Joviana vedana da rosa uffs

719 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
719
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
192
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Joviana vedana da rosa uffs

  1. 1. ACESSO À UNIVERSIDADE E EDUCAÇÃO DAS CLASSES POPULARES Joviana Vedana da Rosa UFFS – Campus Erechim Bolsista PET/Grupo Práxis Conexões de Saberes (FNDE) E-mail: jovianavedana@yahoo.com.br Daniel Gutierrez UFFS – Campus Erechim Bolsista PET/Grupo Práxis Conexões de Saberes (FNDE) E-mail: daniell.mx@gmail.com Resumo: Atualmente, políticas de acesso à universidade estão garantindo o ingresso de camadas da população até então não inseridas no ensino superior público brasileiro. Este trabalho trata sobre o acesso à universidade e a educação das classes populares, um perfil de estudantes identificado na pesquisa perfil dos calouros realizada, em 2012 e 2013, pelo grupo Práxis Programa de Educação Tutorial (PET) Conexões de Saberes da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim. Por meio da pesquisa com os calouros identificaram-se um perfil de estudantes, em sua maioria, oriundos de escola pública, primeira geração da família a chegar ao ensino superior e trabalhadores, principalmente nos cursos noturno. Portanto, o trabalho procura fazer uma discussão, através da perspectiva freiriana de educação popular, sobre a inserção das classes populares na universidade e o modelo de educação que se tem hoje. Palavras - chave: Universidade. Educação. Classe Popular. 1 Considerações iniciais Políticas de acesso à universidade, para integrar segmentos historicamente excluídos dos bancos universitários, estão sendo promovidas desde o governo Lula, em 2003, como por exemplo, a interiorização de universidades públicas pelo programa REUNI (Reestruturação e Expansão das Universidades Federais), em 2007, e a reserva de vagas, através da instituição da Lei 12.711/2012, para o acesso de egressos do ensino médio provenientes de escola pública, levando em consideração fatores como: renda familiar, cor e etnia. A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), criada neste contexto de expansão das universidades federais, em 2009, desde o seu primeiro processo seletivo, adotou políticas de ação afirmativas para o ingresso dos alunos provenientes da escola pública. Na pesquisa sobre o perfil dos calouros 2012 e 2013 desenvolvidas pelo Programa de Educação Tutorial (PET) Conexões de Saberes, Grupo Práxis, da UFFS - Campus Erechim, identificou-se um perfil de estudante de classe
  2. 2. popular. Neste trabalho, portanto, visamos apresentar este perfil e fazer uma reflexão, a partir da perspectiva de educação popular de Paulo Freire, sobre a inserção dos alunos de classes populares e colocar em discussão qual tipo de educação superior estamos vivenciando. 2 Perfil dos Calouros 2012 e 2013 da UFFS Campus Erechim Através da pesquisa realizada pelo Grupo Práxis em 2012 e 2013 com os ingressantes nos cursos de graduação na UFFS – Campus Erechim1 identificou-se um perfil de estudantes de origem popular: a) Cerca de 95% (total 304 estudantes), em 2012, e 91% (total 289 estudantes), em 2013, eram estudantes provenientes de escola pública (Figura 1). b) Nos anos de 2012 e 2013, 37,2% e 31,83%, respectivamente, eram oriundos de zona rural (Figura 2). Figura 1. Escola de origem Fonte: Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, 2012 e 2013. Figura 2. Área de naturalidade. Fonte: Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, 2012 e 2013. c) Com relação à escolaridade do pai percebe-se que, em 2012, 52,3% e, em 2013, 47,4%, possuía até o Ensino Fundamental Incompleto e, para o mesmo nível de ensino, com relação à escolaridade da mãe, os índices eram, em 2012, 42,5% e, em 2013, 43%. Referente ao nível de escolaridade Ensino Superior Completo em 2012 e 2013, para o pai, apenas aproximadamente 4,5% possuíam este nível de ensino. Já para as mães, em 2012, 9%, e, em 2013, 7,3% possuíam um curso 1 A UFFS é uma universidade multicampi, localizada em: Realeza, Laranjeira do Sul, no Paraná; Chapecó, em Santa Catarina; Erechim, Cerro Largo e Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. O Campus Erechim possui oito cursos de graduação. Os cursos diurnos são: Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Ambiental e Agronomia. Os cursos noturnos são as licenciaturas: Filosofia, Pedagogia, Ciências Sociais, Geografia e História.
