SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Objetivos
- Apresentar aspectos gerais do funcionamento dos guindastes;
- Mostrar conceitos sobre carga, capacidade;
- Conceituar peso equivalente e centro de gravidade;
- Apresentar conceitos sobre movimentação de carga
125
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Introdução
• Para realizar as operações de içamento e movimentação de carga
de forma eficiente, é necessário que o operador conheça alguns
conceitos básicos relacionados a essa operação.
• Esses conceitos permitirão aos operadores realizarem suas
atividades de forma mais eficiente e com maior segurança.
Permitindo um melhor aproveitamento do equipamento.
126
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Funcionamento dos guindastes
O funcionamento de um
guindaste depende de uma
relação matemática entre a
força utilizada no cabo de aço
e o ângulo em que se encontra
o material a ser erguido.
A segurança de toda a operação,
bem como a capacidade da
máquina, depende sempre
dessa relação matemática.
127
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Funcionamento dos guindastes
Em quase todos os modelos de
guindaste, a maior parte da
ação de levantamento de
carga é executada por um ou
mais cabos de aço que se
enrolam em um tambor
situado dentro da
superestrutura.
128
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Funcionamento dos guindastes
Quando o solo é plano e firme, os
guindastes de lança
movimentam-se usualmente
sobre pneumáticos.
Em solos instáveis ou irregulares,
porém, costumam apoiar-se
sobre esteiras, como as dos
tanques militares.
129
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Funcionamento dos guindastes
O problema do equilíbrio é mais crítico nos
modelos de torre.
Nesse tipo de guindaste a torre serve de
suporte para um braço horizontal que se
prolonga em direções opostas e em
comprimentos distintos.
A extremidade mais curta do braço possui um
contrapeso; na outra, o mecanismo de
suspensão movimenta-se sobre um trole.
A capacidade de carga aumenta à medida que o
trole trabalha mais próximo da torre central.
130
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Carga e capacidade nos guindastes
Carga Líquida Estática
É o peso real da peça, parada, a ser
içada.
Carga Bruta Estática
É a somatória de todos os pesos
reais, parados, que são aplicados
no guindaste.
131
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Carga e capacidade nos guindastes
Carga Bruta Dinâmica
É a somatória da carga bruta estática
e as cargas eventuais originadas
pelo movimento da peça.
Ao levantar a peça, girar, frear, pode
originar um acréscimo na Carga
Bruta Estática, devido à inércia e
ao movimento. Este acréscimo
poderá chegar a 50% da Carga
Bruta Estática. Por isso, a
aceleração, frenagem e giro do
guindaste deve ser o mais lento
possível.
132
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Carga e capacidade nos guindastes
Capacidade Bruta
É a capacidade real máxima do
guindaste, conforme sua
configuração, determinada pelo
seu fabricante e constantes nas
tabelas de carga.
133
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Carga e capacidade nos guindastes
Capacidade Nominal
É a capacidade expressa
comercialmente pelo fabricante, a
qual depende de condições
especiais na operação, tais como:
a) Menor comprimento da lança
b) Menor raio de operação
c) Operação na traseira
d) Utilização de acessórios
especiais para grandes
capacidades
e) Maior número de passadas de
cabo
134
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Peso efetivo
O peso efetivo corresponde à força que um elemento exerce num sistema devido a
sua posição.
Dessa forma, cada acessório do guindaste exerce sobre esse um peso efetivo
diferente. Assim, esse peso exercido pelos acessórios pode ser menor, igual ou
maior que seu peso real.
135
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Peso efetivo
A – o peso efetivo do JIB na ponta da lança e da bola peso na ponta do JIB é maior
que seus pesos reais
B – o peso efetivo da extensão treliçada do JIB e da bola peso é maior que seus
pesos reais
C – o peso efetivo da extensão treliçada guardada na lança é menor que o peso real
D – o peso efetivo do moitão recolhido é menor que o peso real
136
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Momento de carga
• O momento de carga é o produto
da multiplicação do peso ou (força)
pela distância do ponto de apoio
até a aplicação do peso.
• - Unidades usuais: tm (tonelada
metro) ou - Kgcm (Kilograma
centimetro)
137
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Distância
Momento de carga
• LMI – LOAD MOMENT INDICATOR
(Indicador de Momento de Carga)
• O Indicador de Momento de Carga é o
instrumento incorporado ao guindaste que
permite configurar e operar o equipamento
com relação a algumas informações: Raio
de Operação - Comprimento da Lança -
Peso real (carga bruta ou líquida) - Número
de passadas de cabo - Contrapeso -
Velocidade do vento - Força da Sapata.
138
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Distância
Momento de carga
• O Operador tem que conhecer as
tabelas de carga para aplicar no LMI. O
LMI alerta o operador quando o
guindaste se aproxima de situações
inseguras com alarmes audiovisuais e
bloqueia a operação no caso de atingir
os limites. Em alguns LMI é possível
configurar os limites conforme a
exigência da operação.
139
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Distância
Momento de carga
• O centro de gravidade corresponde ao ponto
de equilíbrio, ou seja, é onde está
determinada a resultante total das massas
de um objeto.
• É importante observar que dependendo da
geometria da peça, o Centro e Gravidade
pode se localizar fora do objeto.
• Lembre-se: Para toda operação com um
guindaste o içamento deverá ser feito pelo
centro de gravidade da carga. Isso faz com
que as forças necessárias para o içamento
sejam igualmente distribuídas no guindaste.
140
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
Conclusões
Existem conceitos que são fundamentais para a correta operação dos
guindastes.
A correta diferenciação desses termos pode ser o fator capaz de gerar uma
operação de sucesso.
Dentre esses conceitos, podemos citar aqueles relacionados à carga,
como sendo um dos mais importantes, por refletir a principal
propriedade dos guindastes, que é a de elevar e movimentar produtos.
A relação de carga a ser movimentada deve ser previamente conhecida.
141
Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf

Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Sala da Elétrica
 
APOSTILA_DE_GUINDASTE.pdf
APOSTILA_DE_GUINDASTE.pdfAPOSTILA_DE_GUINDASTE.pdf
APOSTILA_DE_GUINDASTE.pdfRickLima19
 
Operação transpaleteira
Operação transpaleteiraOperação transpaleteira
Operação transpaleteiraerickthadeu
 
MOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdfMOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdfSérgio Alves
 
Treinamento de munck
Treinamento de munckTreinamento de munck
Treinamento de munckJupira Silva
 
treinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdf
treinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdftreinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdf
treinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdfEdmilson97
 
Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...
Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...
Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...Diego Siqueira de Lima
 
job%20de%20montagem-1111.docx
job%20de%20montagem-1111.docxjob%20de%20montagem-1111.docx
job%20de%20montagem-1111.docxAllenTaju1
 
Treinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptx
Treinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptxTreinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptx
Treinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptxFábio Ranuci
 
pdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptx
pdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptxpdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptx
pdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptxromuloac
 
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdfManual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdfRbenViana
 
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdfManual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdfRúben Viana
 
APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico Segurança nas Operações com Ponte Rolan...
APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico  Segurança nas Operações com Ponte Rolan...APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico  Segurança nas Operações com Ponte Rolan...
APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico Segurança nas Operações com Ponte Rolan...ssuser22319e
 
empilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdfempilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdfsergio1779
 
apresentaodocurso-ponterolantetalha.pptx
apresentaodocurso-ponterolantetalha.pptxapresentaodocurso-ponterolantetalha.pptx
apresentaodocurso-ponterolantetalha.pptxIADBrasil
 
apresentaodotreinamento-ponterolante.pptx
apresentaodotreinamento-ponterolante.pptxapresentaodotreinamento-ponterolante.pptx
apresentaodotreinamento-ponterolante.pptxIADBrasil
 

Semelhante a MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf (20)

Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
 
APOSTILA_DE_GUINDASTE.pdf
APOSTILA_DE_GUINDASTE.pdfAPOSTILA_DE_GUINDASTE.pdf
APOSTILA_DE_GUINDASTE.pdf
 
Operação transpaleteira
Operação transpaleteiraOperação transpaleteira
Operação transpaleteira
 
MOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdfMOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdf
 
pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2
 
Treinamento de munck
Treinamento de munckTreinamento de munck
Treinamento de munck
 
treinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdf
treinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdftreinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdf
treinamentodemunck-130801194254-phpapp02.pdf
 
WCRAC05.pptx
WCRAC05.pptxWCRAC05.pptx
WCRAC05.pptx
 
Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...
Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...
Dimensionamento de um limitador de torque de fricção em uma esteira transport...
 
