Relatório

14.027 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.027
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
119
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório

  1. 1. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação Índice A.Introdução.................................................................................................................................2 B.Sinopse......................................................................................................................................3 C.Ficha técnica..............................................................................................................................3 D. Orientação/Intervenção Psicopedagógica...............................................................................5 1.Conceito de Orientação.........................................................................................................5 A Orientação é um processo de ajuda contínuo, dirigido a todas as pessoas, em todos os seus aspectos, com o objectivo de potenciar o desenvolvimento Humano ao longo de toda a vida. Deve ser considerada como parte integrante do processo educativo, que implica e que deve chegar a todas as pessoas em todos os aspectos durante todo o ciclo vital. (Bisquerra, 2006)........................................................................................................................................5 2.Conceito de Intervenção.......................................................................................................5 3. Diferença entre Orientação e Intervenção ..........................................................................6 4. Cruzamento entre Orientação e Intervenção.......................................................................7 5. Agentes.................................................................................................................................7 6. Modelos................................................................................................................................9 7. Áreas ..................................................................................................................................10 9. Onde...................................................................................................................................11 10. Quando.............................................................................................................................11 Noah e Allie conhecem-se a 6 de Junho de 1940, quando Allie tinha 17 anos. Vivem durante esse Verão o seu amor, até Allie voltar para a sua cidade e ir para a faculdade....................11 11. Para quem .......................................................................................................................12 12. Porquê..............................................................................................................................12 D.Conclusão................................................................................................................................15 F. Anexos....................................................................................................................................16 G. Bibliografia.............................................................................................................................17 1 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  2. 2. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação A. Introdução Este trabalho realiza-se no âmbito das disciplinas de Intervenção Psicopedagógica na População Idosa e Recursos Tecnológicos e Formação do Curso de Psicopedagogia Clínica da Universidade Lusófona do Porto. O objectivo deste trabalho é realizar uma Intervenção Psicopedagógica na população idosa com base no filme “Diário da nossa paixão”, onde uma das personagens principais sofre da doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer é uma doença do cérebro (morte das células cerebrais e consequente atrofia do cérebro), progressiva, irreversível e com causas e tratamento ainda desconhecidos. Começa por atingir a memória e, progressivamente, as outras funções mentais, acabando por determinar a completa ausência de autonomia dos doentes. A velhice é um período de declínio caracterizado por dois aspectos: a senescência e a senilidade. A senescência é o período em que os declínios físicos e mentais são lentos e graduais, ocorrendo em alguns