SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
O IMPÉRIO BIZANTINO Império Romano do Oriente  Constantinopla – capital. Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TURQUIA). Local privilegiado estrategicamente – contatos entre Oriente e Ocidente, rota de comércio. Comércio ativo +  produção agrícola próspera = riquezas. Resistência às invasões bárbaras. Centralização política: Imperador. CESAROPAPISMO: Imperador = chefe do exército + Igreja
O IMPÉRIO BIZANTINO JUSTINIANO (527 – 565) – auge do Império. Conquistas territoriais. Península Itálica + Península Ibérica + Norte da África. Compilação do Direito Romano a partir do séc. II. CORPUS JURIS CIVILIS  Poderes ilimitados ao imperador. Privilégios para a Igreja e para a nobreza. Marginalização de colonos e escravos. Burocracia centralizada + gastos militares + impostos. Igreja de Santa Sofia (estilo bizantino – majestosidade)
CATEDRAL DE SANTA SOFIA
EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO BIZANTINO (JUSTINIANO)
Influência de valores orientais. Grego – língua a partir do séc. VII. Surgimento de heresias: MONOFISISTAS – negação da santíssima trindade (Cristo apenas com natureza divina); ICONOCLASTAS – destruição de imagens (ícones). 1054:CISMA DO ORIENTE: Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de Constantinopla); Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
O IMPÉRIO BIZANTINO Decadência: séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e árabes; séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas; 1453 – Conquistados pelos Turcos Otomanos (marco histórico que delimita oficialmente o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.
Os Povos Bárbaros
Quem eram os Bárbaros? 		Povos que não falavam o latim, não eram cristãos, portanto não compartilhavam dos costumes, da mentalidade e do comportamento estabelecido pelos romanos aos demais povos conquistados.
Os Povos Bárbaros Celtas – indo-europeus que habitavam a Europa Central e a Oriental Eslavos – que compreendiam russos, polacos, Tchecos, sérvios, bósnios entre outros Tártaro-mongóis – que incluíam os hunos, turcos, búlgaros, húngaros entre outros Germânicos – de origem indo-europeia, que englobavam vários povos, como os visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, saxões, francos, suevos, lombardos, vândalos entre outros
Germânicos ,[object Object]
Formavam bandos chamados Comitatus (fidelidade).
O direito era Consuetudinário (fundado nos costumes)
Fragilidade das Instituições Estatais.
Família: Base de organização social.
Homem: Na maior parte do tempo Guerreiro
Mulher: Papel importante na Economia.  ,[object Object]
Reinos Germânicos
Francos - -   dinastia Merovíngia ,[object Object]
Meroveu – Vence Átila (rei dos Hunos)
Clóvis (481 – 511) impôs sua autoridade sobre os demais, fundou a dinastia Merovíngia e derrotou outros povos que estavam invadindo a região da Gália.
Clóvis se converteu ao Cristianismo, sendo o primeiro imperador a garantir o apoio da igreja católica.
Tal apoio era muito bom tanto para Clóvis, quanto para a Igreja.,[object Object]
Francos -   dinastia Merovíngia Clóvis (481 – 511) – Conversão dos francos ao cristianismo Durante a dinastia merovíngia, ocorre um  processo de Descentralização Política. ( Pois as terras eram doadas a nobreza em troca de apoio político.) Assim ocorre uma diminuição do poder do Rei (Reis indolentes), e aumentava o poder do Major-domus(Prefeito do palácio)
Império Carolíngio
Em 714 Carlos Martel (Major-domus) se destaca nas batalhas contra os árabes. (Fortalecimento da nobreza)732 – Batalha de Poitiers
Seu filho, Pepino o Breve, torna-se major-domus em 741 d.C, e com apoio da igreja se torna, dez anos depois, o novo rei, iniciando a dinastia Carolíngia. Em 754 alguns territórios que pertenciam anteriormente a Roma são atacados pelos Lombardos, Pepino o Breve vence a batalha e doa parte do território para a Igreja.  A Igreja passa a ter poder temporal (poder material)
Parte do Território doado.
Carlos Magno Filho de “Pepino” o Breve, se torna Rei, e em 800 d.C. é coroado novo imperador do Ocidente, pelo Papa Leão III, continuando assim o bom relacionamento com a Igreja.
Organização do Império Carolíngio ,[object Object]
Delega poderes à aristocracia rural e à própria igreja.
Para fiscalizar as unidades administrativas ele envia o Missi dominici. (Enviados do senhor).
O Império Carolíngo contribuiu muito para a formação do FEUDALISMO,[object Object]
Tratado de Verdun - 843Divisão do território franco entre os netos de Carlos Magno
O IMPÉRIO ÁRABE: Península arábica. Deserto predominante.  Arábia Pré-Islâmica Até o séc. VI: divididos em aproximadamente 300 tribos. Beduínos – nômades, dedicados a saques, habitavam o deserto. Tribos urbanas – habitantes das margens do Mar Vermelho ou ao sul da Península. Dedicavam-se a agricultura e acima de tudo ao comércio. Formaram as principais cidades da região (Meca e Iatreb). Comando em ambas: xeques (sheiks) Meca: centro comercial e religioso. Caaba (cubo) – santuário e depósito de imagens de deuses politeístas das diferentes tribos. Administrada pela tribo dos coraixitas.
A CAABA – MECA Mohamed Ou Maomé

