Anestésicos Inalatórios André de Araújo Alves ME-1 31/07/2008 Orientador: Dr. Rodrigo Montebello   Hospital Municipal Lour...
Introdução <ul><li>Os anestésicos inalatórios são os agentes mais usados para anestesia geral por suas características far...
Anestésico Ideal <ul><li>Características do anestésico ideal: </li></ul><ul><li>Ação previsível </li></ul><ul><li>Indução ...
Anestésicos Inalatórios <ul><li>Os anestésicos inalatórios estabelecem o plano anestésico por seus efeitos na atividade ne...
Teorias Diversas <ul><li>Lipossolubidade: </li></ul><ul><li>propõe que a incorporação de anestésicos lipofílicos às membra...
Farmacocinética <ul><li>O objetivo da administração dos anestésicos inalatórios é produzir o estado anestésico estabelecen...
Concentração Alveolar Mínima <ul><li>Concentração Alveolar Mínima (CAM) </li></ul><ul><li>A CAM é a concentração alveolar ...
Concentração Alveolar Mínima   104,00 N2O 7,800 6,000 Desflurano 2,650 1,900 Sevoflurano 1,495 1,170 Isoflurano 2,184 1,70...
Fatores que alteram a CAM <ul><li>Diminuem a CAM: </li></ul><ul><ul><li>Temperatura </li></ul></ul><ul><ul><li>Idoso </li>...
Fatores que alteram a CAM <ul><li>Aumetam a CAM: </li></ul><ul><ul><li>Jovem </li></ul></ul><ul><ul><li>Etilismo crônico <...
Fatores que não alteram a CAM <ul><li>Não alteram a CAM: </li></ul><ul><ul><li>Tempo cirúrgico </li></ul></ul><ul><ul><li>...
Distribuição <ul><li>A maneira mais comum de mensurar a absorção é seguir o aumento da razão entre a fração alveolar e a f...
Distribuição <ul><li>Dependem ainda da concentração pulmonar, da capacidade residual funcional e da ventilação alveolar.  ...
Solubilidade dos Anestésicos no sangue 2,40 Halotano 1,90 Enflurano 1,40 Isoflurano 0,65 Sevoflurano 0,47 N2O 0,42 Desflur...
Relação entre fração alveolar e fração inspirada FA/FI minutos
Efeito concentração <ul><li>A concentração inspirada influencia tanto a fração alvelolar quanto a taxa de aumento da razão...
Efeito Segundo Gás <ul><li>O N20, por ter menor solubilidade, transfere-se para o sangue mais rapidamente que o segundo ag...
Hipóxia Difusional  <ul><li>Durante a recuperação anestésica a eliminação de altas concentrações do óxido nitroso pode dim...
Halotano <ul><li>Anestésico mais potente, de baixo custo e odor agradável, por isso ainda usado em  pediatria. </li></ul><...
Enflurano <ul><li>Halogenado atualmente em pouco uso, possui odor pungente e baixo custo.Não recomendável para indução pel...
Isoflurano <ul><li>A indução e a recuperação da anestesia ocorrem rapidamente. </li></ul><ul><li>Seu odor forte pode provo...
Sevoflurano <ul><li>Indução anestésica com perda de consciência rápida e suave, e rápido despertar. </li></ul><ul><li>Odor...
Desflurano <ul><li>Experimental e de alto custo. </li></ul><ul><li>Oferece boa estabilidade cardiovascular, não altera a f...
N2O <ul><li>Baixa potência e baixo custo. </li></ul><ul><li>Sem odor.  </li></ul><ul><li>Administrado comumente como adjuv...
Farmacologia Cardiovascular 0 + + 0 + 0 Dil. Coronaria 0 0 + + + + + + 0 Arritmia - 0 - - - - - - 0 Depressão miocardica -...
Farmacologia Respiratória + + + + + + + + + + + + Redução resp ao CO2 + - - - - + 0 Odor + + + + + + + + FR + + + + + 0 Br...
Farmacologia Cerebral + + + + + + + + + Fluxo sanguíneo - - - + - - Convulsão + + + 0 0 0 Proteção cereb. - - - - - - Resi...
Farmacologia  Renal     - - - - - - - - Débito Urinário     - - - - - - - - TFG - - - - - - - - - - Fluxo sanguíneo Sevofl...
