SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Abordagem Estruturalista

A TEORIA ESTRUTURALISTA


       Representa um desdobramento da Teoria da Burocracia e
uma leve aproximação da Teoria das Relações Humanas.

       Representa também uma visão bastante crítica da
organização formal.
1. Origens Da Teoria Estruturalista
   Foram as seguintes:
   Oposição entre a Teoria Tradicional e das Relações
   Humanas: Tornou-se necessária uma posição mais ampla e
   compreensiva que abrangesse os aspectos que eram considerados
   por uma e omitidos pela outra e vice-versa. A Teoria
   Estruturalista pretende ser uma síntese da Teoria Clássica (formal) e
   da Teoria das Relações Humanas (informal), inspirando-se na
   abordagem de Max Weber, e até certo ponto nos trabalhos de Karl
   Marx.

   Necessidade de visualizar a organização com uma unidade
   social: Uma unidade grande e complexa, onde interagem grupos
   sociais que compartilham alguns dos objetivos da organização
   (como a viabilidade econômica da organização), mas que pode
   incompatibilizar com outros (como a maneira de distribuir lucros da
   organização). Nesse sentido, o diálogo maior da Teoria
   Estruturalista foi com a Teoria das Relações Humanas.
1. Origens Da Teoria Estruturalista
   Foram as seguintes:
   A influência do estruturalismo nas ciências sociais: Sua influência e
   repercussão no estudo das organizações. O estruturalismo teve
   forte influência na Filosofia, na Psicologia, na Antropologia, na
   Matemática, na Lingüística, chegando até na Teoria das
   Organizações.
   Novo conceito de estrutura: O conceito de estrutura é bastante
   antigo. Estrutura é o conjunto formal de dois ou mais elementos e
   que permanece inalterado seja na mudança, seja na diversidade de
   conteúdos, isto é, a estrutura mantém-se mesmo com a alteração
   de um de seus elementos ou relações.
            A Teoria Estruturalista é administrativa baseada no
   movimento estruturalista, fortemente influenciado pela sociologia
   organizacional. Estrutura é o conjunto de elementos relativamente
   estáveis que se relacionam no tempo e no espaço para formar uma
   totalidade. Em administração, a estrutura corresponde a maneira
   como as organizações estão organizadas e estruturadas.
2. A Sociedade de Organizações



            Para os estruturalistas, a sociedade moderna e
   industrializada é um sociedade de organizações, das quais o
   homem passa a depender para nascer, viver e morrer. Essas
   organizações são altamente diferenciadas e requerem dos seus
   participantes determinadas características de personalidade. Essas
   características permitem a participação simultânea das pessoas em
   várias organizações, nas quais os papéis desempenhados variam.

             O estruturalismo ampliou o estudo das interações entre
   os grupos sociais iniciado pela Teoria das Relações Humanas, para
   os das interações entre as organizações sociais. Da mesma forma
   como interagem entre si os grupos sociais, também interagem
   entre si as organizações.
2. A Sociedade de Organizações



            Constituem a forma dominante de instituição da moderna
   sociedade: São a manifestação de uma sociedade altamente
   especializada e interdependente, que se caracteriza por um
   crescente padrão de vida. As organizações permeiam todos os
   aspectos da vida moderna e envolvem a participação de numerosas
   pessoas. Cada organização é limitada por recursos escasso, e por
   isso, não pode tirar vantagens de todas as oportunidades que
   surgem: daí o problema de determinar a melhor alocação de
   recursos. A eficiência é obtida quando a organização aplica seus
   recursos naquela alternativa que produz melhor resultado.
2. A Sociedade de Organizações



             Concentra-se no estudo das organizações, na sua estrutura
   interna e na interação com outras organizações. As organizações
   são concebidas como unidades sociais (ou agrupamentos humanos)
   intencionalmente construídas e reconstruídas, a fim de atingir
   objetivos específicos. (exercito, escolas, hospitais, igrejas, prisões).
   As organizações são caracterizadas por um conjunto de relações
   sociais estáveis e deliberadamente criadas com a explícita intenção
   de alcançar objetivos ou propósitos. Assim, a organização e uma
   unidade social dentro da qual as pessoas alcançam relações
   estáveis entre si, no sentido de facilitar o alcance de um conjunto
   de objetivos ou metas.
3. Análise das Organizações



