SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
TIPOS BURLESCOS DESENHADOS POR BRUNO SEABRA

                        Biblioteca portátil
propriedade de Luiz V. Ferreira, Miguel V.Ferreira e Bruno Seabra

                                                                        Ao bacharel Duarte P. Schetel


                               Introdução
                         (no dia dos meus anos)

                  Folguemos coração! Ainda agora
                 Comecei a ser gente na existência!
            Vinte e dois anos só! Sou mesmo um noviço,
                Um jacinto de amor na adolescência!

                  O buço desabrocha levemente,
               Que macio que vem, quão será lindo?!
                Ave! ireis da minha mocidade! —
               Sê benvindo, meu buço, sê benvindo!

              Mas... que é isto? Parece que entristeço?!
              Eh-lá, tristeza — eh-lá! eu te esconjuro!
              No dia dos meus anos... que lembrança!
              De que me lembrei eu? Do meu futuro!

     Do meu futuro...
                       José, traz-me um cigarro,
                 E de passagem o cognac e vinho.
                 ....................................................
               Vai ali perguntar, se é grega ou china
              A palavra — futuro, — ao meu vizinho.

                 ...................................................
                      É coisa, que há de vir?!...
                                Eu seja frade,
           Se em coisas que hão de vir tenho esperanças!
               Nasci... hei de viver!... sou fatalista,
              Não creio em contos de ninar crianças!

                Meu futuro é dormir sonos de fadas
              Sobre a grama dos prados e boninas, —
                  Andar aí com fome pelas ruas
              Mendigando os amores das meninas! —

                       Amor... falo em amor?...
                          Lembro-me agora,
               Eu já tive uns amores; — há dois anos,
                Amei uma donzela... inocentinha...
                Ela amava, comigo, a três maganos!

               Dois rivais para um? Não fui covarde,
                  Tive juízo, abandonei a praça:
               Vim para casa, fiz uns versos tristes,
                E d’aí... fui poeta... que desgraça.
Não... não quero na terra os meus amores,
                                        Os duelos às vezes fazem danos...
                                      É tão bom se viver... os dias passam...
                                       No fim de doze meses se faz anos!...

                                       Os amores de céu têm mais poesia,
                                        Ali pode-se amar a rédeas soltas;
                                     Lá no céu não há línguas de intrigantes,
                                     Como as línguas daqui... tão desenvoltas.

                                        A lua é uma cigana, arranja a vida
                                      Com tetéias de amor, se não me engano,
                                        Vale a pena pedí-la em casamento,
                                      Tenho uns modos assim... para cigano!

                                          Fumo cigarros, sei tocar viola,
                                      Canto modinhas, com requebro e graça,
                                         Para ser um cigano de mancheia
                                        Só me falta vender rimas na praça.

                                     Palavra de honra, (que no céu. Deus haja)
                                        Sinto dentro do crânio uma fragura!
                                          Ora, se a lua é fria como dizem,
                                        No colo da cigana... que frescura?!

                                         Ó lá de cima se te apraz um noivo,
                                         Um pobre doidivanas cá debaixo,
                                        Eu me apresento candidato a esposo,
                                        E no leito de amor o nome encaixo!

                                    Sou moço e pobre, — ouço missa às vezes:
                                      Chamo a tod’os ministros de tiranos!...
                                     Detesto o servilismo... (c’est dommage!)
                                       E fiz hoje afinal — vinte e dois anos.

                                        Se não recusas a proposta minha,
                                      Dize ao nédio Mafona e sempre ledo,
                                       Que se lembre da gente cá de baixo,
                                    Do seu mundo, — que vai que mete medo!

                                      Faz-me o favor levar-lhe estes folhetos,
                                       Dize ao profeta-maganão que os leia;
                                       E verá como a terra em sua ausência
                                     É mesmo um ostrum mulundum candeia*.

                                                                                 1859

* Frase plebéia em Maranhão; belo, está bonito, não se tem o que dizer. É um primor etc




                                              O senhor Papa-Suspiros
                                                   Cena cômica
Personagem: O senhor papa-suspiros
Representa um homem de 45 à 50 anos, vestido burlescamente.

A ação passa-se no Rio de Janeiro
Época: atualidade

                                  O teatro apresenta uma pequena praça
             À frente casas em perspectiva! À esquerda, um lampião. — É noite.

