SlideShare uma empresa Scribd logo
RESUMO DE GEOGRAFIA
PROF. CADU
FIQUEM ATENTOS
Fordismo: a organização como máquina
Toyotismo: a organização como organismo
Volvismo : A organização como cérebro
A Organização como Máquina
A mecanização do trabalho trouxe uma grande transformação aos métodos de
produção, não só em termos quantitativos e qualitativos, mas também uma
mudança estrutural, que consistiu na superação do conceito de organização
como associações humanas objetivando a realização predeterminada de algo,
para que estas se transformassem em fins em si mesmas. Por exemplo: o
objetivo da Empresa X, montadora de automóveis, deixa de ser montar
automóveis, para ser a busca do lucro máximo que essa atividade pode lhe
trazer.
O homem passa então a ser usado como acessório da máquina, devendo
assim, obedecer o ritmo daquela, com horários rígidos, mecanização da
atividade e controle rígido.
Esse processo trouxe sérias conseqüências não só à produtividade, que
aumentou enormemente, mas à toda sociedade em si.
Mesmo dentro das empresas ela não restringiu-se à linha de produção,
chegando também à administração, em forma de burocratização: divisão rígida
de tarefas, supervisão hierárquica e regras e regulamentos detalhados.
A Teoria Clássica
Os preceitos gerais da Teoria Clássica (também chamada Administração
Científica) são:
- Trabalhadores são motivados pela recompensa monetária
- Divisão de trabalho detalhada
- Hierarquia de autoridade, com definição clara de responsabilidade
RESUMO DE GEOGRAFIA
PROF. CADU
FIQUEM ATENTOS
Dentro dela, o engenheiro Frederick Taylor desenvolveu uma série de
princípios, objetivando separar o trabalho mental do trabalho físico, que foram
reunidos numa “Teoria da Motivação”. Com ela, procurava-se explorar ao
máximo o trabalho humano, buscando o limite da fadiga.
Características Gerais do Fordismo
Ford conseguiu reduzir drasticamente os custos e melhorar radicalmente a
qualidade, numa época em que o volume de produção era baixo e aumentos
quantitativos não reduziam esses custos.
O conceito chave da produção em massa era na verdade, a
intercambiabilidade de partes, que reduziu o ciclo de tarefas radicalmente,
sendo melhorado pela linha contínua. Reduziu-se o esforço humano e facilitou-
se a operação e manutenção dos carros.
O trabalhador na linha de montagem tinha apenas uma tarefa, o que tendia a
uma desabilitação total do mesmo. As decisões era centralizadas e seu
sistema completamente inflexível. Outras conseqüências negativas eram :
imobilidade e lentidão para associar mudanças sócio-culturais e econômicas,
que têm ocorrido cada vez mais rápido; alienação o trabalhador que resulta
numa falta geral de autocontrole; não-interação com o meio-ambiente, limitação
da capacidade humana, individualidade combinada à competitividade, que
podem trazer conseqüências negativas à produtividade.
Ainda hoje são estudadas as causa do declínio do sistema fordista. Algumas
são facilmente identificáveis como a crise do petróleo, e os defeitos do próprio
sistema. Mas quais foram as condições externas que fizeram com que esses
problemas viessem à tona? Alguns deles são: a falta de políticas industriais
melhores, o declínio na qualidade de educação, o fenômeno do capitalismo de
papel e os movimentos sociais em geral.
Organizações como organismos
A evolução da produção trouxe a percepção de que era preciso enfocar o lado
humano da produção. Teorias como a dos Sistemas, a da Contingência e a
Estruturalista tratam de novas idéias, que acabaram por priorizar diferentes
dimensões dentro da produção, como a compreensão das relações
organização-meio, sobrevivência como objetivo central, importância da
inovação e acima de tudo, busca de harmonia entre estratégia, estrutura,
RESUMO DE GEOGRAFIA
PROF. CADU
FIQUEM ATENTOS
tecnologia e dimensões humanas. Surgem ainda as idéias de Recursos
Humanos e a Teoria das Relações Sociais, que davam um novo enfoque ao
trabalhador em si e seu papel na produção enquanto ser humano, não
máquina.
Coloca-se em análise a dicotomia competição – colaboração. A primeira,
focalizando a sobrevivência do mais apto, na verdade significa uma “ameaça à
gerenciabilidade do mundo social” (de acordo com o próprio autor), enquanto a
segunda proporciona uma cooperação em busca de resultados melhores, uma
associação de esforços e interesses que traz melhores resultados à todos.
O Toyotismo
Sua principal característica é a flexibilização. Ao analisar o sistema fordista e
criar seu próprio, os japoneses tiveram de superar vários obstáculos para
poderem competir em larga escala, como por exemplo: seu mercado
doméstico, sua mão de obra que não se adaptaria ao esquema taylorista, a
busca por tecnologia e a dificuldade de exportar.
Eles desenvolveram assim uma série de inovações técnicas, que acabaram por
facilitar a modificação de características de seus produtos e
conseqüentemente, facilitavam o reparo de defeitos.
Em conseqüência de uma demissão me massa após a Segunda Guerra,
desenvolveu-se em suas fábricas uma particularidade também na relação
capital – trabalho, acabando por tornar-se característica do sistema japonês:
emprego vitalício, promoções por critérios de antigüidade e participação nos
lucros. A partir desta mão-de-obra diferenciada foram realizadas diversas
tarefas.
A primeira foi reunir vários trabalhadores em torno de um só líder, dando-lhes
responsabilidades sobre diversas tarefas; então passam a ser mercados
diversos encontros para discussão de melhorias no processo de produção.