           Os estruturalistas utilizam, para estudar as organizações,
     uma análise organizacional mais ampla do que a de qualquer
     teoria anterior, pois pretendem conciliar a Teoria Clássica e a
     Teoria das Relações Humanas, baseando-se também na Teoria
     da Burocracia. Assim, a análise das organizações do ponto de
     vista estruturalista é feita a partir de uma abordagem múltipla
     que leva em conta simultaneamente os fundamentos da Teoria
     Clássica, da Teoria das Relações Humanas e da Teoria da
     Burocracia. Trata-se de uma abordagem múltipla utilizada
     pela Teoria Estruturalista que envolve:
3. Análise das Organizações




    Tanto a organização formal como a organização informal.

    Tanto as recompensas salariais           e   materiais   como    as
     recompensas sociais e simbólicas.
    Todos os diferentes níveis hierárquicos de uma organização.

    Todos os diferentes tipos de organizações.

    A análise intra-organizacional e análise inter organizacional.
4. Organização Formal e Organização Informal

  ORGANIZAÇÃO FORMAL

          Padrão de organização determinado pela administração
     como o esquema de divisão de trabalho e poder de
     controle, regras e regulamentos de salários e controle de
     qualidade.
     Exemplo:
     Empresas tradicionais com longo tempo no mercado, que tem
     como algumas características prêmios e punições.
4. Organização Formal e Organização Informal

  ORGANIZAÇÃO INFORMAL

          Refere-se ao relacionamento interpessoal, isto é, as
     relações sociais que se desenvolvem espontaneamente entre o
     pessoal ou os trabalhadores, acima e além da formal (trabalham
     em equipe e são amigos).
     Exemplo:
     Empresas que estimulam a criatividade e o relacionamento
     entre as pessoas e dão ênfase à motivação. Como exemplo
     citam-se empresas jornalísticas e de publicidade que utiliza
     métodos modernos de administração.
5. Tipologia das Organizações



           Não existem duas organizações iguais; elas são sempre
     diferentes entre si e apresentam grande variedade.
           Mas elas apresentam certas características que permitem
     classificá-las em certos grupos ou tipo. Essas classificações são
     as tipologias das organizações.
          Para facilitar a análise comparativa das organizações,
     muito estudiosos do estruturalismo desenvolveram tipologias
     de organizações.
5. Tipologia das Organizações

  EXEMPLO: TIPOLOGIA DE ETZIONI

            Etzioni definiu uma tipologia de organizações,
       classificando- as
       com base no uso e significado da obediência. É muito utilizada
       devido à consideração sobre os sistemas psicossociais das
       organizações. Mas não consideram muito a estrutura, a
       tecnologia
       e o ambiente externo.
    1. Organizações coercitivas: o poder é imposto pela força física
   . ou por controles baseados em prêmios ou punições.
    2. Organizações utilitárias: poder baseia-se no controle dos
     incentivos econômicos.
    3. Organizações normativas: o poder baseia-se em um consenso
     sobre objetivos e métodos de organização.
6. Objetivos Organizacionais



           A eficiência de uma organização é medida pelo alcance
      dos objetivos propostos. A competência da organização é
      medida pelo volume de recursos utilizados para realizar a
      produção. As organizações podem ter simultaneamente dois ou
      mais objetivos


            Os objetivos são unidades simbólicas ou ideais que a
      organização pretende atingir e transformar a realidade.
      Toda organização deve buscar condições para manter-
      se e continuar com eficiência.
7. Ambiente Organizacional



          A organização depende de outras organizações para seguir
     seu caminho e atingir seus objetivos. A interação
     entre a organização e o ambiente torna-se fundamental para a
     compreensão do estruturalismo. A sociedade moderna é uma
     sociedade de organizações. A análise interorganizacional está
     voltada para as relações externas entre uma organização
     e outras organizações no ambiente.
8. Conflitos Organizacionais



            Conflito significa a existência de idéias, atitudes ou
      interesses antagônicos que podem se chocar. Sempre se fala em
      acordo, aprovação, consentimento, harmonia; deve-se lembrar
      que essas palavras pressupõem a existência de seus opostos
      o que significa conflito.
9. Sátiras à organização



           O ponto de vista dos estruturalistas sobre as organizações
      é eminentemente crítico.
      Alguns autores apontam as falhas e incongruências no processo
      aparentemente racional da organização.
           Estes autores pecam pelo exagero e por não proporem
      qualquer tipo de solução.

