SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Objetivos
-Apresentar os conceitos relacionados ao plano de içamento e
movimentação de cargas.
-Mostrar as etapas que compõem o plano de içamento e movimentação
de cargas.
•Tabela de Cargas
•Peso da Carga e Peso de Movimentação
•Amarração da Carga
•Movimentação da Carga
•Área de Trabalho para Movimentação de Cargas
100
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Introdução
O operador de guindaste se torna o responsável pela carga até que faça
sua deposição no destino final. Porém, não basta apenas deixar a carga
em seu destino final.
É também responsabilidade do operador zelar pela integridade da carga
como também cumprir o cronograma estipulado para as operações de
içamento e movimentação.
Desenvolver estudos envolvendo as atividades necessárias para a
operação de içamento e movimentação de carga é fundamental para
auxiliar o operador na execução de suas atribuições.
101
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Plano de Içamento e Movimentação de Cargas
O Plano de Içamento e Movimentação de Cargas,
também conhecido como Plano de Rigging, é o
documento no qual pode-se visualizar e detalhar todas
as operações que serão realizadas com o
equipamento (guindaste) e as cargas a serem
movimentadas, antes mesmo da execução de tais
operações.
O Plano de Rigging nada mais é do que um
planejamento prévio, onde se determina a forma mais
eficiente, eficaz e segura de executar os serviços.
102
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Plano de Içamento e Movimentação de Cargas
Dentro do plano constam algumas atividades, dentre
as quais podemos destacar:
•Tabela de Cargas
•Peso da Carga e Peso de Movimentação
•Amarração da Carga
•Lingas
•Acessórios de Lingar
•Movimentação da Carga
•Área de Trabalho para Movimentação de Cargas
103
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas
A tabela de cargas é um documento emitido
pelo fabricante do equipamento no qual
constam as máximas capacidades de carga
garantidas pelo mesmo para o equipamento
original.
Ela serve para orientar o operador na
movimentação de cargas com segurança e
deve ser exposta em local visível para
consulta a cada operação, tanto no
equipamento, para consulta do operador,
como no canteiro, para consulta do rigger e
do encarregado da operação.
104
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas
105
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas
Cada guindaste possui sua própria tabela
de cargas.
Cabe ao operador conhecer a tabela do
guindaste que irá operar.
Sob hipótese alguma é permitido consultar
tabela de cargas de qualquer outro guindaste
que não seja o que está usando, mesmo que
esta seja muito parecida, com risco de causar
um acidente grave e danificar o equipamento,
tanto quanto a carga içada.
106
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas
Acompanha ainda a tabela de cargas um
gráfico de carga que fornece a relação entre a
altura sobre o solo x raios de trabalho, que
finaliza a composição da mesma.
107
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: raio de operação
Raio de operação corresponde à distância compreendida entre o centro de giro do
guindaste e o centro da carga.
108
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: raio de operação
A tabela de cargas prevê o raio mínimo de
operação que pode haver entre equipamento
e carga.
Caso haja um valor intermediário de raio de
operação entre os valores fornecidos pela
tabela de cargas, deve-se adotar o raio de
operação de maior valor. Isso deve ser feito,
pois reduzirá a capacidade de carga fazendo
que se trabalhe sempre a favor da segurança.
109
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: extensão da lança
Toda tabela de cargas indica
a relação entre o raio de
operação e o comprimento de
extensão de lança.
110
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: extensão da lança
É importante observar que conforme aumenta o raio de operação aumenta
também a abertura de lança.
Existem algumas tabelas de carga que fornecem a angulação da lança,
relacionando-a com a abertura de lança e com o raio de operação.
111
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: JIB
Além da lança telescópica, os guindastes
podem possuir ainda uma extensão treliçada
para a mesma, comumente chamada de JIB.
Utilizada com freqüência para ganho de altura
ou de raio.
A tabela de cargas prevê a inclinação máxima a
qual este tipo de acessório pode ser utilizado.
112
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: JIB
