A ROSA DO POVO Carlos Drummond de Andrade
DRUMMOND: O HOMEM
Itabira, 1902 Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. (...) Tive ouro, tive gado, tive fazendas. Hoj...
<ul><li>1920  – mudança para Belo Horizonte – MG </li></ul><ul><li>1925  – conclusão do curso de farmácia </li></ul><ul><l...
<ul><li>1928 – ingresso no funcionalismo público </li></ul><ul><li>Auxiliar de redação da revista do Ensino da Secretaria ...
<ul><li>1930 – publicação de  Alguma Poesia </li></ul>
<ul><li>1934 – mudança para o Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>Chefe de gabinete de Gustavo Capanema, novo Ministro da Edu...
<ul><li>1945 – publicação de  A Rosa do Povo </li></ul><ul><li>  –  codiretor do diário comunista  Tribuna Popular </li></ul>
<ul><li>1945 – saída do Ministério da Educação </li></ul><ul><li>entrada para o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ...
1987 – O Fim
Mangueira de mãos dadas com a poesia traz para os braços do povo este poeta genial Carlos Drumond de Andrade suas obras sã...
 
 
DRUMMOND: A OBRA
Drummondiana <ul><li>1930  - Alguma Poesia  </li></ul><ul><li>1934  - Brejo das Almas </li></ul><ul><li>1940  - Sentimento...
DRUMMOND: ITINERÁRIO
<ul><li>Primeira fase </li></ul><ul><li>1930  - Alguma Poesia  </li></ul><ul><li>1934  - Brejo das Almas </li></ul><ul><ul...
EU MUNDO “ gauche” “ vida besta”
<ul><li>Segunda fase </li></ul><ul><li>1940  - Sentimento do Mundo </li></ul><ul><li>1942  - José  </li></ul><ul><li>1945 ...
“Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo”
<ul><li>Mãos dadas  </li></ul><ul><li>Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou pres...
<ul><li>E agora, José?  A festa acabou,   a luz apagou,   o povo sumiu,   a noite esfriou,   e agora, José?   e agora, voc...
<ul><li>O Lutador </li></ul><ul><li>Lutar com palavras  é a luta mais vã.  Entanto lutamos  mal rompe a manhã.  São muitas...
Drummond às vésperas de  A Rosa do Povo Poesia Existencial Poesia Social Poesia Sobre a Poesia
José 55 poemas A Rosa do Povo 1942 1943-1945 1945
Contexto Histórico
Estado Novo 2ª Guerra Mundial A Rosa do Povo “ O tempo é ainda de fezes”
Aspectos Formais
<ul><li>Poemas longos </li></ul><ul><li>Verso livre/metrificado </li></ul>Modernismo Redondilhas Tradição popular
Roteiro Temático
<ul><li>Poesia sobre a poesia </li></ul><ul><li>O cotidiano </li></ul><ul><li>O amor </li></ul><ul><li>Os amigos </li></ul...
Poesia sobre a poesia
<ul><li>Procura da poesia   </li></ul><ul><li>Não faças versos sobre acontecimentos. (...)  Não faças poesia com o corpo, ...
“ a poesia está nas palavras, se faz com palavras e não com idéias ou sentimentos” Manuel  Bandeira
<ul><li>Áporo </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Um inseto cava cava sem alarme perfurando a terra sem achar escape. Qu...
<ul><li>poema cifrado </li></ul><ul><ul><li>“ cava se m   alarme ” </li></ul></ul><ul><ul><li>Mallarmé </li></ul></ul><ul>...
Inseto –  insectum : radical  sec/se Um in SE to   cava cava  SE m   alarme perfurando a terra SE m achar   ES cape .
Metamorfoses do radical:  ze, ex, is, ce, iz  e  es: Que fa ZE r,  EX au S to, em pa ÍS  bloqueado enla CE  de noite ra IZ...
Terceto final: libertação da sílaba  se em  verde , so ZI nha, antieuclidiana uma orquídea forma- SE .
Um in SE to cava cava  SE m alarme perfurando a terra SEm achar  ES cape. Que fa ZE r,  EX au S to, em pa ÍS  bloqueado en...
 
O poema  ÁPORO  como resumo da obra Áporo: resolução do impasse 1- poético 2- existencial 3- social
Fabrico um elefante  de meus poucos recursos.  Um tanto de madeira  tirado a velhos móveis  talvez lhe dê apoio.  E o ench...
Vai o meu elefante  pela rua povoada,  mas não o querem ver  nem mesmo para rir  da cauda que ameaça  deixá-lo ir sozinho....
Exausto de pesquisa,  caiu-lhe o vasto engenho  como simples papel.  A cola se dissolve  e todo seu conteúdo  de perdão, d...
Poesia do cotidiano
<ul><li>Morte do leiteiro   </li></ul><ul><li>A Cyro Novaes </li></ul><ul><li>  Há pouco leite no país, é preciso entregá-...
