Sem Luz não existe Cor

1.116 visualizações

Publicada em

Sem Luz não existe Cor
Trabalho para matéria de Teoria da Cor - Design Digital - PUCPR

Criar um livro com base nas referencias de livros e outros, explicando para pessoas mais leigas no assunto como a cor funciona.

Nome do Livro: Sem Luz não existe Cor

Autores: Everton Asmé Daniel Künzle Gabriel Heinrichs Unruh Bruno Frizzo Luiz Henrique Wosni Karmazen Isabelle Uyara

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
61
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sem Luz não existe Cor

  1. 1. Autores: Everton Asmé Daniel Künzle Gabriel Heinrichs Unruh Bruno Frizzo Luiz Henrique Wosni Karmazen Isabelle Uyara
  2. 2. Sumário: Sem luz não existe cor Luz 03 Elemento determinante para o aparecimento da cor 04 Fenômenos que constitui a lei da cor 05 A Luz - Intermediária entre a natureza e o homem 07 Percepção da luz branca e adaptação ao escuro 08 O Espectro da luz visível e o fenômeno do cromatismo 11 Misturas aditivas da cor 15 Misturas subtractivas da cor 15 O Preto e o Branco são cores neutras 16 Tonalidades de cores 16 Pigmentos 17 Bibliografia 18
  3. 3. 03 LUZ O elemento determinante para o aparecimento da cor é a luz. Luz: é um dos diferentes tipos de radiação electromagnética. Tal como os rádios conseguem captar as ondas rádio, os olhos conseguem captar a luz visível. Radio Spectrum: broadcast, wireless e microondas. Terahertz: Ultraviolet: Gamma: Infravermelho: Raio-x: Sem luz não existe cor
  4. 4. 04 A radiação electromagnética chega ao nosso planeta vinda do sol e das outras es- trelas da nossgaláxia. Elemento determinante para o aparecimento da cor O elemento determinante para o aparecimento da cor é a luz. Na antiga babilônia já se era conhecida a propagação retilínea da luz, tirando a Escola de Platão que teorizou e fez possível a descoberta da igualdade dos ângulos de incidência e reflexão criando assim então a base da Óptica Geométrica, a qual impulsionou todo o campo do conhecimento dos dados visuais por dois mil anos, quando Descartes e Newton estudadando a luz criaram a Óptica Física. Ao contrário do que por muito tempo se acreditou que a Teoria da Emissão de Newton e os Princípios da Teoria Ondulatória de Huygens, Young e Fresnel eram irreconciliáveis, porém Maxwel e Hertz, provaram que a luz é radiação eletromagné- tica. Descobrindo esse fenômeno surgiu a possibilidade de explicar como a luz age na coloração de objetos. Certas sustâncias não tem capacidade de absorver, refratar ou refletir determinados raios luminosos que incidam sobre elas foram descobertas nestes estudos, afirman- do também que a cor não constitui em um objeto, porque a mesma varia de acordo com a luz que os ilumina, concluindo que as substâncias não tem cor em si. Sem luz não existe cor
  5. 5. 05 Fenômenos que constitui a lei da cor A luz é constituída de diversos fenômenos sendo eles: Periodicidade, comprimento de onda, difração, polarização e a refração. A refração é um dos mais importantes, pois com ela Newton conseguiu demonstrar que todas as cores estão dentro da luz branca. Usando um prisma de vidro inter- ceptando um raio de sol que entrava em um quarto escuro que produziu vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil, violeta do espectro solar. A dispersão da luz pelo prisma já havia sido produzida de forma intencional por outros, mas Newton foi o primeiro a recombinar por meio de um segundo prisma invertido. O fato de ter produzido a luz branca levou a conclusão de que todas as cores estão presentem dentro do raio de sol original, o qual provou a formulação de Leonardo “ o branco é o resultado de outras cores, a potência receptiva de toda cor”. Sem luz não existe cor
  6. 6. 06 Nesta experiência, um feixe de luz branca é decomposto nas suas cores constitu- intes ao passar através de um prisma de Newton (prisma óptico). A cor é a impressão que a luz reflectida nos objectos faz nos nossos olhos. A diferença de velocidade de propagação dos diversos raios está ligada ao surgi- mento das cores, pois no vácuo a velocidade de todas as cores é a mesma, seja qual cor for, mas ao colocar no caminho um meio refrator, como um prisma, água em suspensão, nota-se então a variação. Dividindo a velocidade da luz pelo comprimento de onda, é obtido o número de vibrações do raio em um segundo, isto é a frequência da luz. Luzes incandescentes , que tem temperatura a partir de 400°C, a luz solar é um dos exemplos de luz incandescente gerada aproximadamente a 5.750°C. Luzes luminescentes (luminescência) são as propriedades que algumas substância tem ao emitira luz sob um efeito, se for gerado por raios ultravioletas, é chamado de Fotoluminescência, quando o fenômeno começa e acaba de forma instantânea com a excitação, é chamado de fluorescência, se manifesta uma remanecência após a cessação do estímulo, fosforecência, sendo esta a propriedade de certos corpos de brilhar no escuro sem irradiar calor. Sem luz não existe cor