  3. 3. superior (Figura 3), tendo como destaque a profissão de professora. Estes valores indicam, portanto, que para muitas famílias esta é a primeira geração a realizar um curso superior. d) Em se tratando sobre a ocupação do pai, as principais atividades citadas foram: agricultura, comércio e serviços, aposentadoria, funcionário público, entre outros. Sobre a ocupação da mãe destaca-se: do lar ou dona de casa, agricultura, comércio e serviços, aposentada, funcionária pública, professora. Figura 3. Escolaridade dos pais Fonte: Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, 2012 e 2013. e) Nos anos de 2012 e 2013 a universidade apresentou elevados percentuais de estudantes que declararam exercer atividade remunerada, conforme a Tabela 1, entretanto, ao analisar por turno percebe-se que o maior índice de estudantes que trabalham encontra-se nos cursos noturno, Figura 4. Tabela 1. Percentual de estudantes que exerciam atividade remunerada em 2012 e 2013 Atividade 2012 2013 Remunerada (%) (%) Sim 47,7 43,94 Não 50,7 54,33 NS/NR 1,64 1,38 Total: 2012= 304 e 2013= 289 Fonte: Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, 2012 e 2013
  4. 4. Figura 4. Percentual de estudantes que exerciam atividade remunerada em 2012 e 2013. Fonte: Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, 2012 e 2013 Experiências na própria UFFS através da escrita de memoriais formativos2 por estudantes de origem popular têm demonstrado que a trajetória destes alunos está marcada por dificuldades de acesso ao ensino superior e desafios em conciliar trabalho com estudos, como por exemplo, Paula de Marques se questiona no título do seu memorial: “Uma trabalhadora teimosa e estudante ou será uma estudante trabalhadora e teimosa?” (2012, p. 121). e) 2013 foi o primeiro ano em que se levou em conta a renda familiar. Constataram-se os seguintes percentuais: Tabela 2. Renda familiar no ano de 2013 Renda familiar Percentual Até 1 salário* 10,73 De 1 a 2 salários 36,33 De 2 a 3 salários 22,15 De 3 a 4 salários 9 De 4 a 5 salários 5,88 De 5 a 6 salários 8,65 Acima de 6 salários 0,35 NS 3,81 NR 3,11 Total: 2012= 304 e 2013= 289 *Salário mínimo equivalente a R$ 678,00 Fonte: Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, 2013 2 Os memoriais escritos pelos bolsistas do Grupo Práxis PET/Conexões de Saberes, UFFS Campus Erechim, estão reunidos no livro “Há uma universidade no meio do caminho”, organizado pelo prof. Thiago Ingrassia Pereira, em 2012.
  5. 5. Desta forma, cerca de 69% declararam possuir renda familiar de até 3 salários mínimos, sendo o número de dependentes desta renda: de 1 a 4 pessoas, 77,51%; 5 a 7 pessoas, 12,01%; mais de 7 pessoas, 1,07%; e NS/NR, 9,69% (GRUPO PRÁXIS, 2013). Diante deste quadro caracterizado um perfil de estudantes de origem popular em que muitos estudantes são provenientes da zona rural, a maioria de escola pública, primeira geração da família a estarem realizando um curso superior, muitos deles estudantes trabalhadores, principalmente no noturno, e possuir renda familiar de até 3 salários mínimos, é importante tensionarmos sobre qual educação nós queremos, uma educação voltada apenas para a formação profissional, mercadológica, ou também uma educação comprometida com a formação de sujeitos políticos? 3 Educação para que/m: qual é a lógica da expansão do ensino superior? Na última década o Brasil vive um momento de constantes debates e ações envolvendo a expansão do Ensino Superior federal no país. No governo Lula, com o programa REUNI foram construídas 14 novas universidades, 126 extensões universitárias, 214 escolas técnicas, fora os incentivos do PROUNI que garante vagas públicas em instituições privadas. Nessa última década a Educação Superior obteve seu maior índice de expansão na história Brasileira. Olhando para essa nova realidade, principalmente no que diz respeito às transformações no perfil dos estudantes nas universidades federais, conforme o demonstrado com a pesquisa realizada pelo Grupo Práxis na UFFS Campus Erechim, em 2012 e 2013, decorrente da expansão e da interiorização do Ensino Superior, cabe a nós questionarmos como está se dando este processo de “inclusão” de seguimentos sociais que historicamente esteve excluído do acesso à universidade pública no Brasil. Para debatermos a cerca da inclusão das classes populares no ensino superior, torna-se viável relacionar nosso debate com as teorias que envolvem o campo da Educação Popular e desta forma os escritos de Paulo Freire, que se tornou referência internacional no assunto. Segundo o professor Paulo Freire, “[...] o que traduz a educação popular não é um voto de solidariedade paternal aos pobres, mas o que sela um projeto de educação popular é o seu compromisso radical de transformação do mundo”. (FREIRE, 1984, apud RODRIGUES, 2008). Conforme Brandão (2006, p.92), a educação popular é uma prática social. [...] É um domínio de convergência de práticas sociais que têm a ver, especificamente, com a questão do conhecimento. Com a questão da possibilidade da construção “a educação popular é uma prática social. [...] É um domínio de
