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros Navais
CGCFN-1-1 -  Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros NavaisCGCFN-1-1 -  Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros Navais
CGCFN-1-1 - Manual de Operações Anfíbias dos Grupamentos de Fuzileiros Navais
 
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
 
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÕES CONTRA-CAÇADORES CI 21-2/1
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS EMPREGO DAS PEQUENAS FRAÇÕES DO BATALHÃO DE INFANTARIA...
 
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
 
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)
Caderno de Instrução Transporte de Carga Individual (EB60-CI-27.401)
 
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
 
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros NavaisGCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
 
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do BrasilPlano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
 

Semelhante a Orientação aos Candidatos do Curso Especial de Mergulhador de Combate (C-ESP-MEC)

Orientacao cam2009
Orientacao cam2009Orientacao cam2009
Orientacao cam2009
Thoth Nine
 
Orientacao cam2009
Orientacao cam2009Orientacao cam2009
Orientacao cam2009
Triplo Sof
 
Orientacao cigs
Orientacao cigsOrientacao cigs
Orientacao cigs
Thoth Nine
 
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Falcão Brasil
 
Iniciação à canoagem na escola.pdf
Iniciação à canoagem na escola.pdfIniciação à canoagem na escola.pdf
Iniciação à canoagem na escola.pdf
João Paulo Freire
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
Falcão Brasil
 
Manual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro Militar
Manual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro MilitarManual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro Militar
Manual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro Militar
Falcão Brasil
 
Cart escolar mec1
Cart escolar mec1Cart escolar mec1
Cart escolar mec1
Desterro Barros
 
Orientacao ecoe2018
Orientacao ecoe2018Orientacao ecoe2018
Orientacao ecoe2018
Triplo Sof
 
Caderno Candidato Ccfa
Caderno Candidato CcfaCaderno Candidato Ccfa
Caderno Candidato Ccfa
Triplo Sof
 
SPR
SPRSPR
CDP
CDPCDP
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
Falcão Brasil
 
Sinopse cbsp
Sinopse cbspSinopse cbsp
Sinopse cbsp
Augusto Santos
 
Anexos bombeiros 2012
Anexos bombeiros 2012Anexos bombeiros 2012
Anexos bombeiros 2012
leandro_ramos
 
Cdp cbsp
Cdp cbspCdp cbsp
Cdp cbsp
CursosEADFox
 
PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...
PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS  ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS  ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...
PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...
Falcão Brasil
 
Tsp cbsp
Tsp cbspTsp cbsp
Tsp cbsp
CursosEADFox
 
Edital
EditalEdital
Spr cbsp
Spr cbspSpr cbsp
Spr cbsp
CursosEADFox
 

Semelhante a Orientação aos Candidatos do Curso Especial de Mergulhador de Combate (C-ESP-MEC) (20)

Orientacao cam2009
Orientacao cam2009Orientacao cam2009
Orientacao cam2009
 
Orientacao cam2009
Orientacao cam2009Orientacao cam2009
Orientacao cam2009
 
Orientacao cigs
Orientacao cigsOrientacao cigs
Orientacao cigs
 
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
 
Iniciação à canoagem na escola.pdf
Iniciação à canoagem na escola.pdfIniciação à canoagem na escola.pdf
Iniciação à canoagem na escola.pdf
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
 
Manual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro Militar
Manual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro MilitarManual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro Militar
Manual Operacional de Bombeiros – Mergulho Bombeiro Militar
 
Cart escolar mec1
Cart escolar mec1Cart escolar mec1
Cart escolar mec1
 
Orientacao ecoe2018
Orientacao ecoe2018Orientacao ecoe2018
Orientacao ecoe2018
 
Caderno Candidato Ccfa
Caderno Candidato CcfaCaderno Candidato Ccfa
Caderno Candidato Ccfa
 
SPR
SPRSPR
SPR
 
CDP
CDPCDP
CDP
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
 
Sinopse cbsp
Sinopse cbspSinopse cbsp
Sinopse cbsp
 
Anexos bombeiros 2012
Anexos bombeiros 2012Anexos bombeiros 2012
Anexos bombeiros 2012
 
Cdp cbsp
Cdp cbspCdp cbsp
Cdp cbsp
 
PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...
PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS  ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS  ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...
PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO ÀS ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA ...
 
