Business Plan

2.312 visualizações

Publicada em

This project goals is to introduce this holding to financial institutions in order to do Privite Equity operations such as Venture Capital.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.312
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Business Plan

  1. 1. BUSINESS PLANAGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  2. 2. CompanyLOGO ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO CENÁRIO ECONÔMICO HISTÓRICO DO GRUPO DESCRIÇÃO DO GRUPO PLANO DE MARKETING 2 www.company.com www.agemar.com.br
  3. 3. CompanyLOGO ÍNDICE PLANO FINANCEIRO TAXA DE DESCONTO RESULTADOS PLANO DE IMPLANTAÇÃO ANEXOS 3 www.company.com www.agemar.com.br
  4. 4. SUMÁRIO EXECUTIVOAGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  5. 5. CompanyLOGO SUMÁRIO EXECUTIVO Fundado no início da década de 80, para atender uma demanda local por serviços no setor de logistica e operações portuárias, surgiu o Grupo AGEMAR, a partir da idealização e visão estratégica do seu fundador Dr. Manoel Ferreira da Silva Jr. O Grupo possui como principal caracteristica a diversificação de seus negócios, atuando, em várias vertentes desse segmento, tais como:  Locação de Containers;  Locação de Equipamentos;  Operações Portuárias;  Postos de Combustíveis;  Logística e Armazenagem;  Transporte Marítimo. 4 www.company.com www.agemar.com.br
  6. 6. CompanyLOGO SUMÁRIO EXECUTIVO Evolução da Receita Bruta x EBITDA (R$ mil) Abaixo seguem os investimentos necessários para se alcançar os 0 6 1 3 1 4 8 0 3 . 9 1 0 3 . resultados almejados. Sendo . 8 9 7 2 . 7 3 5 2 aqueles discriminados por unidade . 6.095 6.645 7.222 de negócio. 3.993 4.745 Oerados 2009 2010 2011 2012 2013 Investimentos por Unid. Neg para os próximos 5 anos (R$ mil) Receita EBITDA R$ 895 R$ 951 R$ 932 8% 9% 8% Para os próximos 5 anos o Grupo R$ 927 AGEMAR, projeta um crescimento 8% R$ 4.710 de suas receitas até um patamar R$ 2.616 43% 24% de R$ 31.610 mil, como também um EBITDA de R$ 7.222 mil para o Total = R$ 11.031 mil final do período, conforme Locação de Maquinas Locação de Containers Operações portuárias demonstrado acima. Transporte marítimo Posto Agemar Armazenagem 6 www.company.com www.agemar.com.br
  7. 7. CENÁRIO ECONÔMICOAGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  8. 8. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Introdução As movimentações ocorridas em novembro e dezembro de 2008 causaram um reajuste em diversas classes de ativos, em meio a um cenário de incertezas quanto à evolução das condições dos mercados financeiros internacionais e da redução do nível de atividade das principais economias. Em resposta ao estresse nos mercados financeiros internacionais, as autoridades monetárias nos EUA, Europa e Ásia vieram a intervir em seus sistemas financeiros, adotando medidas com vistas em assegurar a liquidez nos mercados monetários e manter o nível da economia real através de ações expansionistas. 8 www.company.com www.agemar.com.br
  9. 9. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Introdução (continuação) No mercado nacional, os reflexos das movimentações dos mercados financeiros internacionais, repercutiram de forma mais significativa na balança de pagamentos brasileira. Entre os reflexos estão à desvalorização cambial, redução das linhas de crédito para o comércio exterior e complicação das empresas nacionais com passivos em moedas estrangeiras. 9 www.company.com www.agemar.com.br
  10. 10. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Políticos Desde que assumiu a Presidência da República em janeiro de 2003, Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores - PT, alcançou relativo sucesso ao convergir os interesses do Congresso Nacional para a votação de medidas institucionais importantes, como as reformas da Previdência Social e Tributária. O encaminhamento das reformas ocorreu ao lado da manutenção de uma política econômica restritiva que serviu de base para a superação da crise instalada no País antes das eleições presidenciais ocorridas em 2002, criando condições para a chamada “transição responsável”. 10 www.company.com www.agemar.com.br
  11. 11. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Políticos (continuação) No âmbito econômico, o novo governo conseguiu controlar a aceleração dos preços que se seguiu ao realinhamento da taxa de câmbio ocorrido em 2002, dando continuidade à política monetária balizada pela sistemática de “metas para a inflação” e mantendo a taxa básica de juros em nível elevado até meados de 2003. Com relação à política fiscal, a renovação do acordo com o Fundo Monetário Internacional – FMI (dívida quitada ao final de 2005) e o cumprimento das metas acordadas, inclusive com o aumento do superávit primário para 4,25% do Produto Interno Bruto - PIB, demonstraram o compromisso do governo perante os credores externos. 11 www.company.com www.agemar.com.br
  12. 12. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Políticos (continuação) No âmbito político, a popularidade do presidente manteve-se relativamente elevada ao longo do primeiro ano de governo, a despeito dos resultados da política econômica ortodoxa que afetaram negativamente os níveis de emprego e renda. A partir do segundo ano, o mandato do presidente Lula foi marcado, fundamentalmente, pelos anúncios de medidas que visavam colocar o País no caminho do crescimento sustentado, da geração de empregos e da maior eficiência dos programas sociais. O ano 2004 começou com algumas tensões políticas importantes. A realização de eleições municipais contribuiu,invariavelmente, para o 12 www.company.com www.agemar.com.br
  13. 13. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Políticos (continuação) aprofundamento das críticas sobre a condução da economia e sobre a liderança do governo. Com o encerramento das eleições, a criação de condições favoráveis para a manutenção do crescimento econômico passou a ser fundamental para a escolha de setores e ações a partir de 2005. Questões relativas à condução da microeconomia, aos investidores privados, à flexibilização das leis trabalhistas e ao impulso à política industrial e de comércio exterior, entre outras, entraram em maior evidência. 13 www.company.com www.agemar.com.br
