Arcadismo no Brasil
Principais autores e obras
Santa Rita Durão
• Caramuru – Poema épico sobre o
descobrimento da Bahia;
• Exaltação da terra brasileira;
• Descrição da ...
Trecho de Caramuru – Santa Rita
Durão
XXXVII
Copiosa multidão da nau francesa
Corre a ver o espetáculo assombrada;
E, igno...
Basílio da Gama
• O Uruguai: poema épico, defende a política
pombalina (Marquês de Pombal);
• Forte crítica aos jesuítas;
...
Trecho de O Uruguai – Basílio da Gama
Por lagos, bosques, vales e montanhas,
Chegamos onde nos impede o passo
Arrebatado e...
Cláudio Manuel da Costa
• Obras: poemas líricos;
• Vila Rica: poema épico sobre a fundação e
história da cidade de Vila Ri...
Recolhidos a um tempo os companheiros,
Junto aos troncos, nas grutas dos outeiros
Se armam as mesas; de viandas servem
A m...
Tomás Antônio Gonzaga
• Cartas Chilenas: poemas satíricos, versos decassílabos
brancos.
▫ Satiriza a mediocridade administ...
Cartas Chilenas– Tomás Antônio Gonzaga
Trecho – Carta 8
Entraram, nas comarcas, os soldados,
E entraram a gemer os tristes...
Marília de Dirceu – Tomás Antônio Gonzaga
Trecho – Parte 1
É bom, minha Marília, é bom ser dono
De um rebanho, que cubra m...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arcadismo no brasil - autores e obras

1.178 visualizações

Publicada em

Principais autores do arcadismo no Brasil e suas principais obras

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
81
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arcadismo no brasil - autores e obras

