SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIAS EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA E
                              FORMAÇÃO DE FORMADORES

                                                                              Viviane da Rocha


       Esse texto é parte de um estudo mais amplo realizado na leitura do livro: Educação e
Comunicação: o ideal de inclusão pelas tecnologias de informação, capítulo III - Internet e
inclusão: otimismos exacerbados e lucidez pedagógica, de autoria da Prof.ª Dr.ª Suely Galli
Soares, responsável pela disciplina de Comunicação e Tecnologias em Supervisão
Pedagógica e Formação de Formadores, para o curso de Pós-Graduação em Supervisão
Pedagógica e Formação de Formadores com acesso ao Mestrado Europeu em Ciências da
Educação.

       Nossas análises aqui desenvolvidas são baseadas na leitura acima e nas discussões
sobre o tema. Tem como referência de estudos a linha de pesquisa destinada a formação de
professores o que nos remete a reflexão dos aspectos que podem compor nossa pesquisa e
dissertação no mestrado.

       Os avanços na comunicação eletrônica configuram um novo contexto global, com o
fim das fronteiras geográficas, pois a comunicação ampliou-se com a evolução da Internet,
velocidade e potencial cada vez maior na transmissão de dados. A estrutura das
telecomunicações passa por dois modelos: um idealista, com acesso a todos os serviços
eletrônicos pelas redes públicas com preços acessíveis e outro modelo estratégico, em que
as inovações técnicas produzidas são restritas para alguns meios e pessoas, segundo
Soares:

       [...] a pregação de que o livre acesso à informação na Internet resulta na necessidade cada
       vez mais urgente e realização cada vez mais próxima, do desenvolvimento de políticas que
       contemplem a formação cidadã condição imperativa da nova sociedade. O que dependerá
       não apenas da distribuição democrática dos conhecimentos e informações, mas também da
       capacidade para produzi-los. (GALLI SOARES, 2006, p.101)


       Segundo a autora, toda essa inovação gera um otimismo exacerbado, que aponta
para a solução de diversos problemas, principalmente com a perspectiva inclusiva que a
Internet pode proporcionar. Essas facilidades e democratização das novas tecnologias
também podem representar problemas e perigos, é preciso se pensar na urgência de
políticas que garantam esta democratização e acesso de todos a esses recursos, pois ainda
nem todos os países dispõe de investimentos financeiros e educacionais para a utilização
de todas estas tecnologias.
Considerando-se a inserção das tecnologias na educação, surge a necessidade se
conhecer as políticas educacionais e orientações legais para seu cumprimento pelo
Ministério de Educação e cultura.

       Políticas do MEC


       A utilização de novas tecnologias e modernização no sistema educacional brasileiro,
de um modo geral, ainda acontece aos poucos e necessita de maiores discussões e
projetos que podem contribuir para a inserção da tecnologia na gestão estratégica e
administrativa como um elemento para a qualidade do ensino.

       Através do MEC o governo brasileiro vem procurando incentivar e ampliar os projetos
de EAD, como uma forma de democratização, acesso ao conhecimento e formação escolar
a todos os níveis, com destaque para o ensino superior que passa o oferecer cursos que
podem ser em seu todo ou em parte não presencial.

       As novas tecnologias na educação surgem como uma alternativa para a solução na
formação de professores. O Governo Federal passa a oferecer cursos de graduação e
licenciatura a distancia nas áreas prioritárias para o atendimento do déficit de professores.
Essa nova proposta pode resultar tanto em solução como em um agravamento do problema,
caso a tecnologia não seja utilizada de forma adequada:

       [...] o modelo de ensino pautado nas tecnologias de informação e comunicação altera a
       relação ensino e aprendizagem podendo instalar uma nova fonte de autonomia pela prática
       da pesquisa, por parte do docente e do acadêmico em posse do acesso ao ferramental,
       conhecimento sobre seu funcionamento e suas aplicações facilitadoras da produção do
       saberes. (GALLI SOARES, 2006, p. 103)


       Com as novas tecnologias o ensino e a postura do professor são adaptados e no seu
exercício prático o professor precisa se preparar para conhecer essa tecnologia, sua
metodologia de ensino, avaliação e aprendizagem, como forma de promover a interação e o
preparo adequado na utilização desta tecnologia por professores e alunos.


