Fundamentos de Análise de Negócios

4.521 visualizações

Publicada em

Fundamentos de Análise de Negócios

Publicada em: Negócios
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.521
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
399
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fundamentos de Análise de Negócios

  1. 1. Fundamentos de Análise de Negócios versão 1.2
  2. 2. Quem é o instrutor? CBAP®, PMP® • marcelomneves@gmail.com • +15 anos de experiência • Palestrando • Fazendo análise de negócios • Gerenciando Projetos • Escrevendo • Preside o IIBA®-RJ 2 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  3. 3. Vamos nos apresentar? • Qual é o seu nome? • Qual é a sua empresa? • Quantos anos de experiência? 3 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  4. 4. Será que precisamos de analistas de negócios? Será que as empresas precisam realmente de um analista de negócios? Apenas 35% dos projetos foram concluídos com sucesso em 2006. Fonte: CAOS Report 2007 Necessidade de otimização de processos Terceirização Exigências regulatórias 4 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  5. 5. Será que precisamos de analistas de negócios? Como o analista de negócios pode ajudar a organização? O analista pode ajudar antes mesmo do início do projeto. O analista pode investigar as causa raiz de um problema antes de iniciar o projeto. O analista ajuda durante o projeto na garantia de satisfazer as necessidades das partes interessadas. O analista de negócios pode e deve garantir que a solução que está sendo entregue atende os requisitos levantados na fase de elicitação. 5 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  6. 6. Vamos a um exemplo real Como um analista de negócios poderia ajudar neste caso? 6 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  7. 7. Como um analista de negócios poderia ajudar nesse caso? A seguinte série de questões ilustra como um analista de negócios poderia ter ajudado a resolver o problema utilizando a técnica dos 5 Por quês: AN – “Por que o nível de serviço é um problema?” Negócio – ‘Isto é um problema porque nossos clientes reclamam que os sites ficaram fora do ar por muito tempo.’ AN – “Por que os sites ficam fora do ar?” TI – “Nossos técnicos identificaram um defeito no sistema operacional Linux da Red Hat que permitiu uma invasão por crackers.” AN – “Por que os nossos técnicos ainda não aplicaram o patch de correção?” TI – ‘Porque nós não localizamos o patch de correção.’ AN – “Por que ainda não localizamos o patch de correção?” TI – ‘Porque nós não temos contratado o serviço de atualizações do sistema operacional da Red Hat.’ AN – “Nós precisamos desse serviço?” TI – ‘Certamente que sim’. 7 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  8. 8. O IIBA – International Institute of Business Analysis • O IIBA® é o Instituto Internacional de Análise de Negócios sem fins lucrativos com o objetivo de facilitar o trabalho de profissionais que atuam na área de análise de negócios • Fundado em 2003 • Edita e distribui o BABOK® • Promove a certificação CBAP® 8 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  9. 9. O BABOK® – Business Analysis Body of Knowledge O BABOK® é o Guia para o Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios Contém técnicas, atividades e tarefas que o analista de negócios utiliza no dia a dia O BABOK® em português sai nos próximos meses Está na versão 2.0 Acesso gratuito em http://www.babokonline.org 9 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  10. 10. O que é análise de negócios? Análise de Negócios é o conjunto de tarefas e técnicas utilizadas para o trabalho, como ligação entre as partes interessadas, a fim de compreender a estrutura, as políticas e operações da organização, para recomendar soluções que permitam a organização alcançar seus objetivos. – BABOK® 2.0 10 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  11. 11. Quem é o analista de negócios? Não precisa ter o cargo de analista de negócios Qualquer pessoa que realize as atividades de análise de negócios O AN pode possuir um dos 2 perfis: TI e área de negócios O AN geralmente se reporta para um dos 3 departamentos: TI, Unidade de Negócios e BACE BACE - Business Analysis Center of Excellence Também chamado de Escritório de Processos O BACE é similar a um PMO O BACE suporta os AN´s fornecendo uma lista de técnicas e padrões 11 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  12. 12. O que o analista de negócios faz? Atividade (15 minutos): Faça uma lista das atividades que o analista de negócios executa no dia a dia. 12 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  13. 13. O que o analista de negócios faz? • Entende a organização • Identifica necessidades e problemas, mesmo que estas não estejam claramente identificadas • Facilita o entendimento entre as partes interessadas • Sugere e valida as melhores soluções para a organização • Modela os processos • Documenta os processos • Coleta os requisitos • Planeja as mudanças • Trabalha em conjunto com o gerente de projetos • Trabalha em contato estreito com as partes interessadas • Avaliação a solução final 13 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  14. 14. Analista de Negócios de TI versus Analista de Negócios Analista de Negócios de TI Analista de Negócios Trabalha no contexto dos Trabalha no contexto da projetos de TI organização de um modo em geral Geralmente a solução é a compra, desenvolvimento Foco em melhoria de ou manutenção de processos software e hardware Trabalha junto as áreas Trabalha fazendo o elo de de negócios da ligação entre a TI e as organização áreas de negócios da organização 14 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  15. 15. O que você faz? • Que atividades de análise de negócios você executa no dia a dia? • Qual é o seu perfil de analista de negócios? TI ou área de negócios? 15 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  16. 16. Certificação CBAP® – Certified Business Analysis Professional • Experiência de 7.500 horas (5 anos) em análise de negócios nos últimos 10 anos • Experiência de 900 horas (6 meses) em pelo menos 4 das 6 áreas de conhecimento listadas no BABOK® • Segundo grau completo • 21 horas de treinamento profissional nos últimos 4 anos (EEP) • 2 Referências que certifiquem sua elegibilidade • Experiência de 3.750 horas (5 anos) em análise de negócios nos últimos 7 anos • Experiência de 900 horas em pelo menos 2 das 6 áreas de conhecimento listadas no BABOK® • Segundo grau completo • 21 horas de treinamento profissional nos últimos 4 anos (EEP) • 2 Referências que certifiquem sua elegibilidade 16 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  17. 