SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 62
Baixar para ler offline
Idade Média
Denominação e Cronologia
 Surgiu da divisão da história humana feita pelos
renascentistas, no início da Idade Moderna.
 Os renascentistas foram geralmente vistos como
continuadores dos ideais científicos, artísticos e
estéticos das civilizações clássicas. Era como se
houvesse um grande intervalo entre os antigos
gregos e romanos e os renascentistas de então.
Esse intervalo, esse “meio”, sob o prisma de um
único processo de avanço da humanidade,
acabou recebendo o nome de Idade Média.
Denominação e Cronologia
 Considerada o tempo do primitivismo, do
atraso e do empobrecimento a cultura
européia, a ponto de os ingleses terem
forjado a expressão que se tornou famosa
para designar o período: Dark Ages,
Anos Escuros ou Idade das Trevas, das
Sombras.
Denominação e Cronologia
Críticas:
– Etnocentrismo
– Universalismo
Império Bizantino
Origem
 395: divisão do império (Governo de
Teodósio)
 Império Romano do Oriente ou
Império Grego.
Localização Geográfica
 Constantinopla – capital.
– Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TUR).
– Local privilegiado estrategicamente –
contatos entre Oriente e Ocidente, rota de
comércio.
 Comércio ativo + produção agrícola
próspera = riquezas.
 Resistência às invasões bárbaras.
Características Gerais
 Nunca houve unidade racial; ali viviam latinos,
gregos, semitas, germanos; eslavos, etc.
 Em termos lingüísticos, o latim permaneceu
como idioma nacional por um bom tempo,
porém o grego acabou predominando como
língua oficial no séc. VII.
 Extremamente religiosos, os bizantinos se
envolveram em várias disputas teológicas que
até acabavam em guerras civis.
Economia
 Estado centralizador.
 Agricultura: latifúndios, controlados pela Igreja
(mosteiros católicos) e por uma nobreza
latifundiária. Todo o trabalho era feito por
colonos livres e escravos, situação inversa do
que ocorreu com a produção rural feudal do
Ocidente.
 Intenso desenvolvimento comercial: artigos de
luxo (perfumes, tecido de seda, porcelana,
peças de vidro, etc).
Política
 O Império Bizantino era governado por
uma monarquia centralizada, despótica e
teocrática. O imperador comandava o
exército e a Igreja, sendo considerado um
representante de Deus e possuindo um
grande poder.
 CESAROPAPISMO: Imperador = chefe
do exército + Igreja
Governo de Justiniano (527-565)
 Conquistas territoriais.
– Península Itálica +
Península Ibérica + Norte da
África.
 Compilação do Direito Romano
– CORPUS JURIS CÍVILIS
– Poderes ilimitados ao
imperador.
– Privilégios para a Igreja e
para a nobreza.
– Marginalização de colonos e
escravos.
Governo de Justiniano (527-565)
 Criação do “Sólidus”
 Burocracia centralizada +
gastos militares + impostos.
– Revoltas populares
(Sedição de Nike)
 Igreja de Santa Sofia (estilo
bizantino – majestosidade)
Igreja “Agia Sophia” ou “Sagrada
Sabedoria”
Religião
 Surgimento de heresias:
– MONOFISISTAS – negação da santíssima
trindade (Cristo apenas com natureza divina);
– ICONOCLASTAS – destruição de imagens
(ícones).
 1054: GRANDE CISMA DO ORIENTE:
– Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de
Constantinopla);
– Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
Decadência
 séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e
árabes;
 séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas;
 1453 – Conquistados pelos Turcos
Otomanos (marco histórico que delimita
oficialmente o fim da Idade Média e
início da Idade Moderna.
Legado Cultural
 Estado multi-étnico: mescla de elementos
diversos (idioma grego, religião cristã,
romano, gosto pelo requinte oriental, a
arquitetura de inspiração persa etc)
 Artes: combinaram luxo e exotismo oriental
com equilíbrio e leveza greco-romano.
 Arquitetura: Igreja de Santa Sofia (Mosaicos
coloridos e cúpulas arredondadas)
 Corpus Juris Civilis.
Império Árabe
Localização Geográfica
 Localizou-se na
Península Arábica,
entre o mar
Vermelho e o Golfo
Pérsico. 5/6 do
território
corresponde a áreas
desérticas
pontilhadas de oásis.
Arábia Pré-Islâmica
 Descentralizados, possuindo cada tribo autonomia e
diversidade cultural e lingüística. Eram politeístas e
