Logística Portuária - Gestão da Indústria Portuária

142 visualizações

Publicada em

objetivo desse curso é capacitar o aluno a compreender os problemas do setor da indústria marítima, desde da gestão dos navios até a avaliação da organização dos portos e de suas operações, através de uma avaliação sistêmica, mostrando-se como os transportes marítimos estão intimamente relacionados às formas de gestão dos portos e da organização de suas operações.

Publicada em: Serviços
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Logística Portuária - Gestão da Indústria Portuária

  1. 1. 1 Logística Portuária Gestão da Indústria Portuária 2 de julho de 2012
  2. 2. O Papel dos Portos nos Sistemas de Transporte 2 Porto do Rio de Janeiro GestãoPortuária Funções dos Portos Porto Área de carga e descarga. Composto: Fundeio/berço/Armazéns Autoridade Portuária Gestão serviços portuários Controle operações portuária Terminal Área de atracação operações embarque/ desembarque Acessos multimodais Terminal Portuário 2 de julho de 2012
  3. 3. 3 Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Porto São Francisco do Sul - Nível2 GestãoPortuária O Papel dos Portos nos Sistemas de Transporte Níveis de Desenvolvimento Portuário Terminal Tecon (Santos) - Nível 4 4 Níveis de Desenvolvimento Portuário Nível 1 Porto Local Nível 2 Porto Local Maior Nível 3 Porto Regional Nível 4 Hub Porto 2 de julho de 2012
  4. 4. 4 GestãoPortuária O Papel dos Portos nos Sistemas de Transporte Estrutura Portuária Fonte: ANTAQ Terminal Libra T1 - Rio de Janeiro Terminal Vila do Conde Terminal de Grãos Santos Acessos Terrestres 2 de julho de 2012
  5. 5. 5 GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias Valor Adicionado às Operações Portuárias Distriparks Terminais multimodais Porto Roterdã Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Distriparks Porto de Roterdã Oferecem espaço para armazenagem e transportes, incluindo o armazenamento e manipulação de carga e estufagem de contêineres, assim como, uma gama completa de outros serviços relacionados. 2 de julho de 2012
  6. 6. 6 GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias Valor Adicionado às Operações Portuárias Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 2 de julho de 2012
  7. 7. Serviços Prestados pelos Terminais Libra T1 - Multirio e Tecon Itaguaí 7Fonte: “Identificação de Serviços e Fluxos financeiros Gastos emTerminais de Contêineres”, Suellem, Cristiane e Márcio, COPPE/UFRJ -2008 GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias 2 de julho de 2012
  8. 8. 8 Integração da Cadeia Global de Transportes GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias Globalização dos Terminais Air Cargo Cargo Marítimo Terminais Contêineres Transportes Rodoferroviário Transportadores Contêineres Desconsolidador NVOOC Globalização Operações 2 de julho de 2012
  9. 9. Globalização dos Terminais 9 Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias 2 de julho de 2012
  10. 10. 10 Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias Globalização dos Terminais 2 de julho de 2012
  11. 11. 11 Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 GestãoPortuária Valor Adicionado às Operações Portuárias Globalização dos Terminais 2 de julho de 2012
  12. 12. 12 GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Questões Institucionais Lei Portuária Brasileira nº 8.603 2 de julho de 2012
  13. 13. Modelo Institucional: Marcos Institucionais da Modernização dos Portos 13 GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Lei de Modernização dos Portos Lei 8.630/93 Criação da SEP Lei 11.518/07 Criação da ANTAQ Lei 11.223/01 Exploração das Instalações Portuárias: I –Uso Público II- Uso Privativo (Exclusivo; Misto; Turismo e Transbordos) Agência Nacional de Transportes Aquaviários Regulação e Fiscalização do sistema portuário Secretaria Especial de Portos Definir políticas , diretrizes e investimentos Constituição Federal Competência da União para legislar sobre portos e delegação de serviços públicos 2 de julho de 2012
  14. 14. 14 Modelo de Portos Públicos e Terminais Privados Fonte: ANTAQ GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Modelo Institucional da Gestão de Terminais Públicos e Privados 2 de julho de 2012
  15. 15. 15 Modelo de Portos Públicos e Terminais Privados Fonte: ABRATEC GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Modelo Institucional da Gestão de Terminais Públicos e Privados 2 de julho de 2012
  16. 16. 16 Modelo de Portos Públicos e Terminais Privados Fonte: ANTAQ GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Modelo Institucional da Gestão de Terminais Públicos e Privados 2 de julho de 2012
  17. 17. 17 GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Terminais Públicos e Privados do País Fonte: ANTAQ 2 de julho de 2012
  18. 18. 18 GestãoPortuária A Lei de Modernização dos Portos Agentes Participantes no Setor Portuário Administrações Portuárias Relações Trabalhistas Administração do Terminais Agentes Portuários Em cada porto organizado, um órgão de gestão de mão de obra do trabalho portuário (OGMO) As Cia Docas deixam de operar para serem órgãos gestores - Autoridades Portuárias Os Operadores Portuários passam a movimentar e operar cargas, requisitando mão de obra através do OGMO Os Agentes Marítimos passam a agenciar as operações entre a autoridade portuária e os operadores portuários 2 de julho de 2012
  19. 19. 19 Fonte: ANTAQ GestãoPortuária Órgão Reguladores da Atividade Portuária Órgãos Reguladores das Atividades Portuárias 2 de julho de 2012
  20. 20. 20 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? Alocação de recurso •Preço político •Desequilíbrio na oferta e demanda Ineficiência Produtiva •Precarização da gestão •Desequilíbrio entre lucro e resultado Ausência de Concorrência •Monopolização •Ineficiência na regulação do mercado Função econômica de um porto: objetivo reduzir custos através de transporte eficiente Eficiência Portuária: taxa de ocupação dos berços ; custo da mão de obra ; tempos de atrasos 2 de julho de 2012
  21. 21. 21 Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? 2 de julho de 2012
  22. 22. 22 Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? 2 de julho de 2012
  23. 23. 23 Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? 2 de julho de 2012
  24. 24. 24 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? Fonte: ANTAQ – Relatório “Indicador de Desempenho” 2 de julho de 2012
  25. 25. 25 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? 2 de julho de 2012
