Apostila radiestesia

6.221 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
339
Comentários
1
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila radiestesia

  1. 1. RadiestesiaRadiestesiaRadiestesiaRadiestesia
  2. 2. Radiestesia Radiestesia é a sensibilidade especial de captar certas radiações (todas as radiações). Podemos dizer, também, que é uma faculdade do homem que, acrescida de técnicas e disciplinas aplicadas através de todos os tempos tem alcançado um grau de desenvolvimento que permite realizar qualquer tipo de investigação, seja qual for sua natureza. Todos os corpos existentes na Natureza desprendem emanações que são os seus corpúsculos imponderáveis. Essas emanações fluídicas e infinitesimais, com certeza, passam despercebidas as pessoas, pois, não existe um dispositivo especial, ou mesmo um órgão para captá-las na forma de ondas eletromagnéticas, como mais propriamente elas se desprendem de todos os materiais e seres vivos. O radiestesista é um captador destas ondas eletromagnéticas emitidas pelos objetos e seres vivos, servindo-se da varinha ou da forquilha. Pelas oscilações positivas ou negativas dos pêndulos feitos de madeira, metal, cristal, etc., ele intercepta as ondas eletromagnéticas emitidas dos alimentos, minérios, objetos, medicamentos, lençóis de água do subsolo, animais e homens; enfim, de todas as substâncias que podem lhe servir de elementos para obter surpreendentes diagnósticos. Quando o radiestesista está preparado, seja com sua varinha, seu dual road, seu aurimetro ou seu pêndulo, passa a ser semelhante a um aparelho receptor de radio, em que seu braço funciona como antena. Estes aparelhos são detectores que transmitem e ampliam os movimentos espontâneos produzidos pelas emanações, ondas radiantes ou magnéticas que exumam dos corpos (latim: exumar = húmus - terra = tirar da terra). Através da conformidade de suas oscilações, seja no sentido positivo ou no negativo, ou então a mobilidade dos pêndulos que se movem pelo magnetismo, o radiestesista comprova e assinala as condições favoráveis ou dos objetos ou das pessoas que examina. Radiestesia é, portanto, a arte de captar radiações. A vara foi precursora do pêndulo usado hoje na radiestesia e encontrava-se na maioria dos povos da antiguidade, como um símbolo de força, poder ou sabedoria. Radiestesia é um método simples e admirável de decodificar as respostas solicitadas ao Inconsciente que, sob o comando da vontade, manifesta-se através dos movimentos do pêndulo e dos demais aparelhos radiestésicos. Esta prática, seja do uso do pêndulo, seja do uso da varinha, é milenar e remonta a velha China, aos hebreus e aos egípcios, como já citado. Temos conhecimento que esta arte, por assim dizer, foi praticada por pessoas de senso comum, que aceitavam suas respostas como se fora um oráculo, comprovavam os seus efeitos, todavia não questionavam a essência dos fenômenos.
  3. 3. Estes fenômenos eram tidos como sobrenaturais, uma vez que ainda não se conhecia a parapsicologia, que hoje explica os muitos fenômenos que conhecemos. Salienta a história, que muitos pesquisadores do passado procuravam uma hipótese ou mesmo uma teoria adequada aos fenômenos ditos radiestésicos, sem, contudo chegar a um esclarecimento cientifico, que é fruto deste nosso século. A mente humana é estudada sob diversos ângulos e então se descobre um imenso oceano ainda inexplorado: o Inconsciente, fonte de todas as manifestações, até então inexplicáveis. Assim, a Radiestesia encontra justificativa na própria natureza do homem que, sendo um todo matéria-espírito, se expressa e percebe a si mesmo e ao mundo externo, a partir de dados físicos. Essa expressão e percepção utilizam, como meio, radiações por demais sutis, que são captadas apenas em nível do inconsciente, onde ficam armazenadas as mínimas e todas as informações que recebemos. Hoje sabemos que esse imenso transceptor que é a mente humana, está imerso num grande mar de radiações, posto que todo corpo emite energia e todo o pensamento também se expressa em forma de energia e, isto nos faz desejar saber e utilizar com grande porcentagem as informações registradas no inconsciente. Todavia, é aparentemente muito difícil trazer essas informações registradas, no momento necessário, pois, ela surge às vezes, apenas em momentos furtivos e mesmo inesperada. A radiestesia é uma porta segura para a quarta dimensão e um horizonte novo aberto, onde podemos obter informações que emergem do espaço e do tempo. A genialidade do inconsciente se revela altamente eficiente, na solução de problemas de toda espécie. Mas isso deve ser conquistado. Resulta da exploração e treinamento de si mesmo. Requer orientação especializada.
  4. 4. Radiestesia – A evolução Nos primeiros anos deste século, o abade Bouly criou a palavra Radiestesia, para descrever o uso do pêndulo. Procurou unir duas palavras de etimologia distintas: sua união vem do latim: Radius, que significa radiação com a palavra grega Aesthesis: sensibilidade. Portanto, temos a palavra assim definida: sensibilidade à radiação. A partir dos abades Bouly e Mermet houve o incentivo ao desenvolvimento do conhecimento científico, das muitas formas e situações que permitiam o uso do pêndulo, particularmente as aplicações no campo médico. Afirmavam, porém, ser o pêndulo um instrumento dos mais sensíveis, posto que é utilizado para comunicação com o mais profundo do nosso ser, que se acha obscurecido pelo medo, pela ignorância e pelos preconceitos acerca de nossa natureza e do universo em que vivemos e, é justamente essa parte de nosso ser que conhece a verdade, porque ela é a verdade. Esses níveis mais elevados não são condicionados a tempo e espaço e são dotados de poderes que nós não compreendemos ainda. Quanto mais nos ligarmos com eles, mais a energia que deles emana fluirá através de nós e encherão de poder e sabedoria as nossas mãos. Copen nos afirma que a radiestesia pode e deve ser empregada em muitos campos científicos, tais como na geologia, usada para prospecção; na utilização em plantações agrícolas para os fazendeiros; os horticultores, no cruzamento das espécies. Todavia, a mais valiosa aplicação se encontra junto à pesquisa clínica e o respectivo tratamento médico. Apesar de toda perseguição, por volta dos idos anos de 1910, o Dr. Albert Abrams, médico americano, publicou um livro sobre a ciência da radiestesia médica. Abrams, fazendo uma consulta em um paciente acerca de um ponto dolorido no lábio inferior, que tinha aparecido há mais ou menos dois meses, começo a examiná-lo e notou, na região abdominal, um som surdo e opaco, que sugeria a existência de um tumor. Abrams mandou que o paciente se deitasse em um divã e ficou surpreso ao notar que não havia tumor algum que pudesse apalpar. Pedindo que o paciente se levantasse e ficasse no lugar onde estivera e, examinando-o novamente, obteve o mesmo som surdo e opaco. Como o paciente estava frente ao sol poente, lhe incomodando a visão, mandou que se virasse e ficou de frente para o Norte, quando então o Dr. Abrams percutiu novamente e o som surdo foi substituído pelo som característico. A partir de então, Abrams começou a compreender que o corpo humano é, na realidade, uma espécie de estação de rádio, enviando mensagens, a partir de cada célula, tecido ou órgão e, que o pêndulo pode captar tais radiações, bem como determinar se a vibração representa doença ou saúde. Bovis fez inúmeras experiências com o pêndulo e, dentre eles, com alimentos, a partir do que definiu que a terra tem correntes magnéticas positivas, que fluem do norte para o sul e, negativas, de leste para oeste.
  5. 5. Afirmava Bovis que correntes magnéticas sutis afetavam todas as estruturas sobre a superfície da Terra. Dizia ainda, que qualquer corpo colocado entre o eixo norte-sul, resultaria menos ou mais polarizado e que os corpos humanos eram afetados por essas linhas magnéticas de força, confirmando assim, a teoria de Abrams. Com certeza, já há muito tempo confirmado, sabemos que vivemos num mundo energético. Cada organismo se acha cercado de toda espécie de energia, algumas são benéficas, outras não, ou seja, são totalmente destrutivas. Nossa sobrevivência advém dos desenvolvimentos dos meios através dos quais passamos ou possamos distinguir essas energias. As sensibilidades existentes nos seres chamadas inferiores nos fazem refletir; notamos que as plantas desviam-se de pessoas dotadas de radiações hostis a elas; os animais percebem quando o perigo está próximo. Mesmo os seres humanos vacilam ante a sensação desagradável ou dolorosa. Toda matéria parece possuir uma inteligência inata, que se manifesta sob a forma de uma percepção primária acerca de que normalmente é bom ou ruim para a sua estrutura. Parece- nos que os seres humanos têm desenvolvido essa capacidade até o mais alto nível, mas não se acham conscientes dela durante a maior parte do tempo; ignoram essa sensibilidade e desconhecem o que se nos passam outros níveis de consciência. Muitas vezes estamos em determinados lugares e sentimos uma sensação de desconforto, sentimo-nos irritados, inquietos, mas não damos importância e continuamos no mesmo lugar. Mas essa reação é, com certeza, um sinal do sistema nervoso, dizendo-nos que a atmosfera e a energia local não são favoráveis. Com certeza qualquer coisa mais profunda em nós, de mais básico e real, está registrando uma energia, seja positiva ou negativa, e nos comunica esta informação, através do sistema nervoso. O sistema nervoso parece funcionar tal como um computador dos mais sensíveis, ou seja, um computador cósmico, unido a uma aparelhagem cósmica da mais alta sensibilidade. Todavia, o sistema nervoso sensível e bem adestrado, não precisa de nenhum recurso externo para obter as informações que deseja. Com certeza receberíamos a resposta como uma sensação física. Infelizmente, porém, não chegamos a desenvolvê-lo a este ponto. Compreende-se, então, que necessitamos de meios auxiliares para amplificarmos os sinais que nossos nervos desejam comunicar-nos e, esta é a função do pêndulo. Sabemos que não é o pêndulo em si mesmo que nos dá a resposta, mas sim nossa própria inteligência e/ou consciência superior mais íntima que se comunica através do sistema nervoso, que nos dá sinais. O pêndulo amplia a sinalização e permite-nos interpretar o sentido, através dos códigos estabelecidos entre nossa alma consciente e a subconsciente. Os radiestesistas sentem a resposta (em termos de freqüência de registro) na sua mão ou em seu braço, ou no corpo inteiro, mas isso ocorre após um prolongado treinamento. Assim, quando o operador do pêndulo segura o seu instrumento sobre um objeto ou uma pessoa (no caso de tratamento médico), o que ele está fazendo, na realidade é medir a interação de um dado campo de força com o seu próprio sistema nervoso.
  6. 6. Não se faz necessários termos objetos ou pessoas materialmente presentes, para conseguirmos leituras precisas, pois, mesmo à distância, os resultados serão positivos. Mermet conseguiu descobrir água e mineral à distância, mantendo o pêndulo sobre o mapa de determinado território. Verne Cameron, o inventor do aurameter foi impedido de sair de seu país, ser considerado um risco para segurança nacional. Ele, usando um pêndulo sobre mapa, numa demonstração para almirantes da marinha norte-americana, localizou com precisão, as posições de todos os submarinos no Pacífico, sendo, também, capaz de distinguir entre submarinos americanos e russos (seu País e os USA). No que tange o efeito distância, podemos comparar ou explicar da seguinte forma: a mente opera como uma combinação de freqüências, na função receptora e transmissora (neurônios). Uma pessoa treinada que pode se concentrar e mantiver a concentração de seu pensamento sobre um objeto particular entra em sintonia com esse objeto na mesma faixa de freqüência, porém sabemos que a atenção e a concentração são os instrumentos de sintonização da mente; as estações transmissoras são objetos e pessoas que estão constantemente irradiando freqüências de energia. Todavia, quando há perturbações elétricas, por exemplo, em tempestades e relâmpagos, etc., ocorrem interferências na nossa recepção de freqüências. Algo semelhante ocorre quando temos problemas dentro de nossas mentes e corações, ou ainda, quando acontecem certas influências planetárias, que perturbam o equilíbrio elétrico da atmosfera mental. Resolver problemas da estática em nossas mente, requer adestramento e disciplina. Exige, com certeza, capacidade de controlar e focalizar. Esta é a parte mais difícil do uso do pêndulo; devemos adquirir controle mental e emocional, para termos confiança nas leituras pendulares.
