Prescrição treinamento de força para obesos

9.831 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.831
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
311
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prescrição treinamento de força para obesos

  1. 1. 11/06/2011 Prescrição Alguns esportes aonde obesos treinamento de se destacam força para obesos Prof. Luis Mascarenhas Definição Obesidade - é definida como o acúmulo excessivo de gordura corporal. Consiste no aumento do tecido gorduroso do organismo, causando elevação de peso. Excesso de gordura corporal, resultando no aumento de peso corpóreo, acima do peso ideal. Na Antiguidade ContemporâneoA obesidade nem sempre foi vista como um Pré-Industrialmal;Algumas civilizações da Antiguidade ser Obesidade = riqueza/saúdeobeso era considerado um sinal desucesso; Sociedade IndustrialNa Europa, a obesidade era fundamentadano pecado capital da gula, um pensamentoainda vigente. Obesidade = doença 1
  2. 2. 11/06/2011 OBESIDADE? Classificação etiológica da obesidadeEnfermidade causada pelo acúmulo excessivo degordura corporal, associada a problemas de saúde. Endógena 2% Exógena g 98% Sociedades Ocidentais → Padrão de beleza vigente: Culto ao corpo magro Tipos de tecido adiposo Obesos → transgressores desse padrão O corpo humano apresenta 2 tipos de tecido ↓ adiposo: PRECONCEITO 1 Tecido Adiposo Branco 1. ↓ 2. Tecido Adiposo Marrom Julgamento Moral Implícito 1 2 ↓ Glutoneria (gula) ↓ Violação das Regras da Divisão dos Alimentos Biogênese do tecido Adiposo Biogênese do tecido Adiposo• É um tecido conjuntivo Surge no feto por volta dos 3 meses e meio composto por células adiposas de gestação, separadas por uma matriz de Aumenta rapidamente nos últimos 2 meses fibras colágenas e elásticas de gestação, amarelas; Ao nascer corresponde aproximadamente 0,5kg do peso do recém-nascido termo,• Esses adipócitos derivam, no embrião, dos lipoblastos que são células derivadas do MALINA et al., mesênquima. (2002) 2
  3. 3. 11/06/2011 Mas como se dá o desenvolvimento do tecido adiposo branco? Biogênese do tecido Adiposo Um aumento acelerado nos primeiros seis meses da fase pós-natal (1° Pico), Aumentando lentamente até por volta dos 8 anos de idade. Nova aceleração durante a puberdade (2° Pico), Modelo de indução da hipertrofia e Biogênese do tecido Adiposo hiperplasia do tecido adiposo branco O indivíduo normal eleva suas reservas Adipoblastos através de duas formas:• Hipertrofia: aumento de reserva de Fator de Pré-adipócitos p gordura nos adipócitos já existentes. d di ó it i t t diferenciação• Hiperplasia: aumento do número de (adipogênico) células que ocorrem até a maturidade; Adipócitos Equilíbrio positivo de energia Aumento de tamanho dos adipócitos Biogênese do tecido Adiposo Biogênese do tecido Adiposo Os obesos possuem em geral, os Crescimento do adipócito é limitado (10 xadipócitos 50% maior e 3 vezes mais volume inicial) → multiplicação do n° deadipócitos do q os não obesos. p que adipócitos pAssim, a principal diferença de massa de Nº de adipócitos não declina com a perdatecido adiposo é dada pelo número de de peso → predisposição a novo ganho deadipócitos. peso 3
  4. 4. 11/06/2011 TECIDO ADIPOSO E REGULAÇÃO HORMONAL DO Biogênese do tecido Adiposo BALANÇO ENERGÉTICO SISTEMA NERVOSO CENTRAL TECIDO ADIPOSO A maior parte da gordura corporal (95%) está armazenada na forma de triglicerídeos ( gordura neutra); (ou g ); GRELINA• O restante está acumulado na forma de LEPTINA fosfolipídeos, glicolipídeos e lipoproteínas. Controle energético GRELINA Hormônio estimulador LEPTINA Hormônio inibidor Produção de GH Ingestão alimentar Produzido no estômago Dieta – hipo ou hipercalórica[Leptina][L ti ] Hormonais Regulação Insulina Nutricionais Corticoesteróides [Grelina] Jejum Após a alimentação 4
