Aula 12 doencas do sistema respiratorio

1.682 visualizações

Publicada em

fitoquimica

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.682
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 12 doencas do sistema respiratorio

  1. 1. Aula 12: Doenças do sistema respiratório
  2. 2. Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios, traquéia, diafragma, bronquiolos e alvéolos pulmonares). As enfermidades do sistema respiratório mais frequentes são: bronquite, rinite, sinusite, asma, gripe, resfriado, faringite, enfisema pulmonar, câncer de pulmão, tuberculose e pneumonia. Doenças do sistema respiratório
  3. 3. As causas destas doenças podem ser diversas. Fumo, alergias (provocada por substâncias químicas ou ácaros), fatores genéticos, infecção por vírus e respiração em ambientes poluídos estão entre as principais causas destas doenças. Nas grandes cidades, estas doenças estão cada vez mais comuns, principalmente em função da poluição do ar. O monóxido de carbono e o dióxido de carbono são gases poluentes originados da queima de combustíveis fósseis (gasolina e diesel) e são muito prejudiciais ao aparelho respiratório do ser humano. A inalação destes gases pode provocar o surgimento de algumas destas doenças. Doenças do sistema respiratório
  4. 4. Resfriado: é uma infecção aguda virótica (os rinovírus são os principais agentes causadores), geralmente sem febre, na qual as principais manifestações clínicas envolvem as vias aéreas superiores, com secreção nasal (coriza) ou obstrução nasal como sintoma predominante. Com a exposição ao agente, a infecção pode ser facilitada por fadiga excessiva, distúrbios emocionais e alérgicos. Gripe x resfriado
  5. 5. Gripe: é uma infecção respiratória aguda causada por um vírus específico, denominado Influenza, que ocasiona febre, prostração, coriza, tosse, dor de cabeça, dor de garganta. Geralmente ocorre como uma epidemia no inverno. Pode complicar com infecção bacteriana secundária que deve ser tratada com antibióticos. O vírus da influenza apresenta vários sorotipos e sofrem mutações de um ano para outro. Estão sendo fabricadas vacinas que devem ser repetidas todos os anos, principalmente pelos grupos de maior risco (idosos e pacientes com problemas respiratórios crônicos). Gripe x resfriado
  6. 6. Gripe x resfriado
  7. 7. Não há tratamento para o combate do vírus causador da doença. A orientação dada pelo médico visa atenuar os sintomas da doença e dar condições adequadas para que o organismo da pessoa afetada logo se recupere. Para isso, é importante que a pessoa tome bastante líquido, como água e sucos, uma vez que a boa hidratação previne o ressecamento do nariz e da garganta, facilitando a eliminação das secreções contaminadas. Gargarejos com água morna e salgada várias vezes por dia ou tomar água morna com limão e mel pode ajudar a diminuir a irritação da garganta e aliviar a tosse. Para ajudar no alívio dos sintomas do nariz, pode-se usar gotas salinas nasais. O fumo pode piorar a irritação da garganta e a tosse. Dentre os medicamentos para aliviar os sintomas, utiliza-se o paracetamol ou algum antiinflamatório. Dentro da medicina alternativa, o mentol também é utilizado para dar uma sensação de alívio da congestão do nariz. Gripe x resfriado - tratamento
  8. 8. Gripe x resfriado - prevenção
  9. 9. Faringite é uma inflamação da faringe. A doença pode tanto ser o primeiro sintoma de um simples resfriado quanto de um problema mais grave, como uma virose chamada mononucleose, muito comum em crianças. A faringite pode ocorrer em infecções virais e em infecções bacterianas. Os sintomas, que incluem a dor de garganta e a dor à deglutição, são semelhantes tanto na faringite viral quanto na bacteriana. Em ambas, a membrana mucosa que reveste a faringe pode estar discreta ou intensamente inflamada e no caso da bacteriana, recoberta por uma membrana esbranquiçada ou uma secreção purulenta, além da febre, o aumento dos linfonodos do pescoço e o aumento da contagem de leucócitos no sangue. Pode haver também dores de ouvido. Faringite