  7. 7. Radiestesia Física Um método clássico de radiestesia física é o do abade Mermet. Sua tese fundamental é de que todos os corpos emitem ondas e radiações, cujo campo de atuação (campo radiestésico) produz no corpo humano determinadas reações nervosas que geram uma espécie de corrente que se desloca pelas mãos. O fluxo invisível é o que movimenta o instrumento radiestésico. Os conceitos estabelecidos por Mermet foram: • RAIO FUNDAMENTAL: é um ângulo invariável tal é constante e o do corpo. (RF): é emitido por todo corpo e sua direção forma com a direção norte-sul. Seu ângulo com a horizontal é constante, e o comprimento de onda emitido é proporcional à massa. • Obs: Segundo os manuais de radiestesia, o raio fundamental é um raio que cada substância produz em uma direção fixa, caracterizando-a de modo exclusivo. • RAIO MENTAL OU CAPITAL (RM ou RC): é o raio que vai do objeto ao cérebro do operador. E' através dele que o radiestesista detecta a presença do objeto procurado e determina sua natureza, direção, distância e profundidade. • RAIO TESTEMUNHO OU RAIO DE UNIÃO (RT ou RU): já foi bastante comprovado que todo corpo emite um raio para o outro corpo da mesma natureza. Dois objetos sempre estão unidos pelo raio testemunho e, por isso, os testemunhos são tão usados em radiestesia. • RAIO VERTICAL (RV): este raio é emitido na vertical do corpo. As anomalias geomagnéticas sempre anulam sua emissão. Os gráficos emitem neste raio. • SÉRIES E ROTAÇÕES: aqui encontramos a rotação hidromineral. Todavia sabemos que cada corpo produz no pêndulo certo número de oscilações seguidas de um mesmo número de rotações. Cada corpo ou elemento possui seu número de série. Quando dois corpos têm o mesmo número de série, eles podem ser distinguidos pelo seu raio fundamental. • SUPERFÍCIES E LINHAS MAGNÉTICAS: cada corpo animado ou inanimado é envolvido em toda sua superfície por um número de camadas magnéticas igual ao seu número de série. Quando observamos estas camadas em um corte horizontal iremos detectar as linhas correspondentes a cada camada. Por isso encontramos sete linhas paralelas à margem de um rio, pois este é o número de série da água e as sete camadas envolvem a água do rio por cima, por baixo e em suas laterais. Se o corpo é pequeno, estas linhas assumem a forma de círculos concêntricos.
  8. 8. • IMAGENS RADIESTÉSICAS: são radiações reflexas que circundam o corpo de modo anômalo. São intensas nos dias tempestuosos ou com sol forte demais e diminutos à noite e em dias nublados. As imagens radiestésicas sempre induzem a erros e são de intensidade decrescente, ao passo que a radiação própria do corpo tem intensidade constante. Estas imagens são destruídas pelas pontas, bastando segurar algo pontudo mantido na vertical, com a mão livre. Podemos usar um lápis, uma agulha fincada em uma rolha, ou até mesmo um alfinete.
  9. 9. Aplicações da Radiestesia A radiestesia pode ser aplicada em todo e qualquer ramo do conhecimento humano. Sempre que se queira obter uma resposta ou encontrar algo, (objetos, pessoas desaparecidas, etc.), - em qualquer atividade, pode-se lançar mão das diversas técnicas radiestésicas. Abaixo segue algumas das possíveis aplicações da radiestesia: • Prospecção hidromineral. Permite a localização de água, petróleo, gás natural, pedras preciosas e jazidas minerais. • Pesquisa arqueológica. Permitem a localização e recuperação de objetos, peças arquitetônicas e documentos históricos de civilizações desaparecidas. • Pesquisa em geobiologia. Permite a detecção e análise das ondas nocivas emanadas do subsolo, das construções e dos objetos. • Pesquisa bioarquitetônica. Permite a construção de ambientes eubióticos a partir da pesquisa geobiologia. (Eubióticos: que vive bem). • Pesquisa psicológica. Permite avaliar talentos, aptidões, potencialidades mentais, distúrbios de personalidade, etc. • Pesquisa medica e veterinária. Permite o diagnóstico de distúrbios e doenças e a escolha da terapia mais adequada a cada caso. • Pesquisa homeopática. Permite ao médico homeopata selecionar o medicamento simílimo e determinar a potência ideal para cada caso. Permite também determinar a posologia e, ainda, os horários de administração do medicamento e o tempo de duração do tratamento. • Pesquisa criminalística Permite a localização de infratores, criminosos, desaparecidos, seqüestrados, cadáveres, e bens e dinheiro perdidos, escondidos ou enterrados. • Pesquisa agrícola e ecológica. Permite a análise do solo, escolha de adubos, seleção de sementes e mudas, orientação e combate às pragas, a detecção de agentes poluentes na água, ar e solo e a determinação de métodos de combate a qualquer praga, permitindo também o encontro de soluções eficazes no controle de espécies daninhas e na proteção de espécies em extinção.
  10. 10. Radiônica A radiônica ou psicotrônica é uma ciência que, de forma interdisciplinar, estuda os campos de interação entre as pessoas e seus ambientes e os processos energéticos envolvidos. A psicotrônica reconhece que a matéria, a energia e a mente estão perfeitamente interligadas. Os conhecimentos para detectar, registrar e analisar as manifestações de energias presentes na natureza já era de domínio dos antigos Egípcios, Atlantes e seus antecedentes do continente de Mu, sendo que a maior de todas as provas é a Grande Pirâmide, o maior de todos os aparelhos psicotrônicos até hoje fabricados. O grande pesquisador tcheco Robert Pavlita baseou seus estudos em antigos manuscritos e papiros egípcios, construindo inúmeros geradores (pesquisas psíquicas atrás da antiga Cortina de Ferro). Não se sabe exatamente os segredos de construção desses aparelhos. Em geral são feitos de aço, ferro, madeira e alguns incluem até pedras preciosas e metais nobres, sendo todos combinados tecnicamente. As formas desses aparelhos são variadas e nelas é que reside o maior segredo de seu funcionamento. Apesar de ser a piramidologia a mais conhecida dentre os estudos da psicotrônica, existem outros tipos de geradores psicotrônicos, ainda pouco divulgados e que oferecem inúmeras vantagens. São classificados em dois grandes grupos: • Os Condensadores Eletro-Eletrônicos: são máquinas que operam baseadas em sistemas eletrônicos, ópticos ou mecânicos, que para seu funcionamento usam energia elétrica. As primeiras máquinas que se conheciam foram construídas na década de quarenta. • Os Condensadores Cósmicos: este tipo de energia dispensa a energia elétrica e engloba os geradores formados apenas por materiais específicos, com formas precisas em suas dimensões. Por serem de fácil construção e simples operação, é o grupo que mais nos interessa. Este tipo de condensador realiza extraordinários efeitos, tanto físicos quanto químicos ou biológicos, mesmo a grandes distâncias (fatores relativos como tempo e espaço tem manifestação só a nível objetivo).
  11. 11. Radiação Muitas foram as teorias elaboradas para explicar os movimentos dos pêndulos e das varetas radiestésicas. Acreditava-se, no passado que o fenômeno ocorria sob a ação de forças sobrenaturais. Na França, na década de sessenta, o físico Yves Rocard descobriu que o corpo humano possui sensores magnéticos da ordem de 5 gamma, ou seja, 10.000 vezes menor que o campo magnético terrestre. Conforme Yves Rocard: “Existem radiações emitidas pelos corpos, e isso é questão pacífica e a física (atômica, molecular e nuclear), nos prova que de cada corpo emanam radiações, cujas ondas são tanto mais curtas quanto mais altas forem suas temperaturas”. Foi penetrando no mundo atômico, que o homem descobriu uma variedade abundante de irradiação, pelo fato de os átomos se comporem de elétrons, prótons, nêutrons e outras partículas, que sofrem contínuos deslocamentos e combinações com elementos e partículas de outros átomos. Portanto, existe uma contínua intercombinaçao química. Também hoje é do nosso conhecimento que toda atividade mental emite irradiação, ou seja, as mais variadas ondas que foram comprovadas amplamente através de eletro encefalogramas. As emanações energéticas da nossa mente provocam uma variada gama de fenomenologia psicoenergética, que a parapsicologia já comprovou. Sem dúvida, sabemos que nosso sistema nervoso é estimulado continuadamente pelas mais diversas e variadas gamas de radiação que nos rodeiam e que, através do sistema nervoso, são levadas ao cérebro. Para a maior parte das pessoas estas ondas passam despercebidas, todavia, no momento em que a nossa mente se coloca em sintonia com elas, o nosso cérebro, através dos nervos eferentes, pode transferir essas captações ao pêndulo ou a varinha, imprimindo-lhes variados movimentos, que transistorizam as mensagens do inconsciente para o nível consciente. Existem duas tendências na prática da radiestesia: a física e a mentalista: • A física tem por norte os conceitos formulados, sobretudo pelos abades franceses Bouly e Mermet. Esses conceitos são: raios, ondas e cores emitidos pelos objetos e seres e orientados em função dos pontos cardeais e do campo geomagnético. • Os radiestesistas da tendência mentalista criticam os da física, porque muitas vezes o comprimento de onda, a cor e o raio fundamental característico de um objeto diferem, segundo o operador. A tendência mentalista considera que a convenção mental que precede a pesquisa é o que atua no inconsciente do operador, causando as reações responsáveis pelo movimento do pêndulo ou da vareta. Os radiestesistas que praticam a chamada radiestesia de ondas de forma aliam as duas tendências, sendo chamados de fisicomentalistas.
