Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014

2.092 visualizações

Publicada em

Slide do minicurso Gestão de Crises de Imagem na Web, apresentado no Intercom Norte 2014/UFPA.

Publicada em: Marketing
4 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.092
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
289
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
4
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão de Crises de Imagem na Web - Intercom Norte 2014

  1. 1. Gestão de Crises de Imagem na Web ALYNNE CID – INTERCOM NORTE 2014 #IntercomNorte2014 #GestãodeCriseIN2014
  2. 2. #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID • Formada em Publicidade e Propaganda pela UFPA. Blogueira, entusiasta das redes sociais, SAC 2.0 e relacionamento. • Criadora do Portal SAC 2.0, estudo do atendimento 2.0 nas redes sociais. @alynnecid | portalsac20.com.br slideshare.net/alynnecid Ministrante
  3. 3. Sumário#Cibercultura #InteligênciaColetiva #NovoConsumidor #RedesSociais #CapitalSocial #OpiniãoPública #ReputaçãoeImagem #Crises #Cases #PlanoDeCrises #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  4. 4. “A cibercultura é a expressão da aspiração de construção de um laço social, que não seria fundado nem sobre links territoriais, nem sobre relações institucionais, nem sobre as relações de poder, mas sobre a reunião em torno de centros de interesses comuns, sobre o jogo, sobre o compartilhamento do saber, sobre a aprendizagem cooperativa, sobre processos abertos de colaboração.” (LÉVY, 1999, p.130) Marcas da Cibercultura • Comunidades virtuais e redes sociais; • Comunicação multidirecional, de todos para todos; • Liberdade de emissão e recepção de informação; • Variedade de acesso a informação e conexão entre o mundo inteiro • Inteligência Coletiva – filtros do excesso de informação. Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  5. 5. • O ciberespaço surgiu com o desenvolvimento das Tecnologias da Informação e da Comunicação, o que possibilitou a invenção do computador e, posteriormente, a criação da internet. • Manuel Castells (1999) denominou essa nova era de “Era da Informação” ou “Era do Conhecimento”, caracterizada pela mudança na maneira de a sociedade se comunicar e pela valorização crescente da informação nessa nova configuração política social e econômica. • Castells (1999) denominou de Sociedade em Rede a coletividade cuja estrutura foi construída em torno de redes de informação a partir de computadores interconectados no mundo todo pela Internet. • Para Lévy (1999, p.32), as tecnologias digitais foram o alicerce do ciberespaço, que corresponde ao “novo espaço de comunicação, de sociabilidade, de organização e de transação, mas também novo mercado da informação e do conhecimento”. • O ciberespaço designa os modos originais de criação, de navegação no conhecimento e de relação social por ele propiciados (LÉVY, 2003, p.104). Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  6. 6. • Segundo Castells (1999), as inovações contraculturais envolvendo universitários foram o fator decisivo para o desenvolvimento e a difusão da internet no mundo, da criação das redes sociais, e da constituição da cibercultura. • Uma das características mais impactantes da internet é a forma como os usuários se apropriaram das conexões para criar novos hábitos de socialização. Para Castells (1999), a rede de computadores (CMC) contribuiu para o usuário expandir o alcance de suas redes sociais além de permitir uma interação mais ativa nessas redes. Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  7. 7. • O Usenet – fórum de discussões on-line sobre computadores – foi um dos primeiros sistemas de conversa eletrônica de alcance mundial. No momento em que cresceu a disponibilização de computadores pessoais com acesso em rede foram criados os Sistemas de Boletins Informativos (BBS) que, posteriormente, se tornaram quadro de avisos eletrônicos de interesses variados, sendo então chamados de comunidades virtuais (1999, p.375-379). • Comunidades virtuais, de acordo com Castells (1999, p.385): É uma rede eletrônica de comunicação interativa autodefinida, organizada em torno de um interesse ou finalidade compartilhados, embora algumas vezes a própria comunicação se transforme no objetivo. Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  8. 