SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Objetivos
- Apresentar os conceitos sobre o estudo de
rigging.
- Mostrar algumas das etapas necessárias para o
estudo de rigging.
83
Unidade 5: Estudo de Rigging
Introdução
A atividade relacionada à movimentação de cargas, seja em plataformas
logísticas, em portos, armazéns, depósitos ou mesmo na construção civil,
exige a necessidade da utilização de guindastes.
A utilização desse equipamento requer estudos prévios para garantir que o
içamento e movimentação das cargas sejam realizadas com segurança
para o operador, para os demais trabalhadores do ambiente de
movimentação das cargas, e inclusive para as próprias cargas.
Esta atividade que deve ser desenvolvida previamente a qualquer
movimentação é chamada de estudo de rigging, a qual iremos detalhar
nesta unidade.
84
Unidade 5: Estudo de Rigging
Estudo de Rigging
Estudo de Rigging corresponde ao
conjunto de estudos necessários para o
planejamento da operação de içamento
e movimentação de carga. Tal atividade
é desenvolvida por profissionais
qualificados, denominados RIGGER.
85
Unidade 5: Estudo de Rigging
Estudo de Rigging
Pré-requisitos buscados pelo mercado para o Rigger
•No mínimo o Ensino Médio Completo
•Desejável: Eng. Mecânico ou Eng. Operacional
•Prática em Cálculos numéricos (matemática,
geometria, trigonometria, conhecimento de desenho
técnico (mecânico, estrutura, civil, instalações
industriais)
•Prática em leitura de manuais técnicos de
guindastes.
86
Unidade 5: Estudo de Rigging
Estudo de Rigging
Atribuições de um RIGGER:
•Selecionar o guindaste
•Planejar a operação
•Configurar o guindaste
•Elaborar plano de “rigging”
•Compor a carga bruta
•Calcular as amarrações
•Especificar acessórios de amarração
87
Unidade 5: Estudo de Rigging
Estudo de Rigging
Todo o conjunto de ações necessárias
dentro de um estudo de rigging irá, ao final
dos estudos, compor um documento
conhecido como “Plano de Rigging” ou
“Plano de Movimentação de Cargas”. Esse
plano visa determinar o procedimento pelo
qual se dará a movimentação da carga.
88
Unidade 5: Estudo de Rigging
Estudo de Rigging
O Plano de Rigging pode ser desenvolvido a
partir de uma série de questões:
•Qual o peso da carga a ser içada?
•Quais são suas dimensões?
•A carga possui pontos de pega para o
içamento?
•Qual o posicionamento da carga a ser içada
em relação ao guindaste?
•Qual tipo de terreno em que se dará o
içamento e a movimentação da carga?
•Existem interferências entre a carga a ser içada
e seu local de descarregamento?
89
Unidade 5: Estudo de Rigging
Etapas do Estudo de Rigging
O estudo de rigging se assemelha à fase de planejamento de uma obra.
Dessa forma, esse estudo contém uma série de etapas a serem
desenvolvidas que buscam otimizar custo e tempo nas atividades de
içamento de materiais.
Principais etapas que um plano de Rigging:
•Coleta de Dados do Projeto
•Análise Mecânica do Equipamento
•Definição do Equipamento a ser Utilizado
90
Unidade 5: Estudo de Rigging
Etapas do Estudo de Rigging
A coleta de dados corresponde à primeira etapa do estudo
de rigging.
É essa etapa que dá ao operador de guindaste subsídio
para a escolha do tipo de equipamento mais adequado a
ser utilizado.
Pode ser dividida em:
•Estudo de carga
•Estudo de movimentação e içamento de carga
•Estudo geotécnico
91
Unidade 5: Estudo de Rigging
Coleta de Dados do Projeto
Etapas do Estudo de Rigging
No estudo de carga é realizada uma
análise dos tipos de carga a serem
operadas, bem como seu peso e
dimensões.
Desta maneira busca-se conhecer,
através de séries histórias, informações
com relação à carga de maior peso a ser
movimentada, bem como a de maior
dimensão.
92
Unidade 5: Estudo de Rigging
Coleta de Dados do Projeto: estudo de carga
Etapas do Estudo de Rigging
O operador de guindaste deve conhecer ainda o local
onde ocorrerá a movimentação da carga.
Esta etapa é extremamente importante, pois é nela que
se avalia a existência ou não de espaço suficiente para
manobra do equipamento e da carga, tanto na posição
horizontal e como na posição vertical.
Ou seja, o operador deve determinar o quanto de
distância, de altura e área de manobra ele dispõem no
local de movimentação das cargas, para estimar o
equipamento correto a ser utilizado.
93
Unidade 5: Estudo de Rigging
Coleta de Dados do Projeto: estudo de movimentação e
içamento de carga
Etapas do Estudo de Rigging
Realizar estudos geotécnicos para reconhecer as
características do solo no qual o equipamento irá
operar é fundamental para garantir o funcionamento
correto do equipamento, garantir a sua estabilidade, e
consequentemente evitar tombamento e acidentes.
94
Unidade 5: Estudo de Rigging
Coleta de Dados do Projeto: Estudo geotécnico
Etapas do Estudo de Rigging
A segunda etapa do estudo de rigging corresponde à
análise dos equipamentos disponíveis no mercado e
que se enquadram dentro das restrições já
determinadas na etapa anterior.
95
Unidade 5: Estudo de Rigging
Análise Mecânica do Equipamento
Etapas do Estudo de Rigging
Características importantes que devem ser levadas em consideração nesse
estudo dos equipamentos:
•O equipamento deve ter peso próprio compatível com o solo onde irá
operar;
•O equipamento deve ter dimensões tais que permita uma confortável
movimentação do mesmo dentro do espaço destinado à montagem;
•Os raios de manobra devem ser coerentes com os exigidos quando o
equipamento for solicitado para içamento da carga;
•O equipamento deve ser compatível com a máxima carga a ser
movimentada, bem como com as suas dimensões e características.
96
Unidade 5: Estudo de Rigging
Análise Mecânica do Equipamento
Etapas do Estudo de Rigging
Definido o tipo de guindaste a ser utilizado para
o içamento e a movimentação de cargas, deve-
se determinar a capacidade de carga limite
aplicada ao equipamento, ou seja, a maior
capacidade de carga a que o guindaste estará
submetido quando posicionado em situação
mais desfavorável prevista pelo plano de
içamento e movimentação de carga dentro dos
padrões de segurança.
97
Unidade 5: Estudo de Rigging
Definição do Equipamento a ser Utilizado
Conclusão
Existe um conjunto de atividades que devem ser
desenvolvidas antes de iniciar as operações de içamento e
movimentação de cargas com a utilização de um guindaste.
O operador de guindastes deve estar apto a realizar essas
atividades e estudos, de forma a garantir um serviço de
qualidade e realizado com segurança.
99
Unidade 5: Estudo de Rigging