  12. 12. A atitude mental, mesmo quando o operador trabalha com a radiestesia física, não se pode afastar da interação de sua mente e de suas interações com o processo radiestésico. É importante, para o êxito de uma pesquisa, que o operador saiba se utilizar seu psiquismo, assumindo atitudes mentais adequadas. Existe uma total e perfeita interação entre o radiestesista, seu pêndulo e o objeto da pesquisa. Para desenvolver um trabalho adequado, deve-se sempre partir de uma convenção mental clara e invariável. Logo o objetivo da pesquisa deve ser bem definido e o radiestesista deve concentrar toda a sua atenção e vontade na busca de um resultado eficaz. Após a concentração, o radiestesista assume o estado de espera passiva, durante o qual a mente deve ficar absolutamente neutra. O processo radiestésico é baseado, totalmente, em um sentido especial do operador. Todavia, o sentido radiestésico é inato no homem e o radiestesista apenas o tem mais desenvolvido, devido a um treinamento sistemático. Segundo Malcolm Rae, radiestesista e radionicista inglês, o sentido radiestésico funciona no nível intuitivo e deve ser expurgado, o máximo possível, de intromissões do intelecto e da imaginação. As respostas obtidas podem provir do próprio operador (seja do subconsciente ou do inconsciente), do inconsciente coletivo, ou da chamada memória da natureza, ou ainda da Mente Divina. Ao ver de muitos, o radiestesista é considerado como um sensibilíssimo ressonador-oscilador, capaz de funcionar em variadas faixas energéticas emanadas tanto do Macrocosmo quanto do Microcosmo. Devido à sensibilidade desse maravilhoso biocomputador, diversas influências internas e externas podem afetar os resultados, de uma pesquisa radiestésica. Destaquem-se algumas delas: • Interferência mental consciente; • Fadiga mental ou física; • Estados emocionais; • Doenças; • Interferências advindas de emissões estranhas ao objetivo da pesquisa sejam de origem física, psíquica e ou espiritual. É de bom tom trabalhar sozinho, ou seja, o operador não deve trabalhar na presença de pessoas suscetíveis, hostis, doentes, negativas ou emocionalmente desequilibradas, pois tais pessoas podem, mesmo sem querer, provocar, seja por telepatia ou vampirismo energético, a neutralização, mesmo que temporária, das faculdades radiestésicas do operador. São condições para uma perfeita operação radiestésica: • Estados físicos tranqüilos, relaxados; • Ambiente calmo, não perturbador;
  13. 13. • Correta postura física na manipulação dos instrumentos radiestésicos; • Perfeita convenção mental - esta convenção é aquela que o operador estabelece consigo mesmo sobre as indicações fornecidas pelos seus instrumentos radiestésicos, bem com a sua interpretação. Esta convenção não dispensa o uso do testemunho, que deve estar totalmente desprovido de qualquer caráter supersticioso. • Interrogações mentais, que é o complemento da expressão do desejo e, que por sua vez amplia o campo de pesquisas, permitindo, assim, maiores detalhes e grande precisão nas respostas obtidas. • O estado do operador, tanto passivo quanto de espera, é um estado em que o operador deve eliminar por completo a noção do mundo exterior, devendo persistir a idéia bem como a visão do objetivo de sua pesquisa. Este estado de neutralidade subjetiva é o que permite a sintonização bem como a captação das respostas procuradas. Dizem alguns radiestesistas, que este estado é obtido facilmente com as práticas feitas através de meditação e relaxamento. O processo de perguntas e respostas, como o método utilizado pelo médico e radiestesista inglês Audrey Westlake, demonstrou a seguinte descoberta no processo radiestésico: forças etéricas formativas, sistema nervoso autônomo, músculos voluntários, movimento pendular, como seqüência. Através deste método, o operador usa o intelecto na formação das questões e na avaliação das respostas e usa a intuição, através da faculdade radiestésica, todavia é bom não esquecer que a radiestesia faz uso da faculdade supra-sensorial do tato. Para obtenção de bons resultados é necessário observar alguns parâmetros: • Verificar a legitimidade da questão; • Usar um pensamento claro, sem ambigüidade na formulação e usar as palavras mais adequadas, logo expressando mais claramente o pensamento e, • Usar o intelecto para verificar o sentido das respostas.
  14. 14. Pêndulo O pêndulo tem sua origem na China e já era usado aproximadamente há 2.000 anos a.C. e, na própria Bíblia, há várias passagens constando instrumentos de precisão captadores como, por exemplo, as varas de Moisés e de Jacó. Definição: resume-se em um corpo suspenso por uma extremidade fixa, por um fio flexível, de modo que possa oscilar livremente de acordo com a força da gravidade, normalmente usado como regulador de movimentos de outros instrumentos mecânicos como relógios e outros aparelhos de precisão. Portanto, é uma massa suspensa por um fio. Assim sendo, qualquer objeto de qualquer material suspenso por um fio, pode ser usado como pêndulo na prática da radiestesia. Utilização: o pêndulo é o instrumento básico da radiestesia, aconselhado inclusive para o uso em laboratórios, por ser um instrumento de muita sensibilidade e precisão. O pêndulo tem como objetivo captar e ampliar radiações de origem interna e externa, ampliando impulsos nervosos imperceptíveis sem um instrumento apropriado para este propósito. São três os requisitos básicos para se operar o pêndulo: • Tempo; • Instrumento próprio e, • Aplicação da inteligência. Logo, o pêndulo é um aparelho de intercomunicação entre o consciente e o subconsciente. Para tanto, devem-se criar uma linguagem própria entre os dois conhecidos, pois o subconsciente só pode se orientar por sugestões de uma fonte exterior. O pêndulo possui uma linguagem pré-determinada; o começo do movimento de comunicação se manifesta esperando sua concentração; movimento elíptico positivo; movimento elíptico negativo. Obs.: São importantes parâmetros para o radiestesista o adestramento do seu subconsciente com exercícios periódicos, para uma perfeita intercomunicação com o seu subconsciente. O pêndulo sempre parte do estado de repouso para, aos poucos, começar a se manifestar. Tais movimentos, através de reflexos nervosos não perceptíveis, são o início, retos na direção Norte-Sul, que aos poucos adquire a forma elíptica no sentido horário ou anti-horário, para novamente voltar ao estado de repouso, por força da gravidade. Pontos importantes: O pêndulo responde a qualquer pergunta afirmativa ou negativa (sim ou não), desde que se saiba formular a pergunta de forma objetiva e concisa. Nunca se deve tomar partido de qualquer situação, pois, o seu sistema nervoso pode se influenciar pelo seu sentimento.
  15. 15. Quando for operar o pêndulo, o sistema nervoso deve estar tranqüilo e estável, pois se o radiestesista estiver agitado ou excitado, o pêndulo tentará se mover, saltar ou dançar, dando uma leitura errônea das perguntas. O pêndulo funciona com impulsos elétricos, não de deve provocar um curto-circuito, cruzando as pernas, os braços ou as mãos. Na operação pendular, evitar a proximidade redes elétricas ou aparelhos de alta tensão, pois isso pode causar algum tipo de interferência. Não esquecer que o pêndulo é um amplificador elétrico do sistema nervoso.
  16. 16. Porque seu pêndulo trabalha no Universo Energético Todo ser vivo ou matéria possui vários tipos de cargas de energias - negativas ou positivas; construtivas ou destrutivas. Toda matéria possui, também, uma inteligência primária que é usada para selecionar o tipo de energia benéfica ou maléfica para ela. Todos nós já passamos por experiências do tipo: quando entramos em um ambiente qualquer e não nos sentimos bem com outra pessoa; os santos batem ou não; existe ou não simpatia. Isto não é premonição, mas sim energias que se combinam ou não - esta percepção funciona a nível consciente. Somando a isso a energia de todo o universo, por isso, um sistema nervoso sensível e devidamente adestrado não precisará de nenhum recurso externo para obter qualquer informação desejada. A pessoa que tiver tal sensibilidade terá apenas que se concentrar na questão ou problema desejado e seu cérebro emitir ondas para o infinito exterior, trazendo em seguida as informações desejadas. Infelizmente, a maior parte das pessoas não desenvolvem esta sensibilidade, e por isso precisam de um instrumento para ampliar e interpretar os sinais que o nosso sistema nervoso está nos enviando. Ao contrário da máquina mais aperfeiçoada, o cérebro humano tem possibilidades absolutamente ilimitadas. Por diversas razões, apenas uma parte, ou seja, uma das suas partes, bem pequena, funciona permanentemente. Na verdade, não há nenhum exagero em se afirmar que nosso cérebro está dormindo. As maiorias das células que o compõem permanecem adormecidas e são vegetativas, no entanto, estão à espera de um estímulo para serem conectadas e assumirem uma vida ativa. Encontram-se a nossa disposição, porém é preciso solicitá-las, o que nos esquecemos de fazer na vida diária. Não é preciso ser radiestesista para sentir as vibrações que emanam do corpo humano, porém, às vezes, a situação muda de aspecto quando se trata de um objeto, seja ele qual for, pois nós sabemos que estes objetos têm vibrações próprias. As aplicações da radiestesia são ilimitadas. Os três mundos - mineral, vegetal e animal - não passam de vibrações no imenso campo eletromagnético onde reina o Norte. Graças ao cérebro, o corpo é um magnífico emissor-receptor dessas vibrações. Pode-se afirmar que o pêndulo é a antena que precisamos, às vezes, para traduzir claramente as mensagens transmitidas permanentemente pelos corpos de onde emanam tais vibrações". Pêndulos
  17. 17. Pêndulo Testemunho Pêndulo Egípcio Pêndulo Universal Chaumery-Bélizal Pêndulo de Cone Virtual Pêndulo de Cristal – Após diagnóstico saturam rapidamente
  18. 18. Como utilizar o Aurameter Criação de Verne Cameron e Max Free Long, este instrumento radiestésico é utilizado para medição de campos de energias abstratas, geralmente não detectáveis com instrumentos científicos. Sua construção é muito simples tratando-se de um pêndulo preso à ponta de uma mola sensível. Tendo-se sempre em mente a sensibilidade do operador e de seu conhecimento na manipulação, o seu manejo é muito simples. O operador deve segurar levemente o instrumento pelo local apropriado, com as pontas dos dedos, mantendo o outro extremo (pêndulo) alinhado e na mesma altura dos dedos que seguram o instrumento. Impregnar a ponta com energia que se quer medir (o testemunho), como por exemplo, a energia de uma pedra, ou a aura humana. Encostar a ponta por alguns segundos em contato com o que se vai medir. No caso da aura humana, depois de encostar de leve o instrumento na pessoa, levar o instrumento até próximo do corpo, mantendo a mente numa atitude passiva, neutra, procurando não interferir com os pensamentos, esperando a reação do instrumento. Após instantes, sentirá ou observará uma força que, agindo sobre a ponta do instrumento, a afastará ou colocará junto ao corpo. Acompanhe esta força, deslocando a mão e levando o instrumento sempre alinhado. Quando essa força que tende a afastá-la e o instrumento alinha a ponta, é sinal de que a energia que a repele chegou a seu limite. A partir de então, temos o tamanho da aura humana da pessoa. O mesmo processo pode ser usado para medir a energia dos corpos animados ou inanimados, bem como outras energias abstratas. Desta forma vamos percorrer com o aurameter o corpo de uma pessoa, que além de medir a aura dos dois lados para verificação do equilíbrio, podemos com ele detectar uma doença, bem como se aprofundar no estágio da mesma, ou seja, quando ainda está somente a nível energético. Nas regiões equilibradas, o pêndulo da ponta se afasta e, nas regiões em desequilibro, ele é atraído, chegando a encostar a ponta no corpo.
  19. 19. Dual Rod – Seu uso e técnica É um instrumento formado por dois arames montados sobre duas bases que permitem a livre movimentação dos mesmos, garantindo, desta forma, sensibilidade às influencias externas. Este instrumento usado em radiestesia serve para detectar e determinar fluxos de energia. Sendo a mente - o pensamento do operador - a maior força existente, será através dela e de sua convenção que captará as energias que pesquisa, não se esquecendo que o Dual Road opera como uma extensão da sua sensibilidade (não esquecer que todos somos sensíveis, porém em diferentes graus). Este instrumento deve ser segurado através de seu cabo, levemente, mantendo os arames na horizontal, paralelos, separados aproximadamente de 4 centímetros. Vários exercícios poderão desenvolver mais a sua sensibilidade. Seguem alguns: • Segurando o instrumento como anteriormente citado, caminhe lentamente conservando seus arames paralelos na posição horizontal. Normalmente, a convenção (o acordo feito entre a mente consciente ou subconsciente e o instrumento) mundial na interpretação é a seguinte: quando se dá o cruzamento das varetas, existe ali a presença ou fluxo de energias, todavia, quando examinamos o chakra coronário, seu cruzamento avisa que este fluxo não está atuando plenamente. Todas as vezes que existe abertura das pontas das varetas, o fluxo de energia é normal, ou está atuando bem. • No que se refere à energia da terra, Dual Road determina com precisão o ponto geopata, se este ponto se tratar das conhecidas Redes Hartmann e Curry, ou mesmo de água subterrânea. Com relação à Rede Hartmann, com o Dual Road em posição de trabalho é só caminhar na direção Norte-Sul, sinalizando os pontos apontados pelo instrumento; depois siga o percurso transversal Leste-Oeste. Estas linhas apresentam distância de aproximadamente 3,20 m de espessura, dependendo do local e situação onde se apresenta. Já a Rede Curry projeta-se a 45 graus em relação às linhas magnéticas da terra, tendo uma distância de até 4 m entre elas e possuindo 20 cm aproximados de espessura. Esta linha é medida partindo-se de Nordeste-Sudeste e de Noroeste-Sudoeste. Dual Road
  20. 20. Bastão Atlante Retrocedendo ao passado mais longínquo, encontramos em uso por personagens como Merlin, o Mago e os Reis de Atlantes, bastões ou cajados, aos quais se atribuíam grandes poderes. Sempre ouvimos dizer que, por trás de todas as lendas e tradições, verdades e grandes fatos ocultam-se sob o aval de um cientificismo tradicional e obscurantista. A verdade é que estes grandes fatos, ou grandes homens, que realizavam prodígios, passam aos nossos olhos como fantasia ou história para crianças, pois, nossa mente, lógica e racional, passa a não admitir aquilo que seja diferente dos fatos corriqueiros do dia-a-dia. Poderíamos dizer, então, que nossa mente, ao invés de não admitir o fato, está, na realidade, não compreendendo, visto extrapolar os limites de toda aprendizagem que recebemos. Independente da forma como são vistos, os bastões de força foram muito usados em época muito remota, da forma como hoje é usado o computador. No distante continente Atlante, podia-se observar o uso dos bastões de força nas mais diversas aplicações, como no controle do tempo, no transporte e levitação de grandes blocos de pedra (como no caso da Pirâmide de Quéops), restabelecimento de energia, saúde individual/ coletiva e até para a guerra. Foi o uso desses bastões de força, o marco principal da ascendência e queda do império Atlante, pela forma indevida que se deu ao direcionamento das energias cósmicas. Basicamente, o Bastão de Atlante é composto de duas partes principais: um tubo oco de cobre e um cristal de quartzo. Ao tubo de cobre cabe a função de armazenar, em seu interior, partículas subatômicas e, ao cristal de quartzo, a de através de uma sintonia mental, proporcionar um direcionamento da energia armazenada no tubo de cobre, ou mais precisamente chamado de câmara de partículas subatômicas. A ciência de hoje já comprovou que toda manifestação material é tão somente um bombardeamento de energia subatômica sobre a matéria densa e esse bombardeamento é direcionado pela nossa mente. Nossos sentimentos e pensamentos emitem partículas subatômicas a todo o momento e fazem manifestar em nossa vida externa aquilo que pensamos. Os livros e cursos sobre pensamento positivo determinam que devemos nos sugestionar através de pensamentos positivos e imaginar aquelas situações em que gostaríamos de nos encontrar com a maior realidade possível, sem que desviemos nossa mente para as negatividades que prejudicam o quadro mental. Visualizar e imaginar é compelir a matéria a se manifestar de acordo com aquilo que queremos; é direcionar as partículas subatômicas de modo a formar um molde para que o externo e denso o preencha.
