Bizantinos e carolíngios

713 visualizações

Publicada em

Império Bizantino

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
713
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bizantinos e carolíngios

  1. 1. IMPÉRIOS BIZANTINO
  2. 2. VAMOS RELEMBRAR?? Idade Média: período que vai da Queda do Império Romano do Ocidente (476) até a queda do Império Romano do Oriente (1453) Crise e declínio do Império Romano do Ocidente: fatores – Crise do Escravismo, Ruralização da Economia, Cristianismo, Invasões Bárbaras Bárbaros: povos que não falavam latim, não eram cristãos e tinham costumes diferentes dos romanos.
  3. 3. IMPÉRIO BIZANTINO POLÍTICA LEIS (Burocracia) RELIGIÃO ESTRUTURA DE ESTUDOS SOBRE IMPÉRIO BIZANTINO
  4. 4. TAREFA DE CASA Página 21 Questões 1 e 2 Correção: 24/08
  5. 5. IMPÉRIO BIZANTINO  O imperador romano Constantino transfere a capital para Bizâncio em 330, alterando o nome da cidade para Constantinopla.  Civilização urbana;  herança da filosofia grega;  várias interpretações religiosas consideradas Heresia (quebra de um dogma, uma verdade incontestável da Igreja)  rompimento com Roma em 1054;  Monofisismo: defendia apenas a natureza divina de Cristo  Iconoclastia: condenava a existência e a adoração de imagens.  forte desenvolvimento do comércio, das artes e da ciência  Não se fragmentou pois evitou as invasões bárbaras através de suborno (diplomacia), guerras e incorporação de alguns povos;  ao contrário da sociedade ocidental, a bizantina manteve-se urbana e centralizada através de uma Autocracia Teocrática, exercida pelo Imperador.
  6. 6. Após o século VII prevaleceu a influência da cultura grega e asiática. Devido a sua localização (estreito de Bósforo) a sociedade bizantina sofreu influências romanas, gregas e orientais. Sua economia baseava-se na atividade comercial marítima e, devido a isso, a sociedade era de classes e altamente estratificada.  Agricultura de subsistência com mão-de-obra livre ou servil  Dinastia Justiniana (518-610), houve uma forte influência romana – latim língua oficial do Estado.
  7. 7. POLÍTICA Política – cópia do Império Romano do Ocidente Imperador Política Religião CESAROPAPISMO CONFLITO COM A IGREJA CATÓLICA (ROMA) Em Roma desapareceu o cargo de Imperador e permaneceu o de Papa... Em Constantinopla... Imperador Autocrático/Despótico CISMA DO ORIENTE (1054)
  8. 8. LEIS (BUROCRACIA) O GOVERNO DE JUSTINIANO (527-565)  Principais objetivos: consolidar a autoridade imperial; reconstruir o antigo Império Romano; manter o Mar Mediterrâneo com eixo da economia imperial.  Principais Feitos: reestruturação do Direito Romano (Corpus Juris Civilis), dividido em 4 partes: 1) Código de Justiniano – conjunto de leis; 2) Digesto ou Pandectas – leis comentadas; 3) Institutas – princípios, resumo das leis para os estudantes de Direito; 4) Novelas ou Autênticas – novas leis de Justiniano;
  9. 9. OUTROS FEITOS DE JUSTINIANO Obras Públicas: fortalezas e castelos, Basílica de Santa Sofia – representação da grandiosidade do Império; Reconquistou a Península Itálica, Ibérica e o Norte da África.
  10. 10. RELIGIÃO Conflitos entre Imperador Bizantino e Papa Romano  Cesaropapismo Influências do catolicismo primitivo Divergências em relação ao catolicismo romano HERESIAS  MONOFISISMO  ICONOCLASTIA CISMA DO ORIENTE 1054 Formação da Igreja Ortodoxa Grega
  11. 11. CISMA DO ORIENTE (1054) Distanciamento cultural; Heresias e questões políticas (cesaropapismo × autoridade do papa e heresias) levaram a separação da Igreja em: Igreja Ortodoxa Grega (Patriarca Bartolomeu I) Igreja Católica ApostólicA Romana (Papa Francisco)
