5. trichomonas vaginalis

16.330 visualizações

Publicada em

Protozoário parasito do sistema geniturinário masculino e feminino

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
311
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5. trichomonas vaginalis

  1. 1. Trichomonas vaginalis Parasitologia Profª Cris
  2. 2. Epidemiologia• OMS registra 170 milhões de casos/ano• Faixa etária de 16 a 35 anos• Exames Papanicolau acusam 20% a 40% de mulheres em idade reprodutiva infectadas com T. vaginalis• 70% dos casos de leucorreia feminina são positivos para T. vaginalis• Entre homens estima-se uma positividade de 10% a 15%• Contágio sexual?!!? Rey, L. Parasitologia. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2008.
  3. 3. Ciclo biológico • Alcalinização do pH vaginal (3,8-4,5) – Sêmen – Menstruação – Hormônios • Forma de transmissão – Contato com secreção contaminada e fresca • Fômiteshttp://www.dpd.cdc.gov/dpdx/HTML/ImageLibrary/Trichomoniasis_il.htm • ?!?!?!?!?
  4. 4. Tricomoníase• Assintomático >> Sintomáticos• Na Mulher – Corrimento, ardor – Mucosa friável = dor no ato sexual – Metrite, salpingite• No Homem – Dificuldade para eliminar a 1ª urina matinal – Escoriações no sulco balanoprepucial – Uretrite• Na criança – Raro! http://volumenacueca.blogspot.com/2009_01_01_archive.html?zx=6212f38384432a9f
  5. 5. Leucorreiahttp://depts.washington.edu/nnptc/online_training/std_handbook/gallery/pages/trichomonasdischg.htmlhttp://www.saude.df.gov.br/003/00318005.asp?ttCD_CHAVE=22627http://www.jornallivre.com.br/206318/o-que-causa-tricomoniase.html
  6. 6. Forma(s) evolutiva(s)A:   Two  trophozoites  of  T. B:  Trophozoite  of  Trichomonasvaginalis  obtained  from  in vitro  vaginalis  stained  with  iron culture, stained with Giemsa. hematoxylin. A: Two trophozoites of T. vaginalis obtained from in vitro culture, stained with Giemsa. B: Trophozoite of T. vaginalis stained with iron hematoxylin. http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/HTML/ImageLibrary/Trichomoniasis_il.htm
  7. 7. Microscopia de varredura Rey, L. Parasitologia. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2008.
  8. 8. Estrutura do Flagelo recorrente Pelta Trofozoíto (Memb. Ondulante) Fibras parabasais 5 a 12 µm CG Costa N10 a 30 µm Hidrogenossomos Axóstilo http://www.microbelibrary.org/microbelibrary/files/ccImages/Articleima ges/del%20castillo/Images/Trichomonas%20vaginalis.jpg; Rey, L. Parasitologia. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2008.
  9. 9. Axóstilo
  10. 10. Mecanismos de patogenicidade• Secreção de a.a. que são degradados gerando aminas alcalinas => pH alcalino interfere na manutenção da microbiota de Döederlein• Consumo de glicogênio => diminui microbiota normal => aumenta pH• Secreção (corrimento) é abrasiva para pele e mucosa => ardor• Infiltrado inflamatório (neutrófilos e eosinófilos) => secreção de muco
  11. 11. Diagnóstico• Clínico – Sintomas, achados e sinais clínicos – Anamnese (epidemiologia, antecedentes)• Laboratorial – Parasitológico: • Homem – Parasitológico do sedimento urinário, parasitológico de esperma, líquido uretral ou prostático • Mulher – Parasitológico de secreção vaginal – Imunológico • IFC de soro
  12. 12. Esfregaço de secreção vaginal http://www.cytologystuff.com/site~/section3.htm
  13. 13. Esfregaço de secreção vaginal Flagelados na secreção Microbiota (bacilos) de Döederlein Alencar, V. M. P. D., Lima , C. M. L. , Hirsch-Monteiro, C. Atlas de Parasitologia. 2006; http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/tricomoniase/tricomoniase-3.php
  14. 14. ProfilaxiaConversar com parceir@ Usar preservativos Fazer exames periódicos http://www.aids.gov.br/assistencia/manual2/1_parte.htm, http://amigasridiculas.files.wordpress.com/2008/09/camisinha- anti.jpg
  15. 15. Referências complementares• PASSOS, M. R. L. Tricomoníase: Uma Epidemia Negligenciada. DST - J. Bras Doenças Sex. Transm. , 18(3): 159-160, 2006. Disponível em: http://www.uff.br/dst/revista18-3-2006/EDITORIAL.pdf. Acesso em: 21/05/09.

×