idólatras.
 Tribos do interior (beduínos): nômades, viviam do
pastoreio e saque (botim).
 Tribos do litoral ou urbanas: faixa costeira do Mar
Vermelho e do sul na península, cujas condições
climáticas e fertilidade do solo favoreciam a sobrevivência
e a sedentarização. Destacam-se Meca e Iatreb, grandes
centros comerciais. Em Meca, a tribo dos coraixitas
possuíam maior prestígio e poder graças a Caaba,
santuário da Pedra Negra, abrigando os mais de 360
ídolos de todos os deuses cultuados pelas diversas tribos.
Arábia Islâmica
 Centralização, monoteísmo e iconoclastia
 Maomé (570-632): processo de unificação
 Percorreu diversas terras através de
caravanas, e de religiões monoteístas
(judaísmo e cristianismo) cria as bases de
sua profetização.
Arábia Islâmica
 Centralização, monoteísmo e iconoclastia
 Maomé (570-632): processo de unificação
 Percorreu diversas terras através de
caravanas, e de religiões monoteístas
(judaísmo e cristianismo) cria as bases de
sua profetização.
Arábia Islâmica
 Maomé: nasceu em 560 d.C., coraixita,
porém de família pobre. Órfão, foi educado
pelo tio, participando de várias caravanas.
 Teve contato com o cristianismo e o
judaísmo.
 Casou-se com Cadja, proprietária de uma
caravana – passou mais tempo dedicando-
se á contemplação religiosa.
Arábia Islâmica
 Aos 41 anos teve a primeira visão do anjo
Gabriel que lhe disse: "Há um só deus,
ALÁ, e um só profeta, MAOMÉ."Contou
sobre esta e outras aparições aos
parentes e os foi convertendo. Confiante,
passou a pregar aos coraixitas.
Arábia Islâmica
 Suas pregações entram
em choque com a idolatria
da Caaba, culminando em
sua perseguição pelos
Coraixitas. Hégira.
 Volta e conquista Meca.
Morre em 632, deixando a
Arábia unificada
Expansão Árabe
 1ª fase: expansão interna (unificação) – até 632.
 2ª fase: após a morte do Profeta, a expansão foi
comandada por califas.
– Fatores internos: crescimento demográfico árabe,
terras para a agricultura e o Djihad.
– Fatores externos: o enfraquecimento dos impérios
bizantino e persa, devido as freqüentes lutas entre
eles, facilitando a penetração árabe no oriente. Já
no ocidente, os muçulmanos souberam aproveitar
as fraquezas dos Estados bárbaros
descentralizados.
 632 a 661: primeiras conquistas no oriente
(Egito, Síria, Pérsia e Palestina).
 661 a 750: expansão para o ocidente (dinastia
Omíada). Gibral Tarik (711) atravessou o estreito que
leva seu nome e o avanço árabe só é detido em 732,
na Batalha de Poitiers, nos Pireneus, pelo franco Carlos
Martel.
 750 a 1258: dinastia Abássida. A grande extensão do
Império Árabe e as disputas políticas e religiosas
internas conduziram ao seu desmembramento em
califados independentes (de Bagdá, do Cairo, de
Córdova).
Expansão Árabe
 Conseqüências:
– Mesmo sem conquistar toda a Europa,
ela foi isolada. Fecharam a principal
via de comércio com o Oriente – O
Mar Mediterrâneo.
– Acelerou a ruralização e a formação
do feudalismo.
Religião
 Islamismo – Islão =
submissão à Alá
 Muslim = seguidor de alá
 Livro sagrado: Al Corão
 Predestinação: desencoraja
a revolta social, levando à
conformidade diante da
desigualdade.
Maomé
Religião
 Princípios fundamentais:
1) Crer em Alá, o único Deus, e em Maomé,
seu profeta;
2) rezar cinco vezes ao dia em direção a
Meca;
3) ser caridoso (dar esmolas);
4) jejuar no mês de Ramadã;
5) ir em peregrinação a Meca pelo menos
uma vez durante a vida.
Religião
 DJIHAD (guerra santa)
 “A espada é a chave do céu e do inferno.
Quem a desembainhar pela causa da fé
islâmica será recompensado por Alá.”
 Essa luta pela conversão dos infiéis foi o
grande motivador da expansão
muçulmana.
Religião
 É a terceira religião monoteísta;
 Possuem ascendência hebraica
Abraão
Isaac
Judaísmo
Ismael
Pai dos outros povos árabesJesus
Cristianismo
Igreja Ortodoxa 400 d.c. Maomé Islã
Muçulmano apróx. 400 d.c.
Igreja Católica
Apostólica e Romana
400 d.c .
Igreja Protestante/Evangélica
Luterana, Anglicana
Batista e todas as outras
1500 d.c.
Espiritismo
Surge na França
Em 1700-1800 d.c.
Religião
 Com a perda da unidade religiosa após a morte
de Maomé, surgiram diversas seitas:
 Sunitas: menos radicais, adotavam como livro