Tsp cbsp
Tsp cbspTsp cbsp
Tsp cbsp
 
Edital
EditalEdital
Edital
 
Spr cbsp
Spr cbspSpr cbsp
Spr cbsp
 

Mais de Falcão Brasil

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdfEstado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdfSegurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Falcão Brasil
 
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdfSegurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdfSistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdfPrograma Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
Falcão Brasil
 
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfProjeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfSistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Falcão Brasil
 
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Falcão Brasil
 
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdfPrognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdfSistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Falcão Brasil
 

Mais de Falcão Brasil (20)

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdfEstado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdfSegurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
 
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdfSegurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
 
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdfSistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdfPrograma Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
 
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfProjeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
 
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfSistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
 
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
 
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdfPrognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdfSistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
 
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Orientação aos Candidatos do Curso Especial de Mergulhador de Combate (C-ESP-MEC)

  • 1. CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADESTRAMENTO ALMIRANTE ÁTTILA MONTEIRO ACHÉ CURSO ESPECIAL DE MERGULHADORES DE COMBATE (C-ESP-MEC) SUMÁRIO: 1) ESTRUTURA DO CURSO 2) ÍNDICES DO TESTE FÍSICO DE SELEÇÃO 3) REQUISITOS PARA MATRÍCULA 4) PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO PARA O CANDIDATO AO CURSO 1) ESTRUTURA DO CURSO: a)O C-ESP-MEC está estruturado em três etapas ( ‘A”, “B” e “C”) , a saber: Etapa “A” (17 semanas): -FASE 0 – Preparação Física; -FASE I – Instrução de Mergulho Autônomo Básico; Etapa “B” (22 semanas): -FASE II – Instrução de Operações Especiais em ambiente Terrestre; -FASE III – Instrução de Operações Especiais Submarinas; Etapa “C” (6 semanas): -Estágio de Qualificação em Ambiente Ribeirinho e de Montanha. ETAPA ALFA: A FASE 0 terá a duração de treze semanas. Será ministrada nesta fase a disciplina Treinamento Físico Militar. A FASE I dura quatro semanas e nela são ministradas as disciplinas Treinamento Físico Militar E Equipamento Autônomo de Circuito Aberto. ETAPA BRAVO: A FASE II dura onze semanas dividida em sete semanas teóricas e quatro semanas práticas. Será ministradas as disciplinas Treinamento Físico Militar, Higiene de Campanha e Primeiros Socorros, Defesa Pessoal e a parte teórica das disciplinas Comunicações, Técnicas de Combate, Demolição e Armamento. . Nesta fase, os alunos realizam exercícios típicos de Operações Especiais em ambiente terrestre, evoluindo do treinamento básico individual às ações mais complexas. São criadas situações específicas para preparar e testar a habilidade dos alunos em suportar situações operacionais de extremo desconforto, em condições psicológicas adversas, bem como avaliá-los quanto à exposição ao frio, sono escasso, cansaço e ao racionamento