SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Gregório de Matos
Quem foi?
O Gregório de Matos Guerra, nasceu em 7 de abril
de 1623 em Salvador, Bahia. Contemporâneo
do Padre Antônio Vieira, era conhecido como
"Boca do Inferno", em função de suas poesias
satíricas. Influenciado por Gôngora e Quevedo.
Filho de Gregório de Matos, fidalgo e
proprietário de engenhos, e Maria da Guerra.
Formou-se em Direito na Universidade de
Coimbra e trabalhou como curador de órfãos e
de juiz criminal em Portugal. Regressando ao
Brasil aos 47 anos de idade, apaixonou-se pela
viúva Maria de Povos até encontrar-se no
miséria. 
O Passou então a viver na boemia, satirizando a
todos com mordacidade. Irreverente e
iconoclasta pôs muita autoridade civil e religiosa
da época em má situação, ridicularizando-as de
forma impiedosa. 
Acabou degredado para Angola pelo governador
D. João de Alencastre, a fim de o afastar da
vingança de um sobrinho de seu antecessor,
Antônio Luís da Câmara Coutinho, por causa das
sátiras que sofrera o tio. 
Voltou ao Brasil, depois de pacificar um levante
em Luanda contra os soldados portugueses.
Estabeleceu-se em Recife, Pernambuco, onde
conseguiu fazer-se mais querido do que na
Bahia, até que faleceu em 1696, ao 73 anos de
idade. 
Obras:O I- Sacras
II- Líricas
III- Graciosas
IV- Satíricas
V- Satíricas
VI- Últimas
O
Nenhuma de suas obras foram publicadas
em sua época. Seus manuscritos de poesias
foram conservados e publicados (por
tema/estilo) em pleno movimento
modernista, em seis volumes, de 1923 à
1933 pela Academia Brasileira de Letras.
OPOEMAS
 Inconstância dos bens do
mundoO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
O Depois da Luz se segue a noite escura,
O Em tristes sombras morre a formosura,
O Em contínuas tristezas a alegria.
O
O Porém se acaba o Sol, por que nascia?
O Se formosa a Luz é, por que não dura?
O Como a beleza assim se transfigura?
O Como o gosto da pena assim se fia?
O
O Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza,
O Na formosura não se dê constância,
O E na alegria sinta-se tristeza.
O
O Começa o mundo enfim pela ignorância,
O E tem qualquer dos bens por natureza
O A firmeza somente na inconstância.
A uma dama
O Vês esse Sol de luzes coroado,
O Em pérolas a Aurora convertida;
O Vês a Lua, de estrelas guarnecida;
O Vês o Céu, de planetas adornado?
O
O O céu deixemos: vês, naquele prado,
O A rosa com razão desvanecida,
O A açucena por alva presumida,
O O cravo por galã lisonjeado?
O
O Deixa o prado: vem cá, minha adorada:
O Vês desse mar a esfera cristalina
O Em sucessivo aljôfar desatada?
O
O Parece aos olhos ser de prata fina...
O Vês tudo isto bem? Pois tudo é nada
O À vista do teu rosto, Catarina.
Contemplando nas cousas do
mundoO Neste mundo é mais rico, o que mais rapa:
O Quem mais limpo se faz, tem mais carepa:
O Com sua língua ao nobre o vil decepa:
O O Velhaco maior sempre tem capa.
O
O Mostra o patife da nobreza o mapa:
O Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa;
O Quem menos falar pode, mais increpa:
O Quem dinheiro tiver, pode ser Papa.
O
O A flor baixa se inculca por Tulipa;
O Bengala hoje na mão, ontem garlopa:
O Mais isento se mostra, o que mais chupa.
O
O Para a tropa do trapo vazio a tripa,
O E mais não digo, porque a Musa topa
O Em apa, epa, ipa, opa, upa.
REFERENCIAS:
O http://pt.shvoong.com/books/biography/16
59828-greg%C3%B3rio-matos-vida-
obra/#ixzz33gzj9Hy3
O http://dilsoncatarino.blogspot.com.br/2012
/10/poemas-de-gregorio-de-matos-guerra-
o.html
O http://pt.shvoong.com/books/biography/16
59828-greg%C3%B3rio-matos-vida-obra/
OPor: Joemille