Os operários são habilitados para agir em caso de detecção de problemas na
linha de montagem, fazendo com que a quantidade de defeitos caísse
bastante. O sistema Just-in-Time reduz os estoques, obrigando cada membro a
antecipar os problemas e evitar que eles ocorram.
O sistema tem por pontos fortes captar as necessidades do mercado
consumidor e adaptar-se às mudanças tecnológicas. O sistema de vendas cria
RESUMO DE GEOGRAFIA
PROF. CADU
FIQUEM ATENTOS
com os fornecedores uma relação de longo termo, numa cadeia produtiva,
funcional e ágil.
Porém os mesmos problemas que atacaram o sistema fordista-taylorista está
atacando o sistema toyotista. Mas é difícil prever suas conseqüências, pois o
sistema é bastante particular do meio em que foi implantado; é difícil separá-las
do “quadro mais amplo que as gerou e as sustenta”.
O modo de produção é então compararado com o feudalismo, em que a base
da pirâmide, constituída por milhares de pequenas empresas e empregando a
maior parte da mão-de-obra existente, faz o papel do servo, continuamente
submetido a pressões para redução de custos, trabalhando com margens de
lucro insuficientes e praticamente impedido de abandonar seu clã.
E graves problemas têm surgido, sendo o mais estrutural queda relativa do
padrão de devoção dos empregados às empresas, conseqüência talvez de
mudanças culturais e comportamentais, surgindo uma nova atitude e
expectativa em relação à vida e ao trabalho.
Conclusão
Uma visão mais ampla sustenta que o toyotismo seria nada mais que uma
evolução do fordismo, e que esse sistema estaria exposto às mesmas
contradições de seu antecessor.
O conjunto de contradições internas seria potencializado pelas mudanças
sociais, enfraquecendo a flexibilidade e adaptabilidade do sistema, seus dois
trunfos competitivos em relação ao sistema fordista.
A Organização como Cérebro
Sumariamente, aqui o processo de produção é visto como um processo de
informação, com capacidade de auto-regulação, onde os membros tem um
acesso muito maior à totalidade do processo produtivo, que entre outras
conseqüências, tem: descentralização das decisões, dando mais autonomia
aos componentes do processo e inserindo mais o operário ( o que dá muito
mais flexibilidade ao sistema, ao aumentar a conexão e capacidade dos
diversos setores) e aumenta a capacidade de inovação .
RESUMO DE GEOGRAFIA
PROF. CADU
FIQUEM ATENTOS
E é por causa dessa habilidade de se auto renovar é que o sistema é visto
como um cérebro, em que cada neurônio é conectado aos outros, tendo
funções específicas e com grande possibilidade de intercambiabilidade. Além
disso, o grau de conexão entre os diversos centros de controle é altíssimo,
gerando uma habilidade extra em movimentos complicados e a
descentralização de controle e execução gera o que o autor chama de
intersubstituição e independência simultânea. Os procedimentos são bastantes
simples e as especificações, mínimas.
O Volvismo
Em linhas gerais, a indústria sueca é caracterizada endogenamente altíssimo
grau de informatização e automação e exogenamente pela forte presença dos
sindicatos trabalhistas e mão-de-obra altamente qualificada. No caso das
fábricas da Volvo, é ainda marcada por um alto grau de experimentalismo, sem
o qual talvez não fosse possível ter introduzido tantas mudanças.
O Volvismo surgiu como resultado de várias inovações conjuntamente postas
em prática, com a particularidade da participação constante dos trabalhadores.
A exigências do mercado competitivo forjaram melhorias, mas o que fez a
diferença no caso da Volvo foi claramente características particulares da
sociedade sueca. Além dos sindicatos fortes, o alto grau de automação das
fábricas no país faz com que desde há tempos os jovens rejeitem serem vistos
como “acessórios das máquinas”, como no taylorismo o seriam.
Isso gerou mudanças estruturais: nessa linha, o operário tem um papel
completamente diferente daquele que tem no fordismo, e ainda mais
importante que no toyotismo: aqui é ele quem dita o ritmo das máquinas,
conhece todas as etapas da produção, é constantemente reciclado e participa,
através do sindicatos, de decisões no processo de montagem da planta da
fábrica ( o que o compromete ainda mais com o sucesso de novos projetos).
Conclusão
As tendências apontadas pelo autor para o sistemas do futuro são: estruturas
mais simples, menos níveis hierárquicos e alta flexibilização . Mais do que
melhorias na produtividade e melhor gerenciamento, essa nova visão gera
novas estruturas do trabalho, com conseqüências já citadas, como: maior
inserção do trabalhador na totalidade do processo, caracterização da vida
social do operário não mais num meio excessivamente competitivo, e sim de
cooperação, entre outras.
RESUMO DE GEOGRAFIA
PROF. CADU
FIQUEM ATENTOS
Desde séculos atrás as sociedades são caracterizadas pelos seus modos de
produção, e estudamos o intercâmbio entre as particularidades de cada
civilização, as nuances sociais e ecológicas, étnicas etc., que faziam com que
elas plantassem de uma forma ou de outra, numa época do ano determinada, e
assim os modos de produção evoluíam e se modificavam ao longo do tempo.
O conjunto dessas mudanças, quando generalizado e aperfeiçoado se refletem
em mudanças na sociedade, que são, ao mesmo tempo, resultado e condição
da renovação dos sistemas de produção. Ou seja, uma nova forma de se
encarar o trabalhador é uma nova forma de se encarar o homem como
elemento social e vice versa, restando- nos refletir o quão profundas e
definitivas são essas inovações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (15)

