Livro 2° ano parte 02

1.366 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
356
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro 2° ano parte 02

  1. 1. A Presidência do Mal. Castelo Branco (1964-1967) “As pombas têm garras” <ul><li>Criação do FGTS </li></ul><ul><li>Criação dos Atos Institucionais </li></ul><ul><li>AI- 1 : Suspendeu as garantias constitucionais, cassou mandato dos parlamentares, interditou os sindicatos, perseguiu operários, camponeses e estudantes. </li></ul>
  2. 2. A Presidência do Mal. Castelo Branco (1964-1967) “As pombas têm garras” <ul><li>Em outubro de 1965, foi publicado o AI-2 que dissolvia os partidos e criava o bipartidarismo: ARENA (a favor) e MDB (oposição). </li></ul><ul><li>Esse ato representava a vitória da chamada “linha dura” do Exército . </li></ul>
  3. 3. A Presidência do Mal. Castelo Branco (1964-1967) “As pombas têm garras” <ul><li>AI- 3 : Suspensão das eleições diretas </li></ul><ul><li>AI- 4 : Em 1967, foi aprovada pelo </li></ul><ul><li>Congresso a nova Constituição, que </li></ul><ul><li>concedeu poderes excepcionais ao </li></ul><ul><li>presidente e pela qual os governadores </li></ul><ul><li>estaduais passaram a ser eleitos </li></ul><ul><li>indiretamente. </li></ul><ul><li>Foi aprovada a censura prévia aos meios </li></ul><ul><li>de comunicação. </li></ul>
  4. 4. A Presidência do Mal. Costa e Silva (1967-1969): A hora dos falcões <ul><li>Ocorreram várias reações da sociedade contra a ditadura. </li></ul><ul><li>Formou-se uma frente unindo os políticos cassados e marginalizados na luta pela redemocratização do país ( Frente Ampla ) – extinta em 1968 </li></ul><ul><li>Os estudantes realizavam passeatas de protesto. (UNE) </li></ul>
  5. 5. A Presidência do Mal. Costa e Silva (1967-1969): A hora dos falcões <ul><li>Denúncias sobre a penetração abusiva de capital estrangeiros em todos os setores da vida nacional </li></ul><ul><li>Venda de terras a estrangeiros </li></ul><ul><li>U$ 2.800.000 grupo Time-Life à TV </li></ul>
  6. 6. Grande aliada da Ditadura
  7. 7. A Presidência do Mal. Costa e Silva (1967-1969): A hora dos falcões <ul><li>Março de 1968, morre o estudante Edson Luís. </li></ul><ul><li>Estudantes e segmentos da classe média, realizam a Passeata dos Cem Mil. </li></ul>Passeata dos Cem Mil
  8. 8. A Presidência do Mal. Costa e Silva (1967-1969): A hora dos falcões <ul><li>O endurecimento do regime </li></ul><ul><li>Subordinação do Conselho de Segurança Nacional ao presidente </li></ul><ul><li>Operação Condor (Cone Sul) </li></ul>
  9. 9. A Presidência do Mal. Costa e Silva (1967-1969): A hora dos falcões <ul><li>Pretexto para fechamento do Congresso Nacional – Discurso do dep. Márcio Moreira Alves – Dezembro 1968 AI-5 </li></ul>
  10. 11. AI-5 (1968-1979) <ul><li>Dava ao presidente poderes de fechar o Congresso Nacional e as Assembléias Estaduais, decretar intervenções nos Estados e municípios </li></ul><ul><li>2. Suspender direitos políticos e cassar mandatos, além disso, ficava suspenso o habeas-corpus . </li></ul>
  11. 12. AI-5 (1968-1979) <ul><li>3. Decretar Estado de Sítio </li></ul><ul><li>4. Qualquer pessoa atingida pelo AI-5 ficaria proibida de se defender na justiça </li></ul><ul><li>5. O governo endureceu suas posições; a 13/12/68 o Congresso foi fechado (10 meses) </li></ul><ul><li>O Brasil teve no total 17 Atos Institucionais </li></ul>
  12. 13. <ul><li>No decorrer de 1969, o gal. Costa e Silva tenta amenizar a ditadura. </li></ul><ul><li>Tentou realizar uma reforma constitucional que, não restabelecia a democracia mas atenuava o autoritarismo. </li></ul><ul><li>Não houve tempo para tal reforma, Costa e Silva sofre uma Trombose Cerebral. </li></ul>
  13. 14. Um golpe dentro do golpe <ul><li>Com a doença de Costa e Silva quem deveria assumir era o vice-presidente Pedro Aleixo </li></ul><ul><li>30/Ago. e 31 de Out./1969 – O Brasil foi governado por uma Junta Militar </li></ul>
  14. 15. ministros Aurélio de Lira Tavares (Exército), Augusto Rademaker (Marinha) e Márcio de Sousa e Melo (Aeronáutica). 