  7. 7. 07 Para medir a luz ou o chamado fluxo luminescente, foi criado a fotometria como uma especialidade da óptica. A unidade de iluminamento adotada mundialmente é o lux. Que corresponde a capacidade de iluminamento uniforme de uma superfí- cie plana da área de um metro quadrado sob a ação de um fluxo luminoso de um lúmen. Lúmen é o fluxo luminoso emitido do interior de um ângulo sólido de um esferorra- diano por uma fonte puntiforme de intensidade que não varia, revelando um poder de iluminação idêntico em todos os sentidos, igual a de uma vela internacional. A Luz - Intermediária entre a natureza e o homem A luz é mediação. Os objetos do mundo aguardam inertes e latentes a sua mani- festação, que só será possível, quando levados por feixes luminosos até os nossos olhos. A visão representa uma das preciosidades que o homem recebeu da natureza. É talvez o sentido que mais faz vibrar o ser humano e o faz pensar, gozar e desfrutar as coisas do mundo que o rodeia. Os olhos, através dos quais se processa a visão, constituem, portanto, os órgãos privilegiados de ligação entre o mundo interior do homem e o mundo exterior que o rodeia. Essa ligação somente se realiza quando há luz. A luz é, assim, a grande intermediária entre a natureza e o homem. Ela apresenta todos os detalhes á percepção do ser humano numa misturada gama de sensações Sem luz não existe cor
  8. 8. 08 visuais coloridas ou não. Como se processa a visão? Os raios luminosos, porções de energia solar que atingem um objeto, são refletidos em todas as direções. Dependendo da quantidade de luz que penetra em nossos olhos, veremos as coisas iluminadas, muito iluminadas, muito iluminadas ou escu- ras. Dissemos que os raios luminosos são porções de energia solar que nos fazem perceber o mundo exterior. Temos ainda raios diferentes da energia solar, que se identificam como: ondas de rádio, ondas de televisão, ondas de raios X, raios infra- vermelhos, raios ultravioleta e raios cósmicos. O que caracteriza e diferencia cada uma dessas ondas (1) é seu comprimento. A luz tem cumprimento de onda (2) extremamente pequeno, situado entre 400 e 800 nm (nanômetro), ou, como é erroneamente conhecido (milimicron): um A máquina fotográfica convencional assemelha-se ao nosso aparelho visual. Os olhos recebem a imagem das coisas exteriores em forma invertida, na retina; essa inversão muda automaticamente quando alcança o cérebro através do nervo óptico, ficando assim endireitada a imagem no centro visual do cérebro. Percepção da luz branca e adaptação ao escuro Considerando as teorias expostas no item anterior e os últimos estudos realisados no campo das sensações visuais, graças ao aperfeiçoamento de equipamentos ele- trônicos que procuram vislumbrar, desvendar, descobrir em profundidade os últimos detalhes do processo neurofisiológico do principal sentido humano, chegamos a Sem luz não existe cor
  9. 9. 09 conclusões, aparentemente reais, que nos permitem seguir este estudo sobre a cor para sua aplicação na criatividade em comunicação. Conclusões que, na realidade, se configuram basicamente na percepção da luz branca e na adaptação visual ao escuro. De fato, conforme as análises mais avançadas sobre a percepção das cores, esti- mulando os três tipos de cones existentes em proporções aproximadamente idênti- cas, teremos a sensação do branco. O branco seria, portanto, uma combinação de todos os comprimentos de onda do espectro, mas, comoo cor, na realidade, não existe. Entretanto podemos conseguir a sensação do branco pela combinação de apenas três cores (verde, azul-violeta e vermelho-alaranjado) que tenham propriedades de Sem luz não existe cor 1 nm (1nanômetro) = 1/1.000.000.000 do metro = 1/1.000 do micrômetro; 1 um (micrômetro) = 1/1.000.000 do metro. O “milimícron”, ressaltamos, não deve ser empregado, pela simples razão de não existir como unidade de medida oficial. Uma outra unidade às vezes ainda encontrada, e também não-recomendada, é o ângstrom, A(3): 1 A = 1/10 do nanômetro. Pois bem, o olho humano só pode perceber e ver as ondas que vão de 400 a 800 nm (ou4.000 a 8.000 A) de comprimento.