Mundo do trabalho
Mundo do trabalhoMundo do trabalho
Mundo do trabalho
 
Resenha s.p. - ariana costa
Resenha   s.p. - ariana costaResenha   s.p. - ariana costa
Resenha s.p. - ariana costa
 
Aula 13
Aula 13Aula 13
Aula 13
 
Kondratieff, Schumpeter e correntes de inovação
Kondratieff, Schumpeter e correntes de inovaçãoKondratieff, Schumpeter e correntes de inovação
Kondratieff, Schumpeter e correntes de inovação
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
 
Fordismo
FordismoFordismo
Fordismo
 
Aula3 gerencia cientifica_fordismo_01
Aula3 gerencia cientifica_fordismo_01Aula3 gerencia cientifica_fordismo_01
Aula3 gerencia cientifica_fordismo_01
 
Aula 4 adm fordismo
Aula 4 adm   fordismoAula 4 adm   fordismo
Aula 4 adm fordismo
 
Inovacao ptsjc conceitos
Inovacao ptsjc conceitosInovacao ptsjc conceitos
Inovacao ptsjc conceitos
 
Toyotismo
ToyotismoToyotismo
Toyotismo
 
Afinal qual a função social do capitalista
Afinal qual a função social do capitalistaAfinal qual a função social do capitalista
Afinal qual a função social do capitalista
 
Administração - a Evolução das Igrejas às Empresas Modernas
Administração - a Evolução das Igrejas às Empresas ModernasAdministração - a Evolução das Igrejas às Empresas Modernas
Administração - a Evolução das Igrejas às Empresas Modernas
 
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blogSoc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
 
Administração japonesa
Administração japonesa Administração japonesa
Administração japonesa
 
Case Volkswagen - Complemento
Case Volkswagen - ComplementoCase Volkswagen - Complemento
Case Volkswagen - Complemento
 

