Aula 04 linguagem gráfica no jornalismo

598 visualizações

Publicada em

Linguagem Visual no Jornalismo
Planejamento Gráfico
Design Gráfico
Teoria da Cor

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
598
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 04 linguagem gráfica no jornalismo

  1. 1. LINGUAGEM GRÁFICA NO JORNALISMO AULA 04 Prof. Ms. Elizeu N. Silva
  2. 2. Física da Cor “O efeito físico superficial da cor é apenas o caminho de que se utiliza para atingir a alma”. Wassily Kandinsky As primeiras explicações para os fenômenos naturais baseavam-se na investigação filosófica fundamentadas na máxima de que o conhecimento da realidade que nos cerca é obtido por meio dos sentidos, num acúmulo de informações.
  3. 3. Física da Cor Entre os sentidos através dos quais o homem da Antiguidade procurava compreender o cosmo (cosmogonia), a visão tinha papel fundamental. Para Aristóteles (384–322 a.C.) a cor era uma propriedade da matéria orgânica, influenciada por fatores como a luz do sol, a fumaça ou a neblina. Aristóteles (384–322 a.C.)
  4. 4. Física da Cor Antes de Aristóteles, Platão (428–348) já afirmava que a luz era imprescindível ao processo da visão. Leucipo e Demócrito, contemporâneos de Platão, achavam que os olhos eram constituídos de átomos de água que refletiam átomos de luz refletidos pelos objetos luminosos ou iluminados – átomos estes que permaneciam em elevação no ar. Demócrito (séc. V a.C.)
  5. 5. Física da Cor Já Epicuro (341–270 a.C.) defendia a tese de que a superfície das coisas emitia representações dessas mesmas coisas. Essas representações, que permaneciam em elevação no ar, invadiam os olhos levados pela luz do sol, das estrelas, da lua, ou das fogueiras, impressionando a retina e criando as imagens e as cores. Bastava ter os olhos abertos para captar as imagens. Epicuro (341–270 a.C.)
  6. 6. Física da Cor No século XV, Leonardo da Vinci (1452–1519) uma séria de estudos relacionados à visão e à cor, posteriormente reunidos no livro “Tratado da Pintura e da Paisagem – Sombra e Luz”, definia como cores básicas o branco, o amarelo, o verde, o azul, o vermelho e o preto. “O branco equivale à luz, sem a qual nenhuma cor é perceptível; o amarelo representa a terra; o verde a água; o azul o ar; o vermelho o fogo e o preto as trevas”. Ele foi o primeiro a demonstrar que o branco não é, na verdade, uma cor, mas o composto de todas as cores.
  7. 7. Física da Cor Coube a Thomas Young (1773–1829), médico, filósofo e físico britânico, determinar que “o olho humano apresenta na retina três tipos de células, cada uma delas responsável pela visão de uma cor primária (vermelho, verde, azul), e pela combinação delas, podiam ser produzidas todas as outras cores, inclusive o branco”.
  8. 8. Física da Cor Estudos conduzidos anteriormente por Isaac Newton (1643–1727), físico e matemático inglês, que desenvolveu importantes pesquisas na área da óptica e da natureza da luz. Estudos sobre estes temas realizados entre 1670 e 1672 lhe permitiram demonstrar que a luz branca é composta por uma banda de cores (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta). Descobriu que, com ajuda de um prisma, era possível separar cada banda de cor que compõe a luz branca. Isaac Newton (1643–1727)
  9. 9. Física da Cor
  10. 10. Física da Cor Por que a luz branca se decompõe no prisma? Cor e luz estão umbilicalmente ligadas. Na ausência de luz, não há cor. Para que o fenômeno da cor seja consumado no indivíduo, são necessárias três condições básicas: • Luz • Objeto • Visão
  11. 11. Física da Cor LUZ: Energia na forma de raios luminosos que, ao atingirem as superfícies, são refletidos em todas as direções. A quantidade de luz captada pelos olhos é que determinará se veremos as coisas muito iluminadas, iluminadas ou escuras. A principal fonte de luz natural é o sol. Os raios luminosos provenientes desta fonte são porções de energia solar que nos permitem perceber o mundo