           Popularizam uma visão eminentemente critica e negativa
      do funcionamento das organizações.
10. Apreciação Crítica do Estruturalismo



          O estruturalismo facilita uma abordagem múltipla na
     análise das organizações;
          A organização é vista como uma unidade social grande e
     complexa;
          Conduz a uma ampla visão da organização, referindo os
     conflitos e antagonismos não só interpessoais mas também
     como parte da estrutura organizacional;
10. Apreciação Crítica do Estruturalismo



          Estimula o interesse no estudo de organizações não-
     industriais e não-lucrativas;
          Há quem também chame à Teoria Estruturalista “Teoria de
     Crise” uma vez que deixa de lado a “normalidade” das
     organizações preocupando-se em descobrir a origem dos
     problemas das mesmas;
          Contribuiu consideravelmente Administrativas;

           É uma teoria de transição e mudança cujo campo está em
       grande crescimento e desenvolvimento.
10. Apreciação Crítica do Estruturalismo



          Os estruturalistas deixam de se preocupar com a forma
       como o individuo percebe a organização e o seu meio ambiente.
            O Estruturalismo não constitui uma teoria própria e
       perfeitamente distinta na teoria geral de administração.
            As tipologias organizacionais do Estruturalismo, baseiam-
       se apenas num princípio ou aspecto básico ou que torna
       limitadas na sua aplicação prática.
           As    tipologias   estruturalistas são simples  e
       unidimensionais, reduzindo as organizações a uma única
       dimensão para tentar compará-las.
          Faltam ainda estudos e definições em certas áreas, o que é
       uma queixa constante dos estruturalistas .
Tga teoria estruturalista

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaCésar de Souza
 
07 ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração
07   ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração07   ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração
07 ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administraçãoInternational marketing
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacionalMichael Silva
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacionalCorreios
 
Teoria Contingencial
Teoria ContingencialTeoria Contingencial
Teoria Contingencialadmetz01
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppticbianchi
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialCelia Carvalho
 
Teoria clássica da administração
Teoria clássica da administraçãoTeoria clássica da administração
Teoria clássica da administraçãoLuzinete Silva
 
Abordagem sistêmica da administração
Abordagem sistêmica da administração Abordagem sistêmica da administração
Abordagem sistêmica da administração admetz01
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações HumanasDebora Miceli
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria ClássicaDebora Miceli
 
Teoria neoclássica da Administração
Teoria neoclássica da AdministraçãoTeoria neoclássica da Administração
Teoria neoclássica da AdministraçãoAndressa Rita
 
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)Domingos Armindo Rolim Neto
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocráticaadmetz01
 
Teoria da contingência
Teoria da contingênciaTeoria da contingência
Teoria da contingênciaMurilo Bayma
 

Mais procurados (20)

Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
 
07 ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração
07   ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração07   ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração
07 ênfase nas pessoas =teoria comportamental - teorias da administração
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Imagens Da Organizacao De Gareth Morgan
Imagens Da Organizacao De Gareth MorganImagens Da Organizacao De Gareth Morgan
Imagens Da Organizacao De Gareth Morgan
 
Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Teoria Contingencial
Teoria ContingencialTeoria Contingencial
Teoria Contingencial
 
Departamentalização 2012_01
Departamentalização 2012_01Departamentalização 2012_01
Departamentalização 2012_01
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencial
 
Teoria clássica da administração
Teoria clássica da administraçãoTeoria clássica da administração
Teoria clássica da administração
 
Abordagem sistêmica da administração
Abordagem sistêmica da administração Abordagem sistêmica da administração
Abordagem sistêmica da administração
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
 
Teoria neoclássica da Administração
Teoria neoclássica da AdministraçãoTeoria neoclássica da Administração
Teoria neoclássica da Administração
 
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
 
Teoria da contingência
Teoria da contingênciaTeoria da contingência
Teoria da contingência
 

Semelhante a Tga teoria estruturalista

Tga abordagem estruturalista
Tga   abordagem estruturalistaTga   abordagem estruturalista
Tga abordagem estruturalistaAmandaDias58
 
Principios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOPrincipios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOthemis dovera
 
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismoAula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismoCassia da Silva
 
Teria estruturalista1
Teria estruturalista1Teria estruturalista1
Teria estruturalista1JLMeneghetti
 