               Ao levantar-se o pano a personagem entra em cena pela direita

                                              Cena única

                                     O senhor Papa-Suspiros,
                        (Indo até o lampião cantarolando fanhosamente)

                                     Com jeito se leva o mundo,
                                      De tudo o jeito é capaz,
                                      O caso é ajeitar-se o jeito
                                      Como muita gente faz.1

  (Pára; tira de dentro do chapéu um grande ramo de flores, beija e o cheira com entusiasmo: vem à cena,
                                   torna a beijá-lo; e passeia vagaroso.)

                                      (Recita; é burlesco até o fim.)

                                                 (Rindo:)

                                  Ah-ah-ah! ah-ah-ah! Forte lembrança!
                                  Ora a gente também tem seus amores?!

                                       (Pára e se dirige à platéia:)

                                 E esta! que massada! pois um homem
                                Não tem alma também como os senhores?

                                                 (Canta)

                                         Amor é como defluxo
                                       De qualquer venta se apossa
                                        Sem dar contas ao nariz;
                                         Seja nariz de visconde,
                                       Ou de ministro ou de moça,
                                        Branco, escuro ou verniz.

                      (Pequena pausa; depois pergunta, cantando desentoadamente:)

                                           Sendo assim pois
                                        Quem se livra destes dois?

                                              (Passeando:)
Ah-ah-ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
  Ora a gente também tem seus amores?
       (Beija o ramo com entusiasmo.)

                  (À platéia;)

 Eu me chamo o senhor Papa-Suspiros,
    Que é nome de família deste cujo;
   Já sonhei uma vez com o baronato,
   Apesar de me verem assim tão sujo:
  E moro num quartinho muito estreito,
   E não pago um vintém pela morada!
   Filante não sou eu! porém pergunto,
Há de um homem teimar com a namorada?

                 (Passeando:)

     Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
     Oh que bela invenção, que bela idéia!

                  (À platéia:)

       Acreditem que a gente vive muito
       Quando sabe viver à custa alheia.

                 (Passeando:)

     Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
     Oh que bela invenção, que bela idéia!

                  (À platéia:)

    Eu nasci p’ra viver à custa alheia,
   E vivo assim, assim meio contente;
  Pois se a gente nasceu para ser pobre
   É melhor ir vivendo assim a gente!

    Cada qual vai vivendo como pode,
  E porque foi com a gente a sorte avára
    Há de a gente fazer-se de soberba,
     E deixar de viver de meia-casa?!

                 (Passeando:)

     Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
         Ora a gente tem seus amores!

                  (Á platéia:)

      Eu como, visto e bebo à custa delas,
      Que vida regalada, meus senhores!
(Passeando:)

    Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
        Ora a gente tem seus amores!

                 (Á platéia:)

      Namoro a rapariga mais galante,
  Que meus olhos já viram sobre a terra;
  Quando penso em casar com a rapariga,
 Meu terno coração no peito (Forte) ber...ra!

                (Passeando:)

    Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
 Nasce um homem também p’ra ser marido!
Oh que dia feliz! (À platéia) quando me lembro
      Tenho ânsias de ir como perdido!

                   (Canta)

       Com jeito se leva o mundo,
        De tudo o jeito é capaz,
        O caso é ajeitar-se o jeito
         Como muita gente faz.

                (Passeando:)

  Quero agora mandar fazer um fato.

                (Atoleimado:)

E então fui comprar dez réis de flores;

     (Mostrando o ramo para a platéia:)

 O ramo é o capital... o fato os juros,
Que me hão de pagar os meus amores.

       (Beija o ramo com entusiasmo:)

                (Passeando:)

    Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
  Ora um homem também já compra flores?!

                 (À platéia:)

    Pois o caso é assim, comprei-lhe flores
   Faz-se um mimo de um ramo à rapariga,
    Depois... a gente pede qualquer coisa...
Não tem mais que dizer, — vendeu a espiga!

       Pois amor é assim, o mais é bucha,
         Eu cá sigo os amores desta laia.
       Para paio de amor sou muito pobre,
        Ela é mais rica, seja ela — paia!

                     (Canta:)

           Com jeito se leva o mundo
            De tudo o jeito é capaz,
           O caso é ajeitar-se o jeito
            Como muita gente faz.

