SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Sob o céu da noite amiga            Um dedo contra os pilares..                     NATAL-RN, JUNHO DE 2011 / Nº 72
  permaneço deslumbrado,              murmúrios...silêncio! Tédio...                   ADEMAR MACEDO / RUA IGUATAMA, 2908 – NEÓPOLES
                                                                                                    NATAL/RN CEP:59.088-160
  quando uma canção antiga            É a fome subindo andares                              TELs:(84) 3217-7617 / 8817- 0937 / 9614 - 0717
  me faz lembrar o passado.           pelo interfone do prédio!                                 e-mail: poetaademar@yahoo.com.br

  –Reinaldo Aguiar/RN–                –Paulo Cesar Ouverney/RJ–

  Hoje, a infância me recorda         Saudade, perfume triste
                                                                           Fiz com Deus uma aliança                 Eu já vi o mar chorando,
  esse velho amigo meu:               de uma flor que não se vê;           que somente um cristão faz:              em grandes ondas de dor,
  um palhacinho de corda              culto que ainda persiste             ser soldado da esperança                 ao ver um barco voltando
  tão sem corda quanto eu!...         num crente que já não crê!           numa guerra pela paz.                    sem trazer seu pescador.
  –Elton Carvalho/RJ–                 –Menotti del Picchia/SP–             –Ademar Macedo–                          –Luiz Xavier–

                                                                           Quero ter você comigo                    Você caiu como luva
                                                                           no sonho que nos encanta,                na mão do meu sentimento,
Já plantei minha semente                      SER POETA                    um amor que seja amigo                   parecendo água de chuva
no roseiral da saudade,                                                    e uma canção que acalanta.               no calor do meu tormento.
já gozei a mocidade                               – Florbela Espanca/PT    –Arthunio Maux/RN–                       –Marcos Medeiros–
nessa vida inconsequente,      –
deixei de ser imprudente                                                   Depois que a aurora desponta             Eu busco a beleza extrema
amando quem não devia,         Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
                               Do que os homens! Morder como quem beija!   mostrando a cara do dia,                 na trova doce e completa,
arranquei a alegria                                                        o meu ego toma conta                     fazer da trova um poema
                               É ser mendigo e dar como quem seja
no calabouço da dor;                                                       do meu mundo de poesia.                  é meu sonho de poeta.
                               Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!
onde se planta uma flor                                                    –Chico Mota–                             –Prof. Garcia/RN–
nasce um pé de poesia.         É ter de mil desejos o esplendor
(Hélio Crisanto/RN)            E não saber sequer que se deseja!           Os teus olhos sacrossantos,              Jesus Cristo! Eu te contemplo
                               É ter cá dentro um astro que flameja,       Musa do idílio e do amor;                genuflexo em minha lida,
Eu já passei dos cinquenta,
                               É ter garras e asas de condor!              enchem meus versos de encantos           a tua vida é um exemplo,
cheio de felicidade,
                                                                           e os meus olhos de esplendor.            teu exemplo é minha vida.
e não escondo a ninguém        É ter fome, é ter sede de Infinito!         –Djalma Mota–                            –Rodrigues Neto–
que hoje estou, na verdade,    Por elmo, as manhãs de ouro e de cetim...
sem ter mágoa e sem queixume                                               A saudade não faz sangue,                A saudade quando ancora
                               É condensar o mundo num só grito!
sentindo o doce perfume                                                    mas, fura feito um arpão,                cá, no porto do meu ego,
da flor da terceira idade...   E é amar-te, assim, perdidamente...         com efeito bumerangue,                   não posso deixá-la fora;
(Ademar Macedo/RN)             É seres alma, e sangue, e vida em mim       volta sempre ao coração!...              ela insiste então me entrego.
                               E dizê-lo cantando a toda a gente!          –Francisco Macedo–                       –Severino Campêlo–
APOIO: GRÁFICA PADRE JOÃO MARIA - Tel: 3207-5862