Semelhante a Resumo fordismo toytismo_volvismo

As particularidades do trabalho do serviço social
As particularidades do trabalho do serviço socialAs particularidades do trabalho do serviço social
As particularidades do trabalho do serviço social
Paula Silva
 
Demandas de serviço social no setor empresarial
Demandas de serviço social no setor empresarialDemandas de serviço social no setor empresarial
Demandas de serviço social no setor empresarial
Jhane Silva
 
Aula 4 administração participativa
Aula 4   administração participativaAula 4   administração participativa
Aula 4 administração participativa
Niloar Bissani
 
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.pptO-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
Hedu7
 
Reestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - BrasilReestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - Brasil
Educação
 

Semelhante a Resumo fordismo toytismo_volvismo (20)

Matérias toyotismo
Matérias toyotismoMatérias toyotismo
Matérias toyotismo
 
Serviço social em empresa
Serviço social em empresaServiço social em empresa
Serviço social em empresa
 
As particularidades do trabalho do serviço social
As particularidades do trabalho do serviço socialAs particularidades do trabalho do serviço social
As particularidades do trabalho do serviço social
 
Disciplina Educação e Novas Tecnologias - Letras EAD
Disciplina Educação e  Novas Tecnologias - Letras EADDisciplina Educação e  Novas Tecnologias - Letras EAD
Disciplina Educação e Novas Tecnologias - Letras EAD
 
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produçãoComparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
 
Fordismo taylorismo
Fordismo taylorismoFordismo taylorismo
Fordismo taylorismo
 
Doc.Igor_5
Doc.Igor_5Doc.Igor_5
Doc.Igor_5
 
Demandas de serviço social no setor empresarial
Demandas de serviço social no setor empresarialDemandas de serviço social no setor empresarial
Demandas de serviço social no setor empresarial
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
 
Apostila_Green_Belt_Intro.pdf
Apostila_Green_Belt_Intro.pdfApostila_Green_Belt_Intro.pdf
Apostila_Green_Belt_Intro.pdf
 
Mr13
Mr13Mr13
Mr13
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1
 
Aula 4 administração participativa
Aula 4   administração participativaAula 4   administração participativa
Aula 4 administração participativa
 
Administração participativa
Administração participativaAdministração participativa
Administração participativa
 
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.pptO-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
 
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.pptO-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
O-PROCESSO-DE-INDUSTRIALIZAÇÃO-NO-BRASIL.ppt
 
Apontamentos Trabalho apresentação formas.ppt
Apontamentos Trabalho apresentação formas.pptApontamentos Trabalho apresentação formas.ppt
Apontamentos Trabalho apresentação formas.ppt
 
Reestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - BrasilReestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - Brasil
 

Mais de CADUCOC

Lista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS
Lista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICASLista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS
Lista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS
CADUCOC
 
SLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOS
SLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOSSLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOS
SLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOS
CADUCOC
 
Blocos economicos parte_1
Blocos economicos parte_1Blocos economicos parte_1
Blocos economicos parte_1
CADUCOC
 
Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020
Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020
Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020
CADUCOC
 
O desemprego estrutural
O desemprego estruturalO desemprego estrutural
O desemprego estrutural
CADUCOC
 
Principais eventos da guerra fria
Principais eventos da guerra friaPrincipais eventos da guerra fria
Principais eventos da guerra fria
CADUCOC
 
Aula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro anoAula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro ano
CADUCOC
 
Listao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_ComentadaListao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_Comentada
CADUCOC
 
Lista 2 revisão 2020 - 3 ano - I unidade
Lista 2 revisão 2020 -  3 ano - I unidadeLista 2 revisão 2020 -  3 ano - I unidade
Lista 2 revisão 2020 - 3 ano - I unidade
CADUCOC
 
Lista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_cadu
Lista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_caduLista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_cadu
Lista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_cadu
CADUCOC
 
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo chinaTEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
CADUCOC
 

Mais de CADUCOC (20)

Lista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS
Lista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICASLista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS
Lista atividades ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS
 
SLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOS
SLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOSSLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOS
SLIDES ASSOCIAÇÕES POLÍTICAS COMENTADOS
 
Blocos economicos parte_1
Blocos economicos parte_1Blocos economicos parte_1
Blocos economicos parte_1
 
O Novo Nafta
O Novo NaftaO Novo Nafta
O Novo Nafta
 
Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020
Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020
Terceira lista exercicios_globaliz_blocos_economicos_satrte_2020
 