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Roma antiga
Roma  antigaRoma  antiga
Roma antiga
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
 
Iluminismo power point
Iluminismo power pointIluminismo power point
Iluminismo power point
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Brasil pombal e o renascimento agrícola
Brasil pombal e o renascimento agrícolaBrasil pombal e o renascimento agrícola
Brasil pombal e o renascimento agrícola
 
Brasil república 9º ano
Brasil república 9º anoBrasil república 9º ano
Brasil república 9º ano
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 

Destaque

Império romano ascensão e crise
Império romano  ascensão e crise Império romano  ascensão e crise
Império romano ascensão e crise Patrick Von Braun
 
B. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuB. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuprofisabelfranco
 
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRioO Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRioSílvia Mendonça
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantinoIzaac Erder
 
O apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_ApontamentosO apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_ApontamentosPatrícia Morais
 
O mundo romano no apogeu do império - II
O mundo romano  no apogeu do império - IIO mundo romano  no apogeu do império - II
O mundo romano no apogeu do império - IICarlos Pinheiro
 
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parteO mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parteCarlos Pinheiro
 
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioAula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioDalton Lopes Reis Jr.
 
Os povos germânicos
Os povos germânicosOs povos germânicos
Os povos germânicosIzaac Erder
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosJoão Medeiros
 

Destaque (18)

1 século 5 temas
1 século 5 temas1 século 5 temas
1 século 5 temas
 
Império romano ascensão e crise
Império romano  ascensão e crise Império romano  ascensão e crise
Império romano ascensão e crise
 
B. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuB. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeu
 
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRioO Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
O apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_ApontamentosO apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_Apontamentos
 
O Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do impérioO Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do império
 
O mundo romano no apogeu do império - II
O mundo romano  no apogeu do império - IIO mundo romano  no apogeu do império - II
O mundo romano no apogeu do império - II
 
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parteO mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
 
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioAula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
 
Crise do império romano
Crise do império romanoCrise do império romano
Crise do império romano
 
Dominios Germanicos
Dominios GermanicosDominios Germanicos
Dominios Germanicos
 
A crise do império romano
A crise do império romanoA crise do império romano
A crise do império romano
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Sociedade Germânica
Sociedade GermânicaSociedade Germânica
Sociedade Germânica
 
Os povos germânicos
Os povos germânicosOs povos germânicos
Os povos germânicos
 
Povos barbaros
Povos barbarosPovos barbaros
Povos barbaros
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 

Semelhante a Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano

Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Fabio Salvari
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)eiprofessor
 
Idade Media1
Idade Media1Idade Media1
Idade Media1Semone
 
Idade media2
Idade media2Idade media2
Idade media2vithor
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 anoOver Lane
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 anoOver Lane
 
Bizantinos e francos
Bizantinos e francosBizantinos e francos
Bizantinos e francosLú Carvalho
 
História medieval francos, bizantinos
História medieval   francos, bizantinosHistória medieval   francos, bizantinos
História medieval francos, bizantinospmarisa
 
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabeIdade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabedeomario
 
Idade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairIdade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairTricia Carnevale
 
Bizantinos e carolíngios
Bizantinos e carolíngiosBizantinos e carolíngios
Bizantinos e carolíngiosLú Carvalho
 
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francosFeudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francosProfdaltonjunior
 
cap09 - idade média-do apogeu a crise
cap09 - idade média-do apogeu a crisecap09 - idade média-do apogeu a crise
cap09 - idade média-do apogeu a crisewhybells
 