       As universidades brasileiras promovem e desenvolvem pesquisas e práticas por
meio de novos ambientes educacionais, que facilitam o acesso a distancia e fomentam os
estudos e formação de professores, constituindo em um canal aberto e eficaz para a
promoção de pesquisas e acesso ao conhecimento.
A utilização das novas tecnologias de informação e comunicação representa novos
desafios para a prática pedagógica, o professor passa a ter que conhecer e rever sua
postura diante de novos recursos que passam a fazer parte dos ambientes educacionais.


       Muitas são as dificuldades que surgem diante do uso de novas ferramentas, que se
tornam cada vez mais presente na prática do professor. O que antes era de acesso restrito
do professor, como o acervo a livros clássicos e que para o aluno era de difícil acesso, hoje
passa a fazer parte de um universo de informações onde o aluno pode ter tanta
acessibilidade quanto o professor.

       Toda essa facilidade acaba por trazer também problemas, como o excesso de
informações recortadas e coladas em trabalhos de pesquisa, o que faz com que muitos
professores cheguem ao ponto de proibir alunos de utilizarem o computador, para tentar
impor um limite a está ação. Mas para se buscar uma alternativa na solução destes
problemas, cabe ao professor realizar uma seleção de fontes de pesquisa que julgue
confiáveis, assim como a indicação de autores e livros para a pesquisa. Para que isso se
torne possível o professor precisa de tempo e preparação, o que também é outro grande
problema, pois aqui nos deparamos com pouca eficiência na formação continuada e de
qualidade para os professores.

       As alterações sofridas diante o processo para a formação de professores, como o fim
dos cursos de magistério no Ensino Médio, no Estado de São Paulo, o fechamento dos
Centros Educacionais de Formação para o Magistério (CEFAM), são alguns dos exemplos
de descaso e falta de políticas em nome da formação do professor, que vem perdendo em
qualidade e traz à tona a discussão em torno da profissionalização do oficio de ensinar. Em
uma sociedade em que a visão que se tem do professor é marcada pelos baixos salários,
falta de reconhecimento e condições de trabalho a profissão do professor é desvalorizada,
mesmo com a educação sendo reconhecida como um dos elementos fundamentais de
transformação econômica e social de uma nação.

       [...] tornam-se assim urgentes ações capazes de contextualizar a realidade da formação do
       professor, das condições de trabalho na escola, das políticas do MEC em nome da formação
       continuada, da emergência das tecnologias de informação e comunicação no meio
       educacional, do descompasso entre o desenvolvimento científico e tecnológico da sociedade
       atual e a prática de ensino predominante na escola e finalmente o paradigma de ensino e
       aprendizagem a partir do advento das Tecnologias. (GALLI SOARES, 2006, p.108)


       Para   a   autora,   a    formação    continuada    dos   professores    visando    uma
profissionalização do seu ofício busca que a educação não fique para trás, mas que seja
capaz de se qualificar e atender as novas exigências da sociedade na construção, produção
e apropriação do conhecimento, nas experiências democráticas de aprendizagens e na
qualidade da relação ensino aprendizagem. Desta forma, a educação passa a oferecer a
todos o direito de conhecer e participar dos benefícios das novas tecnologias em busca de
uma prática pedagógica mais ampla e cidadã. Conhecimento este que implica no esforço
do usuário na compreensão sobre os sistemas de comunicação seu funcionamento e
aplicações.


       Os sistemas de comunicação existentes atualmente são responsáveis por mudanças
substanciais no cotidiano e nas relações interpessoais. A comunicação e a interação estão
cada vez mais velozes e com maior qualidade, expandido suas possibilidades, assim:

       [...] os contatos e interações passam de um universo já ampliado pela telefonia e pelo fax,
       para outros que reconfiguram limites profissionais e sociais, modificando as perspectivas de
       comunicação e organização das pessoas de qualquer idade, situação e lugar, redefinindo o
       envelhecimento e a solidão. (GALLI SOARES, 2006, p.110)


       Diante destas inovações e situações, as limitações de distancia e tempo impostas
pelo meio físico, ao mesmo tempo em que são superadas e trazem benefícios, apontam
para novas situações de aprendizagens. Os sistemas de comunicação estão cada vez mais
rápidos, dificultando a reflexão necessária para a apropriação do conhecimento, acesso a
pessoas de menor poder aquisitivo as novidades constantemente lançadas e o mais
urgente: uma educação mais empenhada no desenvolvimento para o uso crítico de todos
estes recursos e das novas ações realizadas a distancia.




