Letícia Santos
Arcadismo em Portugal e no Brasil
“Todo mundo tá feliz? Todo mundo quer dançar?” É
isso aí, galera! Literatura está de volta!
Arcadismo
Originado na Itália em 1690, o Arcadismo inspirou-se
numa região lendária da Grécia Antiga: a Arcádia. Segundo ...
Características gerais
Quanto ao conteúdo Quanto à forma
Antropocentrismo; Vocabulário simples;
Racionalismo, busca de equ...
Arcadismo em Portugal
A fundação da academia literária Arcádia Lusitana, em
1756, é considerada o marco inicial do Arcadi...
Principais autores
Filinto Elísio
(Francisco Manuel do Nascimento)
Nos foge o tempo
Se mais que aéreas nuvens pressuroso,
Se mais que inquietas ondas inconstantes,
Nos foge o Tempo; é inúti...
Bocage
I
Fiei-me nos sorrisos da ventura,
Em mimos feminis, como fui louco! 
Vi raiar o prazer; porém tão pouco 
Momentâneo relâm...
Os garços olhos em que Amor brincava
XIII
Os garços olhos em que Amor brincava
Os rubros lábios, em que Amor se ria,
As lo...
Arcadismo no Brasil
O Arcadismo no Brasil teve início no ano de 1768, com a
publicação do livro “Obras” de Cláudio Manuel...
Principais autores
Cláudio Manuel da Costa
XIII
Nise? Nise? onde estás? Aonde espera
Achar te uma alma, que por ti suspira,
Se quanto a vista se dilata, e gira,
Tant...
XXVIII
Faz a imaginação de um bem amado,
Que nele se transforme o peito amante;
Daqui vem, que a minha alma delirante
Se n...
Tomás Antônio Gonzaga
Tomás Antônio Gonzaga
Obras: “Marília de Dirceu”, que traz um conjunto de poemas
líricos, no qual é cantado o amor do pas...
Lira I 
Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
que viva de guardar alheio gado,
de tosco trato, de expressões grosseiro,
dos...
Eu vi o meu semblante numa fonte:
dos anos inda não está cortado;
os Pastores que habitam este monte
respeitam o poder do ...
Mas tendo tantos dotes da ventura,
só apreço lhes dou, gentil Pastora,
depois que o teu afeto me segura
que queres do que ...
Os teus olhos espalham luz divina,
A quem a luz do Sol em vão se atreve:
Papoula, ou rosa delicada, e fina,
Te cobre as fa...
Leve-me a sementeira muito embora
O rio sobre os campos levantado:
Acabe, acabe a peste matadora,
Sem deixar uma rês, o né...
Irás a divertir-te na floresta,
Sustentada, Marília, no meu braço;
Ali descansarei a quente sesta,
Dormindo um leve sono e...
Depois de nos ferir a mão da morte,
Ou seja neste monte, ou noutra serra,
Nossos corpos terão, terão a sorte
De consumir o...
Santa Rita Durão
Principal obra: “Caramuru”
Publicado pela primeira vez em Lisboa no ano de 1781, o poema épico
Caramuru gira em torno de D...
Basílio da Gama
Principal obra: “O Uraguai”
Poemeto épico, em cinco cantos, estrofação livre,
decassílabos brancos, gira em torno da guerr...
Caros pastores e
pastoras da
Arcádia do CAVest,
isso é tudo! Vamos
nessa! Beijinho,
beijinho e...
Tchau, tchau!
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arcadismo em portugal e no brasil.

1.521 visualizações

Publicada em

Arcadismo em portugal e no brasil.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Arcadismo em portugal e no brasil.