Meu leiteiro tão sutil de passo maneiro e leve, antes desliza que marcha. É certo que algum rumor sempre se faz: passo err...
Da garrafa estilhaçada, no ladrilho já sereno escorre uma coisa espessa que é leite, sangue... não sei. Por entre objetos ...
<ul><li>Poema narrativo </li></ul><ul><li>Redondilha menor (irregular) </li></ul><ul><li>Drama do cotidiano – “ poema tira...
<ul><li>Caso do Vestido </li></ul><ul><li>Nossa mãe, o que é aquele vestido, naquele prego? </li></ul><ul><li>Minhas filha...
<ul><li>chorou no prato de carne, bebeu, brigou, me bateu, </li></ul><ul><li>me deixou com vosso berço, foi para a dona de...
Sai pensando na morte, mas a morte não chegava. Andei pelas cinco ruas,  passei ponte, passei rio,  visitei vossos parente...
minha corrente de ouro pagou conta de farmácia. Vosso pais sumiu no mundo. O mundo é grande e pequeno. Um dia a dona sober...
bebi fel e gasolina, rezei duzentas novenas, dona, de nada valeu: vosso marido sumiu. Aqui trago minha roupa que recorda m...
põe mais um prato na mesa. Eu fiz, ele se assentou, comeu, limpou o suor, era sempre o mesmo homem, comia meio de lado e n...
<ul><li>Poema narrativo: tempo, espaço, personagens, enredo </li></ul><ul><li>Tema: adultério </li></ul><ul><li>Verso: red...
D. Casmurro “ Caso do vestido” Adultério Bentinho / Capitu pai / mãe Bentinho / pai Capitu / mãe
“ A morte do leiteiro”  “ Caso do vestido” Cotidiano dramas formas diversas de violência
O amor
<ul><ul><li>O Mito </li></ul></ul><ul><li>Sequer conheço Fulana vejo Fulana tão curto, Fulana jamais me vê, mas como eu am...
Não saberei? Só pegando, Pedindo: Dona, desculpe... O seu vestido esconde algo? Tem coxas reais? Cintura? (...) Sou eu, o ...
Toada do Amor E o amor sempre nessa toada: briga perdoa perdoa briga. Não se deve xingar a vida, a gente vive, depois esqu...
A família
<ul><li>Como um presente </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>É talvez um erro amarmos assim nossos parentes. </li></...
Cantar de amigos
Mário de Andrade desce aos infernos O meu amigo era tão de tal modo extraordinário, cabia numa só carta, esperava-me na es...
Canto ao Homem do Povo Charlie Chaplin
I  Era preciso que um poeta brasileiro, não dos maiores, porém dos mais  expostos à galhofa, (...) para dizer-te algumas c...
vagabundos que o mundo repeliu, mas zombam e vivem nos filmes, nas ruas tortas com tabuletas: Fábrica, Barbeiro, Polícia, ...
Falam por mim os que estavam sujos de  tristeza e feroz desgosto de tudo, que entraram no cinema com a aflição  de ratos f...
Ó palavras desmoralizadas, entretanto salvas, ditas de novo. Poder da voz humana inventando novos vocábulos e dando  sopro...
ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e teu bigode caminham numa estrada de pó e de esperança.
Reflexão Existencial
Anoitecer   É a hora em que o sino toca, mas aqui não há sinos; há somente buzinas, sirenes roucas,  apitos aflitos, punge...
Desfile O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. (...) Vinte anos ou pouco mais, tudo est...
Os últimos dias Que a terra há de comer. Mas não coma já. (...) E a matéria se veja acabar: adeus, composição que um dia s...
Resíduo  De tudo ficou um pouco. Do meu medo. Do teu asco. Dos gritos gagos. Da rosa ficou um pouco. (...)   Se de tudo fi...
Poesia social
Tempos sombrios... O medo   A Antonio Candido         &quot;Porque há para todos nós um problema sério...          Este pr...
(...) Faremos casas de medo, duros tijolos de medo, medrosos caules, repuxos, ruas só de medo e calma. (...) Nossos filhos...
“ morreremos de medo e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas  e medrosas.”   ( Sentimento do Mundo )
Nosso tempo I Este é tempo de partido, tempo de homens partidos. (...)  Calo-me, espero, decifro. As coisas talvez melhore...
VIII O poeta  declina de toda responsabilidade na marcha do mundo capitalista e com suas palavras, intuições,  símbolos e ...
“ a burguesia apodrece” (“Anúncio da Rosa”)
Carta a Stalingrado Stalingrado... Depois de Madri e de Londres, ainda há grandes cidades! O mundo não acabou, pois que en...
  A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais. Os telegramas de Moscou repetem Homero. Mas Homero é velho. Os telegr...
(...) Uma criatura que não quer morrer e combate, contra o céu, a água, o metal a criatura combate, contra milhões de braç...
As cidades podem vencer, Stalingrado! Penso na vitória das cidades, que por enquanto é apenas uma fumaça  subindo do Volga...
“ Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres, A grande Cidade de amanhã erguera a sua nova Ordem.”
A flor e a náusea Uma flor nasceu na rua! Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego. Uma flor ainda desbotada...
Cidade Prevista Irmãos, cantai esse mundo que não verei, mas virá um dia, dentro em mil anos, talvez mais... não tenho pre...
Uma cidade sem portas, de casas sem armadilha, um país de riso e glória como nunca houve nenhum. Este país não é meu nem v...
amargura, visão cética e  desencantada engajamento, adesão às utopias esquerdistas A Rosa do Povo pessimismo esperança
ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e  teu bigode caminham numa estrada de pó e de  esperança.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carlos drumond de andrade

1.742 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.742
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos drumond de andrade

  1. 1. A ROSA DO POVO Carlos Drummond de Andrade
  2. 2. DRUMMOND: O HOMEM
  3. 3. Itabira, 1902 Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. (...) Tive ouro, tive gado, tive fazendas. Hoje sou funcionário público. Itabira é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói! A família: fazendeiros em decadência
  4. 4. <ul><li>1920 – mudança para Belo Horizonte – MG </li></ul><ul><li>1925 – conclusão do curso de farmácia </li></ul><ul><li>– Funda A REVISTA </li></ul>
  5. 5. <ul><li>1928 – ingresso no funcionalismo público </li></ul><ul><li>Auxiliar de redação da revista do Ensino da Secretaria de Educação </li></ul><ul><li>Auxiliar de redação / redator do Minas Gerais </li></ul>
  6. 6. <ul><li>1930 – publicação de Alguma Poesia </li></ul>
  7. 7. <ul><li>1934 – mudança para o Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>Chefe de gabinete de Gustavo Capanema, novo Ministro da Educação e Saúde Pública </li></ul>
  8. 8. <ul><li>1945 – publicação de A Rosa do Povo </li></ul><ul><li> – codiretor do diário comunista Tribuna Popular </li></ul>
  9. 9. <ul><li>1945 – saída do Ministério da Educação </li></ul><ul><li>entrada para o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional </li></ul><ul><li>1962 – aposentadoria </li></ul><ul><li>1977 – 75 anos – </li></ul><ul><li>homenagem da revista Veja </li></ul>
  10. 10. 1987 – O Fim
  11. 11. Mangueira de mãos dadas com a poesia traz para os braços do povo este poeta genial Carlos Drumond de Andrade suas obras são palavras de um reino de verdade Itabira em seus versos ele tanto exaltou com amor                           eis aí a verde e rosa cantando em verso e prosa o que ao poeta inspirou É Dom Quixote ô é Zé Pereira                     é Charlie Chaplin no embalo da Mangueira Mangueira: O Reino das Palavras – 1987 – Rody, Verinha e Bira do Ponto Olha as carrancas do rio São Francisco rema rema remador primavera vem chegando inspirando amor o rio toma forma de sambista como o artista imaginou N a ilusão de um sonho achei o elefante que eu imaginei bis   bis   bis
  12. 14. DRUMMOND: A OBRA
  13. 15. Drummondiana <ul><li>1930 - Alguma Poesia </li></ul><ul><li>1934 - Brejo das Almas </li></ul><ul><li>1940 - Sentimento do Mundo </li></ul><ul><li>1942 - José </li></ul><ul><li>1945 - A Rosa do Povo </li></ul><ul><li>1951 - Claro Enigma </li></ul><ul><li>1954 - Fazendeiro do ar </li></ul><ul><li>1958 - A Vida passada a Limpo </li></ul><ul><li>1962 - Lição de Coisas </li></ul><ul><li>1993 - O Amor Natural </li></ul><ul><li>1996 - Farewell </li></ul>
  14. 16. DRUMMOND: ITINERÁRIO
  15. 17. <ul><li>Primeira fase </li></ul><ul><li>1930 - Alguma Poesia </li></ul><ul><li>1934 - Brejo das Almas </li></ul><ul><ul><li>Individualismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Pessimismo </li></ul></ul>eu “gauche” Poema de sete faces Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. (...)