indivíduos na casa dos 50 e em outros, depois dos 60 anos. A senilidade refere-se à fase do envelhecer em que o declínio físico é mais acentuado e é acompanhado da desorganização mental. Aqui, também, se encontram as diferenças entre as pessoas; algumas tornam-se senis relativamente jovens, outras antes dos 70 anos, outras, porém, nunca ficam senis, pois são capazes de se dedicarem a actividades criativas que lhes conservam a lucidez até a morte (Rosa, 1983). O envelhecimento é, como refere Jacob, «…um processo biológico progressivo e natural, caracterizado pelo declínio das funções celulares e pela diminuição da capacidade funcional que é vivido de forma variável consoante o contexto social de cada indivíduo». (Salgueiro e Faria, 2005, pág. 37). A Psicopedagogia inserida no contexto do idoso visa promover neste actividades que permitam minimizar os seus problemas e maximizar as suas capacidades. É importante que o psicopedagogo desenvolva programas individuais, de grupo ou mesmo comunitário que reformulem os conceitos ligados ao envelhecimento, para que acabem os preconceitos relacionados com esta idade. 2 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  3. 3. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação B. Sinopse Numa clínica geriátrica, Duke, um dos internos que relativamente está bem, lê para uma interna (com um quadro mais grave) a história de Allie Hamilton e Noah Calhoun, dois jovens enamorados que em 1940 se conheceram num parque de diversões. Eles foram separados pelos pais dela, que nunca aprovaram o namoro, pois Noah trabalhava num depósito de madeira e era oriundo de uma família sem recursos financeiros. Para evitar qualquer aproximação, os pais de Alie a mandam para longe. Por um ano Noah escreveu para Allie todos os dias mas não obteve resposta, pois a mãe dela interceptava as cartas de Noah para a filha. Crendo que Allie não estava mais interessada nele, Noah escreveu uma carta de despedida e tentou se conformar. Allie durante anos esperou notícias de Noah, mas desistiu ao conhecer um charmoso oficial, Lon Hammond Jr., que serviu na 2ª Grande Guerra (assim como Noah) e pertencia a uma família muito rica. Ele pede a mão de Allie, que aceita, mas o destino a faria se reencontrar com Noah após 7 anos afastados. Como seu amor por ele ainda existia e era recíproco, ela precisa escolher entre o noivo e seu primeiro amor. C. Ficha técnica Título Original: The Notebook Género: Romance Tempo de Duração: 121 minutos Ano de Lançamento (EUA): 2004 Site Oficial: www.thenotebookmovie.com Estúdio: New Line Cinema / Gran Via / Avery Pix Distribuição: New Line Cinema / Warner Bros. Direcção: Nick Cassavetes Roteiro: Jeremy Leven, baseado em livro de Nicholas Sparks Produção: Lynn Harris e Mark Johnson Música: Aaron Zigman 3 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  4. 4. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação Fotografia: Robert Fraisse Desenho de Produção: Sarah Knowles Edição: Alan Heim Efeitos Especiais: Custom Film Effects / Bob Shelley's Special Effects International Inc. Elenco: Ryan Gosling – Noah Calhoun Rachel McAdams – Allie Hamilton James Garner – Duke (Noah idoso) Gena Rowlands – Allie Calhoun (Allie idosa) Sam Shepard – Frank Calhoun Joan Allen – Anne Hamilton John Hamilton – David Thornton Ed Grady – Harry Starletta DuPois – enfermeira Esther Jennifer Echols – enfermeira Selma James Marsden – Lon Hammond Jr. Kevin Connolly – Fin Heather Wahlquist – Sara Tuffington Jamie Brown – Martha Shaw Premiações: Ganhou 2 prémios no MTV Movie Awards, nas categorias de Melhor Revelação Feminina (Rachel McAdams) e Melhor Beijo (Ryan Gosling e Rachel McAdams). Foi ainda indicado na categoria de Melhor Actriz (Rachel McAdams). 4 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  5. 5. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação D. Orientação/Intervenção Psicopedagógica 1. Conceito de Orientação A Orientação é um processo de ajuda contínuo, dirigido a todas as pessoas, em todos os seus aspectos, com o objectivo de potenciar o desenvolvimento Humano ao longo de toda a vida. Deve ser considerada como parte integrante do processo educativo, que implica e que deve chegar a todas as pessoas em todos os aspectos durante todo o ciclo vital. (Bisquerra, 2006) Segundo as circunstâncias a orientação pode atender preferencialmente a alguns aspectos em particular: educativos, vocacionais, pessoais, sociais, entre outros (áreas de intervenção), sendo que a identidade