Farmacologia  Hepática 2-3% 0,10% 0,20% 2-5% 15-20% 0,004% Metabolismo - - - - - - - - Fluxo sanguíneo Sevoflurano Desflur...
Bloqueio Neuromuscular + + +++  +++ +++ + + + Bloqueio NM Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
FIM
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentacao Andre 31072008

6.228 visualizações

Publicada em

anestesicos inalatorios

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.228
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao Andre 31072008

  1. 1. Anestésicos Inalatórios André de Araújo Alves ME-1 31/07/2008 Orientador: Dr. Rodrigo Montebello Hospital Municipal Lourenço Jorge – CET SEBA JORGE EBERIENOS
  2. 2. Introdução <ul><li>Os anestésicos inalatórios são os agentes mais usados para anestesia geral por suas características farmacocinéticas e farmacodinâmicas. São drogas de rápida ação, fácil administração, possibilidade de monitoramento e relativo baixo custo. </li></ul>
  3. 3. Anestésico Ideal <ul><li>Características do anestésico ideal: </li></ul><ul><li>Ação previsível </li></ul><ul><li>Indução e recuperação rápidas </li></ul><ul><li>Ausência de efeitos adversos </li></ul><ul><li>Não ser inflamável </li></ul><ul><li>Biotransformação mínima ou ausente </li></ul><ul><li>Possibilidade de monitoração da concentração plasmática </li></ul><ul><li>Estabilidade química </li></ul><ul><li>Fácil administração </li></ul><ul><li>Baixo custo </li></ul>
  4. 4. Anestésicos Inalatórios <ul><li>Os anestésicos inalatórios estabelecem o plano anestésico por seus efeitos na atividade neuronal espontânea e metabolismo. </li></ul><ul><li>Os mecanismos anestésicos exatos são pouco compreendidos. </li></ul><ul><li>Os efeitos dependem da concentração no sistema nervoso central, não havendo receptor específico nem local único de ação. </li></ul><ul><li>Agem no sistema reticular ativador, córtex cerebral, núcleo cuneado, córtex olfatório e hipocampo. Deprimem transmissão excitatória na medula espinhal (corno dorsal) e também agem no tronco cerebral. </li></ul>
  5. 5. Teorias Diversas <ul><li>Lipossolubidade: </li></ul><ul><li>propõe que a incorporação de anestésicos lipofílicos às membranas celulares seria responsável por alterações que caracterizam o estado de anestesia . </li></ul><ul><li>Sítios polares e não polares: </li></ul><ul><li>ao penetrar nas membranas os anestésicos poderiam alterar o volume celular, bloqueando os canais iônicos. </li></ul><ul><li>Ligação a receptores específicos: </li></ul><ul><li>no nível celular a sinapse parece ser o local mais provavél, através da ativação de sistemas inibitórios e inibição dos excitatórios </li></ul>
  6. 6. Farmacocinética <ul><li>O objetivo da administração dos anestésicos inalatórios é produzir o estado anestésico estabelecendo uma concentração no SNC, isto é conseguido com uma pressão parcial do agente nos pulmões que se equilibrará com o cérebro e medula. Este equilíbrio é resultado de 3 fatores: </li></ul><ul><ul><li>Rápida transferência bidirecional dos pulmões para o sangue e vice-versa, e de forma subseqüente para SNC quando as pressões parciais se equilibram; </li></ul></ul><ul><ul><li>O plasma e os tecidos tem baixa capacidade de absorção dos agentes inalatórios permitindo a rápida abolição ou manutenção do plano anestésico; </li></ul></ul><ul><ul><li>O metabolismo, excreção e redistribuição são mínimos se comparados ao montante ofertado aos pulmões. </li></ul></ul>
  7. 7. Concentração Alveolar Mínima <ul><li>Concentração Alveolar Mínima (CAM) </li></ul><ul><li>A CAM é a concentração alveolar em que 50% dos indivíduos expostos permanecem imóveis quando estimulados cirurgicamente e tem relação com a potência. A dose eficaz (DE95) é a concentração alveolar em que 95% dos indivíduos permanecem irresponsivos à incisão cirúrgica. </li></ul>
