1Acompanhamento Psicológico em contexto de domicílio e as suas              particularidades.  Abordagens Psicoterapêutica...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                              2                                   ...
3Intervenção Psicológica                                 Rui Grilo - Psicólogo                                            ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                             4             Avaliação Psicológica d...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                5 ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                            8     ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                14...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspectiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                               16...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                                                                  ...
A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento                           18                                     ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

acompanhamento psicológico em contexto de domicílio e as suas particularidades. abordagens psicoterapêuticas - Rui Grilo

1.944 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.944
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

acompanhamento psicológico em contexto de domicílio e as suas particularidades. abordagens psicoterapêuticas - Rui Grilo

  1. 1. 1Acompanhamento Psicológico em contexto de domicílio e as suas particularidades. Abordagens Psicoterapêuticas Rui Grilo Setembro 2012
  2. 2. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 2 Rui Grilo - Psicólogo Clínico “There are possibilities for growth and change throughout life, including old age.” Robert N. Butler
  3. 3. 3Intervenção Psicológica Rui Grilo - Psicólogo Clínicono domicilio Perspectiva Institucional Perspectiva Privada ▫ Serviço de Apoio Domiciliário (SAD); ▫ Solicitado pelo próprio e/ ou familiar ▫ Interdisciplinaridade e trabalho em (cuidador) de referência. equipa (importância da psicologia); Avaliação Global ▫ Anamnese ▫ Exame Físico ▫ Exame mental ▫ Avaliação Funcional (AVD; AIVD) José Ermida, 1994
  4. 4. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 4 Avaliação Psicológica do Idoso Rui Grilo - Psicólogo Clínico▫ Avaliação/ diagnóstico▫ Planeamento de Intervenção▫ (re) Avaliação e (re) definição de estratégias▫ Recuperação e reposição do equilíbrio mental Luís Jerónimo, 2000
  5. 5. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 5 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAcompanhamento psicológico no domicilio(Notas Terapêuticas) • Domicílio – Contexto privilegiado para a Intervenção da Psicologia, já que fornece várias indicações que poderão levar à compreensão dos sintomas e do sofrimento do idoso. • “…o DOMICÍLIO do paciente tende a tornar-se o foco e a possibilidade de uma intervenção e assistência mais humanizada…” (Leite, E; 2002), onde o idoso passa a ter uma participação ativa – Empowerment – no seu processo de reabilitação, bem como no planeamento e na execução dos cuidados VS MODELO HOSPITALAR • O Contexto sugere : fonte de segurança e uma possibilidade de autonomia, de mudança e de auto estima. No domicílio, consegue-se perceber a dinâmica familiar de uma forma mais precisa, bem como, todos os aspetos que possam parecer insignificantes mas que poderão ter um elevado grau de importância, e que raramente acontecem no meio institucional.
  6. 6. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 6 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAcompanhamento psicológico no domicilio(Notas Terapêuticas - Continuação) • Aquando das deslocações do psicólogo ao domicilio do paciente, terá que se considerar: • NÃO impor as suas ideias e valores, uma vez que os idosos apresentam IDEAIS E CRENÇAS muito próprias, com a sua forma de viver em família, (horários de refeições diferentes e com gostos pessoais de arrumação de casa). • O psicólogo deverá respeitar as ideias do paciente, nunca esquecendo que numa fase inicial, poderá ser considerado como um INTRUSO num espaço que não é seu. • Neste contexto existe um NÍVEL ELEVADO DE INTRUSÃO, MAS existe uma tendência natural para que O VÍNCULO paciente/idoso seja mais conseguido, mas que também necessita de um maior controlo por parte do profissional. • O Psicólogo deverá transmitir uma imagem de PROFISSIONALISMO tanto ao idoso como à família, já que a ida do psicólogo ao domicílio não constitui uma VISITA SOCIAL, e se necessário, este deverá colocar limites se perceber que a família pretende que o relacionamento ultrapasse o campo profissional (ex: não rejeitar café ou chá, mas manter postura profissional)