  14. 14. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Políticos (continuação) O governo vem mantendo uma política econômica balizada pela disciplina fiscal, taxa de câmbio flexível e metas para a inflação. Apesar desse comprometimento, a manutenção de investimentos públicos em níveis ainda reduzidos e a carga tributária elevada, sugerem a necessidade de aprofundamento das reformas estruturais básicas, tais como tributária e previdenciária. 14 www.company.com www.agemar.com.br
  15. 15. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Políticos (continuação) O segundo mandato do presidente Lula, que se iniciou em janeiro de 2007, continua a priorizar o crescimento econômico, através de projetos incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que buscam melhorar o desempenho da economia a médio e longo prazo. O incentivo aos investimentos privados, a expansão da massa salarial e a elevação do acesso ao crédito pessoal, deverão contribuir para o prosseguimento da agenda de reformas. 15 www.company.com www.agemar.com.br
  16. 16. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial O desempenho da economia mundial, que apresentou crescimento médio de 5% ao ano nos últimos cinco anos, aponta para a reversão dessa tendência para taxas de crescimentos mais moderadas e negativas. O PIB dos Estados Unidos caiu -0,5% no terceiro trimestre de 2008, resultando em uma taxa de desemprego de 5,8% da população economicamente ativa no final de dezembro. A economia na Europa também tem sofrido com o cenário mundial, se deteriorando rapidamente, Reino Unido e Alemanha entraram oficialmente em recessão, após terem quedas no PIB em dois trimestres consecutivos. 16 www.company.com www.agemar.com.br
  17. 17. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) A Alemanha com -0,5% em relação ao segundo trimestre do ano, e o Reino Unido -1,5%. Visando contra-atacar esse fenômeno mundial, os governos têm aumentado seus gastos fiscais, se mobilizando a anunciar pacotes de resgate para combater essa deterioração. Em vista de um cenário de aumento da demanda e de limitação de oferta, os preços do petróleo continuaram altamente voláteis durante 2008, mas recuaram de forma expressiva em outubro com o estabelecimento de um novo cenário para demanda mundial. Após atingir o pico de US$146 em julho, o preço do barril de petróleo 17 www.company.com www.agemar.com.br
  18. 18. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) reverteu à tendência de alta e finalizou o ano cotado em US$36, tendo um pico mínimo de US$ 33 no início de dezembro seu menor índice em 4 anos. Com a queda de mais de 72% no preço do barril em pouco mais de cinco meses, a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) decidiu pelo maior corte na produção da história do cartel para tentar estancar as perdas. O cartel responsável por cerca de 40% da produção mundial decidiu cortar. 18 www.company.com www.agemar.com.br
  19. 19. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) Entretanto, a incerteza que envolve essas cotações é elevada, uma vez que o cenário prospectivo depende da evolução da demanda, especialmente nas economias emergentes, da resposta da oferta aos estímulos derivados de mudanças de preços relativos ocorridas, além das questões geopolíticas que atuam sobre os preços dessa mercadoria. Na mesma tendência de ajuste dos preços, seguem as commodities, a expectativa de desaceleração nos investimentos em infra-estrutura e construção civil nos países emergentes, principalmente na China. 19 www.company.com www.agemar.com.br
  20. 20. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) O agravamento da crise financeira norte-americana intensificou-se em setembro com anúncios de insolvência das principais instituições financeiras dos EUA. O mercado passou a precificar o risco de quebra de mais instituições privadas o que causou queda em todas as bolsas de valores no mundo e a depreciação do dólar frente ao euro. Em resposta a crise financeira, os principais bancos centrais anunciaram conjuntamente medidas para aumentar a oferta monetária e reduzir o risco de insolvência das instituições. O governo norte-americano divulgou um pacote de resgate financeiro de US$700 bilhões, posteriormente ampliado para US$850 bilhões. O plano visa ao resgate das carteiras com problemas de solvência 20 www.company.com www.agemar.com.br
  21. 21. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) Em dezembro de 2008, o FED resolveu cortar a taxa básica de juros americana para um intervalo entre 0% e 0,25%, menor nível desde 1954. Segundo o FED, a taxa ficará nesse nível por um bom tempo, já que segundo os analistas o principal problema do FED é combater a recessão, e não mais a inflação como era tida anteriormente. Inflação essa que se mostrou deveras controlada após ter sido divulgado que seu Índice de Preços do consumidor ficou em 1,7%, seguindo um recuo de 1% em outubro de 2008. Devido ao aprofundamento do ajuste no mercado imobiliário e das repercussões sobre o restante da economia, o cenário mais provável para a economia norte-americana em 2009 é de uma queda no seu PIB de -0,2%. 21 www.company.com www.agemar.com.br
  22. 22. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) Apesar do agravamento da crise financeira, a economia chinesa continua aquecida com boas perspectivas com relação à demanda interna, que deverá ganhar espaço relativo, de forma gradual, em contraposição ao papel das exportações. Contudo, com a exposição ao mercado mundial e a demanda externa com problemas, um país do tamanho da China, com cerca de 39% do PIB atrelado a demanda externa, deve sofrer com esse cenário internacional, afetando também a demanda interna. 22 www.company.com www.agemar.com.br
  23. 23. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Mundial (continuação) Previsões indicam que o governo terá papel fundamental na prevenção de tais acontecimentos, com uma relativa posição fiscal forte e anúncios, em novembro, de um estimulo de 1% do PIB na economia chinesa, e adicionais gastos de autoridades locais e empresas do estado chegando a U$600 bilhões e com expectativa de se tornar a terceira maior economia no mundo, superando a Alemanha. Portanto, as expectativas com relação aos principais indicadores dos Estados Unidos após o agravamento da crise financeira norte-americana, à acomodação da economia chinesa e os preços das commodities devem continuar norteando as decisões dos investidores. 23 www.company.com www.agemar.com.br
