SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
ANESTESIA
HISTÓRIA
Durante muitos século, os dogmas da igreja determinaram que a dor era um
justo castigo de Deus e, por isso, deveria ser aceita com submissão e enfrentada a
sangue frio. Em 1591, Eufane MacAyane, uma jovem mãe escocesa, foi enterrada viva
por pedir alívio para a dor no parto.
Somente em meados do século XIX, com o advento da anestesia as cirurgias
alcançaram um nível de profissionalização e ganharam contornos menos brutais,
porém, mais invasivos, já que ausência da dor alargaria as fronteiras das técnicas
cirúrgicas. Antes da anestesia, os cirurgiões mediam através do tempo a eficácia de
uma operação. Correr contra o relógio e finalizar uma intervenção no menor tempo
possível eram as maneiras mais eficazes de minimizar a dor, o choque e a perda de
sangue.
Embora a história conceda este título ao dentista William Thomas Morton, pois
este provou em publico os efeitos anestésicos do éter em 1846.
Porém, técnicas e remédios foram descobertos desde os primórdios, um
exemplo disto era a China milenar que usava a acupuntura como anestesia cerca de
2000 anos a.C.
Os assírios, por volta de 1000 a.C., comprimiam a carótida do paciente até que
ele ficasse inconsciente. Os índios peruanos, por sua vez, mascavam folhas de coca,
conhecidas no idioma quéchua como kunka sukunka (goela adormecida), e depois
despejavam a saliva sobre a ferida do doente para anestesiá-la. No século IV a.C.,
Hipócrates usava a chamada esponja sonífera, método bastante popular entre os
monges europeus.
Preparada a base de ópio, eufórbia, meimendro, mandrágora e outras
substâncias, era colocada em baixo das narinas do paciente até que ele dormisse. Para
desperta-lo uma esponja de vinagre entrava em ação.
Em 16 de outubro de 1846, o cirurgião John Collins Warren e o dentista
William Thomas Green Morton. O primeiro extirpou o tumor de um jovem de 17 anos,
enquanto o segundo aplicou a anestesia por meio de um aparelho inalador por ele
idealizado, sendo considerado este o momento da criação da anestesia.
O substituto do éter, o clorofórmio, foi usado pela primeira vez em 1847, por
James Simpson, obstetra francês, em um trabalho de parto.
Hoje em dia a anestesia é um procedimento altamente seguro, consistindo na
administração de agentes sedativos, agentes anestésicos, perda da consciência, na
intubação, quando indicado e na manutenção com agentes anestésicos.
Os principais tipos de anestesia são: Anestesia geral, Anestesia regional (Raqui
ou Peridural), Anestesia local, Sedação moderada, Bloqueio do Plexo Braquial e
Bloqueio Venoso de Bier.
TIPOS DE ANESTESIA
ANESTESIA GERAL
A anestesia geral refere-se a um estado de inconsciência reversível,
imobilidade, analgesia e bloqueio dos reflexos autonômicos obtidos pela
administração de fármacos específicos. Na atualidade, para realização de uma
anestesia geral utilizam-se comumente os tipos:
AGENTE INDICAÇÃO VIA DURAÇÃO IMPLICAÇÕES/CONSIDERAÇÕES
Líquidos Voláteis
Sevoflorano Anestesia Geral Inalatória Período da
cirúrgia
Observação do pulso e da respiração no
período pós-operatório, a PA deve ser
monitorizada com frequência
Gases
Óxido Nitroso
(N2O)
Anestesia Geral Inalatória Período da
cirúrgia
Útil em conjunto com outros agentes
com ação mais prolongada. Monitorar
dor torácica, hipertensão e AVC.
Oxigênio (O2) Anestesia
Geral/Hipóxia
Inalatória Período do
uso
Perigoso em altas concentrações.
Altamente inflamável.
Anestésicos Opióides
Sulfato de
Morfina
Analgésico EV e