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Inocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de TaunayInocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de Taunay
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 

Semelhante a Gregório de Matos

À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos GuerraÀ instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos GuerraDani Bertollo
 
Slides Barroco
Slides BarrocoSlides Barroco
Slides Barroco1a sacra
 
Uma viagem por 800 anos da Poesia Portuguesa
Uma viagem por 800 anos da Poesia PortuguesaUma viagem por 800 anos da Poesia Portuguesa
Uma viagem por 800 anos da Poesia Portuguesacaxibiblioteca
 
LuíS Vaz De CamõEs
LuíS Vaz De CamõEsLuíS Vaz De CamõEs
LuíS Vaz De CamõEsdavidalvares
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesiasguestbe4900
 
C:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa Portuguesa
C:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa PortuguesaC:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa Portuguesa
C:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa PortuguesaEneida da Rosa
 
Dia dos Namorados
Dia dos NamoradosDia dos Namorados
Dia dos NamoradosBE ESGN
 
Dia dos Namorados
Dia dos NamoradosDia dos Namorados
Dia dos NamoradosBE ESGN
 

Semelhante a Gregório de Matos (20)

Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos GuerraÀ instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
À instabilidade das cousas do mundo - Gregório de Matos Guerra
 
Slides Barroco
Slides BarrocoSlides Barroco
Slides Barroco
 
Biblioteca poesia ag
Biblioteca poesia agBiblioteca poesia ag
Biblioteca poesia ag
 
Biblioteca poesia ag
Biblioteca poesia agBiblioteca poesia ag
Biblioteca poesia ag
 
Biblioteca poesia ag
Biblioteca poesia agBiblioteca poesia ag
Biblioteca poesia ag
 
Biblioteca poesia
Biblioteca poesiaBiblioteca poesia
Biblioteca poesia
 
Uma viagem por 800 anos da Poesia Portuguesa
Uma viagem por 800 anos da Poesia PortuguesaUma viagem por 800 anos da Poesia Portuguesa
Uma viagem por 800 anos da Poesia Portuguesa
 
BIBLIOTECA VIRTUAL
BIBLIOTECA VIRTUALBIBLIOTECA VIRTUAL
BIBLIOTECA VIRTUAL
 
LuíS Vaz De CamõEs
LuíS Vaz De CamõEsLuíS Vaz De CamõEs
LuíS Vaz De CamõEs
 
Autoajuda.pptx
Autoajuda.pptxAutoajuda.pptx
Autoajuda.pptx
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
 
C:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa Portuguesa
C:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa PortuguesaC:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa Portuguesa
C:\Fakepath\Romantismo – O EspaçO Urbano Na Prosa Portuguesa
 
Dia dos Namorados
Dia dos NamoradosDia dos Namorados
Dia dos Namorados
 
Dia dos Namorados
Dia dos NamoradosDia dos Namorados
Dia dos Namorados
 
Chicos 38
Chicos 38 Chicos 38
Chicos 38
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Mais de Joemille Leal

Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Joemille Leal
 
Walter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminWalter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminJoemille Leal
 
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade Joemille Leal
 
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasO Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasJoemille Leal
 
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget Joemille Leal
 
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL  HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL Joemille Leal
 
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisReforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisJoemille Leal
 
Trabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOTrabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOJoemille Leal
 

Mais de Joemille Leal (20)

Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher 
 
Walter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminWalter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies Benjamin
 
Matrizes Africanas
Matrizes AfricanasMatrizes Africanas
Matrizes Africanas
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
ENEM 2015
ENEM 2015ENEM 2015
ENEM 2015
 