  1. 1. Letícia Santos Arcadismo em Portugal e no Brasil
  2. 2. “Todo mundo tá feliz? Todo mundo quer dançar?” É isso aí, galera! Literatura está de volta!
  3. 3. Arcadismo Originado na Itália em 1690, o Arcadismo inspirou-se numa região lendária da Grécia Antiga: a Arcádia. Segundo a lenda, a Arcádia era um lugar dominado pelo deus Pan e habitado por pastores, que viviam de modo simples e espontâneo, divertindo-se por meio de disputas poéticas e celebrando o prazer e o amor; O Arcadismo literário foi fortemente marcado pelas ideias iluministas; O Arcadismo brasileiro e português ocorreu aos moldes do Arcadismo italiano.
  4. 4. Características gerais Quanto ao conteúdo Quanto à forma Antropocentrismo; Vocabulário simples; Racionalismo, busca de equilíbrio; Gosto pelo soneto e pelo decassílabo; Elementos da cultura greco-latina; Ordem direta das palavras; Volta à Antiguidade Clássica; Fugere urbem, carpe diem, aurea mediocritas; Pastoralismo, bucolismo; Busca da clareza das ideias; Harmonia do homem com a natureza; Ideia de locus amoenuns
  5. 5. Arcadismo em Portugal A fundação da academia literária Arcádia Lusitana, em 1756, é considerada o marco inicial do Arcadismo em Portugal; O gênero predominante nessa estética em Portugal foi o poema; IMPORTANTE: Manuel Maria Barbosa du Bocage, apesar de estar classificado em muitos livros como um autor árcade, apresenta em sua obra alguns traços da estética posterior: o Romantismo. Sendo, por isso, considerado por muitos um autor pré-romântico português.
  6. 6. Principais autores
  7. 7. Filinto Elísio (Francisco Manuel do Nascimento)
  8. 8. Nos foge o tempo Se mais que aéreas nuvens pressuroso, Se mais que inquietas ondas inconstantes, Nos foge o Tempo; é inútil o saudoso  Pranto, dado a quem foge; eu incessante Quero abarcar, e com ardor ansioso Entranhar na alma cada alegre instante: Pois que a vida é passagem, as lindas flores Bom é colher na estrada dos Amores.
  9. 9. Bocage
  10. 10. I Fiei-me nos sorrisos da ventura, Em mimos feminis, como fui louco!  Vi raiar o prazer; porém tão pouco  Momentâneo relâmpago não dura:  No meio agora desta selva escura,  Dentro deste penedo húmido e ouco,  Pareço, até no tom lúgubre, e rouco  Triste sombra a carpir na sepultura: Que estância para mim tão própria é esta!  Causais-me um doce, e fúnebre transporte,  Áridos matos, lôbrega floresta!  Ah! não me roubou tudo a negra sorte:  Inda tenho este abrigo, inda me resta  O pranto, a queixa, a solidão e a morte.
  11. 11. Os garços olhos em que Amor brincava XIII Os garços olhos em que Amor brincava Os rubros lábios, em que Amor se ria, As longas tranças, de que Amor pendia, As lindas faces, onde Amor Brilhava: As melindrosas mãos, que Amor beijava, Os níveos braços, onde Amor dormia, Foram dados, Armânia, à terra fria, Pelo fatal poder que a tudo agrava. Seguiu-te Amor ao tácito jazigo, Entre as irmãs cobertas de amargura; E eu que faço (ai de mim!) como não os sigo! Que há no mundo que ver, se a formosura, Se Amor, se as Graças, se o prazer contigo Jazem no eterno da sepultura?
  12. 12. Arcadismo no Brasil O Arcadismo no Brasil teve início no ano de 1768, com a publicação do livro “Obras” de Cláudio Manuel da Costa. O Arcadismo brasileiro originou-se e teve maior expressão em Vila Rica (Ouro Preto); Os jovens brasileiros costumavam ser mandados para Coimbra para estudar, uma vez que não havia no Brasil ainda instituições de ensino superior. Ao retornarem ao país, esses jovens traziam consigo as ideias iluministas que faziam fermentar a vida cultural portuguesa à época de inovações políticas e culturais do ministro Marquês de Pombal.
  13. 13. Principais autores
  14. 14. Cláudio Manuel da Costa
  15. 15. XIII Nise? Nise? onde estás? Aonde espera Achar te uma alma, que por ti suspira, Se quanto a vista se dilata, e gira, Tanto mais de encontrar te desespera! Ah se ao menos teu nome ouvir pudera Entre esta aura suave, que respira! Nise, cuido, que diz; mas é mentira. Nise, cuidei que ouvia; e tal não era. Grutas, troncos, penhascos da espessura, Se o meu bem, se a minha alma em vós se esconde, Mostrai, mostrai me a sua formosura. Nem ao menos o eco me responde! Ah como é certa a minha desventura! Nise? Nise? onde estás? aonde? aonde?
  16. 16. XXVIII Faz a imaginação de um bem amado, Que nele se transforme o peito amante; Daqui vem, que a minha alma delirante Se não distingue já do meu cuidado. Nesta doce loucura arrebatado Anarda cuido ver, bem que distante; Mas ao passo, que a busco neste instante Me vejo no meu mal desenganado. Pois se Anarda em mim vive, e eu nela vivo, E por força da idéia me converto Na bela causa de meu fogo ativo; Como nas tristes lágrimas, que verto, Ao querer contrastar seu gênio esquivo, Tão longe dela estou, e estou tão perto.