                                                                                                        “DIA DOS NAMORADOS”
                                                                     Toda vez que ela namora,              No calor perdeu o rumo
Ao rever o sítio antigo          Sonhador desde criança,             tem fome e come um bocado.            quando o namoro esquentou...
do meu passado risonho,          não sonho, entretanto, em vão...    Em plena dieta... agora               E, atrás da moita de fumo
a saudade andou comigo,          sonhando, eu nutro a esperança      quem não come é o namorado!           quase que a "cobra fumou"...
lembrando sonho por sonho.       que nutre o meu coração!            –Edmar Japiassú/RJ–                   –Maria Nascimento/RJ–
(José Lucas de Barros/RN)        (A. A. de Assis/PR)
                                                                     Confusão na madrugada,                Se o teu namoro vai mal,
                                                                     que o bebum transforma em drama:      é claro que isso me importa;
Numa estação o destino           Uma idéia, a mais ousada
                                                                     atira... na namorada                  goteira no teu quintal
me fez saltar, que maldade!      que em meu peito se escondeu,
                                 deixou minha alma marcada           e leva a sogra pra cama !             é “chuva na minha porta”!
E ainda vejo o menino
                                                                     –Sérgio Ferreira da Silva/SP–         –José Ouverney/SP–
correndo atrás da saudade.       e mais um sonho morreu!
(Fernando Câncio/CE)             (Sônia Sobreira/RJ)
                                                                     Namorou e mandou brasa,               Namorando um Capitão,
Velho – carrego esperanças,      No meu mundo de utopia,             e pensou que era o terror;            e, de um Pastor namorada,
adubando a vida em flor:         vivo momentos risonhos,             levou um aperto em casa,              se divide a Conceição
quem não cultiva as lembranças   pois, na minha fantasia,            cadê o conquistador?                  entre uma cruz e uma
mata as raízes do amor.          torno reais os meus                 –Dari Pereira/PR–                     espada!..
(Gabriel Bicalho/MG)                                                                                       –Aloísio Alves da Costa/CE–
                                 sonhos!
                                                                     A namorada foguenta,                  Ela vive namorando
Na vida a gente imagina          Quando um amor nos inflama          tem um calor tão brutal!...           no escurinho, atrás do muro,
tudo poder suplantar.            a razão pede – cautela !            a minha energia esquenta,             e por isto andam chamando
Olho os seus olhos, menina,      o vento que atiça a chama           mas derrete no final !!!              seu namoro de... “namuro”!
já começo a fraquejar.           é o mesmo que apaga a vela.         –João Batista Vasconcellos/RJ–        –Arlindo Tadeu Hagen/MG–
(Gilson Faustino Maia/RJ)        (Rita Mourão/SP)
                                                                     “Que belo corpo, ele exclama,         Foram tantos namorados
Nas terras do coração            Não afirmo mas suponho              sem ver que tem namorado..            com mãos lascivas demais,
um tremor sempre me              que a insônia essa malvada          Que vontade de ir pra cama!”          que hoje ela é um banco de dados
invade:                          foi quem roubou o meu sonho         E foi... sozinho e engessado.         só de impressões digitais!
o de plantar solidão             que guardei pra minha amada.        –Therezinha Dieguez Brisolla/SP–      –Sérgio Bernardo/RJ–
com sementes de saudade...       (Deusdedit Rocha/CE)
                                                                    APOIO: GRÁFICA PADRE JOÃO MARIA - Tel: 3207-5862
(Héron Patrício/SP)
O trovadoresco nº 72 junho 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ano I nº2 julho 2008 Retrospectiva
Ano I nº2 julho 2008  RetrospectivaAno I nº2 julho 2008  Retrospectiva
Ano I nº2 julho 2008 Retrospectiva
AMACLERJ
 
Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)
Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)
Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)
Ari Carrasco
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
Jerônimo Ferreira
 
Os Novos Meninos do Morro
Os Novos Meninos do MorroOs Novos Meninos do Morro
Os Novos Meninos do Morro
Jorge Halen
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
Gisele Santos
 

Mais procurados (18)

Ano I nº2 julho 2008 Retrospectiva
Ano I nº2 julho 2008  RetrospectivaAno I nº2 julho 2008  Retrospectiva
Ano I nº2 julho 2008 Retrospectiva
 
Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)
Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)
Diário de Bênçãos (psicografia Chico Xavier - espírito Cristiane)
 
Análise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutosAnálise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutos
 
Análise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutosAnálise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutos
 
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
 
Letras Taquarenses N 67 Out 2015 (Lt67out15) * Antonio Cabral Filho - RJ
Letras Taquarenses N 67 Out 2015 (Lt67out15) * Antonio Cabral Filho - RJLetras Taquarenses N 67 Out 2015 (Lt67out15) * Antonio Cabral Filho - RJ
Letras Taquarenses N 67 Out 2015 (Lt67out15) * Antonio Cabral Filho - RJ
 
E-book O Mosaico dos Raros
E-book O Mosaico dos Raros E-book O Mosaico dos Raros
E-book O Mosaico dos Raros
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
Visita de um amigo
Visita de um amigoVisita de um amigo
Visita de um amigo
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
 
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anosIEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
 
O Bandeirante - n.236 - 072012
O Bandeirante -  n.236 - 072012O Bandeirante -  n.236 - 072012
O Bandeirante - n.236 - 072012
 
Os Novos Meninos do Morro
Os Novos Meninos do MorroOs Novos Meninos do Morro
Os Novos Meninos do Morro
 
Marujo? Sim. Com muito orgulho!
Marujo? Sim. Com muito orgulho!Marujo? Sim. Com muito orgulho!
Marujo? Sim. Com muito orgulho!
 