17. O Analista de Negócios e o time do projeto • Patrocinador • Gerente de Projetos • Outros analistas de negócios • Especialistas de negócio • Desenvolvedores • Analista da Garantia da Qualidade • Arquiteto de TI • DBA • Fornecedores 17 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  18. 18. O Analista de negócio e o Gerente de Projetos GP => Responsável por garantir que o produto seja entregue no tempo e custo estimados AN => Responsável por garantir que o produto seja construído de acordo com os requisitos Gerente de Projetos Primeiro a ser atribuído ao projeto Planeja o projeto e garante que o time siga o plano Gerencia mudanças, problemas e “faz o projeto andar” Gerencia pessoas, recursos, riscos e escopo do projeto Ajudar a vencer obstáculos Analista de Negócios Geralmente é atribuído ao projeto depois do seu início Entende os processos e promove sua melhoria Responsável por fazer a ponte entre as partes interessadas e a TI Aprende as necessidades do negócio e o contexto da organização 18 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  19. 19. O que torna alguém um bom analista de negócios? • Ser bom comunicador • Ter bom entendimento de negócios • Ter conhecimento de tecnologia • Ser desbravador • Ser organizado para lidar com grande quantidade de informação • Ser flexível • Entender o processo de desenvolvimento de software • Conseguir determinar a causa raiz dos problemas • Ter sempre a mão as ferramentas do bom AN 19 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  20. 20. Termos e Conceitos Chave Requisito é uma condição necessária para obter Domínio é a área que está em análise. ou preencher certo objetivo. Requisitos de Negócio São declarações de alto nível de metas, objetivos ou necessidades da organização. Requisitos das Partes Interessadas Solução é o conjunto de mudanças que afeta o São declarações de necessidades de uma parte estado corrente da organização com o objetivo interessada ou um grupo delas. de cumprir uma necessidade do negócio, resolver um problema ou aproveitar uma Requisitos Funcionais da Solução oportunidade. Descreve o comportamento da solução. Requisitos Não-Funcionais da Solução Descreve condições que a solução deve possuir. Requisitos de Transição Descreve capacidades que a solução deve reunir Regra de negócio define o para facilitar a transição entre o estado corrente e comportamento do negócio e estado futuro. independe de tecnologia. 20 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  21. 21. Atividade em grupo (25 minutos) Projeto: Um Laptop por Criança Copyright© 2010 - Anelosoft® 21
  22. 22. Atividade em grupo (25 minutos) Projeto: Um Laptop por Criança “One laptop per child” (um laptop por criança) é um conceito. É um projeto de educação, não um projeto de laptop. Pode ser implementado em mais de uma maneira, de forma alguma limitado ao paradigma do chamado "laptop de US$100, da associação sem fins lucrativos OLPC. O argumento para a OLPC é simples: muitas crianças — especialmente aquelas em áreas rurais dos países em desenvolvimento — têm tão pouco acesso à escola — em alguns casos só a sombra de uma árvore; que construir escolas e capacitar professores é o único caminho — talvez o mais lento – para aliviar a situação. Ainda que programas de construção de escolas e educação dos professores não devam parar, um outro método paralelo aconselhado pela OLPC é potencializar as próprias crianças, engajando-as mais diretamente na sua própria aprendizagem. Pode soar implausível equipar as crianças mais pobres com laptops conectados, quando mesmo as mais ricas não os têm, mas não é esse o ponto. Os laptops podem ser accessíveis e as crianças são mais capazes do que se acredita que sejam. Fonte: http://wiki.laptop.org/go/Um_Laptop_por_Criança Enumere 5 requisitos de cada tipo (requisitos de negócio, das partes interessadas, funcionais, não-funcionais e de transição) para o projeto acima. Copyright© 2010 - Anelosoft® 22
  23. 23. Que conhecimento e habilidades o analista de negócios precisa ter?
  24. 24. Habilidades necessárias do Analista de Negócios Habilidades Técnicas Habilidades Sociais Conhecimento de TI Conhecimento do Negócio 24 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  25. 25. Habilidades Técnicas UML BPMN BPD Prototipação DFD (Quê ?!!?!??!) Testes Técnicas de elicitação Metodologias 25 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  26. 26. Habilidades Sociais • Aprendizado • Poder de síntese • Negociação • Saber Analisar • Criatividade 26 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  27. 27. Conhecimento de TI Conhecer Arquitetura Conhecer Programação Conhecer Ciclo de Desenvolvimento de Software Utilizar Suíte de Escritório Utilizar Ferramentas de Colaboração Conhecer Software em Geral Não precisa saber programar Não precisa saber instalar software Não precisa saber gerenciar projetos Não precisa saber arquitetar aplicações 27 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  28. 28. Conhecimento de Negócio Missão Representa a razão de existência de uma organização Está intimamente ligada não somente ao lucro, mas ao seu objetivo social. Toda missão dever nortear os objetivos financeiros, humanos e sociais da organização. Para definir a missão de uma organização algumas perguntas devem ser respondidas como: Qual o nosso negocio? Quem é o nosso cliente? Que satisfação ele quer ao comprar nosso produto? Visão Deve ser a situação futura desejada a longo prazo, dever ser uma meta ambiciosa, e servir como um guia para a definição dos objetivos e a realização da missão. É o sonho da organização, é o futuro do negocio e onde a organização espera estar nesse futuro. Material de Marketing Relatórios Financeiros Plano Estratégico Processos Objetivos Pessoas 28 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  29. 29. Exemplo – Google 29 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  30. 