  15. 16. O Congresso foi reaberto e o eleito: Emílio Garrastazu Médici (1969-1974): O terror na ordem do dia <ul><li>Período do Milagre Brasileiro </li></ul><ul><li>Terrorismo Político do governo em relação à sociedade civil </li></ul>
  16. 17. O Congresso foi reaberto e o eleito: Emílio Garrastazu Médici (1969-1974): O terror na ordem do dia <ul><li>A extrema repressão desencadeada pelo novo governo levou os grupos oposicionistas a organizarem a luta armada contra a ditadura </li></ul><ul><li>VAR-Palmares, comandada por Carlos Lamarca; </li></ul><ul><li>ALN, liderada por Carlos Marighella; </li></ul><ul><li>MR-8 e o PC do B, que organizou a guerrilha na região do Araguaia. </li></ul>
  17. 18. Charles Elbrick
  18. 20. A repressão será contra todos
  19. 21. A censura atingiu também a produção cultural: peças de teatro, filmes e músicas que transmitissem mensagens contrárias ao governo ou ao sistema eram proibidas <ul><li>Cálice ou Cale-se </li></ul>
  20. 22. O fim do Milagre Brasileiro
  21. 23. Capítulo 66 – A República dos Generais (1964-1985): a volta aos quartéis <ul><li>Ernesto Geisel (1974-1979) </li></ul><ul><li>” Abertura lenta, gradual e segura” </li></ul>
  22. 24. Ernesto Geisel (1974-1979) ”Abertura lenta, gradual e segura” <ul><li>Início da crise econômica que sepultou a crença no chamado “milagre” econômico. </li></ul><ul><li>Nas eleições de 1974, o partido de oposição, MDB, obteve expressiva vitória, ganhando em 16 Estados da federação </li></ul>
  23. 25. Ernesto Geisel (1974-1979) ”Abertura lenta, gradual e segura” <ul><li>Lei Falcão – visava reduzir o tempo dos candidatos no rádio e na televisão </li></ul><ul><li>1977 – O MDB rejeita o projeto de reforma judiciária apresentado pelo governo </li></ul><ul><li>Percebendo que a ARENA iria perder a maioria das cadeiras no Congresso Nacional, em abril de 1977, Geisel fechou o Congresso e impôs duas emendas constitucionais que ficaram conhecidas como “pacote de abril”. </li></ul><ul><li>Foi criada a figura dos senadores biônicos, ou seja, senadores nomeados pelo governo. </li></ul>
  24. 26. Ernesto Geisel (1974-1979) ”Abertura lenta, gradual e segura” <ul><li>Partidário da abertura política, Geisel </li></ul><ul><li>teve que afastar os que desejavam um </li></ul><ul><li>golpe mais à direita, caso do General </li></ul><ul><li>Silvio Frota. </li></ul><ul><li>Mesmo querendo amenizar as torturas e mortes, incidentes ocorreram como: </li></ul>
  25. 27. Ernesto Geisel (1974-1979) ”Abertura lenta, gradual e segura” Manoel Fiel Filho
  26. 28. Ernesto Geisel (1974-1979) ”Abertura lenta, gradual e segura” <ul><li>As greves no ABC, Luís Inácio da Silva, o Lula, foi o principal líder desses movimentos grevistas. </li></ul><ul><li>11.10.1977- Lei Complementar nº31, aprovada a criação do Mato Grosso de Sul. </li></ul>
  27. 29. Ernesto Geisel (1974-1979) ”Abertura lenta, gradual e segura” <ul><li>Energia nuclear (contrato com a </li></ul><ul><li>Alemanha Ocidental – U$10 bi) – </li></ul><ul><li>Nuclebrás </li></ul>
  28. 30. A sucessão de Geisel <ul><li>Gal. Sílvio Frota ligado a militares de linha dura desejava se candidatar ao cargo de presidente, por isso Geisel o demitiu. </li></ul><ul><li>O Candidato escolhido foi o Gal. João Batista Figueiredo </li></ul><ul><li>1979 - Revogação do AI-5 </li></ul>
  29. 31. A presidência do Gal. Figueiredo (1979-1985) <ul><li>- Abertura política (volta à democracia). </li></ul><ul><li>1979 - Lei de Anistia </li></ul>
  30. 32. A presidência do Gal. Figueiredo (1979-1985) <ul><li>1979 – Reforma Partidária – retorno do Pluripartidarismo </li></ul><ul><li>Arena = PDS (Partido Democrático Social) </li></ul><ul><li>MDB = PMDB (Partido do Mov. Dem. Brasileiro) </li></ul><ul><li>PP – Partido Popular (fundiu-se c/ PMDB) </li></ul><ul><li>PT – Partido dos Trabalhadores </li></ul><ul><li>PDT – Partido Dem. Trabalhista </li></ul><ul><li>PTB – Partido Trabalhista Brasileiro </li></ul>