de comida e água, circunstâncias por vezes encontradas quando da execução das tarefas afetas ao Mergulho de Combate. Além disso, estes exercícios têm ainda como propósito desenvolver o espírito de equipe e a confiança individual na própria capacidade de resistência. Esta fase é conduzida em áreas específicas, com características especiais que permitam a realização das instruções necessárias, relacionadas à topografia, vegetação, terreno, relevo, hidrografia, apoio administrativo e facilidades para operação com aeronaves, entre outras. Em certo momento desta fase, os alunos são submetidos a circunstâncias de grande tensão e esforço físico, situações capazes de testar a disposição do aluno para o combate e sobrevivência em situações adversas. A FASE III tem a duração de onze semanas, dividida em duas etapas: teórica, com duração de quatro semanas, e prática, com duração de setes semanas. São ministradas as
  • 2. disciplinas Treinamento Físico Militar, Defesa Pessoal, Técnicas de Combate, Operações Especiais Submarinas e Operações Anfíbias. A parte prática será ministrada em localidade que apresente requisitos especiais, tais como: boa transparência d’água, ausência de correntada, etc. ETAPA CHARLIE: Com duração de seis semanas e é conduzida sob a forma de estágio avançado, mesclando os conhecimentos adquiridos durante todo o curso. Nela é ministrada a disciplina “Operações Ribeirinhas” e a unidade de ensino “Montanhismo” da disciplina “Técnicas de Combate”; são também conduzidas práticas de operações especiais em ambiente ribeirinho da Amazônia e Pantanal Matogrossense. Durante esta etapa, na cidade de São João Del Rey, MG, os alunos participam de um Estágio Básico do Combatente de Montanha. Com o propósito de conhecer as peculiaridades de cada região (amazônica e pantanal), os alunos participam de um Estágio de Vida na Selva, na cidade de Manaus–AM, ministrado pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), assim como de um estágio similar, ministrado pelo 17º Batalhão de Fronteira do Exercito Brasileiro, localizado em Corumbá–MS, ou pelo Grupamento de Fuzileiros Navais de Ladário. Nesta fase, como última atividade do curso, os alunos executarão uma Operação Especial típica de Mergulhadores de Combate, em uma área próxima à cidade do Rio de Janeiro, com o propósito de verificar o aprendizado obtido. Para tal, durante a sua realização, os alunos deverão aplicar os conhecimentos adquiridos no curso, sendo os responsáveis pelo desenrolar de toda a operação, desde o seu planejamento até a sua conclusão. As ações deverão ser planejadas tendo como base os fundamentos do Processo de Planejamento Militar, constantes da disciplina “Processo de Planejamento Militar e Estudo de Casos”. 2) ÍNDICES S TESTES FÍSICOS DE SELEÇÃO PADRÕES DE EXIGÊNCIA: a) Corrida: Consiste em correr a maior distância possível no intervalo de tempo de 12 minutos, em circuito predeterminado e demarcado. Esse circuito deverá possibilitar ao aplicador do teste o seu completo controle. Os candidatos, antes de iniciar a corrida, serão ser instruídos sobre o percurso, de modo a não invalidar o teste pela inobservância do trajeto. b) Subida no cabo: Este teste consiste em subir no cabo, preso verticalmente, utilizando somente os braços. O resultado obtido será definido pela altura estabelecida na tabela acima ultrapassando a marca com ambas as mãos. c) Agachamento: Partindo da posição inicial em pé, mãos na cintura e pés ligeiramente afastados, o candidato deverá flexionar as pernas, com o corpo ereto e voltado para frente e retornar à posição inicial. A contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial. A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao número de movimentos executados no período de dois (2) minutos. d) Barra: As flexões na barra serão realizadas com as palmas das mãos voltadas para frente (pronação). O exercício consiste em içar verticalmente o corpo, suspenso em uma CORRIDA SUBIDA NO CABO AGACHAMENTO BARRA ABDOMINAL FLEXÃO NATAÇÃO 2.900m 12min 5m 90/2min 08 60/2min 40 100mts 1min.40seg