sagrado o Sunna, contendo os atos e ditos de
Maomé; eram partidários de um chefe de Estado
eleito pelos crentes e falível, por ser humano)
 Xiitas (radicais, só aceitavam o Corão como
fonte da verdade e descendentes do profeta
como lideres de Estado infalíveis).
Sunitas e Xiitas Hoje
Legado Cultural
 Por respeitarem os povos conquistados,
permitindo-lhes conservarem seus
hábitos e costumes, acabaram por
assimilar o patrimônio cultural de outras
civilizações, enriquecendo-o com
contribuições próprias.
Legado Cultural
 A escultura e a pintura:
pouca atenção,
(idolatria)
 Grande utilização de
arabescos.
Legado Cultural
 arquitetura: construção de
Mesquitas (templos) e
Minaretes (torres).
Influência bizantina e
persa, com cúpulas, arcos
em ferradura e colunas
torcidas. Decoração de
arabescos (motivos
geométricos e vegetais).
Legado Cultural
 literatura: grande
contribuição persa.
Destaque para o
Rubayyat, de Omar
Khayyam, e As mil e uma
noites, coletânea de
contos eróticos, fábulas e
aventuras das literaturas
orientais.
Legado Cultural
 Matemática: sistema numérico indo-arábico,
trigonometria e álgebra.
 Física: fundamentos da óptica (refração da
luz).
 Química (alquimia): busca da pedra filosofal
e do elixir da longa vida os levou a criação
de métodos (destilação, filtração,
sublimação) e substâncias (nitrato de prata,
carbonato de sódio, ácidos nítrico e
sulfúrico, etc).
Legado Cultural
 Medicina: combate a doenças epidêmicas.
Destaque: Avicena e sua obra Canon.
 História: Ibn-Kaldum (a evolução histórica e
os fatores materiais).
 Filosofia: preservaram os conhecimentos de
Aristóteles e Platão, discutidos por Averróis,
divulgados na Europa, influenciando a
efervescência cultural européia da B.I.M.
Legado Cultural
 A civilização islâmica, assim como, sua
contemporânea bizantina, influenciou
profundamente o pensamento e em conseqüência
a vida do Ocidente europeu. O intenso
desenvolvimento econômico do Império Árabe
afetou substancialmente a Europa feudal no final
da Idade Média, estimulando sobremaneira o
comércio. Os árabes levaram para o ocidente não
só mercadorias, mas a filosofia grega, a muito
esquecida, novas técnicas de agricultura,
invenções chinesas como a bússola, a pólvora e o
papel, além de inúmeras outras contribuições.
POVOS BÁRBAROS
QUEM ERAM OS BÁRBAROS?
 OS GREGOS E DEPOIS OS ROMANOS
CHAMAVAM DE “BÁRBAROS” OS POVOS QUE
VIVIAM ALÉM DOS DOMÍNIOS DE SUA
CIVILIZAÇÃO E SE MOSTRAVAM AVESSOS À
SUA CULTURA.
 EM RELAÇÃO A ROMA, BÁRBARO ERA O
POVO NÃO-SUBMETIDO AO IMPÉRIO, QUE
FALAVA LÍNGUA DIVERSA D LATIM E DO
GREGO, ADOTAVA OUTRAS REGRAS
JURÍDICAS E UM MODO DE VIDA DIFERENTE
DO ROMANO.
Visão Estereotipada
 O historiador Amiano marcelino, que era
oficial do exército romano, descreveu
algumas características dos hunos:
 Os Hunos tem um modo de vida muito rude.
Não cozinham, nem temperam os alimentos.
Comem raízes de plantas e carne semicrua
de qualquer animal.
Visão Estereotipada
 Vestem-se com tecidos de linho ou com peles de
animeias cozidas umas às outras. Depois de vestir
suas roupas, não as tiram do corpo, até que o
tempo as desfaçam em pedaços.
 Não possuem casas, nem cabanas, nem
constroem túmulos para seus mortos. Vivem
sempre montados em seus cavalos. É assim que
compram e vendem, comem e bebem . Agarrados
ao pescoço do cavalo, dormem em sono profundo.
Visão Estereotipada
 Não se dedicam à
agricultura. Passam a vida
andando pelas montanhas e
florestas. Não tem nenhuma
forma de organização
estável. Parece que estão
sempre fugindo em seus
cavalos e carroças.
Características Gerais
Economia agropastoril.
Ausência de comércio e moeda.
Ausência de escrita.
Inicialmente politeístas.
Inicialmente sem propriedade
privada.
Poder político = casta de
guerreiros.
Direito Consuetudinário: ordálio.
COMITATUS
Bárbaros e Romanos
 FASE DAS
MIGRAÇÕES: SÉCULOS
III E IV
Os germanos
entraram nos
domínios do Império
romano de forma
pacífica, por meio de
acordos com o
próprio governo de
Roma
 FASE DAS INVASÕES:
A PARTIR DO SÉC. V
Corresponde ao
período em que os
germanos entram no
Império Romano de
forma violenta e
brutal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
 