Semelhante a Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano (20)

Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
 
Idade Media1
Idade Media1Idade Media1
Idade Media1
 
Idade media2
Idade media2Idade media2
Idade media2
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Alta idade média
Alta idade médiaAlta idade média
Alta idade média
 
5
55
5
 
Idade media
Idade mediaIdade media
Idade media
 
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
 
Bizantinos e francos
Bizantinos e francosBizantinos e francos
Bizantinos e francos
 
História medieval francos, bizantinos
História medieval   francos, bizantinosHistória medieval   francos, bizantinos
História medieval francos, bizantinos
 
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabeIdade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
 
Idade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairIdade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof Iair
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
Bizantinos e carolíngios
Bizantinos e carolíngiosBizantinos e carolíngios
Bizantinos e carolíngios
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francosFeudalizaçõa da europa e o reino dos francos
Feudalizaçõa da europa e o reino dos francos
 
Alta Idade Média
Alta Idade MédiaAlta Idade Média
Alta Idade Média
 
cap09 - idade média-do apogeu a crise
cap09 - idade média-do apogeu a crisecap09 - idade média-do apogeu a crise
cap09 - idade média-do apogeu a crise
 

Mais de Auxiliadora

Livro 2° ano parte 02
Livro 2° ano parte 02Livro 2° ano parte 02
Livro 2° ano parte 02Auxiliadora
 
Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Auxiliadora
 
Cap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerraCap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerraAuxiliadora
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialAuxiliadora
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialAuxiliadora
 
Política externa - 2º reinado
Política externa   - 2º reinadoPolítica externa   - 2º reinado
Política externa - 2º reinadoAuxiliadora
 
O imperialismo no século xix
O imperialismo no século xixO imperialismo no século xix
O imperialismo no século xixAuxiliadora
 
Grande depressão
Grande depressãoGrande depressão
Grande depressãoAuxiliadora
 
Capítulo 52 o sistema econômico
Capítulo 52   o sistema econômicoCapítulo 52   o sistema econômico
Capítulo 52 o sistema econômicoAuxiliadora
 
Capítulo 51 a república velha
Capítulo 51   a república velhaCapítulo 51   a república velha
Capítulo 51 a república velhaAuxiliadora
 
Absolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterraAbsolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterraAuxiliadora
 
Absolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterraAbsolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterraAuxiliadora
 
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo   reforma - teóricos absolutistasMercantilismo   reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistasAuxiliadora
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioAuxiliadora
 
Idade média - 3º Ano
Idade média - 3º AnoIdade média - 3º Ano
Idade média - 3º AnoAuxiliadora
 
Eua no século xix
Eua no século xixEua no século xix
Eua no século xixAuxiliadora
 
1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencialAuxiliadora
 

Mais de Auxiliadora (20)

Livro 2° ano parte 02
Livro 2° ano parte 02Livro 2° ano parte 02
Livro 2° ano parte 02
 
Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01
 
Cap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerraCap 61 0 mundo do pós guerra
Cap 61 0 mundo do pós guerra
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Capítulo 54
Capítulo 54Capítulo 54
Capítulo 54
 
Capítulo 55
Capítulo 55Capítulo 55
Capítulo 55
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Política externa - 2º reinado
Política externa   - 2º reinadoPolítica externa   - 2º reinado
Política externa - 2º reinado
 
O imperialismo no século xix
O imperialismo no século xixO imperialismo no século xix
O imperialismo no século xix
 
Grande depressão
Grande depressãoGrande depressão
Grande depressão
 
Capítulo 52 o sistema econômico
Capítulo 52   o sistema econômicoCapítulo 52   o sistema econômico
Capítulo 52 o sistema econômico
 
Capítulo 51 a república velha
Capítulo 51   a república velhaCapítulo 51   a república velha
Capítulo 51 a república velha
 
Absolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterraAbsolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterra
 
Absolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterraAbsolutismo na frança e na inglaterra
Absolutismo na frança e na inglaterra
 
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo   reforma - teóricos absolutistasMercantilismo   reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
 
Idade média - 3º Ano
Idade média - 3º AnoIdade média - 3º Ano
Idade média - 3º Ano
 
Eua no século xix
Eua no século xixEua no século xix
Eua no século xix
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial
 

Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano

  • 1. O IMPÉRIO BIZANTINO Império Romano do Oriente Constantinopla – capital. Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TURQUIA). Local privilegiado estrategicamente – contatos entre Oriente e Ocidente, rota de comércio. Comércio ativo + produção agrícola próspera = riquezas. Resistência às invasões bárbaras. Centralização política: Imperador. CESAROPAPISMO: Imperador = chefe do exército + Igreja
  • 2. O IMPÉRIO BIZANTINO JUSTINIANO (527 – 565) – auge do Império. Conquistas territoriais. Península Itálica + Península Ibérica + Norte da África. Compilação do Direito Romano a partir do séc. II. CORPUS JURIS CIVILIS Poderes ilimitados ao imperador. Privilégios para a Igreja e para a nobreza. Marginalização de colonos e escravos. Burocracia centralizada + gastos militares + impostos. Igreja de Santa Sofia (estilo bizantino – majestosidade)
  • 4. EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO BIZANTINO (JUSTINIANO)
  • 5. Influência de valores orientais. Grego – língua a partir do séc. VII. Surgimento de heresias: MONOFISISTAS – negação da santíssima trindade (Cristo apenas com natureza divina); ICONOCLASTAS – destruição de imagens (ícones). 1054:CISMA DO ORIENTE: Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de Constantinopla); Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
  • 6. O IMPÉRIO BIZANTINO Decadência: séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e árabes; séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas; 1453 – Conquistados pelos Turcos Otomanos (marco histórico que delimita oficialmente o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.
  • 8. Quem eram os Bárbaros? Povos que não falavam o latim, não eram cristãos, portanto não compartilhavam dos costumes, da mentalidade e do comportamento estabelecido pelos romanos aos demais povos conquistados.
  • 9. Os Povos Bárbaros Celtas – indo-europeus que habitavam a Europa Central e a Oriental Eslavos – que compreendiam russos, polacos, Tchecos, sérvios, bósnios entre outros Tártaro-mongóis – que incluíam os hunos, turcos, búlgaros, húngaros entre outros Germânicos – de origem indo-europeia, que englobavam vários povos, como os visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, saxões, francos, suevos, lombardos, vândalos entre outros
  • 10.
  • 11. Formavam bandos chamados Comitatus (fidelidade).
  • 12. O direito era Consuetudinário (fundado nos costumes)
  • 14. Família: Base de organização social.
  • 15. Homem: Na maior parte do tempo Guerreiro
  • 16.
  • 18.
  • 19. Meroveu – Vence Átila (rei dos Hunos)
  • 20. Clóvis (481 – 511) impôs sua autoridade sobre os demais, fundou a dinastia Merovíngia e derrotou outros povos que estavam invadindo a região da Gália.
  • 21. Clóvis se converteu ao Cristianismo, sendo o primeiro imperador a garantir o apoio da igreja católica.
  • 22.
  • 23. Francos - dinastia Merovíngia Clóvis (481 – 511) – Conversão dos francos ao cristianismo Durante a dinastia merovíngia, ocorre um processo de Descentralização Política. ( Pois as terras eram doadas a nobreza em troca de apoio político.) Assim ocorre uma diminuição do poder do Rei (Reis indolentes), e aumentava o poder do Major-domus(Prefeito do palácio)
  • 25. Em 714 Carlos Martel (Major-domus) se destaca nas batalhas contra os árabes. (Fortalecimento da nobreza)732 – Batalha de Poitiers
  • 26. Seu filho, Pepino o Breve, torna-se major-domus em 741 d.C, e com apoio da igreja se torna, dez anos depois, o novo rei, iniciando a dinastia Carolíngia. Em 754 alguns territórios que pertenciam anteriormente a Roma são atacados pelos Lombardos, Pepino o Breve vence a batalha e doa parte do território para a Igreja. A Igreja passa a ter poder temporal (poder material)
  • 28. Carlos Magno Filho de “Pepino” o Breve, se torna Rei, e em 800 d.C. é coroado novo imperador do Ocidente, pelo Papa Leão III, continuando assim o bom relacionamento com a Igreja.
  • 29.
  • 30. Delega poderes à aristocracia rural e à própria igreja.
  • 31. Para fiscalizar as unidades administrativas ele envia o Missi dominici. (Enviados do senhor).