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Estudo de rigging: etapas e conceitos

Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14Lancer Castigo
 
Movimentação de cargas(rigging)
Movimentação de cargas(rigging)Movimentação de cargas(rigging)
Movimentação de cargas(rigging)rosangelaisabel
 
Considerações sobre içamentos pesados oficial
Considerações sobre içamentos pesados   oficialConsiderações sobre içamentos pesados   oficial
Considerações sobre içamentos pesados oficialCamilo Filho
 
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdfMOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdfSérgio Alves
 
Exame final material
Exame final   materialExame final   material
Exame final materialguest7d1c8e9
 
Apostila d máquinas de elevação 2012
Apostila d máquinas de elevação 2012Apostila d máquinas de elevação 2012
Apostila d máquinas de elevação 2012Vicente Puglia
 
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptxeBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptxClinaldo Guedes
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
Movimentação de cargas
Movimentação de cargasMovimentação de cargas
Movimentação de cargasFabio Prado
 
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporteCelso Moraes
 
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...Firjan SENAI
 
Introdução à ação
Introdução à açãoIntrodução à ação
Introdução à açãojuditesilva10
 
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasSht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasAna Cristina Vieira
 
Apresentação transportadores continuos tipo rosca
Apresentação transportadores continuos tipo roscaApresentação transportadores continuos tipo rosca
Apresentação transportadores continuos tipo roscaleonisioberto
 

Semelhante a Estudo de rigging: etapas e conceitos (20)

Reach Stacker
Reach Stacker  Reach Stacker
Reach Stacker
 
Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14Lancer preso estaleiro30-09-14
Lancer preso estaleiro30-09-14
 