Segunda lista exercicios_globaliz_satrte_2020
Segunda lista exercicios_globaliz_satrte_2020Segunda lista exercicios_globaliz_satrte_2020
Segunda lista exercicios_globaliz_satrte_2020
 
Primeira lista exercicios_globaliz_satrte_2020
Primeira lista exercicios_globaliz_satrte_2020Primeira lista exercicios_globaliz_satrte_2020
Primeira lista exercicios_globaliz_satrte_2020
 
Blocos economicos segunda_parte
Blocos economicos segunda_parteBlocos economicos segunda_parte
Blocos economicos segunda_parte
 
O desemprego estrutural
O desemprego estruturalO desemprego estrutural
O desemprego estrutural
 
Principais eventos da guerra fria
Principais eventos da guerra friaPrincipais eventos da guerra fria
Principais eventos da guerra fria
 
Lista enem 2018_geografia
Lista enem 2018_geografiaLista enem 2018_geografia
Lista enem 2018_geografia
 
Lista enem 2017_geografia
Lista enem 2017_geografiaLista enem 2017_geografia
Lista enem 2017_geografia
 
Aula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro anoAula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro ano
 
Listao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_ComentadaListao Enem Sartre_Comentada
Listao Enem Sartre_Comentada
 
Lista 2 revisão 2020 - 3 ano - I unidade
Lista 2 revisão 2020 -  3 ano - I unidadeLista 2 revisão 2020 -  3 ano - I unidade
Lista 2 revisão 2020 - 3 ano - I unidade
 
Lista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_cadu
Lista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_caduLista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_cadu
Lista revisão Tigres_Asiáticos_frente_1_cadu
 
Aula Tigres_Asiáticos_Sartre_postar
Aula Tigres_Asiáticos_Sartre_postarAula Tigres_Asiáticos_Sartre_postar
Aula Tigres_Asiáticos_Sartre_postar
 
Lista China
Lista ChinaLista China
Lista China
 
Lista II unidade_industria_sartre_frente_1
Lista II unidade_industria_sartre_frente_1Lista II unidade_industria_sartre_frente_1
Lista II unidade_industria_sartre_frente_1
 
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo chinaTEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 