  8. 8. Concentração Alveolar Mínima   104,00 N2O 7,800 6,000 Desflurano 2,650 1,900 Sevoflurano 1,495 1,170 Isoflurano 2,184 1,700 Enflurano 0,975 0,700 Halotano DE95 CAM Anestésico Inalatório
  9. 9. Fatores que alteram a CAM <ul><li>Diminuem a CAM: </li></ul><ul><ul><li>Temperatura </li></ul></ul><ul><ul><li>Idoso </li></ul></ul><ul><ul><li>Álcool – Intoxicação aguda </li></ul></ul><ul><ul><li>Anemia </li></ul></ul><ul><ul><li>PA O2 < 40 </li></ul></ul><ul><ul><li>PA CO2 > 95 </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipotensão </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipercalcemia </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiponatremia </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestação </li></ul></ul><ul><ul><li>Drogas (anestésicos locais, opióides, cetamina, barbitúricos, benzodiazepínicos, verapamil, lítio, metildopa, reserpina, clonidina) </li></ul></ul>
  10. 10. Fatores que alteram a CAM <ul><li>Aumetam a CAM: </li></ul><ul><ul><li>Jovem </li></ul></ul><ul><ul><li>Etilismo crônico </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipernatremia </li></ul></ul><ul><ul><li>Drogas (cocaína, efedrina, uso agudo de anfetamina) </li></ul></ul>
  11. 11. Fatores que não alteram a CAM <ul><li>Não alteram a CAM: </li></ul><ul><ul><li>Tempo cirúrgico </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiper/Hipotireoidismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Sexo </li></ul></ul>
  12. 12. Distribuição <ul><li>A maneira mais comum de mensurar a absorção é seguir o aumento da razão entre a fração alveolar e a fração inspirada do anestésico ao longo do tempo. </li></ul><ul><li>Os anestésicos com menor solubilidade no sangue mostram maior aumento na razão FA/FI e por isso têm distribuição mais rápida. </li></ul>
  13. 13. Distribuição <ul><li>Dependem ainda da concentração pulmonar, da capacidade residual funcional e da ventilação alveolar. </li></ul><ul><li>Também o débito cardíaco tem ação sobre a distribuição mas de maneira inversa porque facilita a captação e retarda o equilíbrio entre FA e FI. O impacto da variação é tanto maior quanto maior a solubilidade dos agentes em questão no sangue. </li></ul>
  14. 14. Solubilidade dos Anestésicos no sangue 2,40 Halotano 1,90 Enflurano 1,40 Isoflurano 0,65 Sevoflurano 0,47 N2O 0,42 Desflurano
  15. 15. Relação entre fração alveolar e fração inspirada FA/FI minutos
  16. 16. Efeito concentração <ul><li>A concentração inspirada influencia tanto a fração alvelolar quanto a taxa de aumento da razão FA/FI, numa razão diretamente proporcional. </li></ul><ul><li>O N2O por ter a maior fração inspirada,usualmente 50 a 70% tem o maior efeito concentração. </li></ul><ul><li>Na curva Fa/F I o N2O tem um aumento maior que o desflurano mesmo este tendo uma solubilidade sangue:gás menor. </li></ul>
  17. 17. Efeito Segundo Gás <ul><li>O N20, por ter menor solubilidade, transfere-se para o sangue mais rapidamente que o segundo agente administrado, diminuindo assim a sua concentração nos alvéolos e aumentando a dos gases remanescentes. </li></ul>
  18. 18. Hipóxia Difusional <ul><li>Durante a recuperação anestésica a eliminação de altas concentrações do óxido nitroso pode diminuir as concentrações de oxigênio e gás carbônico. </li></ul><ul><li>A diluição alveolar do O2 e CO2 pode causar hipoxemia e a hipocarbia, diminuindo o drive respiratório e piorando a hipoxemia. </li></ul>
  19. 19. Halotano <ul><li>Anestésico mais potente, de baixo custo e odor agradável, por isso ainda usado em pediatria. </li></ul><ul><li>Mais associado à hepatite auto-imune, arritmias, hipertermia maligna e roubo coronariano. </li></ul>