Teria estruturalista1
Teria estruturalista1Teria estruturalista1
Teria estruturalista1JLMeneghetti
 
Teria estruturalista2
Teria estruturalista2Teria estruturalista2
Teria estruturalista2JLMeneghetti
 
Teoria das Organizações
Teoria das OrganizaçõesTeoria das Organizações
Teoria das OrganizaçõesClaudio Toldo
 
Imagens Da Organização
Imagens Da OrganizaçãoImagens Da Organização
Imagens Da Organizaçãoguestdf4f2e
 
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia OrganizacionalResenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacionaladmetz01
 
Abordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnicaAbordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnicatiagonb4
 
Resumo aula 06
Resumo aula 06Resumo aula 06
Resumo aula 06R D
 
A teoria das_organizacoes_e_os_modelos_o
A teoria das_organizacoes_e_os_modelos_oA teoria das_organizacoes_e_os_modelos_o
A teoria das_organizacoes_e_os_modelos_oAline Ferraz
 
Pensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivel
Pensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivelPensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivel
Pensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivelUSP e Plexus
 
SO Parte II Triunfo da Burocracia
SO Parte II Triunfo da BurocraciaSO Parte II Triunfo da Burocracia
SO Parte II Triunfo da BurocraciaAna Maria Santos
 

Semelhante a Tga teoria estruturalista (20)

Tga abordagem estruturalista
Tga   abordagem estruturalistaTga   abordagem estruturalista
Tga abordagem estruturalista
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Principios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOPrincipios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãO
 
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismoAula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
 
Teria estruturalista1
Teria estruturalista1Teria estruturalista1
Teria estruturalista1
 
Teria estruturalista1
Teria estruturalista1Teria estruturalista1
Teria estruturalista1
 
Teria estruturalista2
Teria estruturalista2Teria estruturalista2
Teria estruturalista2
 
Teoria das Organizações
Teoria das OrganizaçõesTeoria das Organizações
Teoria das Organizações
 
Imagens Da Organização
Imagens Da OrganizaçãoImagens Da Organização
Imagens Da Organização
 
Organização Contremporânea 2
Organização Contremporânea 2Organização Contremporânea 2
Organização Contremporânea 2
 
Organização Contremporânea 4
Organização Contremporânea 4Organização Contremporânea 4
Organização Contremporânea 4
 
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia OrganizacionalResenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
 
Abordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnicaAbordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnica
 
Resumo aula 06
Resumo aula 06Resumo aula 06
Resumo aula 06
 
A teoria das_organizacoes_e_os_modelos_o
A teoria das_organizacoes_e_os_modelos_oA teoria das_organizacoes_e_os_modelos_o
A teoria das_organizacoes_e_os_modelos_o
 
Pensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivel
Pensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivelPensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivel
Pensamento complexo, comunicacao nas organizacoes e dialogo sensivel
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
SO Parte II Triunfo da Burocracia
SO Parte II Triunfo da BurocraciaSO Parte II Triunfo da Burocracia
SO Parte II Triunfo da Burocracia
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Organização e os estudos organizacionais
Organização e os estudos organizacionaisOrganização e os estudos organizacionais
Organização e os estudos organizacionais
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