  26. 26. 26 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Quais são as principais ineficiências que impactam os custos portuários ? Fonte: ANTAQ – Inflação entre 1999 – 2009 = 107% 2 de julho de 2012
  27. 27. 27 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Medidas de Desempenho Portuário Fonte: ANTAQ – Relatório “Indicador de Desempenho” 2 de julho de 2012
  28. 28. 28 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Medidas de Desempenho Portuário Fonte: ANTAQ – Relatório “Indicador de Desempenho” 2 de julho de 2012
  29. 29. 29 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Medidas de Desempenho Portuário Fonte: ANTAQ – Relatório “Indicador de Desempenho” 2 de julho de 2012
  30. 30. 30 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Medidas de Desempenho Portuário Fonte: ANTAQ – Relatório “Indicador de Desempenho” 2 de julho de 2012
  31. 31. 31 GestãodaEficiênciadosPortos Análises de Custos Custos de Curtos e Longo Prazo Curto Prazo: Custo Marginal e Custo Variável Longo Prazo: Custos Médio Economia de Escala: Redivisão do Trabalho - P&D 2 de julho de 2012
  32. 32. 32 Fonte: COPPEAD/CEL GestãodaEficiênciadosPortos Custos de Transportes Custos de Transportes Custos Logísticos sobre o PIB 2 de julho de 2012
  33. 33. 33 Fonte: COPPEAD/CEL GestãodaEficiênciadosPortos Custos de Transportes Custos de Transportes Matriz de Transportes Brasil X EUA 2 de julho de 2012
  34. 34. 34 GestãodaEficiênciadosPortos Custos Portuários Custos Portuários TARIFAS PORTUÁRIAS CUSTOS DE MANUSEIO ENTRADA E SAÍDA DOS NAVIOS •Utilização da Infraestrutura Marítima: inframar •Utilização da Infraestrutura Terrestre: Infraport •Equipamentos: portêiner •Mão de obra de terra : capatazia •Estiva/Desestiva •Conferentes •Consertadores •Peação/Despeação •Rechego •Arrumadores/ Portuários •Taxas de Atracação •Praticagem •Rebocador •Agenciamento •Transportes -Vigias Custos Portuários 2 de julho de 2012
  35. 35. 35 Fonte: ANTAQ GestãodaEficiênciadosPortos Custos Portuários Custos Portuários 2 de julho de 2012
  36. 36. 36 GestãodaEficiênciadosPortos Impactos Econômicos e Sustentabilidade Atividades Portuárias, Poluição Ambiental e Sustentabilidade 2 de julho de 2012
  37. 37. 37 Principais fatores causadores de impactos: 1-Implantação de infraestrutura marítima e terrestre; 2-Resíduos das embarcações; 3-Operações com as embarcações; 4-Serviços correlatos, como abastecimento de embarcações e outros atendimentos; 5-Obras de acostagem; 6-Serviços de dragagem; 7-Geração de resíduos pela atividade portuária; 8-Operação de máquinas e veículos portuários; 9-Manuseio de cargas perigosas; 10-Abastecimento e limpeza de embarcações; 11-Bioinvasão via água de lastro e incrustações no casco das embarcações. Principais impactos causados 1-Alteração da linha de costa, 2-Alteração do padrão hidrológico e da dinâmica sedimentar, 3-Destruição ou alteração de áreas naturais costeiras (habitats,ecossistemas), 4-Supressão de vegetação, modificação no regime e alteração no fundo dos corpos d’água, 5-Poluição da água, do solo, do subsolo e do ar. GestãodaEficiênciadosPortos Impactos Econômicos e Sustentabilidade Atividades Portuárias, Poluição Ambiental e Sustentabilidade 2 de julho de 2012
  38. 38. 38 GestãodaEficiênciadosPortos Impactos Econômicos e Sustentabilidade Atividades Portuárias, Poluição Ambiental e Sustentabilidade Exemplo Terminal Ultrafértil 2 de julho de 2012
  39. 39. 39 GestãodaEficiênciadosPortos Impactos Econômicos e Sustentabilidade Atividades Portuárias, Poluição Ambiental e Sustentabilidade Exemplo Terminal Ultrafértil Áreas de influência ambiental Área Diretamente Afetada pelo Projeto 2 de julho de 2012
  40. 40. 40 GestãodaEficiênciadosPortos Impactos Econômicos e Sustentabilidade Atividades Portuárias, Poluição Ambiental e Sustentabilidade Exemplo Terminal Ultrafértil Áreas de influência ambiental Área de Influência Direta Área de Influência Indireta 2 de julho de 2012
  41. 41. 41 GestãodaEficiênciadosPortos Impactos Econômicos e Sustentabilidade Atividades Portuárias, Poluição Ambiental e Sustentabilidade Exemplo Terminal Ultrafértil Áreas de Abrangência do Terminal: Produção de Fertilizantes 2 de julho de 2012
  42. 42. GestãodasOperaçõesPortuárias 42 Agentes e Procedimentos Portuários Agentes e Procedimentos Portuários Agência Marítima Representam o proprietário , o armador ou o afretador encarregado de despachar o navio nos portos e suas operações. Suporte os: -Exportadores; -Importadores; -Empresas de transporte; -Despachantes aduaneiros; -Operadores portuários, e -Terminais portuários. Operador Portuário Pessoa física pré-qualificada para a execução e operação portuária na área do porto organizado. Grupos distintos: 1- Aqueles cujo trabalho está focado na movimentação de carga; 2- Aqueles operadores destinados à prestação de serviços de limpeza, fornecimento de alimentação e conserto de peças. Autoridade Portuária Controle das Operações. São responsáveis por: _Validar RAP); _Planejar a movimentação de carga perigosas; _Fiscalizar as operações de carga recebendo as planilhas de movimentação dos operadores portuários. _ programação de atracação, movimentação, carga,serviços Autoridade Alfandegária controle e movimentação de entrada e saída de mercadorias do país: Autorizações: _DTA (Declaração de Trânsito Aduaneiro); _Libera carga para importação e exportação e autoriza a atracação do navio. Depósito Alfandegário Toda área destinada à guarda de carga importada ou exportada, sendo autorizada pela receita Federal. Os depósitos podem ser localizados no próprio porto , IPA ( Instalação Portuária Alfandegada) ou em locais fora dele denominados EAD (Estação Aduaneira Interior ) ou, ainda, Portos Secos. Transportador Cabe as companhias transportadoras o transporte de mercadorias entre : _ Do Porto Seco até o retrocais para exportação, e _Do retrocais até o Porto Seco para importações. Autoridade Marítima É representada pela Capitania dos Portos. Funções: _Faz vistorias periódicas às embarcações; _Fiscaliza a segurança do tráfego marítimo; _Constitui-se em “Port Control” (fiscaliza condições de operações dos navios :idade, condições de tráfego). _ Cobra taxa TUF (utilização de Farol e taxas de vistoria. OGMO Órgão Gestor de Mão de Obra portuária avulsa tem a finalidade de cadastrar, registrar, e treinar a mão de obra de trabalhadores portuários, administrando seu fornecimento aos operadores portuários 2 de julho de 2012