  • 3. barra horizontal, até que o queixo ultrapasse a altura da barra e são contadas entre a distensão total dos braços e sua flexão até que o queixo a atinja. Para alcançar a barra o militar poderá utilizar qualquer meio, todavia, o impulso não deve ser empregado para contar a primeira flexão na barra. e) Abdominal: O exercício consiste em flexionar o tronco até que os cotovelos toquem nas coxas, partindo da posição decúbito dorsal, com os braços cruzados sobre o peito, joelhos unidos, pernas dobradas e apoiadas no chão com ajuda de um auxiliar. A contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial. A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao número de movimentos executados no período de dois (2) minutos. f) Flexão: O teste tem início com o candidato apoiado de frente sobre o solo, com as mãos espalmadas, os braços, o abdome e as pernas distendidas e unidas, cabeça erguida e olhando para o horizonte, flexionando os braços e retornando à posição inicial, distendendo-os completamente. Durante o desenrolar do exercício poderá ser efetuada uma única parada, na posição inicial. A pontuação será de acordo com a tabela. g) Natação 100m: Consiste em realizar um percurso de 100 metros no menor tempo possível, empregando qualquer estilo de natação, com exceção do conhecido como “cachorrinho”. O teste deverá ser realizado preferencialmente em piscina. Caso o percurso seja realizado no mar, o teste será aplicado, no máximo, a dois candidatos simultaneamente, devendo estar disponíveis os meios materiais e pessoal necessário a uma eventual prestação de socorro. Não será permitido o uso de qualquer acessório (nadadeira, colete, etc.), não podendo o candidato agarrarse bóias ou embarcações, sob pena de reprovação. A escolha do local e da hora do teste deverá ser condicionada às condições de segurança, de modo a garantir a ausência de trânsito de embarcações estranhas, possibilitar o pronto atendimento em caso de socorro e evitar fatores de risco, como fortes correntadas. A pontuação será distribuída de acordo com a tabela. 3) REQUISITOS PARA MATRÍCULA Para o C-ESP-MEC, conforme descrito abaixo: a) CB ou SG, do CPA ou do CAP, do sexo masculino em condições de reenganjar; b) não estar realizando estágio de aplicação referente à Curso realizado; c) ser indicado em exame psicológico, aplicado pelo SSPM, para atividades de mergulho; d) estar apto em inspeção de saúde para atividade de mergulho; e) estar com o controle anual psicofísico para a atividade de mergulho; f) ser aprovado em exame de suficiência física aplicado no CIAMA; g) ser voluntário; h) ter menos de 33 anos de idade em primeiro de janeiro do ano da matrícula; i) preencher os requisitos para matrícula em curso estabelecido no PCPM; 4) PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO PARA O CANDIDATO AOS CURSOS Este programa visa apenas mera orientação ao candidato, de forma a que tenha maiores chances de sucesso no teste físico de seleção e, caso aprovado no processo seletivo, também adquira um condicionamento físico básico para o desempenho das atividades do curso. Recomenda-se que o candidato recorra a um profissional da área de Educação Física e que realize uma avaliação, clínico-médica, antes do início do treinamento. Um acompanhamento personalizado por um nutricionista é também importante e trará grandes benefícios ao rendimento dos treinos e na preservação de lesões.