Defesa final
Defesa finalDefesa final
Defesa final
 
NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente GruaNR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
 
job%20de%20montagem-1111.docx
job%20de%20montagem-1111.docxjob%20de%20montagem-1111.docx
job%20de%20montagem-1111.docx
 
Treinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptx
Treinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptxTreinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptx
Treinamento seguro para operação de Guindauto (3).pptx
 
pdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptx
pdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptxpdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptx
pdfslide.net_ponte-rolante-56ac4bdf471cb.pptx
 
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdfManual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
 
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdfManual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
Manual seg. cond. de emp. - FREMAP.pdf
 
APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico Segurança nas Operações com Ponte Rolan...
APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico  Segurança nas Operações com Ponte Rolan...APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico  Segurança nas Operações com Ponte Rolan...
APRESENTAÇÃO DO CURSO. NR 11. Básico Segurança nas Operações com Ponte Rolan...
 
empilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdfempilhadeiras.pdf
empilhadeiras.pdf
 
apresentaodocurso-ponterolantetalha.pptx
apresentaodocurso-ponterolantetalha.pptxapresentaodocurso-ponterolantetalha.pptx
apresentaodocurso-ponterolantetalha.pptx
 
apresentaodotreinamento-ponterolante.pptx
apresentaodotreinamento-ponterolante.pptxapresentaodotreinamento-ponterolante.pptx
apresentaodotreinamento-ponterolante.pptx
 

Mais de Sérgio Alves

Definições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdfDefinições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdfSérgio Alves
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfSérgio Alves
 
MOD 4 caracteristica do operador.pdf
MOD 4 caracteristica do operador.pdfMOD 4 caracteristica do operador.pdf
MOD 4 caracteristica do operador.pdfSérgio Alves
 
MOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdfMOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdfSérgio Alves
 
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfMOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfSérgio Alves
 
MOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdfMOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdfSérgio Alves
 

Mais de Sérgio Alves (6)

Definições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdfDefinições espaço confinado.pdf
Definições espaço confinado.pdf
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
 
MOD 4 caracteristica do operador.pdf
MOD 4 caracteristica do operador.pdfMOD 4 caracteristica do operador.pdf
MOD 4 caracteristica do operador.pdf
 
MOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdfMOD 3 componentes basicos.pdf
MOD 3 componentes basicos.pdf
 
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdfMOD 2 tipos de guindastes.pdf
MOD 2 tipos de guindastes.pdf
 
MOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdfMOD 1 historico e caracteristicas.pdf
MOD 1 historico e caracteristicas.pdf
 

