Trabalho de biologia

1.673 visualizações

Publicada em

Trabalho que fala sobre o câncer de garganta, estomago e pulmão

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.673
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de biologia

  1. 1. Trabalho de Biologia
  2. 2. Grupo ● Gustavo Vitor ● Laura Edwania ● Luana Duarte ● Mateus Belchior ● Silvio Gonçalves ●
  3. 3. Câncer de Garganta
  4. 4. O que é o câncer da garganta? Câncer de garganta é uma condição onde o câncer afeta as cordas vocais, caixa vocal (laringe) ou outras áreas da garganta.
  5. 5. O que provoca o câncer da garganta? ● ● O uso excessivo de tabaco e/ou o uso excessivo de álcool são causas secundárias do câncer, não primárias Pesquisa realizada pela Universidade do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, descobriu que o vírus HPV atualmente é a principal causa da doença em pessoas com menos de 50 anos.
  6. 6. Sintomas de Câncer da garganta ● Os sintomas mais comuns de câncer de garganta são os seguintes: ● ● ● Rouquidão que não se resolve em 1 a 2 semanas Dor de garganta que não se resolve em 1 a 2 semanas, mesmo com medicamentos ● Dificuldade de deglutição ● Inchaço no pescoço ● Perda de peso não intencional ● Tosse inexplicável ● Tosse com sangue ● Sons respiratórios anormais (agudos)
  7. 7. Como o câncer da garganta é diagnosticado? ● Se o seu médico achar que você pode ter câncer na garganta, ele vai pedir uma série de testes. A laringoscopia será conduzida. A laringoscopia é um exame por uso de um tubo com uma pequena câmera iluminada. Uma tomografia de crânio ou uma ressonância magnética de crânio também podem ser conduzida. Estes testes irão ajudar a determinar se o câncer se espalhou para os gânglios linfáticos no pescoço.
  8. 8. Complicações de Câncer da garganta ● Algumas complicações comuns de câncer na garganta são: ● ● Obstrução das vias de ventilação ● Perda de voz e capacidade de falar ● Desfiguração do pescoço ou rosto ● Endurecimento da pele do pescoço ● Dificuldade de deglutição ● Propagação do câncer para outras áreas do corpo ●
  9. 9. Câncer da garganta pode ser evitado? ● Uma das maneiras de reduzir o seu risco de desenvolver câncer de garganta é minimizar ou evitar o tabagismo e uso de álcool em excesso, uma dieta equilibrada e saudável é essencial para a prevenção do câncer
  10. 10. Você sabia... ● "As concentrações de algumas nitrosaminas em cigarros causadoras de câncer são muito mais elevadas na fumaça de fumo secundário, a partir da fumaça que sai de um cigarro, do que na fumaça inalada diretamente pelo fumante." ● ● "Mesmo após de 15 anos não fumando, o risco de doença cardíaca e de morte é semelhante a alguém que nunca fumou."
  11. 11. Câncer de estômago
  12. 12. O que é Câncer de estômago? ● O câncer gástrico é um tipo de câncer que começa no estômago.
  13. 13. Causas ● ● ● Muitos tipos diferentes de câncer podem ocorrer no estômago. O tipo mais comum é chamado adenocarcinoma, que começa de um dos tipos de células comuns encontrados na parte interna do estômago. O adenocarcinoma do estômago é um câncer comum do trato digestivo em todo o mundo, embora ele seja incomum nos Estados Unidos. Ele ocorre principalmente em homens acima dos 40 anos. Essa forma de câncer gástrico é extremamente comum no Japão, no Chile e na Islândia. A incidência da maioria dos tipos de adenocarcinoma gástrico nos Estados Unidos tem diminuído com o passar dos anos. Especialistas acreditam que a queda na incidência pode estar relacionada ao fato de as pessoas estarem comendo menos alimentos com sal, conservados e defumados. ● Os fatores de risco do câncer gástrico são: ● Histórico familiar de câncer gástrico. ● Infecção pela bactéria Helicobacter pylori (uma bactéria comum que também pode causar úlceras estomacais) ● Histórico de gastrite atrófica. ● Histórico de anemia perniciosa. ● Fumo.
  14. 14. Exames ● O diagnóstico é muitas vezes adiado porque os sintomas podem não ocorrer nos estágios iniciais da doença. Os pacientes também podem fazer o autotratamento de sintomas que podem ser comuns a outros distúrbios gástricos menos graves (inchaço, gases, azia e sensação de inchaço). ● Os seguintes testes podem ajudar a diagnosticar câncer gástrico; ● Hemograma completo para verificar se há anemia. ● Esofagogastroduodenoscopia (EGD) com biópsia. ● Exame de fezes para verificar se há sangue nas fezes. ● Série gastrointestinal superior. ● Sintomas de Câncer de estômago: ● Repletação ou dor abdominal. ● Fezes escuras. ● Dificuldade para deglutir, especialmente dificuldade que aumenta com o tempo. ● Eructação excessiva. ● Declínio geral na saúde. ● Perda de apetite. ● Náusea e vômito. ● Repletação abdominal prematura após as refeições. ● Vômito de sangue. ● Fraqueza ou cansaço. ● Perda de peso (involuntária).
  15. 15. Tratamento ● ● O tratamento do câncer gástrico é divido em duas modalidades: curativo e paliativo. O tratamento curativo tem como seu principal elemento a cirurgia de remoção do tumor. Tal cirurgia pode ir desde a retirada do tumor por via endoscópica até a remoção parcial ou completa do estômago (gastrectomia parcial ou total). A radioterapia e ou quimioterapia junto à cirurgia compõem a terapia com intuito curativo, dependendo, sobretudo, do estágio do tumor. Taxas de cura de 60% a 70% são obtidas em pacientes com doença localizada utilizando as medidas de terapia citadas. ● O tratamento paliativo é oferecido a pacientes em algumas situações: ● com tumores não passíveis de remoção. ● com condições clínicas que impedem a realização da cirurgia curativa. ● com doença metastática. ● A terapia paliativa é composta por quimioterapia e radioterapia, indicadas de acordo com a forma de apresentação da doença.