30. Conhecimento de Negócio – Cadeia de Valor Fonte: MICHAEL PORTER, 1985 A cadeia de valor designa uma série de atividades relacionadas e desenvolvidas pela empresa a fim de satisfazer as necessidades dos clientes, desde as relações com os fornecedores e ciclos de produção e venda até a fase da distribuição para o consumidor final. Cada elo dessa cadeia de atividades está interligado. 30 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  31. 31. Conhecimento de Negócio – Cadeia de Valor São as atividades relevantes de uma empresa: a) atividades que representam custos importantes b) atividades que podem diferenciar a empresa das outras “Toda empresa é uma reunião de atividades que são executadas para projetar, produzir, comercializar, entregar e sustentar seu produto “ “A cadeia de valor não é uma coleção de atividades independentes e sim um sistema de atividades interdependentes” “O modo como cada atividade é executada, combinado com seu custo, determinará se uma empresa tem custo alto ou baixo em relação à concorrência. O modo como cada atividade de valor é executada também irá determinar sua contribuição para as necessidades do comprador, e assim, para a diferenciação” “As atividades de valor são, portanto, os blocos de construção distintos da vantagem competitiva. Uma comparação das cadeias de valores dos concorrentes expõe as diferenças que determinam a vantagem competitiva” “O valor, e não o custo, deve ser usado na análise da posição competitiva de uma empresa” Fonte: Michael Porter, 1989 31 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  32. 32. Tipos de Processo • PRIMÁRIOS – Processos que adicionam valor ao produto/serviço que a organização fornece ao cliente. – “Core business” – Não podem parar – Processos Primários = $$$ • APOIO – Não adicionam valor, porém são necessários para garantir que os processos primários continuem a funcionar. – Exemplo: TI – “É só despesa!” • GESTÃO– Processos que gerenciam os processos primários e de apoio Os processos são delimitados por regras. 32 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  33. 33. Regras Define ou restringe algum aspecto do negócio Define como os processos vão ser executados São criadas pela organização São criadas por organismos externos a organização 33 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  34. 34. Objetivos Constituem a estratégia da organização É o que a organização deseja atingir Podem ser distribuídos pela organização 34 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  35. 35. O que é estratégia? Kaplan e Norton dizem que estratégia é: “como a organização pretende criar valor para os clientes e seus acionistas.” “se baseia na proposição de valor diferenciada para os clientes.” 35 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  36. 36. A estratégia Porter (1989) argumenta que a estratégia consiste em selecionar um conjunto de atividades em que a organização será excelente, criando a diferenciação sustentável no mercado. Isso pode consistir em fornecer aos clientes um maior valor do que os concorrentes ou em fornecer valor comparável, porém com um custo mais baixo que os concorrentes. Sua solução é ser diferente. Portanto, Porter sugere que as empresas escolham sempre um conjunto diferente de atividades em relação aos concorrentes para fornecer um conjunto único de valor. Além disso, Porter alerta que, para as empresas serem diferentes de seus concorrentes, precisam fazer escolhas, ter foco e saber o que fazer e o que não fazer. Qual é a estratégia da Apple? 36 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  37. 37. Resumo A missão gera estratégias. As estratégias são implementadas através de táticas. A visão é composta de objetivos. Os objetivos são divididos em metas. Os objetivos são alcançados através de processos. As regras definem ou impõe algum limite a tudo. 37 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  38. 38. Modelos de Ciclo de Vida de Desenvolvimento de Software
  39. 39. Modelo em Cascata Vantagens • Fases bem definidas • Foco no planejamento • A fase seguinte só se inicia, geralmente, caso o cliente aceite os artefatos produzidos na fase anterior. Desvantagens • Exige que o cliente estabeleça todos os requisitos no início do projeto • Cliente só começará a visualizar o Fonte: Wikipedia produto apenas perto do fim do projeto • Alguns membros de equipe do projeto precisam esperar que outros membros terminem as tarefas dependentes para que o projeto prossiga 39 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  40. 40. Modelo Ágil Vantagens • Diminuição da expectativas dos clientes por entregas • Rápida adaptação a mudanças • Maior satisfação dos clientes Desvantagens • Não tem como foco o gerenciamento de riscos • O projeto, até a sua entrega final, pode ter um prazo maior do que o esperado. • A determinação da data fim do projeto é feita apenas ao longo deste • Custo do projeto também é conhecido apenas ao longo do projeto • Exige mais tempo no controle dos custos Fonte: www.modernanalyst.com Exemplos: XP, FDD, SCRUM, DSDM e ASD 40 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  41. 41. Exemplo - SCRUM SCRUM é uma metodologia ágil para construção de software de forma incremental e em ambientes complexos, onde os requisitos NÃO são claros ou mudam frequentemente. Fonte: Wikipedia Características: • SCRUM divide o desenvolvimento em SPRINTS de 30 dias • Equipes de no máximo 7 pessoas • Funcionalidades definidas no início de cada SPRINT • Reunião diária de 15 dias minutos onde o time expõe o que será feito • Todos devem responder às seguintes perguntas: O QUE VOCÊ REALIZOU DESDE A ÚLTIMA REUNIÃO? QUAIS PROBLEMAS VOCÊ ENFRENTOU? NO QUE VOCÊ TRABALHARÁ ATÉ A PRÓXIMA REUNIÃO? 41 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  42. 42. Áreas de Conhecimento do BABOK® Copyright© 2010 - Anelosoft® 43