  5. 5. 11/06/2011 OBESIDADE Alterações deletérias no metabolismo lipídico Colesterol total LDL-c HDL-c Triglicerídeos AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA (IMC) IMC ( kg/m² ) DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL Classificação e Avaliação ≤ 16.0 16.0 – 16.99 17.0 – 18.49 Desnutrição grau 3 ( grave) Desnutrição grau 2 ( moderada ) Desnutrição grau 1 ( leve ) 18.5 – 24.9 EutrofiaMundo 25.0 – 29.9 Pré – obesidade 30.0 - 34.9 Obesidade grau 1 Taxa da obesidade dobra a cada 5 ou 10 anos 35.0 – 39.9 ≥ 40.0 Obesidade grau 2 Obesidade grau 3 Em 1995 → 200 milhões de adultos obesos Os pontos de corte para o diagnóstico nutricional de desnutrição e eutrofia são propostos por “World Health Organization”, 1995. Em 2000 → 300 milhões de adultos obesos Os pontos de corte para o diagnóstico nutricional de obesidade são propostos por “World Health Organization”, 1997. PESO ( kg ) IMC =Estados Unidos - Lidera Ranking Mundial ESTATURA² ( m ) 66% dos adultos estão com sobrepeso Pontos de corte de IMC adotados para o idoso. 22% dos adultos são obesos Pontos de corte Classificação do estado nutricional < 22 kg/m 2 Desnutrição 22 - 27 kg/m 2 Eutrofia 2003-2004 NHANES > 27 kg/m 2 obesidade Fonte: Lipschitz (1994) 5
  6. 6. 11/06/2011 Distribuição do IMC pelo PaisesDistribuição do IMC pelo Mundo Subdesenvolvidos OMS, 1995 Padrões percentuais de gordura corporal para homens e Classificação e Avaliação mulheres.Brasil 6º lugar no Ranking Mundial da Obesidade 40% da população está com sobrepeso 20% (30 milhões de brasileiros) são obesos: Em SC há 250 mil obesos, ou seja, 5% da população. Lohman, 1992Razão Cintura-Quadril / Circunferência da Cintura Recomendações do ACSM para Cintura manutenção do peso corporalRCQ = Quadril RCQ CC Homens > 0,95 >94 cm > 102 cm Mulheres > 0,85 >80 cm > 88 cm 6
  7. 7. 11/06/2011 Obesos, ACSM 2005, 7 edição Componentes do Freqüência Intensidade Duração Atividade programa de treinamento Cardiorrespiratório 3–5X 40% - 85% FCR 20-60 Grandes semana ou VO2R min. grupamentos 55% -90% FCmax musculares, Perc Esf. 12-16 atividade dinâmica di â i Resistência 2–3X Perc Esf 19-20 até 1 serie 8-10 semana fadiga ou com 3-20 exercícios, 2-3 repetições repetiçõe grandes com Perc Esf. 16 s grupos musculares Flexibilidade Mínimo Alongamento até 15-30sec. Estático, 2-3 X a amplitude 2–4X grandes Ideal de 5 a 7 máxima sem dor. grupos X semana Cuidados com os teste Prescrição ExercícioDe uma maneira geral todos os teste Individualidadepodem ser aplicados aos indivíduos Atividades aeróbias, associada comobesos. exercícios resistidosEscolhas testes com carga inicial baixa e Intensidade moderada (40-60% FCR oucom progressão inferior a 0,5 ou 1 MET. VO2R)Associação de co-morbidades Gasto energético > 2000 Kcal-semana =(hipertensão, problemas ortopédicos) 200-300 minutos de atividade por semanaadaptar os testes.Perguntar sobre uso de medicamentos. Perda de Peso Peso corporal esperado Objetivos a longo prazo. IMC = peso / altura2 → Peso? = IMC x Introduzir atividade física e dieta altura2 alimentar associados. Peso Corp. = 20 x 1 82 → 64 8 kg Corp 1,8 64,8 5% a 10% do peso corporal = 25 x 1,8 2 → 81 kg Redução da ingesta de gorduras para <30% do consumo calórico. Prover balanço negativo de 500 a 1000 Kcal-dia. 1kg = 7700 kcal 7
  8. 8. 11/06/2011 Volume Calórico Volume Calórico Peso real = 100 kg Vol. Cal. = 146.300 kcal Peso esperado = 81 kg ↓ ⇓ Diferença = 19 kg 75% dieta 25% exercício 1 kg = 7700 kcal ↓ ⇓ Vol. Cal. = 19 x 7700 = 146.300 kcal 109.725 Kcal 36.575 kcal Volume Calórico Volume CalóricoExercício físico - 36.575 kcal Dieta - 109.725 Kcal Período de 6 meses = 24 semanas Período de 6 meses = 24 semanas Gasto total semanal = 1524 kcal Gasto total semanal = 4571 kcal Assumindo gasto energético por sessão de Redução dia = 653 kcal 600 Kcal. 1524 / 600 = 2,5 dias ou 3 dias Gasto energético com Carga Carga Otimizada Tempo = G.E. Kcal CO estimado = carga submáxima (kg) 0,100 x Peso corporal (mulher) 100-(2x repetições)/ 100 p Exemplo: 0,116 0 116 x peso corporal (homem) Rosca com 8kg = 10 repetições GE (kcal) = tempo X (peso x 0,1 ou 0,116) CO = 8 = 8 = 10kg ou 80% 100- (20) / 100 0,8 Recomendado entre 50 a 60% da carga ou 15 a 20 repetições para trabalhos iniciais com obesos 8