  • 4. O programa tem como foco promover e manter no candidato flexibilidade, resistência aeróbica e anaeróbica, resistência muscular localizada, força, potência, agilidade e velocidade. Ressalta-se que o excesso de carga nos treinos pode promover condições de desgaste nas articulações e músculos, vindo a acarretar fraturas de stress ou outras lesões, quer durante o treinamento, quer alguns meses depois, já durante o curso. Assim, é essencial que não haja excesso e os períodos de descanso sejam preservados. Além disso, qualquer sessão de treinamento deve ser iniciada e terminada por exercícios gerais de alongamento e aquecimento, de pelo menos 15 minutos, além de hidratação dequada à atividade. O treinamento resume-se num programa de 16 semanas (quatro meses), englobando corrida, natação e TNM (treinamento neuromuscular – musculação voltada para resistência muscular localizada, força e potência muscular, sobretudo nos grupos musculares das costas, peitoral, abdominal, dorsal, braços e pernas). Os treinos de corrida devem ser feitos com tênis adequados para esta prática. 1ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 4,5 Km – 30’ e TNM Natação 400m – 15’, 2 x TER Corrida 5,0 Km – 32’ e TNM Natação 400m – 15’, 2 x QUA Corrida 5,0 Km – 32’ e TNM Natação 500m – 19’, 2 x QUI Corrida 5,7 Km – 35’ e TNM Natação 500m – 19’, 2 x SEX Corrida 6,0 Km – 37’ e TNM Natação 600m – 22’, 2 x SÁB Corrida 7,0 Km – 42’ e TNM Natação 600m – 22’, 1 x 2ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 7,0 Km – 42’ e TNM Natação 600m – 22’, 2 x TER Corrida 7,0 Km – 40’ e TNM Natação 600m – 22’, 1 x QUA Corrida 7,0 Km – 40’ e TNM Natação 700m – 24’, 2 x QUI Corrida 7,0 Km – 39’ e TNM Natação 700m – 24’, 1 x SEX Corrida 7,0 Km – 39’ e TNM Natação 800m – 26’, 2 x SÁB Corrida 7,0 Km – 38’ e TNM Natação 800m – 26’, 1 x 3ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 7,0 Km – 38’ e TNM Natação 800m – 26’, 2 x TER Corrida 7,5 Km – 40’ e TNM Natação 900m – 28’, 1 x QUA Corrida 7,5 Km – 40’ e TNM Natação 900m – 28’, 2 x QUI Corrida 7,5 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 30’, 1 x SEX Corrida 7,5 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 30’, 2 x SÁB Corrida 7,5 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 30’, 1 x
  • 5. 4ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 7,5 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 30’, 2 x TER Corrida 8,0 Km – 44’ e TNM Natação 1000m – 30’, 1 x QUA Corrida 8,0 Km – 44’ e TNM Natação 1000m – 29’, 2 x QUI Corrida 8,0 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 29’, 1 x SEX Corrida 8,0 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 29’, 2 x SÁB Treinamento p/ teste físico de seleção Descanso 5ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 8,0 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 29’, 1 x TER Corrida 8,0 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 28’, 2 x QUA Corrida 8,0 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 28’, 2 x QUI Corrida 8,0 Km – 41’ e TNM Natação 1000m – 28’, 1 x SEX Corrida 8,0 Km – 41’ e TNM Natação 1000m – 28’, 2 x SÁB Corrida 8,0 Km – 40’ e TNM Natação 1000m – 27’, 1 x 6ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 8,0 Km – 40’ e TNM Natação 1000m – 27’, 2 x TER Corrida 8,0 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 27’, 1 x QUA Corrida 8,0 Km – 39’ e TNM Natação 1000m – 27’, 2 x QUI Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 27’, 1 x SEX Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x SÁB Treinamento p/ teste físico de seleção Descanso 7ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x TER Corrida 8,0 Km – 38’ e TNM Natação 1000m – 26’, 1 x QUA Corrida 8,5 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x QUI Corrida 8,5 Km – 43’ e TNM Natação 1000m – 26’, 1 x SEX Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x SÁB Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 26’, 1 x 8ª Semana DIA MANHÃ TARDE SEG Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 26’, 2 x TER Corrida 9,0 Km – 45’ Natação 1000m – 26’, 1 x QUA Corrida 9,0 Km – 45’ Natação 1000m – 25’, 2 x QUI Corrida 8,5 Km – 42’ e TNM Natação 1000m – 25’, 1 x SEX Corrida 7,5 Km – 36’ e TNM Natação 1000m – 25’, 2 x SÁB Treinamento p/ teste físico de seleção Descanso OBS: em princípio, nesta etapa dos treinos, o candidato já deverá estar atingindo com facilidade todos os índices mínimos do teste físico de seleção.