Slide idade média
Slide idade médiaSlide idade média
Slide idade média
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
A colonização portuguesa
A colonização portuguesaA colonização portuguesa
A colonização portuguesa
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
Guerra dos cem anos
Guerra dos cem anosGuerra dos cem anos
Guerra dos cem anos
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 

Semelhante a Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)

Idade media2
Idade media2Idade media2
Idade media2vithor
 
Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Fabio Salvari
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º AnoAuxiliadora
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
IslamismoPrivada
 
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabeIdade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabedeomario
 
Idade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairIdade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairTricia Carnevale
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidadeseixasmarianas
 
Islamismo e sahel
Islamismo e sahelIslamismo e sahel
Islamismo e sahelMARIANO C7S
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaMarinete Santos
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 anoOver Lane
 
Império Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e CarolingeoImpério Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e CarolingeoLú Carvalho
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 anoOver Lane
 
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes BarbarasAlexandre Protásio
 
2012 islamismo definitivo
2012 islamismo definitivo2012 islamismo definitivo
2012 islamismo definitivoMARIANO C7S
 

Semelhante a Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos) (20)

Idade media2
Idade media2Idade media2
Idade media2
 
Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013
 
Idade media2
Idade media2Idade media2
Idade media2
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
 
5
55
5
 
Idade media
Idade mediaIdade media
Idade media
 
5. idade média
5. idade média5. idade média
5. idade média
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabeIdade M%E9dia Oriental   Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
Idade M%E9dia Oriental Imp%E9rio Bizantino E Imp%E9rio %C1rabe
 