Epidural
4 à 5 horas Depressão do SNC e respiratória, vômitos
e queda da PA.
Alfentanil Analgésico EV 30 min. 750ug = 10 mg de Morfina
Fentanil Analgésico EV e
Epidural
30 min. 100ug = 10mg de Morfina
Remifentanil
(Ultiva)
Analgésico EV Duração
muito curta
25ug = 10mg de Morfina, usado em dor
intensa
Sulfentanil
(Sufenta)
Analgésico EV 30 min. 15ug = 10mg de Morfina, depressão
respiratória prolongada
Relaxantes Musculares
Succinilcolina
(Quelicin)
Intubação EV 5 min.
Atracúrio
(Tracrium)
Intubação,
manutenção do
relaxamento
EV 30 min. Requer refrigeração
Mivacúrio
(Mivacron)
Intubação,
manutenção do
relaxamento
EV 15 à 20 min. Caro, recomendado para procedimentos
rápidos
Pancurônio
(Pancuron)
Intubação,
manutenção do
relaxamento
EV 60 min. Aumento de FC e PA
Anestésicos Intravenosos
Etomidato Indução
Anestésica
EV 4 à 8
minutos
Pode causar dor na injeção
Diazepam Amnésia,
hipnótico
EV 30 min. Potencialização do efeito do álcool
Cetamina
(Ketalar)
Indução
Anestésica
EV 5 à 10 min. Alucinações
Midazolan
(Dormonid)
Amnésia,
hipnótico, pré
anestésico
EV, VO
(Comprimido
e Xarope)
30 min. Amnésia
Propofol Indução
Anestésica
EV 4 à 8
minutos
Pode causar dor na injeção
Tiopental Indução
Anestésica
EV 4 à 8
minutos
Apnéia e depressão cardiovascular em
altas doses
ANTAGONISTAS DOS OPIÓIDES: Tem a função de anular a ação de outro
fármaco, revertendo seus efeitos rapidamente. (Ex.: Flumazenil e Narcan)
FÁRMACOS ADJUVANTES: Visam efeitos adversos como controle da pressão
arterial, freqüência cardíaca e tratamento de intercorrências (Ex.: Atropina, Efedrina)
O resultado da anestesia geral é obtido através da inalação ou administração
endovenosa, e caracteriza-se por amnésia (perda temporária da memória),
inconsciência (hipnose), analgesia (ausência da dor), relaxamento muscular e bloqueio
de reflexos autonômicos os quais devem ser controlados continuamente, assim como
a homeostase das funções vitais.
A indução, a manutenção e a emersão constituem as fases da anestesia geral,
sendo que a intubação ocorre na indução.
BLOQUEIOS REGIONAIS OU PERIFÉRICOS: É definida como perda reversível da
sensibilidade, decorrente da administração de agente anestésico para bloquear ou
anestesiar a condução nervosa a uma extremidade ou região do corpo.
Ex: Bloqueio do Plexo Braquial, para cirurgias de ombro e membros
superiores; Bloqueio Intravenoso de Bier para cirurgias rápidas de membros superiores
e eventualmente dos membros inferiores.
Muitos nervos periféricos podem ser bloqueados eficazmente por meio da
injeção de um anestésico local. O inicio e a duração do bloqueio estão relacionados
com a droga utilizada e também com a concentração e seu volume.
As anestesias raquideanas e peridural, também são consideradas bloqueios
regionais.
ANESTESIA RAQUIDEANA
Na anestesia raquideana, um anestésico local é injetado no espaço
subaracnóide atraves de punção feita em espaço lombar inferior e se mistura ao
liquido cefalorraquideano (LCR), ocorrendo o bloqueio nervoso reversível das raízes
nervosas anteriores e posteriores, doa gânglios das raízes nervosas posteriores e de
parte da medula, levando o individuo a perda da atividade autonômica, sensitiva e
motora.
A punção é feita na posição sentada ou decúbito lateral, sendo possível
direcionar a posição do bloqueio.
Pode provocar algumas respostas fisiológicas, como: hipotensão, que é
causada pela vasodilatação, desencadeada após o bloqueio dos nervos simpáticos, que
controlam o tônus vasomotor, o que resulta em acumulo periférico.