      A gente é como é — diz o que pensa,
  Quem não pensa o que diz — faz como a gente,
      Põe-se aí a pregar sermão aos outros
     E pega — vai fazendo o que não sente.

       Namorar, namorar como eu namoro,
        Isto sim fica bem e a todos cabe;
        Não é andar aí quebrando cantos.

                (Rindo burlesco:)

     Suspirando de amor por quem não sabe!

            (Dentro batem 10 horas.)

          (Depois de contar as horas:)

      Já dez horas, Jesus! Não tarda a bicha!

                   (À platéia:)

       Ai! que tenho ciúmes dos senhores!

(Olhando com atenção para a platéia e camarotes.)

       Tanta gente... e que olhos curiosos
       Para a cena gentil de meus amores!

       Mas senhores, desejo a sós com ela,
      A minha namorada, os meus amores,
      Um momento ficar, para entregar-lhe.

                  (Mostrando:)

        Este raminho de inocentes flores.

      Como podem porém nos seus juízos,
     De nós — ambos fazer — idéia injusta,
       Eu lhes passo a contar um episódio
     Para que vejam — quanto a moça custa.

       (Canta ou recita ao som da música:)
A moça que eu amo
    Tem olhos de gata
     A cor da mulata,
      Cabelos de lã;
 Seus dentes são brancos,
  Seus lábios vermelhos,
 Que lembram dos velhos
      A calva louçã.

           **

   Só veste os vestidos
    À moda da França,
  Seu nome é ‘Sperança,
     Negaça de amor;
    ‘Svelta e gorducha
     Tem fina cintura,
     Na boca doçura,
      No hálito odor.

  Dez vezes lhe tenho
   Um beijo pedido,
  Não é meu marido,
— Responde, — e não dá!
  Se intento agarrá-la
   Me foge sorrindo,
   E eu fico fingindo,
 Dizendo-lhe que má!

           **

  Mas, amo esta moça,
 Que nega-me um beijo,
  E foge, e tem pejo,
  Se teimo em pedir;
   A moça, que fácil
  Consente o amante
  Beijá-la... adiante...
   Promete — cair.

           **

    Há dias, a furto,
   Beijei-a na orelha,
  Se fez tão vermelha
 Qual brasa em fogão!
 Que mal faz na orelha
 Beijar minha amante?
 Tornou-me — tratante,
Cachorro... vilão! (Forte)

           **

Que mal? Pois não sabe...
  Não sabe e calou-se!
A moça engasgou-se
       Com o fim da oração
        Fitou-me nos olhos
       — Em chamas ardidos;
         Os meus atrevidos
         Fitei-os no chão!

                **

       Já vem que essa moça
         ‘Stá fora de moda,
      Não cabe, não se engoda
       Com choros de amor!
      Já vêem meus senhores,
      Que a moça é inocente,
          Palavra da gente
           É toda pudor.

                **

Eu me chamo o senhor Papa-Suspiros
  Porque tenho vivido deste modo,
 Suspirando d’amor pela Esperança,
Criada a mais gentil do mundo todo!

          (Retirando-se:)

Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança!
Ora a gente também tem na esperança!
1 Note-se que, na grafia da época, século XIX, jeito e ajeita-se grafavam-se com a letra gê, com o que o autor faria uma
sugestão psicológica entre “geito”, “ageita-se” e gente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poemas de Bocage
Poemas de Bocage Poemas de Bocage
Poemas de Bocage agnes2012
 
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosaAnálise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosama.no.el.ne.ves
 
Revista literatas edição 12
Revista literatas   edição 12Revista literatas   edição 12
Revista literatas edição 12canaldoreporter
 
A narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosaA narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosama.no.el.ne.ves
 
Arcadismo no brasil - autores e obras
Arcadismo no brasil  - autores e obrasArcadismo no brasil  - autores e obras
Arcadismo no brasil - autores e obrasCynthia Funchal
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagaranama.no.el.ne.ves
 
Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011
Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011
Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011jhecioosaki
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSérgio Pitaki
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismorafabebum
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoJosé Ricardo Lima
 
Revisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismo
Revisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismoRevisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismo
Revisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismoma.no.el.ne.ves
 
1 poemas declame para drummond 2012
1   poemas  declame para drummond 20121   poemas  declame para drummond 2012
1 poemas declame para drummond 2012Dulenary Martins
 
Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1V
 

Mais procurados (20)

Poemas de Bocage
Poemas de Bocage Poemas de Bocage
Poemas de Bocage
 
A poesia e a música
A poesia e a músicaA poesia e a música
A poesia e a música
 
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosaAnálise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
 
Revista literatas edição 12
Revista literatas   edição 12Revista literatas   edição 12
Revista literatas edição 12
 
A narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosaA narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosa
 
Arcadismo no brasil - autores e obras
Arcadismo no brasil  - autores e obrasArcadismo no brasil  - autores e obras
Arcadismo no brasil - autores e obras
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
 
Como um Estalo
Como um EstaloComo um Estalo
Como um Estalo
 
Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011
Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011
Comunicacao e expressao_cultural_-_apostila_versao_final_-_julho_de_2011
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
 
O trovadoresco nº 72 junho 2011
O trovadoresco nº 72 junho 2011O trovadoresco nº 72 junho 2011
O trovadoresco nº 72 junho 2011
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Poetas da I República
Poetas da I RepúblicaPoetas da I República
Poetas da I República
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Revisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismo
Revisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismoRevisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismo
Revisional de estilos de época 14, terceira geração do modernismo
 
1 poemas declame para drummond 2012
1   poemas  declame para drummond 20121   poemas  declame para drummond 2012
1 poemas declame para drummond 2012
 
Revista Literatas Ano II - Nº 33
Revista Literatas Ano II - Nº 33Revista Literatas Ano II - Nº 33
Revista Literatas Ano II - Nº 33
 
Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
 

Semelhante a Bruno.seabra.tipos.burlescos

Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...São Ludovino
 
Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio Prof.ª ConceiçãO ...
Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio   Prof.ª ConceiçãO ...Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio   Prof.ª ConceiçãO ...
Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio Prof.ª ConceiçãO ...librarian
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra culturalBarbara Coelho
 
Quintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapalloQuintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapalloPatrizia Ercole
 
Como fazer aquele trabalho infeliz de literatura
Como fazer aquele trabalho infeliz de literaturaComo fazer aquele trabalho infeliz de literatura
Como fazer aquele trabalho infeliz de literaturaAline Oliveira Queiroz
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andradevestibular
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeRita Santana
 
20120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 320120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 3crepalmela
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anogracatremoco45
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCris Gonçalves
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBesaf Biblioteca
 
Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Soleducador1
 

Semelhante a Bruno.seabra.tipos.burlescos (20)

Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
 
Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio Prof.ª ConceiçãO ...
Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio   Prof.ª ConceiçãO ...Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio   Prof.ª ConceiçãO ...
Toma Lá Poesia Folhetos De PromoçãO Do Concurso LiteráRio Prof.ª ConceiçãO ...
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
 
Quintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapalloQuintana 08 03_2013_rapallo
Quintana 08 03_2013_rapallo
 
Sobre as Asas
Sobre as AsasSobre as Asas
Sobre as Asas
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Como fazer aquele trabalho infeliz de literatura
Como fazer aquele trabalho infeliz de literaturaComo fazer aquele trabalho infeliz de literatura
Como fazer aquele trabalho infeliz de literatura
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andrade
 
20120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 320120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 3
 
Caderno poemas português
Caderno poemas portuguêsCaderno poemas português
Caderno poemas português
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
 
Caderno poemas
Caderno poemasCaderno poemas
Caderno poemas
 
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anosIEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Apresentação poesia1
Apresentação poesia1
 

Mais de Ariane Mafra

Urdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidadeUrdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidadeAriane Mafra
 
Revista moin moin_6
Revista moin moin_6Revista moin moin_6
Revista moin moin_6Ariane Mafra
 
Revista moin moin_5
Revista moin moin_5Revista moin moin_5
Revista moin moin_5Ariane Mafra
 
Revista moin moin_4
Revista moin moin_4Revista moin moin_4
Revista moin moin_4Ariane Mafra
 
Revista moin moin_1
Revista moin moin_1Revista moin moin_1
Revista moin moin_1Ariane Mafra
 
Sociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculoSociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculoAriane Mafra
 
Psicossociologia análise social e intervenção
Psicossociologia   análise social e intervençãoPsicossociologia   análise social e intervenção
Psicossociologia análise social e intervençãoAriane Mafra
 