8. • Atualmente as redes sociais são uma das formas mais populares de comunicação no ciberespaço. De acordo com André Telles (2011, p.18-19), as redes sociais ou sites de relacionamento, assim como as comunidades virtuais, são ambientes com foco na reunião de pessoas. O Orkut, o Facebook e o Google+ são alguns exemplos destas redes. • Já as mídias sociais incluem as redes sociais, blogs e os sites que permitem a criação colaborativa de conteúdo, a interação social, e o compartilhamento de informações em diversos formatos como vídeos e fotos, sendo o Flickr e o YouTube os exemplos mais conhecidos. O Twitter é uma mídia que permite compartilhamento de informações e ideias, e, apesar de não ter sido criada para expressar as redes sociais, foi apropriada pelos usuários para este fim. Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  9. 9. • Assim, percebe-se que, tanto nas comunidades virtuais quanto nas redes sociais, todos os usuários tinham e têm os mesmos direitos e poderes de se organizarem e compartilharem ideias com suas próprias regras de respeito e convívio. • A criação de comunidades e redes sociais permitiu que o ciberespaço crescesse como meio de comunicação revolucionário e de alcance mundial, posto que a comunicação passa a ser de todos para todos, em detrimento dos meios de comunicação de massa, cuja comunicação é unilateral. No ciberespaço, o usuário tem mais liberdade tanto para emitir quanto para receber informações. • Assim, entende-se que o surgimento da cultura em rede virtual, ou seja, a cibercultura, foi um marco da Revolução da Tecnologia da Informação, por caracterizar um ambiente onde todos compartilham conhecimento e conteúdo para todos, independentemente de proximidade física ou hierarquias de poder. Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  10. 10. Cibercultura #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID Meios de Comunicação de Massa (MCM) Comunicação Mediada por Computador (CMC)
  11. 11. • Lévy (1999, p.127-130) apresenta a inteligência coletiva juntamente com a interconexão e as comunidades virtuais como os três princípios que orientaram o crescimento inicial do ciberespaço. • A interconexão diz respeito à necessidade de que tudo precisa possuir um endereço na internet (site ou e-mail, por exemplo). Com isso, o indivíduo pode receber informações de todos os outros e responder a eles. • Já a comunidade virtual se apoia na interconexão, pois ela é construída sobre os interesses e conhecimentos em comum, sobre projetos mútuos, em um processo de cooperação ou de troca, independentemente das proximidades geográficas e das filiações institucionais. • A inteligência coletiva seria sua finalidade última, como descreve Lévy (1999, p.130): “Um grupo humano qualquer só se interessa em constituir-se como comunidade virtual para aproximar-se do ideal do coletivo inteligente”. Inteligência Coletiva #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  12. 12. • A partir desses princípios, Lévy (2003, p.28-29) põe em discussão o projeto da Inteligência Coletiva: Pode-se dizer que as comunidades virtuais e redes sociais on-line surgiram como estímulo à criação de coletivos inteligentes com a função de filtros inteligentes que ajudam o usuário a lidar com o excesso de informação; e, igualmente, como um mecanismo que abre às visões alternativas de uma determinada cultura (LÉVY, 1999). • Segundo Lévy (2003), é importante pensar os princípios do projeto da inteligência coletiva como uma maneira de compreender as formas de engajamento social presentes nas comunidades virtuais e redes sociais criadas no ambiente virtual. Assim como no ambiente offline, as comunidades possuem regras de convivência e administração, e a quebra delas pode fazer os grupos sentirem-se desvalorizados e impelidos a serem hostis. Inteligência Coletiva #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  13. 13. • A difusão da mídia social possibilitou novas formas de compartilhamento: Compartilhamento pessoal; compartilhamento comum (acontece num grupo de colaboradores); compartilhamento público (quando um grupo de colaboradores deseja ativamente criar um recurso público); e compartilhamento cívico (existe quando um grupo está tentando ativamente transformar a sociedade). • Através do compartilhamento pessoal e comum, valores podem ser criados apenas para seus participantes; enquanto que no compartilhamento público e cívico há a construção de valores para gerar a mudança real na sociedade a que pertencem os participantes (SHIRKY, 2011, p.154). A Era da Participação #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  14. 14. A Era da Participação #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  15. 15. • Uma das grandes diferenças entre os “Velhos Consumidores” e os “Novos Consumidores” é que os primeiros conviviam com a escassez de dinheiro, opção e disponibilidade, enquanto que os últimos enfrentam a falta de tempo, atenção e confiança. Os “Velhos Consumidores” eram alheios à produção, conformistas e desinformados. Os “Novos Consumidores” são individualistas, envolvidos, independentes e geralmente bem informados; e, sobretudo, motivados pela autenticidade (LEWIS; BRIDGER, 2004, p.5). O Novo Consumidor #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  16. 