Em bloqueios muito altos, pode ocorrer a parada respiratória.
A cefaléia pós punção, sendo causada pelo extravasamento de LCR pelo
orifício da punção, o que provoca na posição ortostática, uma tensão intracraniana nos
vasos e nervos meníngeos, na duramater, que pode se prolongar por até duas
semanas. Como tratamento, é indicado repouso e hidratação, na persistência, é
indicado o tamponamento com sangue autólogo, cerca de 15 ml no espaço epidural.
ANESTESIA EPIDURAL, PERIDURAL OU EXTRADURAL
Baseia-se na aplicação de anestésico em um espaço virtual entre o ligamento
amarelo e a dura-mater. As principais vantagens são a menor incidência de cefaléia,
quando comparada a raqui, a possibilidade de realização de bloqueios mais restritos às
faixas de dermátomos e a maior facilidade de realização de técnicas com utilização de
cateter (analgesia contínua).
Como desvantagens, temos o volume maior de anestésico e
concequentemente o maior risco de toxicidade, seu inicio mais lento, hipotensão (mais
lenta que na raqui).
Os anestésicos mais comuns utilizados tanto na raqui como na peridural
incluem: Lidocaina, Bupivacaina e a Ropivacaina.
As complicações incluem: Bloqueios insuficiente, e falhas, dor ou reflexos
vicerais, dificuldade de passagem do cateter epidural, punção inadvertida da dura-
mater, com bloqueio total, PCR, convulsões, hipotensão e hematoma.
Local de depósito do anestésico na Raquinestesia e Anestesia Peridual
BLOQUEIO DO PLEXO BRAQUIAL
O bloqueio dos nervos do plexo braquial são feitos com anestésicos locais e
bloqueiam a condução nervosa para o membro superior à partir do ombro.
Apesar de sua aplicação ser um pouco incomoda para o paciente, promove
grande analgesia pós operatória, pois seus efeitos perduram por várias horas após sua
aplicação.
Seu maior risco é durante a aplicação, pois existe o risco de injeção intravesoa
acidental ou lesão dos nervos pela agulha, hoje porem, esse risco é minizado pelo uso
do ultra som durante o procedimento de injeção.
BLOQUEIO VENOSO DE BIER
Consiste na injeção de grande quantidade de volumes de soluções
anestésicas locais por via intravenosa enquanto a circulação para o membro é ocluída
por um torniquete.
Um cateter venoso é colocado na porção distal do membro em questão e o
braço ou perna é exsanguinado pela colocação de uma atadura de Esmarch. A seguir, o
torniquete é insuflado e a solução anestésica é injetada. É necessária a aplicação de
torniquete duplo para aliviar a dor da aplicação do torniquete.
O torniquete proximal é insuflado inicialmente, após iniciado os efeitos do do
anestésico, o torniquete distal é insuflado e o proximal desisnsuflado.
Geralmente feita para procedimentos rápidos, pois seu efeito dura por volta
de 40 minutos
É necessário estar atento aos cuidados neste tipo de procedimento, pois é
importante monitorar a insuflação do torniquete, pois se este for desinsuflado, o
anestésico contido no sistema venoso do paciente, irá agir sistemicamente,
ocasionando diversos efeitos indesejáveis, principalmente cardíacos.
ANESTESIA LOCAL
A aplicação do anestésico provoca o bloqueio da condução de impulsos ao
longo dos axônios do sistema nervoso periférico, pela obstrução dos canais de sódio da
membrana, impedindo sua despolarização. Em geral o anestésico de escolha é a
Lidocaina.
Aula de anestesia (1)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoZeca Ribeiro
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Aline Bandeira
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaresenfe2013
 