       Ação a distancia: entendimento e explicações


       O desenvolvimento dos meios de comunicação oferece ações a distancia com cada
vez mais qualidade e eficiência, proporcionando um fluxo de informações rápidas e uma
interação mais global. Dentre essas ações de comunicação a educação a distancia, com o
desenvolvimento da Internet ganhou novas perspectivas e qualidade na interatividade entre
o aluno, demais estudantes do curso e o professor.


       A utilização do ensino a distancia nos cursos de graduação ainda é bastante
questionada, mas nos cursos de formação continuada, onde pessoas já formadas
encontram a oportunidade de atualização, as ferramentas educacionais permitem chats,
fóruns, entre outros para discussões dos conteúdos. A forma de comunicação pode ser em
tempo real ou por meio de mensagens publicadas que as pessoas podem acessar de
acordo com a sua disponibilidade de tempo. É ainda possível o acesso a diferentes fontes
de buscas em banco de dados e bibliotecas virtuais e nos chamados hipertextos, que
através de links tecem uma rede para maiores informações dentro de um assunto.

       Os cursos a distancia são normatizados pelo MEC, que orienta as políticas de
educação e ensino a distancia. Os cursos a distancia podem atender objetivos comerciais,
relacionado com a divulgação de algum produto, patrocinado muitas vezes por grandes
empresas, que acabam por fazer propaganda e utilização de seus produtos, ou de caráter
social. A educação a distancia, de caráter social, visa elevar a qualidade de vidas das
relações das pessoas, na atual sociedade competitiva e de caráter transitório, em seus
processos produtivos e de comunicação. (GALLI SOARES, 2006, p.121)

       O ferramental tecnológico deve ser apropriado com as relações de ensino e
aprendizagem que embasam a educação e formação a distancia, sendo acessível e de fácil
uso, para que possa atender os mais diversos públicos como moradores de localizações
distantes dos grandes centros onde há maior oferta de cursos. Profissionais que precisam
de atualização como diferencial em seus cargos, pessoas que buscam a possibilidade de
concluir os seus estudos e ingressar em uma formação superior, a impossibilidade de
ausência no trabalho para cumprir a freqüência mínima exigida nos cursos convencionais,
atendimento a normas de qualidade e certificações de determinadas empresas e exigências
de requalificação profissional e interesse pela própria formação continuada.


       Nesse contexto novos conceitos de conhecimento e aprendizagem surgem para
explicar novas necessidades, destacamos dentre eles o letramento.

       O letramento consiste em um processo muito mais amplo do que alfabetizar,
considerando o aprender a ler e a escrever. Em um sentido mais ampliado o letramento
consiste em ensinar a ler e a escrever dentro de um contexto que faça sentido e parte da
vida do aluno. Mais do que decodificar o código da escrita é preciso que se saiba fazer uso
dele em diferentes situações, o letramento compreende tanto as técnicas para a
alfabetização quanto a necessidade de convívio e hábito na utilização da leitura e da escrita.


       Apresentando-se como uma nova situação de aprendizagem, as novas tecnologias
na educação ainda não contam com contribuições pedagógicas dentro dos Parâmetros
Curriculares Nacionais que orientam o ensino da leitura e da alfabetização em geral. A
educação precisa empenhar-se no desenvolvimento do letramento digital, com o domínio e
articulação entre o conhecimento técnico da leitura e escrita somando-se ao conhecimento
técnico ferramental da informática.
O letramento digital torna-se um elemento problematizador na formação do professor
para a utilização das novas tecnologias na sua prática educativa, para que seja capaz de
tornar pedagógico o que está disponível na Internet, segundo Soares:

       [...] a informação só produz conhecimento quando trabalhada, ou seja, refletida num dado
       contexto de interesse e necessidade de saber. Pois somente a partir da elaboração cognitiva
       é que ocorre a construção de novos saberes causados pela informação tramitados na rede.
       (GALLI SOARES, 2006, p.123)


       A qualidade da linguagem didática usada com a preocupação dos conteúdos,
formas, imagens, sons, movimentos podem acrescentar motivação e ampliação da
informação apresentada, apresentado o caráter pedagógico das tecnologias de informação
e comunicação na Internet como forma de dinamizar a aprendizagem e a construção do
conhecimento.