16. O novo comportamento do consumidor participativo colaborativo exigente impaciente influenciador segmentos heterogêneos informado ativo engajado O Novo Consumidor • “Independentes, individualistas, envolvidos e bem-informados sobre consumo, eles já se classificam como participantes significativos de um mercado cada vez mais fragmentado e em fragmentação. Da globalização à digitalização, das novas tecnologias do varejo às compras pela internet, cada aspecto da economia alterou radicalmente não só amaneira como os Novos Consumidores compram, como também o que compram e por quê.” (LEWIS; BRIDGER, 2004, p.4) #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  17. 17. • As comunidades virtuais tornaram-se os melhores ambientes de experiência e relacionamento entre consumidores e empresas. É uma forma de gerar confiança dos “Novos Consumidores” pelas marcas. Nesse espaço, eles encontram amigos, trocam ideias, contam novidades e relaxam (LEWIS; BRIDGER, 2004, p.181). Para eles, o envolvimento gera mais satisfação, além de gerar um valor de mais autenticidade para o produto ao qual participam da criação. Enquanto que, para os fornecedores, cria-se a oportunidade de aprender mais sobre as preferências pessoais dos “Novos Consumidores” para, assim, adequar seus produtos e serviços. (LEWIS; BRIDGER, 2004, p.111-114). • A fidelidade às marcas diante dos “Novos Consumidores” está cada vez mais difícil de se manter, posto que tal fidelidade se compõe pela resposta básica, que abrange o comportamento de consumir, e pela resposta secundária, que envolve as emoções positivas em relação à pessoa, produto ou empresa em questão. Tal fidelidade pode ser conquistada pela autenticidade do produto ou serviço e da qualidade não só do produto, mas também do processo de compra, do envolvimento do consumidor, e sua valorização. Quando conquistada a fidelidade autêntica dos consumidores, estes se tornam defensores e conhecedores da marca (LEWIS; BRIDGER, 2004). O Novo Consumidor #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  18. 18. http://pt.slideshare.net/gica/aprenda-com-a-oppa-como-resgatar-o-relacionamento-com-o-consumidor-dossi-completo O Novo Consumidor #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  19. 19. • Segundo o Ibope NetRatings, mais de 80% dos internautas têm perfis em redes sociais. O Orkut tem 72% (26 milhões) dos usuários no país, comparados a 27% (9,8 milhões) do Twitter e 26% (9,6 milhões) do Facebook (ÉPOCA, 2011). • 2,7 bilhões de internautas no mundo (2013) • Mais de 1 bilhão de internautas nas redes sociais • Brasil é o 3º país em internautas • Mais de 105 milhões de brasileiros estão na internet • 98% do brasileiros acessam as redes sociais Fontes: ITU/Forrester/Internet World Stats/Brian Solis – 2012, CGI.br 2013 Ibope/media; PNUD 2013/Revista Exame 2013 Redes Sociais - Panorama #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  20. 20. • De acordo com Recuero (2009b, p.69), rede social é definida como “um conjunto de atores e suas relações”, e acrescenta: • Rede social é gente, é interação, é troca social. É um grupo de pessoas, compreendido através de uma metáfora de estrutura, a estrutura de rede. Os nós da rede representam cada indivíduo e suas conexões, os laços sociais que compõem os grupos. Esses laços são ampliados, complexificados e modificados a cada nova pessoa que conhecemos e interagimos. (RECUERO, 2009a, p.25) • “Redes sociais, assim, têm potencial para colaboração, para a difusão de informações e para a construção de novos valores sociais. Uma rede social não é uma ferramenta, mas apropria-se delas para expressar suas identidades, construir seus valores e operar de forma coletiva.” (RECUERO, 2009a, p.26) Redes Sociais #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  21. 21. • Sabe-se que o homem é um ser social por natureza e sempre teve a necessidade de se comunicar e conviver em uma sociedade organizada através de regras e hierarquias. As Redes Sociais nascem, então, para integrar membros com interesses comuns e para promover interatividade através de comunicação e compartilhamento de conteúdo. Redes Sociais #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  22. 