  10. 10. 10 estimular determinados cones. Todos nós já passamos pela experiência de nos sentirmos momentaneamente ce- gos ao sairmos de um lugar intensamente iluminado e passarmos para outro total- mente escuro. Sabemos que, depois de um certo tempo, começamos a perceber fracamente os objetos. Temos até impressão de que eles estão sendo gradualmente iluminados. Entretanto, esse efeito se deve inteiramente a mudanças que ocorrem no olho, per- mitindo uma adaptação de nossa vista ao escuro, e que chamamos de visão esco- tópica, ou de visão de bastonetes, como dissemos em item anterior. O processo de adaptação ao escuro realiza-se em forma normal, para qualquer vis- ta normal, devido a dois fatores: (a) aumento da sensibilidade dos bastonetes e (b) dilatação da pupila, que permite maior entrada de luz nos olhos. O aumento da sensibilidade dos bastonetes se deve à regeneração de uma subs- tância sensível à luz, chamada de púrpura visual, ou rodopsina, como geralmente é conhecida na terminologia cientifica. Ela é de natureza protéica. Essa proteína liga- -se a um pigmento do grupo dos carotenoides, formando o complexo proteína-pig- mento do grupo dos carotenoides, formando o complexo proteína-pigmento, o qual ao receber luz, perde a cor. Essa perda se deve à saída do pigmento do complexo que se converte em vitamina A. Pois bem, quando passamos a luz para o escuro a rodopsina é sintetizada novamente, transformando-se numa substância fotossensí- vel, permitindo que os bastonetes, nossos receptores visuais, se tornem sensíveis a quantidades mínimas de luz. Sem luz não existe cor
  11. 11. 11 O Espectro da luz visível e o fenômeno do cromatismo Como vimos anteriormente, o espectro eletromagnético é um campo vastíssimo de ondas, das quais apenas algumas são percebidas pelo olho humano. De fato, elas possuem a capacidade de estimular a retina, provocando uma sensação luminosa que chamamos de luz. O olho percebe as oscilações eletromagnéticas de comprimentos diferentes como cores diversificadas, e as superfícies dos corpos exercem uma ação seletiva em relação aos raios luminosos: podem absorvê-los ou refleti-los. Veremos o objeto totalmente branco quando ele refletir todas as radiações lumi- nosas que o alcançam; nesse caso, as diferentes longitudes de ondas vão chegar simultaneamente ao olho. E,quando a superfície do objeto absorver totalmente as diversas longitudes de onda, não refletindo nenhuma delas, o olho obviamente não captará radiação alguma e o objeto será visto integralmente preto. Entretanto, se só uma parte dos comprimentos de onda que compõem a luz branca incidente for absorvida pela superfície do objeto, este refletirá uma ou algumas de- las. As que forem refletidas são captadas pelo olho e o individuo perceberá o objeto como vermelho, amarelo, verde e etc. Á noite, como não existe teoricamente nenhuma radiação luminosa incidindo sobre os objetos, estes são regularmente vistos como pretos. A dedução óbvia é a de que a cor não tem intensidade própria porque depende dire- tamente da luz. Ela é, na realidade, uma parte da luz. Se assim não fosse, podería- Sem luz não existe cor
  12. 12. 12 mos percebê-la mesmo no escuro. O termo cor é sempre equivalente à expressão cor-luz. Podemos dizer que a cor – essa palavra mágica é lúdica que invade e participa de todos os domínios da nossa vida – constitui um evento psicológico. A Física nos explica que a luz é incolor. Somente adquire cor quando passa através da estrutura do espectro visual. Concluímos, pois que a cor não é matéria, nem uma luz, mas uma sensação. Em termos da Comunicação, diríamos que a cor, para existir, pressupõe: Emissor – Objeto, cuja superfície reflete luz; Codificador – condições físicas do objeto para refletir a luz; Canal – raio de luz; Mensagem – cor; Decodificador – aparelho visual do indivíduo; Receptor/intérprete – cérebro do indivíduo. A cor existe, pois em função do indivíduo que a percebe, e depende da existência da luz e do objeto que a reflete. Ela é impressão que os raios de luz refletida produ- zem no órgão da visão e que geram sensações. Todas as cores que não percebemos estão presentes na luz branca. Sua dispersão, isto é, a dispersão da luz, origina o fenômeno do cromatismo. A luz branca, o bran- co que percebemos, é, portanto, acromático, isto é, não tem cor. I mesmo diremos do preto, que representa a absorção total de todas as cores, ou seja, a negação de todas elas. Sem luz não existe cor