  16. 18. EU MUNDO “ gauche” “ vida besta”
  17. 19. <ul><li>Segunda fase </li></ul><ul><li>1940 - Sentimento do Mundo </li></ul><ul><li>1942 - José </li></ul><ul><li>1945 - A Rosa do Povo </li></ul><ul><ul><li>“ sentimento do mundo” </li></ul></ul><ul><ul><li>Poesia social </li></ul></ul><ul><ul><li>Impotência </li></ul></ul><ul><ul><li>Impasse </li></ul></ul>
  18. 20. “Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo”
  19. 21. <ul><li>Mãos dadas </li></ul><ul><li>Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou preso à vida e olho meus companheiros. Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças. Entre eles, considero a enorme realidade. O presente é tão grande, não nos afastemos. Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas. </li></ul><ul><li>Não serei o cantor de uma mulher, de uma história, não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela, não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida, não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins. </li></ul><ul><li>O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente. </li></ul>solidariedade e luta
  20. 22. <ul><li>E agora, José? A festa acabou,  a luz apagou,  o povo sumiu,  a noite esfriou,  e agora, José?  e agora, você?  (...) </li></ul>Com a chave na mão  quer abrir a porta,  não existe porta;  quer morrer no mar,  mas o mar secou:  quer ir para Minas,  Minas não há mais. José, e agora? (...) você marcha, José! José, para onde? José Relação Eu-mundo Questionamento da existência: o impasse
  21. 23. <ul><li>O Lutador </li></ul><ul><li>Lutar com palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal rompe a manhã. São muitas, eu pouco. (...) </li></ul><ul><li>Palavra, palavra (digo exasperado), se me desafias, aceito o combate. (...) </li></ul><ul><li>O ciclo do dia ora se consuma e o inútil duelo jamais se resolve. </li></ul>A Poesia
  22. 24. Drummond às vésperas de A Rosa do Povo Poesia Existencial Poesia Social Poesia Sobre a Poesia
  23. 25. José 55 poemas A Rosa do Povo 1942 1943-1945 1945
  24. 26. Contexto Histórico
  25. 27. Estado Novo 2ª Guerra Mundial A Rosa do Povo “ O tempo é ainda de fezes”
  26. 28. Aspectos Formais
  27. 29. <ul><li>Poemas longos </li></ul><ul><li>Verso livre/metrificado </li></ul>Modernismo Redondilhas Tradição popular
  28. 30. Roteiro Temático
  29. 31. <ul><li>Poesia sobre a poesia </li></ul><ul><li>O cotidiano </li></ul><ul><li>O amor </li></ul><ul><li>Os amigos </li></ul><ul><li>O passado: a família </li></ul><ul><li>A reflexão existencial </li></ul><ul><li>A poesia social </li></ul>
  30. 32. Poesia sobre a poesia
  31. 33. <ul><li>Procura da poesia </li></ul><ul><li>Não faças versos sobre acontecimentos. (...) Não faças poesia com o corpo, (...) Nem me reveles teus sentimentos, (...) O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia. </li></ul><ul><li>Não cantes tua cidade, deixa-a em paz.(...) O canto não é a natureza nem os homens em sociedade. </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>Penetra surdamente no reino das palavras. Lá estão os poemas que esperam ser escritos. Estão paralisados, mas não há desespero, há calma e frescura na superfície intata. Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário. (...) </li></ul><ul><li>Chega mais perto e contempla as palavras. Cada uma tem mil faces secretas sob a face neutra e te pergunta, sem interesse pela resposta, pobre ou terrível, que lhe deres: Trouxeste a chave? </li></ul>
  32. 34. “ a poesia está nas palavras, se faz com palavras e não com idéias ou sentimentos” Manuel Bandeira
  33. 35. <ul><li>Áporo </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Um inseto cava cava sem alarme perfurando a terra sem achar escape. Que fazer, exausto, em país bloqueado, enlace de noite raiz e minério? Eis que o labirinto (oh razão, mistério) presto se desata: em verde, sozinha, antieuclidiana, uma orquídea forma-se </li></ul>
  34. 36. <ul><li>poema cifrado </li></ul><ul><ul><li>“ cava se m alarme ” </li></ul></ul><ul><ul><li>Mallarmé </li></ul></ul><ul><ul><li>“ presto s e desata:” </li></ul></ul><ul><ul><li>Prestes </li></ul></ul>
  35. 37. Inseto – insectum : radical sec/se Um in SE to cava cava SE m alarme perfurando a terra SE m achar ES cape .
  36. 38. Metamorfoses do radical: ze, ex, is, ce, iz e es: Que fa ZE r, EX au S to, em pa ÍS bloqueado enla CE de noite ra IZ e minério? e IS que o labirinto (oh ra Z ão, m IS tério) pr ES to SE d ES ata:
  37. 39. Terceto final: libertação da sílaba se em verde , so ZI nha, antieuclidiana uma orquídea forma- SE .
  38. 40. Um in SE to cava cava SE m alarme perfurando a terra SEm achar ES cape. Que fa ZE r, EX au S to, em pa ÍS bloqueado enla CE de noite ra IZ e minério? e IS que o labirinto (oh ra Z ão, m IS tério) pr ES to SE d ES ata: em verde, so ZI nha, antieuclidiana uma orquídea forma- SE .
  39. 42. O poema ÁPORO como resumo da obra Áporo: resolução do impasse 1- poético 2- existencial 3- social
  40. 43. Fabrico um elefante de meus poucos recursos. Um tanto de madeira tirado a velhos móveis talvez lhe dê apoio. E o encho de algodão, de paina, de doçura. Eis meu pobre elefante pronto para sair à procura de amigos num mundo enfastiado que já não crê nos bichos e duvida das coisas. O ELEFANTE
  41. 44. Vai o meu elefante pela rua povoada, mas não o querem ver nem mesmo para rir da cauda que ameaça deixá-lo ir sozinho. E já tarde da noite, volta meu elefante, mas volta fatigado, as patas vacilantes se desmancham no pó. Ele não encontrou o de que carecia, o de que carecemos, eu e meu elefante, em que amo disfarçar-me.
