SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Cognição
Psicologia
Cognição
Perceção
É a conduta psicológica com a qual organizamos as
diversas sensações de modo a tomarmos conhecimento
da realidade. Com a perceção conhecemos o mundo que
nos rodeia.
Fatores de significação
• a idade;
• o sexo;
• o contexto cultural,
• a atividade profissional,
• a experiência anterior,
• as expectativas,
• o estatuto social.
Fatores de significação
Estes fatores, que constituem a história pessoal do sujeito, vão
subjetivar o ato percetivo, na medida em que cada sujeito interpreta as
manifestações exteriores (significantes) atribuindo-lhes um significado;
a objetividade do estímulo dá lugar a interpretações diferentes que
variam de acordo com as significações atribuídas por cada um (que são
dependentes da sua história pessoal).
Constância percetiva
A perceção diz-nos que a visão que temos do mundo não é uma
representação mas uma interpretação. O reconhecimento envolve
experiências, memórias e aprendizagens que mantêm as características
dos objetos, apesar das circunstâncias que estes se encontram serem
diversas.
Verificamos Constância de tamanho , Constância de forma e Constância
do brilho e da cor.
Aprendizagem
Alteração relativamente estável do comportamento ou do conhecimento,
devida à experiência, ao treino ou ao estudo (que condicionam essa
alteração).
Condicionamento
É um processo em que associamos um estímulo condicionado a um
estímulo natural, a repetição desta associação leva o indivíduo a reagir
ao estímulo condicionado do mesmo modo que reagiria ao estímulo
natural.
Condicionamento Clássico
Assenta no binómio: estímulo-resposta:
Estímulo – é um elemento do meio que produz um efeito sobre o
organismo, levando-o a alteram o seu comportamento.
Resposta – é a atividade do organismo que sucede à captação do estímulo
(movimento, pensamento, emoção, secreção)
Condicionamento Operante
Caixa de Skinner - experiência do rato. Quando o rato estabeleceu uma
associação entre a resposta operante (premir a alavanca) e o reforço
(alimento), concluiu a aprendizagem, ficou condicionado a premir a
alavanca para comer.
Condicionamento Clássico Condicionamento Operante
Estímulos Associação de estímulos neutros e
incondicionados
O comportamento é
acompanhado de consequências
positivas
Natureza
Comportamento
Reflexos, respostas mecânicas e
automáticas
Comportamento aprendidos e
adquiridos
Tipo de resposta Involuntária Voluntária
Papel do sujeito Passivo, o comportamento é
mecânico
Ativo, o sujeito opera para obter
satisfação ou evitar a dor
Tipo de
aprendizagem
A aprendizagem faz-se por
associação de estímulos
A aprendizagem faz-se por
reforço (positivo ou negativo)
Reforço, Castigo e Reforço Positivo e Negativo
Reforço: Qualquer estímulo que surge em consequência de um
comportamento e que aumenta a sua ocorrência.
Castigo: Qualquer estímulo que surge em consequência de um
comportamento e que diminui a sua ocorrência
Reforço positivo: estímulo apetecível que aumenta a frequência do
comportamento
Reforço negativo: o retirar do estímulo aversivo que aumenta a
frequência do
Aprendizagem social
Segundo Bandura este tipo de aprendizagem ocorre pela observação
das condutas daqueles com quem vivemos (a maior parte dos
comportamentos das crianças são aprendidos por imitação de modelos -
MODELAGEM). De acordo com Bandura, as pessoas podem aprender
diretamente ou indiretamente:
Aprendizagem social
A aprendizagem direta é feita através de aquisições por reforço ou
castigo direto em que as consequências positivas ou negativas dos atos
recaem sobre o sujeito que os pratica.
A aprendizagem indireta faz-se por reforço negativo ou castigo
indireto ou vicariante em que os modos de proceder são indicados pela
observação das consequências positivas e negativas que recaem nos
outros.
o reforço vicariante consiste na aprendizagem feita pela observação das
consequências de determinados comportamentos.
Memória
Processo de recordar conteúdos aprendidos que foram armazenados para
serem utilizados em momentos posteriores.
Aprendizagem e memória são processos indissociáveis pois só se
retém na memória aquilo que foi aprendido; e só se considera aprendido
aquilo que se reteve na memória. Deste modo, sem memória, as
aprendizagens teriam de estar constantemente a ser adquiridas, o que
significa que não ter memória seria o mesmo que não ter aprendido
nada.
Distorção do traço mnésico
Acontece quando existem alterações que baralham o que inicialmente foi
aprendido. Deve-se a falhas que podem ocorrer na codificação, no
armazenamento ou na recuperação de conteúdos.
Falhas na codificação: algo foi deturpado pela significação que cada um
atribuiu aquilo que memorizou
Falhas no armazenamento: o que possuímos armazenado na memória de
longo prazo está sujeito a falhas que acontecem por via do tempo.
Falhas na recuperação: existe interferência de outras informações ou
supressão de um acontecimento ou pensamento que provoca
perturbação no sujeito.
O Esquecimento