  24. 24. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Brasileira O Brasil atravessou a última grande crise de confiança ao final de 2002, perdendo enormes recursos em linhas externas, o que acarretou pressões significativas sobre o valor da moeda. A alteração nos planos de investimento e consumo foi inevitável, afetando a atividade econômica de forma expressiva. A perda de dinamismo da economia norte-americana e as dúvidas crescentes quanto à sucessão presidencial foram os grandes causadores da forte contração econômica que perdurou até meados de 2003. Entretanto, a eficácia da política macroeconômica adotada pelo governo foi decisiva para que o País encontrasse o caminho da recuperação, dissipando as pressões inflacionárias decorrentes dos efeitos do choque cambial e das próprias expectativas quanto à evolução dos preços. 24 www.company.com www.agemar.com.br
  25. 25. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Brasileira (continuação) 25 www.company.com www.agemar.com.br
  26. 26. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Brasileira (continuação) No decorrer de 2004, a redução dos juros foi verificada de forma mais gradual até meados de abril, mantendo-se em 16% até agosto. Diante do recrudescimento da inflação e da necessidade de convergência dos preços para a trajetória de metas, o Comitê de Política Monetária - Copom decide reiniciar o processo de elevação da taxa de juros a partir do mês de setembro (16,25%). Ao propor uma política monetária mais contracionista, o Banco Central visou dar sustentabilidade ao ritmo de crescimento da economia brasileira. A acomodação consistente dos preços no atacado, observada em meados de 2005, favorecendo os preços ao consumidor, criou condições para um novo ciclo de redução dos juros. 26 www.company.com www.agemar.com.br
  27. 27. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Economia Brasileira (continuação) A despeito da volatilidade nos mercados financeiros internacionais, decorrente da inadimplência no mercado subprime no final de 2007, exerceu impacto residual sobre a economia nacional, mantendo as perspectivas de financiamento para a economia brasileira. Entretanto, o agravamento da crise financeira modificou esse cenário. O Brasil vem vivenciando certa alteração nos meios de pagamentos internacionais à disposição do país, o que se reflete na posição de reservas, estabilizadas em US$208 milhões ao final de dezembro, contra US$ 206,37 milhões em setembro. 27 www.company.com www.agemar.com.br
  28. 28. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Monetários e Inflação O Banco Central - BC adotou uma postura mais ativa na condução da política monetária a partir de 2004, elevando a taxa Selic – taxa básica de juros – de 16,5%, em 2003, para 17,75% ao final de 2004. Ao propor uma política mais contracionista, o BC visou dar sustentabilidade ao ritmo de crescimento da economia brasileira. A política monetária mais restritiva adotada desde setembro de 2004 e mantida até meados de agosto de 2005 contribuiu para a consolidação de um ambiente macroeconômico mais favorável, ao dosar o ritmo da atividade econômica e reduzir os elementos de pressão atuantes sobre o nível geral de preços. 28 www.company.com www.agemar.com.br
  29. 29. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Monetários e Inflação (continuação) Desde então, o crescimento das importações e o comportamento dos investimentos têm contribuído positivamente, permitindo que a inflação continue dentro dos intervalos fixados pelo BC. Além disso, as perspectivas de financiamento externo para a economia brasileira sugerem que o balanço de pagamentos não deve apresentar risco iminente para o cenário inflacionário, apesar da maior incerteza sobre a continuidade do crescimento da economia internacional, da volatilidade dos mercados globais e do comportamento dos preços de determinadas matérias primas. Ao final de 2007, a taxa Selic havia sido reduzida para 11,25% ao ano. 29 www.company.com www.agemar.com.br
  30. 30. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Monetários e Inflação (continuação) A aceleração da inflação ao consumidor em 2007 (4,46%) refletiu o maior crescimento dos preços livres em detrimento aos preços administrados, apesar da contenção dos preços dos bens comercializáveis diante da valorização cambial. A inflação medida pelo IGP-DI apresentou variação acumulada de 7,89% no ano. No que se refere especificamente aos preços no atacado, destaca-se a forte elevação nos preços agrícolas e também os preços das matérias-primas e insumos, que se encontra em expansão nos últimos dois anos. O aumento se deve, principalmente, ao crescimento das demandas interna e externa. 30 www.company.com www.agemar.com.br
  31. 31. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Monetários e Inflação (continuação) Em 2008, os setores mais sensíveis a crédito apresentam um crescimento expressivo. O maior ritmo de inflação comprometeu mais o varejo de alimentos, os segmentos mais sensíveis à renda. Além da contínua presença dos alimentos e de outras commodities internacionais como fatores de pressão sobre os indicadores de preços, a generalização dessas altas, com a contaminação de outros produtos, também contribuiu para a aceleração da inflação. Os preços dos produtos mais sensíveis a renda – alimentos e bebidas – foram os que apresentaram maiores elevações. A inflação se apresentou mais acelerada para as faixas de renda mais baixas. 31 www.company.com www.agemar.com.br
  32. 32. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Monetários e Inflação (continuação) 32 www.company.com www.agemar.com.br
  33. 33. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Cambiais A partir de maio de 2004, a moeda norte-americana desvalorizou-se aproximadamente 45% em relação ao real, atingindo a cotação de R$1,771 ao final de 2007 (cotação de venda em final de período). Diversos fatores estão contribuindo para a apreciação do real desde então, entre eles: A continuidade do fluxo de capitais para os países emergentes. O bom comportamento dos saldos comerciais, que acumulou superávits expressivos nos últimos 4 anos. Os saldos positivos são explicados, em parte, pela manutenção dos preços internacionais das commodities em nível historicamente elevado. 33 www.company.com www.agemar.com.br