  17. 17. Tomás Antônio Gonzaga
  18. 18. Tomás Antônio Gonzaga Obras: “Marília de Dirceu”, que traz um conjunto de poemas líricos, no qual é cantado o amor do pastor Dirceu por uma bela pastora chamada Marília. É atribuída também a esse autor a obra “Cartas Chilenas”, que traz poemas satíricos, escritos em versos decassílabos brancos (sem rimas), que circularam em Vila Rica (hoje, Ouro Preto) em manuscrito, poucos anos antes da Inconfidência Mineira, em 1789. “Cartas Chilenas” possui um aspecto satírico, um tom mordaz, agressivo, jocoso. Nessa segundo livro, o poeta satiriza ferinamente a mediocridade administrativa, os desmandos dos componentes do governo, o governador de Minas e a Independência do Brasil.
  19. 19. Lira I  Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, que viva de guardar alheio gado, de tosco trato, de expressões grosseiro, dos frios gelos e dos sóis queimado. Tenho próprio casal e nele assisto; dá-me vinho, legume, fruta, azeite; das brancas ovelhinhas tiro o leite, e mais as finas lãs, de que me visto. Graças, Marília bela. graças à minha Estrela!
  20. 20. Eu vi o meu semblante numa fonte: dos anos inda não está cortado; os Pastores que habitam este monte respeitam o poder do meu cajado. Com tal destreza toco a sanfoninha, que inveja até me tem o próprio Alceste: ao som dela concerto a voz celeste nem canto letra, que não seja minha. Graças, Marília bela. graças à minha Estrela!
  21. 21. Mas tendo tantos dotes da ventura, só apreço lhes dou, gentil Pastora, depois que o teu afeto me segura que queres do que tenho ser senhora. É bom, minha Marília, é bom ser dono de um rebanho, que cubra monte e prado; porém, gentil Pastora, o teu agrado vale mais que um rebanho e mais que um trono. Graças, Marília bela. graças à minha Estrela!
  22. 22. Os teus olhos espalham luz divina, A quem a luz do Sol em vão se atreve: Papoula, ou rosa delicada, e fina, Te cobre as faces, que são cor de neve. Os teus cabelos são uns fios d’ouro; Teu lindo corpo bálsamos vapora. Ah! Não, não fez o Céu, gentil Pastora, Para glória de Amor igual tesouro. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  23. 23. Leve-me a sementeira muito embora O rio sobre os campos levantado: Acabe, acabe a peste matadora, Sem deixar uma rês, o nédio gado. Já destes bens, Marília, não preciso: Nem me cega a paixão, que o mundo arrasta; Para viver feliz, Marília, basta Que os olhos movas, e me dês um riso. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  24. 24. Irás a divertir-te na floresta, Sustentada, Marília, no meu braço; Ali descansarei a quente sesta, Dormindo um leve sono em teu regaço: Enquanto a luta jogam os Pastores, E emparelhados correm nas campinas, Toucarei teus cabelos de boninas, Nos troncos gravarei os teus louvores. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  25. 25. Depois de nos ferir a mão da morte, Ou seja neste monte, ou noutra serra, Nossos corpos terão, terão a sorte De consumir os dois a mesma terra. Na campa, rodeada de ciprestes, Lerão estas palavras os Pastores: "Quem quiser ser feliz nos seus amores, Siga os exemplos, que nos deram estes." Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela! (Tomás Antônio Gonzaga – Marília de Dirceu)
  26. 26. Santa Rita Durão
  27. 27. Principal obra: “Caramuru” Publicado pela primeira vez em Lisboa no ano de 1781, o poema épico Caramuru gira em torno de Diogo Álvares Correia e sua lendária existência entre os índios. Naufragando no litoral da Bahia, um tiro de espingarda lhe confere, na imaginação dos aborígenes, características sobrenaturais. Dão-lhe o apelido pelo qual será conhecido dali em diante – Caramuru – e destinam-lhe Paraguaçu, a mais bela moça da aldeia como esposa. Outra índia, Moema, também se apaixona pelo herói, que a despreza em favor do amor de Paraguaçu. Por ser cristão, Diogo resolve levar a sua amada à França para que ela seja batizada e, assim, poder recebê-la como esposa perante os reis Henrique II e Catarina de Médicis. O elogio da terra é corroborado pela visão que tem Paraguaçu do seu futuro histórico, pontilhado de uma extraordinária empresa colonizadora e de lutas contra os estrangeiro cobiçoso.
  28. 28. Basílio da Gama
  29. 29. Principal obra: “O Uraguai” Poemeto épico, em cinco cantos, estrofação livre, decassílabos brancos, gira em torno da guerra que portugueses e espanhóis moveram contra indígenas e jesuítas em Sete Povos de Missões do Uraguai, em 1759. No poema, o herói, Gomes Freire de Andrade, divide as honras com Cacambo, herói indígena, que se mostra como um guerreiro forte e valente, mas que infelizmente batalha ao lado das pessoas erradas, ou seja, os jesuítas.
  30. 30. Caros pastores e pastoras da Arcádia do CAVest, isso é tudo! Vamos nessa! Beijinho, beijinho e... Tchau, tchau!

×