  • 6. A partir deste ponto, recomenda-se dar alguns dias de descanso e depois reiniciar o treinamento desde a primeira semana, aumentando progressivamente o rigor nos tempos, mas sem exageros. Operações Especiais Mergulhadores de Combate 1) HISTÓRICO DO MERGULHO DE COMBATE 2) RESUMO DAS MISSÕES DOS MERGULHADORS DE COMBATE 3) ESPECIALIDADES ADICIONAIS DOS MERGULHADORES DE COMBATE 4) ALGUMAS IMAGENS DO CURSO E DA ATIVIDADE 1) HISTÓRICO DO MERGULHO DE COMBATE Apesar de haver registros desde antigüidade, nas guerras púnicas, do emprego de nadadores e mergulhadores em “operações especiais” (se é que podemos chamá-las assim), foi na 2ª Guerra Mundial que a atividade se firmou efetivamente. Durante aquele conflito, Itália e Estados Unidos da América (além de outros países, com menor ênfase, ou com menos sucesso – Alemanha, Reino Unido e Japão) se valeram de Mergulhadores de Combate para alcançar seus objetivos táticos e estratégicos. A Marinha norte-americana empregava seus MEC em tarefas de coleta de dados de inteligência, como reconhecimentos e levantamentos de praias em proveito de operações anfíbias, durante a Campanha do Pacífico. A necessidade de informações das praias começou a ser sentida no Assalto Anfíbio de Tarawa, quando as embarcações de desembarque e viaturas anfíbias foram impedidas de chegar à praia por arrecifes, obrigando os fuzileiros a um longo trânsito dentro d’água, sob fogo inimigo, até chegarem em terra. Na Normandia os mergulhadores de combate norte-americanos (então chamados de Underwater Demoition Teams – UDTs) foram empregados na remoção de obstáculos durante o desembarque, no próprio “Dia D”. Com a perda da surpresa, o percentual de baixas entre eles foi de cerca de 70%. A Marinha italiana, por sua vez, dava ênfase às operações ofensivas de Mergulhadores de Combate contra objetivos inimigos. E nesse particular obteve os maiores êxitos da história, notadamente na ação contra os navios britânicos surtos no porto de Alexandria (Egito), em 1941. Em 18/DEZ/41, seis Mergulhadores de Combate italianos, após terem sido lançados pelo submarino Sciré, que era especialmente adaptado para ser empregado no lançamento submerso de agentes de operações especiais, e de permanecerem na água por mais de nove horas, colocaram fora de ação os encouraçados Valiant e Queen Elizabeth, além de destruírem um petroleiro e o terminal onde o mesmo se encontrava atracado (fruto do incêndio decorrente da explosão desse navio). Com tal ataque eles alteraram, de maneira decisiva, o equilíbrio de forças navais no Mediterrâneo Oriental em favor da Itália. A partir daí, a Marinha inglesa não contava com qualquer encouraçado na área para se contrapor aos cinco da Marinha italiana! No Brasil, a atividade se iniciou na década de 60, quando dois Oficiais e duas Praças lograram êxito no curso de UDT (hoje denominado Basic Underwater Demolition-Sea, Air and Land – BUD-SEAL), nos EUA. Fruto da experiência desses pioneiros, foi criada em 1970 a Divisão de Mergulhadores de Combate na Base Almirante Castro e Silva. Dois anos depois, mais dois Oficiais e três Praças foram enviados à França, onde se qualificaram como “Nageurs de Combat” (1972). Mesclando as técnicas do curso francês, que privilegiava as operações de mergulho, com as técnicas do curso norte- americano, que dava grande ênfase às operações terrestres, e adaptando-as às