  42. 45. Exausto de pesquisa, caiu-lhe o vasto engenho como simples papel. A cola se dissolve e todo seu conteúdo de perdão, de carícia, de pluma, de algodão, jorra sobre o tapete, qual mito desmontado. Amanhã recomeço.
  43. 46. Poesia do cotidiano
  44. 47. <ul><li>Morte do leiteiro </li></ul><ul><li>A Cyro Novaes </li></ul><ul><li> Há pouco leite no país, é preciso entregá-lo cedo. Há muita sede no país, é preciso entregá-lo cedo. Há no país uma legenda, que ladrão se mata com tiro. </li></ul><ul><li>Então o moço que é leiteiro de madrugada com sua lata sai correndo e distribuindo leite bom para gente ruim. Sua lata, suas garrafas e seus sapatos de borracha vão dizendo aos homens no sono que alguém acordou cedinho e veio do último subúrbio trazer o leite mais frio e mais alvo da melhor vaca para todos criarem força na luta brava da cidade. </li></ul>Na mão a garrafa branca não tem tempo de dizer as coisas que lhe atribuo nem o moço leiteiro ignaro, morados na Rua Namur, empregado no entreposto, com 21 anos de idade, sabe lá o que seja impulso de humana compreensão. E já que tem pressa, o corpo vai deixando à beira das casas uma apenas mercadoria. E como a porta dos fundos também escondesse gente que aspira ao pouco de leite disponível em nosso tempo, avancemos por esse beco, peguemos o corredor, depositemos o litro... Sem fazer barulho, é claro, que barulho nada resolve.
  45. 48. Meu leiteiro tão sutil de passo maneiro e leve, antes desliza que marcha. É certo que algum rumor sempre se faz: passo errado, vaso de flor no caminho, cão latindo por princípio, ou um gato quizilento. E há sempre um senhor que acorda, resmunga e torna a dormir. Mas este acordou em pânico (ladrões infestam o bairro), não quis saber de mais nada. O revólver da gaveta saltou para sua mão. Ladrão? se pega com tiro. Os tiros na madrugada liquidaram meu leiteiro. Se era noivo, se era virgem, se era alegre, se era bom, não sei, é tarde para saber. Mas o homem perdeu o sono de todo, e foge pra rua. Meu Deus, matei um inocente. Bala que mata gatuno também serve pra furtar a vida de nosso irmão. Quem quiser que chame médico, polícia não bota a mão neste filho de meu pai. Está salva a propriedade. A noite geral prossegue, a manhã custa a chegar, mas o leiteiro estatelado, ao relento, perdeu a pressa que tinha.
  46. 49. Da garrafa estilhaçada, no ladrilho já sereno escorre uma coisa espessa que é leite, sangue... não sei. Por entre objetos confusos, mal redimidos da noite, duas cores se procuram, suavemente se tocam, amorosamente se enlaçam, formando um terceiro tom a que chamamos aurora.
  47. 50. <ul><li>Poema narrativo </li></ul><ul><li>Redondilha menor (irregular) </li></ul><ul><li>Drama do cotidiano – “ poema tirado de uma notícia de jornal” </li></ul><ul><li>Entrelaçamento do individual com o social </li></ul><ul><li>Descrição cromática do amanhecer: </li></ul>Vermelho (sangue) branco (leite) rosa (aurora) + =
  48. 51. <ul><li>Caso do Vestido </li></ul><ul><li>Nossa mãe, o que é aquele vestido, naquele prego? </li></ul><ul><li>Minhas filhas, é o vestido de uma dona que passou. </li></ul><ul><li>Passou quando, nossa mãe? Era nossa conhecida? </li></ul><ul><li>Minhas filhas, boca presa. Vosso pai evém chegando. </li></ul><ul><li>Nossa mãe, dizei depressa que vestido é esse vestido. </li></ul><ul><li>Minhas filhas, mas o corpo ficou frio e não o veste. </li></ul>O vestido, nesse prego, está morto, sossegado. Nossa mãe, esse vestido tanta renda, esse segredo! Minhas filhas, escutai palavras de minha boca. Era uma dona de longe,  vosso pai enamorou-se. E ficou tão transtornado, se perdeu tanto de nós,   se afastou de toda vida, se fechou, se devorou,
  49. 52. <ul><li>chorou no prato de carne, bebeu, brigou, me bateu, </li></ul><ul><li>me deixou com vosso berço, foi para a dona de longe, </li></ul><ul><li>mas a dona não ligou. Em vão o pai implorou. </li></ul><ul><li>Dava apólice, fazenda,  dava carro, dava ouro,  </li></ul><ul><li>beberia seu sobejo, lamberia seu sapato. </li></ul><ul><li>Mas a dona nem ligou. Então vosso pai, irado, </li></ul><ul><li>me pediu que lhe pedisse, a essa dona tão perversa, </li></ul>que tivesse paciência e fosse dormir com ele... Nossa mãe, por que chorais? Nosso lenço vos cedemos. Minhas filhas, vosso pai chega ao pátio.  Disfarcemos. Nossa mãe, não escutamos pisar de pé no degrau. Minhas filhas, procurei aquela mulher do demo. E lhe roguei que aplacasse de meu marido a vontade. Eu não amo teu marido, me falou ela se rindo.