  43. 43. Áreas de Conhecimento do BABOK® Planejamento da Análise de Negócios Análise Corporativa Elicitação Análise de Requisitos Gerenciamento e Comunicação de Requisitos Avaliação e Validação da Solução Competências Fundamentais 44 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  44. 44. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios é a área de conhecimento que descreve o planejamento da análise de negócios e apenas dela. Destaca as técnicas e tarefas para o planejamento e organização das atividades de requisitos e o trabalho de monitoramento da análise de negócios para garantir que a mesma produza os resultados desejados. Uma das técnicas dessa área de conhecimento é a Análise das Partes Interessadas. Essa análise está limitada as partes interessadas nas atividades da análise de negócios. O foco do BABOK® 2 foi alterado no que tange as iniciativas. Antes utilizavam-se termos como ciclos de desenvolvimento de sistemas “em cascata”, “iterativo” e “ágil”. Estes termos foram substituídos por ciclo de vida de projetos "orientado ao planejamento" e "orientado a mudança". Foi acrescentado no BABOK® 2 a tarefa de monitorar e medir o desempenho da análise de negócios. 45 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  45. 45. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 Objetivo Identificar tarefas da análise de negócios e as partes interessadas que interessam para a análise de negócios Responde a seguinte pergunta O que eu preciso fazer? Valor Quem precisa ser envolvido O que precisa ser feito Monitorar progresso Como coordenar ações de Análise de Negócios com as demais ações do projeto 46 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  46. 46. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 47 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  47. 47. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 1 - Planejar a Abordagem da Análise de Negócios Descreve o processo geral para o trabalho. Descreve COMO e QUANDO as tarefas serão executadas. As técnicas utilizada e as entregas produzidas. 48 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  48. 48. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 2 - Conduzir a Análise das Partes Interessadas É a atividade que envolve descobrir o seguinte: • As partes interessadas afetadas pela iniciativa proposta • As partes interessadas afetadas que compartilham a mesma necessidade do negócio Inicia assim que a necessidade de negócio ou oportunidade for identificada. Uma das principais ferramentas utilizada aqui é a Matriz RACI. A saída desta atividade é a lista das partes interessadas, seus papéis e responsabilidades que inclui: • Lista de papéis exigidos • Nomes e títulos das partes interessadas • Categoria das partes interessadas • Localização das partes interessadas • Necessidades especiais • Descrição da influência e interesse das partes interessadas • Descrição do nível de autoridade das partes interessadas 49 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  49. 49. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 3 - Planejar as Atividades da Análise de negócios O analista de negócios precisa determinar: • O escopo do trabalho da análise de negócios • Entregas exigidas • Estimar esforço para realizar as entregas no tempo certo • Identificar ferramentas para medir o progresso do seu trabalho • Identificar quais atividades e como elas serão executadas • Determinar as métricas de qualidade das suas entregas A saída desta atividade é o Plano de Análise de Negócios. 50 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  50. 50. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 4 - Planejar a Comunicação da Análise de Negócios Planejar a comunicação envolve: • Qual é a melhor forma de receber, distribuir, acessar e atualizar a informação • Qual é a melhor maneira de se comunicar com as partes interessadas O Plano que é gerado ao fim desta atividade inclui o seguinte: • O que precisa ser comunicado • Qual é o método mais apropriado • Quem será comunicado • Quando a comunicação deve ocorrer • Necessidades e restrições das partes interessadas relevantes para a comunicação • Abordagem da comunicação • Tipos de comunicação e outros ... 51 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  51. 51. Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócios – BABOK® 2 5 – Planejar o Processo de Gerenciamento de Requisitos O Processo de gerenciamento de requisitos inclui: • Aprovação dos requisitos para implementação • Gerenciamento de mudanças • Determinar o processo para uma determinada iniciativa ou projeto • Quem irá ser informada das mudanças • Quem precisa saber das mudanças aprovadas • Como as mudanças serão analisadas, aprovadas e implementadas 52 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  52. 52. Elicitação – BABOK® 2 Elicitação é a área de conhecimento que essencialmente enumera técnicas para descobrir/coletar requisitos. Existem 9 técnicas utilizadas na elicitação: • Brainstorming • Entrevistas • Workshop de requisitos • Análise de Documentação • Grupos Focais • Análise de Interfaces • Observação • Prototipação • Pesquisa/questionários Copyright© 2010 - Anelosoft® 53
  53. 53. Elicitação – BABOK® 2 Objetivo Coletar (elicitar) requisitos das partes interessadas Responde a seguinte pergunta Do que as partes interessadas precisam? Valor Técnicas para coleta dos requisitos Copyright© 2010 - Anelosoft® 54
  54. 54. Elicitação – BABOK® 2 Copyright© 2010 - Anelosoft® 55
  55. 55. Elicitação – BABOK® 2 1 - Preparar para Elicitação O objetivo desta atividade é garantir que todos os recursos necessários para as atividades de elicitação estão organizados e agendados. Preparar para Elicitação envolve construir um cronograma detalhado para uma atividade de elicitação, definindo datas e atividades específicas. A saída desta atividades são os recursos agendados e o material de apoio. Copyright© 2010 - Anelosoft® 56
  56. 56. Elicitação – BABOK® 2 2 - Conduzir a Atividade de Elicitação O propósito dessa atividade é fazer a elicitação propriamente dita. Existem 9 técnicas utilizadas na elicitação: • Brainstorming • Entrevistas • Workshop de requisitos • Análise de Documentação • Grupos Focais • Análise de Interfaces • Observação • Prototipação • Pesquisa/questionários A saída são os resultados da elicitação. Copyright© 2010 - Anelosoft® 57
  57. 57. Elicitação – BABOK® 2 3 - Documentar Resultados da Elicitação O propósito desta atividade é registrar o resultado das atividades de elicitação. A saída desta atividade são os requisitos com o status DECLARADO e também as preocupações das partes interessadas. Essas preocupações incluem: problemas, riscos, premissas, restrições e qualquer outra informação relevante. Copyright© 2010 - Anelosoft® 58
  58. 58. Elicitação – BABOK® 2 4 - Confirmar Resultados da Elicitação O objetivo desta atividade é validar que os requisitos foram registrados conforme o entendimento passado pela parte interessada. As seguintes técnicas podem ser utilizadas para validar os resultados: Observação e Entrevista. A saída desta atividade são os requisitos com o status DECLARADO e CONFIRMADO. Copyright© 2010 - Anelosoft® 59