       Os espaços virtuais acessíveis pela Internet caracterizam a sociedade que se
modifica constantemente, e o uso destes espaços contribui para a democratização dos
conhecimentos de qualidade, com a cidadania e o desenvolvimento social econômico. As
informações acessíveis pela rede Internet, assim como o sistema educacional, tem um
currículo que se mostra e se oculta.


       A sua utilização pode ser somente para atender critérios comerciais ou de valores e
tendências, ou de acordo com o uso que se faz dela na educação escolar seus conteúdos
podem ser problematizados, interrogando, desvendando relações de interesse, enfim
transformando em objeto de análise suas possibilidades e aplicações.

       Os sistemas de comunicação disponíveis hoje são responsáveis por mudanças
significativas na forma como as pessoas se comunicam, interagem e tem acesso às noticias.
A qualidade nas possibilidades de se contactar pessoas em diferentes lugares, por meio de
mensagens de texto, chamadas com som e imagem em tempo real, modifica a forma de
comunicação entre pessoas, passando a oferecer novas perspectivas de interação.


       Os diferentes recursos que tornam a veiculação das informações cada vez mais
veloz potencializam uma nova cultura de sociabilidade e comunicação, onde pessoas mais
envelhecidas e com maior propensão a solidão e ao isolamento, podem com a utilização de
salas de bate papo, e-mails, programas de mensagens instantâneas entre outros, conversar
com pessoas de qualquer lugar do planeta sobre os mais variados assuntos.

       As mudanças na comunicação, no entanto, vão além dos consideráveis avanços e
benefícios proporcionados na interação entre as pessoas. Os ciberespaços também se
constituem em um ambiente com demanda de profissionais, capazes de agregar conteúdos
de qualidade que não estejam relacionados, apenas com o domínio técnico ferramental e
sua funcionabilidade.


       A formação de equipes multidisciplinares com pedagogos, analistas de sistema,
fotógrafos e outros podem contribuir para atender esta demanda, utilizando de seus
conhecimentos e agregando maior planejamento nas ações que se queira realizar, para ir
além de se ter apenas um projeto detalhado sobre um site, por exemplo.


       O projeto em questão torna-se mais amplo se pensado a partir de estudos e
planejamento de uma equipe, que deve ter clareza nos objetivos e na melhor forma de
realizá-los. Para isso, é preciso se pensar na metodologia de comunicação que se pretende
estabelecer, considerando o público que se quer atingir, o conceito do projeto, a
compreensão da linguagem quanto ao produto ou serviço, o desenvolvimento das ações
pretendidas e os resultados que se espera obter, compreendendo avaliação de sua eficácia.

       Trata-se assim, de um processo mais conceitual e com a necessidade de um
posicionamento diante da importância na determinação dos conteúdos, para que todo o
processo seja visto de forma ampliada, dentro de uma multiplicidade que agrega diferentes
conhecimentos em torno de um mesmo enfoque, constituindo-se em um campo de
inovações não apenas restrito as considerações técnicas e ferramentais.


       Retomamos com a autora, a questão da leitura, habilidade lingüística fundamental
para o desenvolvimento da comunicação oral e escrita, que tem inicio muito antes do
aprendizado das letras, acontece dentro do contexto em que o individuo está envolvido.


       A leitura é muito mais do que um processo de decodificação de símbolos, constitui-
se em uma apropriação e compreensão daquilo que se lê. O professor como mediador neste
processo tem uma importância muito grande, diante das suas atitudes em relação à leitura,
a sua prática e modelo como leitor.

       Os sistemas de comunicação e novas tecnologias proporcionam novas experiências
de leituras para as quais o professor precisa estar atualizado. A leitura passa de um marco
estabelecido pelo livro impresso e portátil para o ciberespaço, de natureza dinâmica e móvel
com novas possibilidades de leitura.

       Práticas de leitura hoje podem ser favorecidas com o uso de softwares, que
permitem a interatividade de acordo com a leitura realizada. O livro digital com o acesso a
vários livros em um mesmo lugar, o audiobook que permite ao indivíduo escutar um livro de
sua preferência, e o uso da Internet enfocando seu caráter pedagógico, são alguns dos
diferenciais que podem fazer parte de novas práticas de leitura pelo professor no incentivo a
leitura.