da Orientação consiste na integração de todos os aspectos numa unidade de acção coordenada. Trata-se de uma tarefa cooperativa, que deve considerar-se como parte principal do processo total da educação e deve ser responsável perante o indivíduo e a sociedade. Tem como objectivos desenvolver ao máximo a personalidade, conseguir auto- Orientação, auto-compreensão e aceitação própria, atingir a maturidade para a tomada de decisões educativas e vocacionais, conseguir adaptação, ajustamento e aprendizagem óptima no percurso educativo e combinar os aspectos anteriores. Segundo Martínez Clares (2002), a Orientação é um processo de acção contínuo, dinâmico, integral e integrador, dirigido a todas as pessoas, em todos os âmbitos, fases e contextos ao longo de todo o seu ciclo vital e com um carácter fundamentalmente social e educativo. Parte de uma postura holística, compreensiva, ecológica, crítica e reflexiva. Não só deve ajudar, mas também mediar, inter-relacionar e facilitar distintos processos de transformação e/ou mudança social. 2. Conceito de Intervenção A Intervenção é um processo especializado de ajuda que, em grande medida, coincide com a prática da Orientação. Portanto, se propõe a complementar ou suplementar o ensino tradicional. É realizado por um profissional qualificado, ou por um profissional supervisionado por este. Procura implicar professores, pais e a comunidade. O propósito pode ser correctivo, de prevenção ou de desenvolvimento. (Bisquerra, 2006). 5 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  6. 6. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação Partindo da ideia de De Charms (1971), intervir é entrar dentro de um sistema de indivíduos em progresso e participar, de forma cooperativa, para os ajudar a planificar, conseguir e/ou mudar os seus objectivos – colaboração e transformação social. “Intervir” (do latim, interventio) significa “vir entre”, “interpor-se”, por vezes sinónimo de “intromissões”, “meter-se em”, “intercessão”, “ajuda”, “apoio”, “consenso”, “imiscuir-se”, “influência”, “intrusão”, “coacção”, “repressão”, “restabelecimento da ordem estabelecida” (Ardoino, 1980). Outro sinónimo de intervir é “colocar-se no meio”, o que significa fazer a mediação entre a pessoa e o seu meio. Um dos objectivos da Psicopedagogia é a intervenção, isto é, fazer a mediação entre o idoso e os ses objectos de conhecimento. Num sentido mais específico, fala-se de intervenção como uma interferência que um profissional (educador ou terapeuta) realiza sobre o processo de desenvolvimento e/ou aprendizagem do sujeito, o qual pode estar apresentado problemas. Na intervenção, o procedimento adoptado interfere no processo, com o objectivo de compreende-lo, explicita-lo ou corrigi-lo. Introduzir novos elementos para o sujeito pensar poderá levar à quebra de um padrão anterior de relacionamento com o mundo das pessoas e das ideias. 3. Diferença entre Orientação e Intervenção A Orientação vai mais além da Intervenção Psicopedagógica. Pode-se considerar que existem certos processos de ajuda, que se englobam dentro da Orientação e que não se consideram como Intervenção Psicopedagógica. Por exemplo, a função Orientadora dos Professores e a acção tutorial A Orientação é entendida em sentido amplo, a qual inclui uma dimensão teórica e uma dimensão prática. A esta última, por vezes, denomina-se Intervenção. Por outro lado a Intervenção Psicopedagógica vai mais além da Orientação quando se ocupa do tratamento individualizado. A questão da intervenção deve sempre aparecer ligada à do diagnóstico, pois um bom diagnóstico é fundamental para uma boa intervenção. É necessário conhecer as características do idoso para ajudar o profissional a planejar a intervenção, que é feita em virtude dessas características. A distinção entre orientação e intervenção aparece por volta dos anos 50/60. A Intervenção possui uma conotação de “casos problema”, sejam eles de aprendizagem, 6 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  7. 7. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação de adaptação, etc… Remete para a produção de um problema e para a procura de soluções mediante processos especializados, diz respeito a programas de prevenção e desenvolvimento e, recentemente, utiliza-se não num sentido terapêutico, mas preventivo (cresce, então, a coincidência com a prática da Orientação). 