  59. 59. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 Esta área de conhecimento inclui atividades e técnicas para o gerenciamento e comunicação de requisitos através do ciclo de vida do projeto e além dele. Uma das tarefas dessa área de conhecimento é o registro dos requisitos. Copyright© 2010 - Anelosoft® 60
  60. 60. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 Objetivo •Comunicar resultados da análise de negócios •Identificar e gerenciar as mudanças Responde a seguinte pergunta Todas os envolvidos entenderam e estão de acordo? Valor •Entendimento único entre as partes interessadas •Formalização do que foi acordado •Garantia de que as metas e objetivos de negócio foram alcançados através da solução Copyright© 2010 - Anelosoft® 61
  61. 61. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 Copyright© 2010 - Anelosoft® 62
  62. 62. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 1 - Gerenciar Escopo e Requisitos da Solução O propósito é obter e manter consenso entre as partes interessadas chave com relação a solução que será entregue e os requisitos que serão implementados. Envolve as seguintes tarefas: • Obter aprovação das partes interessadas • Gerenciar problemas • Utilizar o processo de gerenciamento de mudanças A saída desta atividade são os requisitos com status APROVADO. Copyright© 2010 - Anelosoft® 63
  63. 63. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 2 - Gerenciar Rastreabilidade dos Requisitos O propósito é manter relacionamentos entre objetivos de negócio, requisitos, outras entregas e componentes da solução para suportar a análise de negócios e outras atividades. A rastreabilidade de requisitos documenta a “genealogia” de cada requisito. A saída desta atividade é são os requisitos com status RASTREADO. Copyright© 2010 - Anelosoft® 64
  64. 64. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 3 - Manter Requisitos para Reutilização Esta atividade envolve: • Identificar requisitos de longa duração para a organização • Criar um repositório para os requisitos A saída desta atividade são os requisitos com status MANTIDOS e REUTILIZÁVEIS. Copyright© 2010 - Anelosoft® 65
  65. 65. Gerenciamento e Comunicação de Requisitos – BABOK® 2 4 - Preparar Pacote de Requisitos O objetivo desta tarefa é selecionar e estruturar requisitos para garantir que estes foram efetivamente comunicados, foram perfeitamente entendidos e são utilizáveis pelas partes interessadas. A preparação do pacote de requisitos pode ser feita para: • Planejamento e avaliação de qualidade • Avaliação de alternativas • Revisão • Implementação • Preparar para reutilização Copyright© 2010 - Anelosoft® 66
  66. 66. Análise Corporativa – BABOK® 2 Como os projetos são formados e de onde os gerentes da sua organização tiram suas ideias para os projetos? Como você pode certificar-se de que seu projeto terá a chance de ser bem sucedido? Tudo isso começa com uma análise corporativa. Análise Corporativa é a área de conhecimento que fornece um contexto para outras atividades e identifica soluções para atingir as necessidades do negócio. Ajuda a avaliar o estado presente e futuro da organização para compreender as mudanças necessárias para atingir as metas e objetivos. O que é projeto? Um projeto é um conjunto único de tarefas ou atividades que levam a um resultado esperado. A criação e o desenho de um carro novo é um projeto, mas a sua fabricação não. Copyright© 2010 - Anelosoft® 67
  67. 67. Análise Corporativa – BABOK® 2 Objetivo •Entender a organização na qual está trabalhando •Entender o contexto Responde a seguinte pergunta Porque estamos fazendo isso? Valor Visão clara do contexto permitindo uma prospecção dos desafios que estão por vir Copyright© 2010 - Anelosoft® 68
  68. 68. Análise Corporativa – BABOK® 2 Copyright© 2010 - Anelosoft® 69
  69. 69. Análise Corporativa – BABOK® 2 Como um analista de negócios determina os esforços que devem ser empregados para desenvolver uma análise em particular? Um projeto caro e de grande visibilidade necessita de uma análise excepcionalmente completa e bem documentada? O objetivo fundamental é fornecer aos que geram decisões a quantidade certa de informações necessárias para se chegar a uma conclusão. Os fatores que determinam o rigor da análise podem incluir: • Grau de risco • Extensão do projeto • Complexidade do projeto • Tamanho (ou impacto potencial) do projeto • Alterações introduzidas no projeto • Dependência de outros projetos ou operações Que projeto irá exigir maior análise? Desenvolver um sistema de controle de ligações ou enviar o homem à lua? 70 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  70. 70. Análise Corporativa – BABOK® 2 1 - Definir Necessidade do Negócio Define o problema ou a oportunidade que a análise de negócios está trabalhando. É um passo crítico para o analista de negócios. A forma como a necessidade do negócio é definida determina as alternativas de soluções, as partes interessadas que serão consultadas e a abordagem de solução será avaliada. Esta tarefa gera a definição completa da necessidade do negócio. 2 - Avaliar Lacunas de Capacidade Identifica as novas capacidades que a organização precisa reunir para alcançar a necessidade do negócio. Esta tarefa gera a lista de capacidades necessárias que a organização precisa ter. Copyright© 2010 - Anelosoft® 71
  71. 71. Análise Corporativa – BABOK® 2 3 - Determinar Abordagem da Solução Determina a abordagem de solução mais viável para a organização alcançar a necessidade do negócio. Descreve uma abordagem geral de como a organização vai criar ou adquirir as novas capacidades para alcançar a necessidade do negócio. Exemplo: Compra de software, implantação de novo processo ou a descrição da metodologia a ser utilizada. Copyright© 2010 - Anelosoft® 72
  72. 72. Análise Corporativa – BABOK® 2 4 - Definir Escopo da Solução Descreve em detalhes a nova solução o suficiente para as partes interessadas entenderem o que foi definido. Esta tarefa gera o escopo da solução. 5 - Definir Business Case Descreve a justificativa para o projeto em termos de valor para o negócio. Para escrever o business case os seguintes documentos são necessários: • Premissas e restrições • Necessidade do negócio • Escopo da solução • Preocupações das partes interessadas O que está incluído no business case? 1. Benefícios 2. Custos 3. Avaliação de Risco 4. Como os custos e benefícios serão avaliados 73 Copyright© 2010 - Anelosoft®