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteirasPedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteirasAriane Mafra
 
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovensPaolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovensAriane Mafra
 
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machadoO assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machadoAriane Mafra
 
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1Ariane Mafra
 
Miro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatroMiro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatroAriane Mafra
 
Isabel allende o reino do dragão de ouro
Isabel allende   o reino do dragão de ouroIsabel allende   o reino do dragão de ouro
Isabel allende o reino do dragão de ouroAriane Mafra
 
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasFabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasAriane Mafra
 
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisaDave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisaAriane Mafra
 

Mais de Ariane Mafra (20)

Urdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidadeUrdimento voz oralidade
Urdimento voz oralidade
 
Urdimento 12
Urdimento 12Urdimento 12
Urdimento 12
 
Urdimento 11
Urdimento 11Urdimento 11
Urdimento 11
 
Urdimento 5
Urdimento 5Urdimento 5
Urdimento 5
 
Urdimento 4
Urdimento 4Urdimento 4
Urdimento 4
 
Revista moin moin_6
Revista moin moin_6Revista moin moin_6
Revista moin moin_6
 
Revista moin moin_5
Revista moin moin_5Revista moin moin_5
Revista moin moin_5
 
Revista moin moin_4
Revista moin moin_4Revista moin moin_4
Revista moin moin_4
 
Revista moin moin_1
Revista moin moin_1Revista moin moin_1
Revista moin moin_1
 
Sociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculoSociedade do espetaculo
Sociedade do espetaculo
 
Psicossociologia análise social e intervenção
Psicossociologia   análise social e intervençãoPsicossociologia   análise social e intervenção
Psicossociologia análise social e intervenção
 
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteirasPedagogia dos monstros   os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
Pedagogia dos monstros os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras
 
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovensPaolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
Paolo.parise. .arte.de.criar.-.dinamicas.para.grupos.de.jovens
 
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machadoO assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
O assunto eh_vinho_carlos_alberto_sardenberg_renato_machado
 
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
Mozart.couto.curso.completo.de.desenho.volume.1
 
Miro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatroMiro.baia.arte.da.expressao.teatro
Miro.baia.arte.da.expressao.teatro
 
Isabel allende o reino do dragão de ouro
Isabel allende   o reino do dragão de ouroIsabel allende   o reino do dragão de ouro
Isabel allende o reino do dragão de ouro
 
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santasFabio.fabricio.fabreti.super.santas
Fabio.fabricio.fabreti.super.santas
 
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisaDave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
Dave.pelzer.uma.crianca.chamada.coisa
 
