A sociedade e as organizações

3.565 visualizações

Publicada em

Primeira parte da aula sobre conceitualização das organizações sociais.

Publicada em: Ciências
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
94
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A sociedade e as organizações

  1. 1. A sociedade e as organizações DIAS, Reinaldo. Sociologia das organizações. São Paulo: Atlas, 2008.
  2. 2. Objetivos da Aula • Compreender o surgimento das organizações como reflexo de nossa necessidade de viver em grupo • Apreender a importância das organizações para a vida humana • Conceituar as organizações • Apreender os principais tipos de organizações • Compreender metáforas a partir das quais interpretar as organizações
  3. 3. O ser humano e a vida em grupo
  4. 4. Organização e grupo social ..os seres humanos [...] gradativamente foram resistindo aos outros predadores e aprendendo que, como indivíduos isolados, não teriam grandes chances de sobrevivência. [...] como um ser social que é, o homem passou a caçar em grupos, constituindo-se essa prática uma condição essencial para a sua existência. [...] foram organizando melhor as atividades de caça, com o estabelecimento de funções diferentes para cada divisão de tarefas, que poderiam ser executadas numa determinada sequência, o que permitia um melhor rendimento do grupo. [...]. Este aprendizado inicial, de que um grupo poderia alcançar objetivos e metas que não atingiria sozinho, se estendeu para outras situações que não a obtenção de alimentos. E assim, com o aumento da complexidade das sociedades humanas, foram se constituindo inúmeros grupos sociais organizados para a realização de tarefas específicas. Deste modo surgiram as organizações. (p. 17).
  5. 5. Germe das organizações – principais características As primeiras organizações significativas das quais temos notícias foram as organizações militares e religiosas. [...]. Com o crescente aumento populacional, e consequentemente com a necessidade de regulamentar a convivência humana nos núcleos urbanizados, surgiram as organizações governamentais. [...]. Essas primeiras organizações tinham em comum [1] o cumprimento de objetivos perfeitamente determinados, [2] a divisão de tarefas e funções entre seus membros e [3] a existência de um conjunto de normas e regras específicas que eram obedecidas por seus integrantes. (p. 17-8)
  6. 6. Empresa – foco do estudo da sociologia das organizações [...] nosso objetivo é o estudo das modernas organizações, e neste sentido todas elas (as atuais) sofreram a influência dos complexos processos que surgiram com a Revolução Industrial. É nesse período, histórica e geograficamente determinado (final do século XVIII na Inglaterra e século XIX no restante da Europa e Estados Unidos), que surge um tipo de organização econômica dos mais importantes: a empresa, que no seu início era identificada exclusivamente com a fábrica. (p. 18)
  7. 7. Protoestrutura da empresa A empresa, quando surgiu, era uma instituição que pertencia a uma pessoa ou a um pequeno grupo, que também possuía o capital necessário, as máquinas para produzir mercadorias, e estas eram produzidas para um mercado cada vez mais amplo e abstrato. Para a produção dessas mercadorias, era necessário o emprego de trabalhadores, para manipularem as máquinas, e outros empregados que controlassem os operários, capatazes, por exemplo. (p. 18)
  8. 8. Centralidade da empresa na sociedade moderna [...] em outras áreas aparecem também formas de organização de complexidade crescente, e que de uma forma ou de outra terão na empresa uma referência no que diz respeito a sua estrutura. Assim, os empresários (ou patrões ou industriais) e os operários (proletários) formam o núcleo desta organização (a fábrica) à qual vão se incorporando gradativamente outras posições sociais, como técnicos e empregados administrativos. Esta forma de organização expandiu-se por toda parte durante os séculos XIX e XX, e em função de seu sucesso fez com que outras organizações adquirissem formas empresariais. (p. 19)
  9. 9. A importância das organizações
  10. 10. Proliferação das associações na vida moderna. Um jornal que um indivíduo lê no início do dia foi editado por uma organização jornalística, o leite que toma chega até a mesa através de um conjunto de organizações, começando pela empresa produtora do leite, passando pela empresa distribuidora e a padaria, que é uma organização comercial que vende o produto. O mesmo ocorre com outros produtos consumidos durante o café da manhã. Provavelmente, esse indivíduo se dirigirá ao local de trabalho (uma organização) através de um veículo produzido por organizações (seja um carro, um ônibus ou uma bicicleta). Estudará em organizações educacionais, se ficar doente será atendido em organizações hospitalares e participará de cultos em organizações religiosas. Durante o fim de semana, assistirá a jogos de seu clube favorito (sua organização esportiva), poderá participar de reuniões em organizações sem fins lucrativos, quer sejam sociedades de amigos de bairro, entidades ambientalistas ou filantrópricas. Ou frequentará alguma atividade oferecida por organizações de entretenimento e lazer, como parques temáticos e cinemas. Poderá ser multado por excesso de velocidade por uma organização pública, que será a mesma que lhe garante a qualidade das vias de tráfego, bem como a regularidade do sinal de trânsito. Nas eleições escolherá o candidato que forem oferecidos pelas organizações políticas partidárias. À noite poderá assistir a um programa de TV oferecido por uma organização da área de comunicações.
  11. 11. Organizações fundamentais na sociedade moderna No conjunto das organizações existentes, há algumas que são essenciais, como as organizações econômicas, que são empresas que produzem bens que serão utilizados por toda sociedade; as organizações educacionais, que se encarregam de reproduzir a cultura dominante num determinado país; as organizações políticas, que estruturam as relações de poder, e as organizações religiosas, onde as pessoas buscam conforto espititual (p. 20)