  73. 73. Análise Corporativa – BABOK® 2 Quais são os passos para desenvolver o escopo de um projeto? O BABOK sintetiza a tarefa de levantamento de escopo em 4 etapas: 1. Declaração preliminar do escopo (pode incluir funções, funcionalidades e interações com outros sistemas e pessoas). 2. Descrever a abordagem geral de condução do projeto. 3. Desenvolver uma estimativa de alto nível de tempo e custo. 4. Desenvolver uma estrutura de quebra de trabalho de alto nível. Copyright© 2010 - Anelosoft® 74
  74. 74. Análise Corporativa – BABOK® 2 Atividade (30 minutos): Turistas estrangeiros não têm vez nos sites das empresas aéreas brasileiras – Fonte O globo 10/09/2010 Teste mostra que, no país da Copa de 2014, páginas exigem CPF e até CEP Para o americano Giso Broman, a fluência adquirida em mais de uma década estudando o português seria suficiente para conhecer o Brasil sem limitações. Com apenas 17 dias para viajar por aqui, resolveu planejar tudo antes. Passaria por São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. De Winsconsin, estado onde mora, tentou comprar as passagens de avião nos sites das companhias brasileiras. Foi aí que surgiu uma barreira maior do que a língua: não era possível comprar sem CPF. Broman se deparou com o problema de todos os estrangeiros que tentam viajar pelo Brasil: as companhias aéreas do país que sediará a próxima Copa em 12 cidades, nas cinco regiões, não estão preparados para atender a essa demanda. É a conclusão de uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Relações com o Cliente (IBRC) a pedido do GLOBO. Além de exigir CPF, são diversas as dificuldades detectadas. Alguns sites não têm opção em inglês; exigem muitos cliques e campos de preenchimento; pedem dados inadequados para estrangeiros (como CEP); e às vezes só têm um e-mail para atender ao passageiro. — Identificamos um enorme gargalo no setor de turismo brasileiro, que reflete a falta de visão de negócio das empresas. Imagine se a Copa fosse hoje! — afirmou Alexandre Diogo, presidente do IBRC. — O estrangeiro fica obrigado a comprar passagens em agências de viagem, que em geral oferecem preços maiores, ou a contar com a boa vontade de algum brasileiro disposto a fazer a compra. Copyright© 2010 - Anelosoft® 75
  75. 75. Análise de Requisitos – BABOK® 2 Análise de Requisitos é a área de conhecimento que muitos consideram como sendo “core” para o analista de negócios. Análise de Requisitos lida com a forma como as necessidades das partes interessadas são analisadas, estruturadas e documentadas. O BABOK® 2 apresenta 11 técnicas que são primariamente utilizadas na análise de requisitos. Copyright© 2010 - Anelosoft® 76
  76. 76. Análise de Requisitos – BABOK® 2 Objetivo Analisar os dados coletados Responde a seguinte pergunta O que a solução precisa ser capaz de fazer? Valor Descrição clara e completa dos requisitos que permitirão a construção de a solução desejada Copyright© 2010 - Anelosoft® 77
  77. 77. Análise de Requisitos – BABOK® 2 Copyright© 2010 - Anelosoft® 78
  78. 78. Análise de Requisitos – BABOK® 2 1 - Priorizar Requisitos Esta atividade tem como objetivo garantir que o esforço de análise e implementação tenha como foco os requisitos mais críticos. A saída desta atividade são os requisitos com status PRORIZADO. Copyright© 2010 - Anelosoft® 79
  79. 79. Análise de Requisitos – BABOK® 2 2 - Organizar Requisitos O objetivo desta tarefa é criar uma visão dos requisitos de forma que possam ser entendidos claramente por todas as partes interessadas. Neste caso os requisitos modem ser modelados para organizar os requisitos. Podem ser utilizadas as seguintes ferramentas: • Classes de usuários • Casos de uso • Perfis • Papéis • Eventos • Processos • Regras A saída desta atividade são os requisitos estruturados de forma organizada e legível. Copyright© 2010 - Anelosoft® 80
  80. 80. Análise de Requisitos – BABOK® 2 3 - Especificar e Modelar Requisitos O objetivo é modelar os requisitos de forma a tornar inteligível a comunicação de requisitos com as partes interessadas. É nesta atividade que podem ser utilizados DFD´s, a modelagem de dados, análise de regras de negócios, entre outras. A saída desta atividade são os requisitos com status ANALISADO, ou seja, requisitos especificados e modelados. Copyright© 2010 - Anelosoft® 81
  81. 81. Análise de Requisitos – BABOK® 2 4 - Definir Premissas e Restrições O objetivo desta atividade é identificar as premissas e restrições. A saída desta atividade é a lista de premissas e restrições. Copyright© 2010 - Anelosoft® 82
  82. 82. Análise de Requisitos – BABOK® 2 5 - Verificar Requisitos O objetivo desta atividade é garantir que as especificações e modelagem de requisitos seguem um determinado padrão de qualidade o suficiente para direcionarem o trabalho no futuro. Envolve verificar se os requisitos foram definidos corretamente. A saída desta atividade são os requisitos com status VERIFICADO. Copyright© 2010 - Anelosoft® 83
  83. 83. Análise de Requisitos – BABOK® 2 6 - Validar Requisitos O objetivo desta atividade é garantir que todos os requisitos suportam a entrega de valor para o negócio, preenchendo os objetivos e metas, e atende as necessidades do usuário. ATENÇÃO: O analista de negócios não é responsável apenas pela definição do escopo e dos requisitos. O analista de negócios está comprometido com a entrega de uma solução que atende completamente os requisitos das partes interessadas. Copyright© 2010 - Anelosoft® 84
  84. 84. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 Depois que os requisitos foram aprovados, eles precisam ser implementados. Para tal, a área de conhecimento Avaliação e Validação da Solução garante a escolha da melhor solução. Esta área de conhecimento também menciona o papel do analista de negócios em facilitar a implementação e ajudar a resolver qualquer problema pós-produção. Copyright© 2010 - Anelosoft® 85
  85. 85. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 Objetivo Garantir que a melhor solução será escolhida Responde a seguinte pergunta A solução faz o que se propõe a fazer? Valor •Avaliação das diferentes alternativas •A escolha entre as alternativas Copyright© 2010 - Anelosoft® 86
  86. 86. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 Copyright© 2010 - Anelosoft® 87