  43. 43. 43 GestãodasOperaçõesPortuárias Agentes e Procedimentos Portuários Agentes e Procedimentos Portuários Corpo de Bombeiros É dotado de equipamento e roupas especiais para aproximação e controle de vazamentos, remoção de recipientes, detecção e classificação de substâncias perigosas ou tóxicas. IMGD Code da IMO ( International maritime Dangereous Goods Code) M. Agricultura Formula estratégias do agronegócio,responsável por: _Emitir certificado Fitossanitário nas licenças de importação(LI) e nos registros e exportação (RE). _ Inspeciona navios; _Autoriza transferência de carga não nacionalizada através das DTA (Declaração de Trânsito Aduaneiro) ANVISA controle sanitário nos portos, aeroportos e fronteiras. Livre-prática: Certificado emitido pela ANVISA autorizando que uma embarcação proveniente do estrangeiro atraque e inicie as operações de embarque e desembarque das cargas. O certificado tem validade por 90 dias . IBAMA É o órgão responsável pela liberação de madeira ou qualquer produto florestal para ser exportado. Os importadores e exportadores pagam taxa de registro, sendo a agência marítima responsável pelo trâmite. Policia Federal Destacam-se em dois grupos de “ Recepção de Navio”e “NEPOM” (Núcleo Especial de Polícia Marítima) de combate às drogas e pirataria. _Dirigem-se ao comandante do navio após a atração para vistoria e autorizações de desembarque estrangeiros; _Cobra a taxa Funapol. 2 de julho de 2012
  44. 44. 44 GestãodasOperaçõesPortuárias Agentes e Procedimentos Portuários Agentes e Procedimentos Portuários ISPS-Code: A adequação às normas impostas pelo ISPS-Code requer a implementação de equipamentos e desenvolvimento contínuos de medidas de segurança na área portuária, tais como: _Escala eletrônica do trabalhador para acesso ao porto; _Controle de acessos de visitantes; _AIS (Automatic Identification System), utilizado para monitorar o tráfego de navios de acesso ao porto em cooperação com a Capitania dos Portos e dos Práticos; _Controle de rotas de navegação marítimas; _Monitorar sistemas de segurança, vigilância e comunicação através de um CCO (Centro de Controle de Operações); _Integra-se ao Plano Nacional de Segurança Aduaneira para fiscalização “on-line” das operações do navio, integrando-se ao sistema de acesso e imagem com a Supervia Eletrônica de Dados. ISPS Code = Plano de Segurança Portuário Porto Organizado Resolução nº 005 – CONPORTOS, de 27/06/2003 Dispõe sobre os estudos de Avaliação da Segurança e sobre os Planos de Segurança das Instalações portuárias: - Dentro da área do porto organizado: Cada terminal arrenddo realizará sua avaliação de segurança e, posteriormente, elaborará seu plano de segurança. - Essas avaliações e planos serão coordenados e consolidados pela autoridade portuária que os encaminhará a CESPORTOS para aprovação. _Nos Terminais de uso privativo, localizados fora da área do porto organizado: Cada terminal realizará sua avaliação e, posteriormente, elaborará seu plano de segurança e os encaminhará diretamente a CESPORTOS para aprovação ISPS Code – Itens Básicos Plano de Segurança da Instalação Portuária _vigilância _treinamento _controle de acessos (terrestres e marítimos) _delimitação de áreas para cargas perigosas _níveis de segurança (procedimentos básicos) _sistema de troca de informações ISPS Code – Características _Centralizar todo o credenciamento em uma só área, privilegiando o usuário _Possibilitar troca dinâmica de informações; _Assegurar eficiência e economicidade ao controle de acesso de pessoas e veículos, bem como ao cadastro das empresas. 2 de julho de 2012
  45. 45. Fonte: Serpo 2006 Movimentos de Importação. Exportação ou Cabotagem 45 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Modelos de Operações Portuárias As operações portuárias podem ser separadas por fluxos principais que são destinadas à: 1.Exportação; 2.Importação; 3.Cabotagem; 4.Turismo e passageiro. Esses fluxos referem-se ao tipo de transporte ou mercadorias, tais como: 1.Granel sólido; 2.Granel Líquido; 3. Contêiner; As Operações Portuárias serão definidas a partir das mercadoria ou os equipamentos utilizados conforme: 1.O plano de carga 2. As operações com contêineres 3.As operações com granéis 4.As operações de armazenagem 5.E a movimentação de equipamentos 2 de julho de 2012
  46. 46. 46 Alocação de Tempo e Mão de Obra nas Operações Portuárias GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Modelos de Operações Portuárias O Plano de Carga É uma representação gráfica da distribuição da carga pelos diversos porões e conveses de um navio. Define as operações dos terminais, alocando mão de obra e equipamentos para a movimentação eficiente das carga. Operação com contêineres O início da operação consiste na retirada inicial dos contêineres vazios, seguidos de remoção e descarga dos carregados Em terra, os contêineres importados terão os lacres vistoriados pelo pessoal dos terminais, conferentes e Receita Federal. Danos e avarias serão anotados no Recibo de Descarga e assinado pelos conferentes do terminal e pelo preposto do Agente. A abertura dos porões é executada pelos tripulantes do navio e a remoção dos tampões dos porões é realizada pela estiva. 2 de julho de 2012
  47. 47. 47 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Modelos de Operações Portuárias Plano de Carga Geral 2 de julho de 2012
  48. 48. 48 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Modelos de Operações Portuárias Plano de Carga de Contêiner 2 de julho de 2012
  49. 49. 49 Shiploader em Movimento Trimming dos Porões do Navio Balanceamento de carga GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Modelos de Operações Portuárias Operação com Granéis Todos os equipamentos devem ser analisados para se estabelecer o correto tempo e movimento em cada operação. O shiploader é o equipamento que carrega e descarrega granéis dos porões dos navios. Um operador controla a posição da lança e outro a bordo aciona a esteira por controle remoto. Equilíbrio O navio precisa estar equilibrados na distribuição de carga que recebe. Se um porão for carregado cheio enquanto os outros ficam vazios o navio corre o sério risco de adernar (tombar). Os navios modernos apresentam luzes verdes e vermelhas para a orientação do estado atual de equilíbrio Operações de Armazenagem As operações de armazenagem seja para contêineres ou para granéis requer uma coordenação com os planos de carga e descarga dos navios para a correta programação das operação de entrada e saída do terminal e dos veículos de transporte, tais como, caminhões, ferrovia, empilhadeiras, portêineres, etc. 2 de julho de 2012
  50. 50. 50 Equipamento de Costado: Portêiner Equipamento de Pátio: Straddle Carrier (Aranha)Equipamento de Navio GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Modelos de Operações Portuárias Movimentação de Equipamentos Os equipamentos para operação em terminais portuários pode ser divididos em: 1.Equipamento de costado; 2.Equipamentos de pátios; 3.Equipamentos de navios 2 de julho de 2012