113
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: estabilizador
São equipamentos que dão maior estabilidade
aos guindastes.
Normalmente um mesmo equipamento exibe
tabela de cargas configurada para
estabilizadores totalmente estendidos, ou
estabilizadores totalmente recolhidos.
114
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Tabela de Cargas: Contrapeso
O contrapeso visa garantir estabilidade durante
o giro do conjunto formado pela cabine de
operação e lança telescópica.
Certos equipamentos possuem várias
configurações para as tabelas de cargas de
acordo com o contrapeso utilizado durante a
operação de movimentação e içamento de
cargas. Neste caso, o contrapeso do
equipamento é fixo e seu valor é mostrado em
todas as tabelas de cargas.
115
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Peso da Carga e Peso de Movimentação
Peso da carga é aquele obtido
através da pesagem da carga ou
do desenho de fabricação da
mesma.
116
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Peso da Carga e Peso de Movimentação
Peso da movimentação é o peso total ou
parcial máximo da carga acrescido do peso
de todos os acessórios de içamento, tais
como cabos, moitão e acessórios de
movimentação (manilhas, ganchos, etc.)
suspensos na ponta da lança do guindaste
durante a operação de movimentação de
cargas.
Ao consultar-se a tabela de cargas é
necessário adicionar o peso dos cabos e
moitão ao peso da carga, chegando assim,
ao peso total de movimentação.
117
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Amarração da Carga
Existe uma grande variedade de equipamento e
acessórios utilizados para realizar a amarração da
carga no guindaste, sendo essa uma atividade que
requer muito cuidado por parte do operador.
118
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Amarração da Carga
A escolha correta das eslingas a serem utilizadas é
dada em função da carga a ser içada.
É importante evitar que materiais com “cantos
vivos” sejam içados diretamente por cabos
estropos ou cintas de nylon, pois o atrito entre as
eslingas e o equipamento pode vir a causar danos
tanto nos equipamentos como na carga a ser
movimentada
119
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Movimentação da Carga
A movimentação de carga é normalmente
uma operação que envolve mais de uma
pessoa.
Antes de iniciada qualquer movimentação de
carga os responsáveis devem verificar se uma
cópia da tabela de cargas está localizada em
parte visível da cabine do guindaste, para que
o operador possa verificá-la sempre que
necessário.
120
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Área de Trabalho para Movimentação de
Cargas
Para a segurança na área de trabalho é
necessário observar:
a) O rigger deve determinar as áreas de risco
antes de iniciar a operação de içamento e
movimentação de carga.
b) O gancho de elevação quase nunca está
sobre o centro de gravidade e quando se
eleva a carga ela poderá pender para
algum lado. Como o lado para qual ela
penderá nem sempre pode ser previsto, a
área considerada perigosa deverá ser
evitada;
121
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Área de Trabalho para Movimentação de
Cargas
Para a segurança na área de trabalho é
necessário observar:
c) O rigger só poderá sinalizar para a carga
ser depositada após ter verificado se todos
os envolvidos (ou não) estejam fora da
área de risco;
d) O acerto de posicionamento da carga ou
estabilidade deve ser feito por meio de
acessórios, como ganchos de engates ou
cabos, nunca com as mãos;
e) Durante a execução dos serviços, a carga
não deve passar por cima de pessoas;
122
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Área de Trabalho para Movimentação de
Cargas
Para a segurança na área de trabalho é
necessário observar:
f) O operador do equipamento de
movimentação de carga não deve se
afastar da cabine de comando durante a
operação de movimentação;
h) Os trabalhos de movimentação de carga
não devem ser executados em dias de
chuva intensa, ventos fortes ou condições
adversas de iluminação.
123
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga
Conclusão
Existe uma série de atividades que o operador de guindaste deve se
preocupar para realizar as operações de içamento e levantamento de
cargas.
O cuidado com essas atividades é o diferencial entre uma operação eficiente
e segura com uma operação onerosa, insegura e ineficiente.
Cabe ao operador buscar esse conhecimento e aplicá-lo em sua atividade
124
Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de
carga