Movimentação de cargas(rigging)
Movimentação de cargas(rigging)Movimentação de cargas(rigging)
Movimentação de cargas(rigging)
 
Considerações sobre içamentos pesados oficial
Considerações sobre içamentos pesados   oficialConsiderações sobre içamentos pesados   oficial
Considerações sobre içamentos pesados oficial
 
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdfMOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
 
Exame final material
Exame final   materialExame final   material
Exame final material
 
Apostila d máquinas de elevação 2012
Apostila d máquinas de elevação 2012Apostila d máquinas de elevação 2012
Apostila d máquinas de elevação 2012
 
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptxeBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
Slide Aula 2.pptx
Slide Aula 2.pptxSlide Aula 2.pptx
Slide Aula 2.pptx
 
Movimentação de cargas
Movimentação de cargasMovimentação de cargas
Movimentação de cargas
 
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte
 
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...
47634938 apostila-maquinas-de-elevacao-e-transporte-150102082501-conversion-g...
 
pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2
 
Operador de Empilhadeira
Operador de EmpilhadeiraOperador de Empilhadeira
Operador de Empilhadeira
 
Nr 11 nr 12 reach steaker
Nr 11 nr 12   reach steakerNr 11 nr 12   reach steaker
Nr 11 nr 12 reach steaker
 
Introdução à ação
Introdução à açãoIntrodução à ação
Introdução à ação
 
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasSht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
 
Apresentação transportadores continuos tipo rosca
Apresentação transportadores continuos tipo roscaApresentação transportadores continuos tipo rosca
Apresentação transportadores continuos tipo rosca
 

Mais de Sérgio Alves

Definições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdfDefinições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdfSérgio Alves
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfSérgio Alves
 
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdfMOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdfSérgio Alves
 
MOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdfMOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdfSérgio Alves
 
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfMOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfSérgio Alves
 
MOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdfMOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdfSérgio Alves
 

Mais de Sérgio Alves (6)

Definições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdfDefinições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdf
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
 
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdfMOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
 
MOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdfMOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdf
 
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfMOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
 
MOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdfMOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdf
 

Último

ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 

Último (20)

ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 

Estudo de rigging: etapas e conceitos

  • 1. Objetivos - Apresentar os conceitos sobre o estudo de rigging. - Mostrar algumas das etapas necessárias para o estudo de rigging. 83 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 2. Introdução A atividade relacionada à movimentação de cargas, seja em plataformas logísticas, em portos, armazéns, depósitos ou mesmo na construção civil, exige a necessidade da utilização de guindastes. A utilização desse equipamento requer estudos prévios para garantir que o içamento e movimentação das cargas sejam realizadas com segurança para o operador, para os demais trabalhadores do ambiente de movimentação das cargas, e inclusive para as próprias cargas. Esta atividade que deve ser desenvolvida previamente a qualquer movimentação é chamada de estudo de rigging, a qual iremos detalhar nesta unidade. 84 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 3. Estudo de Rigging Estudo de Rigging corresponde ao conjunto de estudos necessários para o planejamento da operação de içamento e movimentação de carga. Tal atividade é desenvolvida por profissionais qualificados, denominados RIGGER. 85 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 4. Estudo de Rigging Pré-requisitos buscados pelo mercado para o Rigger •No mínimo o Ensino Médio Completo •Desejável: Eng. Mecânico ou Eng. Operacional •Prática em Cálculos numéricos (matemática, geometria, trigonometria, conhecimento de desenho técnico (mecânico, estrutura, civil, instalações industriais) •Prática em leitura de manuais técnicos de guindastes. 86 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 5. Estudo de Rigging Atribuições de um RIGGER: •Selecionar o guindaste •Planejar a operação •Configurar o guindaste •Elaborar plano de “rigging” •Compor a carga bruta •Calcular as amarrações •Especificar acessórios de amarração 87 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 6. Estudo de Rigging Todo o conjunto de ações necessárias dentro de um estudo de rigging irá, ao final dos estudos, compor um documento conhecido como “Plano de Rigging” ou “Plano de Movimentação de Cargas”. Esse plano visa determinar o procedimento pelo qual se dará a movimentação da carga. 88 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 7. Estudo de Rigging O Plano de Rigging pode ser desenvolvido a partir de uma série de questões: •Qual o peso da carga a ser içada? •Quais são suas dimensões? •A carga possui pontos de pega para o içamento? •Qual o posicionamento da carga a ser içada em relação ao guindaste? •Qual tipo de terreno em que se dará o içamento e a movimentação da carga? •Existem interferências entre a carga a ser içada e seu local de descarregamento? 89 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 8. Etapas do Estudo de Rigging O estudo de rigging se assemelha à fase de planejamento de uma obra. Dessa forma, esse estudo contém uma série de etapas a serem desenvolvidas que buscam otimizar custo e tempo nas atividades de içamento de materiais. Principais etapas que um plano de Rigging: •Coleta de Dados do Projeto •Análise Mecânica do Equipamento •Definição do Equipamento a ser Utilizado 90 Unidade 5: Estudo de Rigging
  • 9. Etapas do Estudo de Rigging A coleta de dados corresponde à primeira etapa do estudo de rigging. É essa etapa que dá ao operador de guindaste subsídio para a escolha do tipo de equipamento mais adequado a ser utilizado. Pode ser dividida em: •Estudo de carga •Estudo de movimentação e içamento de carga •Estudo geotécnico 91 Unidade 5: Estudo de Rigging Coleta de Dados do Projeto
  • 10. Etapas do Estudo de Rigging No estudo de carga é realizada uma análise dos tipos de carga a serem operadas, bem como seu peso e dimensões. Desta maneira busca-se conhecer, através de séries histórias, informações com relação à carga de maior peso a ser movimentada, bem como a de maior dimensão. 92 Unidade 5: Estudo de Rigging Coleta de Dados do Projeto: estudo de carga
  • 11. Etapas do Estudo de Rigging O operador de guindaste deve conhecer ainda o local onde ocorrerá a movimentação da carga. Esta etapa é extremamente importante, pois é nela que se avalia a existência ou não de espaço suficiente para manobra do equipamento e da carga, tanto na posição horizontal e como na posição vertical. Ou seja, o operador deve determinar o quanto de distância, de altura e área de manobra ele dispõem no local de movimentação das cargas, para estimar o equipamento correto a ser utilizado. 93 Unidade 5: Estudo de Rigging Coleta de Dados do Projeto: estudo de movimentação e içamento de carga
  • 12. Etapas do Estudo de Rigging Realizar estudos geotécnicos para reconhecer as características do solo no qual o equipamento irá operar é fundamental para garantir o funcionamento correto do equipamento, garantir a sua estabilidade, e consequentemente evitar tombamento e acidentes. 94 Unidade 5: Estudo de Rigging Coleta de Dados do Projeto: Estudo geotécnico
  • 13. Etapas do Estudo de Rigging A segunda etapa do estudo de rigging corresponde à análise dos equipamentos disponíveis no mercado e que se enquadram dentro das restrições já determinadas na etapa anterior. 95 Unidade 5: Estudo de Rigging Análise Mecânica do Equipamento
  • 14. Etapas do Estudo de Rigging Características importantes que devem ser levadas em consideração nesse estudo dos equipamentos: •O equipamento deve ter peso próprio compatível com o solo onde irá operar; •O equipamento deve ter dimensões tais que permita uma confortável movimentação do mesmo dentro do espaço destinado à montagem; •Os raios de manobra devem ser coerentes com os exigidos quando o equipamento for solicitado para içamento da carga; •O equipamento deve ser compatível com a máxima carga a ser movimentada, bem como com as suas dimensões e características. 96 Unidade 5: Estudo de Rigging Análise Mecânica do Equipamento
  • 15. Etapas do Estudo de Rigging Definido o tipo de guindaste a ser utilizado para o içamento e a movimentação de cargas, deve- se determinar a capacidade de carga limite aplicada ao equipamento, ou seja, a maior capacidade de carga a que o guindaste estará submetido quando posicionado em situação mais desfavorável prevista pelo plano de içamento e movimentação de carga dentro dos padrões de segurança. 97 Unidade 5: Estudo de Rigging Definição do Equipamento a ser Utilizado
  • 16. Conclusão Existe um conjunto de atividades que devem ser desenvolvidas antes de iniciar as operações de içamento e movimentação de cargas com a utilização de um guindaste. O operador de guindastes deve estar apto a realizar essas atividades e estudos, de forma a garantir um serviço de qualidade e realizado com segurança. 99 Unidade 5: Estudo de Rigging