4. Cruzamento entre Orientação e Intervenção Intervenção às vezes utiliza-se como sinónimo de Orientação, outras como sinónimo de tratamento de casos problema. O termo Intervenção utiliza-se também no sentido que não o terapêutico mas sim preventivo, nesse sentido tende a coincidir com a prática da Orientação. A estes dois termos tem se dado, em muitas ocasiões, um significado similar, mas quando se tenta precisar cada um, existe ligeiras diferenças entre eles. Orientação e Intervenção têm muitos elementos em comum, mas não coincidem totalmente. A Intervenção tem um desvio face à atenção às Necessidades Educativas Especiais, mas não se limita a elas; também há intervenções para a prevenção e desenvolvimento, sendo aqui que as duas dimensões se cruzam. Existe um cruzamento entre a Orientação e a Intervenção. Cruzamento Orientação/Intervenção 5. Agentes 1) Principais • Allie Hamilton – Calhoun: jovem proveniente de uma família rica, com uma vida muito ocupada e com o dia todo programado ao pormenor, sendo os pais que faziam as escolhas importantes por ela (exemplo: escolha da faculdade). Nos tempos livres pintava e tocava piano. 7 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  8. 8. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação Encontrou o grande amor da sua vida aos dezassete anos, e apesar das adversidades e dos caminhos diferentes que percorreram, sete anos mais tarde casaram. Em idosa encontra-se num lar, pois possui doença de Alzheimer. • Noah Calhoun: jovem proveniente de uma família monoparental patriarca pobre, trabalhava no depósito de madeira, mas ao contrário da Allie era livre e tinha a vida que queria. Apaixonou-se pela Allie à primeira vista e fez tudo para a conquistar. Em idoso vive no lar, para estar perto e cuidar da esposa, apesar dela não se lembrar dele, e por isso lia para ela, a sua história de amor, para tentar que ela se lembre do passado. Apresenta alguns problemas de saúde, consultando o médico, pois nos últimos 18 meses teve dois ataques cardíacos. 2) Secundários • Anne Hamilton: mãe da Allie, preocupada com o futuro da filha e com aquele amor de verão e por isso proibi-a de namorar com o Noah, pois este era pobre e afasta-o dele. Contudo, sete anos mais tarde, encoraja-a a seguir o seu coração, entregando-lhe as 365 cartas do Noah que escondeu durante sete anos. • John Hamilton: pai da Allie, não tão autoritário como a mãe, mas influenciado por esta, deixando-a tomar as decisões importantes da vida da Allie. • Frank Calhoun: pai do Noah que encoraja o amor dos dois, estando sempre do lado do filho ajudando-o a concretizar os seus sonhos. • Enfermeira Esther: é cuidadora da Allie idosa, enquanto esta vive no lar, sempre preocupada em restringir ao máximo o sofrimento desta. • Fin: amigo do Noah que trabalhava com ele no deposito de madeira, que namorava com a amiga da Allie, e marca o primeiro encontro do Noah com a Allie, sem nenhum dos dois saber. • Lon Hammond Jr.: jovem rico, que se apaixona pela Allie e pede-lhe em casamento. No fim dá-lhe opção de escolher com quem ela quer passar o resto dos seus dias. 8 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  9. 9. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação 6. Modelos De acordo com Baric (1985), “um modelo delimita um enquadramento conceptual, identificando os métodos apropriados para atingir as metas definidas.” Tones (1990) sugere que a característica mais importante é a “posse de um corpo teórico sólido, juntamente com o código de conduta associado à autonomia dada às profissões” pois, de acordo com o autor, é a teoria e a consciência da contribuição num determinado campo que constituem a pratica eficiente. Os dois idosos principais da história tem diferentes problemas, logo tem de se aplicar diferentes modelos. • No caso do Noah, que apresenta problemas cardíacos e consciência da sua doença, podemos aplicar os seguintes modelos: Abordagem educacional: Propõe-se a conceder à pessoa idosa informações, conhecimentos e compreensão sobre as questões de saúde, o que lhes possibilita a tomada de decisões conscientes. Os idosos é ajudado a explorar as suas atitudes, valores e crenças sobre a saúde e apoiado a fazer escolhas esclarecidas para assim poder fazer as suas escolhas de saúde baseando-se na informação que lhe é fornecida e desenvolver capacidades para explorar os seus valores e atitudes face à saúde. O modelo centrado no utente: Tem como objectivo ajudar o idoso a identificar as suas próprias preocupações e a potenciar o controlo sobre a sua saúde. É o próprio utente que identifica as questões e acções de saúde, e o trabalho