  1. 1. Arcadismo no Brasil Principais autores e obras
  2. 2. Santa Rita Durão • Caramuru – Poema épico sobre o descobrimento da Bahia; • Exaltação da terra brasileira; • Descrição da paisagem; • Vida natural – pura, não corrompida. • Influência de Camões: ▫ Versos decassílabos (dez sílabas poéticas); ▫ Oitava rima camoniana(ABABABCC); ▫ Divisão: proposição, invocação, dedicatória, narrativa e epílogo.
  3. 3. Trecho de Caramuru – Santa Rita Durão XXXVII Copiosa multidão da nau francesa Corre a ver o espetáculo assombrada; E, ignorando a ocasião de estranha empresa, Pasma da turba feminil que nada. Uma, que às mais precede em gentileza, Não vinha menos bela do que irada; Era Moema, que de inveja geme, E já vizinha à nau se apega ao leme. XXXVIII "- Bárbaro (a bela diz), tigre e não homem... Porém o tigre, por cruel que brame, Acha forças amor que enfim o domem; Só a ti não domou, por mais que eu te ame. Fúrias, raios, coriscos, que o ar consomem. Como não consumis aquele infame? Mas apagar tanto amor com tédio e asco... Ah que o corisco és tu... raio... penhasco? XLI Enfim, tens coração de ver-me aflita, Flutuar moribunda entre estas ondas; Nem o passado amor teu peito incita A um ai somente com que aos meus respondas! Bárbaro, se esta fé teu peito irrita, (Disse, vendo-o fugir), ah não te escondas! Dispara sobre mim teu cruel raio..." E indo a dizer o mais, cai num desmaio.
  4. 4. Basílio da Gama • O Uruguai: poema épico, defende a política pombalina (Marquês de Pombal); • Forte crítica aos jesuítas; • Luta: portugueses (com ajuda de espanhóis) contra índios dos Sete Povos das Missões: ▫ Indígena: influenciado pelos jesuítas. • Inovações formais: ▫ Versos decassílabos livres (sem rimas); ▫ 5 cantos sem divisão de estrofes; ▫ Quebra da ordem épica: inicia com trecho narrativo, não a proposição.
  5. 5. Trecho de O Uruguai – Basílio da Gama Por lagos, bosques, vales e montanhas, Chegamos onde nos impede o passo Arrebatado e caudaloso rio. Por toda a oposta margem se descobre De bárbaros o número infinito Que ao longe nos insulta e nos espera. Preparo curvas balsas e pelotas, E em uma parte de passar aceno, Enquanto em outra passo oculto as tropas. Quase tocava o fim da empresa, quando Do vosso general um mensageiro Me afirma que se havia retirado: A disciplina militar dos índios Tinha esterilizado aqueles campos. Que eu também me retire, me aconselha, Até que o tempo mostre outro caminho. Irado, não o nego, lhe respondo: Que para trás não sei mover um passo. Venha quando puder, que eu firme o espero. Porém o rio e a forma do terreno Nos faz não vista e nunca usada guerra.
  6. 6. Cláudio Manuel da Costa • Obras: poemas líricos; • Vila Rica: poema épico sobre a fundação e história da cidade de Vila Rica (Ouro Preto); • Trajetória dos bandeirantes pelo sertão, descoberta das minas e história de Ouro Preto; • Mistura histórias nacionais aos padrões da mitologia greco-romana + previsões, alegorias, sonhos. ▫ 10 cantos; ▫ Versos decassílabos; ▫ Padrão camoniano: proposição, invocação, dedicatória, narrativa, epílogo.
  7. 7. Recolhidos a um tempo os companheiros, Junto aos troncos, nas grutas dos outeiros Se armam as mesas; de viandas servem A mortas caças, que nos cobres fervem: As aves, que do chumbo o globo estreito Feriu nas asas, e rompeu o peito; O veado, a que o índio na carreira Seguiu, e a seta disparou ligeira; Não falta o louro mel da abelha astuta, O grelo da palmeira, e a tosca fruta, Que alguma árvore brota ali nascida, Por menos venenosa conhecida, Enquanto os brutos animais a comem (Tanto dos brutos aprendera o homem!). Lembrados estareis que há mais de um ano Vos fiz saber que o nosso Soberano, Que dos quatro Joões o nome e glória Herdou para triunfo da memória, Vendo ao Norte da terra povoada, Que atrás deixamos na primeira entrada, Que fazem vossos Pais, achar-se o ouro À custa me ordenou do seu Tesouro, Que entrasse ao centro dos Sertões, buscasse As novas minas, e que examinasse As margens, onde em vão tomaram porto Fernando, Artur e Dom Rodrigo, o morto. Trechos de Vila Rica – Cláudio Manuel da Costa
  8. 8. Tomás Antônio Gonzaga • Cartas Chilenas: poemas satíricos, versos decassílabos brancos. ▫ Satiriza a mediocridade administrativa, os mandos do governo e o governador de MG; ▫ Santiago do Chile = Vila Rica, Fanfarrão Minésio = Luís da Cunha (governador de Minas Gerais). • Marília de Dirceu: obra inspirada em seu próprio romance (o autor também era conhecido como Dirceu); • Liras divididas em 3 partes: ▫ 1ª parte: Amor de sua pureza (ambos são pastores) / exalta a mulher amada / cenário campestre, bucólico; ▫ 2ª parte: Prisão, encarceramento / melancolia, pessimismo, saudade / cenário frio e obscuro (características pré-românticas); ▫ 3ª parte: exílio (Moçambique), ainda canta os amores a Marília, “dividido” – encontra-se casado com outra, mas ainda ama Marília.
  9. 9. Cartas Chilenas– Tomás Antônio Gonzaga Trecho – Carta 8 Entraram, nas comarcas, os soldados, E entraram a gemer os tristes povos. Uns tiram os brinquinhos das orelhas Das filhas e mulheres; outros vendem As escravas, já velhas, que os criaram, Por menos duas partes do seu preço. Aquele que não tem cativo, ou jóia, Satisfaz com papéis, e o soldadinho Estas dívidas cobra, mais violento Do que cobra a justiça uma parcela Que tem executivo aparelhado, Por sábia ordenação do nosso reino. Por mais que o devedor exclama e grita Que os créditos são falsos, ou que foram Há muitos anos pagos, o ministro Da severa cobrança a nada atende; Despeza estes embargos, bem que o triste Proteste de os provar incontinenti.
  10. 10. Marília de Dirceu – Tomás Antônio Gonzaga Trecho – Parte 1 É bom, minha Marília, é bom ser dono De um rebanho, que cubra monte, e prado; Porém, gentil Pastora, o teu agrado Vale mais q’um rebanho, e mais q’um trono. Trecho – Parte 2 Nesta triste masmorra De um semivivo corpo sepultura Inda, Marília, adoro A tua formosura Trecho – Parte 3 Cupido, se tens dó de um triste amante Ou de forma de Lorino dois sujeitos, Ou forma desses dois um só semblante.

×