  51. 51. 51 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Movimentação de Entrada e Saída de Navios 2 de julho de 2012
  52. 52. 52 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Movimentação de Entrada e Saída de Navios Pedido de atracação 1 ETA: Navio esperado 2 Aviso de fundeio 3 Antecipação de Atracação 4 Pronto para embarque 5 Chamada para atracação 6 Prático e rebocador 7 Final de Atracação 8 Reatracação 9 Amarração 10 Início da operações 11 Operadores Portuários 12 ETD: Tempo Estimado de Partida13 Prático Informado 4 horas antes da partida14 Partida do navio 15 Fundeio Fundeio Fundeio Fundeio Fundeio Navio 2 de julho de 2012
  53. 53. 53 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Movimentação de Entrada e Saída de Navios Fonte: Port Reform Toolkit, World Bank, 2006 2 de julho de 2012
  54. 54. 54 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Movimentação de Entrada e Saída de Navios Área de Fundeio – Porto do Rio de Janeiro 2 de julho de 2012
  55. 55. 55 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias Movimentação de Entrada e Saída de Navios Exemplo de Line-up de Navio 2 de julho de 2012
  56. 56. Processos de Importação e Exportação 56 Processos de Exportação Processos de Importação GestãodasOperaçõesPortuárias Operações Portuárias 2 de julho de 2012
  57. 57. 57 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações de Terminais Operação de Terminais Hinterlândia do Porto do Rio de Janeiro Operação de Hub Port 2 de julho de 2012
  58. 58. 58 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações de Terminais Operação de Terminais Complexo Portuário Rio de Janeiro - Itaguaí 2 de julho de 2012
  59. 59. 59 Área de Operações Intermodais Operação Estiva Armazéns de Consolidação Planejamento Atracação Desatracação o Interface de Operações de Retaguarda Interface de Operações Costado do Navio Área de Contêineres Área de Armazenagem De Contêineres (Exp/Imp) Área de Operações de Navios Plano de Operações de um Terminal GestãodasOperaçõesPortuárias Operações de Terminais Operação de Terminais Estratégico Definição da quantidade de berços, tamanho do cais, calado, forma de construção, projeto; Tático Definindo o crescimento do calado dos navios, atendimento ao tráfego, dragagem e evolução no tamanho dos navios; Operacional Alocação de navios aos berços, regras de atracação e administrar a janela de tempo entre atracações (Line-up de navios); definir melhor distribuição de berços e equipamentos e ternos de trabalhos e o uso linear do cais para amarração, embarque e desembarque. Controle de Gate _ Controle de Admissão; _Controle de nacionalização; _Carregamento de processos de entreposto aduaneiro; _Baixa dos Processos de entreposto aduaneiro; _Organização da documentação p/ carregamento; _Recebimento de documento do motorista .Documentos do veículo; da carga; DI; DTA; DSI _Consulta autorização do Siscomex; _Consulta à fazenda Estadual _Verificar liberação M. Agricultura _Emitir CSM (Controle de Saída de Mercadoria _Devolve documento ao motorista; _Autorização para saída 2 de julho de 2012
  60. 60. 60 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações de Terminais Operação de Terminais Sistema de Operações de um Terminal 2 de julho de 2012
  61. 61. 61 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações de Terminais Operação de Terminais Estrutura de um Armazém 2 de julho de 2012
  62. 62. 62 GestãodasOperaçõesPortuárias Operações de Terminais Operação de Terminais Empilhamento Contêineres Reefers 2 de julho de 2012
  63. 63. 63 A integração dos processos operacionais portuários se dá através de sistemas informatizados, os quais passam a ser o sistema de controle dos procedimentos, dos agentes envolvidos e das operações propriamente dito . Os sistemas envolvidos no controle das operações portuárias são: O Siscomex: sistema automatizado de despacho para importação e exportação Processo do Siscomex Exportação 1-Registro de Exportação (RE) 2-Declaração de despacho de exportação (DDE) 3-Presença de carga no recinto alfandegário 4-Parametrização: verde: liberação automático pelo sistema Laranja: controle documental; Vermelho: inspeção da mercadoria. 5-Distribuição do processo dentro da Alfândega 6-Desembaraço; 7-registro de embarque; 8-Averbação (confirmação) do embarque; 9-Comprovante. Processo do Siscomex Importação 1-Registro Declaração de Importação (DI); 2-Conhecimento de carga (prova da posse) 3- Fatura Comercial; 4-Classificação da Mercadoria; 5-Comprovação da Origem; 6-Conferência Aduaneira (identifica Importado ) 7-Parametrização: verde: liberação automática pelo sistema; laranja: controle documental Vermelho: inspeção da mercadoria Cinza: inspeção e verifica valor aduaneiro. 8-Liberação A integração dos processos operacionais portuários se dá através de sistemas informatizados, os quais passam a ser o sistema de controle dos procedimentos dos agentes envolvidos e das operações propriamente dito. Os sistemas envolvidos no controle das operações portuárias são: Siscomex: Sistema automatizado de despacho para importação e exportação GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais Integração de Processos Operacionais 2 de julho de 2012
  64. 64. 64 Controle Navegação Chegada ao Porto Transferência Carga Recinto Alfandegado Liberação Armazenagem 5 dias Antes 48 Horas Antes Siscarga - Mercante DTA DTA Fluxo de Mercadorias no Siscarga - Mercante GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais Integração de Processos Operacionais Siscarga - Mercante O Sistema Mercante controla a ocorrência do fato gerador que obriga o pagamento e as isenções da AFRMM (Taxa do Fundo de Renovação da Marinha Mercante) e é a principal porta de entrada do Siscomex Carga (Siscarga). Recebe as informações sobre as cargas e as embarcações em um único sistema eletrônico, centralizando as informações para os portos terminais, agências marítimas, além da Receita Federal, liberando, junto com o Siscomex , o navio para atracação e as cargas para movimentação e transporte entre áreas alfandegadas e não alfandegadas. Siscarga Esse sistema controla a movimentação das carga marítimas, viabilizando a recepção antecipada de informações para o despacho das quando ainda a bordo dos navios antes de eles chegarem ao porto. Os operadores podem acompanhar on- line a situação de suas cargas e definir seus destinos com antecedência. O Siscarga informa: 1- Aos transportadores: a escala das embarcações e a solicitação eletrônica e a verificação da documentação da carga; 2- Aos desconsolidadores (NOVCC): a desconsolidação da carga; 3- Aos Consignatários: a autenticação e endosso do conhecimento de embarque (CE); 4- Aos Operadores Portuários: o registro de atracação e desatracação; 5- Aos Depositários: o registro de entrega e movimentação da carga Prazos: os documentos eletrônicos devem ser preenchidos até 5 dias antes da chegada do navio e o manifesto de carga deve ser enviado até 48 horas antes do navio chegar ao porto 2 de julho de 2012