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópiaAlexsandro Ribeiro
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesiaGarrote Leal
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxEnfermagemUniavan
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoNayara Dávilla
 

Mais procurados (20)

Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
 
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 

Destaque

Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioSilvânia Galdino
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Guilherme Terra
 
Anestesia geral
Anestesia geralAnestesia geral
Anestesia geraldapab
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaWillD12
 
Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)
Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)
Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)Kim Suso
 
Farmacologia dos anestésicos venosos
Farmacologia dos anestésicos venososFarmacologia dos anestésicos venosos
Farmacologia dos anestésicos venososLeandro de Carvalho
 
Anestesia regional anestesiologia
Anestesia regional anestesiologiaAnestesia regional anestesiologia
Anestesia regional anestesiologiaCamilo Losada
 
Anestesiologia 08 anestesia inalatória - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 08   anestesia inalatória - med resumos (set-2011)Anestesiologia 08   anestesia inalatória - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 08 anestesia inalatória - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 

Destaque (20)

Anestesia
Anestesia Anestesia
Anestesia
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Anestesico endovenoso
Anestesico endovenoso Anestesico endovenoso
Anestesico endovenoso
 
Aula anestesia local
Aula   anestesia localAula   anestesia local
Aula anestesia local
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Anestesia geral
Anestesia geralAnestesia geral
Anestesia geral
 
Historia de la Anestesia
Historia de la AnestesiaHistoria de la Anestesia
Historia de la Anestesia
 
10000 intrebari
10000 intrebari10000 intrebari
10000 intrebari
 
Segurancaalimentarescola
SegurancaalimentarescolaSegurancaalimentarescola
Segurancaalimentarescola
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
 
Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)
Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)
Anestesia venosa (com cinetica, dinamica, etc)
 
Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
 Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)  Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
 
Farmacologia dos anestésicos venosos
Farmacologia dos anestésicos venososFarmacologia dos anestésicos venosos
Farmacologia dos anestésicos venosos
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
 
Anestesia regional
Anestesia regionalAnestesia regional
Anestesia regional
 
Anestesia regional anestesiologia
Anestesia regional anestesiologiaAnestesia regional anestesiologia
Anestesia regional anestesiologia
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Aula 4 Cf1
Aula 4 Cf1Aula 4 Cf1
Aula 4 Cf1
 
Anestesiologia 08 anestesia inalatória - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 08   anestesia inalatória - med resumos (set-2011)Anestesiologia 08   anestesia inalatória - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 08 anestesia inalatória - med resumos (set-2011)
 

Semelhante a Aula de anestesia (1)

Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdfAnestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdfBrunno Rosique
 
Antesiologia completa (2016)
Antesiologia   completa (2016)Antesiologia   completa (2016)
Antesiologia completa (2016)Jucie Vasconcelos
 
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 
Anestesiologia 01 introdução e histórico - med resumos set-2011
Anestesiologia 01   introdução e histórico - med resumos set-2011Anestesiologia 01   introdução e histórico - med resumos set-2011
Anestesiologia 01 introdução e histórico - med resumos set-2011Jucie Vasconcelos
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDEArtthurPereira2
 
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxpowerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxProfYasminBlanco
 
Anestesia regional
Anestesia regionalAnestesia regional
Anestesia regionalKássia Baia
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
anestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdfanestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdfYuriFargom1
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Guilherme Terra
 
Anestesiologia 04 bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 04   bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)Anestesiologia 04   bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 04 bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 
tipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptxtipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptxNayaraAndre
 
Aula Pronta Assistência Cirúrgica.ppt
Aula Pronta Assistência Cirúrgica.pptAula Pronta Assistência Cirúrgica.ppt
Aula Pronta Assistência Cirúrgica.pptSheylaGonalves3
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localItalo Gabriel
 

Semelhante a Aula de anestesia (1) (20)

Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdfAnestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
 
Aula 01.pptx
Aula 01.pptxAula 01.pptx
Aula 01.pptx
 
Antesiologia completa (2016)
Antesiologia   completa (2016)Antesiologia   completa (2016)
Antesiologia completa (2016)
 
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
 
Anestesiologia 01 introdução e histórico - med resumos set-2011
Anestesiologia 01   introdução e histórico - med resumos set-2011Anestesiologia 01   introdução e histórico - med resumos set-2011
Anestesiologia 01 introdução e histórico - med resumos set-2011
 
Anestesiologia Completa
Anestesiologia CompletaAnestesiologia Completa
Anestesiologia Completa
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
 
