O Labirinto do Fauno e a Body art

233 visualizações

Publicada em

Slides apresentados na disciplina de Artes.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O Labirinto do Fauno e a Body art

  1. 1. O LABIRINTO DO FAUNO FORMATAÇÃO: PROF.ª ANA BEATRIZ CARGNIN Guillermo Del Toro
  2. 2. SINOPSE Uma garota e sua mãe se mudam para uma região da Espanha onde ainda há combates da Guerra Civil. No jardim da mansão em que mora a garota encontra um labirinto, que a leva a um mundo de fantasia. Pronto começa a aventura de Ofélia, cabe ao espectador decidir se é apenas uma fantasia (uma fuga do mundo que a menina não gostaria de viver) ou realmente um mundo em que poucos tem acesso por ainda acreditar que este mundo existe
  3. 3. ASPECTOS PARA DISCUSSÃO - Mundos contrastantes. - Personagens mitológicos: • Fauno; • Fadas; • Mandrágora. - Referências à outras histórias: • Alice no País das Maravilhas; • O Rapto de Perséfone. - Estudo de Luz e Sombra; - Body Art.
  4. 4. Estudos de Desenho pra alcançar...
  5. 5. Este resultado:
  6. 6. A maquiagem de efeitos do filme foi feita em bonecos e com o auxílio de CGI. • CGI (Computer Generated Images)
  7. 7. As maquiagens foram elaboradas para retratar os seres do Mundo Subterrâneo.
  8. 8. A maquiagem aqui é essencialmente um trabalho de caracterização das personagens de um mundo mágico.
  9. 9. E ela é feita essencialmente sobre máscaras de látex.
  10. 10. Ator e contorcionista, Doug Jones é o homem por trás de personagens como Fauno e Homem Pálido, de “O Labirinto do Fauno”.
  11. 11. .: BODY ART Ela surge como uma reação ao minimalismo (formas geométricas) e a arte conceitual (arte da ideia), devido a impessoalidade desses movimentos. Possuí grande influência da arte e cultura pop. Surgiu sendo influenciado por vários contextos da época: PÓS-MODERNISMO • Disputa entre URSS e USA por hegemonia • Guerra do Vietnam • O homem pisa na lua • Movimento Hippie (liberdade sexual e pacifismo) • Contracultura • Explosão da juventude
  12. 12. MINIMALISMO A palavra minimalismo se refere a uma série de movimentos artísticos, culturais e científicos que percorreram diversos momentos do século XX e preocuparam-se em fazer uso de poucos elementos fundamentais como base de expressão. Os movimentos minimalistas tiveram grande influência nas artes visuais, no design, na música e na própria tecnologia.
  13. 13. ARTE CONCEITUAL Nesta arte valoriza-se mais a ideia da obra do que o produto acabado, sendo que às vezes este (produto) nem mesmo precisa de existir. É bastante expressada através de fotografias, vídeos, mapas, textos escritos e performances. Não existem limites muito bem definidos para que uma obra seja considerada Arte Conceitual já que esta abrange vários aspectos tendo como intenção desafiar as pessoas a interpretar uma ideia, um conceito, uma crítica ou uma denúncia.
  14. 14. .: BODY ART Principais características: • Utilização do corpo (inclusive do artista) • Crítica a arte (questionamento a classificações, estilos e a própria definição do que é arte) • Relacionar a arte ao nosso cotidiano • Tudo pela arte (utilizando muitas vezes dor, mutilações e bizarrices para se provar isso) • Uso de várias técnicas (pintura, tatuagens, danças etc.) PÓS-MODERNISMO
  15. 15. .: BODY ART Artista: Bruce Nauman Obra: Auto-retrato como fonte Ano: 1966-1967 PÓS-MODERNISMO
  16. 16. .: BODY ART Dor e sofrimento na arte • A partir do pensamento “tudo pela arte” diversas agressões corporais são criadas. • A body art utiliza, muitas vezes de forma radical, diferentes tipos de modificações no corpo, incluindo tatuagens, ferimentos, atos repetidos, deformações, travestimentos, etc. Isso causa forte sentimento para aqueles que a presenciam. • Contra um pano de fundo de atrocidade e corrupção, enfatizado pelos meios de comunicação americanos, Acconci, Dennis Oppenhein e Chris Burden criaram obras dolorosas, que implicavam no abuso de si mesmos, com subtextos masoquistas. PÓS-MODERNISMO
  17. 17. .: BODY ART Vito Acconci - Rubbing Piece, 1970 O artista esfrega o próprio braço até produzir uma ferida, deixando espantado muitos ali presentes, devido a intimidade que a utilização do corpo do próprio criador na arte causava. Vito Acconci que usam a dor como expressão de arte. PÓS-MODERNISMO
  18. 18. .: BODY ART Marc Quinn - Eu, 1991 Outro exemplo drástico é a obra “Eu” de Marc Quinn, no qual o artista esculpi seu auto-retrato utilizando 4,5 litros de seu próprio sangue. PÓS-MODERNISMO
  19. 19. .: BODY ART A partir da década de 90 a Body Art deixa de ser tão radical e passa trabalhar com a “arte pela arte”. No Brasil a Body Art destaca-se com a tatuagem que aos poucos vem deixando de ter seu valor pejorativo e torna-se moda entre os jovens. Um grande exemplo genuinamente brasileiro é o Carnaval, no qual corpos de passistas e alegorias são produzidos para representar diversos temas das escola de samba. PÓS-MODERNISMO Passista Fabiana Andrade durante o carnaval de 2005
  20. 20. AULA PRÁTICA 1 Realizar uma releitura sobre as cenas assistidas do filme “O Labirinto do Fauno”. A Releitura pode ser: - Um desenho com lápis grafite; - Uma pintura com aquarela ou guache; - Uma pintura com giz de cera ou lápis de cor; - Uma fotografia.
  21. 21. AULA PRÁTICA 2 Realizar desenhos sobre a própria pele e a do colega. MATERIAIS: -Maquiagem; -Pincéis; -Tinta especial para pele.

×