  7. 7. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 7 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAcompanhamento psicológico no domicilio(Notas Terapêuticas - Continuação) • CONTEXTO PSICOTERAPÊUTICO VS CONTEXTO DOMICILIO Contexto Psicoterapêutico – o setting está claramente definido à priori existindo uma série de regras. Contexto Domicilio – o setting é imprevisível, já que está repleto de limitações, quer em termos de lugar, tempo, constância. - O psicólogo raramente sabe em que local da casa se vai fazer o atendimento, já que vai depender da vontade do idoso. - São os idosos ou familiares que darão as diretrizes de: onde o psicólogo se senta, se pode ou não utilizar a casa de banho, entrar no quarto, enfim, na intimidade da família. Com o decorrer das visitas domiciliárias, vão-se criando alguns rituais por parte dos idosos, já que por vezes, a cadeira do psicólogo já está no sítio da última visita, os pertences do técnico já tem local onde ficar, etc …
  8. 8. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 8 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAcompanhamento psicológico no domicilio(Notas Terapêuticas - Continuação) • O psicólogo não consegue controlar todas as variáveis que circundam o ambiente, já que poderão ocorrer inúmeras interferências como: ▫ o telefone ou a campaínha a tocar, ▫ a televisão poderá estar ligada no momento do acompanhamento psicológico; ▫ poderão estar presentes no domicílio mais que uma pessoa, etc. • Nem sempre o técnico pode seguir o que estava previsto inicialmente em termos do: ▫ número de sessões a efectuar, ▫ o horário e o tempo de cada sessão ▫ A desmarcação de sessões deverá acontecer antecipadamente, evitando a criação de expectativas • O Sigilo Profissional é também relevante, contudo não é raro ser quebrado, já que determinados atendimentos podem acontecer num determinado espaço do domicílio em que poderá estar presente um familiar ou uma visita do paciente.
  9. 9. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 9 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAcompanhamento psicológico no domicilio(Notas Terapêuticas - Continuação)• FARMACOLOGIA - o psicólogo depara-se nas visitas domiciliárias com frequentes solicitações da pessoa idosa, no sentido de auxílio na compreensão da medicação. Então, independentemente das doenças orgânicas ou psíquicas, o técnico deverá possuir um conhecimento dos fármacos mais utilizados pelos idosos, e perante o surgimento de dúvidas, deverá ler em voz alta as indicações terapêuticas do fármaco, esclarecendo quais os efeitos secundários, e quais os intervalos diários que devem decorrer entre a toma do mesmo. (Exemplo)• Psicologia é importante ao nível do suporte emocional, mas também é importante ao nível da promoção de competências sociais.• Possíveis encaminhamentos para unidades de saúde, também serão aspectos a considerar pelo técnico caso sejam necessárias, já que ele terá uma relação privilegiada com o paciente e poderá actuar de uma forma mais rápida e efectiva.
  10. 10. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 10 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoCaracterísticas do Psicólogo• Características do envelhecimento normal: modificações biológicas, psicológicas e sociais.• Ter a Percepção dos problemas sociais, familiares e físicos subjacentes à terceira idade, como o luto, perda de papeis, dor, perturbações do sono, etc.• Deverá sem dúvida alguma, estar disponível para trabalhar em equipa, INTERDISCIPLINARIEDADE• Deverá ter a capacidade para transmitir informação, tendo para isso que adoptar uma postura empática e ser paciente. Essa informação deverá ser concretizada com frases curtas e com linguagem adaptada ao idoso, elevando se necessário, o tom de voz.• Não deverá formular objectivos terapêuticos nem muito limitados, nem muito abrangentes, tendo a capacidade de manter o optimismo terapêutico.• Estar disponível para explorar os seus afectos acerca do envelhecimento, e a reflectir com o idoso, as dúvidas que os mesmos têm em relação aos profissionais mais jovens e à sua sabedoria.• Deverá evidenciar alguma flexibilidade, autoconfiança, autocontrolo, capacidade de análise, capacidade de comunicação, capacidade de concentração, capacidade de observação, equilíbrio emocional, método, sentido de ética e sentido de responsabilidade• Consiga conviver com situações dolorosas, como o sofrimento intenso e diário, e todos os aspectos que envolvem a morte.