Resumo fordismo toytismo_volvismo

  • 1. RESUMO DE GEOGRAFIA PROF. CADU FIQUEM ATENTOS Fordismo: a organização como máquina Toyotismo: a organização como organismo Volvismo : A organização como cérebro A Organização como Máquina A mecanização do trabalho trouxe uma grande transformação aos métodos de produção, não só em termos quantitativos e qualitativos, mas também uma mudança estrutural, que consistiu na superação do conceito de organização como associações humanas objetivando a realização predeterminada de algo, para que estas se transformassem em fins em si mesmas. Por exemplo: o objetivo da Empresa X, montadora de automóveis, deixa de ser montar automóveis, para ser a busca do lucro máximo que essa atividade pode lhe trazer. O homem passa então a ser usado como acessório da máquina, devendo assim, obedecer o ritmo daquela, com horários rígidos, mecanização da atividade e controle rígido. Esse processo trouxe sérias conseqüências não só à produtividade, que aumentou enormemente, mas à toda sociedade em si. Mesmo dentro das empresas ela não restringiu-se à linha de produção, chegando também à administração, em forma de burocratização: divisão rígida de tarefas, supervisão hierárquica e regras e regulamentos detalhados. A Teoria Clássica Os preceitos gerais da Teoria Clássica (também chamada Administração Científica) são: - Trabalhadores são motivados pela recompensa monetária - Divisão de trabalho detalhada - Hierarquia de autoridade, com definição clara de responsabilidade
  • 2. RESUMO DE GEOGRAFIA PROF. CADU FIQUEM ATENTOS Dentro dela, o engenheiro Frederick Taylor desenvolveu uma série de princípios, objetivando separar o trabalho mental do trabalho físico, que foram reunidos numa “Teoria da Motivação”. Com ela, procurava-se explorar ao máximo o trabalho humano, buscando o limite da fadiga. Características Gerais do Fordismo Ford conseguiu reduzir drasticamente os custos e melhorar radicalmente a qualidade, numa época em que o volume de produção era baixo e aumentos quantitativos não reduziam esses custos. O conceito chave da produção em massa era na verdade, a intercambiabilidade de partes, que reduziu o ciclo de tarefas radicalmente, sendo melhorado pela linha contínua. Reduziu-se o esforço humano e facilitou- se a operação e manutenção dos carros. O trabalhador na linha de montagem tinha apenas uma tarefa, o que tendia a uma desabilitação total do mesmo. As decisões era centralizadas e seu sistema completamente inflexível. Outras conseqüências negativas eram : imobilidade e lentidão para associar mudanças sócio-culturais e econômicas, que têm ocorrido cada vez mais rápido; alienação o trabalhador que resulta numa falta geral de autocontrole; não-interação com o meio-ambiente, limitação da capacidade humana, individualidade combinada à competitividade, que podem trazer conseqüências negativas à produtividade. Ainda hoje são estudadas as causa do declínio do sistema fordista. Algumas são facilmente identificáveis como a crise do petróleo, e os defeitos do próprio sistema. Mas quais foram as condições externas que fizeram com que esses problemas viessem à tona? Alguns deles são: a falta de políticas industriais melhores, o declínio na qualidade de educação, o fenômeno do capitalismo de papel e os movimentos sociais em geral. Organizações como organismos A evolução da produção trouxe a percepção de que era preciso enfocar o lado humano da produção. Teorias como a dos Sistemas, a da Contingência e a Estruturalista tratam de novas idéias, que acabaram por priorizar diferentes dimensões dentro da produção, como a compreensão das relações organização-meio, sobrevivência como objetivo central, importância da inovação e acima de tudo, busca de harmonia entre estratégia, estrutura,
  • 3. RESUMO DE GEOGRAFIA PROF. CADU FIQUEM ATENTOS tecnologia e dimensões humanas. Surgem ainda as idéias de Recursos Humanos e a Teoria das Relações Sociais, que davam um novo enfoque ao trabalhador em si e seu papel na produção enquanto ser humano, não máquina. Coloca-se em análise a dicotomia competição – colaboração. A primeira, focalizando a sobrevivência do mais apto, na verdade significa uma “ameaça à gerenciabilidade do mundo social” (de acordo com o próprio autor), enquanto a segunda proporciona uma cooperação em busca de resultados melhores, uma associação de esforços e interesses que traz melhores resultados à todos. O Toyotismo Sua principal característica é a flexibilização. Ao analisar o sistema fordista e criar seu próprio, os japoneses tiveram de superar vários obstáculos para poderem competir em larga escala, como por exemplo: seu mercado doméstico, sua mão de obra que não se adaptaria ao esquema taylorista, a busca por tecnologia e a dificuldade de exportar. Eles desenvolveram assim uma série de inovações técnicas, que acabaram por facilitar a modificação de características de seus produtos e conseqüentemente, facilitavam o reparo de defeitos. Em conseqüência de uma demissão me massa após a Segunda Guerra, desenvolveu-se em suas fábricas uma particularidade também na relação capital – trabalho, acabando por tornar-se característica do sistema japonês: emprego vitalício, promoções por critérios de antigüidade e participação nos lucros. A partir desta mão-de-obra diferenciada foram realizadas diversas tarefas. A primeira foi reunir vários trabalhadores em torno de um só líder, dando-lhes responsabilidades sobre diversas tarefas; então passam a ser mercados diversos encontros para discussão de melhorias no processo de produção. Os operários são habilitados para agir em caso de detecção de problemas na linha de montagem, fazendo com que a quantidade de defeitos caísse bastante. O sistema Just-in-Time reduz os estoques, obrigando cada membro a antecipar os problemas e evitar que eles ocorram. O sistema tem por pontos fortes captar as necessidades do mercado consumidor e adaptar-se às mudanças tecnológicas. O sistema de vendas cria
