lefttop<br />PROFESSOR HELANDERSON SOUSA<br />Lista 2 – Assunto: variados<br />Problema 1 <br />Um canhão de 100 Kg dispar...
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Professor helanderson sousa

1.358 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.358
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Professor helanderson sousa

  1. 1. lefttop<br />PROFESSOR HELANDERSON SOUSA<br />Lista 2 – Assunto: variados<br />Problema 1 <br />Um canhão de 100 Kg dispara um projétil de 2 kg com uma velocidade de 80 m/s formando um ângulo de 60° com a horizontal, apoiada sobre trilhos perfeitamente lisos. Determine a rapidez com que retrocede o canhão.<br />Solução:<br />Considere:<br />V0 = Velocidade inicial do conjunto canhão-bola<br />v = Velocidade do canhão após o disparo<br />V= velocidade do projétil após o disparo<br />M = Massa do canhão<br /> m = Massa do projétil<br />Considerando o sistema canhão-projétil livre de forças externas podemos afirmar que:<br />∑ QINICIAL = ∑ QFINAL<br />(M + n)V0 = Mv + mV<br />V0 = 0 logo Mv = -mV<br />Substituindo os valores dados temos:<br />100v = -2(-80.Cos60°) ↔ v = 80100 = 0,8 m/s<br />Problema 2<br />No sistema mostrado abaixo não existe atrito e é abandonado quando a mola ideal está estirada 10 cm, Calcule a máxima velocidade que adquire cada um dos blocos.<br />Solução:<br />Pela conservação da quantidade de movimento do sistema admitido livre da ação de forças externas teremos<br />mv = 2mv’ ↔ v = 2v’ (eq1)<br />Da conservação da quantidade de movimento, podemos afirmar que<br />kx22 = mv22 + 2m(v')22 ↔ kx22 = mv22 + 2m(v')2 (eq 2)<br />Substituindo (eq 1) em (eq 2) teremos<br />kx22 = 4m(v')22 + 2m(v')2<br />kx22 = 2m(v')2 + m(v')2<br />kx22= 3m(v')2<br />(v')2 = kx26m<br />Substituindo os valores teremos<br />v’ = 2m/s logo v = 4m/s<br />Problema 3<br />Em um plano horizontal liso se encontra dois blocos de massa m1 e m2, unidos por uma mola ideal de rigidez K e comprimento natural l0. A bloco 2 se deslocou uma pequena distância x para esquerda e logo foi solto. Determine a velocidade do centro de massa do sistema no instante em que o bloco 1 se separa da parede.<br />Solução<br />Depois de se soltar o bloco 2 adquire velocidade V2, tendo assim energia cinética.<br />Pela conservação da energia teremos:<br />12m2v22 = 12kx2 -> v2 = x km2<br />Assim a velocidade do centro de massa será:<br />Vcm = 0+m2(x km2)m1+m 2 = x(km2(m1+m2)<br />Problema 4<br />Uma pequena conta de Massa m, escorrega sem atrito ao longo de um arame rígido, com a forma de um arco semicircular com o raio R, que gira em torno de um eixo vertical formando um ângulo θ como mostra a figura abaixo, Determine o período de rotação do arame para essa situação<br />lefttopSolução: Na figura abaixo, analisamos as força que agem conta.<br />Assim podemos escrever:<br />Ncos θ = F onde F é a força centrípeta, logo<br />Nsen θ = mω2r (eq 1) e<br />Ncos θ = mg (eq 2) <br />Fazendo (eq 2)/(eq 1) temos:<br />tg θ = ω2r/g nessa equação ω = 2π/T onde T é o período procurado.