           A prática da leitura valorizando estas novas ferramentas faz nascer um novo tipo de
leitor, segundo Soares:

           [...] na tela, a leitura imersiva se dá pela liberdade do leitor na escolha dos nexos e direções,
           definindo seu próprio percurso, construindo o próprio roteiro, ocupando-se apenas de manter
           a rota que o leva até os conteúdos num estado de prontidão. Conectando-se nas malhas e
           em seus nós num labirinto do qual participa da sua construção na medida em que interage
           com imagens, palavras, signos etc. (SOARES GALLI, 2006, p. 136).


           As possibilidades de exploração sensório-motoras, perceptivas, cognitivas e de
sensibilidade são as mais variáveis possíveis e podem ter grande contribuição na
necessidade de se aproximar os alunos da leitura. A prática da leitura torna-se mais
dinâmica, atraente e interativa, indo além das práticas convencionais onde, muitas vezes, há
somente a decodificação e não a compreensão da leitura. O ensino da leitura nas escolas
pode ser construído como uma forma de se mudar a visão que muitos alunos levam consigo
em relação ao ato de ler.


           Esse estudo não tem a pretensão de esgotar suas reflexões, mas de desencadear o
debate sobre a formação do professor diante da demanda pela inclusão digital por meio da
educação objetivo que manteremos no percurso de nossa prática profissional e da pesquisa
de mestrado.

                                                                                      Viviane da Rocha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Elementos para criação de curso EAD
Elementos para criação de curso EADElementos para criação de curso EAD
Elementos para criação de curso EADJesus Rosa
 
Conclusão tics janaina da silva antunes
Conclusão tics   janaina da silva  antunesConclusão tics   janaina da silva  antunes
Conclusão tics janaina da silva antunesequipetics
 
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)Marcos Angelino
 
Educacao e tecnologia: parcerias 2.0
Educacao e tecnologia: parcerias 2.0Educacao e tecnologia: parcerias 2.0
Educacao e tecnologia: parcerias 2.0Renata de Sousa
 
A inserção das ti cs no ensino fundamental limites e
A inserção das ti cs no ensino fundamental   limites eA inserção das ti cs no ensino fundamental   limites e
A inserção das ti cs no ensino fundamental limites etarlison00
 
Banner da monografia - marconildo
Banner da   monografia - marconildoBanner da   monografia - marconildo
Banner da monografia - marconildoMarconildo Viegas
 
Dissertação dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...
Dissertação   dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...Dissertação   dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...
Dissertação dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...Dawison Calheiros
 
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.Lázaro Melo
 
A Contribuição da EAD para a Formação de Professores
A Contribuição da EAD para a Formação de ProfessoresA Contribuição da EAD para a Formação de Professores
A Contribuição da EAD para a Formação de ProfessoresAna Beatriz
 
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe AssunçãoPROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos SantosSantana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos SantosCursoTICs
 
Uso das tics na ed. superior
Uso das tics na ed. superiorUso das tics na ed. superior
Uso das tics na ed. superiorsauloaugustodnb
 
Educação a distancia e formaçao de professores
Educação a distancia e formaçao de professoresEducação a distancia e formaçao de professores
Educação a distancia e formaçao de professoresMarcelo Henderson Salles
 
Formação de professores e ea d
Formação de professores e ea dFormação de professores e ea d
Formação de professores e ea dEunice Castro
 
Concepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no Brasil
Concepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no BrasilConcepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no Brasil
Concepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no BrasilSemebber Lino
 

Mais procurados (19)

Elementos para criação de curso EAD
Elementos para criação de curso EADElementos para criação de curso EAD
Elementos para criação de curso EAD
 
O uso das mídias na sala de aula a internet como ferramenta pedagógic aalice ...
O uso das mídias na sala de aula a internet como ferramenta pedagógic aalice ...O uso das mídias na sala de aula a internet como ferramenta pedagógic aalice ...
O uso das mídias na sala de aula a internet como ferramenta pedagógic aalice ...
 