  34. 34. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Cambiais (continuação)  A solidez das contas externas e os fundamentos macroeconômicos brasileiros. Os principais indicadores externos apresentaram melhoria significativa (dívida externa sobre PIB, reservas sobre dívida externa, dívida externa sobre exportações). Em grande parte, pela eliminação do déficit em transações correntes. Por outro lado, a condução de uma política monetária consistente com as metas de inflação também foi essencial para o processo de redução do risco-país.  O diferencial entre as taxas de juros interna e externas também contribuiu para a entrada de capitais no Brasil, além da fraqueza intrínseca do dólar perante as principais moedas do mundo. 34 www.company.com www.agemar.com.br
  35. 35. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Cambiais (continuação) Em conclusão, os bons resultados comerciais, a continuidade das captações externas públicas e privadas, a redução do risco Brasil e o diferencial entre as taxas de juros internas e externas reforçaram a tendência de valorização do real até agosto de 2008. A redução nos diferenciais de juros, a queda no superávit comercial e o alto déficit em transações correntes conduziam a um câmbio mais elevado, norteando as expectativas para o final de 2008. Entretanto, o agravamento da crise financeira trouxe maiores dificuldades na entrada de fluxos financeiros para o País e redução dos preços de commodities, que desestimulam as exportações, refletindo sobre o mercado que fechou o ano em R$2,33 a cotação. 35 www.company.com www.agemar.com.br
  36. 36. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Aspectos Cambiais (continuação) 36 www.company.com www.agemar.com.br
  37. 37. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Nível de Atividade Os efeitos da crise instalada no País em 2002 prolongaram-se até meados de 2003, influenciando a atividade econômica que apresentou crescimento real de apenas 1,1% em relação ao ano anterior. As reduções nos juros reais, durante parte do período, e a melhora estrutural do balanço de pagamentos abriram caminho para a recuperação econômica em 2004. Como conseqüência, o crescimento do Produto Interno Bruto - PIB alcançou 5,7%, mantendo-se o setor externo como importante fonte de dinamismo ao lado da recuperação da demanda doméstica. O PIB apresentou crescimento modesto em 2005, elevação de apenas 3,2%. O crescimento econômico em 2006 foi pouco superior (3,7%). 37 www.company.com www.agemar.com.br
  38. 38. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Nível de Atividade (continuação) Os destaques ficaram com a variação de 3,7% no setor de serviços e de 4,1% no setor agropecuário, sinalizando uma retomada da atividade. A indústria registrou crescimento de 2,8%. Em 2007, o PIB apresentou crescimento de 5,4%, com elevação em todos os setores ou atividades: agropecuária (5,3%); indústria (4,9%); e serviços (4,7%). Dentre os subsetores da Indústria, a maior alta foi a Indústria da Transformação (5,1%), seguida pela Construção Civil e Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, ambos com crescimento de 5%. A Indústria Extrativa registrou elevação de 3,0%, em decorrência, principalmente, do crescimento anual de 0,8% na extração de petróleo e gás e de 10,7% na . 38 www.company.com www.agemar.com.br
  39. 39. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Nível de Atividade (continuação) extração de minério de ferro. Na análise da demanda, todos os componentes apresentaram expansão, com destaque para o consumo das famílias (6,5%) e investimentos (13,4%). Tal comportamento foi favorecido pela elevação de 3,6% da massa salarial dos trabalhadores, em termos reais e pelo acréscimo, em termos nominais, de 28,8% do saldo de operações de crédito do sistema financeiro com recursos livres para as pessoas físicas. Impulsionado por um primeiro semestre positivo, as estimativas indicam um crescimento econômico de 5,6%, com elevação em todos os setores ou atividades: agropecuária (6,1%); indústria (5,5%); e serviços (5,1%). 39 www.company.com www.agemar.com.br
  40. 40. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Nível de Atividade (continuação) Todavia, os efeitos da crise internacional sobre as condições financeiras internas indicam que a contribuição do crédito para a sustentação da demanda doméstica pode arrefecer de forma mais intensa do que o que seria determinado exclusivamente pelos efeitos da política monetária. Adicionalmente, a intensificação da crise internacional levou a um efeito negativo sobre a confiança dos consumidores e empresários. Caso persista tal situação, o dinamismo da atividade passaria a depender crescentemente da expansão da massa salarial real e dos efeitos das transferências governamentais esperadas para este e para os próximos trimestres. 40 www.company.com www.agemar.com.br
  41. 41. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Nível de Atividade (continuação) 41 www.company.com www.agemar.com.br
  42. 42. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Setor Externo Entre 2002 e 2007, o saldo comercial acumulou US$202,4 bilhões, contribuindo para a melhoria das contas externas brasileiras e estabilidade da economia. A corrente de comércio dobrou nesse mesmo período (US$107,6 bilhões em 2002 para US$281,3 bilhões em 2007), demonstrando a intensificação da abertura comercial brasileira e explicando a maior estabilidade do câmbio. Em 2007, os indicadores de vulnerabilidade externa continuaram a apresentar uma trajetória de queda, tornando o país mais resistente a possíveis choques externos. As reservas internacionais passaram de US$52,9 bilhões em 2004 para US$180,3 bilhões ao final de 2007. 42 www.company.com www.agemar.com.br
  43. 43. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Setor Externo (continuação) Além do reflexo sobre o prêmio de risco do País, houve uma melhora da percepção das agências internacionais de classificação de risco de crédito que elevaram o Brasil ao título de grau de investimento pelas agências Standard & Poor’s e Fitch Ratings. O fluxo líquido de Investimento Estrangeiro Direto (IED) somou US$34,6 bilhões em 2007, recorde anual desde o início da série em 1947. De 1996 a 2000, os ingressos relativos a privatizações foram importantes para o aumento de IED, principalmente nos setores elétrico e de telecomunicações. Com o término desse processo e a volatilidade dos mercados entre 2001 e 2002, os fluxos de investimento voltaram a ser fortemente impulsionados 43 www.company.com www.agemar.com.br