  • 32.
  • 33. Tratado de Verdun - 843Divisão do território franco entre os netos de Carlos Magno
  • 34. O IMPÉRIO ÁRABE: Península arábica. Deserto predominante. Arábia Pré-Islâmica Até o séc. VI: divididos em aproximadamente 300 tribos. Beduínos – nômades, dedicados a saques, habitavam o deserto. Tribos urbanas – habitantes das margens do Mar Vermelho ou ao sul da Península. Dedicavam-se a agricultura e acima de tudo ao comércio. Formaram as principais cidades da região (Meca e Iatreb). Comando em ambas: xeques (sheiks) Meca: centro comercial e religioso. Caaba (cubo) – santuário e depósito de imagens de deuses politeístas das diferentes tribos. Administrada pela tribo dos coraixitas.
  • 35. A CAABA – MECA Mohamed Ou Maomé
  • 36. Arábia Islâmica MAOMÉ (570 – 632) – Família Haxemita- membro do ramo pobre dos coraixitas. Profeta que segue a linhagem de Noé, Abraão, Moisés e Jesus. 610 – REVELAÇÃO: “Só há um Deus que é Alá, e Maomé é seu profeta”. Oposição dos administradores coraixitas de Meca. Repressão aos seguidores de Maomé. 622 – HÉGIRA: fuga de Maomé e seus seguidores para Iatreb (posteriormente conhecida como Medina – a cidade do profeta). Início do calendário muçulmano. População local é convertida. Unificação Política Proclamação da primeira Jihad (esforço coletivo).
  • 37. Dogmas do Islamismo As 5 principais regras que todo o muçulmano deve seguir são: 1) Alá é o único Deus, e Maomé o seu enviado; 2) Cada muçulmano dever orar 5 vezes ao dia; 3) fazer a caridade; Dar esmolas 4) Cumprir jejum durante o mês do Ramadão; 5) Deslocar-se pelo menos uma vez na vida a Meca. Proibições: Ingerir bebida alcoólica Comer carne de porco Reprodução da figura humana Jogos de azar * Permissão Poligamia
  • 38. 630 – Retorno a Meca com exército de populações convertidas. Destruição de divindades politeístas da Caaba. Anistia a antigos opositores. Península Arábica é completamente convertida ao islamismo. 632 – Maomé morre. Califas continuam expansão do islamismo. 1º Califa: ABU BEKR – sogro de Maomé. Motivações: crescimento populacional + busca de terras. Justificativa ideológica: Jihad (conversão dos infiéis). Amplas conquistas territoriais: Norte da África, Península Ibérica, Império Persa até parte da Índia, Império Bizantino. Séc. XIII – território comparável ao do Império Romano.
  • 39. A expansão do islamismo: Califas (sucessores de Maomé) iniciaram a expansão (necessitavam de terras e melhorias na economia, por isso, recorriam ao Botim = saque dos vencidos)
  • 40. Expansão do Islamismo A Dinastia Omíada Capital do Império – Damasco Divisão do Império em províncias controladas pelos Emires (atribuições civis e militares) Período de expansão para o Ocidente Conquista de áreas do Império Bizantino e da Península Ibérica Foram contidos por Carlos Martel (732 – Batalha de Poitiers) Essa dinastia foi derrubada em 750.
  • 41. Expansão do islamismo Dinastia Abássida (750 – 1258) Provocou o declínio do império árabe e deu a chance para os cristãos da Península Ibérica iniciarem um processo bélico conhecido como Guerra da Reconquista (718-1492)
  • 42. Seitas Maometas Xiitas crença no Corão Líder político descendente do profeta Maomé Sunitas * Crença no Corão e no Suna (livro que apresenta narrativas da vida de Maomé) * Líder político eleito
  • 43. SUNITAS E XIITAS NO MUNDO HOJE:
  • 44. Cultura muçulmana: Assimilação de valores de outros povos (hindus, persas, chineses e bizantinos). Tradução e conservação de obras clássicas (Aristóteles e Platão). Medicina: AVICENA (980 – 1037) – referência mundial até o século XVII com seu compêndio sobre o corpo humano. Matemática: números arábicos, zero, avanços em trigonometria e álgebra. Física: fundamentos da óptica. Literatura:Omar Kayam - As mil e uma noites . Filosofia: Averróis AVICENA
  • 45. Química: descrição dos processos de destilação, filtração e sublimação; desenvolvimento do carbonato de sódio, nitrato de prata, ácidos nítrico e sulfúrico e álcool. Todas estas descobertas para tentar criar a “pedra filosofal” e o elixir da longa vida. Arquitetura: cúpulas, minaretes, arcos em ferradura, decoração com motivos geométricos e vegetais.