  9. 9. 11/06/2011 Publicações sobre obesidade infanto-juvenil Pesquisas A década de progressos 1990-1999 500 Número de estudos 450 400 e 350 300 250 200 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2000 Anos Goran, Am J Clin Nutr 2001:73:158-71Diagnóstico de Obesidade infanto-juvenil IMC da criança em relação ao IMC na Idade AdultaCurvas IMC (peso/altura2)>850 - 950 percentil Sobrepeso > 950 percentil ObesidadeGuidelines for Overweight in Adolescent PreventiveServices ,Am J Clin Nutr 1994Expert Committee Recomendations Pediatrics, 1998Assessment of Chilhood and Adolescent Obesity Am J Clin Nutr, 1999 Guo & Chumlea; Am J Clin Nutr 1999Comportamento sedentário relacionado Comportamento sedentário relacionado ao ao sobrepeso e obesidade sobrepeso e obesidade SILVA et al., 2010 SILVA et al., 2010 9
  10. 10. 11/06/2011 Obesidade x Freqüência CardíacaObjetivo: comparar respostas cardiorrespiratória.129 obesos – IMC >45 – 12 a 17 anosControle 38 eutroficos – 12 a 17 anosRealizaram teste no cicloergômetro NORMAN et al., Pediatrics, 2005 NORMAN et al., Pediatrics, 2005 Objetivo: Comparar efeito exercício aeróbio continuo com anaeróbio intermitente. 28 adolescentes obesos (13 anos média) 13 exercício caminhada 15 exercício corrida intermitente (16 semanas) JABBOUR et al., 2011 Amostra de 107 mulheres. Treino: 1. Fase :3 semanas – 15 repetições ou 65% RM. RM 2. Fase : 5 semanas – 12 repetições ou 70% RM. 3. Fase: 9 semanas, 8 a 10 repetições ou 75- 80% RM. 4. Fase: 8 semanas – 10- 12 repetições ou 70- 75% RM 10
  11. 11. 11/06/2011 Conclusão: Grupo com restrição calórica (CR) + Exercício resistido (RT) obteve maior perda de gordura em especial do tronco do que apenas CR. CR+RT não foram associados a melhoras metabólicas quando comparadas com CR.Amostra: Durante 12 semanas, 22 mulheres obesas(IMC>30 kg/m2).O exercício resistido combinação de pesos livres eaparelhos específicos de musculação. musculaçãoForam realizadas três séries de 15 repetições a umaintensidade entre 60-70% do número de repetiçõesmáximas (1RM). ROCCA et al., 2008 Conclusão: não por promover redução da massa corporal total, mas em diminuir fatores de risco para o desenvolvimento de p doenças crônicas. ROCCA et al., 2008 ROCCA et al., 2008 11
  12. 12. 11/06/2011Amostra: 50 mulheres foram aleatoriamente divididas emdois grupos, mas apenas 26 terminaram.ER - 15 estações de treinamento de pesos em circuitopara os principais grupos musculares com 30 segundos deexecução (10 a 20 repetições por exercício) e alternadoscom 30 segundos de caminhada ou jogging.jogging foi realizado na pista de atletismo com o indivíduofazendo o exercício continuamente por 45 minutos naintensidade programada de 70 a 80% da FreqüênciaCardíaca de Reserva . Ambos os protocolos melhoram a DCV e os fatores de risco metabólicos. Os ER apresentaram mudanças favoráveis no perfil lipídico o JOGG apresentou mudanças favoráveis sobre a glicose, razão cintura/quadril e pressão arterial. Esses resultados sugerem que treinamento de pesos em circuito combinados com exercícios aeróbicos devem ser considerados para indivíduos obesos.Alterações morfofuncionais causadas pelo Alterações morfofuncionais causadas pelo treinamento de força no meio líquido treinamento de força no meio líquidoAmostra: 13 homens e 7 mulheres (22-+7 Conclusão:anos). Não alterou a composição corporal.12 semanas 3 sessões semanais. 2 séries semanas, semanais Melhora na força máxima de ambos osde 15 repetições ou 90 segundos, intervalo membros.de 30s. Melhora na flexibilidade, potência abdominal e VO2max. Rocha et al , 2007 Rocha et al , 2007 12
  13. 13. 11/06/2011 13

×