Idade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof IairIdade Media Oriental - Prof Iair
Idade Media Oriental - Prof Iair
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Imperio bizantino arabe
Imperio bizantino arabeImperio bizantino arabe
Imperio bizantino arabe
 
Islamismo e sahel
Islamismo e sahelIslamismo e sahel
Islamismo e sahel
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História Antiga
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Império Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e CarolingeoImpério Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e Carolingeo
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
2012 islamismo definitivo
2012 islamismo definitivo2012 islamismo definitivo
2012 islamismo definitivo
 

Mais de eiprofessor

Período Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I ReinadoPeríodo Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I Reinadoeiprofessor
 
História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)eiprofessor
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundialeiprofessor
 
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no BrasilDa Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasileiprofessor
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russaeiprofessor
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundialeiprofessor
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesaeiprofessor
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistaseiprofessor
 
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste AsiáticoAs Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiáticoeiprofessor
 
República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)eiprofessor
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrialeiprofessor
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociaiseiprofessor
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônicaeiprofessor
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanholaeiprofessor
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesaeiprofessor
 
Revolucão Industrial
Revolucão IndustrialRevolucão Industrial
Revolucão Industrialeiprofessor
 
EUA no século XIX
EUA no século XIXEUA no século XIX
EUA no século XIXeiprofessor
 

Mais de eiprofessor (20)

Período Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I ReinadoPeríodo Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I Reinado
 
História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Nazifascismo
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no BrasilDa Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste AsiáticoAs Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
 
República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Revolucão Industrial
Revolucão IndustrialRevolucão Industrial
Revolucão Industrial
 
EUA no século XIX
EUA no século XIXEUA no século XIX
EUA no século XIX
 

Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)