  65. 65. Autoridade Portuária Agente Marítimo Operador Portuário Transportador Prático/Rebocador Recinto Alfandegado OGMO Sindicatos Armador NVOCC Agente Consolidador Controle de Gate Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Receita Federal Receita Estadual Anvisa Polícia Federal Corpo de Bombeiros Min. Agricultura Ibama Min. Exército Capitania dos Portos Guarda Portuária ISPS-Code Fundo Marinha Mercante Transportador Recinto Alfandegado Agentes Participantes SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação 65 GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais 2 de julho de 2012
  66. 66. Transportador Recinto Alfandegado Agência Marítima: RAP (Requisição Atracação Prioridades): Requisita Nº Lloyd’s Nº Viagem Características Navio Tipo Carga Aviso Chegada (data) Berço Atracação Pretendido Infraestrutura usada Nomeia Operador Portuáio Período Navio Atracado Relaciona Cargas Perigosas Paga Fundo Marinha Mercante ISPS-Code Normas Segurança Requisita Livre Prática (Anvisa) Submete Vistoria Capitania Operador Portuário: Recebe Nº do RAP Requisita M.O. (OGMO) Boletim Carga Descarga Início/Fim Operações Paralisações Operações Equipamento Usado Relata Faltas e Acréscimos Recinto Alfandegado: Recebe/Envia Carga Exportada Recebe/Envia Carga Importada Práticos: Recepciona e Fundeia Navio Recebe Escala Atracação/Desatracação Hora - Berço e Mudanças de Horário Assume Navio /Aciona Rebocadores Monitora Navios (AIS) (AIS) Automatic Identification System Polícia Federal : Imigração/ Passaportes Capitania dos Portos : Inspeciona Navios Receita: Movimentação (DTA) Agência Marítima: Emite Formulário DAD: Nº Viagem –RAP Data Atracação Agência Marítima Operador Portuário Porto Escalas anteriores Emitente BL Data Autorização Atracação Envia Manifesto com BL’s Envia CTA (cabotagem) PCI ( Cargas /Transbordo) Recebe autorização atracar: Antecipação de Atracação Atracação Manifesto Boletins Siscomex DT-Eletrônico Supervia Eletrônica Mercante GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração 66 2 de julho de 2012
  67. 67. Atracação Manifesto Boletins Carregamento Controle Movimentação Controle Segurança GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 67 2 de julho de 2012
  68. 68. SupervisãoAcesso Cargas CFTV ISPS-Code - Infraestrutura de Comunicação de Segurança Cia Docas (voz – dados – imagens) Alarmes Acesso VeículosAcesso Pessoas GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 68 2 de julho de 2012
  69. 69. Zona Primária Zona Secundária Transporte para Áreas Alfandegadas Exportação/Importação Transporte para Áreas Não Alfandegadas Exportaçõa/Importação Transporte para Instalações Alfandegadas Exportação/Importação DTA Trânsito Aduaneiro Agendamento da Carga com Atracação Navio GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 69 2 de julho de 2012
  70. 70. Controle de Gate: Controle Nacionalização Carregamento (DI) Documentos Carregamento Doc. Motorista Doc. Veic. Doc. Carga DTA DSI Eletrônica DSI Manual Consulta Siscomex Consulta Receita Estadual Liberar M.Agricultura Sist. Emite CSM Devolver Doc. Motorista Control. Entrada/Saida DTA- Trânsito Aduaneiro Operação de Terminais GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 70 2 de julho de 2012
  71. 71. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado Tela On-Line Mercante –Siscarga : Entrar Manifesto Longo Curso 71 2 de julho de 2012
  72. 72. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado Tela On-Line Mercante –Siscarga : Entrar B/L Importação 72 2 de julho de 2012
  73. 73. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 73 2 de julho de 2012
  74. 74. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 74 2 de julho de 2012
  75. 75. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 75 2 de julho de 2012
  76. 76. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 76 2 de julho de 2012
  77. 77. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 77 2 de julho de 2012
  78. 78. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 78 2 de julho de 2012
  79. 79. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 79 2 de julho de 2012
  80. 80. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 80 2 de julho de 2012
  81. 81. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 81 2 de julho de 2012
  82. 82. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 82 2 de julho de 2012
  83. 83. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 83 2 de julho de 2012
  84. 84. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 84 Documentos Despacho Aduaneiro Documentos Despacho Aduaneiro 2 de julho de 2012
  85. 85. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 85 Documentos Despacho Aduaneiro Documentos Despacho Aduaneiro 2 de julho de 2012
  86. 86. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 86 Documentos Despacho Aduaneiro Documentos Despacho Aduaneiro 2 de julho de 2012
  87. 87. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 87 Documentos Despacho Aduaneiro Documentos Despacho Aduaneiro 2 de julho de 2012
  88. 88. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 88 Manifesto de Carga Manifesto de Carga 2 de julho de 2012
  89. 89. GestãodasOperaçõesPortuárias Integração de Processos Operacionais SISCOMEX MercanteSISCARGA Presença de Carga Supervia (Cia Docas) DT Eletrônica (Abrapa/ Alfândega)Importação Exportação Informatização Controle das Operações Portuárias Integração Transportador Recinto Alfandegado 89 Manifesto Eletrônico 2 de julho de 2012
  90. 90. 90 Visão Geral OMercadodoTransporteMarítimo A Indústria do Transporte Marítimo Em 2005, o setor do transporte marítimo movimentou 7.0 bilhões de toneladas de carga entre 160 países. É uma indústria verdadeiramente global. Os navios mercantes respondem por aproximadamente um terço do total da atividade da indústria marítima. O faturamento anual da indústria marítima em 2004 foi superior a US$1 trilhão. Em 2007 essa indústria operava uma frota de 74.398 navios, dos quais 47.433 eram navios de carga A indústria marítima emprega cerca de 1,23 milhões de marítimos, dos quais 404.000 são oficiais e 823.000 são empregados em atividades em terra relacionadas aos escritórios e variados tipos de serviços.. 2 de julho de 2012