  • 7. necessidades de nossa Marinha, foi ministrado em 1974 o primeiro Curso Especial de Mergulhador de Combate no Brasil, pela então Escola de Submarinos, hoje CIAMA. A fim de atender adequadamente às crescentes solicitações da Esquadra e dos Distritos Navais, a Divisão de Mergulhadores de Combate da Base Almirante Castro e Silva foi transformada, em 1983, no Grupo de Mergulhadores de Combate, parte integrante do Comando da Força de Submarinos. Em 1996, as Orientações Ministeriais determinaram a criação do Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais. A primeira turma desse curso foi formada em DEZ/1998. No dia 12 de dezembro de 1997, pela Portaria nº 371, o Ministro da Marinha criou o Grupamento de Mergulhadores de Combate (GRUMEC). A nova OM, ativada no dia 10 de março de 1998, tem semi-autonomia administrativa e é diretamente subordinada ao Comando da Força de Submarinos. Ao longo dos anos que antecederam a criação do GRUMEC como OM, surge também o lema Fortuna Audaces Sequitur, traduzido como “A Sorte Acompanha os Audazes”, sempre evocado pelas equipes MEC nos momentos críticos que antecedem o início de cada missão. Para quem não conhece o trabalho desenvolvido no GRUMEC, a associação das palavras “sorte” e “audácia” pode induzir a um erro de avaliação ao sugerir que o sucesso nas missões atribuídas aos Mergulhadores de Combate ao longo de mais de 35 anos de atividade possa ser fruto do acaso ou de ações inconseqüentes realizadas por militares que dão pouco valor às suas vidas. O baixo índice histórico de acidentes revela o contrário. Após lograr êxito em um dos mais rigorosos cursos das Forças Armadas, os Mergulhadores de Combate apresentam-se ao GRUMEC, onde iniciam uma segunda fase de sua formação. Incorporando-se a uma das equipes operativas, o Mergulhador de Combate passa a integrar a agenda de treinamento específica dessa equipe e participa ativamente de minuciosas fases de planejamento e preparação para cada missão. O perfeito entrosamento, aliado às habilidades individuais diariamente exercitadas, trazem como conseqüência natural o sucesso – representado no lema pela palavra SORTE – e a tranqüilidade para ousar com responsabilidade e conhecimento dos riscos envolvidos, ousadia essa representada no lema pela palavra AUDÁCIA. Ou seja, o fato de a “sorte acompanhar os audazes” não é fruto do acaso e sim resultado de um trabalho sério e competente, reconhecido pela Marinha ao definir o GRUMEC como a organização militar responsável pela execução de operações especiais no âmbito da Esquadra, integrando permanentemente sua Força de Emprego Rápido, em perfeita sintonia com as mudanças de paradigma quanto ao emprego das Forças Armadas no século XXI, em face da sua reduzida estrutura e conseqüente baixo custo de manutenção, em comparação à grande flexibilidade e agilidade de emprego em múltiplas tarefas. Desde antes da década de 1980, os militares do GRUMEC vêm participando de todas as Operações Anfíbias da Esquadra; apoiando os lançamentos de torpedos e mísseis; realizando exercícios de ataque a navios, tanto da Esquadra como das Forças Distritais; participando de operações ribeirinhas na Amazônia e no pantanal mato-grossense; e executando exercícios de retomada de navios e plataformas de petróleo e resgate de reféns. Seguindo a tendência dos mergulhadores de combate das marinhas mais desenvolvidas, como a dos Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha, Chile e Argentina, o GRUMEC também vem realizando adestramentos em operações terrestres além-mar. Cabe destaque particular para o Grupo Especial de Retomada e Resgate do GRUMEC (GERR/MEC), voltado, desde 1985, para ações anti-seqüestro em ambiente