  13. 13. A cor depende, pois da natureza das coisas que olhamos, da luz que as ilumina, e ela existe enquanto sensação registrada pelo cérebro. O olho percebe a cor como mensagem e transmite ao cérebro, receptor do indivíduo. Portanto, a cor existe quando produzida pó estímulos luminosos na retina e por reações do sistema nervoso. À capacidade de o olho humano registrar a existência de uma cor damos o nome de luminância. Segundo o pesquisador francês Déribéré (1969) “o fenômeno do cromatismo, pro- duzido pelas vibrações do éter, da como resultante a percepção, pelo indivíduo, das diferentes cores do espectro, e que se explicam pelos comprimentos das ondas luminosas, cuja gama se estende pelos 790 a 450 bilhões de hertz”. O pesquisador afirma que a luz seria difundida pelo movimento vibratório de um meio hipotético, o éter, que constitui o suporte elástico, no qual a luz se manifesta sob forma de on- das. As radiações de um só comprimento de onda vão produzir as cores monocromá- ticas. Qualquer outra cor imaginável é uma mistura delas dentro de intensidades diversificáveis. Na natureza não existem, na realidade, cores totalmente puras. Por isso as radia- ções monocromáticas têm, na vida cotidiana, unicamente uma importância teórica. A luz solar (espectro óptico) contém todas as cores que o homem pode visualizar. Colocando um prisma à frente de um pequeno orifício, em um quarto escuro, que permita a passagem de um raio de sol, consegue-se projetar num anteparo branco, uma faixa com várias cores, a qual chamamos de espectro ou em latim spectrum. A luz, ao atravessar o prisma, desdobra-se nas cores do espectro. As ondas mais longas produzem a sensação de vermelho, sendo também as que sofrem menor Sem luz não existe cor 13
  14. 14. desvio (refração). As mais curtas são as que nos permitem ver o violeta e também as mais sujeitas a maior desvio. Esses índices de refração distintos é que explicam a formação do espectro. Quando o raio luminoso passa de um meio para outro, desvia mais ou menos sua direção segundo seu comprimento de onda. As radiações de ondas longas se des- viam menos de sua direção primitiva. Os raios de ondas curtas, como já dissemos, se desviam mais. Como já vimos anteriormente, o olho funciona com três tipos diferentes de cones que são sensíveis a diferentes zonas do espectro. Uns reagem a radiações de ondas curtas, outros às medidas e os últimos são estimulados com raios de ondas longas. Temos, então, cones que reagem ao azul-violeta, ao verde e ao vermelho- -alaranjado. Analisemos as cores em que se decompões o raio de luz ao ser refratado por um prisma de cristal: as zonas espectrais são definidas pelas cores azul-violeta, verde e vermelho- -alaranjado. É fácil observar que elas corres- pondem exatamente aos diferentes cones, cujas sensibilidades reagem a essas mes- mas zonas espectrais. Sem luz não existe cor 14
  15. 15. Misturas aditivas da cor Misturas luminosas de cores: As cores primárias são o azul, o vermelho e o verde. Das misturas destas cores primárias obtém-se to- das as outras cores. Das misturas destas cores primárias obtém-se to- das as outras cores. Misturas subtractivas da cor Existem pigmentos que nos permitem fazer cores. As cores são obtidas pela mistura de pigmentos com aglutinadores. As cores primárias são: Azul Cyan, Magenta, Ama- relo primário. Sem luz não existe cor 15
  16. 16. O Preto e o Branco são cores neutras. Podemos utilizar as cores neutras para criar tons mais claros ou mais escuros das cores. Tonalidades de cores: Obtém-se através da saturação de uma cor primária por outra cor primária. Sem luz não existe cor 16
  17. 17. Pigmentos Corante seco, geral- mente em pó insolú- vel. Existem pigmentos naturais (orgânicos e inorgânicos) e sinté- ticos. Os pigmentos agem absorvendo selectivamente partes do espectro e refletindo as outras. Na Pré-História, utilizavam-se pigmen- tos naturais feitos a partir de carvão, terra, minerais ou sangue. Vindo do Afeganistão, o Lápis-Lazuli foi durante séculos o pigmento mais caro. Era utilizado em pinturas religiosas para os santos mais importantes, ou em quadros mui- to valiosos. Durante séculos, o Amarelo Indiano foi feito a partir da urina de vacas alimentadas com mangas, que ensopava terra. O ouro também é utiliza- do como pigmento para fazer tintas. A Talha Dourada é um exemplo. Sem luz não existe cor 17
  18. 18. Bibliografia: FARIA, Modesto Faria / PERIZ, Clotilde Periz / BASTOS, Dorinho Bastos. Psicodinâmica das cores em comunicação. 5º Edição Revista e ampliada. PEDROSA, Israel Pedrosa: Da Cor a Cor Inexistente Sem luz não existe cor 18

×