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11GAC CURSOS ONLINE
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021Burh Empresas
 
Manual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimesManual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimesCertiflor Formacao
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraAne Costa
 
Nr 18 - andaimes e plataformas de trabalho
Nr 18 - andaimes e plataformas de trabalhoNr 18 - andaimes e plataformas de trabalho
Nr 18 - andaimes e plataformas de trabalhoDavid Alves Rbeiro
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfAndrerlSiqueira
 
Check list-de-cabos-e-cintas
Check list-de-cabos-e-cintasCheck list-de-cabos-e-cintas
Check list-de-cabos-e-cintasAndre Cruz
 
Ponte rolante-power-point
Ponte rolante-power-pointPonte rolante-power-point
Ponte rolante-power-pointAlex Gonzalez
 
Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]Paulo H Bueno
 
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintasSlide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintasMárcio Roberto de Mattos
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMateus Borges
 
1- Treinamento EPI - NR06.pptx
1- Treinamento EPI - NR06.pptx1- Treinamento EPI - NR06.pptx
1- Treinamento EPI - NR06.pptxRsalgadinho
 
Segurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantesSegurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantesEdinhoguerra
 
Treinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptxTreinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptxsmscentauro
 
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1maraizeseguranca
 
Treinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circularTreinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circularLéo César Oliveira
 
Procedimento de segurança na operação de serra circular
Procedimento de segurança na operação de serra circularProcedimento de segurança na operação de serra circular
Procedimento de segurança na operação de serra circularAdams David
 
treinamento lixadeira
treinamento lixadeira treinamento lixadeira
treinamento lixadeira Ane Costa
 

Mais procurados (20)

Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
 
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
 
Manual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimesManual de montagem de andaimes
Manual de montagem de andaimes
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento Esmerilhadeira
 
Nr 18 - andaimes e plataformas de trabalho
Nr 18 - andaimes e plataformas de trabalhoNr 18 - andaimes e plataformas de trabalho
Nr 18 - andaimes e plataformas de trabalho
 
Apresentação do esmeril
Apresentação  do esmerilApresentação  do esmeril
Apresentação do esmeril
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
 
Check list-de-cabos-e-cintas
Check list-de-cabos-e-cintasCheck list-de-cabos-e-cintas
Check list-de-cabos-e-cintas
 
Ponte rolante-power-point
Ponte rolante-power-pointPonte rolante-power-point
Ponte rolante-power-point
 
Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]
 
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintasSlide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
1- Treinamento EPI - NR06.pptx
1- Treinamento EPI - NR06.pptx1- Treinamento EPI - NR06.pptx
1- Treinamento EPI - NR06.pptx
 
Segurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantesSegurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantes
 
Treinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptxTreinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptx
 
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
Trabalhos em altura e montagem de andaimes1
 
Treinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circularTreinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circular
 
Procedimento de segurança na operação de serra circular
Procedimento de segurança na operação de serra circularProcedimento de segurança na operação de serra circular
Procedimento de segurança na operação de serra circular
 
treinamento lixadeira
treinamento lixadeira treinamento lixadeira
treinamento lixadeira
 

Semelhante a Plano içamento movimentação cargas guindaste

Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções geraisUniversidade Federal Fluminense
 
MOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdfMOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdfSérgio Alves
 
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdfMOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdfSérgio Alves
 
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptxeBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptxClinaldo Guedes
 
Movimentacao de cargas
Movimentacao de cargasMovimentacao de cargas
Movimentacao de cargasJosé Castro
 
Cap 3 peso e balanceamento
Cap 3 peso e balanceamentoCap 3 peso e balanceamento
Cap 3 peso e balanceamentoPriscilla Sky
 
Operação transpaleteira
Operação transpaleteiraOperação transpaleteira
Operação transpaleteiraerickthadeu
 
TREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdf
TREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdfTREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdf
TREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdfssuser22319e
 
APOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt org
APOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt orgAPOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt org
APOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt orgAlexnaldoPimentel1
 
Procedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargasProcedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargasEdson Vando Souza
 
Artigo içamento
Artigo içamentoArtigo içamento
Artigo içamentoJulio110862
 
Manual de prevenção de acidentes com empilhadeiras
Manual de prevenção de acidentes com empilhadeirasManual de prevenção de acidentes com empilhadeiras
Manual de prevenção de acidentes com empilhadeirasMário Roberto Ferreira
 
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentosOperadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentosWelinton Tulio
 
03 peso e balanceamento
03   peso e balanceamento03   peso e balanceamento
03 peso e balanceamentoRicardo Pampu
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfSérgio Alves
 
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdfMOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdfSérgio Alves
 
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasSht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasAna Cristina Vieira
 
operacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.ppt
operacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.pptoperacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.ppt
operacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.pptMarcos Boaventura
 
Operacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.ppt
Operacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.pptOperacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.ppt
Operacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.pptMarcos Boaventura
 

Semelhante a Plano içamento movimentação cargas guindaste (20)

Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
 
MOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdfMOD 5 estudo de rigging.pdf
MOD 5 estudo de rigging.pdf
 
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdfMOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
MOD 7 conceitos operacionais do guindaste.pdf
 
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptxeBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
eBbook - Manual de Utilização Cintas de Elevação Robustec_v2.pptx
 
Movimentacao de cargas
Movimentacao de cargasMovimentacao de cargas
Movimentacao de cargas
 
Cap 3 peso e balanceamento
Cap 3 peso e balanceamentoCap 3 peso e balanceamento
Cap 3 peso e balanceamento
 
Operação transpaleteira
Operação transpaleteiraOperação transpaleteira
Operação transpaleteira
 
TREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdf
TREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdfTREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdf
TREINAMENTO-DE-EMPILHADEIRA-TWE.pdf
 
APOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt org
APOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt orgAPOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt org
APOSTILA-DIGITAL-NR 11.pdf slides ppt org
 
Procedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargasProcedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargas
 
Artigo içamento
Artigo içamentoArtigo içamento
Artigo içamento
 
Operador de Empilhadeira
Operador de EmpilhadeiraOperador de Empilhadeira
Operador de Empilhadeira
 
Manual de prevenção de acidentes com empilhadeiras
Manual de prevenção de acidentes com empilhadeirasManual de prevenção de acidentes com empilhadeiras
Manual de prevenção de acidentes com empilhadeiras
 
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentosOperadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
 
03 peso e balanceamento
03   peso e balanceamento03   peso e balanceamento
03 peso e balanceamento
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
 
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdfMOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
MOD 8 aspectos operacionais dos guindastes.pdf
 
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasSht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
 
operacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.ppt
operacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.pptoperacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.ppt
operacao-portuaria-tipos-de-cargas-e-unitizadas-230215025319-f4b18f80.ppt
 
Operacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.ppt
Operacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.pptOperacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.ppt
Operacao-Portuaria-Tipos-de-Cargas-e-Unitizadas.ppt
 

Último

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 

Último (20)

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 

Plano içamento movimentação cargas guindaste

  • 1. Objetivos -Apresentar os conceitos relacionados ao plano de içamento e movimentação de cargas. -Mostrar as etapas que compõem o plano de içamento e movimentação de cargas. •Tabela de Cargas •Peso da Carga e Peso de Movimentação •Amarração da Carga •Movimentação da Carga •Área de Trabalho para Movimentação de Cargas 100 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 2. Introdução O operador de guindaste se torna o responsável pela carga até que faça sua deposição no destino final. Porém, não basta apenas deixar a carga em seu destino final. É também responsabilidade do operador zelar pela integridade da carga como também cumprir o cronograma estipulado para as operações de içamento e movimentação. Desenvolver estudos envolvendo as atividades necessárias para a operação de içamento e movimentação de carga é fundamental para auxiliar o operador na execução de suas atribuições. 101 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 3. Plano de Içamento e Movimentação de Cargas O Plano de Içamento e Movimentação de Cargas, também conhecido como Plano de Rigging, é o documento no qual pode-se visualizar e detalhar todas as operações que serão realizadas com o equipamento (guindaste) e as cargas a serem movimentadas, antes mesmo da execução de tais operações. O Plano de Rigging nada mais é do que um planejamento prévio, onde se determina a forma mais eficiente, eficaz e segura de executar os serviços. 102 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 4. Plano de Içamento e Movimentação de Cargas Dentro do plano constam algumas atividades, dentre as quais podemos destacar: •Tabela de Cargas •Peso da Carga e Peso de Movimentação •Amarração da Carga •Lingas •Acessórios de Lingar •Movimentação da Carga •Área de Trabalho para Movimentação de Cargas 103 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 5. Tabela de Cargas A tabela de cargas é um documento emitido pelo fabricante do equipamento no qual constam as máximas capacidades de carga garantidas pelo mesmo para o equipamento original. Ela serve para orientar o operador na movimentação de cargas com segurança e deve ser exposta em local visível para consulta a cada operação, tanto no equipamento, para consulta do operador, como no canteiro, para consulta do rigger e do encarregado da operação. 104 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 6. Tabela de Cargas 105 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 7. Tabela de Cargas Cada guindaste possui sua própria tabela de cargas. Cabe ao operador conhecer a tabela do guindaste que irá operar. Sob hipótese alguma é permitido consultar tabela de cargas de qualquer outro guindaste que não seja o que está usando, mesmo que esta seja muito parecida, com risco de causar um acidente grave e danificar o equipamento, tanto quanto a carga içada. 106 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 8. Tabela de Cargas Acompanha ainda a tabela de cargas um gráfico de carga que fornece a relação entre a altura sobre o solo x raios de trabalho, que finaliza a composição da mesma. 107 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 9. Tabela de Cargas: raio de operação Raio de operação corresponde à distância compreendida entre o centro de giro do guindaste e o centro da carga. 108 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 10. Tabela de Cargas: raio de operação A tabela de cargas prevê o raio mínimo de operação que pode haver entre equipamento e carga. Caso haja um valor intermediário de raio de operação entre os valores fornecidos pela tabela de cargas, deve-se adotar o raio de operação de maior valor. Isso deve ser feito, pois reduzirá a capacidade de carga fazendo que se trabalhe sempre a favor da segurança. 