<br />Assim tg θ = 4π2rgT2 Nessa equação r é o raio da trajetória da conta e não especificamente o raio do círculo, é fácil ver que r = Rsen θ, substituindo esse valor na equação acima temos<br /> tg θ = 4π2Rsen θgT2 -> cos θ = T2g4π2R -> T2 = 4π2Rcosθg<br />E o período de rotação é finalmente dado por T =2πRcosθg<br />Problema 5<br />Um corpo, suspenso por um fio de comprimento L, se move uniformemente por uma circunferência em um plano horizontal. Determine o período de rotação desse corpo se durante seu movimento o fio forma com a vertical um ângulo a<br />Da figura temos<br />Tsen a = mω2r (eq 1) e Tcos a = mg (eq 2) -> Tg a = ω2r/g (eq 3)<br />Sabendo que ω = 2πT onde T é a frequência procurada.substituindo na (eq 3) temos<br />Tg a = 4π2r/gT2 -> T = 4π2rgTg a , da figura vemos que r = Lsen a, substituindo esse valor na expressão encontrada para o período chegamos a T = 2πLcos ag<br />Problema 6<br />Na figura espacial abaixo, todos resistores possuem a mesma resistência 𝑅. Sabendo que a resistência equivalente entre os pontos 𝐴 e 𝐵 é 5𝑅, determine o valor de N<br /> <br />Solução: Na figura podemos notar que alguns resistores estão entre pontos de mesmo potencial, ou seja ddp = 0, e nesse caso podemos desconsiderar tais resistores<br />Retirando os resistores que tem ddp = 0 podemos redesenhar a figura da seguinte forma:<br />Da figura vemos n + 2 resistores em cada “ramo” como os quatro “ramos” estão em paralelo e a resistência equivalente entre os pontos A e B é dada, podemos escrever:<br />5R = (n + 2)R/4 logo n = 18<br />Problema 8<br />Na figura abaixo, estão associados N geradores em série, em que suas forças eletromotrizes crescem em progressão geométrica. Sabendo que todos os resistores da figura apresentam a mesma resistência, determine o número de geradores associados para que o potencial no ponto G seja de 1640 Volts. Considere os geradores como ideais.<br />Solução: <br />Seja K = 1 V + 3 V + 9 V + 27 V + . . . + EN.<br />Os resistores que estão na linha de simetria (acinzentado) são anulados, pois todos os pontos do circuito pertencentes a esta linha possuem o mesmo potencial. <br />Por um lado, temos: <br />K – 0 = UA + UC + UB + UB + UC + UA ∴ UA + UB + UC = K/2 <br />Por outro: <br />K – VG = UA + UC + UB, sendo UA + UB + UC = K/2, tem-se VG = K/2. <br />Portanto, concluímos que o potencial no ponto G é a metade da soma 1 V + 3 V + 9 V + 27 V + . . . + EN. Logo, se VG = 1640 V, K = 3280 V. <br />Temos que determinar quantos termos da P.G. (1, 3, 9, 27 ...) devem ser somados para que a soma dê 3280. Pela soma dos N termos iniciais de uma P.G., temos:<br /> 3280 = 1.(3n-1)3-1 ∴ 𝐍=𝟖<br />Problema 9<br />A figura mostra dois capacitores em série, com uma seção central rígida, de comprimento b, que pode se mover verticalmente. Determine a capacitância máxima e mínima que podemos obter com esse capacitor.<br />Solução: <br />considere as distâncias arbitrarias c e d entre as placas e as haste rígida, como mostra a figura abaixo.<br />Vemos que a = c + b + d<br />Nesse caso temos dois capacitores em série, logo a capacitância equivalente é dada por:<br />1/Ceq =1/C1 +1/C2 (eq 1)<br />C1 = eA/c e C2 = eA/b<br /> <br />Substituindo esses valores em (eq 1) temos<br />Ceq = Ae/(a –b)<br />Desta forma vemos que a capacitância desse sistema é constante, independente da distância das placas à haste rígida, não havendo assim um valor máximo ou mínimo.<br />Problema 10<br />Um capacitor a vácuo é inicialmente conectado a uma bateria de tensão V0 até ser carregado. Em seguida, a bateria é desconectada e um loquinho de porcelana, de constante dielétrica k e espessura b. é introduzido entre as placas do capacitor, paralelamente às mesmas. Se a distância entre as placas do capacitor vale d>b, a tensão elétrica final entre as placas do capacitor vale:<br />V0[1 +bd(k – 1/k)]<br />V0[1 +bd(1 – 1/k)]<br />V0[1 +bd(1/k - 1)]<br />V0[1 +bd(k – 1/k)]<br />V0[1 +bd(k + 1/k)]<br />Solução: O esquema pode ser considerado como três capacitores em série, de tal forma que a voltagem resultante é a soma das voltagens nas duas partes com vácuo e na parte com o dielétrico.