  91. 91. 91 Fluxo dos Transportes Internacionais OMercadodoTransporteMarítimo A Indústria do Transporte Marítimo Visão Geral O Frete aéreo começou a se tornar viável para o transporte de mercadorias de alto valor entre regiões na década de 1960. Ele compete com os serviços do transporte marítimo regular para carga Premium, tais como, bens eletrônicos, têxteis, frutas frescas, legumes e peças automotivas. Desde a década de 1960 o frete aéreo vem crescendo mais de 6% ao ano, chegando a 111 bilhões de tonelada quilômetro (tons x km) em 2005. O Comércio marítimo vem crescendo mais lentamente, numa média de 4,2% ao ano sobre o mesmo período citado acima, mas o volume de carga é muito maior. Em comparação com os 28,9 trilhões de toneladas quilômetro (tons x km) de carga marítima em 2005, o frete aéreo conta apenas com 0,4% do volume total das mercadorias transportadas mundialmente. Sua contribuição tem sido a de aumentar a gama de possibilidades no frete de cargas, oferecendo uma opção muito mais rápida, mas de alto custo. 2 de julho de 2012
  92. 92. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 92 Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Os Antigos Sistemas Liners e Tramps, 1869–1950 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Nova Integração nos Transportes Marítimos, 1950–2006 2 de julho de 2012
  93. 93. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo “The History of American Bureau of Shipping 1862 – 1994”, ABS 1995 Evolução na Frota de Portas-Contêiner 93 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Crescimento da Frota de Porta-Contêineres, 1980–2005 2 de julho de 2012
  94. 94. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 94 2 de julho de 2012 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Durante esse mesmo período de 1950 até 2006, as companhias aéreas tornaram-se sérias concorrentes para os mercados de transporte de passageiros e correio Os aviões de passageiros necessitavam de uma tripulação de 1.000 pessoas e gastavam 2.500 toneladas de combustível para transportar 1.500 passageiros da Europa para Nova York uma vez por semana. Um jato de primeira geração transportando 120 passageiros poderia fazer oito ou nove cruzamentos atlânticos em uma semana, transportando quase 1.000 passageiros nessa travessia, mas com apenas com uma tripulação de 12 pessoas e queimando apenas 500 toneladas de combustível.
  95. 95. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo Navio Especializado – Cargas Especiais de Projeto 95 2 de julho de 2012 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado O Transporte de Carga Especializada 1- produtos florestais; 2- produtos químicos; 3- carga refrigerada; 4-carros e veículos; 5- gases liquefeitos.
  96. 96. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 96 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Cinco Gerações de Portas-Contêiner 2 de julho de 2012
  97. 97. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 97 2 de julho de 2012 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Navio Panamax Compr. Máx.: 294m - Larg. Máx.: 32,3m – Cal. Máx.:12,04m Navio Panamax Compr. Máx.: 294m - Larg. Máx.: 32,3m – Cal. Máx.:12,04m
  98. 98. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 98 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Porta-Contêiner Pós-Panamax - Emma Maersk - 15.000 teu – 327m compr. - 63m larg. 16m cal . -123.200 tpb Dimensões Máximas Suezmax: Compr.:250,7m - Larg.: 48,3m Calado: 16,8m – Desl.: 132.000 tpb Obs.: Os navios post-panamax têm como dimensão limite uma boca máxima de 42,80 metros. Este limite é imposto pelas dimensões máximas dos pórticos da maioria dos grandes estaleiros navais 2 de julho de 2012
  99. 99. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 99 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Panamax: 106' (32,3 m), Post Panamax: 136' (41,4 m), Super Post Panamax: 176' (53,6 m). Atracação dos Navios: Evolução no tamanho dos Navios 2 de julho de 2012
  100. 100. As fases do desenvolvimento do transporte marítimo 100 OMercadodoTransporteMarítimo A Formação do Mercado Navio China Max – Capesize Obs.: Navios Capesize são os maiores navios de carga geral na atualidade. Estes navios não passam nem pelo Canal de Suez nem pelo Canal do Panamá e precisam contornar os continentes pelo sul (o Cabo Horn (Cape Horn) para passar pelo sul da América do Sul ou o Cabo da Boa Esperança (Cape of Good Hope) para passar pelo sul da África, de onde deriva o nome Capesize) . Conseguem carregar até 220 mil toneladas de carga, sendo que usualmente levam em torno de 150 mil toneladas. 2 de julho de 2012
  101. 101. 101 A Organização do Mercado A Estrutura da Oferta OMercadodoTransporteMarítimo Organização do Mercado: a estrutura da oferta 2 de julho de 2012
  102. 102. 102 Visão do Modelo Global do Transporte Marítimo Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 OMercadodoTransporteMarítimo O Modelo Econômico Global do Setor O Modelo Econômico dos Transportes Marítimos 2 de julho de 2012
  103. 103. 103 Visão do Modelo de Negócio das Empresas de Navegação “Liners” Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 GestãodasEmpresasdeNavegação O Negócio das Empresas de Navegação O Modelo de Negócio das Empresas de Navegação 2 de julho de 2012
  104. 104. 104 O Sistema de Operação das Empresas Marítima Análises sobre a Oferta e a Demanda Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 GestãodasEmpresasdeNavegação O Negócio das Empresas de Navegação Estratégias de Operações das Empresas de Navegação 2 de julho de 2012
  105. 105. 105 GestãodasEmpresasdeNavegação O Negócio das Empresas de Navegação Estratégias de Operações das Empresas de Navegação 2 de julho de 2012 Estratégias de Diferenciação do Setor produtos químicos, gás, cargas refrigeradas, produtos florestais, veículos, heavy lift e pessoas demandam mais por serviços especializados de transporte, oferecendo, dessa forma, uma oportunidade para os armadores criarem nichos diferenciados para se investir em navios e serviços especializados de transporte . Classificação dos Navios e das Cargas do Setor Existem cinco áreas no comércio mundial marítimo de commodities: produtos químicos, gás liquefeito, cargas refrigeradas, cargas unitizadas e transporte de passageiros. Os tipos de navios utilizados para transportá-los são: navios químicos; navios gaseiros; navios frigoríficos e portas-contêiner .