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
Memento Mori   V Noite De Poesia   Arádia RaymonMemento Mori   V Noite De Poesia   Arádia Raymon
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
 
Visita de um Amigo
Visita de um AmigoVisita de um Amigo
Visita de um Amigo
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 

Destaque

Revisando o pré modernismo
Revisando o pré modernismoRevisando o pré modernismo
Revisando o pré modernismo
ma.no.el.ne.ves
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Seduc/AM
 

Destaque (14)

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 
Revisando o pré modernismo
Revisando o pré modernismoRevisando o pré modernismo
Revisando o pré modernismo
 
Os sertões
Os sertõesOs sertões
Os sertões
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
Os sertões
Os sertõesOs sertões
Os sertões
 
Os sertões
Os sertõesOs sertões
Os sertões
 
Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)
Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)
Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)
 
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeoTrovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Literacy Reimagined
Literacy Reimagined Literacy Reimagined
Literacy Reimagined
 

Semelhante a O trovadoresco nº 72 junho 2011 (20)

Almanaque paraná numero 1 novembro dezembro 2010
Almanaque paraná numero 1 novembro dezembro 2010Almanaque paraná numero 1 novembro dezembro 2010
Almanaque paraná numero 1 novembro dezembro 2010
 
Mestresda poesiapps
Mestresda poesiappsMestresda poesiapps
Mestresda poesiapps
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
 
Mestres da poesia
Mestres da poesiaMestres da poesia
Mestres da poesia
 
Alguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
Alguns Poemas Escritos no Recanto das LetrasAlguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
Alguns Poemas Escritos no Recanto das Letras
 
Mestres Da Poesia
Mestres Da PoesiaMestres Da Poesia
Mestres Da Poesia
 
Mestres da Poesia
Mestres da PoesiaMestres da Poesia
Mestres da Poesia
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas An
Poetas AnPoetas An
Poetas An
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 

Mais de Confraria Paranaense

Santuario de trovas vol 2 jose feldman
Santuario de trovas vol 2   jose feldmanSantuario de trovas vol 2   jose feldman
Santuario de trovas vol 2 jose feldman
Confraria Paranaense
 
4 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 2010
4 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 20104 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 2010
4 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 2010
Confraria Paranaense
 
3 revista literária voo da gralha azul numero 3 marco abril 2010 final
3 revista literária voo da gralha azul numero 3  marco abril 2010 final3 revista literária voo da gralha azul numero 3  marco abril 2010 final
3 revista literária voo da gralha azul numero 3 marco abril 2010 final
Confraria Paranaense
 
2 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 2010
2 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 20102 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 2010
2 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 2010
Confraria Paranaense
 

Mais de Confraria Paranaense (20)

Minas Gerais Trovadoresco
Minas Gerais TrovadorescoMinas Gerais Trovadoresco
Minas Gerais Trovadoresco
 
Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 9 jan fev mar 2012
Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 9 jan fev mar 2012Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 9 jan fev mar 2012
Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 9 jan fev mar 2012
 
Livreto 1 Rio Grande do Norte Trovadoresco
Livreto 1  Rio Grande do Norte TrovadorescoLivreto 1  Rio Grande do Norte Trovadoresco
Livreto 1 Rio Grande do Norte Trovadoresco
 
Livreto 1 - São Paulo Trovadoresco
Livreto 1   - São Paulo TrovadorescoLivreto 1   - São Paulo Trovadoresco
Livreto 1 - São Paulo Trovadoresco
 
Livreto 2 Paraná Trovadoresco
Livreto 2   Paraná TrovadorescoLivreto 2   Paraná Trovadoresco
Livreto 2 Paraná Trovadoresco
 
Paraná Trovadoresco - Livreto 1
Paraná Trovadoresco - Livreto 1Paraná Trovadoresco - Livreto 1
Paraná Trovadoresco - Livreto 1
 
Calendario ecologico 2012
Calendario ecologico 2012Calendario ecologico 2012
Calendario ecologico 2012
 