  10. 10. Esta afecção freqüentemente se estende também às tonsilas, denominando-se faringoamidalite. A porta de entrada é a oral, pela veiculação dos agentes causadores através das gotinhas de saliva que as pessoas eliminam ao falar, tossir ou espirrar. A faringoamidalite é uma das infecções mais comuns em crianças entre os 4 e os 15 anos de idade, sobretudo nos primeiros anos escolares. Para alívio dos sintomas, podem ser utilizados analgésicos, pastilhas e gargarejos com água morna. Nos casos das faringites bacterianas, o tratamento é feito com antibióticos, e deve ser seguido rigorosamente de acordo com a prescrição médica. Faringite
  11. 11. Rinite é um termo médico que descreve a irritação e inflamação crônica ou aguda da mucosa nasal. É uma doença que pode ser causada tanto por vírus como por bactérias (nos casos não-alérgicos), embora seja manifestada com mais freqüência em decorrência de alergia. A inflamação decorrente da rinite resulta na produção excessiva de muco, gerado pelo acúmulo da histamina, o que ocasiona a rinorreia, sintoma mais típico da rinite. Rinite
  12. 12. São descritos vários desencadeantes alérgicos ou irritantes potenciais, tais como: Pólen, Fungos, Ácaros provenientes da pó doméstico, Saliva e pelo de animais; Insetos; Fumaça de cigarros; Cheiros fortes (inclusive perfumes e desodorantes); Ar frio Rinite alérgica
  13. 13. Sintomas Rinorreia (corrimento de mucosidades do nariz), Coriza, Congestão nasal, Prurido (coceira) e ardor nos olhos, nariz e garganta, Espirros constantes e algumas vezes vômito. Tratamento Basicamente é feito com antialérgicos (anti-histamínicos, a histamina é a substância produzida endogenamente que provoca reações alérgicas); O melhor é evitar; Rinite alérgica
  14. 14. Os anti-histamínicos mais comuns são a dexclorfeniramina (Polaramine®) e a loratadina (Claritin®); Reações adversas (menos comuns com a loratadina): sonolência leve ou moderada; urticária, coceira, prurido, erupções na pele, sensibilidade na pele quando exposta ao sol, aumento do suor, calafrios, pressão baixa, dor de cabeça, palpitação, choque anafilático, boca, nariz e garganta seca, sedação, agitação, perda de apetite, fraqueza, nervosismo, aumento da quantidade de micções, dor ao urinar, azia, visão borrada. Rinite alérgica - Tratamento
  15. 15. Rinite alérgica - Tratamento
  16. 16. Pacientes com rinite alérgica podem ter outras condições como asma ou dermatite atópica. Dos pacientes com rinite alérgica, 20% também têm sintomas de asma. Rinite alérgica não controlada pode provocar piora da asma Sinusite ocorre com bastante frequência. Outras complicações possíveis incluem otite média, distúrbio do sono ou apneia, problemas dentários e anormalidades no palato (respiração predominantemente pela boca). Pólipos nasais ocorrem associados à rinite alérgica, embora não esteja claro se a rinite alérgica causa os pólipos de fato. Os pólipos podem não responder ao tratamento médico e podem predispor o paciente a sinusite ou distúrbio do sono (devido à congestão). Rinite alérgica - Consequências
  17. 17. Sinusite é uma doença com base inflamatória e/ou infecciosa que acomete as cavidades existentes ao redor do nariz (sinos ou seios da face). Estas deveriam comunicar-se com as fossas nasais sem impedimentos. São cavidades revestidas por uma mucosa que necessita ventilação para a manutenção da normalidade na região. Sinusite
  18. 18. Sintomas: após infecção viral, inflamação de origem alérgica ou por poluentes, a mucosa da região nasal aumenta de volume e obstrui a comunicação destas cavidades com as fossas nasais. Esta obstrução acarreta o início da colonização por germes e fungos que estão presentes na região e que não encontravam condições favoráveis ao seu crescimento mas que agora encontram. Tratamento: O tratamento é feito com analgésicos, medicamentos para melhorar a permeabilidade nasal e antibióticos específicos aos germes que forem encontrados na região. Trata-se com medicamentos antifúngicos as infecções fúngicas sinusais. Cuidados: evitar as infecções virais e a manutenção da permeabilidade nasal durante essas viroses; o correto tratamento dos problemas alérgicos; a correção cirúrgica de eventuais desvios septais obstrutivos e/ou cornetos nasais obstrutivos podem prevenir as sinusites. Quem vive em regiões frias ou com grandes variações climáticas ao longo dos dias ou meses, deve tomar cuidados mais intensos pela propensão maior da doença. Sinusite