  50. 53. Sai pensando na morte, mas a morte não chegava. Andei pelas cinco ruas,  passei ponte, passei rio,  visitei vossos parentes,  não comia, não falava, tive uma febre terçã, mas a morte não chegava. Fiquei fora de perigo, fiquei de cabeça branca, perdi meus dentes, meus olhos,  costurei, lavei, fiz doce, minhas mãos se escalavraram, meus anéis se dispersaram, Mas posso ficar com ele se a senhora fizer gosto, só pra lhe satisfazer, não por mim, não quero homem. Olhei para vosso pai,  os olhos dele pediam. Olhei para a dona ruim,  os olhos dela gozavam. O seu vestido de renda,  de colo mui devassado,  mais mostrava que escondia as partes da pecadora. Eu fiz meu pelo-sinal, me curvei... disse que sim.
  51. 54. minha corrente de ouro pagou conta de farmácia. Vosso pais sumiu no mundo. O mundo é grande e pequeno. Um dia a dona soberba me aparece já sem nada, pobre, desfeita, mofina, com sua trouxa na mão. Dona, me disse baixinho, não te dou vosso marido, que não sei onde ele anda. Mas te dou este vestido,  última peça de luxo que guardei como lembrança daquele dia de cobra, da maior humilhação. Eu não tinha amor por ele, ao depois amor pegou. Mas então ele enjoado confessou que só gostava de mim como eu era dantes. Me joguei a suas plantas, fiz toda sorte de dengo, no chão rocei minha cara, me puxei pelos cabelos, me lancei na correnteza, me cortei de canivete, me atirei no sumidouro,
  52. 55. bebi fel e gasolina, rezei duzentas novenas, dona, de nada valeu: vosso marido sumiu. Aqui trago minha roupa que recorda meu malfeito de ofender dona casada pisando no seu orgulho. Recebei esse vestido e me dai vosso perdão. Olhei para a cara dela, quede os olhos cintilantes? quede graça de sorriso, quede colo de camélia? quede aquela cinturinha delgada como jeitosa? quede pezinhos calçados com sandálias de cetim? Olhei muito para ela,  boca não disse palavra. Peguei o vestido, pus nesse prego da parede. Ela se foi de mansinho e já na ponta da estrada vosso pai aparecia. Olhou pra mim em silêncio, mal reparou no vestido e disse apenas: — Mulher,
  53. 56. põe mais um prato na mesa. Eu fiz, ele se assentou, comeu, limpou o suor, era sempre o mesmo homem, comia meio de lado e nem estava mais velho. O barulho da comida na boca, me acalentava, me dava uma grande paz, um sentimento esquisito de que tudo foi um sonho,  vestido não há... nem nada. Minhas filhas, eis que ouço vosso pai subindo a escada.
  54. 57. <ul><li>Poema narrativo: tempo, espaço, personagens, enredo </li></ul><ul><li>Tema: adultério </li></ul><ul><li>Verso: redondilha maior – forma tradicional </li></ul><ul><li>Linguagem conservadora/arcaica: vós, vosso, escutai </li></ul><ul><li>Relação entre forma e conteúdo : </li></ul><ul><ul><li>discurso conservador da mãe </li></ul></ul><ul><ul><li>autoritarismo da sociedade patriarcal </li></ul></ul>Submissão da mulher - não transgride a linguagem - não rompe com as regras
  55. 58. D. Casmurro “ Caso do vestido” Adultério Bentinho / Capitu pai / mãe Bentinho / pai Capitu / mãe
  56. 59. “ A morte do leiteiro” “ Caso do vestido” Cotidiano dramas formas diversas de violência
  57. 60. O amor
  58. 61. <ul><ul><li>O Mito </li></ul></ul><ul><li>Sequer conheço Fulana vejo Fulana tão curto, Fulana jamais me vê, mas como eu amo Fulana. </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>Mas como será Fulana, </li></ul><ul><li>Digamos, no seu banheiro? </li></ul><ul><li>Só de pensar em seu corpo </li></ul><ul><li>O meu se punge... Pois sim. </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>Mas Fulana será gente? </li></ul><ul><li>Estará somente em ópera? </li></ul><ul><li>Será figura de livro? </li></ul><ul><li>Será bicho? Saberei? </li></ul>
  59. 62. Não saberei? Só pegando, Pedindo: Dona, desculpe... O seu vestido esconde algo? Tem coxas reais? Cintura? (...) Sou eu, o poeta precário Que fez de Fulana um mito, Nutrindo-me de Petrarca, Ronsard, Camões e Capim.