  12. 12. Em 1453, o Império Bizantino chega a seu fim, quando os turcos otomanos (povos islâmicos) invadem a capital Constantinopla. Esse evento marca também o fim da Idade Média.
  13. 13. CULTURA BIZANTINA:  decoração de igrejas;  Planta da igrejas em cruz grega (braços iguais);  Telhados em forma de cúpula, predominavam as linhas curvas e o interior era ricamente decorado.  Grande expoente: Basílica de Santa Sofia.  ausência de esculturas e profusão de ícones. (Iconoclastia)
  14. 14. OS “BÁRBAROS”
  15. 15. OS BÁRBAROS Povos originários da Ásia (hunos), Leste europeu (eslavos). Norte da Europa (Germânicos) Germânicos eram subdivididos em: Visigodos, Ostrogodos, Burgúndios, Vikings, Vândalos, Suevos, Lombardos, Francos, etc... Formaram reinos instáveis de curta duração; Eram rivais: disputavam entre si os mesmos territórios;
  16. 16. CULTURA GERMÂNICA: ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estrutura Familiar bastante sólida; Prezavam por valores: honra, fidelidade conjugal, lealdade... Comitatus – lealdade e reciprocidade entre os guerreiros Não possuíam um código de leis escrito. Decisões jurídicas: Duelos ou Ordálios.  Direito Consuetudinário
  17. 17. CULTURA GERMÂNICA: ECONOMIA Predominava a atividade agrícola; mas não eram sedentários;  Produziam principalmente cereais, (aveia e o trigo) e trabalhavam com a pecuária. Alguns viviam da pilhagem (saques);
  18. 18. CULTURA GERMÂNICA: RELIGIÃO Politeísta; Adoração fundamentada nas forças da natureza. Não construíam templos: Rituais realizados em ao ar livre. Ofereciam como sacrifício animais e até humanos.
  19. 19. REINO DOS FRANCOS:  Conseguiu unificar um vasto território e manter um governo estável; Atuais Alemanha, Itália e França.  Fortalecimento do reino pela aliança com a Igreja Católica. • Clóvis (481-511): primeiro monarca a se converter ao cristianismo após a queda de Roma. Dinastia Merovíngia (481-751).  século VII, os reis merovíngios foram-se tornando indolentes e displicentes, entregando os trabalhos administrativos aos chamados prefeitos ou mordomos do Paço (majordomus). O mais famoso prefeito do Paço foi:
  20. 20. Carlos Martel (714-741), que venceu os árabes na Batalha de Poitiers, em 732, impedindo a expansão dos árabes da Espanha para a França. Nessa ocasião, Carlos Martel tornou-se rei dos francos. Seu sucessor foi seu filho, Pepino, o Breve, em 751. Pepino criou a Dinastia Carolíngia. (751-987)
  21. 21. DINASTIA CAROLÍNGIA (751-987)  Auge: reinado de Carlos Magno (768-814). Conhecido como o “Imperador do Ocidente”. Também chamado de Império Carolíngio. Campanhas militares apoiadas pela Igreja Católica possibilitaram a expansão territorial e a difusão do Cristianismo (conversão forçada dos demais povos bárbaros). • A sagração de Carlos Magno por Leão III simbolizou a instauração do Império do Ocidente como sucessor do Antigo Império Romano.  SACRO IMPÉRIO ROMANO.  Europa unificada sob um império Universal e Cristão.
  22. 22. Carlos Magno
  23. 23. Organização político- administrativa:  Ducados, Condados e as Marcas.  Sua direção cabia aos membros da aristocracia territorial e guerreira do Império.  Missi dominici ou enviados do Senhor: funcionários reais que fiscalizavam os governantes das divisões político- administrativas  Leis Capitulares = leis que valiam para todo o império. Artes:  Decoração de livros (iluminuras);  Arquitetura (domínio da pedra);  Pinturas e os mosaicos. Após a morte de Carlos Magno (814), Luis o Piedoso, sucedeu-o no trono imperial. Em 843, pelo tratado de Verdun, os netos de Carlos Magno (Carlos, Lotário e Luís) dividiram o Império.
  24. 24. Em 987, Hugo Capeto, conde de Paris, pôs fim à dinastia Carolíngia e deu início à Dinastia Capetíngia.

×