Disciplina(s)                              Docente(s)                 Filosofia Aplicada à Administração         Rodrigo P...
sensíveis e bem integradas. Mesmo a noção que está aqui em questão parece raramente serenfatizada, seja em estudos prático...
outros indivíduos. E isto pode ocorrer em todos os âmbitos das relações humanas, sejam elasmorais, políticas ou econômicas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

5978 cfd9 a636-4ee6-b629-dfbc471abf93

162 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
162
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5978 cfd9 a636-4ee6-b629-dfbc471abf93

  1. 1. Disciplina(s) Docente(s) Filosofia Aplicada à Administração Rodrigo Pessoa Curso Módulo Polo Administração 1.2 ATIVIDADE AVALIATIVA DATA DE ENTREGA: 08/06/2011NOME:CÓDIGO: POLO:- Objetivo desta atividade: 1. Relacionar a reflexão filosófica com a prática administrativa. 2. Esclarecer o que significa Materialismo Histórico. 3. Diferenciar mais-valia absoluta de mais-valia relativa.- Com isso você será capaz de (habilidades desenvolvidas): 1. Explicar o que é Materialismo Histórico. 2. Distinguir os tipos de mais-valia possíveis. 3. Relacionar Filosofia e Administração.Leia o texto a seguir, do autor Chester Barnard, em “As funções do executivo”, para responderàs questões 1 e 2.O controle, do ponto de vista da eficácia da organização como um todo, nunca é semimportância, e às vezes é de uma importância crítica; mas é em conexão com a eficiência, queem última análise engloba a eficácia, que o ponto de vista do todo é necessariamentedominante. Sob algumas condições simples, em pequenas organizações, isso é uma questão desenso comum – por exemplo, no governo de algumas pequenas cidades ou na administração dealguns pequenos negócios. Mas em geral esse não é o caso. O senso comum do todo não éóbvio e, de fato, em geral não está efetivamente presente. O controle é dominado por umaspecto – o econômico, o político, o religioso, o científico, o tecnológico –, com o resultado deque a eficiência não fica assegurada, e o fracasso advém ou ameaça perpetuamente. Semdúvida, o desenvolvimento de uma crise, devida ao tratamento desequilibrado de todos osfatores, é a ocasião para a ação corretiva por parte dos executivos que possuem a arte desentir o todo. Uma concepção do todo formal e ordenada raramente está presente, e talvezseja mesmo raramente possível, com exceção de alguns poucos homens com gênio executivoou de algumas poucas organizações executivas em que as pessoas são profundamente
  2. 2. sensíveis e bem integradas. Mesmo a noção que está aqui em questão parece raramente serenfatizada, seja em estudos práticos ou científicos.(Citado a partir de MATTAR, João. Filosofia e Ética na Administração. São Paulo: Saraiva, 2004, p. XIV-XV) QUESTÃO 1O que o autor entende por senso comum do todo? QUESTÃO 2Uma das características do modo filosófico de pensar consiste em que a reflexão filosófica é deconjunto: sempre leva em conta todos os aspectos de um problema ou questão. Relacione essacaracterística da reflexão filosófica com aquilo que o autor denomina de arte de sentir o todo. QUESTÃO 3O modo como o capitalista explora o trabalhador foi denominado por Marx de mais-valia.Explique o que significa mais-valia e diferencie seus dois tipos: a mais-valia absoluta e a mais-valia relativa. QUESTÃO 4Para interpretar o movimento histórico, no qual se insere o capitalismo e o socialismo, Marxutilizou-se do conceito de Materialismo Histórico. Explique em que consiste essa interpretaçãoda História. QUESTÃO 5Leia o texto a seguir para responder à questão 5:Portanto, assumir que é possível pensar a sociedade a partir do indivíduo com uma naturezaautointeressada significa tomar como pressuposto que ele também precisará de coação externaà sua vontade, pois há, constantemente, o risco de que esse autointeresse individual fira os
  3. 3. outros indivíduos. E isto pode ocorrer em todos os âmbitos das relações humanas, sejam elasmorais, políticas ou econômicas.(DIAS, Maria Cristina; ROTTA, Tomas. Marx e a Crise. In.: Revista Filosofia Ciência e Vida, p.15-23)Os autores argumentam que a última crise econômica evidenciou um colapso nas relaçõeshumanas. Considerando o que os autores colocam, explique por que conceber a sociedade apartir do indivíduo autointeressado coloca em risco a própria sociedade.

×