  19. 19. Bronquite é a inflamação do brônquios, canais pelos quais o ar chega até os alvéolos. Existem dois tipos, a bronquite aguda, que geralmente é causada por vírus ou bactérias e que dura diversos dias até semanas; e a bronquite crônica com duração de anos, não necessariamente causada por uma infecção, e geralmente faz parte de uma síndrome chamada DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica). Bronquite Brônquio normal Bronquite
  20. 20. Tosse; Expectoração; Falta de ar; Sibilância; Febre quando a bronquite crônica estiver associada à uma infecção respiratória; Cansaço; Falta de apetite; Catarro mucóide (na maioria das vezes muco claro ou branco, purulento se tiver alguma infecção). Bronquite – Sinais e sintomas
  21. 21. Esta doença é definida quando há presença de tosse com muco (catarro) na maioria dos dias do mês, em 3 meses do ano, por dois anos sucessivos, sem outra doença que explique a tosse. Bronquite Quase todos os casos da doença ocorrem pelo efeito nocivo do fumo nos pulmões por vários anos, o que determina uma inflamação da mucosa dos brônquios (tubos que espalham o ar dentro dos pulmões). A bronquite crônica pode preceder ou acompanhar o enfisema. Ela afeta pessoas de todas as idades, mas, geralmente, aquelas com mais de 45 anos.
  22. 22. A bronquite crônica surge, na maioria dos casos, após 20 a 30 anos de exposição das vias aéreas (brônquios) a irritantes como o fumo, poluição do ar e outras fontes. Estes fazem com que ocorram modificações na mucosa dos brônquios. A mucosa é o revestimento interno destes tubos que dão passagem ao ar. Na bronquite crônica , ocorre uma hipertrofia (aumento) nas glândulas que fazem o muco e uma inflamação nos bronquíolos (brônquios de diminuto diâmetro) que limita o fluxo de ar. Quando há uma piora na inflamação – como nas infecções dos brônquios por bactérias – a produção de muco aumenta consideravelmente. Atualmente, usamos mais o termo doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) quando nos referimos à bronquite crônica e ao enfisema pulmonar, pois elas, geralmente, coexistem no mesmo doente e apresentam obstrução ao fluxo de ar. Bronquite crônica
  23. 23. Eliminar o cigarro e repousar para evitar respirar em ambientes de gás tóxico e poluição.. Agentes Mucolíticos e Fluidificantes diminuem a viscosidade do catarro e assim evitam que com a secagem da secreção forme obstruções nos brônquios. Com a diminuição da viscosidade da secreção, as vias respiratórias ficam menos congestionadas, e assim há uma melhora significante da respiração. A oxigenoterapia (uso de oxigênio em casa), quando necessária, também pode melhorar os sintomas; Além disso, antibióticos ajudam muito nos casos de exacerbação da doença, quando resultam de uma infecção bacteriana nos brônquios. Bronquite – Tratamento
  24. 24. Corticóides (medicamentos utilizados para controlar a inflamação crônica dos brônquios minimizam os sintomas. Broncodilatadores: melhoram o fluxo de ar nesta doença, aliviando a falta de ar e a sibilância. Podem ser utilizados através de nebulizações, nebulímetros (semelhantes à "bombinha" da asma), comprimidos, xaropes, etc. O meio mais prático é o uso dos nebulímetros pois estes podem ser utilizados tanto em casa quanto fora, além de apresentarem menor freqüência de efeitos indesejáveis. Bronquite – Tratamento
  25. 25. Asma brônquica é uma doença pulmonar frequente e que está aumentando em todo o mundo. Esta doença se caracteriza pela inflamação crônica das vias aéreas (todas as vias), o que determina o seu estreitamento, causando dificuldade respiratória. Asma Este estreitamento é reversível e pode ocorrer em decorrência da exposição a diferentes fatores desencadeantes ("gatilhos"). Esta obstrução à passagem de ar pode ser revertida espontaneamente ou com uso de medicações.