Tga teoria estruturalista

  • 1.
  • 2. Abordagem Estruturalista A TEORIA ESTRUTURALISTA  Representa um desdobramento da Teoria da Burocracia e uma leve aproximação da Teoria das Relações Humanas.  Representa também uma visão bastante crítica da organização formal.
  • 3. 1. Origens Da Teoria Estruturalista Foram as seguintes: Oposição entre a Teoria Tradicional e das Relações Humanas: Tornou-se necessária uma posição mais ampla e compreensiva que abrangesse os aspectos que eram considerados por uma e omitidos pela outra e vice-versa. A Teoria Estruturalista pretende ser uma síntese da Teoria Clássica (formal) e da Teoria das Relações Humanas (informal), inspirando-se na abordagem de Max Weber, e até certo ponto nos trabalhos de Karl Marx. Necessidade de visualizar a organização com uma unidade social: Uma unidade grande e complexa, onde interagem grupos sociais que compartilham alguns dos objetivos da organização (como a viabilidade econômica da organização), mas que pode incompatibilizar com outros (como a maneira de distribuir lucros da organização). Nesse sentido, o diálogo maior da Teoria Estruturalista foi com a Teoria das Relações Humanas.
  • 4. 1. Origens Da Teoria Estruturalista Foram as seguintes: A influência do estruturalismo nas ciências sociais: Sua influência e repercussão no estudo das organizações. O estruturalismo teve forte influência na Filosofia, na Psicologia, na Antropologia, na Matemática, na Lingüística, chegando até na Teoria das Organizações. Novo conceito de estrutura: O conceito de estrutura é bastante antigo. Estrutura é o conjunto formal de dois ou mais elementos e que permanece inalterado seja na mudança, seja na diversidade de conteúdos, isto é, a estrutura mantém-se mesmo com a alteração de um de seus elementos ou relações. A Teoria Estruturalista é administrativa baseada no movimento estruturalista, fortemente influenciado pela sociologia organizacional. Estrutura é o conjunto de elementos relativamente estáveis que se relacionam no tempo e no espaço para formar uma totalidade. Em administração, a estrutura corresponde a maneira como as organizações estão organizadas e estruturadas.
  • 5. 2. A Sociedade de Organizações Para os estruturalistas, a sociedade moderna e industrializada é um sociedade de organizações, das quais o homem passa a depender para nascer, viver e morrer. Essas organizações são altamente diferenciadas e requerem dos seus participantes determinadas características de personalidade. Essas características permitem a participação simultânea das pessoas em várias organizações, nas quais os papéis desempenhados variam. O estruturalismo ampliou o estudo das interações entre os grupos sociais iniciado pela Teoria das Relações Humanas, para os das interações entre as organizações sociais. Da mesma forma como interagem entre si os grupos sociais, também interagem entre si as organizações.
  • 6. 2. A Sociedade de Organizações Constituem a forma dominante de instituição da moderna sociedade: São a manifestação de uma sociedade altamente especializada e interdependente, que se caracteriza por um crescente padrão de vida. As organizações permeiam todos os aspectos da vida moderna e envolvem a participação de numerosas pessoas. Cada organização é limitada por recursos escasso, e por isso, não pode tirar vantagens de todas as oportunidades que surgem: daí o problema de determinar a melhor alocação de recursos. A eficiência é obtida quando a organização aplica seus recursos naquela alternativa que produz melhor resultado.
  • 7. 2. A Sociedade de Organizações Concentra-se no estudo das organizações, na sua estrutura interna e na interação com outras organizações. As organizações são concebidas como unidades sociais (ou agrupamentos humanos) intencionalmente construídas e reconstruídas, a fim de atingir objetivos específicos. (exercito, escolas, hospitais, igrejas, prisões). As organizações são caracterizadas por um conjunto de relações sociais estáveis e deliberadamente criadas com a explícita intenção de alcançar objetivos ou propósitos. Assim, a organização e uma unidade social dentro da qual as pessoas alcançam relações estáveis entre si, no sentido de facilitar o alcance de um conjunto de objetivos ou metas.
  • 8. 3. Análise das Organizações Os estruturalistas utilizam, para estudar as organizações, uma análise organizacional mais ampla do que a de qualquer teoria anterior, pois pretendem conciliar a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas, baseando-se também na Teoria da Burocracia. Assim, a análise das organizações do ponto de vista estruturalista é feita a partir de uma abordagem múltipla que leva em conta simultaneamente os fundamentos da Teoria Clássica, da Teoria das Relações Humanas e da Teoria da Burocracia. Trata-se de uma abordagem múltipla utilizada pela Teoria Estruturalista que envolve:
  • 9. 3. Análise das Organizações  Tanto a organização formal como a organização informal.  Tanto as recompensas salariais e materiais como as recompensas sociais e simbólicas.  Todos os diferentes níveis hierárquicos de uma organização.  Todos os diferentes tipos de organizações.  A análise intra-organizacional e análise inter organizacional.