  21. 21. O uso do Bastão de Atlante permite que a nossa energia mental seja direcionada com 1.000 ou 10.000 vezes mais força, o que faz com que consigamos realizar nossos desejos com maior rapidez do que apenas através da visualização do quadro mental. Se nos relaxarmos, ficando em um ambiente silencioso, sem que ninguém nos incomode, realizando algumas respirações profundas, estaremos aptos a fazer um exercício como o que segue: • "Imagine um carro novo, com todos os detalhes e, observe profundamente suas formas, sentindo como se ele fosse seu. Mantenha este quadro mental seguro e, em sua mão direita, o Bastão de Atlante. Imagine e sinta que a câmara de cobre está se carregando de energia e que, ao nosso decreto mental, esta se manifesta sobre o quadro mentalizado, através de uma luz forte branco-azulada, que, saindo do cristal, vai para o carro". Percebemos que o uso deste bastão nos dota de um poder e de uma capacidade de visualização e realização, que antes não possuíamos. Isso se deve ao fato do cristal de quartzo ter-se sintonizado com sua mente. Agora, então, ele é uma ferramenta em suas mãos. O quadro deverá manter-se firme por mais alguns minutos, a ser repetido todos os dias, até conseguirmos nosso objetivo, o que não tardará a realizar-se. Suponhamos agora que o nosso desejo seja cicatrizar algum ferimento. Nesse caso, devemos manter a parte afetada a mais ou menos a um metro de distância. Sintamos a energia subatômica sendo armazenada no tubo de cobre e, logo em seguida, saindo em um feixe de luz branco-azulada em direção ao ponto afetado do paciente. Contorne o corpo do paciente de longe e imagine a cura dele sendo realizada com esta luz purificadora. Direcione, agora, o foco de luz para o ferimento: imagine e creia que ele não mais existe. Imagine o local do ferimento completamente curado e restabelecido. De forma se deve imaginar o ferimento como ele está no momento. Essa luz branco-azulada moldar-se-á e impelirá a matéria a mudar com a maior facilidade. Ela poderá ser emitida para os mais diversos fins, como: crescimento de plantas, extermínio de pragas, de insetos nocivos, melhoria na situação financeira, cura de doenças, equilíbrio e pacificação do lar, aquisição de bens, etc. Cabe salientar que o retorno kármico resultante do uso deste bastão é imediato. O tipo de energia que emitirmos, antes de alcançar a pessoa ou a situação, irá impregnar, primeiramente, a nossa própria aura com a qualidade da vibração emitida. Devemos, portanto, acautelar-nos quanto ao uso do bastão para fins egoísticos ou destrutivos, pois, haverá um retorno imediato ao emissor.
  22. 22. Trabalho radiestésico - Fenômenos que o dificultam São em número de dois os fenômenos que podem ocorrer e dificultar o trabalho radiestésico: a remanência e o "fading". A Remanência é devida à impregnação das radiações de um corpo no local em que este permaneceu durante algum tempo. Os testemunhos impregnados adquirem suas propriedades radiestésicas pelo seu contato, mais ou menos prolongado, com pessoas ou substâncias. O período de duração da remanência, varia de acordo com a natureza do corpo e com o tempo que esteve no local. A remanência pode atingir o terreno, objetos, plantas e o próprio radiestesista e o seu pêndulo A remanência mais forte é a dos metais, depois a das matérias orgânicas e das rochas. A matéria trabalhada produz uma maior remanência que a matéria bruta. No entender de muitos radiestesistas, os diversos métodos para eliminar a remanência não são totalmente eficazes. Pela técnica de René Lacroix a I'Henry, para saber se uma radiação é real ou remanente, utiliza-se uma folha de papel branco entre o pêndulo e a fonte radiante. Se o pêndulo ficar imóvel, a radiação é remanente; se girar provém de algo presente ao local. Existe também a possibilidade de colocar-se o pêndulo em cima da terra, para que esta tire a remanência. O Fading é o fenômeno que ocorre em radiestesia provocando a variação na intensidade das ondas recebidas (em inglês, quer dizer desvanecimento). Na radiestesia existe fading quando as radiações se desvanecem e o pêndulo entra em inércia. O fading ocorre em função de alteração geomagnética, distúrbios radioelétricos, alterações atmosféricas, influências cósmicas e planetárias, fases da lua, explosões solares, etc. A causa do fading também pode estar no radiestesista e ser devida a doenças, alterações psicológicas ou fadiga. Quando isto ocorre deve ser suspenso o trabalho e só recomeçá-lo horas depois ou em outro dia.
  23. 23. Conselhos práticos para o trabalho radiestésico • Todos os dias use 15 minutos para praticar a radiestesia: 5 minutos para relaxamento ou concentração e 10 minutos para trabalhar com o pêndulo. • No início ter sempre, se possível, o mesmo horário e o mesmo lugar - basta um metro quadrado. Essas condições ajudarão para um condicionamento melhor. • É importante estar descansado, sem tensão muscular e sem pressa. • Apoiar os pés no chão; não cruzar os pés, nem as mãos. • Sempre que possível, fazer o exercício sozinho. Pessoas presentes poderão influenciar com seus pensamentos e/ou incredulidade. • Não usar calmantes, pois, amortecem a sensibilidade. Se você tem tensão aprenderá a eliminá-la com a própria observação do movimento de pêndulo, ou através de outros meios naturais. • Esfregar as mãos, uma na outra, antes de começar os exercícios e durante os mesmos, a fim de obter melhor polarização. • É muito importante fazer exercícios de concentração e relaxamento antes da prática com o pêndulo. Olhar a mão, abrindo-a bem devagar é ótimo exercício que serve para o controle nervoso muscular. • Neutralidade mental. No início é comum influenciar os movimentos do pêndulo. É difícil evitar. Não desanime. Dê tempo ao tempo. • Muita paciência. A radiestesia necessita trabalho. Sempre muita prudência, especialmente no inicio. • Esteja autoconfiante e convencido de que o pêndulo funciona na sua mão; para isso, é bom fazer exercícios que possam ser comprovados. • Não se tornar fanático. • Despertar a sensibilidade através de exercícios de desenvolvimento sensorial. • Ter um método próprio, ou seja, com o passar do tempo criar seu método e você sentirá que seu trabalho fluirá cada vez mais. • Sempre que possível, procurar posicionar-se de frente para o Norte. No entanto, isto no começo, pois, com o passar do tempo, você irá usar seu pêndulo em qualquer posição. • Cuidado com os campos artificiais do lugar, com as correntes elétricas, pois podem influenciar. • Regular o pêndulo através da corrente, para sintonizá-lo com aquilo que queremos saber. Segurar o pêndulo suavemente, porém com firmeza. • Sempre que possível, usar um testemunho. • Remover qualquer impregnação, usando um gráfico Desimpregnador e depois valorizar o pêndulo num Decágono. • Se o pêndulo não se movimentar, a causa poderá ser um bloqueio ou "fading". Isto ocorre quando há uma mudança climática brusca. Esta inércia poderá ser também, por cansaço ou tensão do praticante. Nestes casos, recomenda-se deixar a pesquisa para outro momento. • A mão esquerda, no caso de pessoa destra, é usada como antena. • Desempregar o pêndulo, antes e depois de cada experiência. • Dar um nome a seu pêndulo. Isto porque você estará trabalhando com energia.
  24. 24. Energia A mal compreendida e definida Energia é - tem sido - um dos grandes mistérios da criação. Energia é uma palavra utilizada como se fora algo muito familiar (de fato o é), porém, quando paramos para pensar o que é na realidade energia, começamos, sem sombra de dúvidas, a tomar consciência de sua complexidade. Algumas de suas manifestações são bem identificadas, ou seja, através da nomenclatura dada pela física clássica (energia térmica, mecânica, cibernética, nuclear, elétrica, cinética, magnética, etc.) sendo que a energia foi definida como sendo "todo o agente capaz de produzir trabalho”. A etimologia da palavra energia vem do grego "energes" (ativo), esta por sua vez provém de "ergon" que significa obra, então a palavra indica que a energia implica em atividade. O homem foi, em todo o seu trabalho evolutivo, descobrindo gradativamente e ao mesmo tempo manipulando as energias em seu proveito. A priori as da natureza e, logo após, as que ele reproduzia e combinava com a criação de utensílios, armas, máquinas e ferramentas. As primeiras energias conhecidas pelo homem foram, sem dúvida, as energias térmica e acústica, desde o ventre materno. E logo as reproduziu e as controlou, iniciando, desta forma, sua jornada evolutiva. A partir do fogo e com a criação de utensílios e ferramentas (da térmica e da mecânica), inicialmente de pedra e madeira e evoluindo para as de metal, ele passa a obter conforto e segurança. Posteriormente foram criadas as máquinas a vapor, que transforma a energia térmica em mecânica, obtendo movimento. Com certeza a esta fase podemos considerar como a fase do domínio das energias grosseiras (ou seja, de baixa freqüência vibratória), perceptíveis apenas em nível dos sentidos objetivos. Um avanço científico e tecnológico muito grande ocorreu quando Benjamin Franklin descobriu a eletricidade. A partir de então se iniciou uma nova fase, ou seja, a constatação e o domínio das energias invisíveis, porém, perceptíveis através de suas manifestações e mensuráveis somente através de instrumentos. A energia elétrica deu origem a outras energias invisíveis, tais como: a magnética, surgindo os radiotransmissores, motores elétricos, etc., sempre combinando e transmutando estas energias. Hoje, quando ouvimos falar da energia quântica, solar, hidráulica, etc., sabemos que todas foram devidamente classificadas pelas leis da física. Não podemos deixar de reconhecer o extraordinário conhecimento que os povos antigos possuíam.