é feito segundo a agenda deste. Como o utente já faz a medicação recomendada, é apenas necessário assegurar que foi-lhe atribuída toda a informação para que este compreenda o porquê da medicação, e assim faça as acções conscientemente. • Já para a Allie, como tem Alzheimer, não é possível trabalhar segundo as suas crenças e valores. É sim necessário trabalhar com ela continuamente e diariamente, para que evolução da doença seja retardada. Podemos assim usar o seguinte modelo: O modelo de empowerment: Este modelo baseia-se numa abordagem invertida que requer diferentes capacidades por parte do promotor de saúde. A formação por empowerment requer que trabalhemos com as pessoas idosas para desenvolver as 9 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  10. 10. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação nossas atitudes, permitindo-nos transferir o poder das mãos de profissionais como os promotores de saúde para as mãos das pessoas idosas. Para usar o modelo de self-empowerment na prática, os promotores de saúde podem atender a algumas das seguintes questões: o Ajudar as pessoas a modificar a forma como se sentem consigo próprio, a serem positivas relativamente à sua vida e à sua saúde; o Aumentar a sua auto-estima e auto-consciência; o Permitir que se corram riscos; o Agir como negociador; o Valorizar o conhecimento, capacidades e sistema de valores das pessoas idosas e encorajá-las a valorizarem-se a si próprias; o Ter consciência das razões que levam as pessoas idosas ou comunidade a resistir à doença; o Tratá-las como iguais a cooperar de igual para igual; o Encorajar a auto-eficácia. 7. Áreas As áreas são um conjunto de temáticas de conhecimento de formação e de intervenção, entendida como aspectos essenciais a considerar na formação dos orientadores. A partir dos anos 60 apareceu uma nova área de intervenção, não tão ligada aos processos educativos, a área de orientação para a prevenção e desenvolvimento humano, que apresenta características distintas das anteriores. Esta área dá mais enfoque ao desenvolvimento de habilidades de vida, de habilidades sociais, à educação para a saúde, à orientação para o desenvolvimento humano, etc. Estes são alguns dos aspectos em que podemos intervir com idosos, e a esta a área de referência. 8. Contextos 10 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  11. 11. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação Organizações: Enquanto idosos, Allie e Noah vivem num lar de idosos, devido à doença de Allie. As causas que levam ao internamento podem ser agrupadas em três categorias: médicas, sociais e económicas. As médicas consistem basicamente na deterioração física ou cognitiva que aumentam o estado de dependência dos idosos e dificultam a realização em forma autónoma das actividades da vida diária ou diminuem sua capacidade funcional. As causas sociais provêm dos estados de solidão, carência de família ou redes sociais, desintegração da família e esgotamento familiar para fazer frente às necessidades de atenção para os idosos, especialmente quando as doenças destes passam a ser de longa duração. Dentre os problemas económicos, que incidem na deterioração do nível de vida pode-se considerar a perda de seu poder aquisitivo, a impossibilidade de se alimentar adequadamente, de pagar serviços, de atender deterioração da moradia, etc. Como Allie tem Alzheimer, todas estas dimensões são afectadas. Porque Noah não quer estar longe da esposa, apesar de puder cuidar de si próprio, e apesar dos esforços dos filhos para que este vá viver com eles, vive no lar juntamente com Allie. 9. Onde Este filme passa-se, em grande parte, em Seabrook, onde Noah vive, e Allie foi passar férias de verão, antes de entrar para a faculdade. É em Seabrook que se conhecem e que se desenrola o seu amor. E é aqui também que casam e vivem juntos, na casa que Noah reconstruiu, até irem para o lar de idosos, também este em Seabrook. 10. Quando Noah e Allie conhecem-se a 6 de Junho de 1940, quando Allie tinha 17 anos. Vivem durante esse Verão o seu amor, até Allie voltar para a sua cidade e ir para a faculdade. Em 1941 Noah vai para o exército, e em 1943, quando Allie está no seu 3º ano da faculdade, faz voluntariado como enfermeira na guerra e conhece Lon Hammond Jr., por quem mais tarde se apaixona e fica noiva. 11 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  12. 12. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação Quatro anos mais, em 1947, Allie procura Noah, pois viu uma reportagem no jornal que dizia que Noah tinha reconstruído uma casa histórica em Seabrook, e que essa casa estava para venda. É aqui que se lembram do seu antigo amor, sendo incapazes de resistir a uma nova oportunidade. Em 2004 vivem os dois no lar de idosos. 11. Para quem A orientação é para todas as pessoas ao longo da sua vida, não somente as que têm problemas. Assim, a intervenção não é só direccionada aos idosos, como é necessária também uma intervenção para a família de Allie, não só para o marido, como também para os filhos e netos, para os ajudar a conviver com a doença de Alzheimer. É importante alertar a família para as consequências da doença, e ajuda-los a conviver com o facto de Allie não se lembrar deles nem do seu passado. 12. Porquê A finalidade da orientação Psicopedagógica é o desenvolvimento integral da pessoa; o que remete para a necessidade de uma orientação para a prevenção e para o desenvolvimento Humano. Terapias: Terapia ocupacional: consiste na integração de modelos e práticas específicas com métodos e teorias de outras escolas psicoterapeutas, orientando para um tratamento muito focado na acção. A palavra actividade é assim usada num sentido muito amplo, que abrange desde a avaliação ao tratamento. Engloba actividades de vida diária, de grupo, de análise entre outros. O tratamento envolve a aprendizagem através da acção, analisando situações de vida familiar que permitem identificar áreas de maior dificuldade, de forma a desenvolver comportamentos mais eficazes e adequados. Segundo a teoria da Ocupação Humana (Kielhonfner, 1985) a construção da saúde reside no facto de se estar ocupado, quer seja em actividades de vida diária, no trabalho ou em actividades retreativas. As teorias humanísticas de Rogers (1961) e Maslow (1968) têm sido incorporadas na filosofia deste tipo de tratamento, ao reconhecerem e aceitarem o direito do doente se 12 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  13. 13. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação mover de acordo com as determinações e as limitações das suas próprias potencialidades, independentemente dos seus níveis das suas disfunções físicas ou psicológicas. As actividades escolhidas para o tratamento em terapia ocupacional, sejam individuais sejam em grupo, terão de ter em conta se o idoso sofre de uma doença funcional ou orgânica jogando-se a sua eficiência na capacidade de saber adoptar a cada momento os objectivos e as actividades às diferentes necessidades destes doente, mantendo os seus níveis funcionais, com a melhoria da qualidade de vida. Estas abordagens terapêuticas podem ser utilizadas tanto para a Allie, como para o Noah, pois ambos se encontram num lar de idosos. Assim o objectivo desta terapia é manter os idosos ocupados em actividades motivadoras, para que possam se abstrair dos seus problemas. Terapias individuais: baseiam-se nas actividades criativas e expressivas que permitem a cada indivíduo redescobrir-se e expressar-se a si próprio adicionando um novo sentido à vida criando uma sensação de bem-estar. Trata-se de uma terapia fundamentalmente não verbal que envolve modalidades e actividades sensoriais (música e arte), em contraste com as formas de terapia mais tradicionais. Fundamenta-se numa intervenção holística, cujo tratamento envolve os idosos na sua dimensão física, psicológica, social, intelectual e espiritual em simultâneo. No que se refere à Musicoterapia, esta é usada de forma controlada no tratamento, reabilitação, educação e treino de adultos, que sofrem de perturbações físicas mentais e emocionais. A utilização da musicoterapia em grupos de idosos é considerada terapêutica, melhorando a existência diária. A Arteterapia é um processo artístico em si mesmo é terapêutico pelo autodomínio, responsabilidade, controlo, escolha e decisões que estão envolvidas em qualquer trabalho criativo. Estas duas terapias foram escolhidas pelo facto de Allie, enquanto jovem, pintar nos seus tempos livres, e também tocar piano. Estas são actividades que, para além de serem indicadas para o tratamento de perturbações físicas, mentais e emocionais (musicoterapia) e permitirem a descoberta de aspectos do self que estão bloqueados (arteterapia), estão intimamente ligadas à vida passada da idosa. Tratamento psicológico: as abordagens psicológicas desenvolvem-se de acordo com as diferentes necessidades e características dos idosos. Neste caso importa destacar a orientação na realidade e a terapia de validação. No que se refere à orientação na 13 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  14. 14. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação realidade o alvo da intervenção será o idoso com défice cognitivo, com objectivo de orientação e independência. A terapia de validação tem como objectivo a partilha de sentimentos e destina-se a idosos com demência, neste caso a Allie que possui demência de Alzheimer. 14 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  15. 15. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação D. Conclusão Á medida que a doença de Alzheimer progride os doentes acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza -se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as actividades elementares do quotidiano, como alimentação, higiene, vestuário, etc. É aqui que a Psicopedagogia Clínica tem um papel fundamental, aplicando exercícios de estimulação (ver anexo) para tentar retardar a evolução da doença. A Psicopedagogia clínica é uma área de orientação e intervenção, com carácter multidisciplinar, que possibilita o contacto com populações de diferentes faixas etárias em diferentes meios e instituições, onde actua directamente com o ser humano, tendo sempre em conta que a pessoa está em constante desenvolvimento e consequentemente em construção, biopsicossocial e noológica. O psicopedagogo dá especial atenção ao cuidar do outro, e à relação de ajuda, numa perspectiva de manter ou aumentar a auto-estima e a autoconfiança, questionando-se no que pode ajudar e como o pode ajudar, assim como que outros profissionais poderão colaborar nessa relação de ajuda. Segundo Bossa (2000) “ a Psicopedagogia nasceu da necessidade de compreender melhor o processo de aprendizagem e os factores que nele interferem”. A Psicopedagogia inserida no contexto do idoso visa promover neste actividades que permitam minimizar os seus problemas e maximizar as suas capacidades. É importante que o psicopedagogo desenvolva programas individuais, de grupo ou mesmo comunitário que reformulem os conceitos ligados ao envelhecimento, para que acabem os preconceitos relacionados com esta idade. Além disso, é necessário promover actividades que conduzam os Idosos a focos de motivação e interesse relacionados com a sua vida, auxiliando na busca de novos interesses e desafios, para lenificar o processo demencial a que todos, após a reforma, estão expostos. Por fim e não menos importante, desenvolver programas que levem a 15 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  16. 16. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação estilos de vida mais saudáveis, apostando na educação física associada a uma alimentação correcta. Resumindo, o objecto da Psicopedagogia é o “SER” que aprende; enquadrado no seu processo de construção de conhecimento e o seu objectivo é facilitar a construção do “EU” pluridimencional, nas suas vertentes biológica, psicológica, social, noológica e biográfica. “A Psicopedagogia tem uma realidade de aplicação bastante vasta e complexa” (Guimarães Lopes, 2001, p. 15). F. Anexos • Intervenção Psicopedagógica no Alzheimer. 16 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009
  17. 17. Intervenção Psicopedagógica na População Idosa & Recursos Tecnológicos e Formação G. Bibliografia • Baric, L. (1985). The meaning of words: health promotion. Journal or the Institute of Health Education. • Berger, L.; Pourier, Mailloux, D., (1995). Pessoas idosas, uma abordagem. Lisboa, Lusadidacta • Bisquerra, R, (2006). Modelos de Orientação e Intervenção Piscopedagógica. Bilbau , Walters Kluwer. Espanha, S.A. • Costa, M. (1999). O idoso Problemas e Realidades. Coimbra: Formasau • Jacob, L., (2007). Animação de Idosos. Porto: Editora Ambar • Kielhofner, G. (1985). A model of human occopation theory and application. Williams and Wilkins, Baltimore. • Lima, M., (2006). Posso Participar? Actividades de desenvolvimento pessoal para Idosos. Porto: Editora Ambar • Lopes, G. (2001). Revista da Universidade Moderna do Porto. Colecção de estudos Psicopedagógicos • Maslow, A. (1968). Toward a Psychology of being. Princeton, Van Nostrad. • Paul, M. C., (1997). Lá para o fim da vida – Idosos, Família e Meio ambiente. Coimbra: livraria Almedina. • Rogers, C. (1961). Becoming a person: a therapist’s view of psychotherapy. Boston: Houghton Mifflin. • Tones, K. (1990). The theory of health promotion: implications for nursing. Macmillan, Basingstoke. 17 Psicopedagogia Clínica, 3.º Ano Porto/2009

×