  • 2. Denominação e Cronologia  Surgiu da divisão da história humana feita pelos renascentistas, no início da Idade Moderna.  Os renascentistas foram geralmente vistos como continuadores dos ideais científicos, artísticos e estéticos das civilizações clássicas. Era como se houvesse um grande intervalo entre os antigos gregos e romanos e os renascentistas de então. Esse intervalo, esse “meio”, sob o prisma de um único processo de avanço da humanidade, acabou recebendo o nome de Idade Média.
  • 3. Denominação e Cronologia  Considerada o tempo do primitivismo, do atraso e do empobrecimento a cultura européia, a ponto de os ingleses terem forjado a expressão que se tornou famosa para designar o período: Dark Ages, Anos Escuros ou Idade das Trevas, das Sombras.
  • 4. Denominação e Cronologia Críticas: – Etnocentrismo – Universalismo
  • 5.
  • 6.
  • 8. Origem  395: divisão do império (Governo de Teodósio)  Império Romano do Oriente ou Império Grego.
  • 9.
  • 10. Localização Geográfica  Constantinopla – capital. – Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TUR). – Local privilegiado estrategicamente – contatos entre Oriente e Ocidente, rota de comércio.  Comércio ativo + produção agrícola próspera = riquezas.  Resistência às invasões bárbaras.
  • 11.
  • 12. Características Gerais  Nunca houve unidade racial; ali viviam latinos, gregos, semitas, germanos; eslavos, etc.  Em termos lingüísticos, o latim permaneceu como idioma nacional por um bom tempo, porém o grego acabou predominando como língua oficial no séc. VII.  Extremamente religiosos, os bizantinos se envolveram em várias disputas teológicas que até acabavam em guerras civis.
  • 13. Economia  Estado centralizador.  Agricultura: latifúndios, controlados pela Igreja (mosteiros católicos) e por uma nobreza latifundiária. Todo o trabalho era feito por colonos livres e escravos, situação inversa do que ocorreu com a produção rural feudal do Ocidente.  Intenso desenvolvimento comercial: artigos de luxo (perfumes, tecido de seda, porcelana, peças de vidro, etc).
  • 14. Política  O Império Bizantino era governado por uma monarquia centralizada, despótica e teocrática. O imperador comandava o exército e a Igreja, sendo considerado um representante de Deus e possuindo um grande poder.  CESAROPAPISMO: Imperador = chefe do exército + Igreja
  • 15. Governo de Justiniano (527-565)  Conquistas territoriais. – Península Itálica + Península Ibérica + Norte da África.  Compilação do Direito Romano – CORPUS JURIS CÍVILIS – Poderes ilimitados ao imperador. – Privilégios para a Igreja e para a nobreza. – Marginalização de colonos e escravos.
  • 16.
  • 17. Governo de Justiniano (527-565)  Criação do “Sólidus”  Burocracia centralizada + gastos militares + impostos. – Revoltas populares (Sedição de Nike)  Igreja de Santa Sofia (estilo bizantino – majestosidade)
  • 18.
  • 19.
  • 20. Igreja “Agia Sophia” ou “Sagrada Sabedoria”
  • 21.
  • 22. Religião  Surgimento de heresias: – MONOFISISTAS – negação da santíssima trindade (Cristo apenas com natureza divina); – ICONOCLASTAS – destruição de imagens (ícones).  1054: GRANDE CISMA DO ORIENTE: – Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de Constantinopla); – Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
  • 23. Decadência  séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e árabes;  séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas;  1453 – Conquistados pelos Turcos Otomanos (marco histórico que delimita oficialmente o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.
  • 24. Legado Cultural  Estado multi-étnico: mescla de elementos diversos (idioma grego, religião cristã, romano, gosto pelo requinte oriental, a arquitetura de inspiração persa etc)  Artes: combinaram luxo e exotismo oriental com equilíbrio e leveza greco-romano.  Arquitetura: Igreja de Santa Sofia (Mosaicos coloridos e cúpulas arredondadas)  Corpus Juris Civilis.
  • 26. Localização Geográfica  Localizou-se na Península Arábica, entre o mar Vermelho e o Golfo Pérsico. 5/6 do território corresponde a áreas desérticas pontilhadas de oásis.