  31. 33. A presidência do Gal. Figueiredo (1979-1985) <ul><li>Redução da dependência de petróleo </li></ul><ul><li>do exterior, incentivando a busca de </li></ul><ul><li>alternativas energéticas (Proálcool, </li></ul><ul><li>Carvão, Hidrelétricas). </li></ul><ul><li>Aumento das exportações. </li></ul><ul><li>Política de reajustes salariais. </li></ul><ul><li>Combate à inflação. </li></ul><ul><li>Incentivo e financiamentos totais para a agricultura . </li></ul>
  32. 34. A presidência do Gal. Figueiredo (1979-1985) <ul><li>Atentado do Rio Centro –Abril/1981 </li></ul>
  33. 35. <ul><li>- Eleições diretas e secretas para os governadores em 1982. </li></ul><ul><li>PDS – Ganha em 12 estados </li></ul><ul><li>PMDB – 10 estados </li></ul><ul><li>PDT – 01 estados </li></ul><ul><li>Em todos os estados mais importantes </li></ul><ul><li>a oposição assumiu o controle do </li></ul><ul><li>governo </li></ul>
  34. 36. <ul><li>Dante de Oliveira: Campanha Diretas </li></ul><ul><li>Já (PMDB) </li></ul>Em 1985 ocorrem eleições (indiretas) para Presidente
  35. 37. PDS X Aliança Democrática <ul><li>Paulo Maluf </li></ul><ul><li>Troca de favores por voto </li></ul><ul><li>Cargos públicos </li></ul><ul><li>verbas </li></ul><ul><li>Tancredo Neves </li></ul><ul><li>Redemocratização </li></ul><ul><li>Fim da censura </li></ul><ul><li>Nova Constituição </li></ul><ul><li>Fim das Indiretas </li></ul>Vence a eleição: - Tancredo Neves - Falece em 21.04.1985 - Posse de José Sarney
  36. 38. Capítulo 67- O fim da Guerra Fria <ul><li>A Era Reagan (1981-1988) </li></ul><ul><li>Projeto Guerra Nas Estrelas </li></ul><ul><li>Política Externa: instalação de mísseis na Europa – sanções econômicas contra a URSS – Invasão de Granada – financiou os “contra” grupos de guerrilheiros contrários ao regime de esquerda implantado na Nicarágua. </li></ul>
  37. 39. A Era Reagan (1981-1988) <ul><li>Economia – adoção de práticas Neoliberais (livre comércio – livre circulação de capital – corte de gastos do governo “especialmente os sociais” </li></ul><ul><li>Política de Juros alto e endividamento do Estado </li></ul>
  38. 40. A CRISE SOVIÉTICA <ul><li>Leonid Brejnev (1964-1982) </li></ul><ul><li>Estagnação econômica </li></ul><ul><li>Setores militares afetados </li></ul><ul><li>A produção de armas continuava, enquanto as condições de vida da população se deterioravam </li></ul>
  39. 41. Leonid Brejnev (1964-1982) <ul><li>Repressão ao extremo </li></ul><ul><li>1968 – Primavera de Praga (Alexander </li></ul><ul><li>Dubcek passou a buscar um socialismo </li></ul><ul><li>humanizado no país) </li></ul>
  40. 42. O Afeganistão <ul><li>1979-1989 – presença soviética no </li></ul><ul><li>Afeganistão </li></ul><ul><li>Osama Bin Laden – recebe ajuda dos EUA </li></ul><ul><li>no combate a URSS </li></ul><ul><li>1989 - emergiu o Talebã (estudante em persa) </li></ul><ul><li>1998 – EUA dispara mísseis contra alvos no Afeganistão (terrorismo) </li></ul>
  41. 43. Polônia <ul><li>1980 – Sob a liderança do </li></ul><ul><li>Solidariedade , liderado pelo operário </li></ul><ul><li>Lech Walesa buscava mudanças </li></ul><ul><li>econômicas e políticas no país. </li></ul><ul><li>Foi duramente reprimido </li></ul><ul><li>Em 22 de dezembro de 1990 , Lech </li></ul><ul><li>Wałęsa foi eleito o primeiro presidente </li></ul><ul><li>popular da Polônia </li></ul>