  87. 87. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 1 - Avaliar Solução Proposta O propósito desta atividade é avaliar se as soluções propostas atendem os requisitos das partes interessadas. Pode ser utilizada para comparar soluções. Exige o entendimento de cada alternativa. A saída desta atividade é a avaliação da solução proposta. Copyright© 2010 - Anelosoft® 88
  88. 88. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 2 - Alocar Requisitos Esta atividade envolve alocar requisitos de solução e das partes interessadas para maximizar o valor entregue ao negócio dada as opções e alternativas geradas pelo time de desenho. A saída desta atividade são os requisitos com status ALOCADO, ou seja, requisitos que estão prontos para serem implementados. Copyright© 2010 - Anelosoft® 89
  89. 89. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 3 - Avaliar Prontidão da Organização O objetivo desta atividade envolve avaliar se a organização está pronta para fazer uso efetiva da nova solução. A saída desta atividade é a avaliação da prontidão da organização. Copyright© 2010 - Anelosoft® 90
  90. 90. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 4 - Definir Requisitos de Transição Esta atividade tem como objetivo definir os requisitos de transição, ou seja, as capacidades necessárias para a transição da solução existente para a nova solução. A saída desta atividade é a identificação dos requisitos de transição. Copyright© 2010 - Anelosoft® 91
  91. 91. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 5 - Validar Solução O objetivo desta atividade é validar se a nova solução atinge a necessidade do negócio. As saídas desta atividade são: • Defeitos • Ações de mitigação • Avaliação da nova solução Copyright© 2010 - Anelosoft® 92
  92. 92. Avaliação e Validação da Solução – BABOK® 2 6 - Avaliar Desempenho da Solução Esta atividade tem como objetivo avaliar o funcionamento das soluções com o objetivo de identificar oportunidade de melhoria. A saída desta atividade é a avaliação de desempenho da solução. Copyright© 2010 - Anelosoft® 93
  93. 93. Competências Fundamentais – BABOK® 2 As Competências Fundamentais não representam uma área de conhecimento. As competências listadas no BABOK® visam melhorar a efetividade do analista de negócios em realizar o trabalho da análise de negócios. Copyright© 2010 - Anelosoft® 94
  94. 94. Competências Fundamentais – BABOK® 2 Copyright© 2010 - Anelosoft® 95
  95. 95. 34 Técnicas - BABOK® 1 Definição do Critério do Aceite e Avaliação 18 Observação 2 Benchmarking 19 Modelagem da Organização 3 Brainstorming 20 Rastreamento de Problemas 4 Análise de Regra de Negócios 21 Modelagem de Processos 5 Dicionário de Dados e Glossário 22 Prototipação 6 Diagramas de Fluxo de Dados 23 Workshops de Requisitos 7 Modelagem de Dados 24 Análise de Riscos 8 Análise de Decisão 25 Análise da Causa Raiz 9 Análise de Documentação 26 Cenários e Casos de Uso 10 Estimativa 27 Modelagem de Escopo 11 Dinâmicas de Grupo 28 Diagramas de Sequência 12 Decomposição Funcional 29 Diagramas de Estado 13 Análise de Interfaces 30 Revisões Estruturadas 14 Entrevistas 31 Pesquisas/Questionários 15 Processo de Lições Aprendidas 32 Análise SWOT 16 Métricas e Indicadores Chave de Desempenho 33 Histórias do Usuário 17 Análise de Requisitos Não-Funcionais 34 Avaliação de Fornecedores Copyright© 2010 - Anelosoft® 96
  96. 96. O que são regras de negócio? Do ponto de vista de negócios uma regra de negócio é a orientação de que existe uma obrigação concernente a conduta, ação, prática ou procedimento dentro de uma esfera ou atividade particular. Duas características importantes de uma regra de negócio são: 1. Deve haver uma motivação explícita para isso. 2. Deve ter um regime de execução afirmando quais serão as consequências caso a regra seja quebrada. Do ponto de vista de TI uma regra de negócio é uma declaração que define ou restringe algum aspecto do negócio. Destina-se a afirmar a estrutura do negócio, ou para controlar ou influenciar o comportamento do negócio. Copyright© 2010 - Anelosoft® 98
  97. 97. Regras de negócio e processos No corpo humano, o controle é feito pelo sistema nervoso, uma organizada coleção de nervos que se conectam aos músculos. Operações de negócio tem que ter similar coordenação de comportamento. Esta coordenação é suportada pelas regras de negócio. No corpo humano, o poder é fornecido pelos músculos, e nas operações de negócio, ela é suportada pelos processos. Nervos e músculos são coisas distintas, regras de negócio e processos devem ser separados também. Este princípio de separação é chamado Rule Independence. Não incorporar regras de negócios em processos tem enormes benefícios. Business Rule Concepts, 3rd Edition, by Ronald G. Ross, August, 2009 Copyright© 2010 - Anelosoft® 99
  98. 98. Regras de negócio e processos Regras de negócios devem ser externalizadas de processos e estabelecidas como um recurso separado. Rule Independence permite o gerenciamento direto das regras de negócio. Outros benefícios incluem melhores modelos de processo e um maior alinhamento com o negócio. Regras de negócio colocam a organização na verdadeira estrada da agilidade.. Business Rule Concepts, 3rd Edition, by Ronald G. Ross, August, 2009 Copyright© 2010 - Anelosoft® 100
  99. 99. Como identificar uma regra de negócio? Considere a seguinte regra: A autenticação do usuário deve ser cancelada se o usuário informar uma senha errada mais do que 5 vezes. Será que essa regra é uma regra de negócio? Para que uma regra seja uma verdadeira regra de negócio a regra precisa passar pelos 5 testes abaixo: Teste 1. A regra tem que ser viável. Teste 2. A regra tem que ser sobre negócio, e não sobre um sistema que apóia o negócio ou uma plataforma utilizada para implementar um sistema. A regra de ouro aqui é a seguinte: se não existir um sistema, mesmo um lápis e papel, será que a regra continua a ser importante para o negócio? Teste 3. A regra tem que ser expressa na linguagem de negócios e não na linguagem de sistemas ou plataforma. Uma pessoa de negócio tem que ser capaz de entender a regra sem ter sido treinada em TI. Copyright© 2010 - Anelosoft® 101