Almanaque o Voo da Gralha Azul numero 8 set out nov 2011
Almanaque o Voo da Gralha Azul numero 8 set out nov 2011Almanaque o Voo da Gralha Azul numero 8 set out nov 2011
Almanaque o Voo da Gralha Azul numero 8 set out nov 2011
 
O trovador n. 58 - 4 Bimestre de 2011
O trovador n. 58 - 4 Bimestre de 2011O trovador n. 58 - 4 Bimestre de 2011
O trovador n. 58 - 4 Bimestre de 2011
 
Hermoclydes S. Franco Vocabulário em trovas
Hermoclydes S. Franco Vocabulário em trovasHermoclydes S. Franco Vocabulário em trovas
Hermoclydes S. Franco Vocabulário em trovas
 
Hermoclydes S. Franco Vocabulário em trovas
Hermoclydes S. Franco Vocabulário em trovasHermoclydes S. Franco Vocabulário em trovas
Hermoclydes S. Franco Vocabulário em trovas
 
Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 7 junho a agosto 2011
Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 7 junho a agosto 2011Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 7 junho a agosto 2011
Almanaque O Voo da Gralha Azul numero 7 junho a agosto 2011
 
Concurso Literário Cidade de Maringa
Concurso Literário Cidade de MaringaConcurso Literário Cidade de Maringa
Concurso Literário Cidade de Maringa
 
Santuario de Trovas vol 1
Santuario de Trovas vol 1Santuario de Trovas vol 1
Santuario de Trovas vol 1
 
Calêndula 397 julho 2011
Calêndula 397   julho 2011Calêndula 397   julho 2011
Calêndula 397 julho 2011
 
Santuario de trovas vol 2 jose feldman
Santuario de trovas vol 2   jose feldmanSantuario de trovas vol 2   jose feldman
Santuario de trovas vol 2 jose feldman
 
Livro dos jogos florais de ribeirão preto 2011
Livro dos jogos florais de ribeirão preto 2011Livro dos jogos florais de ribeirão preto 2011
Livro dos jogos florais de ribeirão preto 2011
 
4 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 2010
4 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 20104 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 2010
4 revista o voo da gralha azul numero 4 maio junho 2010
 
3 revista literária voo da gralha azul numero 3 marco abril 2010 final
3 revista literária voo da gralha azul numero 3  marco abril 2010 final3 revista literária voo da gralha azul numero 3  marco abril 2010 final
3 revista literária voo da gralha azul numero 3 marco abril 2010 final
 
2 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 2010
2 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 20102 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 2010
2 revista literaria o voo da gralha azul numero 2 fevereiro 2010
 