<br />Na figura, c e a são as distâncias entre a placas e o dielétrico.<br />Considere<br />Vd =Nova tensão, após introduzido o dielétrico<br />Vb = tensão no dielétrico de espessura b<br />Va = tensão no espaço entre a placa inferior e o dielétrico, separadas por uma distância a<br />Vb = tensão no espaço entre a placa superior e o dielétrico, separadas por uma distância b<br />Podemos escrever:<br /> <br />Vd = Va + Vc + Vb ↔Vb = Ea + (E/k)b + Ec (eq 1)<br />Onde E é o campo elétrico inicial entre as placas, repare que no trecho com dielétrico, o campo elétrico é reduzido em k vezes(k dado na questão)<br />Da figura vemos que<br />a + c + b = d<br />Assim (eq1) pode ser escrita<br />Vd = E(d – b) + (E/k)b = Ed( d – b + b/k)<br />Sabemos que Ed = V0<br />Com um pouco de álgebra temos:<br />Vd = V0[1 +bd(1/k - 1)]<br /> Problema 11<br />A figura mostra um capacitor variável, que usa o ar como dielétrico, do tipo empregado na sintonia dos aparelhos de rádio. As armaduras são ligadas alternadamente, um grupo delas estando fixo e o outro podendo girar em torno de um eixo. Considere um conjunto de n armaduras de polaridade alternada, cada uma de <br />área A de tal forma que a distância entre as placas de um capacitor é sempre o dobro da distância que separa as placas de seu antecessor, sabemos que a distância entre as duas primeiras placas é d. Determine a capacitância máxima que podemos obter desse capacitor. <br />Solução: Com n placas temos uma associação de n – 1 capacitores em paralelo, assim a capacitância equivalente e dada pela soma das capacitâncias de cada capacitor. Do enunciado, se a distância entre as placas do primeiro capacitor é d temos que entre as placas do segundo é 2d entre as placas do terceiro 22d......entre as placas do <br />(n -1)esimo 2n-2d.<br />A questão pede a capacitância máxima e sabemos que cada capacitor tem sua capacitância diretamente proporcional a área, logo a capacitância de cada um e consequentemente a capacitância equilavente será máxima quando toda área A estiver a “disposição” do capacitor. Assim podemos escrever:<br />Ceq = Ae/d + Ae/2d + Ae/22d +...+ Ae/2n-2d<br />Ceq = Aed( 1/ + 1/2 + 1 /22+...+1/2n-2)<br />Resolvendo a P.G.,...<br />Ceq =Aed (2 -23-n)<br />Problema 12 <br />A figura abaixo representa um circuito ilimitado composta por resistores de resistência R1 e R2 de valores respectivamente iguais a 4 Ω e 3 Ω. Determine a resistência equivalente entre os pontos A e B<br />Solução: A parte a direita da linha vermelha na figura abaixo, pó ser considerado o mesmo circuito inicial, visto que a escada de resistores se repete ilimitadamente.<br />E também possui a mesma resistência equivalente que o circuito inicial. Assim podemos redesenhar o circuito da seguinte maneira.<br />Resolvendo o circuito e igualando X, que é a resistência equivalente entre os pontos A e B teremos:<br />(XR2/R2 +X) +R1 = X<br />Resolvendo para X chegamos a:<br />X =R12(1+ 1+4R2R1)<br />Substituindo os valores dados, temos X = 6Ω <br />Problema 13<br />No arranjo de resistores mostrados abaixo, determine a resistência equivalente entre os pontos A e B se todas as resistências valem 3R<br />Solução: Seguindo o mesmo raciocínio da questão anterior, podemos redesenhar a figura da seguinte forma:<br />Onde X é a resistência equivalente entre os pontos A e B.