  25. 25. Além de conhecer a importância da relação energética correta, sabiam ainda manipulá-la para preservar o equilíbrio físico e psicológico através do estado de harmonia com as energias superiores e, como resultado, o sistema imunológico e o corpo físico. A partir da primeira respiração o ser recebe energia cósmica que penetra pelo seu centro psíquico superior, desta forma se caracteriza a individuação do ser com a freqüência da energia cósmica do momento.
  26. 26. Conceito clássico de Energia Para a física clássica, energia e matéria são classificadas como dois elementos separados. A energia que ela classifica é aquela que pode ser encaixada nos padrões acadêmicos materialistas por ela definidos e não considera ou explica as manifestações da energia mais sutil. Por outro lado, a matéria segundo esta classificação apresenta-se em três estados: sólido, líquido e gasoso. Sólido: a força de coesão inter atômica ou intermolecular é maior que a de repulsão; Líquido: a força de coesão é menor que no sólido, sendo que desta forma, este estado assume a forma do recipiente em que está contido; Gasoso: a força de repulsão é maior que a de coesão; desta forma, todo gás procura ocupar o maior espaço possível. Para Albert Einstein a matéria é energia em estado potencial ou latente e será energia cinética ou de movimento no momento em que liberar essa energia. Ele chega a formular essa equivalência em termos físico-matemáticos. Na física moderna está cada vez mais aceito o conceito de que tudo o que existe no universo (inclusive o homem) é feito de uma mesma e ainda misteriosa substância, a energia, que se manifesta de infinitas maneiras em infinitos níveis de condensação.
  27. 27. Energia sob o ponto de vista oriental As principais culturas do Oriente também definem a energia como sendo um princípio. Todavia vão muito mais além: chamam-na de Prana e a identificam como um dos princípios fundamentais do Universo. Assim, na cosmogonia oriental, todas as manifestações energéticas passam a ser subprodutos deste Prana, essencial e onipresente, que a tudo interpreta. No contexto universal da criação o ser humano é o único ser vivo que tem consciência e, pelo uso do livre-arbítrio, pode transmutar, através da mente, as energias que ela processa, elevando, melhorando ou aproximando-as do nível de Freqüência Vibratória dos Planos Superiores, onde se sintoniza com as forças criativas, construtivas e sublimes da natureza, gerando saúde, harmonia e evolução. Outras vezes as transmuta, afastando-as desses sublimes níveis vibratórios, gerando desarmonia e doenças. A primeira vítima deste processo é sempre a pessoa que gera este tipo de energia, já que pela lei da trilogia (mente-energia-matéria), a energia, gerada pela nossa mente, determinará a qualidade da aura, das células e de seu corpo físico. Se esta energia gerada for boa, positiva, teremos uma aura sadia, magnética e atrativa. Se for o oposto, estará gerando energia negativa, poluindo seu corpo físico, tudo o que sua aura impregnar energeticamente e/ou até onde projetar seus pensamentos. Somos, em resumo, o maravilhoso laboratório alquímico que a natureza utiliza para efetuar a transmutação do grosseiro para o sutil, em conformidade com o divino objetivo da evolução. Energia sutil A energia sutil - essa desconhecida – foi tema de uma teoria eletromagnética do Professor René Louis Vallee que nos ensinou que se a energia atinge um determinado espaço, uma densidade suficiente, acontece a materialização de um fóton; mas se a energia for de densidade inferior, ela só pode existir em forma de onda. Pode-se então perguntar: - se a densidade for ainda mais reduzida, a ponto em que nem onda possa existir, a energia desaparece? Evidentemente, ela deve continuar a existir na forma que não é corpuscular nem ondulatória, numa forma não formulada, de maneira difusa. O meio adquire uma espécie de neutralidade energética - se o espaço for perturbado, forma-se uma emissão de forma. A níveis energéticos maiores, devera aparecer uma radiação eletromagnética. Isto significa que vivemos literalmente num banco energético. O que confunde a cabeça dos pensadores é a manifestação de certas energias que eles não conseguem classificar, segundo as leis acadêmicas e materialistas, mas que estão e, sempre estiveram, se manifestando. Entre outras, podemos falar da energia psíquica e suas inúmeras manifestações (telecinesia, telepatia, psicometria, levitação, etc.). Podemos também citar a energia das formas, mas apenas como ilustração, mencionamos a energia piramidal. Esta energia não só é muito
  28. 28. conhecida como é de fácil utilização e manipulação. Não podemos ignorar as energias que interagem no ser humano, tais como as faladas e manipuladas pelas grandes culturas orientais. O corpo físico tem inúmeros circuitos e comandos elétricos que tem como função a manutenção do sistema. Torna-se difícil explicar cientificamente, pelas leis da física clássica, a existência dos meridianos de acupuntura chinesa, vez que não podemos ver, medir, sentir ou fotografar. Todavia eles estão aí e, se manipulados corretamente, alteram o fluxo que, para a medicina tradicional, são difíceis de tratar. Hoje, com a abertura da teoria holística, temos inúmeros livros e cursos sobre o assunto, portanto sabemos existir curas psíquicas e não nos surpreende os fenômenos paranormais.
  29. 29. Energias vitais Muitos pesquisadores já reconhecem, no momento, três forças independentes, provenientes do Sol. São elas: • Energias físicas: conhecidas e conversíveis entre si, tais como: Eletromagnetismo, o Som, o Calor, a Cor, etc. • MANA: apesar de ainda não ser reconhecida oficialmente, é uma força vital que pode ser vista nos dias ensolarados, principalmente na forma de espocar de luzes quando olhamos para o horizonte. • KUNDALINI: esta, também não reconhecida pela ciência oficial, porém é, com certeza uma força vital. Sabemos ser esta força muito grande, quando estimulada corretamente. È a energia que desenvolve as capacidades armazenadas em nosso Inconsciente. Desenvolve, enfim, o Espírito, a Inteligência e o Amor ao Todo. As energias ditas físicas, nós as conhecemos. Prana é a energia do sopro da vida, ou a Energia da Vitalidade. É emanada pelo Sol e penetram nos últimos átomos que flutuam na atmosfera. Estes, por possuírem esta energia adicional, atraem mais seis átomos a seu redor. Esta composição, assim formada, chama-se Glóbulo da Vitalidade. Com certeza, este Glóbulo pode ser visto aos milhares, por qualquer pessoa que visualize o céu, principalmente nos dias ensolarados. Eles são vibrantes e incolores, possuindo uma atividade muito intensa. Quando o Sol brilha, eles se renovam em quantidade. Pessoas ficam, automaticamente, mais alegres nos dias ensolarados. Em dias nublados, há uma diminuição dos mesmos, que se vez mais acentuado, na medida em que os dias nublados se sucedem. A energia Prânica (Glóbulo Vital) manifesta-se no centro dos chakras e, depois, irradia-se, formando raios, sendo que cada chakra possui um número diferente de raios. O chakra responsável pela captação e distribuição deste Prana é o chakra do Plexo Solar (Esplênico, Baço, Plexo Solar, entre outros nomes que se dão). Esta energia é formada por sete átomos, sendo que cada um com uma freqüência específica: Violeta, Índigo, Azul, Verde, Amarelo, Alaranjado, Vermelho.
  30. 30. O ser humano e a energia cósmica Existe a Energia Fundamental (Vital) Universal que a tudo interpenetra e relaciona, sendo dela que tudo depende na criação, seja ser vivo animado ou ser vivo inanimado. Através dessa energia é que se manifesta a inteligência cósmica na natureza. O homem, parte integrante da criação, depende também dessa energia que garante a sua saúde, equilíbrio, harmonia e evolução. Culturas antigas já tinham o perfeito conhecimento de que a saúde depende da correta recepção, circulação e manutenção dessa energia. Estudos atuais sobre mandaIas (utilizadas pelos indianos e que eram consideradas amuletos antigos dos egípcios) demonstram o profundo conhecimento que os antigos possuíam sobre os campos de energia áurica, bem como dos métodos de manipulação e de seus efeitos. No livro dos mortos egípcios, faz-se referência à fabricação de certos amuletos, bem como de sua forma mágica que eram colocados sobre a cabeça das múmias com a finalidade de reter a forca vital. Já o livro dos mortos tibetanos (Bardo Todal Budista), faz referência a um ponto de recepção e transmissão energética, localizado na junção sagital (abertura para os nervos), que penetra no crânio, na coroa da cabeça. Tansley este interpretou que o fluxo de energia é outro fator importante a considerar. Não basta somente aplicar energia no chakra; é preciso saber também se ela flui para a glândula endócrina correta e daí para os sistemas de órgãos governados pelo chakra em questão, como também se ela circula através dos veículos. Existe um grupo da terapia radiônica que afirma que chakra coronário não deve ser tratado. Esta concepção não se faz fundamentada. A idéia deve ter surgido a partir do entendimento de ser o chakra coronário o centro, a partir do qual o ser espiritual interior governa o eu inferior. Todavia, isso jamais se constituiria em um obstáculo que impossibilitaria o tratamento. A imposição das mãos ou mesmo o ato de abençoar uma pessoa envolve ambos, posto que se executado corretamente, se dá a passagem das energias superiores, invocadas através do centro da cabeça (chakra coronal). É através desse chakra que se dá a entrada ideal da energia cósmica e pode despertar a vontade espiritual de qualquer indivíduo. Ligado a glândula pineal, temos o centro psíquico superior, que para muitos é a sede da alma ou terceira visão. No entender de muitos, nos dias atuais, ela coloca nossa consciência finita em contato com a consciência infinita do Cosmos, que se manifesta nos milagres da natureza bem como nas funções do nosso corpo (microcosmo), que não controlamos conscientemente, tal como a respiração, a digestão, a autocura, etc. A ver de muitos, talvez seja mais importante sua influência nas funções psíquicas, bem como o equilíbrio psicológico do ser humano. Todavia, é bom saber que, mesmo quando o homem estiver em perfeito equilíbrio energético, ainda assim poderão surgir doenças ou mesmo desequilíbrios psíquicos ou psicológicos advindos de hábitos incorretos, seja de conduta ou pensamento, ou mesmo até como conseqüência das energias externas que o atinge, sejam elas oriundas de qualquer fonte.
  31. 31. David V. Tansley, no seu livro “Dimensões da Radiônica", ilustra o princípio acima citado quando explica que às vezes existe uma causa para muitas manifestações físicas de doenças, sendo que na maioria das vezes, ela se encontra no aspecto psíquico ou psicológico na mente da pessoa. Hoje temos inúmeras publicações onde se observam os sintomas ou, o que pensamos, onde em contrapartida se destaca a relação de pensamentos para nosso estado imunológico. A autora Louise Hay, em seus vários livros, nos propõe pensamentos corretos para um equilíbrio perfeito, bem como para um corpo saudável. O sistema interligado: tampouco a psiconeuroimunologia tem respostas claras. Mas o que ela postula nos últimos anos é fascinante, pois reza que qualquer coisa acontecendo no cérebro é observada pelo sistema imunológico. Se for estresse ou desespero, bem-estar e felicidade, as células imunes sabem e, dependendo do caso, sua ação é diminuída ou aumentada. Os mensageiros da informação para o cérebro/sistema imunológico trabalham com substâncias pequeninas; os neurotransmissores e os peptídeos. Até o momento foram descobertos mais ou menos 70 deles, porém existe a probabilidade de existirem algumas centenas. Eles são produzidos pelo cérebro e se instalam em determinados lugares, chamados receptores, na superfície das células imunes. O cérebro de uma pessoa depressiva libera grande quantidade dessas substâncias transmissoras, que por sua vez também deprimem as células imunes. O principio é muito simples: nosso sistema imunológico é feliz quando estamos felizes e, triste quando estamos tristes. O programa contido na cabeça se projeta em nosso estado de saúde. O cérebro ouve tudo que acontece no sistema imunológico. Mas como sabemos hoje, as células cerebrais e os glóbulos brancos falam a mesma língua molecular e sabem tudo uns sobre os outros. Porque a criação das substâncias transmissoras não é monopólio do cérebro: o sistema imunológico também é capaz de produzir hormônios de estresse e liberando até a endorfina, analgésico próprio do corpo. Do mesmo modo, dos intestinos, estômago ou rins são liberadas substâncias transmissoras que influenciam nossas emoções e pensamentos. Literalmente, emoção tem pouco a ver com a cabeça, e mais com a barriga. Aquela totalidade tão freqüentemente postulada já assume agora formas concretas. Através dos neurotransmissores e dos peptídeos, tudo é ligado a tudo. As conseqüências dessa descoberta são revolucionárias. Um corpo capaz de influenciar o cérebro, cuja atividade pode ser observada por cada célula - esta fantástica rede psicossomática - não tem mais muito a ver com o organismo tratado pela medicina ortodoxa. A divisão em sistema nervoso, imunológico digestivo, hormonal, em todo caso, vale apenas parcialmente. Até Candice Perth, uma hiperortodoxa bióloga molecular muito conhecida nos Estados Unidos, já fala em corpo-mente. Também por aqui as paredes estão desmoronando... Mas o cavalo tem um cavaleiro. Como a consciência interfere nesse processo? Como começar aquela reação em cadeia psiconeuroimunológica?