  12. 12. Física da Cor A radiação solar se propaga na forma de ondas. A luz se move no vácuo do espaço e na atmosfera na forma de ondas eletromagnéticas. Portanto, é uma onda constituída de dois campos, sendo um elétrico e outro magnético. A velocidade da luz no vácuo é de 300.000 km/s.
  13. 13. Física da Cor Outras radiações emanadas do sol presentes no espectro eletromagnético: • Raios gama; • Raios X; • Raios ultravioletas; • Raios infravermelhos; • Ondas de rádio: radar, TV, rádio FM, rádio AM. O olhos humano é capaz de enxergar apenas um segmento limitado do espectro eletromagnético.
  14. 14. Física da Cor
  15. 15. Física da Cor
  16. 16. Física da Cor Por que a luz se decompõe no prisma? As cores têm comprimento de onda variável. A cor violeta tem comprimento de onda menor; os vermelhos têm comprimento de onda maior. As cores com ondas de menor comprimento, a partir do violeta, sofrem maior desvio (refração) ao passar pelo prisma; enquanto as cores com ondas maiores, próximas ao vermelho, sofrem menor desvio. Quanto maior o caminho que a luz percorrer dentro do prisma, mais visível será a decomposição da luz.
  17. 17. Física da Cor Propriedades da luz branca Reflexão: Após incidir sobre uma superfície a luz volta a se propagar no meio de origem. Refração: A luz atravessa a superfície sobre a qual incide. Na refração ocorre, invariavelmente, desvio de curso do raio luminoso. Absorção: Ao incidir sobre a superfície a luz é absorvida.
  18. 18. O fenômeno da visão humana É um estímulo relacionado à percepção do mundo exterior. Por meio da visão identificamos as características dos seres e objetos que nos rodeiam. Por meio da visão identificamos: • Formas; • Dimensões; • Proximidade X distância; • Iluminação; • Cor.
  19. 19. O fenômeno da visão humana Embora os olhos humanos sejam um sofisticado aparelho, o fenômeno da visão não se completa no nível fisiológico. Para que o mundo exterior captado pela visão adquira significado para nós, é necessário que a imagem seja interpretada no cérebro.
  20. 20. O fenômeno da visão humana Bastonetes e cones contém compostos químicos sensíveis à luz.
  21. 21. O fenômeno da visão humana Os raios luminosos que atingem a retina são refratados pela córnea, pelo humor aquoso, pelo cristalino e pelo humor vítreo. É na retina que irá se fixar a imagem da forma, que, por meio do nervo óptico, transmite ao cérebro sinais elétricos relativos à imagem para que este faça a interpretação. Além de identificar as informações que recebe, o cérebro faz associações com informações armazenadas (resultantes de vivências) para interpretá-las corretamente.
  22. 22. A percepção cromática As cores são, portanto, uma sensação produzida no olho e interpretada no cérebro, como resposta a estímulos de energia luminosa (ondas eletromagnéticas). A cor não existe, portanto, em si mesma. Como, então, percebemos as diversas cores?
  23. 23. A percepção cromática O fenômeno da visão pode ser compreendido pela propriedade das matérias de absorverem alguns intervalos da onda eletromagnética e refletir outros.
  24. 24. A percepção cromática
  25. 25. A percepção cromática Determinadas superfícies refletem a totalidade dos raios luminosos, e por isso as vemos brancas.
  26. 26. A percepção cromática Determinadas superfícies absorvem a totalidade dos raios luminosos, e por isso as vemos pretas.
  27. 27. A percepção cromática Determinadas superfícies absorvem alguns raios luminosos e refletem outros, e são os raios refletidos que nos darão a sensação cromática
  28. 28. A percepção cromática
  29. 29. Bibliografia FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores na comunicação. 4ª edição. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 1990 GUIMARÃES, Luciano. A cor como informação. 3ª edição. São Paulo: Ed. Annablume, 2004. RAMBAUSKE, Ana Maria. Teoria da cor. Arquivo em PDF. “As cores fazem nascer estados de ânimo particulares”. Goethe.

×