Esquecimento por inibição proactiva: há esquecimento provocado
pelas interferência de recordações passadas
Esquecimento por inibição retroativa: há esquecimento pela
interferência de novas informações
O Esquecimento
Segundo Freud nós esquecemos o que inconscientemente nos convém –
temos uma motivação inconsciente para o esquecimento, evitamos
assim os acontecimentos penosos e as situações angustiantes, este
processo designa-se por recalcamento, as memórias objeto de
recalcamento não são recuperadas por um ato de vontade. O
recalcamento funciona como um mecanismo de defesa afasta
determinadas recordações de modo a evitar os conflitos internos.
Emoção
Características das emoções:
Têm um TEMPO
Variam de INTENSIDADE
Refletem ALTERAÇÕES CORPORAIS, expressões faciais,
aceleração do ritmo cardíaco.
Têm CAUSAS OU OBJETOS a que se dirigem, acontecem a
propósito de algo
São VERSÁTEIS - aparecem e desaparecem rapidamente.
Têm uma POLARIDADE: são positivas ou negativas
Não são determinadas pelos factos, mas sim pela
INTERPRETAÇÃO desses factos
Reações curtas e intensas
do organismo a um
acontecimento
inesperado, que são
acompanhadas de uma
tonalidade afetiva
agradável ou desagradável.
Emoção
Afetos: Estados psicológicos elementares que determinam sensações
agradáveis ou desagradáveis no indivíduo, em função dos sentimentos
que nutre em relação a pessoas ou outros seres.
Sentimentos: Estados afetivos relativamente estáveis de média
intensidade e com papel moderador nas relações que o sujeito
estabelece com a realidade.
Emoção
Para Damásio as emoções e sentimentos apresentam
natureza diferente: as emoções implicam alterações
fisiológicas (aceleração do ritmo cardíaco e respiratório,
entre outras); enquanto que o sentimento é a tomada de
consciência dessas alterações fisiológicas, o ritmo a que se
vão sucedendo e a sua evolução.
Emoção
Emoções primárias: inatas, revelam-se úteis porque permitem
reações automáticas que facilitam que o individuo fuja do perigo, estas
são promovidas pelo sistema límbico (amigdala, talamo, hipotalamo,
hipocampo)
Emoções secundárias: implicam uma avaliação cognitiva dos
acontecimentos, esta avaliação necessita de fazer associações com
aprendizagens já feitas. Estas emoções ocorrem no córtex pré-frontal.
Emoção
Componentes da emoção:
Reações Biológicas
Reações expressivas
Experiências conscientes
Alterações fisiológicas da emoção:
Respiração ofegante
Tremuras musculares
Rubor facial
Aceleração do ritmpo cardíaco
Decréscimo da secreção salivar
Perspetivas sobre a Emoção
Evolucionista: existem emoções que são universais, são independentes dos
processos de aprendizagem ou da cultura em que se observam.
Fisiológica: as emoções resultam das perceções do estado do corpo, considera
as alterações orgânicas como a causa e não como consequência das emoções.
Cognitivista: defende uma relação estreita entre os processos cognitivos e as
emoções, é o modo como interpreto um acontecimento que me causa a emoção
e não o acontecimento per si, a emoção é determinada pelo modo como
avaliamos e representamos a situação.
Culturalista: as emoções são uma construção social, são aprendidas no
processo de socialização, as expressões variam no tempo e no espaço em função
de uma cultura.
Perspetivas sobre a Emoção
Após pesquisas feitas a vários casos de doentes com danos cerebrais, no cortex pré-frontal,
António Damásio concluiu que as emoções e os sentimentos não são um obstáculo ao
funcionamento da razão, estão até envolvidas no processo de decisão.
Damásio afirma que a tomada de decisões faz-se por 2 vias:
O raciocínio faz uma representação das consequências: avaliação da situação, opções possíveis,
comparações lógicas, etc.…
A perceção da situação provoca a ativação de experiências emocionais sucedidas anteriormente
em situações semelhantes.
Perspetivas sobre a Emoção
Damásio diz que a forma como decimos está assente na hipótese marcador
somático é um mecanismo automatizado que suporta as nossas decisões,
contribui para limitar o tempo de decisão, sem marcador somático a lógica
precisaria de operar sobre demasiadas opções e por isso levaria imenso tempo a
emitir uma decisão, com o marcador somático há sempre uma emoção
associada à decisão tomada, por mais simples que ela seja.
Perspetivas sobre a Emoção
Quando queremos tomar uma decisão fazemos uma avaliação das
consequências, tentando sentir o que vai resultar de agradável ou desagradável,
por exemplo hesitamos na aceitação de um emprego numa empresa poluidora
do ambiente, aqui o marcador somático atua e provoca uma espécie de repulsa.
Conação
Intencionalidade: Relação entre a mente ou consciência e o objeto para que
está orientada.
A ação é intencional sendo que a intenção diz respeito ao que o ser humano se
propõe a realizar e é explicitada por aquilo que cada um quer concretizar,
atingir ou obter.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Memória2011
Memória2011Memória2011
Memória2011
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
 
Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimento
 
Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
O cortex cerebral
 O cortex cerebral O cortex cerebral
O cortex cerebral
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
 
Psicofísica
Psicofísica  Psicofísica
Psicofísica
 
O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Inteligência e pensamento1
Inteligência e pensamento1Inteligência e pensamento1
Inteligência e pensamento1
 
Memoria armazenagem
Memoria armazenagemMemoria armazenagem
Memoria armazenagem
 
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivoPiaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Processos cognitivos1
Processos cognitivos1Processos cognitivos1
Processos cognitivos1
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 

Semelhante a Psicologia: Cognição

amente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfamente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfssuser5c8e4f
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos EmocionaisJorge Barbosa
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos EmocionaisJorge Barbosa
 
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...Smar Brasil
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxXaynulMazive
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas thaissamaia
 
O Erro de Descartes - António Damásio
O Erro de Descartes - António DamásioO Erro de Descartes - António Damásio
O Erro de Descartes - António DamásioPsicologia Fanor
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.pptfcodacruz1919
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosRolando Almeida
 

Semelhante a Psicologia: Cognição (20)

Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
amente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfamente-resumos.pdf
amente-resumos.pdf
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
 
perceçao.pdf
perceçao.pdfperceçao.pdf
perceçao.pdf
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
 
O Erro de Descartes - António Damásio
O Erro de Descartes - António DamásioO Erro de Descartes - António Damásio
O Erro de Descartes - António Damásio
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 

Último

Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (6)

Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

Psicologia: Cognição

  • 3. Perceção É a conduta psicológica com a qual organizamos as diversas sensações de modo a tomarmos conhecimento da realidade. Com a perceção conhecemos o mundo que nos rodeia.
  • 4. Fatores de significação • a idade; • o sexo; • o contexto cultural, • a atividade profissional, • a experiência anterior, • as expectativas, • o estatuto social.
  • 5. Fatores de significação Estes fatores, que constituem a história pessoal do sujeito, vão subjetivar o ato percetivo, na medida em que cada sujeito interpreta as manifestações exteriores (significantes) atribuindo-lhes um significado; a objetividade do estímulo dá lugar a interpretações diferentes que variam de acordo com as significações atribuídas por cada um (que são dependentes da sua história pessoal).
  • 6. Constância percetiva A perceção diz-nos que a visão que temos do mundo não é uma representação mas uma interpretação. O reconhecimento envolve experiências, memórias e aprendizagens que mantêm as características dos objetos, apesar das circunstâncias que estes se encontram serem diversas. Verificamos Constância de tamanho , Constância de forma e Constância do brilho e da cor.
  • 7. Aprendizagem Alteração relativamente estável do comportamento ou do conhecimento, devida à experiência, ao treino ou ao estudo (que condicionam essa alteração).
  • 8. Condicionamento É um processo em que associamos um estímulo condicionado a um estímulo natural, a repetição desta associação leva o indivíduo a reagir ao estímulo condicionado do mesmo modo que reagiria ao estímulo natural.
  • 9. Condicionamento Clássico Assenta no binómio: estímulo-resposta: Estímulo – é um elemento do meio que produz um efeito sobre o organismo, levando-o a alteram o seu comportamento. Resposta – é a atividade do organismo que sucede à captação do estímulo (movimento, pensamento, emoção, secreção)
  • 10. Condicionamento Operante Caixa de Skinner - experiência do rato. Quando o rato estabeleceu uma associação entre a resposta operante (premir a alavanca) e o reforço (alimento), concluiu a aprendizagem, ficou condicionado a premir a alavanca para comer.
  • 11. Condicionamento Clássico Condicionamento Operante Estímulos Associação de estímulos neutros e incondicionados O comportamento é acompanhado de consequências positivas Natureza Comportamento Reflexos, respostas mecânicas e automáticas Comportamento aprendidos e adquiridos Tipo de resposta Involuntária Voluntária Papel do sujeito Passivo, o comportamento é mecânico Ativo, o sujeito opera para obter satisfação ou evitar a dor Tipo de aprendizagem A aprendizagem faz-se por associação de estímulos A aprendizagem faz-se por reforço (positivo ou negativo)
  • 12.
  • 13. Reforço, Castigo e Reforço Positivo e Negativo Reforço: Qualquer estímulo que surge em consequência de um comportamento e que aumenta a sua ocorrência. Castigo: Qualquer estímulo que surge em consequência de um comportamento e que diminui a sua ocorrência Reforço positivo: estímulo apetecível que aumenta a frequência do comportamento Reforço negativo: o retirar do estímulo aversivo que aumenta a frequência do
  • 14. Aprendizagem social Segundo Bandura este tipo de aprendizagem ocorre pela observação das condutas daqueles com quem vivemos (a maior parte dos comportamentos das crianças são aprendidos por imitação de modelos - MODELAGEM). De acordo com Bandura, as pessoas podem aprender diretamente ou indiretamente:
  • 15. Aprendizagem social A aprendizagem direta é feita através de aquisições por reforço ou castigo direto em que as consequências positivas ou negativas dos atos recaem sobre o sujeito que os pratica. A aprendizagem indireta faz-se por reforço negativo ou castigo indireto ou vicariante em que os modos de proceder são indicados pela observação das consequências positivas e negativas que recaem nos outros. o reforço vicariante consiste na aprendizagem feita pela observação das consequências de determinados comportamentos.
  • 16. Memória Processo de recordar conteúdos aprendidos que foram armazenados para serem utilizados em momentos posteriores. Aprendizagem e memória são processos indissociáveis pois só se retém na memória aquilo que foi aprendido; e só se considera aprendido aquilo que se reteve na memória. Deste modo, sem memória, as aprendizagens teriam de estar constantemente a ser adquiridas, o que significa que não ter memória seria o mesmo que não ter aprendido nada.
  • 17.
  • 18. Distorção do traço mnésico Acontece quando existem alterações que baralham o que inicialmente foi aprendido. Deve-se a falhas que podem ocorrer na codificação, no armazenamento ou na recuperação de conteúdos. Falhas na codificação: algo foi deturpado pela significação que cada um atribuiu aquilo que memorizou Falhas no armazenamento: o que possuímos armazenado na memória de longo prazo está sujeito a falhas que acontecem por via do tempo. Falhas na recuperação: existe interferência de outras informações ou supressão de um acontecimento ou pensamento que provoca perturbação no sujeito.