ANESTÉSICOS aula 5.pptx
ANESTÉSICOS aula 5.pptxANESTÉSICOS aula 5.pptx
ANESTÉSICOS aula 5.pptx
 
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxpowerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
 
Anestesia regional
Anestesia regionalAnestesia regional
Anestesia regional
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Manual de anestésiologia
Manual de anestésiologiaManual de anestésiologia
Manual de anestésiologia
 
anestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdfanestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdf
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013
 
Anestesiologia 04 bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 04   bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)Anestesiologia 04   bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 04 bloqueadores neuromusculares - med resumos (set-2011)
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
tipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptxtipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptx
 
Aula Pronta Assistência Cirúrgica.ppt
Aula Pronta Assistência Cirúrgica.pptAula Pronta Assistência Cirúrgica.ppt
Aula Pronta Assistência Cirúrgica.ppt
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 

Último (9)

Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 

Aula de anestesia (1)

  • 1. ANESTESIA HISTÓRIA Durante muitos século, os dogmas da igreja determinaram que a dor era um justo castigo de Deus e, por isso, deveria ser aceita com submissão e enfrentada a sangue frio. Em 1591, Eufane MacAyane, uma jovem mãe escocesa, foi enterrada viva por pedir alívio para a dor no parto. Somente em meados do século XIX, com o advento da anestesia as cirurgias alcançaram um nível de profissionalização e ganharam contornos menos brutais, porém, mais invasivos, já que ausência da dor alargaria as fronteiras das técnicas cirúrgicas. Antes da anestesia, os cirurgiões mediam através do tempo a eficácia de uma operação. Correr contra o relógio e finalizar uma intervenção no menor tempo possível eram as maneiras mais eficazes de minimizar a dor, o choque e a perda de sangue. Embora a história conceda este título ao dentista William Thomas Morton, pois este provou em publico os efeitos anestésicos do éter em 1846. Porém, técnicas e remédios foram descobertos desde os primórdios, um exemplo disto era a China milenar que usava a acupuntura como anestesia cerca de 2000 anos a.C. Os assírios, por volta de 1000 a.C., comprimiam a carótida do paciente até que ele ficasse inconsciente. Os índios peruanos, por sua vez, mascavam folhas de coca, conhecidas no idioma quéchua como kunka sukunka (goela adormecida), e depois despejavam a saliva sobre a ferida do doente para anestesiá-la. No século IV a.C., Hipócrates usava a chamada esponja sonífera, método bastante popular entre os monges europeus. Preparada a base de ópio, eufórbia, meimendro, mandrágora e outras substâncias, era colocada em baixo das narinas do paciente até que ele dormisse. Para desperta-lo uma esponja de vinagre entrava em ação. Em 16 de outubro de 1846, o cirurgião John Collins Warren e o dentista William Thomas Green Morton. O primeiro extirpou o tumor de um jovem de 17 anos, enquanto o segundo aplicou a anestesia por meio de um aparelho inalador por ele idealizado, sendo considerado este o momento da criação da anestesia. O substituto do éter, o clorofórmio, foi usado pela primeira vez em 1847, por James Simpson, obstetra francês, em um trabalho de parto. Hoje em dia a anestesia é um procedimento altamente seguro, consistindo na administração de agentes sedativos, agentes anestésicos, perda da consciência, na intubação, quando indicado e na manutenção com agentes anestésicos. Os principais tipos de anestesia são: Anestesia geral, Anestesia regional (Raqui ou Peridural), Anestesia local, Sedação moderada, Bloqueio do Plexo Braquial e Bloqueio Venoso de Bier.