  • 4. RESUMO DE GEOGRAFIA PROF. CADU FIQUEM ATENTOS com os fornecedores uma relação de longo termo, numa cadeia produtiva, funcional e ágil. Porém os mesmos problemas que atacaram o sistema fordista-taylorista está atacando o sistema toyotista. Mas é difícil prever suas conseqüências, pois o sistema é bastante particular do meio em que foi implantado; é difícil separá-las do “quadro mais amplo que as gerou e as sustenta”. O modo de produção é então compararado com o feudalismo, em que a base da pirâmide, constituída por milhares de pequenas empresas e empregando a maior parte da mão-de-obra existente, faz o papel do servo, continuamente submetido a pressões para redução de custos, trabalhando com margens de lucro insuficientes e praticamente impedido de abandonar seu clã. E graves problemas têm surgido, sendo o mais estrutural queda relativa do padrão de devoção dos empregados às empresas, conseqüência talvez de mudanças culturais e comportamentais, surgindo uma nova atitude e expectativa em relação à vida e ao trabalho. Conclusão Uma visão mais ampla sustenta que o toyotismo seria nada mais que uma evolução do fordismo, e que esse sistema estaria exposto às mesmas contradições de seu antecessor. O conjunto de contradições internas seria potencializado pelas mudanças sociais, enfraquecendo a flexibilidade e adaptabilidade do sistema, seus dois trunfos competitivos em relação ao sistema fordista. A Organização como Cérebro Sumariamente, aqui o processo de produção é visto como um processo de informação, com capacidade de auto-regulação, onde os membros tem um acesso muito maior à totalidade do processo produtivo, que entre outras conseqüências, tem: descentralização das decisões, dando mais autonomia aos componentes do processo e inserindo mais o operário ( o que dá muito mais flexibilidade ao sistema, ao aumentar a conexão e capacidade dos diversos setores) e aumenta a capacidade de inovação .
  • 5. RESUMO DE GEOGRAFIA PROF. CADU FIQUEM ATENTOS E é por causa dessa habilidade de se auto renovar é que o sistema é visto como um cérebro, em que cada neurônio é conectado aos outros, tendo funções específicas e com grande possibilidade de intercambiabilidade. Além disso, o grau de conexão entre os diversos centros de controle é altíssimo, gerando uma habilidade extra em movimentos complicados e a descentralização de controle e execução gera o que o autor chama de intersubstituição e independência simultânea. Os procedimentos são bastantes simples e as especificações, mínimas. O Volvismo Em linhas gerais, a indústria sueca é caracterizada endogenamente altíssimo grau de informatização e automação e exogenamente pela forte presença dos sindicatos trabalhistas e mão-de-obra altamente qualificada. No caso das fábricas da Volvo, é ainda marcada por um alto grau de experimentalismo, sem o qual talvez não fosse possível ter introduzido tantas mudanças. O Volvismo surgiu como resultado de várias inovações conjuntamente postas em prática, com a particularidade da participação constante dos trabalhadores. A exigências do mercado competitivo forjaram melhorias, mas o que fez a diferença no caso da Volvo foi claramente características particulares da sociedade sueca. Além dos sindicatos fortes, o alto grau de automação das fábricas no país faz com que desde há tempos os jovens rejeitem serem vistos como “acessórios das máquinas”, como no taylorismo o seriam. Isso gerou mudanças estruturais: nessa linha, o operário tem um papel completamente diferente daquele que tem no fordismo, e ainda mais importante que no toyotismo: aqui é ele quem dita o ritmo das máquinas, conhece todas as etapas da produção, é constantemente reciclado e participa, através do sindicatos, de decisões no processo de montagem da planta da fábrica ( o que o compromete ainda mais com o sucesso de novos projetos). Conclusão As tendências apontadas pelo autor para o sistemas do futuro são: estruturas mais simples, menos níveis hierárquicos e alta flexibilização . Mais do que melhorias na produtividade e melhor gerenciamento, essa nova visão gera novas estruturas do trabalho, com conseqüências já citadas, como: maior inserção do trabalhador na totalidade do processo, caracterização da vida social do operário não mais num meio excessivamente competitivo, e sim de cooperação, entre outras.
  • 6. RESUMO DE GEOGRAFIA PROF. CADU FIQUEM ATENTOS Desde séculos atrás as sociedades são caracterizadas pelos seus modos de produção, e estudamos o intercâmbio entre as particularidades de cada civilização, as nuances sociais e ecológicas, étnicas etc., que faziam com que elas plantassem de uma forma ou de outra, numa época do ano determinada, e assim os modos de produção evoluíam e se modificavam ao longo do tempo. O conjunto dessas mudanças, quando generalizado e aperfeiçoado se refletem em mudanças na sociedade, que são, ao mesmo tempo, resultado e condição da renovação dos sistemas de produção. Ou seja, uma nova forma de se encarar o trabalhador é uma nova forma de se encarar o homem como elemento social e vice versa, restando- nos refletir o quão profundas e definitivas são essas inovações