  100. 100. Como identificar uma regra de negócio? Teste 4. A regra tem que estar sob a jurisdição de negócios. "Sob a jurisdição de negócio" entende-se que a empresa pode adaptar, rever e suspender a regra de negócio como lhe aprouver. Se a regra não está sob a jurisdição de negócios nesse sentido, então não é uma regra de negócio. Por exemplo, a "lei" da gravidade não é obviamente uma regra de negócio. Nem são as 'regras' da matemática. Teste 5. A regra deve tender a remover um certo grau de liberdade. Se é dada alguma orientação, mas não tendem a retirar algum grau de liberdade, ele ainda pode ser útil, mas não é uma regra, por si só. Essa orientação é chamado um conselho (ou às vezes uma não-regra). Considere a seguinte afirmação: A conta bancária pode ser aberta por uma pessoa de qualquer idade. Embora a declaração dá uma certa orientação de negócio, ela não o faz diretamente: Coloca uma obrigação ou proibição de conduzir os negócios. Como a instrução não remove um grau de liberdade, não expressa uma regra de negócio. Copyright© 2010 - Anelosoft® 102
  101. 101. Guia para declaração de regras de negócios Ao declarar uma regra de negócio, verifique esta lista de diretrizes para garantir que você está definindo uma regra de forma clara, consistente e exata: • Declarativas: As regras de negócios não são declaradas de forma procedural. A regra é declarada. • Precisa: Uma regra de negócio deve estar aberta a uma única interpretação. Se o regra pode ser entendida como mais uma coisa, você precisará rever a declaração da mesma. • Atômica: Uma regra de negócio contém um único pensamento completo, não mais de um. A regra de negócio deve ser indivisível, se você tentar quebrar uma verdadeira regra de negócio em partes, você vai perder informações. • Consistente: Um conjunto de regras de negócios não deve conter regras conflitantes. • Não-redundante: Um conjunto de regras de negócios não deve conter regras que indiquem a mesma informação. • Orientadas ao negócio: As regras devem usar termos que sejam significativos e confirmado em todo o âmbito do negócio. • Propriedade do negócios: As regras de negócio são definidas pelo pessoa de negócios e apenas eles podem modificá-la, ou afirmar que a regra não é mais válida (excluir as regras). • Pode também utilizar outras regras: As regras de negócios, podem compor outras regras. Um equívoco comum é que "atômica" significa "não utilizar outras regras". Copyright© 2010 - Anelosoft® 103
  102. 102. Atributos de regras de negócio para a criação do repositório Você precisa capturar os seguintes atributos das regras de negócio para a criação de um repositório: • Nome da regra • Status (proposto, validado, aprovado, ou arquivado) • Entrada em vigor • A data de validade • Descrição • Expressão (uma concisa declaração da regra) • Evento de negócios que ativa regra • Origem: a) código-fonte do sistema b) documentação de processo existente c) TI e pessoal de negócios • Breve "meta-comentários" para documentar o próprio repositório Copyright© 2010 - Anelosoft® 104
  103. 103. O que é modelagem de processos de negócios ? A modelagem ajuda a entender melhor os processos. Ajuda a identificar problemas nos processos.Facilita a comunicação. Modelagem é a atividade de representar os processo da organização com o objetivo de analisar e aperfeiçoar o processo. Uma ferramenta de modelagem é uma ferramenta específica para o desenho, documentação e detalhamento de processos de negócio; não consegue, entretanto, executar o processo. Alguns BPMS possuem ferramentas de modelagem inseridas em seu sistema. Copyright© 2010 - Anelosoft® 106
  104. 104. Business Process Management Business Process Management, ou Gerenciamento de Processos de Negócio. Inclui a mapeamento, projeto e entrega de processos de negócios. É a representação gráfica para especificar processos de negócio na modelagem de processos. A versão corrente é a 1.2 e a versão 2.0 está no forno! BPMN é uma notação baseada na técnica de fluxograma e é muito parecido com diagramas de atividades do UML. Exemplo de processo desenhado em BPMN Copyright© 2010 - Anelosoft® 107
  105. 105. Elementos gráficos básicos do BPMN Copyright© 2010 - Anelosoft® 108
  106. 106. Última Mensagem Prazo é prazo ! Copyright© 2010 - Anelosoft® 110
  107. 107. Última Mensagem Nem sempre as coisas saem conforme o esperado Copyright© 2010 - Anelosoft® 111
  108. 108. Última Mensagem Copyright© 2010 - Anelosoft® 112
  109. 109. Última Mensagem O que serve para um cliente pode não servir para outro Copyright© 2010 - Anelosoft® 113
  110. 110. Última Mensagem IDADE DA PEDRA IDADE DO BRONZE IDADE DO FERRO IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE DA INFORMÁTICA Copyright© 2010 - Anelosoft® 114
  111. 111. Última Mensagem JÁ TOMEI MM... BANH FOI O RÁPIDO. Copyright© 2010 - Anelosoft® 115
  112. 112. Última Mensagem Copyright© 2010 - Anelosoft® 116
  113. 113. Última Mensagem Escolha sempre a ferramenta mais apropriada Atrasado Bêbado Batom Copyright© 2010 - Anelosoft® 117
  114. 114. Última Mensagem O bom da Internet é que ninguém sabe que você é um cachorro... Copyright© 2010 - Anelosoft® 118
  115. 115. Última Mensagem Alguém aqui sabe jogar o Flight Simulator da Microsoft? Copyright© 2010 - Anelosoft® 119
  116. 116. Última Mensagem Copyright© 2010 - Anelosoft® 120
  117. 117. Última Mensagem O que vocês estão esperando? Droga, o Windows Vão ajudá-lo a dar travou de novo Ctrl Alt Del Copyright© 2010 - Anelosoft® 121
  118. 118. Última Mensagem OK ... agora você vai fazer exatamente o que estou te mandando, senão ! Copyright© 2010 - Anelosoft® 122
  119. 119. Última Mensagem Copyright© 2010 - Anelosoft® 123
  120. 120. Última Mensagem Copyright© 2010 - Anelosoft® 124
  121. 121. Literatura Recomendada CBAP+Master – CBAP Certification Prep Book Seven Steps to Mastering Business Analysis http://www.cbapmaster.com The Business Analyst's Handbook A Guide to the Business Analysis Body of Knowledge http://www.theiiba.org BPMN – Modeling and Reference Guide http://www.futstrat.com/books/BPMN-Guide.php Copyright© 2010 - Anelosoft® 125
  122. 122. Links Úteis Anelosoft® http://www.anelosoft.com IIBA® http://www.theiiba.org BABOK® Online http://www.babokonline.org Business Rule Group http://www.businessrulesgroup.org Copyright© 2010 - Anelosoft® 126
  123. 123. Quem somos? ® Certified Business Analysis Professional Prep Master Book Guia Completo para a Certificação CBAP® www.cbapmaster.com Anelosoft® http://www.anelosoft.com info@anelosoft.com Treinamento e consultoria em Análise de Negócios Copyright© 2010 - Anelosoft® 127

×