  44. 44. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Setor Externo (continuação) pelo ingresso ocorrido em agosto de 2004, referente à troca de ações entre empresas residentes e não residentes (US$5 bilhões). A partir do segundo trimestre de 2006, ocorre novo comportamento ascendente e, a partir de junho de 2007, mês em que ocorreram ingressos líquidos recordes de US$10,3 bilhões, o fluxo líquido passa a se situar em torno dos US$30 bilhões, entre participações no capital e empréstimos inter -companhias. No final de novembro de 2008, as exportações somaram US$ 184,12 bilhões, crescimento de 25,2% pela média diária em comparação ao mesmo período do ano anterior. As importações alcançaram US$ 161,69 bilhões, elevando-se em 46,3%. A expectativa do saldo comercial para o acumulado 44 www.company.com www.agemar.com.br
  45. 45. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Setor Externo (continuação) no ano, apresentou queda totalizando US$ 24 bilhões, contra US$40 bilhões registrados em igual período de 2007. O fechamento dos investimentos estrangeiros diretos líquidos em 2008 foi de, aproximadamente, US$36,5 bilhões. 45 www.company.com www.agemar.com.br
  46. 46. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas Em um contexto externo benéfico, a economia brasileira deve manter a tendência de recuperação iniciada em 2004. O governo manterá a estratégia de fortalecimento gradual da economia, visando ao crescimento sustentado e a uma maior participação dos investimentos privados nos setores de infra- estrutura. Conforme pode-se observar nos gráficos e tabelas a seguir, a tendência da situação econômica nacional é favorável. Com a adoção de uma política monetária expansiva, observada pelo declínio do taxa de juros (Selic); com o fortalecimento do Real perante o dólar, estabilizando-se em torno de R$ 2,30 e proporcionando um cambio adequado a realidade do comércio internacional, como também uma solidez tanto para o setor exportador 46 www.company.com www.agemar.com.br
  47. 47. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) quanto para o importador para planejamentos de médio prazo. Uma política de metas para a inflação bem sucedida há mais de cinco anos, mantendo-a sob controle e com perspectivas de melhoras. Tudo isso faz com que o mercado internacional acredite mais no Brasil, reduzindo o risco país e conseqüentemente há um crescimento de aporte de capital internacional na economia doméstica, conforme se observa no aumento substancial dos investimentos estrangeiros diretos líquidos. Uma das maiores provas do bom desempenho da gestão da administração pública esta na equação dívida do setor público/PIB, a qual demonstra a notória equalização dos gastos públicos e da eficiência da equipe econômica 47 www.company.com www.agemar.com.br
  48. 48. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) ao concernente a sua gestão. Saindo de um patamar de 47% para 32% em um horizonte de dez anos. A taxa de desemprego vem diminuindo, ocasionando uma maior circulação de renda interna, fortalecendo assim o comércio, a indústria e a fazenda doméstica. Fatores como esses proporcionam uma maior robustez à economia, conforme se demonstra na evolução do PIB para os próximos anos, e no aumento do poder aquisitivo dos brasileiros, demonstrado, teoricamente, pelo PIB per capta. Mesmo com a crise financeira no cenário internacional, a qual poderá desacelerar um pouco o crescimento da economia nacional, como se pode observar no tímido crescimento da economia em 2009. 48 www.company.com www.agemar.com.br
  49. 49. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) O Brasil é apontado por muitos economistas renomados como uma das principais partes dos mercados emergentes (BRIC). Podendo, desse modo, funcionar, cada vez mais, como uma fonte alternativa para capitais internacionais, uma vez que economias mais tradicionais como a americana e a da EU levarão um certo tempo para se restabelecerem. Setores como construção civil e de infra-estrutura obterão maiores investimentos por parte do governo, pois a falta de infra-estrutura é o fator considerado como o maior gargalo da economia brasileira, retardando o seu crescimento consideravelmente. 49 www.company.com www.agemar.com.br
  50. 50. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) 50 www.company.com www.agemar.com.br
  51. 51. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) Taxa de Cambio (R$/US$) 2,90 2,70 2,65 2,50 2,34 2,40 2,30 2,34 2,30 2,34 2,29 2,30 2,10 2,14 1,90 1,70 1,77 1,50 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte: Bacen 51 www.company.com www.agemar.com.br
  52. 52. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) PIB 5,7 5,6 5,4 4,05 4,2 4,2 3,8 3,8 3,2 1,7 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte: Bacen e IBGE 52 www.company.com www.agemar.com.br
  53. 53. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) PIB per capta 6,94 6,67 6,51 6,40 6,14 2003 2004 2005 2006 2007 Fonte: IPEA 53 www.company.com www.agemar.com.br
  54. 54. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) IPCA 7,60% 5,90% 5,69% 4,70% 4,46% 4,50% 4,50% 4,20% 4,00% 3,14% 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte: Bacen e IBGE 54 www.company.com www.agemar.com.br
  55. 55. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) Dívida líquida setor público em % PIB 46,99% 46,47% 44,72% 42,67% 37,10% 36,01% 35,50% 34,20% 32,00% 32,00% 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte: Bacen 55 www.company.com www.agemar.com.br
  56. 56. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) Investimento Estrangeiro Direto Líquido (US$ bilhões) 36,5 34,62 31,5 30,1 28,05 25 22,5 18,78 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte: Bacen e outras fontes oficiais 56 www.company.com www.agemar.com.br
  57. 57. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) Selic (%) 17,75 18,05 13,19 13,66 11,18 10,75 10,5 10 10 10 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Fonte: Bacen 57 www.company.com www.agemar.com.br
  58. 58. CompanyLOGO CENÁRIO ECONÔMICO Perspectivas (continuação) Taxa de desemprego 11,5% 9,8% 10,0% 9,3% 7,9% 2004 2005 2006 2007 2008 Fonte: IBGE 58 www.company.com www.agemar.com.br