  11. 11. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 11 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoPatologias mais frequentes • As patologias e as sintomatologias disruptivas que se verificam nas pessoas idosas, passam maioritariamente por situações com uma componente depressiva e ansiogénica demarcada, bem como, situações associadas a psicoses de inicio tardio e demências (Alzheimer, …). • A depressão poderá não ser diagnosticada nem tratada, já que é considerada “normal” no idoso. Por vezes, esta depressão pode ser uma resposta pouco adequada às perdas sucessivas do envelhecimento, ou poderá ser o resultado da incapacidade do indivíduo em fazer os lutos do seu longo historial de vida. Muitas vezes, esta depressão está mascarada por sintomas físicos, e pode assumir a forma de comportamentos parasuicidários (não comer ou beber). • Outra das patologias predominantes na terceira idade, são as demências que “…caracterizam-se pelo desenvolvimento de défices cognitivos múltiplos (incluindo diminuição de memória) …”, (D.S.M. IV, 1994.), sendo a mais frequente, a doença de Alzheimer (irreversível, não existido regressão dos sintomas, e geralmente a evolução dá-se continuamente ao longo do tempo. Existe uma deterioração progressiva principalmente da parte intelectual e cognitiva.
  12. 12. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 12 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAbordagens psicoterapêuticas • ABORDAGEM INTEGRATIVA - Tem em conta o funcionamento global e as várias vertentes relacionadas com o paciente. Através desta perspectiva, pretende-se autonomizar o idoso, reforçar a auto estima e valorização pessoal tendo como base a complementaridade de várias vertentes psicoterapêuticas. • COGNITIVO COMPORTAMENTAL -, emoções, afectos, sentimentos, comportamentos, pensamentos, …. • PSICODINÂMICA – Modelo Relacional, fundado nos princípios da Escola das Relações Objectais, segundo Messer e Warren (1995), e com base nos trabalhos de Melanie Klein, Fairbairn e Winnicott. • ênfase ás relações objectais como centrais, atribuindo mais importância à experiência, à relação interpessoal e ao “aqui e agora”, • prioridade à relação terapêutica e aos padrões de relacionamento interpessoal que o paciente estabelece, tendo o terapeuta, uma postura de observador participante. • Foco ao nível da escuta activa da pessoa idosa. – Memórias e recordações • Deverão ser utilizadas estratégias flexíveis, adaptadas a cada caso e às necessidades do paciente. Essas técnicas poderão variar desde uma componente de suporte, até uma mais expressiva. • Acrescenta-se igualmente a componente reflexiva, na medida em que facilitará o processo de consciencialização do problema e das relações estabelecidas anteriormente, que por qualquer motivo, se verificaram patologizantes.
  13. 13. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 13 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoAbordagens psicoterapêuticas (continuação) • abordagem direccionada para a técnica da comunicação face a face, em que neste diálogo, as questões do terapeuta têm o objectivo principal de levar o paciente a questionar as suas emoções e expectativas, associando-as às experiências de vida. • Na abordagem psicodinâmica, “…a unidade básica de estudo não é o indivíduo como uma entidade separada, cujos desejos se chocam com a realidade externa, mas um campo interaccional dentro do qual o indivíduo surge e luta para fazer o contacto e para se articular.” Oliveira (1999). • Transferência e Contratransferência • Processo Terapêutico Frustrante e Moroso • Credibilidade. • Nº de sessões – Semanais/ Quinzenais julgo ser indicadas sessões semanais numa fase inicial. • Psicoterapia Breve não implica necessariamente um numero mínimo de sessões • Tempo das sessões – 60 a 90m
  14. 14. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 14 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoObstáculos à terapia PSICÓLOGOS • Preconceitos: A pessoa idosa é considerada Senil, Rígido nos pensamentos e formas de agir, é desvalorizado e excluído. • Confronto com estes preconceitos e ideias pré concebidas – consequentemente existe pouco investimento terapêutico. IDOSOS • Falta de conhecimento do que é o acompanhamento psicológico. Existe a ideia pré estabelecida, que estas áreas são dirigidas apenas para pessoas que têm doenças mentais mais graves, e que uma “simples” depressão, não será o suficiente para levar o idoso a procurar ajuda profissional. • O Pagamento das sessões pode ser um obstáculo uma vez que as pensões de reforma são em geral bastante baixas. • Deverá avaliar-se caso a caso, contudo defende-se sempre um valor a atribuir, mesmo que simbólico. • A cultura do fármaco está muito enraizada na nossa sociedade, substituindo o acto de sentir….