  32. 32. Como o cérebro traduz nossos pensamentos e emoções num padrão de neurotransmissores e peptídeos? A resposta ainda é a de sempre: não sabemos. Porém estamos mais próximos de descobrir o segredo. O mais fascinante das substâncias transmissoras moleculares é que elas são flexíveis e diferenciadas o bastante para projetar imediatamente processos mentais no nível físico. São os mensageiros sutis do corpo, agindo nas fronteiras entre os mundos. A contribuição da ciência atual, com suas pesquisas na área da física quântica, lança luzes de inestimável valor, tanto que confirma cada vez mais a validade do conhecimento das civilizações milenares, que a sua época já manipulavam as energias que muitos apresentam como novas descobertas. Analisando alguns dos desequilíbrios mais comuns nos dias atuais, a tensão nervosa, bem como suas conseqüências, notamos que a pessoa nervosa não tem paz nem tranqüilidade mental, pois está constantemente em tensão física, logo não consegue soltar seu corpo e tampouco relaxar. Suas energias se consomem pela manutenção dos nervos tensos. Portanto, seu estado mental é agitado, permanecendo em estado constante de alerta, liberando adrenalina no seu sangue e veneno psíquico na sua aura que se desarmoniza, afastando a pessoa da freqüência da força vital ou energia cósmica. Até sua coloração muda podendo a partir daí ser observada a cor correspondente ao seu estado de desequilíbrio, inclusive tornando esta pessoa desagradável, uma vez que polui, com sua aura, o ambiente que a circunda. As pessoas sensitivas e esclarecidas no assunto percebem conscientemente, ou mesmo inconscientemente, por pessoas que não entendem o assunto, pois sentem aquela sensação desagradável quando estão na presença de pessoas desequilibradas e, muitas vezes tornam- se vítimas de sua influência. Não se pode deixar de reconhecer o extraordinário conhecimento que os povos antigos possuíam. Além de conhecer a importância da recepção energética correta, sabiam ainda manipulá-la para preservar o equilíbrio físico e psicológico através do estado de harmonia com as energias superiores e, como resultado, o sistema imunológico e o corpo físico. A partir da primeira respiração, o ser recebe a energia que penetra pelo seu centro psíquico superior, desta forma se individuação do ser com a freqüência da energia cósmica do momento.
  33. 33. Aura humana e saúde Aura é um campo magnético que circunda qualquer tipo de matéria. Na matéria inanimada, ela mede mais ou menos 2 cm e é comumente chamada de “efeito coroa”, fácil de visualizar e até fotografar. No caso dos seres vivos, encontramos a aura própria do corpo físico, ou seja, da matéria e, além desta, existe um campo de energia bastante sutil de tamanho e freqüência variável. Sabemos que o homem é muito mais que um corpo físico denso e material. Nele interagem outros corpos de natureza sutis e inúmeros tipos de energia que recepciona, modula, e que nele circulam para que se manifeste a vida. Existe, no homem, uma manifestação de energia. Este fluxo de energia é a força vital que o animará desde o nascimento, até sua passagem. Hoje, esta força é vista e constatada através da foto Kirlian de um ser vivo, onde se vê o campo áurico. Todavia, num ser sem vida, este campo não existe. É de conhecimento geral que a máquina Kirlian ainda não possui a sensibilidade para fotografar as demais energias sutis que compõem a aura, pois devido à sua limitação, só demonstra as freqüências mais grosseiras. No entanto, através dela é possível constatar as mudanças provocadas na aura, seja pelos estados físicos, seja pelos emocionais. A radiestesia, através de seus instrumentos, pode medir a aura, além, inclusive, de diagnosticar diretamente os estados de saúde, tanto os físicos, como os estados subjetivos e suas influências no aspecto emocional ou mental. Hoje sabemos que a doença manifesta-se primeiro na mente, depois na aura e, por fim, no físico. Através do diagnóstico sobre a aura, podemos detectar os desequilíbrios quando os mesmos se encontram no estágio mental, ou seja, energético, ou ainda, quando ainda não se manifestaram no corpo físico.
  34. 34. Ressonância Vibração energética que se provoca num sistema oscilante quando atingido por uma onda mecânica de freqüência igual a uma de suas freqüências próprias; reforço da intensidade de uma onda pela vibração de um sistema que tem uma freqüência própria igual à freqüência da onda, ou ainda: transferência de energia de quando a freqüência do primeiro é própria do segundo. Um sistema oscilante para outro, coincide com uma das freqüências. Esta palavra é usada na física para "designar um fenômeno de simpatia entre dois elementos iguais". Este fenômeno nosso se a cada instante, por exemplo, quando sintonizamos nosso rádio e a emissora, onde ambos estão em ressonância, isto apesar da emissora ter sua freqüência. A ressonância pode produzir efeitos de grandes proporções e, será através dela, que o trabalho radiestésico funcionará, pois, ele sintoniza-se com o seu emissor, receptor ou amplificador. Os três fenômenos básicos no campo das radiações são: o emissor, o receptor e o amplificador, pois são eles que explicam com muita perfeição o fenômeno radiestésico. Advinda do estudo do elemento químico "Radium", tem por hipótese que todos os corpos, sem exceção, emitem radiação. Logo, se os corpos emitem radiação, outros a recebem e poderão ampliar estas ondas radiestésicas. Para a recepção das ondas radiestésicas é bom ter-se em mente que a superioridade da inteligência não deixa de ser menos evidente e menos rica. O cérebro é um receptor de todas as ondas. Ele pode captar, também, as ondas infracurtas como as ultralongas. Os neurônios recebem cada um de per si, dez mil informações por segundo, portanto, detectar uma radiação é pôr o cérebro em ressonância com um comprimento de onda, escolhido propositadamente, em vista de determinado interesse. Portanto, a detecção consiste em estar num estado de ressonância, o qual possibilitará ao cérebro passar a vibrar também segundo o comprimento das ondas emitidas por em determinado corpo.
  35. 35. Testemunho Testemunho, em radiestesia é algo de qualquer natureza e origem, que possa representar por homologia ou analogia, uma pessoa, objeto ou ser e que permita sintonizá-lo por ressonância durante o ato radiestésico. Ele deve ter a natureza exata do objeto procurado e serve para sintonizar o subconsciente do operador do objeto. Os testemunhos podem ser naturais ou sintéticos. Os naturais são obtidos a partir de amostras provenientes dos seres vivos e do reino mineral, como uma amostra de água para prospectar o mesmo mineral. Através de um testemunho, seja cabelo, sangue, saliva, impressão digital, foto, etc., podemos procurar a pessoa a que ele pertence, ou ainda, diagnosticá-la, sendo que os primeiros são naturais e os dois últimos são sintéticos, vez que a partir de elementos diferentes daqueles que irão representar o que fazem por síntese. Já, os testemunhos impregnados adquirem suas propriedades radiestésicas pelo seu contato mais ou menos prolongado com pessoas ou substâncias. Os irmãos Servranx, radiestesistas belgas, se utilizam testemunhos sintéticos, dentro de uma técnica considerada rápida e eficaz, que consiste na valorização decagonal: • Sobre um decágono (polígono regular de dez lados), se coloca a palavra que representa o ser ou objeto do testemunho. A partir de então, temos duas possibilidades - se utilizar a própria tira de papel, na qual foi escrito a palavra, ou colocar próximo a ela um pequeno vidro, contendo água. No caso de utilizar o vidro, teremos uma valorização feita para muito tempo; Já com papel, sua valorização durará aproximadamente 72 horas. Para provar a eficiência do testemunho-palavra, por valorização decagonal, os irmãos Servranx fizeram a seguinte experiência: • Pegaram um pedaço de papel e dois pedaços de cobre de 30 g, com o formato decagonal. • Constataram ser o cobre excelente testemunho e que havia ressonância entre ambos, devido ao raio de união que os liga no campo energético. • O papel tinha a etiqueta com a expressão "Chá de Ceilao", foi colocado sobre um dos pedaços de cobre e lá deixada por 30 minutos e, no outro, deixaram um papel branco. • Após retirar o papel etiquetado do decágono, verificaram não haver mais ressonância entre os dois decágonos, porém um deles tinha ressonância com o Chá de Ceilao. Qualquer tipo de testemunho pode ser valorizado no decágono, para aumentar sua impregnação pelo Raio de União, melhorando, portanto, até 100% e, eliminando totalmente as energias estranhas (remanências, ondas nocivas e, mesmo as influencias da matéria do decágono e do papel onde se escreve o testemunho lexical, etc.).
  36. 36. Convém ressaltar que as garrafas contendo sucessivamente conteúdos líquidos diferentes mesmo após lavação e esterilização, podem prestar-se como testemunhos destes líquidos, porque as emanações radiestésicas dos corpos não desaparecem com os tratamentos aplicados aos corpos que os impregnaram As emanações radiestésicas diferem, em freqüência, das radiações físicas visíveis, que se atribuem as diferentes substâncias ou aos seres vivos. Trata-se, pois, de algo muito diferente do que existe na natureza e que não morre, jamais. Os armários que contiverem inúmeros objetos podem, através da impregnação, revelar a nomenclatura dos objetos, bem como a época e seu tempo de duração / permanência. As paredes de uma casa também são testemunhos dos que lá viveram.