  • 2. TIPOS DE ANESTESIA ANESTESIA GERAL A anestesia geral refere-se a um estado de inconsciência reversível, imobilidade, analgesia e bloqueio dos reflexos autonômicos obtidos pela administração de fármacos específicos. Na atualidade, para realização de uma anestesia geral utilizam-se comumente os tipos: AGENTE INDICAÇÃO VIA DURAÇÃO IMPLICAÇÕES/CONSIDERAÇÕES Líquidos Voláteis Sevoflorano Anestesia Geral Inalatória Período da cirúrgia Observação do pulso e da respiração no período pós-operatório, a PA deve ser monitorizada com frequência Gases Óxido Nitroso (N2O) Anestesia Geral Inalatória Período da cirúrgia Útil em conjunto com outros agentes com ação mais prolongada. Monitorar dor torácica, hipertensão e AVC. Oxigênio (O2) Anestesia Geral/Hipóxia Inalatória Período do uso Perigoso em altas concentrações. Altamente inflamável. Anestésicos Opióides Sulfato de Morfina Analgésico EV e Epidural 4 à 5 horas Depressão do SNC e respiratória, vômitos e queda da PA. Alfentanil Analgésico EV 30 min. 750ug = 10 mg de Morfina Fentanil Analgésico EV e Epidural 30 min. 100ug = 10mg de Morfina Remifentanil (Ultiva) Analgésico EV Duração muito curta 25ug = 10mg de Morfina, usado em dor intensa Sulfentanil (Sufenta) Analgésico EV 30 min. 15ug = 10mg de Morfina, depressão respiratória prolongada Relaxantes Musculares Succinilcolina (Quelicin) Intubação EV 5 min. Atracúrio (Tracrium) Intubação, manutenção do relaxamento EV 30 min. Requer refrigeração Mivacúrio (Mivacron) Intubação, manutenção do relaxamento EV 15 à 20 min. Caro, recomendado para procedimentos rápidos Pancurônio (Pancuron) Intubação, manutenção do relaxamento EV 60 min. Aumento de FC e PA
  • 3. Anestésicos Intravenosos Etomidato Indução Anestésica EV 4 à 8 minutos Pode causar dor na injeção Diazepam Amnésia, hipnótico EV 30 min. Potencialização do efeito do álcool Cetamina (Ketalar) Indução Anestésica EV 5 à 10 min. Alucinações Midazolan (Dormonid) Amnésia, hipnótico, pré anestésico EV, VO (Comprimido e Xarope) 30 min. Amnésia Propofol Indução Anestésica EV 4 à 8 minutos Pode causar dor na injeção Tiopental Indução Anestésica EV 4 à 8 minutos Apnéia e depressão cardiovascular em altas doses ANTAGONISTAS DOS OPIÓIDES: Tem a função de anular a ação de outro fármaco, revertendo seus efeitos rapidamente. (Ex.: Flumazenil e Narcan) FÁRMACOS ADJUVANTES: Visam efeitos adversos como controle da pressão arterial, freqüência cardíaca e tratamento de intercorrências (Ex.: Atropina, Efedrina) O resultado da anestesia geral é obtido através da inalação ou administração endovenosa, e caracteriza-se por amnésia (perda temporária da memória), inconsciência (hipnose), analgesia (ausência da dor), relaxamento muscular e bloqueio de reflexos autonômicos os quais devem ser controlados continuamente, assim como a homeostase das funções vitais. A indução, a manutenção e a emersão constituem as fases da anestesia geral, sendo que a intubação ocorre na indução. BLOQUEIOS REGIONAIS OU PERIFÉRICOS: É definida como perda reversível da sensibilidade, decorrente da administração de agente anestésico para bloquear ou anestesiar a condução nervosa a uma extremidade ou região do corpo. Ex: Bloqueio do Plexo Braquial, para cirurgias de ombro e membros superiores; Bloqueio Intravenoso de Bier para cirurgias rápidas de membros superiores e eventualmente dos membros inferiores. Muitos nervos periféricos podem ser bloqueados eficazmente por meio da injeção de um anestésico local. O inicio e a duração do bloqueio estão relacionados com a droga utilizada e também com a concentração e seu volume. As anestesias raquideanas e peridural, também são consideradas bloqueios regionais.