  • 10. 4. Organização Formal e Organização Informal ORGANIZAÇÃO FORMAL Padrão de organização determinado pela administração como o esquema de divisão de trabalho e poder de controle, regras e regulamentos de salários e controle de qualidade. Exemplo: Empresas tradicionais com longo tempo no mercado, que tem como algumas características prêmios e punições.
  • 11. 4. Organização Formal e Organização Informal ORGANIZAÇÃO INFORMAL Refere-se ao relacionamento interpessoal, isto é, as relações sociais que se desenvolvem espontaneamente entre o pessoal ou os trabalhadores, acima e além da formal (trabalham em equipe e são amigos). Exemplo: Empresas que estimulam a criatividade e o relacionamento entre as pessoas e dão ênfase à motivação. Como exemplo citam-se empresas jornalísticas e de publicidade que utiliza métodos modernos de administração.
  • 12. 5. Tipologia das Organizações Não existem duas organizações iguais; elas são sempre diferentes entre si e apresentam grande variedade. Mas elas apresentam certas características que permitem classificá-las em certos grupos ou tipo. Essas classificações são as tipologias das organizações. Para facilitar a análise comparativa das organizações, muito estudiosos do estruturalismo desenvolveram tipologias de organizações.
  • 13. 5. Tipologia das Organizações EXEMPLO: TIPOLOGIA DE ETZIONI Etzioni definiu uma tipologia de organizações, classificando- as com base no uso e significado da obediência. É muito utilizada devido à consideração sobre os sistemas psicossociais das organizações. Mas não consideram muito a estrutura, a tecnologia e o ambiente externo.  1. Organizações coercitivas: o poder é imposto pela força física . ou por controles baseados em prêmios ou punições.  2. Organizações utilitárias: poder baseia-se no controle dos incentivos econômicos.  3. Organizações normativas: o poder baseia-se em um consenso sobre objetivos e métodos de organização.
  • 14. 6. Objetivos Organizacionais A eficiência de uma organização é medida pelo alcance dos objetivos propostos. A competência da organização é medida pelo volume de recursos utilizados para realizar a produção. As organizações podem ter simultaneamente dois ou mais objetivos Os objetivos são unidades simbólicas ou ideais que a organização pretende atingir e transformar a realidade. Toda organização deve buscar condições para manter- se e continuar com eficiência.
  • 15. 7. Ambiente Organizacional A organização depende de outras organizações para seguir seu caminho e atingir seus objetivos. A interação entre a organização e o ambiente torna-se fundamental para a compreensão do estruturalismo. A sociedade moderna é uma sociedade de organizações. A análise interorganizacional está voltada para as relações externas entre uma organização e outras organizações no ambiente.
  • 16. 8. Conflitos Organizacionais Conflito significa a existência de idéias, atitudes ou interesses antagônicos que podem se chocar. Sempre se fala em acordo, aprovação, consentimento, harmonia; deve-se lembrar que essas palavras pressupõem a existência de seus opostos o que significa conflito.
  • 17. 9. Sátiras à organização O ponto de vista dos estruturalistas sobre as organizações é eminentemente crítico. Alguns autores apontam as falhas e incongruências no processo aparentemente racional da organização. Estes autores pecam pelo exagero e por não proporem qualquer tipo de solução. Popularizam uma visão eminentemente critica e negativa do funcionamento das organizações.
  • 18. 10. Apreciação Crítica do Estruturalismo  O estruturalismo facilita uma abordagem múltipla na análise das organizações;  A organização é vista como uma unidade social grande e complexa;  Conduz a uma ampla visão da organização, referindo os conflitos e antagonismos não só interpessoais mas também como parte da estrutura organizacional;
  • 19. 10. Apreciação Crítica do Estruturalismo  Estimula o interesse no estudo de organizações não- industriais e não-lucrativas;  Há quem também chame à Teoria Estruturalista “Teoria de Crise” uma vez que deixa de lado a “normalidade” das organizações preocupando-se em descobrir a origem dos problemas das mesmas;  Contribuiu consideravelmente Administrativas;  É uma teoria de transição e mudança cujo campo está em grande crescimento e desenvolvimento.
  • 20. 10. Apreciação Crítica do Estruturalismo  Os estruturalistas deixam de se preocupar com a forma como o individuo percebe a organização e o seu meio ambiente.  O Estruturalismo não constitui uma teoria própria e perfeitamente distinta na teoria geral de administração.  As tipologias organizacionais do Estruturalismo, baseiam- se apenas num princípio ou aspecto básico ou que torna limitadas na sua aplicação prática.  As tipologias estruturalistas são simples e unidimensionais, reduzindo as organizações a uma única dimensão para tentar compará-las.  Faltam ainda estudos e definições em certas áreas, o que é uma queixa constante dos estruturalistas .