Os persas
Os persasOs persas
Os persas
 

Bruno.seabra.tipos.burlescos

  • 1. TIPOS BURLESCOS DESENHADOS POR BRUNO SEABRA Biblioteca portátil propriedade de Luiz V. Ferreira, Miguel V.Ferreira e Bruno Seabra Ao bacharel Duarte P. Schetel Introdução (no dia dos meus anos) Folguemos coração! Ainda agora Comecei a ser gente na existência! Vinte e dois anos só! Sou mesmo um noviço, Um jacinto de amor na adolescência! O buço desabrocha levemente, Que macio que vem, quão será lindo?! Ave! ireis da minha mocidade! — Sê benvindo, meu buço, sê benvindo! Mas... que é isto? Parece que entristeço?! Eh-lá, tristeza — eh-lá! eu te esconjuro! No dia dos meus anos... que lembrança! De que me lembrei eu? Do meu futuro! Do meu futuro... José, traz-me um cigarro, E de passagem o cognac e vinho. .................................................... Vai ali perguntar, se é grega ou china A palavra — futuro, — ao meu vizinho. ................................................... É coisa, que há de vir?!... Eu seja frade, Se em coisas que hão de vir tenho esperanças! Nasci... hei de viver!... sou fatalista, Não creio em contos de ninar crianças! Meu futuro é dormir sonos de fadas Sobre a grama dos prados e boninas, — Andar aí com fome pelas ruas Mendigando os amores das meninas! — Amor... falo em amor?... Lembro-me agora, Eu já tive uns amores; — há dois anos, Amei uma donzela... inocentinha... Ela amava, comigo, a três maganos! Dois rivais para um? Não fui covarde, Tive juízo, abandonei a praça: Vim para casa, fiz uns versos tristes, E d’aí... fui poeta... que desgraça.
  • 2. Não... não quero na terra os meus amores, Os duelos às vezes fazem danos... É tão bom se viver... os dias passam... No fim de doze meses se faz anos!... Os amores de céu têm mais poesia, Ali pode-se amar a rédeas soltas; Lá no céu não há línguas de intrigantes, Como as línguas daqui... tão desenvoltas. A lua é uma cigana, arranja a vida Com tetéias de amor, se não me engano, Vale a pena pedí-la em casamento, Tenho uns modos assim... para cigano! Fumo cigarros, sei tocar viola, Canto modinhas, com requebro e graça, Para ser um cigano de mancheia Só me falta vender rimas na praça. Palavra de honra, (que no céu. Deus haja) Sinto dentro do crânio uma fragura! Ora, se a lua é fria como dizem, No colo da cigana... que frescura?! Ó lá de cima se te apraz um noivo, Um pobre doidivanas cá debaixo, Eu me apresento candidato a esposo, E no leito de amor o nome encaixo! Sou moço e pobre, — ouço missa às vezes: Chamo a tod’os ministros de tiranos!... Detesto o servilismo... (c’est dommage!) E fiz hoje afinal — vinte e dois anos. Se não recusas a proposta minha, Dize ao nédio Mafona e sempre ledo, Que se lembre da gente cá de baixo, Do seu mundo, — que vai que mete medo! Faz-me o favor levar-lhe estes folhetos, Dize ao profeta-maganão que os leia; E verá como a terra em sua ausência É mesmo um ostrum mulundum candeia*. 1859 * Frase plebéia em Maranhão; belo, está bonito, não se tem o que dizer. É um primor etc O senhor Papa-Suspiros Cena cômica
  • 3. Personagem: O senhor papa-suspiros Representa um homem de 45 à 50 anos, vestido burlescamente. A ação passa-se no Rio de Janeiro Época: atualidade O teatro apresenta uma pequena praça À frente casas em perspectiva! À esquerda, um lampião. — É noite. Ao levantar-se o pano a personagem entra em cena pela direita Cena única O senhor Papa-Suspiros, (Indo até o lampião cantarolando fanhosamente) Com jeito se leva o mundo, De tudo o jeito é capaz, O caso é ajeitar-se o jeito Como muita gente faz.1 (Pára; tira de dentro do chapéu um grande ramo de flores, beija e o cheira com entusiasmo: vem à cena, torna a beijá-lo; e passeia vagaroso.) (Recita; é burlesco até o fim.) (Rindo:) Ah-ah-ah! ah-ah-ah! Forte lembrança! Ora a gente também tem seus amores?! (Pára e se dirige à platéia:) E esta! que massada! pois um homem Não tem alma também como os senhores? (Canta) Amor é como defluxo De qualquer venta se apossa Sem dar contas ao nariz; Seja nariz de visconde, Ou de ministro ou de moça, Branco, escuro ou verniz. (Pequena pausa; depois pergunta, cantando desentoadamente:) Sendo assim pois Quem se livra destes dois? (Passeando:)