  106. 106. 106 GestãodasEmpresasdeNavegação Custos de Gestão de um Navio Gestão de Custos Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 2 de julho de 2012
  107. 107. 107Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Uma Visão Geral da Gestão de Custos de um Navio GestãodasEmpresasdeNavegação Custos de Gestão de um Navio Gestão de Custos 2 de julho de 2012
  108. 108. Economias de Escala nos Portas-Contêiner A figura ao lado mostra o consumo médio de bordo dos navios de uma frota de portas-contêiner de 2006, ajustado para uma velocidade padrão de 15 nós, comparado com uma amostra de um navio de 2.500 TEUs de capacidade. Aumentando-se a capacidade do navio de 700 para 1.700 TEU, o consumo de bordo reduz-se para 11 toneladas por 1000 TEUs; e, ainda, aumentando-se a capacidade de 1.700 TEUs para 3.500 TEUs reduz-se esses custos para 6 toneladas por 1.000 TEU e aumentando de 3.500 TEUs para 7.200 TEUs o ganho é de apenas 3 toneladas por 1.000 TEU. Isso demonstra os benefícios em se aumentar os segmentos menores do negócio de portas- contentêiner. 108 Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Exemplo de Economia de Escala GestãodasEmpresasdeNavegação Economia de Escala na Gestão de um Navio Custos e Economia de Escala 2 de julho de 2012
  109. 109. 109 GestãodasEmpresasdeNavegação Análise Custo/Benefício na Gestão de um Navio Análise de Custo e Benefício 2 de julho de 2012
  110. 110. GestãodoTransporteMarítimo 110 As Principais Rotas do Comércio Marítimo Ob.: Em Azul Rotas de Graneis e em Preto Rotas de Contêineres Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos O Valor do Comércio Marítimo 2 de julho de 2012
  111. 111. GestãodoTransporteMarítimo 111 A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos O Valor do Comércio Marítimo Rotas do Atlântico Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 2 de julho de 2012
  112. 112. GestãodoTransporteMarítimo 112 A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos O Valor do Comércio Marítimo Rotas do Pacífico Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 2 de julho de 2012
  113. 113. GestãodoTransporteMarítimo 113 A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos O Valor do Comércio Marítimo Rotas do Índico Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 2 de julho de 2012
  114. 114. GestãodoTransporteMarítimo 114 A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos O Valor do Comércio Marítimo Rotas Brasileiras do Comércio Exterior -2010 2 de julho de 2012
  115. 115. 115 Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 Velocidade e Distâncias em Viagens por Vários Portos em Dois Tipos de Navios GestãodoTransporteMarítimo A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos Custos entre Portos e Rotas 2 de julho de 2012
  116. 116. 116 Canal do Panamá Canal de Suez GestãodoTransporteMarítimo A Geografia dos Fluxos dos Transportes Marítimos Os Canais de Conexões entre Rotas 2 de julho de 2012 O Canal de Suez foi inaugurado em 1869, ligando o Mar Vermelho em Suez com o Mediterrâneo em Porto Said, fornecendo uma rota muito mais curta entre o Atlântico Norte e o Oceano Índico do que a rota alternativa contornando o Cabo da Boa Esperança.. O Canal do Panamá foi um feito ainda mais desafiador de engenharia do que o Canal de Suez, ele foi inaugurado em 1914, encurtando a distância entre o Atlântico e Pacífico de 7. 000 para 9.000 milhas..
  117. 117. Classificação dos Navios 117 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo 2 de julho de 2012
  118. 118. Classificação dos Navios Classificação Petroleiros Classificação Graneleiros Classificação Contêineres 118 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo 2 de julho de 2012
  119. 119. Classificação dos Navios 119 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Navio PetroleiroNavio de Transporte de Gás Liquefeito Navio GraneleiroNavio Químico 2 de julho de 2012
  120. 120. Classificação dos Navios 120 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Navio Porta-Contêiner Navio Ro-Ro Veículos Draga do Porto de Santos 2 de julho de 2012
  121. 121. Classificação dos Navios 121 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Navio Porta-Contêiner Small Feeder - 917 TEUs - Navio Belluga Movery Feeder - 1.341 TEUs - Navio Independente 2 de julho de 2012
  122. 122. Classificação dos Navios 122 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Feedermax - 2.045 TEUs - Navio Aliança Brasil Panamax - 3.308 TEUs - Navio Saint Roch 2 de julho de 2012 Feedermax - 2.045 TEUs - Navio Aliança Brasil
  123. 123. Classificação dos Navios 123 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Panamax - 7134 TEUs - Navio Santa Catarina Pós-Panamax - 9.034 TEUs - Navio Maersk Altair 2 de julho de 2012
  124. 124. Classificação dos Navios 124 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Capesize - 18.000 TEUs - Navio Classe Triple E Maersk 2 de julho de 2012 Capesize - 18.000 TEUs - Navio Classe Triple E Maersk
  125. 125. Classificação dos Navios 125 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Capesize Graneleiro de Minério de Ferro - 400.000 tpb - “Vale Rio de Janeiro” 2 de julho de 2012
  126. 126. Classificação dos Navios 126 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Navio Heavy Lift - Zhen Hua 27 – Entregando Portêineres na Santos Brasil – Porto de Santos 2 de julho de 2012
  127. 127. Classificação dos Navios 127 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Navio Heavy Lift 2 de julho de 2012
  128. 128. Classificação dos Navios 128 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Visão de Proa de um Porta-Contêiner de 8.200 TEUs Visão de Popa de um Porta-Contêiner de 8.200 TEUs Feefer Ship Refrigerado Porão de um Porta-Contêiner 2 de julho de 2012
  129. 129. Classificação dos Navios 129 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo Open Hatch - Tween Deck Removível - Conbulker MPP Multipropósito com gruas lateraisMPP Multipropósito Heavy Lift MPP Multipropósito Handy 2 de julho de 2012
  130. 130. Classificação dos Navios 130 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo VLCC - Knock Navis O Maior Petroleiro do Mundo Classe Suezmax opera no Oriente MédioClasse Suezmax opera no Oriente Médio 2 de julho de 2012 Navio Capesize -VLCC 724.239 tpb - “Knock Nevis”
  131. 131. Frota Mundial de Navios Desempenho da Frota Mundial de Navios Mercantes Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 131 GestãodoTransporteMarítimo Os Navios de Transporte Marítimo 2 de julho de 2012
  132. 132. Rotas Mundiais de Contêineres 132 GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres 2 de julho de 2012
  133. 133. Rotas Mundiais de Contêineres 133 GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Rotas Transpacíficas Rotas Transatlânticas Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 2 de julho de 2012
  134. 134. Rotas Mundiais de Contêineres 134 GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Rotas Europa - Oriente Médio - Ásia Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 2 de julho de 2012
  135. 135. Características Técnicas 135 Carga Geral Refrigerado ou Aquecido -Reefer Open Top Unidades paletizadas GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres 2 de julho de 2012
  136. 136. 136 PlataformaCollapsible flattracks TanquesVentilado GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Características Técnicas 2 de julho de 2012
  137. 137. 137 Open side Plataforma móvel Rolling Floor Insulated Reefer Insulated Reefers GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Características Técnicas 2 de julho de 2012
  138. 138. 138 GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Características Técnicas 2 de julho de 2012
  139. 139. 139 Terminal com Quadras de Pré-stacking GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres THL - Terminal Handling Cargo 2 de julho de 2012 Pré-stacking Os terminais trabalham conforme a data e hora da chegada do navio para que possam reservar espaços nos terminais para executar os Planos de Carga e determinar o momento do inicio e término do recebimento dos contêineres para o embarque ou exportação. A área de pré- stacking deverá ser a mais próxima possível do local de atracação do navio. THL - Terminal Handling Cargo Os serviços de recebimento do container e descarga no pré-stacking, armazenamento e transporte ao navio são pagos pelos exportadores ou importadores aos terminais de cargas e contêineres. O custeio destes serviços aparecem no B/L como THC.