  15. 15. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 15 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoProcesso de Motivação • Motivação – “ Trata-se naturalmente de motivação relativa, que pode ser aumentada, mantida ou diminuída, em virtude do vínculo estabelecido com o terapeuta” (Yoshida, E., 2001). • Esta motivação terá a ver com o estabelecimento de uma Aliança Terapêutica, que tem um papel fundamental neste tipo de abordagem. (estudo) • O terapeuta deverá saber colocar-se de forma empática e acolhedora com o paciente, facilitando as suas exposições, verbalizações e reflexões. O estar disponível, atento, num processo de Escuta Activa e interessado na história pessoal da pessoa idosa, aumentará consequentemente a motivação do mesmo, na medida em que, este sentirá que poderá confiar os seus segredos mais íntimos a alguém especializado e competente. • O terapeuta e o idoso deverão partilhar a responsabilidade na resolução da situação e na minimização do sofrimento, trabalhando em colaboração e complementaridade. Deverão juntar-se em qualquer decisão que seja tomada. • Assim, em psicoterapia, “…a escuta é mais importante do que a fala. Na realidade, a maioria das formas de falar do terapeuta durante a hora destinam-se a demonstrar que ele escuta.” (McWilliams, N., 2006).
  16. 16. A Perspectiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 16 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoProcesso de Mudança • Qualquer terapia bem sucedida, independentemente da abordagem escolhida, implica uma Mudança no cliente • A mudança decorre de uma “experiência emocional correctiva”. Por isto, entende-se uma nova exposição do paciente, em contexto terapêutico, a situações emocionais não superadas anteriormente. • Assim, a pessoa poderá rever as atitudes e expectativas que tinha relativamente ao problema e aos outros, podendo confrontá-las e adequá-las à sua nova realidade. À medida que essa mudança vai ocorrendo, o seu comportamento com os outros vai ser alterado, e provavelmente, eles também reagirão de forma diferente, reforçando diferentes níveis de funcionamento da pessoa, como a auto confiança, valorização pessoal, atitudes relativamente ao futuro, etc. • O conceito de mudança implica acréscimos e somas àquilo que somos, à nossa identidade, e não subtracções. • No idoso, não se pode apagar ou esquecer factos traumáticos, experiências angustiantes, aprendizagens adquiridas. Colaborar com este esquema, será potenciar o sofrimento e a dor psíquica. A mudança, implica a faculdade de olharmos para o nosso interior e exterior através de novos ângulos, sem menosprezar toda a experiência pessoal adquirida e utilizada anteriormente. (Belas, J., 2002)
  17. 17. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 17 Rui Grilo - Psicólogo ClínicoTemáticas frequentes em terapia • REFORMA - “…marca a desocupação de papeis sociais activos e apresenta-se como a abertura da porta de acesso à velhice, sobretudo porque o estatuto de reformado é associado à perda de importância social e de poder.” (Sousa, L. et al, 2004). • DOENÇA - Os idosos sofrem de múltiplas doenças e incapacidades, e o estar doente na velhice, implica quase sempre uma associação com a morte. Muitas das sintomatologias apresentadas pelos idosos têm uma origem psicossomática. • DEPENDENCIA E AUTONOMIA - o idoso é dependente porque necessita da ajuda de outro para alcançar um nível aceitável de satisfação das suas necessidades, por outro lado, deixa de ter a sua autonomia, na medida em que deixa de ter um papel tão importante na escolha das suas decisões e escolhas. (Sousa, L. et al, 2004). • SOLIDÃO - Está associado em grande parte ao isolamento social e à perda de papéis sociais. Está também muito associada à viuvez, que é grande parte responsável por este sentimento. A morte do cônjuge é talvez o acontecimento mais significativo e inevitável na velhice. • MORTE - A aproximação da Morte e o pensar neste assunto, ocupa mais tempo ao idoso que outra temática qualquer. • ALTERAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL - pode ser percepcionada pelo idoso como algo de muito angustiante e penoso.
  18. 18. A Perspetiva da Psicologia no Processo de Envelhecimento 18 Rui Grilo - Psicólogo Clínico “ Se a montanha não vai a Maomé, vai Maomé à montanha”. Rui Grilo Adaptação de provérbio grego rui_miguel_grilo@hotmail.com

×