  12. 12. Distribuição das organização na sociedade moderna • No setor público: que compreende as organizações do Estado, prefeituras, empresas públicas, autarquias etc.; • No setor privado: onde se encontram as organizações industriais, comerciais, financeiras, de prestação de serviços, de entretenimento, lazer etc.; • No terceiro setor: que são as organizações não governamentais, fundações, organizações filantrópicas etc. (p. 21)
  13. 13. O conceito de organização
  14. 14. Organizações são instrumentos para tarefas em grupo [...] palavra organização, [...] deriva do grego organon e significa uma ferramenta ou instrumento [...]. Nesse sentido, as organizações podem ser entendidas como instrumentos utilizados pelo homem para desenvolver determinadas tarefas que não seriam possíveis de ser realizadas por um indivíduo em particular. (p. 21)
  15. 15. Conceituações várias de organização [...] Peter Drucker, “é um grupo humano, composto por especialistas que trabalham em conjunto em uma tarefa comum”. Embora seja uma criação humana, ela é feita para durar, por um período de tempo considerável. [...], “ao contrário da sociedade, da comunidade ou da família – os agregados sociais tradicionais – uma organização não é concebida e baseada na natureza psicobiológica dos seres humanos, nem em suas necessidades biológicas”. [...] Anthony Giddens [...]: “Uma organização é um grande agrupamento de pessoas, estruturadas em linhas impessoais e estabelecida a fim de atingir objetivos específicos”. [...] Amitai Etzioni, [...] organizações são “unidades planejadas, intencionalmente estruturadas com o propósito de atingir objetivos específicos”. (p. 21-2)
  16. 16. A três características da organização segundo Etzioni 1. Divisões de trabalho, poder e responsabilidades de comunicação, que são planejadas intencionalmente com o objetivo de intensificar a realização de objetivos específicos 2. A presença de um ou mais centros de poder que controlam os esforços combinados da organização, direcionando-os para que sejam atingidos os objetivos propostos; esses centros de poder devem reexaminar continuamente as atividades da organização e, quando necessário, reoordenar sua estrutura, a fim de aumentar sua eficiência. 3. Substituição de pessoal, quando não satisfaz aos padrões estabelecidos pela organização; nesse caso, pessoas podem ser demitidas, sendo designadas outras para as tarefas. A organização pode, também, promover uma realocação interna do seu pessoal, através de transferências e promoções. (p. 23)
  17. 17. Definição de Herbert Simon (Comportamento administrativo, 1957) Complexo sistema de comunicações e inter-relações existentes num grupamento humano. Este sistema proporciona a cada membro do grupo parte substancial de informações, pressupostos, objetivos e atitudes que entram nas suas decisões, propiciando-lhes, igualmente, um conjunto de expectativas estáveis e abrangentes quanto ao que os outros membros do grupo estão fazendo e de que maneira reagirão ao que ele diz e faz.
  18. 18. Outras definições [...] Srour, [...] “podem ser definidas como coletividades especializadas na produção de um determinado bem ou serviços”. [...] Megginson, Mosley e Pietri Jr. [...] “são grupos de indivíduos com um objetivo comum ligados por um conjunto de relacionamentos de autoridade-responsabilidade, são necessárias sempre que um grupo de pessoas trabalhe junto para atingir um objetivo comum”. [...] Robbins [...] “um arranjo sistemático de duas ou mais pessoas que cumprem papéis formais e compartilham um propósito comum”. [...] Hodgen, Anthony e Gales [...] “duas ou mais pessoas que trabalham em colaboração e em conjunto dentro de limites identificáveis para alcançar uma meta ou objetivo comum”. [...] Renate Maintz [...] três traços comuns que todas as organizações devem apresentar. Em primeiro lugar [...] constituem formações sociais com um número preciso de membros e nas quais haverá uma diferenciação interna de funções. Em segundo lugar, [...] estão voltadas para uma finalidade específica. E em terceiro lugar, [...] possuem uma configuração racional com o objetivo de alcançar metas específicas.
  19. 19. Características gerais das organizações [...] Ruiz Olabuénaga [...] • Constituem conjuntos de indivíduos ou grupos; • É orientada para atingir determinados objetivos ou metas; • É diversificada nas funções a serem desempenhadas e há uma hierarquia de autoridade; • É coordenada por uma orientação racionalizadora de todo o comportamento; • Apresenta uma certa continuidade no tempo.
  20. 20. O formal e o informal nas organizações Embora as diferentes tarefas estabelecidas para uma determinada função possam estar descritas com certa precisão, pessoas diferentes executarão de diferentes modos a tarefa, tornando possível uma avaliação externa que lhes atribuirá diferentes valores. [...] A organização constitui-se numa rede de relações entre pessoas que a compõem. Mas, ela também, se apresenta do ponto de vista material, por exemplo, como um conjunto de máquinas, equipamentos, imóveis, instalações e outros materiais imóveis, que no entanto não funcionam sem as pessoas. Assim, podemos compreender a organização como sendo formada por um sistema técnico e um social, em que ambos estão estritamente inter-relacionados, formando um sistema aberto em interação constante com o ambiente externo. Num primeiro momento, é mais fácil ver numa organização seus elementos mais estruturados, formalizados: como os recursos materiais; seus resultados em termos de produtos, custos e lucros; a estrutura organizacional, o tipo de organização, as formas de subordinação, a hierarquia; a tecnologia empregada; os recursos humanos etc. No entanto, em qualquer organização, existem relações informais que não aparecem na estrutura formal, e correspondem a relações que existem entre as pessoas que não necessariamente correspondem às estabelecidas formalmente no organograma da organização. Há um conjunto de hábitos, práticas e costumes que correspondem a valores compartilhados por toda organização dentro de uma cultura própria. (p. 28)

×