  140. 140. 140 Terminal com Quadras de Pré-stacking GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres THL - Terminal Handling Cargo 2 de julho de 2012
  141. 141. Plano de carga navio “Full Contêiner” Todos os navios “Full Contêiner”, específico para o transporte de contêineres, possuem um plano de carga que informam exatamente a localização dos equipamentos e tem como objetivo principal minimizar o tempo de operação e estadia dos navios. Localização do Contêiner no Navio O endereço de um contêiner no navio é determinado com base em três coordenadas. A primeira indica qual é a Baia (BAY), divisão longitudinal de proa a popa em que ele se encontra. São numeradas por números pares e impares, partindo da proa. As numerações dos contêineres de 20 pés de comprimento são impares e quando ocupados por um container de 40 pés recebem a numeração par. A segunda indica qual é a fileira (ROW), divisão transversal de bordo a bordo. Neste caso as fileiras são numeradas a partir do contêiner central do navio (00) e números pares a bombordo (lado esquerdo) e impares a boreste (lado direito). Finalmente, a terceira diz respeito a camada ou fiadas (Tier ou Stack), divisão vertical em que se encontra o contêiner. Esta divisão vertical é numerada por números pares a começar no fundo do porão por 2,4,6. Todavia, por convenção, independentemente do número de camadas no porão a numeração dos contêineres expostos no convés começa a ser numerado a partir de 82, 84, 86. No Brasil estes conceitos foram estabelecidos pela Normativa Brasileira - NBR 11519 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. Se um plano de carga estiver assinalando o endereço de um container como 16.03.82, saberemos que sua posição será Bay (Baia) 16(15-17), Row 03 e Tier 82. 141 Plano de Atracação e de Carga • Pré-stacking • ETA: Tempo estimado de chegada • ETD: Tempo estimado de saída OPERAÇÃO EQUIPAMENTO TEMPO (Min.) Atracação Rebocador 10 Arriar Grua Portainer 15 Cont 20’ 40’ Carregado 4 Cont 20’ 40’ Vazio 3 Abrir porão Guindaste 15 Abrir Porão Hidráulico 8 Translação Portainer 3 Mudar Spreader Guindaste 15 Tempos de Movimento Operações GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Planos de Cargas 2 de julho de 2012
  142. 142. Localização de Contêineres ( Navio Full Contêiner) Plano “Full Contêiner” 142 GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres 2 de julho de 2012
  143. 143. 143 GestãodoTransporteMarítimo Transporte e Operações com Contêineres Ship Planner 2 de julho de 2012 A função do “planner” é de programar e planejar o layout do carregamento e descarregamento de navios full container, otimizar a relação custo-eficácia da operação, planejar e coordenar o trabalho da mão de obra e das máquinas para cada navio, assegurando sempre a máxima produtividade dos navios, ou seja, ser o mais eficientemente possível Algumas de suas atribuições são: - Elaborar o plano de carregamento partindo das informações recebidas dos terminais como resumo de carga a ser embarcada por armador (IBR) e o resumo da carga a ser embarcada geral e já consolidada CBR (para armador e agência), respeitando todos os limites impostos pelas características hidrostáticas no navio a ser carregado (balanceamento da carga dentro do navio). - Conhecer todas as restrições e capacidades dos portos e terminais antes de elaborar a distribuição da carga. - Ter a máxima atenção em assuntos relacionados a cargas consideradas de risco (carga IMO) e cargas poluidoras, pois as penalidades são severas. - Observação restrita nos critérios da IMO tendo a atenção ao excesso de esforços e torção. - Distribuir a carga possibilitando estadias menores durante a descarga e evitando remoções. :
  144. 144. Como a Regulação Afeta a Indústria Marítima 144 Visão Geral do Sistema Regulatório Marítimo Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 GestãodoTransporteMarítimo Regulação e Competição no Mercado Marítimo 2 de julho de 2012
  145. 145. Como a Regulação Afeta a Indústria Marítima 145 Principais Sociedades Marítimas de Classificação Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 GestãodoTransporteMarítimo Regulação e Competição no Mercado Marítimo 2 de julho de 2012
  146. 146. 146 3123 2 Zonas Marítimas Definidas pela UNCLOS de 1982 Como a Regulação Afeta a Indústria Marítima GestãodoTransporteMarítimo Regulação e Competição no Mercado Marítimo 2 de julho de 2012
  147. 147. Como a Regulação Afeta a Indústria Marítima 147 GestãodoTransporteMarítimo Regulação e Competição no Mercado Marítimo 2 de julho de 2012 O Papel Regulatório da Bandeira do País Usada pelo Navio Mercante 1-Impostos, direito societário e direito financeiro: uma empresa que registra um navio em um determinado país está sujeita às leis comerciais desse país. 2-Conformidade com as convenções de segurança marítima: um navio está sujeito a quaisquer regulamentos de segurança que um país tenha determinado para a construção e exploração de navios. 3-Condições de trabalho da tripulação: A empresa está sujeita aos regulamentos de estado que concede a bandeira de navegação relativos as normas de contratação da tripulação, seus termos de emprego e condições de trabalho. Alguns países que concedem bandeira de navegação, por exemplo, insistem sobre o emprego apenas de trabalhadores nacionais. 4-Proteção naval e política: Outra razão para a adoção de uma bandeira de navegação é para beneficiar o navio da proteção e a aceitabilidade do Estado que a concede.
  148. 148. Como a Regulação Afeta a Indústria Marítima 148 Registros da Frota Mercante Mundial -2005 Fonte: Stopford M. Maritime Economics. Routledge, 2009 GestãodoTransporteMarítimo Regulação e Competição no Mercado Marítimo 2 de julho de 2012

×