22. • A opinião pública é formada por um grupo de pessoas ligadas pelo mesmo objetivo, que têm como proposta expor seus argumentos, debatê-los, para que talvez novos pontos de vista surjam para se chegar a uma conclusão. Tal debate pode ter fim ou não, ou demorar dias ou meses. • As organizações devem abastecer constantemente a esfera pública, ambiente de formação da opinião pública, com informações corretas, coerentes e estrategicamente construídas para que o público tome o conhecimento de tais mensagens. • As ações positivas poderão ser convertidas em créditos para quando surgir uma crise. (TEIXEIRA, 2013) Opinião Pública #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  23. 23. • Reputação é imagem consolidada, construída e gerida a longo prazo, pela forma de agir dentro de princípios éticos e em respeito à coisa pública. Constitui o capital simbólico, de confiabilidade. • Imagem é efêmera, fugaz, vulnerável. • A sobrevivência de uma marca durante a crise de imagem depende muito de uma boa reputação e resposta. (FORNI, 2013) “Quanto mais visíveis se tornam as pessoas públicas - e as pessoas públicas – mais vulneráveis também ficam. Mais interesse da mídia, da opinião pública, da sociedade.” (FORNI, 2013, p.53) Reputação e Imagem #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  24. 24. • Partindo das noções de Goffman (RECUERO, 2009b), a reputação de alguém é a consequência de todas as impressões dadas e emitidas deste indivíduo. A reputação assume um valor qualitativo no capital social. • Então o capital social é um bem construído coletivamente, ou seja, construído pela participação das pessoas em um grupo. Essa participação gera benefícios para os indivíduos, como por exemplo, o acesso à informações (que só é obtido quando o indivíduo está conectado ao grupo) e para o grupo (que se beneficia do conhecimento individual). • Contudo, as redes sociais na internet permitem o controle dessas impressões, influenciando na construção de reputação e consequentemente na obtenção de capital social através de publicações favoráveis na rede e exclusão de menções negativas. Com isso, a formação de novas conexões sociais também pode ser influenciada por esse controle (RECUERO, 2009b). Reputação #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  25. 25. Crises
  26. 26. • Crise vem do grego krisis, e significa decisão, julgamento. Dicionário Michaelis: Momento crítico ou decisivo. Situação aflitiva. Conjuntura perigosa, situação anormal e grave. Pode ser encarada como uma ameaça ou oportunidade. Depende das suas ações e atitudes tomadas. • Origina-se de um risco não administrado, calculado, minimizado ou prevenido. É o desdobramento de um fato, quando ganha relevância e evidência diante do público. • Crise é qualquer situação que ameace causar danos a uma entidade e o público em geral. • Uma crise afeta o principal bem de uma organização: #confiança. O que é Crise? #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  27. 27. • Impactos: imagem e a reputação; clima organizacional; estabilidade da produção; Relacionamento com os diferentes públicos da organização; o balanço financeiro. • Reflexos Públicos: passam a ter dúvidas quanto à integridade e ética da organização. Uma crise envolve 4 elementos: 1. Ameaça a organização; 2. Elemento Surpresa; 3. Decisão de curto prazo; 4. Necessidade de mudança; (Segundo Martha Gabriel, se não houver necessidade é uma falha ou incidente). A boa comunicação é fundamental na prevenção ou solução de uma crise. O que é Crise? #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  28. 28. Características das redes sociais digitais que podem fomentar crises (GABRIEL, 2010): • Frequência • Velocidade • Alcance • Visibilidade • Permanência Características que podem ajudar no combate a crises (GABRIEL, 2010): • Mensuração • Diálogo • Duração Crise em redes sociais #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  29. 29. Tipos de Crise CRISEEM REDES Origem dentro da empresa ou mercado e repercute nas redes. CRISE DE REDES origem na má administração das redes sociais. #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  30. 30. CRISES #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  31. 31. CRISES #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  32. 32. CRISES #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  33. 33. CRISES #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  34. 34. • Descontentamento com a empresa, que não cumpriu um acordo sobre a troca de um produto com defeito. • Um dos assuntos mais tweetados no Brasil e no mundo. • Case mais utilizado em palestras de crises e de SAC. http://www.youtube.com/watch?v=riOvEe0wqUQ “Não é uma Brastemp” #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  35. 35. Consumidor X Empresa http://www.youtube.com/watch?v=VHnb8900xCA&feature=related #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  36. 