Gregório de Matos
Quem foi?
O Gregório de Matos Guerra, nasceu em 7 de abril
de 1623 em Salvador, Bahia. Contemporâneo
do Padre Antônio Viei...
O Passou então a viver na boemia, satirizando a
todos com mordacidade. Irreverente e
iconoclasta pôs muita autoridade civi...
Obras:O I- Sacras
II- Líricas
III- Graciosas
IV- Satíricas
V- Satíricas
VI- Últimas
O
Nenhuma de suas obras foram publicad...
OPOEMAS
 Inconstância dos bens do
mundoO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
O Depois da Luz se segue a noite escura,
O Em tr...
A uma dama
O Vês esse Sol de luzes coroado,
O Em pérolas a Aurora convertida;
O Vês a Lua, de estrelas guarnecida;
O Vês o...
Contemplando nas cousas do
mundoO Neste mundo é mais rico, o que mais rapa:
O Quem mais limpo se faz, tem mais carepa:
O C...
Alunos:
O Joemille
O Leidiane
O Gilmar
O Bruna
O Irlane
O Carolaine
REFERENCIAS:
O http://pt.shvoong.com/books/biography/16
59828-greg%C3%B3rio-matos-vida-
obra/#ixzz33gzj9Hy3
O http://dilso...
Gregório de matos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gregório de matos

315 visualizações

Publicada em

Vida e obra do Autor: Gregório de matos/Romantismo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gregório de matos

  1. 1. Gregório de Matos
  2. 2. Quem foi? O Gregório de Matos Guerra, nasceu em 7 de abril de 1623 em Salvador, Bahia. Contemporâneo do Padre Antônio Vieira, era conhecido como "Boca do Inferno", em função de suas poesias satíricas. Influenciado por Gôngora e Quevedo. Filho de Gregório de Matos, fidalgo e proprietário de engenhos, e Maria da Guerra. Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e trabalhou como curador de órfãos e de juiz criminal em Portugal. Regressando ao Brasil aos 47 anos de idade, apaixonou-se pela viúva Maria de Povos até encontrar-se no miséria. 
  3. 3. O Passou então a viver na boemia, satirizando a todos com mordacidade. Irreverente e iconoclasta pôs muita autoridade civil e religiosa da época em má situação, ridicularizando-as de forma impiedosa.  Acabou degredado para Angola pelo governador D. João de Alencastre, a fim de o afastar da vingança de um sobrinho de seu antecessor, Antônio Luís da Câmara Coutinho, por causa das sátiras que sofrera o tio.  Voltou ao Brasil, depois de pacificar um levante em Luanda contra os soldados portugueses. Estabeleceu-se em Recife, Pernambuco, onde conseguiu fazer-se mais querido do que na Bahia, até que faleceu em 1696, ao 73 anos de idade. 
  4. 4. Obras:O I- Sacras II- Líricas III- Graciosas IV- Satíricas V- Satíricas VI- Últimas O Nenhuma de suas obras foram publicadas em sua época. Seus manuscritos de poesias foram conservados e publicados (por tema/estilo) em pleno movimento modernista, em seis volumes, de 1923 à 1933 pela Academia Brasileira de Letras.
  5. 5. OPOEMAS
  6. 6.  Inconstância dos bens do mundoO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, O Depois da Luz se segue a noite escura, O Em tristes sombras morre a formosura, O Em contínuas tristezas a alegria. O O Porém se acaba o Sol, por que nascia? O Se formosa a Luz é, por que não dura? O Como a beleza assim se transfigura? O Como o gosto da pena assim se fia? O O Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, O Na formosura não se dê constância, O E na alegria sinta-se tristeza. O O Começa o mundo enfim pela ignorância, O E tem qualquer dos bens por natureza O A firmeza somente na inconstância.
  7. 7. A uma dama O Vês esse Sol de luzes coroado, O Em pérolas a Aurora convertida; O Vês a Lua, de estrelas guarnecida; O Vês o Céu, de planetas adornado? O O O céu deixemos: vês, naquele prado, O A rosa com razão desvanecida, O A açucena por alva presumida, O O cravo por galã lisonjeado? O O Deixa o prado: vem cá, minha adorada: O Vês desse mar a esfera cristalina O Em sucessivo aljôfar desatada? O O Parece aos olhos ser de prata fina... O Vês tudo isto bem? Pois tudo é nada O À vista do teu rosto, Catarina.
  8. 8. Contemplando nas cousas do mundoO Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: O Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: O Com sua língua ao nobre o vil decepa: O O Velhaco maior sempre tem capa. O O Mostra o patife da nobreza o mapa: O Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa; O Quem menos falar pode, mais increpa: O Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. O O A flor baixa se inculca por Tulipa; O Bengala hoje na mão, ontem garlopa: O Mais isento se mostra, o que mais chupa. O O Para a tropa do trapo vazio a tripa, O E mais não digo, porque a Musa topa O Em apa, epa, ipa, opa, upa.
  9. 9. Alunos: O Joemille O Leidiane O Gilmar O Bruna O Irlane O Carolaine
  10. 10. REFERENCIAS: O http://pt.shvoong.com/books/biography/16 59828-greg%C3%B3rio-matos-vida- obra/#ixzz33gzj9Hy3 O http://dilsoncatarino.blogspot.com.br/2012 /10/poemas-de-gregorio-de-matos-guerra- o.html O http://pt.shvoong.com/books/biography/16 59828-greg%C3%B3rio-matos-vida-obra/

×