  • 8. marítimo, contribuindo para a proteção dos inúmeros terminais e plataformas petrolíferas e navios em nossa Amazônia Azul. O GRUMEC também contribui para a segurança dos Grupos de Visita e Inspeção (GVI) dos navios da Marinha, além de apoiar seu adestramento. Os GVI são responsáveis por fiscalizar navios e embarcações que navegam nas águas jurisdicionais brasileiras. Os Mergulhadores de Combate também estão prontos, caso necessário, para serem empregados em ações voltadas à garantia da lei e da ordem (GLO), preceito constitucional fundamental nos Estados democráticos contemporâneos. Além disso, eventuais intercâmbios e cursos são realizados em unidades similares no estrangeiro (Buzos Tácticos do Chile e da Argentina, Buceadores de Combate da Espanha, SEAL dos EUA, Nageurs de Combat da França). O GRUMEC também mantém estreitos laços com outras forças nacionais militares e policiais que conduzem operações especiais, como a Brigada de Operações Especiais do Exército, o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento da FAB (Para-SAR), o Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (Batalhão Tonelero), Batalhão de Operações Especiais da PMERJ (BOPE), Núcleo Especial de Polícia Marítima da Polícia Federal (NEPOM), dentre outros. Fortuna audaces sequitur! 2) RESUMO DAS MISSÕES DOS MERGULHADORES DE COMBATE a) Nas Operações Anfíbias: Os MEC realizam reconhecimento hidrográfico de praias cogitadas para Operações Anfíbias, além de abrir e demarcar canais e demolir obstáculos existentes nessas praias; b) Nas atividades anti-seqüestro, incluindo as ações de grupos terroristas: Os MEC realizam a retomada das instalações (navios e plataformas de petróleo) e o resgate dos eventuais reféns; c) Nas demais ações e operações da guerra naval, incluindo as operações de paz, os MEC são empregados para: - Destruir ou sabotar navios ou embarcações, instalações portuárias, pontes, comportas, etc. em ambiente marítimo e ribeirinho; - Capturar ou resgatar pessoal ou material; - Realizar reconhecimento, vigilância e outras tarefas de coleta de dados de inteligência; - Infiltrar e retirar agentes e sabotadores de território sob controle inimigo; - Interditar linhas de comunicação e suprimento inimigas em rios e canais; - Realizar a abordagem inicial de navios suspeitos hostis ou potencialmente hostis, garantindo as condições para a verificação de eventuais ilícitos por uma Força Naval, em ações de interdição nas operações de Controle de Área Marítima, em apoio ao cumprimento do Código Internacional de Proteção de Navios e Instalações Portuárias da ONU (ISPS code). Em qualquer das atividades acima descritas, os MEC podem usar diversos meios de infiltração, como equipamentos de mergulho autônomo de circuito fechado ou aberto, embarcações pneumáticas, caiaques, minisubmersíveis, pára-quedas (incluindo salto livre a grandes altitudes e saltos duplos – Tandem). Para realizar tais atividades, os MEC poderão ser lançados a partir de navios, submarinos, helicópteros e aviões. No futuro próximo, com o atual incremento das atividades terroristas e demais crimes transnacionais no Mundo, inclusive afetando o tráfego marítimo, que no caso do Brasil é a vertente que representa mais de 95% do nosso comércio exterior, e ameaçando as riquezas naturais da nossa Amazônia Azul, vislumbra-se maior foco do GRUMEC nas atividades anti-seqüestro, nas ações de proteção marítima, em ações de presença em
  • 9. nossas fronteiras em operações ribeirinhas e em participações nas Operações de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU) ou Organização dos Estados Americanos (OEA). 3) ESPECIALIDADES ADICIONAIS DOS MERGULHADORES DE COMBATE Os MEC, após o curso de formação, realizam diversos cursos e estágios buscando especialização adicional, como: curso de desativação de artefatos explosivos (DAE), curso básico de pára-quedismo (salto enganchado), curso de mestre de salto, curso de salto livre, curso de mestre de salto livre, curso de precursor pára-quedista, curso de dobragem, manutenção e suprimentos pelo ar (DOMPSA), estágio básico de montanhismo, curso de operações na selva, estágio de operações no Pantanal, estágio de atirador de elite (sniper), dentre outros. 4) ALGUMAS IMAGENS DO CURSO E DA ATIVIDADE: Fotos e Videos Relevantes