  • 27. Arábia Pré-Islâmica  Descentralizados, possuindo cada tribo autonomia e diversidade cultural e lingüística. Eram politeístas e idólatras.  Tribos do interior (beduínos): nômades, viviam do pastoreio e saque (botim).  Tribos do litoral ou urbanas: faixa costeira do Mar Vermelho e do sul na península, cujas condições climáticas e fertilidade do solo favoreciam a sobrevivência e a sedentarização. Destacam-se Meca e Iatreb, grandes centros comerciais. Em Meca, a tribo dos coraixitas possuíam maior prestígio e poder graças a Caaba, santuário da Pedra Negra, abrigando os mais de 360 ídolos de todos os deuses cultuados pelas diversas tribos.
  • 28. Arábia Islâmica  Centralização, monoteísmo e iconoclastia  Maomé (570-632): processo de unificação  Percorreu diversas terras através de caravanas, e de religiões monoteístas (judaísmo e cristianismo) cria as bases de sua profetização.
  • 29. Arábia Islâmica  Centralização, monoteísmo e iconoclastia  Maomé (570-632): processo de unificação  Percorreu diversas terras através de caravanas, e de religiões monoteístas (judaísmo e cristianismo) cria as bases de sua profetização.
  • 30. Arábia Islâmica  Maomé: nasceu em 560 d.C., coraixita, porém de família pobre. Órfão, foi educado pelo tio, participando de várias caravanas.  Teve contato com o cristianismo e o judaísmo.  Casou-se com Cadja, proprietária de uma caravana – passou mais tempo dedicando- se á contemplação religiosa.
  • 31. Arábia Islâmica  Aos 41 anos teve a primeira visão do anjo Gabriel que lhe disse: "Há um só deus, ALÁ, e um só profeta, MAOMÉ."Contou sobre esta e outras aparições aos parentes e os foi convertendo. Confiante, passou a pregar aos coraixitas.
  • 32. Arábia Islâmica  Suas pregações entram em choque com a idolatria da Caaba, culminando em sua perseguição pelos Coraixitas. Hégira.  Volta e conquista Meca. Morre em 632, deixando a Arábia unificada
  • 33. Expansão Árabe  1ª fase: expansão interna (unificação) – até 632.  2ª fase: após a morte do Profeta, a expansão foi comandada por califas. – Fatores internos: crescimento demográfico árabe, terras para a agricultura e o Djihad. – Fatores externos: o enfraquecimento dos impérios bizantino e persa, devido as freqüentes lutas entre eles, facilitando a penetração árabe no oriente. Já no ocidente, os muçulmanos souberam aproveitar as fraquezas dos Estados bárbaros descentralizados.
  • 34.  632 a 661: primeiras conquistas no oriente (Egito, Síria, Pérsia e Palestina).
  • 35.  661 a 750: expansão para o ocidente (dinastia Omíada). Gibral Tarik (711) atravessou o estreito que leva seu nome e o avanço árabe só é detido em 732, na Batalha de Poitiers, nos Pireneus, pelo franco Carlos Martel.
  • 36.  750 a 1258: dinastia Abássida. A grande extensão do Império Árabe e as disputas políticas e religiosas internas conduziram ao seu desmembramento em califados independentes (de Bagdá, do Cairo, de Córdova).
  • 37. Expansão Árabe  Conseqüências: – Mesmo sem conquistar toda a Europa, ela foi isolada. Fecharam a principal via de comércio com o Oriente – O Mar Mediterrâneo. – Acelerou a ruralização e a formação do feudalismo.
  • 38. Religião  Islamismo – Islão = submissão à Alá  Muslim = seguidor de alá  Livro sagrado: Al Corão  Predestinação: desencoraja a revolta social, levando à conformidade diante da desigualdade. Maomé
  • 39. Religião  Princípios fundamentais: 1) Crer em Alá, o único Deus, e em Maomé, seu profeta; 2) rezar cinco vezes ao dia em direção a Meca; 3) ser caridoso (dar esmolas); 4) jejuar no mês de Ramadã; 5) ir em peregrinação a Meca pelo menos uma vez durante a vida.
  • 40. Religião  DJIHAD (guerra santa)  “A espada é a chave do céu e do inferno. Quem a desembainhar pela causa da fé islâmica será recompensado por Alá.”  Essa luta pela conversão dos infiéis foi o grande motivador da expansão muçulmana.
  • 41. Religião  É a terceira religião monoteísta;  Possuem ascendência hebraica
  • 42. Abraão Isaac Judaísmo Ismael Pai dos outros povos árabesJesus Cristianismo Igreja Ortodoxa 400 d.c. Maomé Islã Muçulmano apróx. 400 d.c. Igreja Católica Apostólica e Romana 400 d.c . Igreja Protestante/Evangélica Luterana, Anglicana Batista e todas as outras 1500 d.c. Espiritismo Surge na França Em 1700-1800 d.c.
  • 43.