109 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 11. Tabela de Cargas: extensão da lança Toda tabela de cargas indica a relação entre o raio de operação e o comprimento de extensão de lança. 110 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 12. Tabela de Cargas: extensão da lança É importante observar que conforme aumenta o raio de operação aumenta também a abertura de lança. Existem algumas tabelas de carga que fornecem a angulação da lança, relacionando-a com a abertura de lança e com o raio de operação. 111 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 13. Tabela de Cargas: JIB Além da lança telescópica, os guindastes podem possuir ainda uma extensão treliçada para a mesma, comumente chamada de JIB. Utilizada com freqüência para ganho de altura ou de raio. A tabela de cargas prevê a inclinação máxima a qual este tipo de acessório pode ser utilizado. 112 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 14. Tabela de Cargas: JIB 113 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 15. Tabela de Cargas: estabilizador São equipamentos que dão maior estabilidade aos guindastes. Normalmente um mesmo equipamento exibe tabela de cargas configurada para estabilizadores totalmente estendidos, ou estabilizadores totalmente recolhidos. 114 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 16. Tabela de Cargas: Contrapeso O contrapeso visa garantir estabilidade durante o giro do conjunto formado pela cabine de operação e lança telescópica. Certos equipamentos possuem várias configurações para as tabelas de cargas de acordo com o contrapeso utilizado durante a operação de movimentação e içamento de cargas. Neste caso, o contrapeso do equipamento é fixo e seu valor é mostrado em todas as tabelas de cargas. 115 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 17. Peso da Carga e Peso de Movimentação Peso da carga é aquele obtido através da pesagem da carga ou do desenho de fabricação da mesma. 116 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 18. Peso da Carga e Peso de Movimentação Peso da movimentação é o peso total ou parcial máximo da carga acrescido do peso de todos os acessórios de içamento, tais como cabos, moitão e acessórios de movimentação (manilhas, ganchos, etc.) suspensos na ponta da lança do guindaste durante a operação de movimentação de cargas. Ao consultar-se a tabela de cargas é necessário adicionar o peso dos cabos e moitão ao peso da carga, chegando assim, ao peso total de movimentação. 117 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 19. Amarração da Carga Existe uma grande variedade de equipamento e acessórios utilizados para realizar a amarração da carga no guindaste, sendo essa uma atividade que requer muito cuidado por parte do operador. 118 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 20. Amarração da Carga A escolha correta das eslingas a serem utilizadas é dada em função da carga a ser içada. É importante evitar que materiais com “cantos vivos” sejam içados diretamente por cabos estropos ou cintas de nylon, pois o atrito entre as eslingas e o equipamento pode vir a causar danos tanto nos equipamentos como na carga a ser movimentada 119 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 21. Movimentação da Carga A movimentação de carga é normalmente uma operação que envolve mais de uma pessoa. Antes de iniciada qualquer movimentação de carga os responsáveis devem verificar se uma cópia da tabela de cargas está localizada em parte visível da cabine do guindaste, para que o operador possa verificá-la sempre que necessário. 120 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 22. Área de Trabalho para Movimentação de Cargas Para a segurança na área de trabalho é necessário observar: a) O rigger deve determinar as áreas de risco antes de iniciar a operação de içamento e movimentação de carga. b) O gancho de elevação quase nunca está sobre o centro de gravidade e quando se eleva a carga ela poderá pender para algum lado. Como o lado para qual ela penderá nem sempre pode ser previsto, a área considerada perigosa deverá ser evitada; 121 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 23. Área de Trabalho para Movimentação de Cargas Para a segurança na área de trabalho é necessário observar: c) O rigger só poderá sinalizar para a carga ser depositada após ter verificado se todos os envolvidos (ou não) estejam fora da área de risco; d) O acerto de posicionamento da carga ou estabilidade deve ser feito por meio de acessórios, como ganchos de engates ou cabos, nunca com as mãos; e) Durante a execução dos serviços, a carga não deve passar por cima de pessoas; 122 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 24. Área de Trabalho para Movimentação de Cargas Para a segurança na área de trabalho é necessário observar: f) O operador do equipamento de movimentação de carga não deve se afastar da cabine de comando durante a operação de movimentação; h) Os trabalhos de movimentação de carga não devem ser executados em dias de chuva intensa, ventos fortes ou condições adversas de iluminação. 123 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga
  • 25. Conclusão Existe uma série de atividades que o operador de guindaste deve se preocupar para realizar as operações de içamento e levantamento de cargas. O cuidado com essas atividades é o diferencial entre uma operação eficiente e segura com uma operação onerosa, insegura e ineficiente. Cabe ao operador buscar esse conhecimento e aplicá-lo em sua atividade 124 Unidade 6: Plano de içamento e movimentação de carga