ENEM 2016
ENEM 2016ENEM 2016
ENEM 2016
 
BRASIL X EUA
BRASIL X EUABRASIL X EUA
BRASIL X EUA
 
Homo Neandertal
Homo Neandertal Homo Neandertal
Homo Neandertal
 
MT ST
MT STMT ST
MT ST
 
Revolta da Chibata
Revolta da ChibataRevolta da Chibata
Revolta da Chibata
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
 
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasO Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
 
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
 
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL  HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
 
BULLYING
BULLYING  BULLYING
BULLYING
 
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisReforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
 
Autoestima
Autoestima Autoestima
Autoestima
 
Trabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOTrabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFO
 

Último

Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

Gregório de Matos

  • 2. Quem foi? O Gregório de Matos Guerra, nasceu em 7 de abril de 1623 em Salvador, Bahia. Contemporâneo do Padre Antônio Vieira, era conhecido como "Boca do Inferno", em função de suas poesias satíricas. Influenciado por Gôngora e Quevedo. Filho de Gregório de Matos, fidalgo e proprietário de engenhos, e Maria da Guerra. Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e trabalhou como curador de órfãos e de juiz criminal em Portugal. Regressando ao Brasil aos 47 anos de idade, apaixonou-se pela viúva Maria de Povos até encontrar-se no miséria. 
  • 3. O Passou então a viver na boemia, satirizando a todos com mordacidade. Irreverente e iconoclasta pôs muita autoridade civil e religiosa da época em má situação, ridicularizando-as de forma impiedosa.  Acabou degredado para Angola pelo governador D. João de Alencastre, a fim de o afastar da vingança de um sobrinho de seu antecessor, Antônio Luís da Câmara Coutinho, por causa das sátiras que sofrera o tio.  Voltou ao Brasil, depois de pacificar um levante em Luanda contra os soldados portugueses. Estabeleceu-se em Recife, Pernambuco, onde conseguiu fazer-se mais querido do que na Bahia, até que faleceu em 1696, ao 73 anos de idade. 
  • 4. Obras:O I- Sacras II- Líricas III- Graciosas IV- Satíricas V- Satíricas VI- Últimas O Nenhuma de suas obras foram publicadas em sua época. Seus manuscritos de poesias foram conservados e publicados (por tema/estilo) em pleno movimento modernista, em seis volumes, de 1923 à 1933 pela Academia Brasileira de Letras.
  • 6.  Inconstância dos bens do mundoO Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, O Depois da Luz se segue a noite escura, O Em tristes sombras morre a formosura, O Em contínuas tristezas a alegria. O O Porém se acaba o Sol, por que nascia? O Se formosa a Luz é, por que não dura? O Como a beleza assim se transfigura? O Como o gosto da pena assim se fia? O O Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, O Na formosura não se dê constância, O E na alegria sinta-se tristeza. O O Começa o mundo enfim pela ignorância, O E tem qualquer dos bens por natureza O A firmeza somente na inconstância.
  • 7. A uma dama O Vês esse Sol de luzes coroado, O Em pérolas a Aurora convertida; O Vês a Lua, de estrelas guarnecida; O Vês o Céu, de planetas adornado? O O O céu deixemos: vês, naquele prado, O A rosa com razão desvanecida, O A açucena por alva presumida, O O cravo por galã lisonjeado? O O Deixa o prado: vem cá, minha adorada: O Vês desse mar a esfera cristalina O Em sucessivo aljôfar desatada? O O Parece aos olhos ser de prata fina... O Vês tudo isto bem? Pois tudo é nada O À vista do teu rosto, Catarina.
  • 8. Contemplando nas cousas do mundoO Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: O Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: O Com sua língua ao nobre o vil decepa: O O Velhaco maior sempre tem capa. O O Mostra o patife da nobreza o mapa: O Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa; O Quem menos falar pode, mais increpa: O Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. O O A flor baixa se inculca por Tulipa; O Bengala hoje na mão, ontem garlopa: O Mais isento se mostra, o que mais chupa. O O Para a tropa do trapo vazio a tripa, O E mais não digo, porque a Musa topa O Em apa, epa, ipa, opa, upa.
  • 9.