36. Tipos de Crise • Erros de planejamento de comunicação e estudo de mercado • Questões polêmicas, éticas, de preconceito e políticas • Problemas de atendimento tradicional • Problemas com sorteios ou regulamentos • Defeito ou não entrega de produto • Erros de português • Dúvidas do consumidor ou informação errada compartilhada • Crimes ambientais • Trolls, stalkers, famoso ou influente • Acidentes/incidentes (falhas humanas ou mecânicas) • Fusões, demissões e greves • Falência e fraudes contábeis • Desrespeito ao funcionário ou consumidor #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  37. 37. • Desatenção aos riscos • A internet contribui para propagar com mais velocidade, alcance e durabilidade • Empresas despreparadas para o ambiente 2.0 • Demora em dar respostas • Respostas inadequadas • Desinteresse pela imagem corporativa Como as empresas têm agido? #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  38. 38. #SERIE #REPUTAÇÃO #CRISES
  39. 39. GLADIATORS IN SUITS
  40. 40. Plano de Gestão de Crise
  41. 41. Coletar Coordenar Conter Corrigir Plano de Gestão de Crise Manutenção Proposta de 4Cs para o Plano de Contenção de Crise #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  42. 42. Resumo
  43. 43. •Prevenção e planejamento de comunicação •Treinamento de funcionários •Formação de Comitê de Crise •Guia de gestão de crise •Monitoramento •Avaliação da crise e planejamento de ações •Organização de informações para a imprensa e consumidores •Rapidez, sinceridade e transparência •Monitoramento • Relatórios dos reflexos da Crise e da gestão e ajustes do plano. • Posts atualizados referentes à crise. • Reconstrução da marca • Monitoramento •Mapeamento de vulnerabilidades •Relatórios sobre a empresa •Monitoramento Coletar Coordenar Conter Corrigir Plano de Gestão de Crise Manutenção #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  44. 44. • Seja rápido nas respostas às eventuais reclamações e conduza a conversa para o meio privado, se precisar; • Nunca apague as mensagens, exceto se for spam e tiver claro manual de conduta da rede; • Não hesite em pedir desculpas se tiver falhado; • Atente aos influenciadores; • Seja transparente; • Mantenha o diálogo; • Tenha um perfil amistoso. Seja mais humano #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  45. 45. Tags #Entendimento #Planejamento #Envolvimento #Transparência #Rapidez #Voz #Confiança #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  46. 46. Coletar Coordenar Conter Corrigir Análise de cases Manutenção #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  47. 47. Referências CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. E.LIFE SOCIAL CRM; ABA (Org.). Guia de Boas Práticas em Gestão do Atendimento e Relacionamento em Redes Sociais. E-book: 2012. Disponível em: <http://elife.com.br/downloads/guia-de-boas-praticas-em-gestao-do- atendimento-e-relacionamento-em-redes-sociais.pdf>. FORNI, João José. Gestão de crises e comunicação: o que gestores e profissionais de comunicação precisam saber para enfrentar crises corporativas. São Paulo: Atlas, 2013. GABRIEL, Martha. Marketing na era digital. São Paulo: Novatec, 2010. LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4.ed. São Paulo: Ed. Loyola, 2003. ______. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999. (Coleção TRANS). LEWIS, Dr. David; BRIDGER, Darren. A alma do novo consumidor. São Paulo: M. Books do Brasil, 2004. RECUERO, Raquel. Rede Social, in SPYER, Juliano (Org). Para Entender a Internet - Noções, práticas e desafios da comunicação em rede. E-livro: Nãozero, 2009a. Disponível em: <http://www.gestordemarketing.com/profiles/blogs/para-entender-ainternet>. Acesso em: 21 abr. 2011. ROSA, Mário. A era do Escândalo . São Paulo: Geração Editorial, 2003. ______. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009b. (Coleção Cibercultura). SHIRKY, Clay. A cultura da participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Trad. Celina Porto Carrero. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. TEIXEIRA, Patrícia Brito. Caiu na rede e agora? Gestão e gerenciamento de crises nas redes sociais. São Paulo: ÉVORA, 2013. TELLES, André. A revolução das mídias sociais: cases, conceitos, dicas e ferramentas. São Paulo: M.Books, 2011. #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  48. 48. Blogs: Mídia Boom Blog Mídia 8 Midiatismo Comunicação e Crise (comunicacaoecrise.com.br) Influenciadores: Martha Gabriel | @marthagabriel Marcelo Salgado | @marcelosalgado Israel Degasperi | @idegasperi Patrícia Teixeira | @patriciatrixe Referências #INTERCOMNORTE2014 – GESTÃO DE CRISES DE IMAGEM NA WEB - ALYNNE CID
  49. 49. Dá-se muita atenção ao custo de se realizar algo, e nenhuma ao custo de não realizá-lo. #PhilipKotler “ ”
  50. 50. OBRIGADA!@alynnecid | www.portalsac20.com.br

×