  • 19. O Esquecimento Esquecimento por inibição proactiva: há esquecimento provocado pelas interferência de recordações passadas Esquecimento por inibição retroativa: há esquecimento pela interferência de novas informações
  • 20. O Esquecimento Segundo Freud nós esquecemos o que inconscientemente nos convém – temos uma motivação inconsciente para o esquecimento, evitamos assim os acontecimentos penosos e as situações angustiantes, este processo designa-se por recalcamento, as memórias objeto de recalcamento não são recuperadas por um ato de vontade. O recalcamento funciona como um mecanismo de defesa afasta determinadas recordações de modo a evitar os conflitos internos.
  • 21. Emoção Características das emoções: Têm um TEMPO Variam de INTENSIDADE Refletem ALTERAÇÕES CORPORAIS, expressões faciais, aceleração do ritmo cardíaco. Têm CAUSAS OU OBJETOS a que se dirigem, acontecem a propósito de algo São VERSÁTEIS - aparecem e desaparecem rapidamente. Têm uma POLARIDADE: são positivas ou negativas Não são determinadas pelos factos, mas sim pela INTERPRETAÇÃO desses factos Reações curtas e intensas do organismo a um acontecimento inesperado, que são acompanhadas de uma tonalidade afetiva agradável ou desagradável.
  • 22. Emoção Afetos: Estados psicológicos elementares que determinam sensações agradáveis ou desagradáveis no indivíduo, em função dos sentimentos que nutre em relação a pessoas ou outros seres. Sentimentos: Estados afetivos relativamente estáveis de média intensidade e com papel moderador nas relações que o sujeito estabelece com a realidade.
  • 23. Emoção Para Damásio as emoções e sentimentos apresentam natureza diferente: as emoções implicam alterações fisiológicas (aceleração do ritmo cardíaco e respiratório, entre outras); enquanto que o sentimento é a tomada de consciência dessas alterações fisiológicas, o ritmo a que se vão sucedendo e a sua evolução.
  • 24. Emoção Emoções primárias: inatas, revelam-se úteis porque permitem reações automáticas que facilitam que o individuo fuja do perigo, estas são promovidas pelo sistema límbico (amigdala, talamo, hipotalamo, hipocampo) Emoções secundárias: implicam uma avaliação cognitiva dos acontecimentos, esta avaliação necessita de fazer associações com aprendizagens já feitas. Estas emoções ocorrem no córtex pré-frontal.
  • 25. Emoção Componentes da emoção: Reações Biológicas Reações expressivas Experiências conscientes Alterações fisiológicas da emoção: Respiração ofegante Tremuras musculares Rubor facial Aceleração do ritmpo cardíaco Decréscimo da secreção salivar
  • 26. Perspetivas sobre a Emoção Evolucionista: existem emoções que são universais, são independentes dos processos de aprendizagem ou da cultura em que se observam. Fisiológica: as emoções resultam das perceções do estado do corpo, considera as alterações orgânicas como a causa e não como consequência das emoções. Cognitivista: defende uma relação estreita entre os processos cognitivos e as emoções, é o modo como interpreto um acontecimento que me causa a emoção e não o acontecimento per si, a emoção é determinada pelo modo como avaliamos e representamos a situação. Culturalista: as emoções são uma construção social, são aprendidas no processo de socialização, as expressões variam no tempo e no espaço em função de uma cultura.
  • 27. Perspetivas sobre a Emoção Após pesquisas feitas a vários casos de doentes com danos cerebrais, no cortex pré-frontal, António Damásio concluiu que as emoções e os sentimentos não são um obstáculo ao funcionamento da razão, estão até envolvidas no processo de decisão. Damásio afirma que a tomada de decisões faz-se por 2 vias: O raciocínio faz uma representação das consequências: avaliação da situação, opções possíveis, comparações lógicas, etc.… A perceção da situação provoca a ativação de experiências emocionais sucedidas anteriormente em situações semelhantes.
  • 28. Perspetivas sobre a Emoção Damásio diz que a forma como decimos está assente na hipótese marcador somático é um mecanismo automatizado que suporta as nossas decisões, contribui para limitar o tempo de decisão, sem marcador somático a lógica precisaria de operar sobre demasiadas opções e por isso levaria imenso tempo a emitir uma decisão, com o marcador somático há sempre uma emoção associada à decisão tomada, por mais simples que ela seja.
  • 29. Perspetivas sobre a Emoção Quando queremos tomar uma decisão fazemos uma avaliação das consequências, tentando sentir o que vai resultar de agradável ou desagradável, por exemplo hesitamos na aceitação de um emprego numa empresa poluidora do ambiente, aqui o marcador somático atua e provoca uma espécie de repulsa.
  • 30. Conação Intencionalidade: Relação entre a mente ou consciência e o objeto para que está orientada. A ação é intencional sendo que a intenção diz respeito ao que o ser humano se propõe a realizar e é explicitada por aquilo que cada um quer concretizar, atingir ou obter.