  42. 44. <ul><li>Após a morte de Brejnev </li></ul><ul><li>Yuri Andropov (1982-1984) </li></ul><ul><li>Konstantin Tchernenko (1984-1985) </li></ul><ul><li>1. A situação da URSS se agravava </li></ul><ul><li>seriamente, com as pressões </li></ul><ul><li>provocadas pela corrida armamentista </li></ul><ul><li>da Era Reagan </li></ul><ul><li>2. A guerra no Afeganistão ( Criticada pela sociedade soviética) </li></ul><ul><li>3. Manutenção dos privilégios da Nomenklatura (burocracia estatal soviética) </li></ul>
  43. 45. A URSS e as Reformas de Mikhail Gorbatchev (1985-1991) <ul><li>Situação insustentável na URSS </li></ul><ul><li>Perestroika – Reestruturação da economia </li></ul><ul><li>Glasnost – Transparência política </li></ul>
  44. 46. Como em qualquer nação capitalista – na URSS havia pobreza
  45. 47. <ul><li>Para as mudanças ocorrer, era necessário o fim da Guerra Fria </li></ul><ul><li>Gorbatchev buscou aproximação com os EUA </li></ul><ul><li>1986- reunião entre Reagan e Gorbatchev </li></ul><ul><li>1987 – Acordo de eliminação dos mísseis nucleares de médio alcance na Europa. </li></ul><ul><li>1988 – URSS retira-se do Afeganistão </li></ul><ul><li>1989 – Queda do Muro de Berlim </li></ul>
  46. 48. * 1989 – Cai o líder conservador da Alemanha Oriental, Erich Honecker * Queda do Muro de Berlim
  47. 49. <ul><li>Nos demais países do Leste Europeu, governos socialistas foram sendo derrubados (Romênia – Nicolae Ceausescu) </li></ul><ul><li>Tchecoslováquia – divide-se em Rep. Tcheca e Eslováquia </li></ul><ul><li>1991 – Extinção do Pacto de Varsóvia </li></ul>
  48. 50. <ul><li>Dentro do território Soviético, o processo reformista também escapa ao controle de Gorbatchev </li></ul><ul><li>Repúblicas Bálticas (Estônia, Letônia e Lituânia) iniciam movimento de separação da URSS </li></ul><ul><li>A repressão volta </li></ul>
  49. 51. <ul><li>Bóris Yeltsin, presidente da Rússia, a mais importante das 15 rep. Da URSS, passou a liderar um grupo “Radical-reformista” (ultra-perestroikistas), que predentiam implantar o capitalismo na URSS </li></ul><ul><li>Gorbatchev não aprovava o capitalismo </li></ul>
  50. 52. <ul><li>A Nomenklatura – Burocracia conservadora, também estava contra as reformas </li></ul><ul><li>Agosto 1991, a Nomenclatura dá um golpe e afasta Gorbatchev </li></ul><ul><li>Dezembro 1991, Gorbatchev renunciou ao cargo de presidente da URSS, país que, naquele momento, já não existia, o que encerrou definitivamente o período da Guerra Fria. </li></ul>
  51. 53. Nova República
  52. 54. <ul><li>1 - O governo JOSÉ SARNEY (1985 – 1990): </li></ul><ul><li>PMDB </li></ul><ul><li>Desconfiança inicial </li></ul><ul><ul><li>passado ligado a ditadura militar. </li></ul></ul><ul><li>“ Emendão” (85) – aumentar credibilidade. </li></ul><ul><ul><li>Eleições presidenciais seriam restabelecidas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Voto para analfabetos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Liberdade partidária (incluindo o PCB e o PC do B). </li></ul></ul><ul><ul><li>Liberdade sindical. </li></ul></ul><ul><ul><li>Convocação de Assembléia Nacional Constituinte (formada por deputados eleitos para o Congresso Nacional em 1986). </li></ul></ul>
  53. 55. <ul><li>Sucessão de planos econômicos. </li></ul><ul><li>PLANO CRUZADO (fev/86) – Dilson Funaro: </li></ul><ul><ul><li>Congelamento de preços. </li></ul></ul><ul><ul><li>Congelamento de salários </li></ul></ul><ul><ul><li>Sucesso inicial – ampla adesão popular. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Fiscais do Sarney” </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Explosão do consumo – procura maior que oferta. </li></ul></ul><ul><ul><li>Crise de abastecimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução de exportações </li></ul></ul><ul><li>PLANO CRUZADO II (nov/86) – Dilson Funaro: </li></ul><ul><ul><li>Liberação parcial do congelamento de preços. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento de 80% no valor dos automóveis. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento de tarifas públicas (luz, correios, telefone...). </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento de impostos para cigarros e bebidas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Volta da inflação – Ministro Funaro cai. </li></ul></ul>