  16. 16. Expectativas ● ● O resultado varia. Os tumores no estômago inferior são curados com mais frequência do que aqueles no estômago superior -- cárdia gástrica ou junção gastroesofágica. A profundidade na qual o tumor invade a parede do estômago e se os nódulos linfáticos estão envolvidos quando o paciente é diagnosticado influenciam nas chances de cura. Quando o tumor foi disseminado para fora do estômago, a cura não é possível e o tratamento é direcionado à melhoria dos sintomas.
  17. 17. Prevenção ● É fundamental uma dieta balanceada composta de vegetais crus, frutas cítricas e alimentos ricos em fibras. Além disso, é importante o combate ao tabagismo e a diminuição da ingestão de bebidas alcoólicas. Ao sentir sintomas digestivos como dor de estômago, saciedade precoce ou vômitos, inclusive hemorrágicos, deve-se procurar imediatamente assistência médica.
  18. 18. Câncer de Pulmão
  19. 19. O que é o câncer de pulmão. ● É o tumor maligno que mais mata em todo o mundo. Infelizmente, observa-se um aumento no número de novos casos da doença no Brasil a cada ano
  20. 20. O que causa o câncer de pulmão? ● O tabagismo (consumo habitual do cigarro) é o principal fator de risco para o surgimento do câncer de pulmão. Quanto maior o número de cigarros consumidos por dia e quanto mais tempo a pessoa fumou na vida, maior é o risco de desenvolver este câncer. Mais de 90% dos casos de câncer de pulmão estão associados ao tabagismo e a mortalidade é maior para aqueles que continuam fumando. Não há um número mínimo de cigarros consumidos ao dia considerado seguro! Além do tabagismo, existem outros fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão, como a exposição a algumas substâncias químicas e fatores genéticos
  21. 21. Quais são os sintomas da doença? ● Inicialmente, os sintomas mais comuns são cansaço, fraqueza, perda de peso e perda de apetite. As consequências mais evidentes costumam aparecer quando a doença já esta avançada. São elas: tosse persistente, respiração curta, perda de fôlego, escarro com sangue, rouquidão, dor no peito, piora dos chiados e, eventualmente, infecções pulmonares repetidas.
  22. 22. Como é feito o diagnóstico? ● Na suspeita do câncer de pulmão, o médico responsável poderá solicitar testes complementares após cuidadosa análise dos sintomas e do exame clínico. Podem ser solicitados raio X dos pulmões, tomografia computadorizada do tórax e broncoscopia, um exame em que o médico analisa os brônquios pulmonares e pode colher material para biópsia. Eventualmente, cirurgia pode ser necessária para o diagnóstico.
  23. 23. Como é feito o tratamento do câncer de pulmão? ● ● O tratamento pode envolver a cirurgia, a quimioterapia e/ou a radioterapia. Vai depender do estadiamento da doença, ou seja, se o câncer estiver localizado apenas no pulmão ou se já tiver alcançado os linfonodos (gânglios linfáticos) e as estruturas adjacentes (coração, artéria aorta, coluna vertebral, pleura etc.) ou órgãos distantes (metástases). Dependendo dos achados e da condição clínica do paciente, o tratamento pode envolver uma ou várias das modalidades citadas. Ressecção “em cunha”: remoção do tumor e do tecido pulmonar ao redor dele
  24. 24. Como é feito o tratamento do câncer de pulmão? ● Segmentectomia: remoção do tumor e das estruturas anatômicas próximas (vasos e brônquios), para um controle oncológico mais rigoroso, o que deve ser suficiente para tumores bem pequenos e na periferia do pulmão.
  25. 25. Como é feito o tratamento do câncer de pulmão? ● Lobectomia: remoção do lobo pulmonar que contem o tumor. Esta é a cirurgia padrão para a maioria dos casos de câncer de pulmão.
  26. 26. Como é feito o tratamento do câncer de pulmão? ● Pneumonectomia: retirada de todo um pulmão, indicada nos casos de doença avançada, mas com boa reserva respiratória.
  27. 27. Como é feito o tratamento do câncer de pulmão? ● Em muitos casos, a cirurgia vídeoassistida permite a alta hospitalar bastante rápida em dois ou quatro dias - um tempo menor do que o praticado na cirurgia convencional, que é de quatro a seis dias.
  28. 28. Tratamento não cirúrgico ● O tratamento não cirúrgico é aplicával para aqueles pacientes diagnosticados com doença mais avançada em complemento ao tratamento cirúrgico. Entretanto, em determinados casos, a cirurgia não é possível pois a doença já comprometeu áreas do corpo que não podem ser retiradas; tais como o coração, o fígado, a coluna vertebral ou o cérebro.
  29. 29. Quimioterapia ● A quimioterapia é baseada na administração de medicações pela veia (endovenosas) ou por via oral, que tem por objetivo destruir ou bloquear o crescimento anormal das células cancerosas.
  30. 30. Radioterapia ● A radioterapia aplica energia, em forma de radiação, para auxiliar o controle local da doença. Existem diferentes formas de aplicação da radioterapia, que vão depender do tipo de tumor e da sua localização .

×