Trabalho de Geografia<br />MOXOTÓPOLIS (Lailton Araújo)Gravação: Banda Moxotó<br />
Lá no Sertão no Vale do Moxotó / A roça 'tá' seca e a água escassa / O inverno já veio, porém não molhou nada / A cacimba ...
Poema<br />Com apenas 15 anos saiu do norteFugindo da pobreza, da miséria e da morteJá faz tanto tempo, já nem lembra mais...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de geografia com video

707 visualizações

Publicada em

Realizado pela equipe do 1º A Hidrografia, pela equipe de Daniele, Edmilson, Lorena...

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
707
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de geografia com video

  1. 1. Trabalho de Geografia<br />MOXOTÓPOLIS (Lailton Araújo)Gravação: Banda Moxotó<br />
  2. 2.
  3. 3. Lá no Sertão no Vale do Moxotó / A roça 'tá' seca e a água escassa / O inverno já veio, porém não molhou nada / A cacimba não jorrou e o gado 'tá' morrendo / O anum vai piando mais um pio de agouro / E a beata na capela vai rezando ao 'Padim'Meu 'Padim' fez uma 'viagem' / E 'deixô' meu Sertão tão 'sozim' (Manezinho Araújo/José Renato)Sertão, terra de homens de fibra / E mulheres bonitas / Um solo tão sofrido e cantado / Na canção do nordestino / Um homem tão forte não pode abandonar / Seu berço eterno por falta de chuvaDe noite sempre vejo lá na serra / A lua cheia tão meiga / De folheto de cordel / O céu, o mel do sofredor / O céu, o mel do sofredor...Um moço tão bravo não deve aceitar / As tais explicações dos problemas do SertãoMais um braço 'tá' saindo lá 'pro' Sul / Esse corpo mergulhado em tempestade / Vai formando arrecifes encravados / No peito bem alto em São Paulo<br />
  4. 4. Poema<br />Com apenas 15 anos saiu do norteFugindo da pobreza, da miséria e da morteJá faz tanto tempo, já nem lembra maisDos amigos, dos irmãos nem de seus queridos paisPensamentos de voltar, pro seu lar, amargo larSequelas da migração, a vida sem opçãoTendo como companhia uma dose de alcatrãoVivendo a mendicância ou a prostituiçãoPerdidos nas noites, nas sujas esquinasEscondidos nos becos sombrio como o seu diaNa frieza urbana a crueldade vem a tonaCom as portas fechadas nos semáforos ou nos laresPensamentos de voltar, pro seu lar, amargo lar...<br />

×