  • 44. Religião  Com a perda da unidade religiosa após a morte de Maomé, surgiram diversas seitas:  Sunitas: menos radicais, adotavam como livro sagrado o Sunna, contendo os atos e ditos de Maomé; eram partidários de um chefe de Estado eleito pelos crentes e falível, por ser humano)  Xiitas (radicais, só aceitavam o Corão como fonte da verdade e descendentes do profeta como lideres de Estado infalíveis).
  • 46. Legado Cultural  Por respeitarem os povos conquistados, permitindo-lhes conservarem seus hábitos e costumes, acabaram por assimilar o patrimônio cultural de outras civilizações, enriquecendo-o com contribuições próprias.
  • 47. Legado Cultural  A escultura e a pintura: pouca atenção, (idolatria)  Grande utilização de arabescos.
  • 48. Legado Cultural  arquitetura: construção de Mesquitas (templos) e Minaretes (torres). Influência bizantina e persa, com cúpulas, arcos em ferradura e colunas torcidas. Decoração de arabescos (motivos geométricos e vegetais).
  • 49.
  • 50. Legado Cultural  literatura: grande contribuição persa. Destaque para o Rubayyat, de Omar Khayyam, e As mil e uma noites, coletânea de contos eróticos, fábulas e aventuras das literaturas orientais.
  • 51. Legado Cultural  Matemática: sistema numérico indo-arábico, trigonometria e álgebra.  Física: fundamentos da óptica (refração da luz).  Química (alquimia): busca da pedra filosofal e do elixir da longa vida os levou a criação de métodos (destilação, filtração, sublimação) e substâncias (nitrato de prata, carbonato de sódio, ácidos nítrico e sulfúrico, etc).
  • 52. Legado Cultural  Medicina: combate a doenças epidêmicas. Destaque: Avicena e sua obra Canon.  História: Ibn-Kaldum (a evolução histórica e os fatores materiais).  Filosofia: preservaram os conhecimentos de Aristóteles e Platão, discutidos por Averróis, divulgados na Europa, influenciando a efervescência cultural européia da B.I.M.
  • 53. Legado Cultural  A civilização islâmica, assim como, sua contemporânea bizantina, influenciou profundamente o pensamento e em conseqüência a vida do Ocidente europeu. O intenso desenvolvimento econômico do Império Árabe afetou substancialmente a Europa feudal no final da Idade Média, estimulando sobremaneira o comércio. Os árabes levaram para o ocidente não só mercadorias, mas a filosofia grega, a muito esquecida, novas técnicas de agricultura, invenções chinesas como a bússola, a pólvora e o papel, além de inúmeras outras contribuições.
  • 55. QUEM ERAM OS BÁRBAROS?  OS GREGOS E DEPOIS OS ROMANOS CHAMAVAM DE “BÁRBAROS” OS POVOS QUE VIVIAM ALÉM DOS DOMÍNIOS DE SUA CIVILIZAÇÃO E SE MOSTRAVAM AVESSOS À SUA CULTURA.  EM RELAÇÃO A ROMA, BÁRBARO ERA O POVO NÃO-SUBMETIDO AO IMPÉRIO, QUE FALAVA LÍNGUA DIVERSA D LATIM E DO GREGO, ADOTAVA OUTRAS REGRAS JURÍDICAS E UM MODO DE VIDA DIFERENTE DO ROMANO.
  • 56.
  • 57. Visão Estereotipada  O historiador Amiano marcelino, que era oficial do exército romano, descreveu algumas características dos hunos:  Os Hunos tem um modo de vida muito rude. Não cozinham, nem temperam os alimentos. Comem raízes de plantas e carne semicrua de qualquer animal.
  • 58. Visão Estereotipada  Vestem-se com tecidos de linho ou com peles de animeias cozidas umas às outras. Depois de vestir suas roupas, não as tiram do corpo, até que o tempo as desfaçam em pedaços.  Não possuem casas, nem cabanas, nem constroem túmulos para seus mortos. Vivem sempre montados em seus cavalos. É assim que compram e vendem, comem e bebem . Agarrados ao pescoço do cavalo, dormem em sono profundo.
  • 59. Visão Estereotipada  Não se dedicam à agricultura. Passam a vida andando pelas montanhas e florestas. Não tem nenhuma forma de organização estável. Parece que estão sempre fugindo em seus cavalos e carroças.
  • 60. Características Gerais Economia agropastoril. Ausência de comércio e moeda. Ausência de escrita. Inicialmente politeístas. Inicialmente sem propriedade privada. Poder político = casta de guerreiros. Direito Consuetudinário: ordálio. COMITATUS
  • 61. Bárbaros e Romanos  FASE DAS MIGRAÇÕES: SÉCULOS III E IV Os germanos entraram nos domínios do Império romano de forma pacífica, por meio de acordos com o próprio governo de Roma
  • 62.  FASE DAS INVASÕES: A PARTIR DO SÉC. V Corresponde ao período em que os germanos entram no Império Romano de forma violenta e brutal