  59. 59. HISTÓRICO DO GRUPOAGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  60. 60. CompanyLOGO HISTÓRICO DO GRUPO A AGEMAR é um grupo econômico que atua no setor de logística e operações portuárias no Estado de PE, há mais de 25 anos, possuindo uma elevada conceituação no mercado. O Grupo procura diversificar as suas atividades atuando, hoje, em seis vertentes desse setor, sendo elas: Locação de Containers; Locação de Equipamentos; Operações Portuárias; Postos de Combustíveis; Logística e Armazenagem; Transporte Marítimo. A empresa iniciou as suas atividades em 1983 operando no Porto do Recife, 60 www.company.com www.agemar.com.br
  61. 61. CompanyLOGO HISTÓRICO DO GRUPO por meio de serviços de carga e descarga de navios, assim como ova e desova de containers e agenciamento marítimo. Priorizando sempre por atender aos seus clientes com o máximo de eficiência possível, a AGEMAR sempre operou com equipamentos de última geração para a movimentação de grãos, cargas unitizadas, entre outras. A fim de prestar serviços com agilidade e segurança. Em 1997 a AGEMAR constituiu a sua unidade de armazenagem, localizada nas proximidades do Porto do Recife, tendo por objetivo a movimentação,armazenagem e gerenciamento de cargas. Atualmente essa unidade de negócio encontra-se em um alto estágio de desenvolvimento, possuindo um complexo de mais de 18.000 m2 de área coberta e pátio de estacionamento. Oferecendo serviços desde emissão de warrant à integração porto-armazém. 61 www.company.com www.agemar.com.br
  62. 62. CompanyLOGO HISTÓRICO DO GRUPO No ano de 2001 o Grupo decidiu partir para um novo desafio na área de comércio de combustíveis, por meio da operação do único posto de Combustível (bandeira Branca) da ilha de Fernando de Noronha, além da operação de um outro posto na cidade do Recife (bandeira BR). Dois anos após o empreendimento na área de combustíveis, em 2003, a AGEMAR adquiriu a representação das empilhadeiras Linde, consideradas como as melhores do mundo, nos Estados de AL, PB, PI, PE, RN e MA. Por meio desta parceria vários valores foram agregados à empresa, pois além de comercializá-las no mercado o Grupo vende, também, as suas peças e presta serviços de manutenção e locação. No ano seguinte, em 2004, a AGEMAR teve a visão de fazer o transporte de 62 www.company.com www.agemar.com.br
  63. 63. CompanyLOGO HISTÓRICO DO GRUPO combustíveis a fim de abastecer seu posto em Fernando de Noronha, passando a partir daí a oferecer mais um serviço aos seus clientes, o de transporte marítimo. No arquipélago de Noronha, além de atender a demanda de seu posto de combustíveis, oferece esse serviço de igual modo à aeronáutica e à Neoenergia, fazendo assim uma economia de escala no que concerne ao transporte marítimo. Por fim, em 2006, a AGEMAR realizou o seu mais recente empreendimento cuja idéia foi uma inovação para o NE, uma vez que essa atividade é recente no Brasil, aproximadamente dez anos. A locação de containers para uso habitacional, modelando-os conforme a necessidade do cliente, podendo servi-los como escritórios, dormitórios, banheiros,etc. 63 www.company.com www.agemar.com.br
  64. 64. DESCRIÇÃO DO GRUPOAGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  65. 65. CompanyLOGO DESCRIÇÃO DO GRUPO O Grupo AGEMAR é composto das seguintes empresas:  Razão Social: AGEMAR TRANSPORTES EMPREENDIMENTOS LTDA  CNPJ: 08.745.465/0001-83  Razão Social: DIX EMPREENDIMENTOS LTDA  CNPJ: 04.409.762/0001-05  Razão Social: RECIFE ARMAZENS GERAIS LTDA  CNPJ: 02.151.955/0001-75 65 www.company.com www.agemar.com.br
  66. 66. CompanyLOGO DESCRIÇÃO DO GRUPO  Setor de Atividade: Prestadora de serviço/comercial  Constituição Jurídica: Sociedade Limitada  Estrutura Tributária: Lucro Real  Número de Funcionários: 100  Receita Bruta em 2008: R$ 22.020.085  Sede: Recife - PE 66 www.company.com www.agemar.com.br
  67. 67. CompanyLOGO COMPOSIÇÃO DO CAPITAL Empresas R$ mil % Agemar Transportes e Empreendimentos Ltda Manoel Carvalho Ferreira da Silva Júnior 1.800 90% Manoel Carvalho Ferreira da Silva 100 5% Maria de Fátima Ventura Ferreira da Silva 100 5% Total 2.000 100% Dix Empreendimentos Ltda Agemar Transportes e Empreendimentos Ltda 194 97% Companhia Agropecuária Sofermasa 6 3% Total 200 100% Recife Armazéns Gerais Ltda Agemar Transportes e Empreendimentos Ltda 477 90% Manoel Carvalho Ferreira da Silva Júnior 53 10% Total 530 100% 67 www.company.com www.agemar.com.br
  68. 68. CompanyLOGO ORGANOGRAMA - GRUPO Agemar Transportes e Empreendimentos Ltda. 97% 90% Dix Empreendimentos Recife Armazéns Ltda. Gerais Ltda. 68 www.company.com www.agemar.com.br
  69. 69. CompanyLOGO ORGANOGRAMA - GRUPO Manoel Ferreira Presidente Manoel Neto João Paulo Diretor Diretor Ricardo Ferro Bruno César Ger. Adm/Fin. Controller Renildo Quaresma Fernando Fragoso Arlindo Santos Roberto Cunha Luiz Carlos Ger. Operações Ger. Manutenção. Ger. Postos Ger. Comercial Ger. Armazéns 69 www.company.com www.agemar.com.br
  70. 70. PLANO DE MARKETINGAGEMAR – LOCAÇÃO DE CONTAINERS BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  71. 71. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers O negócio de locação de containers móveis transformado para fins de utilização como dormitórios, escritórios, banheiros , entre outros é recente no Brasil, tem aproximadamente 10 anos. Há atualmente no mercado cerca de 10.000 unidades para esse fim, segundo informações da Container utilizado como escritório CBC – Câmara Brasileira de Contêineres. A atividade de containers transformados cresce de uma maneira relativamente proporcional ao 71 www.company.com www.agemar.com.br
  72. 72. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers desenvolvimento da indústria de construção civil, servindo como um serviço de apoio. Embora esteja em fase de adaptação ao mercado, pelo fato de ser um produto novo, esse tipo de serviço encontra-se disseminado não só no ramo da construção civil, como também no setor de eventos. Container utilizado como WC em eventos 72 www.company.com www.agemar.com.br
  73. 73. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers . Puma Container Store Visão lateral da Puma Container Store 73 www.company.com www.agemar.com.br
  74. 74. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers Atualmente a AGEMAR exerce sua atividade de locação de containers no Estado de PE, sendo a líder do mercado, com cerca de 30% de participação, em um patamar muito próximo pela Embralog e Piraju, com aproximadamente 28% e 15% de participação, respectivamente. Em seu processo de expansão a AGEMAR visa penetrar no mercado da BA, por ser o maior mercado consumidor da região NE e pela oportunidade de estabelecer uma parceria com um dos seus principais concorrentes estabelecendo assim o seu campo de atuação nos dois maiores Estados da região .O foco da atividade de locação de containers é dar suporte a indústria de construção civil, desta forma uma breve análise desse setor é necessária. 74 www.company.com www.agemar.com.br
