BULLYING       Bullying é um termo inglês, sendo uma forma de abuso psicológico, físico esocial. Acto de violência físico-...
BULLYING   Este acto horrendo cometido pelos agressores acarreta consequências negativaspara as vítimas, tais como: perda ...
BULLYING           Estratégias centradas na promoção de competências sociais e na formação           cívica e educativa do...
BULLYINGIntervenção Psicopedagógica para a vítima        Em primeiro lugar temos que ter em conta a sua história de vida ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bullying

2.263 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bullying

  1. 1. BULLYING Bullying é um termo inglês, sendo uma forma de abuso psicológico, físico esocial. Acto de violência físico-psicológico, esta acção discriminatória ocorre sobretudodurante a adolescência. Este fenómeno consiste em comportamentos agressivosexercidos por um indivíduo ou grupo de indivíduos. Estudiosos aceitam geralmente que o bullying contenha três elementosessenciais – o comportamento é agressivo e negativo; o comportamento é executadorepetidamente; o comportamento ocorre num relacionamento onde existe umdesequilíbrio de poder entre ambas as partes envolvidas. Podemos classificar cinco tipos de bullying:  Físico – recurso à violência física  Verbal – recurso à violência verbal  Relacional/ racial – exclusão de grupos sociais/ comportamentos racistas  Sexual – utilização de comentários sexuais e até mesmo contactos sexuais  Cyberbullying – difamação com recurso às novas tecnologias (hi5, facebook, my sspace, msn…). Normalmente existem três tipos de pessoas envolvidas nesta situação de violência,são elas, espectador, a vítima e o agressor. O espectador não interfere, omite pormedo de represália ou não tem coragem de assumir a identidade do agressor. Emsuma vê o agressor maltratar a vítima mas não denuncia. A vítima é frágil, insegura,isolada da sociedade o que a impede de pedir ajuda. A vítima vai dando sinais de quealgo está a correr mal, no que se refere ao contexto familiar, a vítima apresenta sinaisde evitação para ir à escola. O agressor por norma é antipático e arrogante. Estepossui dificuldades emocionais, no que se refere ao seu quadro familiar normalmentehá uma história de violência associada, ou seja, uma criança com comportamentosagressivos convive com violência por perto. O agressor geralmente padece derelacionamento afectivo. Na generalidade tem dificuldade em respeitar ordens,dificuldades na inserção social, problemas de relacionamento afectivo e social,dificuldade de auto-controlo e possui comportamentos anti-sociais
  2. 2. BULLYING Este acto horrendo cometido pelos agressores acarreta consequências negativaspara as vítimas, tais como: perda de auto-confiança, perda de auto-estima, falta deconcentração e como consequência extrema o suicídio. Os pais têm um papelpreponderante nestes casos, pois têm de estar atentos ao comportamentomanifestado pelos filhos - o diálogo é crucial. Devem ajudar a vítima a defender-se dosagressores, a transmitir-lhe confiança, compreensão e acima de tudo estarão semprepresentes para a apoiar. Normalmente quando falamos de bullying associamos, ao contexto escolar, masestá errado, pois o bullying pode acontecer em qualquer lugar, basta haver o agressorque pode ser possível em qualquer lugar, e a qualquer momento. É certo que o maiscomum é existir Bullying na escola, mas também existe bullying em contexto dotrabalho, nas redes socais através da internet, entre outros. No que se refere ao bullying em contexto escolar - os professores, os funcionáriostêm um papel muito importante. Devem estar sempre vigilantes para estas situações.A vítima na maioria das vezes passa a ter menor rendimento escolar, o seurelacionamento social e familiar é afectado, podendo a longo prazo estar associado àdepressão. No mundo actual, quando falamos em novas tecnologias, temos que referirobrigatoriamente as redes socais – quase todos vêm nestas redes a possibilidade defazer novas amizades, mas na verdade estas redes escondem malefícios. Os exemplosdisso são as mensagens ameaçadoras, provocantes, intimidativas. Neste caso descobriro agressor torna-se bastante difícil. Os pais devem estar constantemente atentos ànavegação por parte dos filhos na Internet – segurança online. Em suma este tema é bastante actual, pois está infelizmente presente noquotidiano escolar das crianças e jovens, engane-se quem pensa que apenas ocorreem escolas públicas, e em estratos sociais mais desfavorecidos – é um problemaglobal. Sendo este um problema grave, a Intervenção torna-se essencial, não podemosperder mais tempo, temos que agir.!Intervenção Psicopedagógica com carácter preventivo
  3. 3. BULLYING Estratégias centradas na promoção de competências sociais e na formação cívica e educativa dos alunos Campanhas de sensibilização no ambiente de sala de aula, alunos, professores e pais. Distribuição de flyres Workshop Intervenção Psicopedagógica para o agressor  Em primeiro lugar temos que ter em conta a sua história de vida – anamnese  Estudar o contexto familiar, escolar e social  Traçar o perfil do agressor pode recorrer-se à observação directa ou indirecta e à elaboração de teste psicológicos Tendo em conta todos os dados anteriores delineamos uma proposta deintervenção, para o agressor e para a famíliaExemplos de algumas actividades a realizar com o agressor: Técnicas de relaxamento Técnicas para manter o auto-controlo Implementação de regras, condutas a seguir Promover o diálogo Aprender a lidar com os sentimentos Entre outros
  4. 4. BULLYINGIntervenção Psicopedagógica para a vítima  Em primeiro lugar temos que ter em conta a sua história de vida – anamnese  Estudar o contexto familiar, escolar e social  Traçar o perfil do agressor pode recorrer-se à observação directa ou indirecta e à elaboração de teste psicológicos Tendo em conta todos os dados anteriores delineamos uma proposta deintervenção, para a vítima e para a família. Exemplos de algumas actividades a realizar com a vítima: Promover a auto-confiança Promover a auto-estima Fomentar estratégias de defesa quando em contacto com o agressor Entre outras Autoria Helena Dias

×