  • 4. Ah-ah-ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Ora a gente também tem seus amores? (Beija o ramo com entusiasmo.) (À platéia;) Eu me chamo o senhor Papa-Suspiros, Que é nome de família deste cujo; Já sonhei uma vez com o baronato, Apesar de me verem assim tão sujo: E moro num quartinho muito estreito, E não pago um vintém pela morada! Filante não sou eu! porém pergunto, Há de um homem teimar com a namorada? (Passeando:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Oh que bela invenção, que bela idéia! (À platéia:) Acreditem que a gente vive muito Quando sabe viver à custa alheia. (Passeando:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Oh que bela invenção, que bela idéia! (À platéia:) Eu nasci p’ra viver à custa alheia, E vivo assim, assim meio contente; Pois se a gente nasceu para ser pobre É melhor ir vivendo assim a gente! Cada qual vai vivendo como pode, E porque foi com a gente a sorte avára Há de a gente fazer-se de soberba, E deixar de viver de meia-casa?! (Passeando:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Ora a gente tem seus amores! (Á platéia:) Eu como, visto e bebo à custa delas, Que vida regalada, meus senhores!
  • 5. (Passeando:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Ora a gente tem seus amores! (Á platéia:) Namoro a rapariga mais galante, Que meus olhos já viram sobre a terra; Quando penso em casar com a rapariga, Meu terno coração no peito (Forte) ber...ra! (Passeando:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Nasce um homem também p’ra ser marido! Oh que dia feliz! (À platéia) quando me lembro Tenho ânsias de ir como perdido! (Canta) Com jeito se leva o mundo, De tudo o jeito é capaz, O caso é ajeitar-se o jeito Como muita gente faz. (Passeando:) Quero agora mandar fazer um fato. (Atoleimado:) E então fui comprar dez réis de flores; (Mostrando o ramo para a platéia:) O ramo é o capital... o fato os juros, Que me hão de pagar os meus amores. (Beija o ramo com entusiasmo:) (Passeando:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Ora um homem também já compra flores?! (À platéia:) Pois o caso é assim, comprei-lhe flores Faz-se um mimo de um ramo à rapariga, Depois... a gente pede qualquer coisa...
  • 6. Não tem mais que dizer, — vendeu a espiga! Pois amor é assim, o mais é bucha, Eu cá sigo os amores desta laia. Para paio de amor sou muito pobre, Ela é mais rica, seja ela — paia! (Canta:) Com jeito se leva o mundo De tudo o jeito é capaz, O caso é ajeitar-se o jeito Como muita gente faz. A gente é como é — diz o que pensa, Quem não pensa o que diz — faz como a gente, Põe-se aí a pregar sermão aos outros E pega — vai fazendo o que não sente. Namorar, namorar como eu namoro, Isto sim fica bem e a todos cabe; Não é andar aí quebrando cantos. (Rindo burlesco:) Suspirando de amor por quem não sabe! (Dentro batem 10 horas.) (Depois de contar as horas:) Já dez horas, Jesus! Não tarda a bicha! (À platéia:) Ai! que tenho ciúmes dos senhores! (Olhando com atenção para a platéia e camarotes.) Tanta gente... e que olhos curiosos Para a cena gentil de meus amores! Mas senhores, desejo a sós com ela, A minha namorada, os meus amores, Um momento ficar, para entregar-lhe. (Mostrando:) Este raminho de inocentes flores. Como podem porém nos seus juízos, De nós — ambos fazer — idéia injusta, Eu lhes passo a contar um episódio Para que vejam — quanto a moça custa. (Canta ou recita ao som da música:)
  • 7. A moça que eu amo Tem olhos de gata A cor da mulata, Cabelos de lã; Seus dentes são brancos, Seus lábios vermelhos, Que lembram dos velhos A calva louçã. ** Só veste os vestidos À moda da França, Seu nome é ‘Sperança, Negaça de amor; ‘Svelta e gorducha Tem fina cintura, Na boca doçura, No hálito odor. Dez vezes lhe tenho Um beijo pedido, Não é meu marido, — Responde, — e não dá! Se intento agarrá-la Me foge sorrindo, E eu fico fingindo, Dizendo-lhe que má! ** Mas, amo esta moça, Que nega-me um beijo, E foge, e tem pejo, Se teimo em pedir; A moça, que fácil Consente o amante Beijá-la... adiante... Promete — cair. ** Há dias, a furto, Beijei-a na orelha, Se fez tão vermelha Qual brasa em fogão! Que mal faz na orelha Beijar minha amante? Tornou-me — tratante, Cachorro... vilão! (Forte) ** Que mal? Pois não sabe... Não sabe e calou-se!
  • 8. A moça engasgou-se Com o fim da oração Fitou-me nos olhos — Em chamas ardidos; Os meus atrevidos Fitei-os no chão! ** Já vem que essa moça ‘Stá fora de moda, Não cabe, não se engoda Com choros de amor! Já vêem meus senhores, Que a moça é inocente, Palavra da gente É toda pudor. ** Eu me chamo o senhor Papa-Suspiros Porque tenho vivido deste modo, Suspirando d’amor pela Esperança, Criada a mais gentil do mundo todo! (Retirando-se:) Ah-ah-Ah! ah-ah-ah! forte lembrança! Ora a gente também tem na esperança!
  • 9. 1 Note-se que, na grafia da época, século XIX, jeito e ajeita-se grafavam-se com a letra gê, com o que o autor faria uma sugestão psicológica entre “geito”, “ageita-se” e gente.