Último

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf

  • 1. Objetivos - Apresentar aspectos gerais do funcionamento dos guindastes; - Mostrar conceitos sobre carga, capacidade; - Conceituar peso equivalente e centro de gravidade; - Apresentar conceitos sobre movimentação de carga 125 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 2. Introdução • Para realizar as operações de içamento e movimentação de carga de forma eficiente, é necessário que o operador conheça alguns conceitos básicos relacionados a essa operação. • Esses conceitos permitirão aos operadores realizarem suas atividades de forma mais eficiente e com maior segurança. Permitindo um melhor aproveitamento do equipamento. 126 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 3. Funcionamento dos guindastes O funcionamento de um guindaste depende de uma relação matemática entre a força utilizada no cabo de aço e o ângulo em que se encontra o material a ser erguido. A segurança de toda a operação, bem como a capacidade da máquina, depende sempre dessa relação matemática. 127 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 4. Funcionamento dos guindastes Em quase todos os modelos de guindaste, a maior parte da ação de levantamento de carga é executada por um ou mais cabos de aço que se enrolam em um tambor situado dentro da superestrutura. 128 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 5. Funcionamento dos guindastes Quando o solo é plano e firme, os guindastes de lança movimentam-se usualmente sobre pneumáticos. Em solos instáveis ou irregulares, porém, costumam apoiar-se sobre esteiras, como as dos tanques militares. 129 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 6. Funcionamento dos guindastes O problema do equilíbrio é mais crítico nos modelos de torre. Nesse tipo de guindaste a torre serve de suporte para um braço horizontal que se prolonga em direções opostas e em comprimentos distintos. A extremidade mais curta do braço possui um contrapeso; na outra, o mecanismo de suspensão movimenta-se sobre um trole. A capacidade de carga aumenta à medida que o trole trabalha mais próximo da torre central. 130 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 7. Carga e capacidade nos guindastes Carga Líquida Estática É o peso real da peça, parada, a ser içada. Carga Bruta Estática É a somatória de todos os pesos reais, parados, que são aplicados no guindaste. 131 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 8. Carga e capacidade nos guindastes Carga Bruta Dinâmica É a somatória da carga bruta estática e as cargas eventuais originadas pelo movimento da peça. Ao levantar a peça, girar, frear, pode originar um acréscimo na Carga Bruta Estática, devido à inércia e ao movimento. Este acréscimo poderá chegar a 50% da Carga Bruta Estática. Por isso, a aceleração, frenagem e giro do guindaste deve ser o mais lento possível. 132 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 9. Carga e capacidade nos guindastes Capacidade Bruta É a capacidade real máxima do guindaste, conforme sua configuração, determinada pelo seu fabricante e constantes nas tabelas de carga. 133 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 10. Carga e capacidade nos guindastes Capacidade Nominal É a capacidade expressa comercialmente pelo fabricante, a qual depende de condições especiais na operação, tais como: a) Menor comprimento da lança b) Menor raio de operação c) Operação na traseira d) Utilização de acessórios especiais para grandes capacidades e) Maior número de passadas de cabo 134 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 11. Peso efetivo O peso efetivo corresponde à força que um elemento exerce num sistema devido a sua posição. Dessa forma, cada acessório do guindaste exerce sobre esse um peso efetivo diferente. Assim, esse peso exercido pelos acessórios pode ser menor, igual ou maior que seu peso real. 135 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 12. Peso efetivo A – o peso efetivo do JIB na ponta da lança e da bola peso na ponta do JIB é maior que seus pesos reais B – o peso efetivo da extensão treliçada do JIB e da bola peso é maior que seus pesos reais C – o peso efetivo da extensão treliçada guardada na lança é menor que o peso real D – o peso efetivo do moitão recolhido é menor que o peso real 136 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 13. Momento de carga • O momento de carga é o produto da multiplicação do peso ou (força) pela distância do ponto de apoio até a aplicação do peso. • - Unidades usuais: tm (tonelada metro) ou - Kgcm (Kilograma centimetro) 137 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes Distância
  • 14. Momento de carga • LMI – LOAD MOMENT INDICATOR (Indicador de Momento de Carga) • O Indicador de Momento de Carga é o instrumento incorporado ao guindaste que permite configurar e operar o equipamento com relação a algumas informações: Raio de Operação - Comprimento da Lança - Peso real (carga bruta ou líquida) - Número de passadas de cabo - Contrapeso - Velocidade do vento - Força da Sapata. 138 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes Distância
  • 15. Momento de carga • O Operador tem que conhecer as tabelas de carga para aplicar no LMI. O LMI alerta o operador quando o guindaste se aproxima de situações inseguras com alarmes audiovisuais e bloqueia a operação no caso de atingir os limites. Em alguns LMI é possível configurar os limites conforme a exigência da operação. 139 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes Distância
  • 16. Momento de carga • O centro de gravidade corresponde ao ponto de equilíbrio, ou seja, é onde está determinada a resultante total das massas de um objeto. • É importante observar que dependendo da geometria da peça, o Centro e Gravidade pode se localizar fora do objeto. • Lembre-se: Para toda operação com um guindaste o içamento deverá ser feito pelo centro de gravidade da carga. Isso faz com que as forças necessárias para o içamento sejam igualmente distribuídas no guindaste. 140 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes
  • 17. Conclusões Existem conceitos que são fundamentais para a correta operação dos guindastes. A correta diferenciação desses termos pode ser o fator capaz de gerar uma operação de sucesso. Dentre esses conceitos, podemos citar aqueles relacionados à carga, como sendo um dos mais importantes, por refletir a principal propriedade dos guindastes, que é a de elevar e movimentar produtos. A relação de carga a ser movimentada deve ser previamente conhecida. 141 Unidade 7: Conceitos operacionais dos guindastes