  • 4. ANESTESIA RAQUIDEANA Na anestesia raquideana, um anestésico local é injetado no espaço subaracnóide atraves de punção feita em espaço lombar inferior e se mistura ao liquido cefalorraquideano (LCR), ocorrendo o bloqueio nervoso reversível das raízes nervosas anteriores e posteriores, doa gânglios das raízes nervosas posteriores e de parte da medula, levando o individuo a perda da atividade autonômica, sensitiva e motora. A punção é feita na posição sentada ou decúbito lateral, sendo possível direcionar a posição do bloqueio. Pode provocar algumas respostas fisiológicas, como: hipotensão, que é causada pela vasodilatação, desencadeada após o bloqueio dos nervos simpáticos, que controlam o tônus vasomotor, o que resulta em acumulo periférico. Em bloqueios muito altos, pode ocorrer a parada respiratória. A cefaléia pós punção, sendo causada pelo extravasamento de LCR pelo orifício da punção, o que provoca na posição ortostática, uma tensão intracraniana nos vasos e nervos meníngeos, na duramater, que pode se prolongar por até duas semanas. Como tratamento, é indicado repouso e hidratação, na persistência, é indicado o tamponamento com sangue autólogo, cerca de 15 ml no espaço epidural. ANESTESIA EPIDURAL, PERIDURAL OU EXTRADURAL Baseia-se na aplicação de anestésico em um espaço virtual entre o ligamento amarelo e a dura-mater. As principais vantagens são a menor incidência de cefaléia, quando comparada a raqui, a possibilidade de realização de bloqueios mais restritos às faixas de dermátomos e a maior facilidade de realização de técnicas com utilização de cateter (analgesia contínua). Como desvantagens, temos o volume maior de anestésico e concequentemente o maior risco de toxicidade, seu inicio mais lento, hipotensão (mais lenta que na raqui). Os anestésicos mais comuns utilizados tanto na raqui como na peridural incluem: Lidocaina, Bupivacaina e a Ropivacaina. As complicações incluem: Bloqueios insuficiente, e falhas, dor ou reflexos vicerais, dificuldade de passagem do cateter epidural, punção inadvertida da dura-
  • 5. mater, com bloqueio total, PCR, convulsões, hipotensão e hematoma. Local de depósito do anestésico na Raquinestesia e Anestesia Peridual BLOQUEIO DO PLEXO BRAQUIAL O bloqueio dos nervos do plexo braquial são feitos com anestésicos locais e bloqueiam a condução nervosa para o membro superior à partir do ombro. Apesar de sua aplicação ser um pouco incomoda para o paciente, promove grande analgesia pós operatória, pois seus efeitos perduram por várias horas após sua aplicação. Seu maior risco é durante a aplicação, pois existe o risco de injeção intravesoa acidental ou lesão dos nervos pela agulha, hoje porem, esse risco é minizado pelo uso do ultra som durante o procedimento de injeção.
  • 6. BLOQUEIO VENOSO DE BIER Consiste na injeção de grande quantidade de volumes de soluções anestésicas locais por via intravenosa enquanto a circulação para o membro é ocluída por um torniquete. Um cateter venoso é colocado na porção distal do membro em questão e o braço ou perna é exsanguinado pela colocação de uma atadura de Esmarch. A seguir, o torniquete é insuflado e a solução anestésica é injetada. É necessária a aplicação de torniquete duplo para aliviar a dor da aplicação do torniquete. O torniquete proximal é insuflado inicialmente, após iniciado os efeitos do do anestésico, o torniquete distal é insuflado e o proximal desisnsuflado. Geralmente feita para procedimentos rápidos, pois seu efeito dura por volta de 40 minutos É necessário estar atento aos cuidados neste tipo de procedimento, pois é importante monitorar a insuflação do torniquete, pois se este for desinsuflado, o anestésico contido no sistema venoso do paciente, irá agir sistemicamente, ocasionando diversos efeitos indesejáveis, principalmente cardíacos. ANESTESIA LOCAL A aplicação do anestésico provoca o bloqueio da condução de impulsos ao longo dos axônios do sistema nervoso periférico, pela obstrução dos canais de sódio da membrana, impedindo sua despolarização. Em geral o anestésico de escolha é a Lidocaina.