  60. 63. Toada do Amor E o amor sempre nessa toada: briga perdoa perdoa briga. Não se deve xingar a vida, a gente vive, depois esquece. Só o amor volta para brigar, para perdoar, amor cachorro bandido trem. Mas, se não fosse ele, também que graça que a vida tinha? Mariquita, dá cá o pito, no teu pito está o infinito.
  61. 64. A família
  62. 65. <ul><li>Como um presente </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>É talvez um erro amarmos assim nossos parentes. </li></ul><ul><li>A identidade do sangue age como cadeia, </li></ul><ul><li>Fora melhor rompê-la. Procurar meus parentes na Ásia, </li></ul><ul><li>Onde o pão seja outro e não haja bens de família a preservar. </li></ul><ul><li>Por que ficar neste município, neste sobrenome? </li></ul><ul><li>Taras, doenças, dívidas: mal se respira no sótão. </li></ul><ul><li>Quisera abrir um buraco, varar o túnel, largar minha terra, </li></ul><ul><li>Passando por baixo de seus problemas e lavouras, de eterna agência do correio, </li></ul><ul><li>E inaugurar novos antepassados em uma nova cidade. </li></ul><ul><li>Quisera abandonar-te, negar-te, fugir-te, </li></ul><ul><li>Mais curioso: </li></ul><ul><li>Já não estás, e te sinto, </li></ul><ul><li>Não me falas, e te converso. </li></ul><ul><li>E tanto nos entendemos, no escuro, </li></ul><ul><li>No pó, no sono. </li></ul>
  63. 66. Cantar de amigos
  64. 67. Mário de Andrade desce aos infernos O meu amigo era tão de tal modo extraordinário, cabia numa só carta, esperava-me na esquina, e já um poste depois ia descendo o amazonas, entre cantares de amigo pairava na renda fina dos sete saltos, na serrania mineira, no mangue, no seringal, nos mais diversos brasis, e para além dos brasis, nas regiões inventadas, países a que aspiramos, fantásticos, mas certos, inelutáveis. terra de João invencível, a rosa do povo aberta...
  65. 68. Canto ao Homem do Povo Charlie Chaplin
  66. 69. I Era preciso que um poeta brasileiro, não dos maiores, porém dos mais expostos à galhofa, (...) para dizer-te algumas coisas, sobcolor de poema. Para dizer-te como os brasileiros te amam e que nisso, como em tudo mais, nossa gente se parece com qualquer gente do mundo - inclusive os pequenos judeus de bengalinha e chapéu-coco, sapatos compridos, olhos melancólicos,
  67. 70. vagabundos que o mundo repeliu, mas zombam e vivem nos filmes, nas ruas tortas com tabuletas: Fábrica, Barbeiro, Polícia, e vencem a fome, iludem a brutalidade, prolongam o amor como um segredo dito no ouvido de um homem do povo caído na rua.
  68. 71. Falam por mim os que estavam sujos de tristeza e feroz desgosto de tudo, que entraram no cinema com a aflição de ratos fugindo da vida, são duas horas de anestesia, ouçamos um pouco de música, visitemos no escuro as imagens - e te descobriram e salvaram-se.
  69. 72. Ó palavras desmoralizadas, entretanto salvas, ditas de novo. Poder da voz humana inventando novos vocábulos e dando sopros aos exaustos. Dignidade da boca, aberta em ira justa e amor profundo, crispação do ser humano, árvore irritada, contra a miséria e a fúria dos ditadores,
  70. 73. ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e teu bigode caminham numa estrada de pó e de esperança.
  71. 74. Reflexão Existencial
  72. 75. Anoitecer   É a hora em que o sino toca, mas aqui não há sinos; há somente buzinas, sirenes roucas, apitos aflitos, pungentes, trágicos, uivando escuro segredo; desta hora tenho medo.   É a hora em que o pássaro volta, mas de há muito não há pássaros; só multidões compactas escorrendo exaustas como espesso óleo que impregna o lajedo; desta hora tenho medo. É a hora do descanso, mas o descanso vem tarde, o corpo não pede sono, depois de tanto rodar; pede paz – morte – mergulho no poço mais ermo e quedo; desta hora tenho medo.   Hora de delicadeza, gasalho , sombra, silêncio. Haverá disso no mundo? É antes a hora dos corvos, bicando em mim, meu passado, meu futuro, meu degredo; dessa hora, sim, tenho medo.
  73. 76. Desfile O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. (...) Vinte anos ou pouco mais, tudo estará terminado. O tempo flui sem dor. O rosto no travesseiro, fecho os olhos, para ensaio.