  75. 75. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers Na construção civil a utilização de containers vem sendo adotada como uma substituição à utilização dos antigos barracões, servindo como dormitórios e banheiros para os operários e escritórios para os engenheiros, devido a segurança, praticidade, higienização e rapidez proporcionadas por esse serviço. Obras públicas em shoppings, por exemplo não permitem mais a construção de barracões em madeira. Constituindo-se uma tendência de mercado. O setor de construção civil encontra-se em ascensão na região metropolitana do Recife, segundo dados da FIEPE o nível de oferta cresceu na ordem de 74% no período de set/07 à set/08, sendo o mercado 75 www.company.com www.agemar.com.br
  76. 76. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers classificado em sua fase atual como “dobrado”. A quantidade de lançamentos em 2008 foi de, aproximadamente, 6.000 unidades, um recorde histórico. O índice de velocidade de vendas comprova a evolução. Índice de velocidade de vendas de imóveis residenciais na região metropolitana do Recife em (%) 7,5 6,3 4,7 4,4 3,6 2004 2005 2006 2007 2008 Fonte: FIEPE 76 www.company.com www.agemar.com.br
  77. 77. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers Market-share do mercado de locação de conteiners em PE 7,00% 10,00% 30,00% 10,00% 15,00% 28,00% Agemar Embralog Piraju Algisa Etil Outros Fonte: Pesquisa direta 77 www.company.com www.agemar.com.br
  78. 78. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers INVESTIMENTOS em PE - PAC em R$ (milhões) Eixo Empreendimentos exclusivos Empreendimentos de caráter regional 2007 à 2010 Pós 2010 2007 à 2010 Pós 2010 Logística 1.772,30 4.500,00 Energética 10.519,60 3.075,00 1.236,10 1.078,60 Social e Urbana 4.380,60 4.818,40 Total 16.672,50 3.075,00 19.747,50 10.554,50 1.078,60 11.633,10 INVESTIMENTOS na BA - PAC em R$ (milhões) Eixo Empreendimentos exclusivos Empreendimentos de caráter regional 2007 à 2010 Pós 2010 2007 à 2010 Pós 2010 Logística 3.304,80 4.700,00 Energética 6.117,10 1.740,00 3.906,00 1.242,00 Social e Urbana 6.666,30 14,00 Total 16.088,20 1.740,00 17.828,20 8.620,00 1.242,00 9.862,00 Fonte: Ministério Planejamento 78 www.company.com www.agemar.com.br
  79. 79. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers Mensurar precisamente o crescimento desse setor não seria muito plausível, uma vez que essa indústria depende da inutilização dos containers de carga que possuem uma vida útil de 15 anos, média, e não há como sondar no mercado o tempo já depreciado desse imobilizado atual. Há inclusive uma certa dificuldade de aquisição de containers inutilizados no mercado, justamente pelo fato da demanda ser maior que a oferta. Para solucionar esse problema, a formação de parcerias estratégicas é fundamental, em virtude disso, a AGEMAR visa adquirir cerca de 100 containers em parceria com a Embralog e iniciar as suas atividades no Estado da Bahia, por ser o Estado mais desenvolvido da região NE e pelos 79 www.company.com www.agemar.com.br
  80. 80. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers empreendimentos de construção civil que serão realizados por parceiros da Embralog. Além de expandir as suas atividades no demais Estados do NE, a medida que surjam novas oportunidades de aquisições de containers inutilizados. Segundo critérios estatísticos há uma correlação muito forte entre o PIB e a taxa de crescimento da indústria de construção civil, cujo índice é de 0,94. Desta forma, pode-se dizer que a variação dessa taxa corresponde, proporcionalmente a evolução do PIB, portanto a aplicação de uma regressão linear a fim de obter uma projeção do crescimento dessa indústria é plausível. 80 www.company.com www.agemar.com.br
  81. 81. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Containers Taxa de crescimento Regressão Linear y = 2,0945x - 0,0556 Ano PIB Construção 8,0% R² = 0,8882 2001 1,3% -2,1% 2002 2,7% -2,2% 6,0% 2003 1,1% -3,3% 2004 5,7% 6,6% 4,0% Série1 2005 3,2% 1,2% 2006 3,8% 4,5% 2,0% Linear (Série1) 2007 5,4% 5,0% 2008 5,60% 6,17% 0,0% 2009 1,70% -2,00% 0,0% 1,0% 2,0% 3,0% 4,0% 5,0% 6,0% 2010 3,80% 2,40% -2,0% 2011 4,05% 2,92% 2012 4,20% 3,24% -4,0% 2013 4,20% 3,24% 81 www.company.com www.agemar.com.br
  82. 82. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Análise Porter’s 5 Forces Ameaça de novos entrantes A Locação de containers ALTA – Mercado promissor NE, podendo a qualquer tempo um grande player de SP vir atuar na região. Poder de barganha fornecedores H Rivalidade existente Poder de barganha clientesBAIXO – Trata-se de um mercado, onde MÉDIA – Atualmente há 4 players de BAIXO – Esse mercado é , em essência,utiliza-se, basicamente, produtos equivalente porte atuando nesse mesmo cartelizado, desse modo a influênciainutilizados. mercado. externa é irrelevante. Ameaça de produtos substitutos Ç BAIXA – Uma vez que trata-se de um serviço inovador. 82 www.company.com www.agemar.com.br
  83. 83. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de containers Análise PEST POLITICAL ECONOMIC SOCIAL TECHNOLOGICAL Decisões políticas Mercado consumidor de Serviço pioneiro no mercado Processos manuais . influenciam, indiretamente , o médio porte – região NE . NE. Servindo de alternativa negócio. para o setor da construção Instalações precárias. Elevado volume (giro) de civil, assim como para as Uma vez que fatores como prestação de serviços. festas e eventos locais, investimentos governamentais provindo-os de dormitórios e ou decisões conectadas com Prestação de serviços em banheiros a um preço a infra-estrutura local e ascensão, devido ao cenário acessível. construção civil , estão, prospectivo promissor da diretamente convergindo com economia local. o negócio de locação de containers. Mercado de elevadas margens. 83 www.company.com www.agemar.com.br
  84. 84. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING PLACE Análise 4 P’s Locação de containers Localiza-se em um mercador promissor PE/NE. Visando o PROMOTION mercado da BA. PRICE Divulgação por meio Estratégia de de revistas setoriais. paridade dos preços, devido a natureza desse mercado. PRODUCT Serviço inovador, mas ainda em fase de adaptação pelo mercado. 84 www.company.com www.agemar.com.br