  37. 37. Gráficos Sua maior finalidade está em facilitar o trabalho, sob o ponto de vista visual. Todavia, nem todos os radiestesista usam gráficos, porém, uma planta de casa, sítio, fazenda, etc, não deixam de ser um gráfico, ou seja, um testemunho. Os gráficos radiestésicos têm, antes de tudo, uma finalidade simplificadora. Ao invés de utilizarmos testemunhos naturais ou artificiais podemos usar um gráfico e, num espaço menor, podemos, com certeza, pesquisar todos os elementos que nos interessam. O gráfico ainda oferece uma vantagem, pois, pode incluir fenômenos cujo testemunho, natural ou artificial, seria de difícil obtenção. Além do que, pode-se colocar num gráfico, setores vazios para colocação de elementos ainda desconhecidos ou então um setor com a palavra "outros", com isso poderemos saber se algum outro elemento (cor, energia, substância, etc.) e a resposta procurada faz realmente parte dela. Todavia, quando se tem uma série grande de elementos, pode-se dividi-los em dois ou mais gráficos e, neste caso, convém incluir em cada um deles, além do setor "outros", um setor "neutro" ou a palavra "nenhum". Quando o pêndulo indicar o setor "outros", muda-se para o gráfico seguinte da mesma série ou não. Porém, se for "neutro", poderá ser, no momento desta forma, pesquisa-se em outra hora e, se a resposta for "nenhum", encerra-se a pesquisa em relação a esta série. O gráfico funciona sempre como um separador de influências, permitindo uma sintonização adequada do (s) elemento(s) procurado(s). O gráfico é, na realidade, um sintonizador/separador de padrões energéticos emanados do testemunho e informados ao pêndulo pela mente do operador. Ainda que se opere por simples radiestesia mental, isto é, sem uso de testemunho, o gráfico sempre funcionará como um excelente facilitador do trabalho radiestésico. Sabemos com certeza que todos os corpos e fenômenos da natureza emitem raios que lhe são característicos. Nestes raios estão moduladas as características dos elementos que os compõem, de suas propriedades, das famílias a que pertencem da época de sua formação, de sua força, medidas e dimensões, de sua energia e das energias que lhe são afins, etc. Os padrões energéticos dos corpos e fenômenos serão mais bem sintonizados se o gráfico for específico. Pode-se, ainda, construir gráficos especiais que sejam o padrão mais exato para sintonizar, selecionar e compreender o fenômeno estudado. Neste caso, pesquisa-se radiestesicamente, entre outros, os seguintes elementos relacionados ao gráfico: • A forma mais conveniente; • A dimensão da figura; • O número e as formas das divisões; • O material a ser usado (papel, madeira, circuito impresso, etc.); • A sua orientação eventual e, • As possibilidades de amplificação. Quando um gráfico não é especial, ele deve, para melhor sintonização, ser simétrico em sua forma e nas suas divisões, ser impresso em tinta preta sobre fundo branco, ter tamanho
  38. 38. suficiente para se visualizar bem tanto o que está impresso (letras, números, palavras e símbolos), quanto qual a divisão apontada pelo pêndulo. Um gráfico de madeira (pirografada ou serigrafada) ou em um circuito impresso é mais potente do que se feito no papel. Se feito em cobre eletro depositado (sobre fibra de vidro, fenolite, ágata, vidro, etc.), o gráfico não é só mais potente, como também mais sensível. Além de sintonizador, um gráfico pode, também, as sutis, tais como EIF's (energia, influência e forma), intenções, raios fundamentais de remédios, cores, pedras, luz e energias diversas. Dentre os gráficos emissores, podem-se alguns: • Omega e Alfa, ou Alfa Vitalidade de Busby; • Símbolo compensador de André Phillip; • Gráfico Anti-Magia de Jean de La Foye; • Decágono, levado para a Grécia por Platão, etc. Quanto à sua forma, os gráficos podem ser circulares (discos), semicirculares, quadrados e retangulares. Sabemos que os gráficos triangulares e de outras formas são pouco utilizados, atualmente, sendo usados somente aqueles que são especiais e obtidos radiestesicamente. Os gráficos podem ser utilizados em todos os casos e principalmente quando se pretende selecionar um corpo ou fenômeno entre uma série de outros: • Cores; • Vitaminas; • Hormônios; • Metais; • Corpos simples, etc. Servem também para avaliar a ordem, a classificação, o grau, a força de uma coisa ou fenômeno, percentual, pH, tensão, temperatura, pressão arterial, resistividade sanguínea ou do solo, etc. Podem relacionar um elemento a um fenômeno mais geral: • Corpos sutis; • Raios fundamentais; • Chakras; • Influências astrológicas, etc.
  39. 39. Exemplo de um método de trabalho Em todo ritual (ou trabalho), precisa existir, acima de tudo, o Credo (a Fé), a Harmonia, o Objetivo Claro, a Força para Materialização do Objetivo e o Agradecimento. • Decisão: O primeiro passo necessário é que se decida fazer um trabalho, um ritual. Este não pode ser feito apenas por habito. Deve existir a Convicção Pessoal de Participarmos dele. • Harmonização: E' trabalho e/ou ritual começar pelo Perdão, o que seria, no nosso caso, a harmonização da Aura, o equilíbrio entre os Hemisférios Cerebrais (Racional/Consciente [Beta e Intuitivo/Inconsciente [Alfa]), o equilíbrio energético pela ativação da Hipófise e do Timo (Timo é a glândula responsável pela distribuição energética no organismo, portanto, daí, vem o Ritual antigamente utilizado de se bater no peito)]. A finalidade principal é perdoarmos a nós mesmos e aos outros, estando em paz, abertos para a continuação do trabalho/ritual. • Objetivo: E' a colocação clara do Objetivo, do que queremos, é a oração, o pedido. E' a definição do porque e do para que estamos participando do trabalho/ritual. A leitura faz com que a emoção tome parte do Objetivo, portanto, também devemos colocar nossa emoção junto com o Objetivo. E' fundamental chamar a atenção do Subconsciente (filosofia Huna). A leitura deve ser compatível e estar sempre de acordo com o Objetivo. A Fé é indispensável em qualquer ritual. • Concretização: E' o mecanismo material Concreto (colocar o símbolo, o talismã, o pedido, a contribuição) para estimular o subconsciente, ligando-o à emoção e chamando a atenção de que o objetivo é Importante. • Consagração: E' fazer com que a força de que precisamos para a Materialização do Objetivo venha até nós (Eu Superior, Gênios Planetários, Santos, Metas, etc.). • Comunhão: Dá-se através do trabalho do pêndulo e é a simbolização da Absorção/Captação dessa força (canalizada através do pêndulo), tendo por finalidade a realização do Objetivo. • Oração Final/ Pedido Final: Simboliza o agradecimento pela força recebida (pela elipse do pêndulo), para a Realização; Materialização do Objetivo (Ex.: Que assim seja; Está feito; etc.). Abençoar seu trabalho simboliza, portanto, a transmissão de parte da forca recebida do Cosmos para o Eu Superior, trazendo o Fortalecimento pessoal. Atenção: O Subconsciente não pode ter medo (temer a Deus, duvidar do trabalho), pois assim, não conseguirá entrar em contato com a Energia Cósmica ou o seu Eu Superior e, muito menos, com Deus. Qualquer coisa praticada sob o domínio do medo (religião, trabalho, radiestesia, magia, etc.) gera pessoas deprimidas e doentes.
  40. 40. Testemunho Em Radiestesia, é comum usarmos uma representação do paciente, ao que chamamos de testemunho, assim o tratamento empregado pode ser continuado à distância em caso de não podermos (por algum motivo) estar em contato direto com o paciente. O testemunho só terá valor e realmente representará a pessoa em questão se esta estiver ciente e concordar com o tratamento que estiver sendo empregado. Isso quer dizer que, mesmo para outros gráficos não relacionados à cura, ele perderá muita de sua eficácia quando o receptor não estiver sabendo do que se passa. Para confeccionar um testemunho, normalmente empregamos uma fotografia da pessoa. Outra forma de preparar um testemunho é escrevendo o nome completo e data de nascimento, sempre a lápis, sobre um papel com cerca de 2 cm de diâmetro ou mais. Neste caso, precisa ser escrito pelo receptor do gráfico, ou seja, aquele que receberá o tratamento. O passo seguinte é desimpregnar o testemunho das vibrações que não nos interessam. Para isso, passe-o algumas vezes na fumaça do incenso e coloque-o por cerca de X minutos no Gráfico Decágono (o tempo em que o testemunho ficará no Decágono dependerá da avaliação / medição feita com o Gráfico Relógio Radiestésico). Gire o pêndulo rapidamente, no sentido horário, 21 vezes, sobre o testemunho ou quanto sua intuição mandar (potencializar o testemunho). Pergunte, com o pêndulo, se este testemunho já se encontra potencializado. Repita o processo de girar o pêndulo no sentido horário, agora . A partir deste instante, aquele testemunho passa a representar a pessoa em questão, contendo uma vibração igual ou semelhante a ela. Antes de usar um gráfico, lembre-se de desimpregná-lo, passando-o repetidas vezes na fumaça do incenso. Os gráficos devem ser potencializados diariamente, girando-se o pêndulo 21 vezes, rapidamente, sempre no sentido horário.
  41. 41. Remédio Radiestésico
  42. 42. Decágono O Decágono é uma destas formas privilegiadas, que materializa as influências de uma palavra-testemunho. O DECÁGONO é o símbolo da materialização das coisas, seus dez lados correspondem a: • o pensamento que presidiu à realização • o verbo que o evoca (os nomes, símbolos, etc.) a substância • as energias que aglomeram esta substância • o magnetismo (e raio fundamental, número, série) • a espécie à qual pertence à coisa, seu caráter • o caráter e propriedades próprios da coisa • as impregnações, as sintonias, as ressonâncias • o estado passado da coisa • o estado futuro desta mesma coisa
  43. 43. DECÁGONO Em radiônica, o Decágono é um dos gráficos mais importantes. Utilizado para ativar, ampliar, potencializar e sintonizar a energia dos pedidos. Deve ser utilizado sempre, antes de qualquer trabalho, para desimpregnar o testemunho (foto, cabelo, saliva, escrita, etc.). É um polígono regular de 10 lados, estudado pelos Irmãos Servanx. No campo da radiônica está sendo utilizado para a criação de testemunhos artificiais e na valorização dos testemunhos naturais. Para a criação de um testemunho artificial, uma vez escrita a palavra ou nome é colocado no Decágono, só após 1 hora ou até três dias ele estará impregnado e pronto, pelo raio da união da pessoa ou do objeto representado. Esta ligação se dará por ressonância. Deve ser avaliada através de pendulação com o relógio radiestésico. O Decágono elimina as vibrações e energias indesejadas e valoriza e aumenta as energias do próprio testemunho. Para desimpregnar e eliminar somente vibrações nocivas, coloque o testemunho no centro do Decágono por 1 hora, pelo menos (avaliar com relógio radiestésico). Além dos testemunhos naturais, pode-se obter testemunhos artificiais de qualquer coisa, escrevendo-se o nome do que se deseja num papel e colocando-o no centro do Decágono. Pode-se preparar remédios radiônicos (nome do remédio ex remédio para dor de cabeça para fulano de tal), colocando um recipiente transparente de vidro com água pura sobre o papel, ambos depositados sobre o Decágono.
  44. 44. Partindo da idéia de valorizar as palavras-testemunho no decágono, F. e W. Servranx foram levados a pesquisar decágonos tendo efeitos de materialização ainda mais potentes, como o duplo decágono, de raios 50 e 60 mm. Com isso se reduziu, e muito, a duração da valorização. Rapidamente se aperceberam que tal dispositivo permitia impregnações a partir de uma simples palavra-testemunho, impregnações que podiam ser utilizadas com sucesso como remédios! O resultado destes trabalhos foi publicado no EXDOCIN de maio de 1958 e abril de 1959, e também editado na forma de livro com o título Materializações Radiestésicas, no ano de 1958. Suponhamos que você deseje produzir um remédio homeopático com urgência. Escreva sobre uma tira de papel, com qualquer tinta preta, o nome e a dinamização do remédio necessário; coloque este papel sobre o decágono, mais ou menos paralelamente a um dos lados, coloque no centro do decágono um pequeno vidro redondo (copo de licor de 10 a 20 cm3), no centro e perto do testemunho, não sobre o testemunho. Deixe tudo no lugar o tempo necessário (pesquisar com o pêndulo). Esse tempo será tanto mais breve quanto a diluição for mais elevada: aproximadamente 5 minutos de impregnação para as altas diluições, de dez a 15 minutos para as diluições médias, de 20 a 30 minutos para as baixas diluições. O melhor é determinar o tempo com o auxílio do pêndulo. Depois se pode servir do remédio significado pela palavra; a dosagem é absolutamente crítica. Se o pêndulo indicou, por exemplo, 5 gotas a cada 3 horas, e a pessoa ingere
  45. 45. uma única gota por dia ou um copo de uma só vez, o resultado será absolutamente nenhum, nem positivo nem negativo. As dosagens podem variar de algumas gotas num pouco de água até a metade do copo, ou seja, 5 a 10 cm3. Os efeitos serão aproximadamente os do remédio normal. Relógio Radiestésico Gráfico Relógio Radiestésico através dele é possível verificar tempo, horas, dias, quantidades. Segure seu pêndulo sobre o centro o quadrado pequeno. Após fazer sua pergunta, foque sua atenção ou sua consciência nos números, passe o pêndulo lentamente pelos números. Para responder sua questão, o balanço do pêndulo mudará na área onde se situa a sua resposta.