<br />Resolvendo esse circuito e igualando a X (que é a resistência equivalente AB) achamos que é pedido na questão.<br />OBS: ESSA QUESTÃO ENVOLVE CONHECIMENTOS DE TRENFORMAÇÃO DELTA-ESTRELA, CASO NÃO TENHA INTIMIDADE COM O ASSUNTO PROCURRE ESTUDA-LO ANTES.<br />Problema 14<br />Na figura abaixo todas as resistências valem R. Determine a resistência equivalente entre os pontos A e B<br />Solução:<br />Se considerarmos apenas a parte do circuito a esquerda da linha tracejada na figura abaixo<br />Essa parte corresponde ao mesmo circuito, pois a retirada de apenas uma célula não afetará a resistência equivalente do resistor. Assim teremos:<br />Onde X é a resistência equivalente entre os pontos A e B.<br />Logo:<br />(XR/X + R) +R = X resolvendo para X temos:<br /> X =(R/2)(1 + 5) <br />Problema 15<br />Um trem leva quatro minutos para ir se movimentar da estão A para a estação B, distante 4 quilômetros uma da outra na primeira parte do trajeto possui aceleração constate a1 e na parte final freia com aceleração a2. Mostre que 1a1 + 1a2 = 2. a1 e a2 são dados em Km/minuto2<br />Solução:<br />O trem percorrerá com aceleração a1 uma distância s1 durante um tempo t1 e em seguida percorrerá com aceleração a2 uma distância s2 durante um tempo t2.<br />Para a primeira parte do movimento, quando ele é acelerado teremos uma velocidade máxima até o ponto onde o trem começará a freia, usando Torricelli, essa velocidade máxima é dada por vmax = 2a1s1. Para o segundo trecho do movimento, podemos tratar vmax como velocidade e a velocidade final será nula, por Torricelli temos vmax = 2a2s2<br />Assim temos que a1s1 = a2s2 (eq 1). Sabemos que s1+ s2 = 4 -> s2 = 4 - s1(eq 2) substituindo (eq 2) em (eq 1) temos s1 = 4a2a1+a2 -> s2 = 4a1a1+a2<br />Para o percurso de movimento acelerado e retardado temos respectivamente:<br />vmax = 0 + a1t1 e 0 = vmax - a2t2->a1t1 = a2t2 Sabendo que t1 + t2 = 4 facilmente chegamos a t1 = 4a2a1+a2 e t2 = 4a1a1+a2 <br />Para a primeira parte do movimento temos s1 = 12a1 t12 -> 4a2a1+a2 = 12a1(4a2a1+a2)2<br />1 = 12a14a2a1+a2 -> 12 = a1a2 a1+a2 Finalmente chegamos a 1a1 + 1a2 = 2<br />Problema 16 ( Quem é que faz???)<br />Um patinador percorre inicialmente uma distancia L com velocidade constante, em um determinado estante começa a frear com aceleração também constante a. para qual velocidade inicial o tempo de movimento do patinador será mínimo? <br />Problema 17 (Quem é que faz ???)<br />Considere que em cada vértice de um polígono regular de n lados, foi colocado um objeto que está inicialmente com velocidade nula. A partir de certo instante, se movem conjuntamente com velocidade de módulo constante cada qual apontando à posição instantânea do objeto vizinho em movimento, Após quanto tempo estes se encontrarão e qual deverá ser a distância percorrida por cada um.Considere que a distância entre cada vértice e o centro do polígono é L.<br />Problema 18 ( Quem é que faz ???)<br />No arranjo infinito de resistores abaixo, todas as resistências valem R.<br />Determine a resistência AB<br />Dúvidas, colaborações, e sugestões serão muito bem vindas<br />helandersomslavyero@hotmail.com<br />Brevemente serão postadas as soluções dos “Quem é que faz”<br />

×