  26. 26. As pessoas asmáticas reagem demais e facilmente ao contato com qualquer "gatilho" (estímulo). Dentre estes, os mais comuns são: alterações climáticas, o contato com a poeira doméstica, mofo, pólen, cheiros fortes, pêlos de animais, gripes ou resfriados, fumaça, ingestão de alguns alimentos ou medicamentos. A mucosa brônquica, que é o revestimento interno das vias aéreas, está constantemente inflamada por causa da hiper- reatividade brônquica (sensibilidade aumentada dos brônquios). Nas crises de asma, esta hiper-reatividade brônquica aumenta ainda mais e determina o estreitamento das vias aéreas. Este fenômeno leva à tosse, chiado no peito e falta de ar. Asma
  27. 27. Alguns vírus e bactérias causadoras de infecções respiratórias também podem estar implicadas em alguns casos de asma que se iniciam na vida adulta. A asma brônquica pode iniciar em qualquer etapa da vida. Na maioria das vezes, inicia na infância e poderá ou não durar por toda a vida. Caracteristicamente, nesta doença os sintomas aparecem de forma cíclica, com períodos de piora. Dentre os sinais e sintomas principais, estão: tosse - que pode ou não estar acompanhada de alguma expectoração (catarro). Na maioria das vezes, não tem expectoração ou, se tem, é tipo "clara de ovo"; falta de ar chiado no peito (sibilância) dor ou "aperto" no peito. Os sintomas podem aparecer a qualquer momento do dia, mas tendem a predominar pela manhã ou à noite. Asma
  28. 28. A asma é a principal causa de tosse crônica em crianças e está entre as principais causas de tosse crônica em adultos. Tratamento: para se tratar a asma, a pessoa deve ter certos cuidado com o ambiente, principalmente na sua casa e no trabalho. Junto, deverá usar medicações e manter consultas médicas regulares. Duas classes de medicamentos têm sido utilizadas para tratar a asma: Broncodilatadores e Antiinflamatórios corticóides. Asma
  29. 29. A tosse é um reflexo natural do aparelho respiratório que surge como conseqüência de um processo irritativo. Tossir é sintoma presente em muitas doenças: do resfriado comum ao câncer de pulmão. Embora poucos saibam, sinusite, por exemplo, é causa freqüente de tosse, principalmente em crianças. Em muitos aspectos, o reflexo natural da tosse é benéfico: ajuda a expulsar secreção ou corpos estranhos. O fumo é a principal causa de tosse, pelas seguintes razões: 1) aumenta o volume de muco produzido pelos brônquios; 2) causa irritação física e química das mucosas; Tosse
  30. 30. Tosse produtiva: é aquela que auxilia a eliminação das secreções (catarro) acumuladas nas vias respiratórias. É, portanto, uma tosse útil e necessária, que não deve ser bloqueada. Nesse caso, administram-se bronquiodilatadores, mucolíticos e fluidificantes. Tosse seca e improdutiva: é uma forma irritativa de tosse que não tem qualquer função útil, seja para criança, para o adulto ou para o idoso. Representa, por isso, um tipo de tosse que deve ser controlada por medicamentos antitussígenos (de ação central), ou seja, remédios produzidos especialmente para controlar a tosse seca e improdutiva. Tosse produtiva x improdutiva

×