  6. 6. convergência de práticas sociais que têm a ver, especificamente, com a questão do conhecimento. Com a questão da possibilidade da construção de um saber popular. Da apropriação, pelas classes populares, do seu próprio saber. Aquilo que é a fala e a lógica que traduzem a passagem de sujeitos e classes econômicos, para sujeitos e classes políticos. E é justamente essa transformação de mundo, da formação de sujeitos políticos, através da educação que nós gostaríamos de estar problematizando aqui. Relacionando a expansão do Ensino Superior com as questões mercadológicas que envolvem a educação em detrimento de nosso sistema socioeconômico, e que reflete diretamente nas diretrizes e nas políticas educacionais do nosso país. Existe muitas críticas aos modelos escolares com relação ao seu caráter de “formação técnica profissional”, justamente porque em muitos casos essa formação técnica se sobressai em relação à formação sociopolítica, “libertadora”, capaz de formar cidadão críticos que reflitam suas próprias vivências etc. Mas não podemos ignorar o fato que vivemos em uma sociedade globalizada, capitalista, e que está em constante processo de inovação, e o caráter profissionalizante da educação não pode ser tratado como algo menor, ainda mais quando tratamos da educação das classes populares, as quais sempre procuraram inserir-se na vida social através do trabalho e não do estudo, por falta de perspectivas ou de possibilidades de acesso à universidade. Com relação a esse caráter técnico da educação, quando perguntaram a Freire se ele estava de acordo com a capacitação profissional, ele deu a seguinte resposta: não há dúvida que nesse tipo de educação para o poder que nós defendemos também existe a seriedade na formação dos trabalhadores. Por exemplo, se nós trabalhamos com um grupo de pedreiros, é importante preparar um pedreiro para que ele seja o melhor; mas esta prioridade na formação profissional não esgota o objetivo da Educação Popular, porque existe outra prioridade ao lado dela, sem a qual aquela não funciona do nosso ponto de vista da libertação. Funciona apenas do ponto de vista da domesticação (FREIRE, 2008, p.75). Fica claro aqui a preocupação do autor quando trata sobre essa característica que envolve a Educação Popular, e esse adjetivo “popular” refere-se a uma educação voltada para um certo tipo de classe social, uma classe que tanto no Brasil quanto na América Latina, sempre tiveram seus direitos negligenciados, principalmente a educação. Acreditamos caber nesse momento mais uma citação do próprio Freire precisamente porque penso assim, quando falo de Educação Popular, é que tento que esta educação popular esteja, primeiro, a serviço dos grupos populares ou dos interesses dos grupos populares, sem que isso signifique a negação dos direitos dos grupos das elites. Não estou dizendo que devemos matar as crianças ricas, nem negar-lhes a educação. Não, não é isso. Mas o grande objetivo da Educação Popular esta exatamente em atender os interesses das classes populares que há 500 anos estão sendo negados. [...] De um modo mais radical a
  7. 7. Educação Popular significa, para mim, caminhos, isto é, o caminho no campo do conhecimento e o caminho no campo político, através dos quais amanhã – e aí vem a utopia –, as classes populares encontrem o poder (FREIRE, 2008, p.74). Então, problematizando essa nova configuração dos últimos anos do Ensino Superior brasileiro, que vem dando oportunidades de inclusão às demandas sociais que antes não tinham o acesso à universidade, podemos levantar algumas questões para pensarmos, sem o intuito de chegarmos a conclusões precipitadas. Cabe aqui pensarmos o atual papel da universidade e das políticas educacionais do país. Será que estamos em busca de “libertação”? Ou só estamos de forma institucionalizada reproduzindo as lógicas de uma sociedade baseada na produção e no consumo? Será que este modelo de Educação Superior e todo este processo de expansão universitária estão dando realmente a oportunidade das classes populares de concorrer igualmente com a “elite” aos principais cursos/áreas tidos como “mais importantes” no mercado de trabalho, o que reflete em seus status? Ou esses processos visam apenas qualificar os trabalhadores de forma geral e prover profissionais em áreas pouco desejadas atualmente, que é o caso dos cursos de licenciaturas. Existe um modelo ideal de Educação? Deixamos essas questões para pensarmos. 4 Considerações finais Para finalizar, portanto, vivenciamos um novo panorama de reestruturação e expansão do ensino superior público com a interiorização das universidades, surgindo perfis de estudantes, trabalhadores, de baixa renda, conforme se demonstrou com a pesquisa sobre o perfil dos calouros 2012 e 2013 realizadas pelo Grupo Práxis na UFFS Campus Erechim. Logo, sempre devemos questionar em quais rumos se orientam a educação, sendo esta um espaço em disputas, além de que um novo perfil de estudante também requer novas políticas de permanência para essas camadas sociais. 5 Referências BRANDÃO, Carlos R. O que é educação popular. São Paulo: Brasiliense, 2006 [coleção primeiros passos].
  8. 8. FREIRE, Paulo. Pedagogia do compromisso: América Latina e Educação Popular. Indaiatuba, SP: Villa das Letras, 2008 [Seminário Dialogando com Paulo Freire – Educação Popular na América Latina; contextualização e possibilidades nos processos de transição, p. 67-78]. GRUPO PRÁXIS PET CONEXÕES DE SABERES. Relatório final: pesquisa perfil dos calouros 2012. Disponível em: <http://petconexoesdesaberes-uffs.blogspot.com.br/>. Acesso em jul. 2013. RODRIGUES. Antônio. C. Educação popular: histórico e concepções teóricas. In: MELLO, Marco (Org). Paulo Freire e a Educação Popular. Porto Alegre: IPPOA; ATEMPA, 2008.

×