  54. 56. <ul><li>PLANO BRESSER (jun/87) – Bresser Pereira: </li></ul><ul><ul><li>Novo congelamento de preços de salários (3 meses). </li></ul></ul><ul><ul><li>Alta de impostos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fim de reajustes salariais automáticos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Retomada de relações com FMI – fim da moratória. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fracasso – volta da inflação. </li></ul></ul><ul><ul><li>Queda vertiginosa da popularidade do governo. </li></ul></ul><ul><li>Out/88 – Nova Constituição (“ Constituição Cidadã ”): </li></ul><ul><ul><li>Eleições diretas e secretas (em todos os níveis). </li></ul></ul><ul><ul><li>Presidente: 5 anos (para Sarney) e 4 para os demais. </li></ul></ul>
  55. 57. <ul><ul><li>Voto facultativo para analfabetos e menores entre 16 e 18 anos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Eleições para cargos executivos em dois turnos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Habbeas Corpus. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fim da censura. </li></ul></ul><ul><ul><li>Direito de greve. </li></ul></ul><ul><ul><li>Férias com adicional de 1/3 do salário. </li></ul></ul><ul><ul><li>Multa de 40% do valor do FGTS em casos de demissão sem justa causa. </li></ul></ul><ul><ul><li>Licença maternidade (120 dias) e paternidade (4 dias). </li></ul></ul><ul><ul><li>Seguro desemprego. </li></ul></ul><ul><ul><li>Racismo = crime inafiançável. </li></ul></ul>
  56. 58. <ul><li>PLANO VERÃO (Jan/89) – Maílson da Nóbrega: </li></ul><ul><ul><li>1000 Cruzados = 1 Cruzado Novo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Novo congelamento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Abertura ao capital estrangeiro. </li></ul></ul><ul><ul><li>Sem efeitos – volta da inflação (1782% ao ano em 89). </li></ul></ul><ul><ul><li>Insatisfação popular. </li></ul></ul><ul><li>Década de 80 = “ década perdida ” </li></ul>
  57. 59. <ul><li>A sucessão de Sarney: </li></ul><ul><ul><li>22 candidatos (eleições de 1989). </li></ul></ul>
  58. 60. <ul><ul><li>2º Turno: COLLOR (PRN) X LULA (PT) </li></ul></ul>
  59. 61. <ul><li>2 - O governo FERNANDO COLLOR DE MELLO (1990 – 1992): </li></ul><ul><li>“ Caçador de Marajás” </li></ul><ul><li>Discurso: COLLOR = novo, moderno. </li></ul><ul><li>Passado político pessoal e familiar ligado a ditadura militar. </li></ul><ul><li>PLANO COLLOR (mar/1990) – Zélia Cardoso de Mello: </li></ul><ul><ul><li>1 Cruzado Novo = 1 Cruzeiro. </li></ul></ul><ul><ul><li>Confisco de investimentos (até poupanças) – máximo equivalente a US$1200. </li></ul></ul>
  60. 62. <ul><ul><li>Aumento de tarifas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilidades para importações. </li></ul></ul><ul><ul><li>Privatizações de empresas estatais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução de gastos públicos (salários, aposentadorias e projetos sociais). </li></ul></ul><ul><ul><li>Início efetivo do neoliberalismo no Brasil. </li></ul></ul><ul><ul><li>Objetivo: queda da inflação por meio da redução de consumo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Resultados: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução do consumo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução da produção. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desemprego. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Falências </li></ul></ul></ul>Crise econômica sem precedentes.