  20. 20. Enflurano <ul><li>Halogenado atualmente em pouco uso, possui odor pungente e baixo custo.Não recomendável para indução pela possibilidade de irritação das vias aéreas. </li></ul><ul><li>É o mais nefrotóxico de todos pela liberação de íons fluor. </li></ul><ul><li>Pode ainda desencadear convulsões, é bastante cardioinstável, tem maior depressão da resposta ventilatória ao CO2 e da ventilação. </li></ul>
  21. 21. Isoflurano <ul><li>A indução e a recuperação da anestesia ocorrem rapidamente. </li></ul><ul><li>Seu odor forte pode provocar irritação nas membranas mucosas durante a indução da anestesia, limitando sua velocidade que pode ser acompanhada por tosse, depressão respiratória e tendência para laringospasmo. </li></ul><ul><li>Os reflexos faríngeos e laríngeos são rapidamente diminuídos, facilitando a intubação traqueal. </li></ul><ul><li>Produz relaxamento muscular. </li></ul><ul><li>Boas estabilidade hemodinâmica e broncodilatação. </li></ul>
  22. 22. Sevoflurano <ul><li>Indução anestésica com perda de consciência rápida e suave, e rápido despertar. </li></ul><ul><li>Odor agradável e alto custo. </li></ul><ul><li>A indução é acompanhada por um mínimo de excitação ou sinais de irritação no trato respiratório superior. </li></ul><ul><li>A incidência de tosse é mais baixa com sevoflurano do que com halotano. </li></ul><ul><li>Tem péssima analgesia pós-operatória. </li></ul><ul><li>Reage com a cal sodada (substância A). </li></ul><ul><li>Boas estabilidade hemodinâmica e broncodilatação. </li></ul>
  23. 23. Desflurano <ul><li>Experimental e de alto custo. </li></ul><ul><li>Oferece boa estabilidade cardiovascular, não altera a função renal nem o metabolismo hepático. </li></ul><ul><li>É quase totalmente eliminado por via pulmonar e apenas 0,02% da quantidade absorvida é metabolizada. </li></ul><ul><li>É irritante das vias aéreas pelo seu odor pungente. </li></ul><ul><li>Pode produzir maior incidência de vômitos e aumenta o fluxo sangüíneo cerebral e pressão intracraniana em concentrações alveolares acima de 1 CAM. </li></ul><ul><li>Por seu ponto de ebulição a 23 graus Celsius e pressão de vapor de 667 mm Hg necessita de um vaporizador especial. </li></ul>
  24. 24. N2O <ul><li>Baixa potência e baixo custo. </li></ul><ul><li>Sem odor. </li></ul><ul><li>Administrado comumente como adjuvante por potencializar os outros anestésicos. </li></ul><ul><li>Causa hipoxemia difusional e está associado a náuseas e vômitos pós-operatórios. </li></ul><ul><li>Por sua grande solubilidade no sangue em relação à do nitrogênio tem fácil difusão para cavidades aeradas devendo ser evitado em pneumoperitônio, pneumotórax, pneumomediastino, penumoencéfalo e obstrução intestinal. </li></ul>
  25. 25. Farmacologia Cardiovascular 0 + + 0 + 0 Dil. Coronaria 0 0 + + + + + + 0 Arritmia - 0 - - - - - - 0 Depressão miocardica - - - - - - 0 0 RSV 0 0 + + - 0 FC - - - - - - - - - 0 PA Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
  26. 26. Farmacologia Respiratória + + + + + + + + + + + + Redução resp ao CO2 + - - - - + 0 Odor + + + + + + + + FR + + + + + 0 Broncodilatação Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
  27. 27. Farmacologia Cerebral + + + + + + + + + Fluxo sanguíneo - - - + - - Convulsão + + + 0 0 0 Proteção cereb. - - - - - - Resist. Vascular - + + + + + + + PIC - - - - - - - - + Atividade - - - - - - Consumo O2 Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
  28. 28. Farmacologia Renal     - - - - - - - - Débito Urinário     - - - - - - - - TFG - - - - - - - - - - Fluxo sanguíneo Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
  29. 29. Farmacologia Hepática 2-3% 0,10% 0,20% 2-5% 15-20% 0,004% Metabolismo - - - - - - - - Fluxo sanguíneo Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
  30. 30. Bloqueio Neuromuscular + + +++  +++ +++ + + + Bloqueio NM Sevoflurano Desflurano Isoflurano Enflurano Halotano N2O  
  31. 31. FIM

×