  46. 46. ALFA OMEGA É capaz de transmitir e emitir a todos os seres vivos uma influência cósmica benéfica e irradiante, inclusive transmissão de energia à distância. Ótimo para
  47. 47. energizar objetos a serem usados no bolso, pastas, malas, gavetas, automóveis ou sob o travesseiro. Este gráfico foi desenvolvido pelos os irmãos Servranx radiestesistas belgas, e publicado na La Radiesthesie Pour Tous, de junho de 1963. Sua finalidade é pesquisar a seqüência numérica e a quantidade de círculos para realizar gráficos radiestésicos segundo a técnica de H. O. Busby, autor do gráfico Alta Vitalidade. Vamos tomar este último como exemplo para demonstrar sua realização. Sabemos que a técnica permite gerar seqüências de algarismos que ficaram circunscritos a um determinado número de círculos, capazes de captar e transmitir determinada força (energia) cósmica apropriada a um fim específico. Por este processo pode-se exprimir uma energia benéfica sutil, um remédio energético especial, para um determinado fim. Vamos escrever sobre uma pequena tira de papel a expressão a ser pesquisada. Chamamos a isto "referência visual" já que não tem o quantum energético próprio de um testemunho lexical, mas permite estabelecer um foco visual e conseqüente fácil mentalização do fim em vista. 1. Colocar o pêndulo no meio da linha Omega-Alfa, sobre a separação das casas 15 e 9 e formular a seguinte pergunta: Por esta técnica é possível exprimir numericamente a força cósmica apropriada a esta finalidade? 2. Se a resposta for positiva, colocar a "referência visual" sobre a letra Omega e questionar de quantos algarismos é composta a seqüência numérica procurada com o pêndulo sobre o Omega. 3. Colocar a "referência visual" sobre a letra A e o pêndulo sobre a mesma, enquanto com o dedo indicador da mão livre, ou um ponteiro, sobre a primeira casa do setor Omega. O pêndulo indicará o primeiro algarismo do número procurado. Coloque agora o dedo na casa 2 e repita o processo sucessivamente até chegar ao número de algarismos previamente definidos. 4. Obtido o número, escreva-o em uma pequena tira de papel e coloque-o sobre a linha Omega-Alfa, entre as casas 15 e 9. Pesquise se este é o número realmente procurado, caso não seja repita o processo desde o início até atingir o número desejado. 5. Confirmado o número, coloque-o sobre o Omega e com o pêndulo descubra quantos círculos comporão o gráfico final. 6. Trace os círculos e escreva o número em seu centro. As dimensões não são críticas, no entanto o diâmetro mínimo do círculo externo deverá ser de 15 centímetros, e os algarismos escritos em letra grossa. Sabemos que, em radiestesia, gráficos menores que esse tamanho não tem o aporte energético suficiente para produzir resultados satisfatórios.
  48. 48. Gráfico Quatro - Círculos Este GR foi produzido especialmente para ser utilizado com o gráfico Alfa - Omega. Depois de definido radiestesicamente o número a ser inscrito nos Círculos referente ao objetivo pesquisado, este deverá ser escrito em um pedaço de papel branco, em forma circular ou em uma tira, desde que caiba dentro do menor círculo do gráfico. O número deverá ser escrito em grafite ou impresso em impressora a laser (por depositar grânulos de carvão), da forma que o operador achar mais conveniente. Tenha em mente que por ser composto de quatro círculos o gráfico responderá com mais eficiência aos objetivos que tenham por finalidade a cura, o alívio ou mesmo uma vibração sutil, sendo que a terapia seja aplicada ao corpo físico, material ou psiquicamente, pois se deve saber que o número 4 (quantidade de círculos) está ligado aos planos mais densos, da manifestação. Pode-se também utilizar este gráfico com bens materiais, sendo que toda e qualquer aplicação exigirá do operador um conhecimento mais profundo dos gráficos para melhor aproveitamento. Pesquise através da intuição ou do pêndulo para confirmar se a quantidade círculos é a mais apropriada para a aplicação que se deseja obter.
  49. 49. Gráfico Nove Círculos Poderoso gráfico radiônico utilizado para proteger (pessoas, imóveis, automóveis, animais, objetos e etc.) e afastar energias negativas de origem exterior (inveja, ciúmes, trabalhos de magia negra, vibrações intencionais negativas de fracasso, ódio, etc.). Pode ser trabalhado com objetivo específico, testemunho, para aplicação à distância ou direta. Pode também ser colocado um cristal de quartzo ou outra pedra para que se qualifique a forma de trabalho, individualizando o objetivo induzido. Para se trabalhar com o gráfico Nove Círculos, faz-se uso de um testemunho, deve-se colocar uma foto do local ou objeto ou um cabelo no caso de uma pessoa e sobre um destes o objetivo, caso seja necessário, uma pedra ou cristal, todos postos no centro do gráfico.
  50. 50. Gráfico Anti-Magia Gráfico radiônico de proteção contra ataques psíquicos ou magia de qualquer origem. O selo de Salomão tem sido usado para os mais diversos fins esotéricos durante os tempos. E bem conhecido seu uso como símbolo de proteção. Modernamente a radiestesia de ondas de forma o têm incorporado em seus gráficos, dado suas propriedades emissoras. O gráfico Anti-magia destina-se a eliminar estados de magia presentes em seres vivos, através do uso de testemunhos, por isso podendo ser aplicado a distância. Alinhe a placa na direção do Norte, conforme indicado, e coloque no ponto assinalado o testemunho da pessoa a ser tratada. O tempo de emissão deve ser controlado radiestesicamente.
  51. 51. Símbolo Compensador André Philip Gráfico radiônico criado para neutralizar ondas nocivas de qualquer natureza, emitido por aparelhos de televisão, microondas, celular, tomadas, enfim, todo tipo de aparelho elétrico e eletrônico. SCAP ou Símbolo Compensador André Philip - É um gráfico "compensador e protetor", que reequilibra ambientes. Este gráfico de ondas de formas, compensa distúrbios causados, emissões telúricas, de ondas de formas ou magicas. S.C.A.P. SÍMBOLO COMPENSADOR ANDRÉ PHILIPPE Este emissor radiônico teve origem nas pesquisas sobre ondas de forma de JEAN DE LA FOYE, complementadas pelo radiestesista francês ANDRÉ PHILIPPE.
  52. 52. Ele se baseia na lei de compensação das forças a partir da qual se pode neutralizar energias e radiações nocivas. A dualidade e a trindade estão conjugadas neste símbolo, de modo a gerar uma perfeita harmonia das forças sutis. É representado em duas versões, uma com as letras hebraicas e a agrégora expressa pela palavra Jeová “IAVE”. A outra, estilizada, proporciona os mesmos efeitos. Seu uso não exige orientação espacial, podendo ser utilizada inclusive na vertical. A sua potência e raio de ação são diretamente proporcionais ao seu tamanho, portanto, utilizar gráficos de dimensões iguais ou superiores a 15 cm. Suas emissões ocorrem simultaneamente nos níveis físico, vital e espiritual. O espectro das energias (espectro de Chaumery-Bélizal) é emitido a um só tempo, nas fases magnética-elétrica. Se colocado sobre um ponto geopatogênico ou foco de energias negativas, ele absorve e acumula parte de sua nocividade. Elimina Raios X, Gama, Verde Negativo Elétrico, emitidos por aparelhos elétricos ou eletrônicos, tais como: relógios elétricos, computadores, monitores, impressoras, vídeo cassetes, televisores, telefones, celulares, micro-ondas, refrigeradores, etc. É usado terapeuticamente como auxiliar de tratamento de doenças e vícios, pois toda cura é conseguida através do equilíbrio do espectro de energias sutis do organismo doente. Age também à distância, desde que colocado sobre ele o testemunho. Torna saudáveis alimentos sólidos e líquidos colocados em seu centro, promovendo a harmonia perfeita em todo seu espectro energético. Tal prática é recomendável, principalmente com alimentos que sofrem refrigeração, pois sua vitalidade é reduzida em aproximadamente 50% em alguns casos, por causa de verde negativo elétrico existente dentro do refrigerados. Induzir ao sono tranquilo e reparador, quando o gráfico é colocado sob o travesseiro ou a cama, chegando a restaurar pequenos problemas orgânicos superficiais com tal prática. Eliminar radiação nociva que seja de natureza física ou sutil criada ou emitida por aparelhos eletrônicos ou radiônicos. Seu uso poderá ser ilimitado, podendo-se também modificar sua ação com o auxílio de pedras e cristais. Todo gráfico radiônico possui um objetivo inerente ao seu desenho; porem este pode ser levemente alterado ou qualificado, tornando-se específico, desde que se utilize um objetivo diferente, escrito em um papel, colocado em seu centro.
  53. 53. André Phillipe Cabalístico Gráfico cabalístico criado para neutralizar ondas nocivas de qualquer natureza. Este gráfico foi posto em funcionamento desde Maio de 1987. Consiste num aperfeiçoamento do anterior; inclui 3 letras hebraicas, que representam os três elementos da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo). É considerado muito eficiente sobre todos os planos (inclusive magia e assuntos espirituais).
  54. 54. Desimpregnador Este gráfico possui a capacidade de promover a limpeza das energias telúricas e desimpregnar testemunhos e objetos utilizados antes e após os pedidos. Utilizado também no auxílio da harmonização das pessoas, assim como para desimpregnar a aura cuja influência esteja negativa. DESIMPREGNADOR Aparelho radiônico composto de Decágono, quatro círculos e setas no sentido da força centrífuga. Utilizado na limpeza, proteção e valorização do plano físico e material da pessoa. Proteção contra energias sutis, deletérias ou negativas. Usado na desimpregnação e limpeza de testemunhos, cristais, bastões utilizados na radiônica, empregados na cura, no auxílio, harmonização de pessoas e animais – todo este tipo de aplicação pode deixar nos objetos utilizados resquícios das energias corrigidas, equilibradas. Este gráfico é utilizado também para desimpregnar a aura de pessoas que estejam sob influência negativa. Para isto recomenda-se uso de um testemunho (foto, cabelo, unha, etc.) sendo colocado no centro do gráfico
  55. 55. Pesquisar radiestesicamente outras formas de uso e tempo de aplicação, que deverá ser de no mínimo 03 horas. Gráfico Diafragma l Gráfico radiônico construído especialmente com associação de arcos e círculos, terminando num desenho que proporciona a manifestação dos objetivos a serem atingidos no plano físico ou material. O sentido dos arcos (que formam a hélice) atrai os objetivos para os níveis densos (plano material). Diz-se que ele produz um “túnel” energético nos planos sutis proporcionando uma rapidez de realização que se deseja. Por serem, os arcos. Em número de seis (que representa a harmonia) têm o poder equilibrador e harmonizador. Tudo envolvido por quatro círculos, que identificam o plano material. Para usar este gráfico deve-se colocar o objetivo no círculo central no caso de uso próprio, ou um testemunho e sobre este o objetivo, para outros. Podem-se colocar pedras ou cristais sobre o objetivo no caso de conhecer ou ter noções sobre o poder das pedras. Pode-se trabalhar tanto com benefícios matérias, como físicos (no caso de saúde). Todavia devem-se considerar alguns pontos básicos ao desejar
  56. 56. alguma coisa: a Lei da causa e Efeito, se já se merece ou não o que se pede, se o momento é propicio para tal, se no íntimo tem-se direito ao que se deseja. Ao trabalhar com Radiônica precisa-se ter a mente e o coração isentos de personalismo, egoísmo e parcialidade, pois só assim o desejo ou o que se deseja ao próximo poderá ser atendido. Por fim deve-se lembrar que este gráfico proporciona harmonia e equilíbrio nos objetivos com certa velocidade, e nunca abundância de bens materiais.
  57. 57. Gráfico Diafragma II Aparelho Radiônico que permite neutralização de todo tipo de energias negativas. Limpa a energia negativa e devolve a positiva.

×