  61. 63. <ul><li>Mai/92: Pedro Collor (irmão do presidente) faz graves denúncias na Revista Veja. </li></ul><ul><ul><li>“ Esquema PC” – corrupção. </li></ul></ul>PC FARIAS: ex-tesoureiro de campanha de Collor e peça-chave no esquema de corrupção. Foi assassinado em junho de 1996.
  62. 64. <ul><li>Mobilizações populares contra Collor: </li></ul><ul><ul><li>“ Caras Pintadas”/ “Fora Collor”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Políticos Da oposição </li></ul></ul><ul><ul><li>Rede Globo </li></ul></ul>
  63. 65. <ul><li>Set/92 – Congresso aprova o Impeachment </li></ul><ul><li>Collor renuncia momentos antes, mas tem seus direitos políticos suspensos por 8 anos. </li></ul>
  64. 67. <ul><li>3 - O governo ITAMAR FRANCO (1992 – 1995): </li></ul><ul><li>Discreto e com passado honesto. </li></ul><ul><li>Continuidade de privatizações. </li></ul><ul><li>Mínimo de US$ 100,00. </li></ul><ul><li>Dificuldades econômicas </li></ul><ul><li>(inflação média de 40% ao mês). </li></ul><ul><li>ABR/93: Plebiscito </li></ul><ul><ul><li>MONARQUIA X REPÚBLICA* </li></ul></ul><ul><ul><li>PARLAMENTARISMO X PRESIDENCIALISMO* </li></ul></ul>
  65. 68. <ul><li>Atitudes folclóricas: </li></ul><ul><ul><li>Retorno do Fusca (94 – 96). </li></ul></ul><ul><ul><li>Carnaval de 94 – Assediado pela pseudo modelo e atriz Lílian Ramos. </li></ul></ul>
  66. 69. <ul><li>Ago/93: FHC assume o Ministério da Fazenda. </li></ul><ul><ul><li>1000 Cruzeiros = 1 Cruzeiro Real. </li></ul></ul><ul><ul><li>Criação da URV (aproximadamente 1 dólar). </li></ul></ul><ul><li>Jul/94: Início efetivo do PLANO REAL </li></ul><ul><ul><li>1 URV = 1 Real (2750 Cruzeiros Reais). </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução de custos de produtos importados. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Modernização tecnológica. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Queda da inflação. </li></ul></ul><ul><ul><li>Estabilidade econômica. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ampla popularidade. </li></ul></ul><ul><li>FHC vence eleições presidenciais de 1994 em 1º Turno. </li></ul><ul><li>Em 98 vai para o 2º turno com lula </li></ul><ul><ul><li>Colapso do Real </li></ul></ul><ul><ul><li>Programas sociais </li></ul></ul>Dolarização
  67. 70. <ul><li>A INFLAÇÃO BRASILEIRA: </li></ul>
  68. 71. Governo LULA (2002 – 2010) - Programa Fome Zero - Ampliação das relações com o FMI - Superávit econômico - Proposta de Reforma Agrária - Programas Sociais - Bolsa Escola - Bolsa Família - Escândalos - Casa Civil: José Dirceu - Palocci - Sanguessugas - Mensalão - Crise aérea - Varig - PAC

×