  74. 77. Os últimos dias Que a terra há de comer. Mas não coma já. (...) E a matéria se veja acabar: adeus, composição que um dia se chamou Carlos Drummond de Andrade. Adeus, minha presença, meu olhar e minhas veias grossas, meus sulcos no travesseiro, minha sombra no muro, Sinal meu no rosto, olhos míopes, objetos de uso pessoal, [idéia de justiça, revolta e sono, adeus, vida aos outros legada.  
  75. 78. Resíduo De tudo ficou um pouco. Do meu medo. Do teu asco. Dos gritos gagos. Da rosa ficou um pouco. (...)   Se de tudo fica um pouco, mas por que não ficaria um pouco de mim? (...)   fica sempre um pouco de tudo. Às vezes um botão. Às vezes um rato.
  76. 79. Poesia social
  77. 80. Tempos sombrios... O medo   A Antonio Candido         &quot;Porque há para todos nós um problema sério...          Este problema é o do medo.&quot;                    (Antonio Candido, Plataforma de Uma Geração )    Em verdade temos medo. (...) E fomos educados para o medo. Cheiramos flores de medo. Vestimos panos de medo. De medo, vermelhos rios vadeamos.
  78. 81. (...) Faremos casas de medo, duros tijolos de medo, medrosos caules, repuxos, ruas só de medo e calma. (...) Nossos filhos tão felizes... Fiéis herdeiros do medo, eles povoam a cidade. Depois da cidade, o mundo. Depois do mundo, as estrelas, dançando o baile do medo. 
  79. 82. “ morreremos de medo e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.” ( Sentimento do Mundo )
  80. 83. Nosso tempo I Este é tempo de partido, tempo de homens partidos. (...)  Calo-me, espero, decifro. As coisas talvez melhorem. São tão fortes as coisas! (...) Mas eu não sou as coisas e me revolto. Tenho palavras em mim buscando canal, são roucas e duras, irritadas, enérgicas, comprimidas há tanto tempo, perderam o sentido, apenas querem explodir.   O horror capitalista
  81. 84. VIII O poeta declina de toda responsabilidade na marcha do mundo capitalista e com suas palavras, intuições, símbolos e outras armas promete ajudar a destruí-lo como uma pedreira, uma floresta, um verme.
  82. 85. “ a burguesia apodrece” (“Anúncio da Rosa”)
  83. 86. Carta a Stalingrado Stalingrado... Depois de Madri e de Londres, ainda há grandes cidades! O mundo não acabou, pois que entre as ruínas outros homens surgem, a face negra de pó e de pólvora, e o hálito selvagem da liberdade dilata os seus peitos, Stalingrado, seus peitos que estalam e caem enquanto outros, vingadores, se elevam. O horror da guerra
  84. 87.   A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais. Os telegramas de Moscou repetem Homero. Mas Homero é velho. Os telegramas cantam um mundo novo que nós, na escuridão, ignorávamos. Fomos encontrá-lo em ti, cidade destruída, na paz de tuas ruas mortas mas não conformadas, no teu arquejo de vida mais forte que o estouro das bombas, na tua fria vontade de resistir
  85. 88. (...) Uma criatura que não quer morrer e combate, contra o céu, a água, o metal a criatura combate, contra milhões de braços e engenhos mecânicos a criatura combate, e vence.
  86. 89. As cidades podem vencer, Stalingrado! Penso na vitória das cidades, que por enquanto é apenas uma fumaça subindo do Volga. Penso no colar de cidades, que se amarão e se defenderão contra tudo. Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres, a grande Cidade de amanhã erguerá a sua Ordem.  
  87. 90. “ Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres, A grande Cidade de amanhã erguera a sua nova Ordem.”
  88. 91. A flor e a náusea Uma flor nasceu na rua! Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego. Uma flor ainda desbotada ilude a polícia, rompe o asfalto. Façam completo silêncio, paralisem os negócios, garanto que uma flor nasceu. (...)  Sua cor não se percebe. Suas pétalas não se abrem. Seu nome não está nos livros. É feia. Mas é realmente uma flor. (...) Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde e lentamente passo a mão nessa forma insegura. Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se. Pequenos pontos brancos, movem-se no mar, galinhas em pânico. É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio. Perspectiva de uma nova sociedade
  89. 92. Cidade Prevista Irmãos, cantai esse mundo que não verei, mas virá um dia, dentro em mil anos, talvez mais... não tenho pressa.   Um mundo enfim ordenado, uma pátria sem fronteiras, sem leis e regulamentos, uma terra sem bandeiras, sem igrejas nem quartéis, sem dor, sem febre, sem ouro, um jeito só de viver, mas nesse jeito a variedade, a multiplicidade toda que há dentro de cada um.
  90. 93. Uma cidade sem portas, de casas sem armadilha, um país de riso e glória como nunca houve nenhum. Este país não é meu nem vosso ainda, poetas. Mas ele será um dia o país de todo homem.
  91. 94. amargura, visão cética e desencantada engajamento, adesão às utopias esquerdistas A Rosa do Povo pessimismo esperança
  92. 95. ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e teu bigode caminham numa estrada de pó e de esperança.

×