  85. 85. PLANO DE MARKETINGAGEMAR – LOCAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  86. 86. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Máquinas e Equipamentos Há, aproximadamente, três anos a AGEMAR, iniciou as suas atividades nesse setor, por meio de uma parceria com a Linde Material Handling. Obtendo desse modo a sua representação na região NE do País, exceto nos Estados da BA, CE e SE. A Linde MH é considerada como um dos maiores players desse mercado sendo reconhecida mundialmente pela excelência em qualidade e seu alto nível tecnológico. Essa parceria proporcionou uma economia de escala para o Grupo AGEMAR, pois ela gera receitas com venda de máquinas, venda de peças, serviços de manutenção e aluguel de máquinas. 86 www.company.com www.agemar.com.br
  87. 87. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Máquinas e Equipamentos O universo dos equipamentos para construção e logística é dos mais importantes para a economia. É composto por empresas globalizadas, a maioria com fábricas instaladas no país que atendem ao mercado interno e externo, com uma vasta rede de vendas e distribuição, além de manutenção, locação e treinamento que formam a engrenagem sobre a qual o setor se movimenta. Esse setor representa 13% do PIB da construção no Brasil, que por sua vez representa 4,5% do PIB Nacional. Demonstrando, desse modo, a importância do mesmo para a economia, como também a forte relação com a atividade econômica nacional. 87 www.company.com www.agemar.com.br
  88. 88. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Máquinas e Equipamentos Mesmo adotando uma previsão cautelosa, com indicativos de menor crescimento da economia nos próximos dois anos, a Sobratema (Sociedade Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção) prevê um crescimento gradual e significativo para esse setor, já a partir de 2010. 6,5% 5,9% 4,8% 3,2% 2010 2011 2012 2013 Fonte: Sobratema 88 www.company.com www.agemar.com.br
  89. 89. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Máquinas e Equipamentos Atualmente a Linde detém 7,7% de market-share na região NE, situando-se na 5ª posição entre os grandes players em virtude do seu preço, o qual é o mais elevado entre os seus concorrentes devido a diferenciação do seu grau tecnológico. As características que fazem das empilhadeira Linde as mais bem sucedidas do mundo são: Tração hidrostática; Sistema de pedal duplo; Excelente ergonomia; Deslocamento sem solavancos e saltos; Blindagem total do sistema, entre outros. - 89 www.company.com www.agemar.com.br
  90. 90. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de Máquinas e Equipamentos Mercado de Empilhadeiras NE 8% 21% 29% 24% 12% 6% Linde STILL YALE PALETRANS Clark Hyster Fonte: Linde 90 www.company.com www.agemar.com.br
  91. 91. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Análise Porter’s 5 Forces Ameaça de novos entrantes A Locação de Máquinas e BAIXA – Uma vez que os grandes players equipamentos já atuam nesse mercado há um certo tempo. Poder de barganha fornecedores H Rivalidade existente Poder de barganha clientesALTO – Pois trata-se de uma MÉDIA – Há clientes de porte inferior no MÉDIO – Apesar de haver váriosrepresentação das empilhadeiras mais mercado, porém fatores como preço os concorrentes, trata-se de um produtoconceituadas no mundo. fazem obter um bom market share. diferenciado Ameaça de produtos substitutos Ç BAIXA – Não há vislumbres de produtos com características semelhantes aos de uma empilhadeira. 91 www.company.com www.agemar.com.br
  92. 92. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Locação de máquina e equipamentos Análise PEST POLITICAL ECONOMIC SOCIAL TECHNOLOGICAL Barreiras a produtos Retomada do crescimento do Máquinas que não poluem o Alto nível de tecnologia; importados por meio da PIB favorecem as expectativas meio-ambiente. elevação dos Impostos de de vendas. Profissionais altamente importação e o incentivo da qualificados e treinados para produção nacional podem Controle da taxa de cambio serviços de manutenção. influenciar negativamente o na faixa de R$ 2, 35 favorece negócio. a viabilidade do produto no BR. 92 www.company.com www.agemar.com.br
  93. 93. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING PLACE Análise 4 P’s Locação de máquinas e equipamentos Atua em um mercado em forte expansão (NE). PROMOTION PRICE Mala direta é a Alto preço é a maior estratégia utilizada, por dificuldade p/ utilizar um critério crescimento das altamente seletivo. vendas. PRODUCT Possui elevado conceito no mercado . 93 www.company.com www.agemar.com.br
  94. 94. PLANO DE MARKETINGAGEMAR – OPERAÇÕES PORTUÁRIAS BUSINESS PLAN - AGEMAR BUSINESS PLAN - AGEMAR
  95. 95. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Operações Portuárias A operação portuária pode ser definida como o conjunto de todas as operações para realizar a passagem da mercadoria desde o transporte marítimo até o transporte terrestre e vice-versa. O objetivo da operação portuária é sempre de buscar a maior eficiência e eficácia. Em outras palavras, isso quer dizer minimizar os custos de Carga de navios transporte e armazenagem, e aumentar o fluxo. 95 www.company.com www.agemar.com.br
  96. 96. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Operações Portuárias Pode-se dividir a operação portuária em dois grandes itens: 1.Operação Principal 2.Operações Complementares A operação principal consiste em o movimento próprio da mercadoria (carga, descarga, armazenagem, e liberação perante a Receita Federal). Algumas operações complementares são a identificação da mercadoria, os despachos aduaneiros, o reconhecimento de avarias, e os sistemas de informação, entre outros. 96 www.company.com www.agemar.com.br
  97. 97. CompanyLOGO PLANO DE MARKETING Operações Portuárias Pode-se estabelecer 4 tipos de operações. São eles/ Operações de Carga Geral, Cargas Unitizadas, Granéis Sólidos, e Granéis Líquidos. Carga Geral: carga embarcada, com marca de identificação e contagem de unidades, podendo ser soltas ou unitizadas; Soltas (não unitizadas): itens avulsos, embarcados separadamente em embrulhos, fardos, pacotes, sacas, caixas, tambores etc. Este tipo de carga gera pouca economia de escala para o veículo transportador, pois há significativa perda de tempo na manipulação, carregamento e descarregamento provocado pela grande quantidade de volumes. 97 www.company.com www.agemar.com.br

×