O trovadoresco nº 72 junho 2011

  • 1. Sob o céu da noite amiga Um dedo contra os pilares.. NATAL-RN, JUNHO DE 2011 / Nº 72 permaneço deslumbrado, murmúrios...silêncio! Tédio... ADEMAR MACEDO / RUA IGUATAMA, 2908 – NEÓPOLES NATAL/RN CEP:59.088-160 quando uma canção antiga É a fome subindo andares TELs:(84) 3217-7617 / 8817- 0937 / 9614 - 0717 me faz lembrar o passado. pelo interfone do prédio! e-mail: poetaademar@yahoo.com.br –Reinaldo Aguiar/RN– –Paulo Cesar Ouverney/RJ– Hoje, a infância me recorda Saudade, perfume triste Fiz com Deus uma aliança Eu já vi o mar chorando, esse velho amigo meu: de uma flor que não se vê; que somente um cristão faz: em grandes ondas de dor, um palhacinho de corda culto que ainda persiste ser soldado da esperança ao ver um barco voltando tão sem corda quanto eu!... num crente que já não crê! numa guerra pela paz. sem trazer seu pescador. –Elton Carvalho/RJ– –Menotti del Picchia/SP– –Ademar Macedo– –Luiz Xavier– Quero ter você comigo Você caiu como luva no sonho que nos encanta, na mão do meu sentimento, Já plantei minha semente SER POETA um amor que seja amigo parecendo água de chuva no roseiral da saudade, e uma canção que acalanta. no calor do meu tormento. já gozei a mocidade – Florbela Espanca/PT –Arthunio Maux/RN– –Marcos Medeiros– nessa vida inconsequente, – deixei de ser imprudente Depois que a aurora desponta Eu busco a beleza extrema amando quem não devia, Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! mostrando a cara do dia, na trova doce e completa, arranquei a alegria o meu ego toma conta fazer da trova um poema É ser mendigo e dar como quem seja no calabouço da dor; do meu mundo de poesia. é meu sonho de poeta. Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! onde se planta uma flor –Chico Mota– –Prof. Garcia/RN– nasce um pé de poesia. É ter de mil desejos o esplendor (Hélio Crisanto/RN) E não saber sequer que se deseja! Os teus olhos sacrossantos, Jesus Cristo! Eu te contemplo É ter cá dentro um astro que flameja, Musa do idílio e do amor; genuflexo em minha lida, Eu já passei dos cinquenta, É ter garras e asas de condor! enchem meus versos de encantos a tua vida é um exemplo, cheio de felicidade, e os meus olhos de esplendor. teu exemplo é minha vida. e não escondo a ninguém É ter fome, é ter sede de Infinito! –Djalma Mota– –Rodrigues Neto– que hoje estou, na verdade, Por elmo, as manhãs de ouro e de cetim... sem ter mágoa e sem queixume A saudade não faz sangue, A saudade quando ancora É condensar o mundo num só grito! sentindo o doce perfume mas, fura feito um arpão, cá, no porto do meu ego, da flor da terceira idade... E é amar-te, assim, perdidamente... com efeito bumerangue, não posso deixá-la fora; (Ademar Macedo/RN) É seres alma, e sangue, e vida em mim volta sempre ao coração!... ela insiste então me entrego. E dizê-lo cantando a toda a gente! –Francisco Macedo– –Severino Campêlo–
  • 2. APOIO: GRÁFICA PADRE JOÃO MARIA - Tel: 3207-5862 “DIA DOS NAMORADOS” Toda vez que ela namora, No calor perdeu o rumo Ao rever o sítio antigo Sonhador desde criança, tem fome e come um bocado. quando o namoro esquentou... do meu passado risonho, não sonho, entretanto, em vão... Em plena dieta... agora E, atrás da moita de fumo a saudade andou comigo, sonhando, eu nutro a esperança quem não come é o namorado! quase que a "cobra fumou"... lembrando sonho por sonho. que nutre o meu coração! –Edmar Japiassú/RJ– –Maria Nascimento/RJ– (José Lucas de Barros/RN) (A. A. de Assis/PR) Confusão na madrugada, Se o teu namoro vai mal, que o bebum transforma em drama: é claro que isso me importa; Numa estação o destino Uma idéia, a mais ousada atira... na namorada goteira no teu quintal me fez saltar, que maldade! que em meu peito se escondeu, deixou minha alma marcada e leva a sogra pra cama ! é “chuva na minha porta”! E ainda vejo o menino –Sérgio Ferreira da Silva/SP– –José Ouverney/SP– correndo atrás da saudade. e mais um sonho morreu! (Fernando Câncio/CE) (Sônia Sobreira/RJ) Namorou e mandou brasa, Namorando um Capitão, Velho – carrego esperanças, No meu mundo de utopia, e pensou que era o terror; e, de um Pastor namorada, adubando a vida em flor: vivo momentos risonhos, levou um aperto em casa, se divide a Conceição quem não cultiva as lembranças pois, na minha fantasia, cadê o conquistador? entre uma cruz e uma mata as raízes do amor. torno reais os meus –Dari Pereira/PR– espada!.. (Gabriel Bicalho/MG) –Aloísio Alves da Costa/CE– sonhos! A namorada foguenta, Ela vive namorando Na vida a gente imagina Quando um amor nos inflama tem um calor tão brutal!... no escurinho, atrás do muro, tudo poder suplantar. a razão pede – cautela ! a minha energia esquenta, e por isto andam chamando Olho os seus olhos, menina, o vento que atiça a chama mas derrete no final !!! seu namoro de... “namuro”! já começo a fraquejar. é o mesmo que apaga a vela. –João Batista Vasconcellos/RJ– –Arlindo Tadeu Hagen/MG– (Gilson Faustino Maia/RJ) (Rita Mourão/SP) “Que belo corpo, ele exclama, Foram tantos namorados Nas terras do coração Não afirmo mas suponho sem ver que tem namorado.. com mãos lascivas demais, um tremor sempre me que a insônia essa malvada Que vontade de ir pra cama!” que hoje ela é um banco de dados invade: foi quem roubou o meu sonho E foi... sozinho e engessado. só de impressões digitais! o de plantar solidão que guardei pra minha amada. –Therezinha Dieguez Brisolla/SP– –Sérgio Bernardo/RJ– com sementes de saudade... (Deusdedit Rocha/CE) APOIO: GRÁFICA PADRE JOÃO MARIA - Tel: 3207-5862 (Héron Patrício/SP)