APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS

167 visualizações

Publicada em

APRESENTAÇÃO MOSTRA DE FORMA DIDÁTICA O QUE SÃO AS FINANÇAS SOLIDÁRIAS NO BRASIL

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
167
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
111
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS

  1. 1. Apoio:
  2. 2. FINANÇAS SOLIDÁRIAS As diversas formas de finanças solidárias revelam uma rica experiência de organização na base, ao longo das últimas décadas, para o apoio e crédito a projetos produtivos de indivíduos, empreendimentos e comunidades que geralmente enfrentavam dificuldades para acessar o sistema financeiro. Foi para superar estas dificuldades que nasceram iniciativas como os bancos comunitários, os fundos rotativos solidários, e as entidades que atuam com microcrédito produtivo.
  3. 3. O acesso ao crédito é também uma demanda prioritária da economia solidária, evidenciada pelos dados do primeiro Mapeamento Nacional, e também pelas resoluções da CONFERÊNCIA NACIONAL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA e pela instituição do Comitê Temático de Crédito e Finanças Solidárias, dentro do Conselho Nacional de Economia Solidária - CNES. Desde 2004, a SENAES/MTE vem apoiando projetos de finanças solidárias e estimulando o debate junto a bancos públicos e outras entidades sobre a criação de linhas direcionadas para segmentos específicos (como as empresas recuperadas) e de fundos solidários em geral, enquanto alternativas de crédito na economia solidária.
  4. 4. Em 2005, foi declarado pela ONU, o Ano Internacional do Microcrédito, foi formado um GT Interministerial, coordenado pelo Secretário Nacional de Economia Solidária, Paul Singer, para a elaboração de uma política nacional de microcrédito. Foi também no âmbito destas discussões que foi elaborado o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo e Orientado PNMPO, instituído por Lei Federal em dezembro de 2005 e hoje parceiro do Programa Economia Solidária em Desenvolvimento.
  5. 5. OBJETIVO O objetivo principal da ação de Fomento às Finanças Solidárias é apoiar a Criação e o Fortalecimento Institucional de bancos comunitários de desenvolvimento e de fundos rotativos solidários, com vistas ao financiamento de iniciativas produtivas associativas e comunitárias, além de propiciar que se ofereçam diagnóstico, acompanhamento e assistência técnica aos projetos financiados.
  6. 6. PRINCIPAIS AÇÕES Convênios com entidades que atuam como Bancos Comunitários para o desenvolvimento de atividades de formação, equipagem e divulgação junto à população local, visando o financiamento e desenvolvimento de iniciativas produtivas. Convênios com entidades que já mantêm Fundos Rotativos Solidários ou ainda que têm plano para criá-los, visando oferecer crédito, acompanhamento e assistência técnica a iniciativas associativas e comunitárias de produção de bens e serviços.
  7. 7. PRINCIPAIS AÇÕES Articulação e acordos de cooperação com bancos públicos para que disponibilizem recursos financeiros não reembolsáveis à entidades que atuam com fundos rotativos solidários. Seleção dos projetos de fundos rotativos solidários a serem apoiados por um Comitê Gestor, formado por bancos públicos, SENAES/MTE e entidades do campo da economia solidária e de finanças solidárias.
  8. 8. QUAIS SÃO OS TIPOS DE FINANÇAS SOLIDÁRIAS?
  9. 9. COOPERATIVAS DE CRÉDITO Uma cooperativa de crédito nada mais é do que uma instituição financeira formada por uma sociedade de pessoas, com forma jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos e não sujeita à falência. Quando um grupo de pessoas constitui uma cooperativa de crédito, o objetivo é propiciar crédito e prestar serviços de modo mais simples para seus associados (por exemplo: emprestar dinheiro com juros bem menores e com menos exigências do que os bancos comuns). Podem ser Cooperativas de Crédito (capitalistas ou solidárias).
  10. 10. CLUBES DE TROCA SOLIDÁRIA Os clubes de trocas reúnem moradores de uma comunidade para o intercâmbio de produtos, serviços ou saberes entre si. Cada grupo estabelece sua metodologia e os períodos de reuniões que podem ser semanais, quinzenais ou mensais. O mercado de trocas conta com a figura dos “prossumatores”, participantes que são ao mesmo tempo produtores e consumidores. As feiras promovem a cooperação porque são uma alternativa ao desemprego e criam benefícios para todos os integrantes. O sistema favorece ainda a cultura de consumo consciente e fortalece as relações comunitárias.
  11. 11. FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS São fundos mantidos por entidades da sociedade civil ou organizações comunitárias e destinados ao apoio de projetos associativos e comunitários de produção de bens e serviços. Por meio dos fundos rotativos solidários, investem-se recursos na comunidade, através de empréstimos com prazos e reembolsos mais flexíveis e mais adaptados às condições socioeconômicas das famílias empobrecidas beneficiadas nos projetos.
  12. 12. BANCO COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO Ainda não existe no Brasil um marco regulatório próprio para os Bancos Comunitários e as finanças solidárias. Nesta ausência, os Bancos Comunitários devem ficar atentos para algumas normas vigentes. Rede Brasileira de Bancos Comunitários
  13. 13. “Os bancos comunitários de desenvolvimento são serviços financeiros solidários em rede de natureza associativa e comunitária, voltados para a geração de trabalho e renda na perspectiva da reorganização das economias locais, tendo por base os princípios da Economia Solidária. Tendo como objetivo dinamizar as economias locais, promover o desenvolvimento do território e fortalecer a organização comunitária a partir da oferta de serviços financeiros”. Rede Brasileira de Bancos Comunitários BANCO COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO
  14. 14. Conjunto Palmeiras, Fortaleza-CE • Fundado em 1998 • Lastro inicial de R$ 2.000,00 BANCO PALMAS
  15. 15. MOEDAS SOCIAIS BRASILEIRAS Qual o papel da moeda social neste processo? - Como circula? Eloísa Primavera e Marusa Freire Morador-banco-comerciante-banco-morador
  16. 16. SÃO JOSÉ SÃO RAFAEL LAGOA DE DENTROMUÇUMAGRO POMBAL MOEDAS SOCIAIS PARAIBANAS
  17. 17. • 51 Bancos Comunitários 2009 •118 Bancos Comunitários 2016 BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA O BRASIL
  18. 18. OBRIGADO! “Ninguém supera a pobreza sozinho” Prof. Paul Singer
  19. 19. CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO Site: http://www.cpcc.webnode.com.br Email: cpcc.org.br@gmail.com Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148

×