Conclusão tics janaina da silva antunes
Conclusão tics   janaina da silva  antunesConclusão tics   janaina da silva  antunes
Conclusão tics janaina da silva antunes
 
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
 
Educacao e tecnologia: parcerias 2.0
Educacao e tecnologia: parcerias 2.0Educacao e tecnologia: parcerias 2.0
Educacao e tecnologia: parcerias 2.0
 
A inserção das ti cs no ensino fundamental limites e
A inserção das ti cs no ensino fundamental   limites eA inserção das ti cs no ensino fundamental   limites e
A inserção das ti cs no ensino fundamental limites e
 
Banner da monografia - marconildo
Banner da   monografia - marconildoBanner da   monografia - marconildo
Banner da monografia - marconildo
 
Dissertação dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...
Dissertação   dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...Dissertação   dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...
Dissertação dawson calheiros - utilização das tecnologias da informação e c...
 
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
As TIC: novas práticas para antigos saberes da escola.
 
Ti cs
Ti csTi cs
Ti cs
 
A Contribuição da EAD para a Formação de Professores
A Contribuição da EAD para a Formação de ProfessoresA Contribuição da EAD para a Formação de Professores
A Contribuição da EAD para a Formação de Professores
 
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe AssunçãoPROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
 
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos SantosSantana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
Santana do Livramento - Nara Fátima Oliveira dos Santos
 
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educaçãoTecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
 
Uso das tics na ed. superior
Uso das tics na ed. superiorUso das tics na ed. superior
Uso das tics na ed. superior
 
Educação a distancia e formaçao de professores
Educação a distancia e formaçao de professoresEducação a distancia e formaçao de professores
Educação a distancia e formaçao de professores
 
Formação de professores e ea d
Formação de professores e ea dFormação de professores e ea d
Formação de professores e ea d
 
Concepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no Brasil
Concepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no BrasilConcepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no Brasil
Concepções Histórico-Pedagógicas Sobre Educação a Distância (EaD) no Brasil
 
Tese
TeseTese
Tese
 

Semelhante a Comunicação e tecnologias na formação de professores

As TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do ProfessorAs TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do Professorlislieribeiro
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...adrianafrancisca
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...adrianafrancisca
 
Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação
Tecnologia da Informação e Comunicação na EducaçãoTecnologia da Informação e Comunicação na Educação
Tecnologia da Informação e Comunicação na EducaçãoRogério Da Costa Ribeiro
 
Docentes do CCT e EAD
Docentes do CCT e EADDocentes do CCT e EAD
Docentes do CCT e EADAna Beatriz
 
05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão
05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão
05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusãobetejorgino
 
Atividade 3.2 slide de apresentação unidade III
Atividade 3.2 slide de apresentação unidade IIIAtividade 3.2 slide de apresentação unidade III
Atividade 3.2 slide de apresentação unidade IIIRamaiany Marçal Tregnago
 
Cobescanabeatriz
CobescanabeatrizCobescanabeatriz
Cobescanabeatrizguestc8ef07
 
Cobescanabeatriz
CobescanabeatrizCobescanabeatriz
CobescanabeatrizAna Beatriz
 
Vildaine simões taschetto
Vildaine simões taschettoVildaine simões taschetto
Vildaine simões taschettoequipetics
 
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...Mauricio Maulaz
 
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...Mayke Machado
 
Informação, Tec e Mídia .ppt
Informação, Tec e Mídia .pptInformação, Tec e Mídia .ppt
Informação, Tec e Mídia .pptDrikaSato
 
Informação, Tec e Mídia 2ª semana.ppt
Informação, Tec e Mídia 2ª semana.pptInformação, Tec e Mídia 2ª semana.ppt
Informação, Tec e Mídia 2ª semana.pptDrikaSato
 
ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...
ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...
ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...SimoneHelenDrumond
 
18 ARTIGO TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...
18 ARTIGO  TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...18 ARTIGO  TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...
18 ARTIGO TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...SimoneHelenDrumond
 
Agudo - Alana Sofia Beling
Agudo - Alana Sofia BelingAgudo - Alana Sofia Beling
Agudo - Alana Sofia BelingCursoTICs
 
InformáTica
InformáTicaInformáTica
InformáTicarmsmo
 

Semelhante a Comunicação e tecnologias na formação de professores (20)

As TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do ProfessorAs TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do Professor
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
 
Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação
Tecnologia da Informação e Comunicação na EducaçãoTecnologia da Informação e Comunicação na Educação
Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação
 
Docentes do CCT e EAD
Docentes do CCT e EADDocentes do CCT e EAD
Docentes do CCT e EAD
 
05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão
05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão
05 11 2011 atividade de leitura analise e producao escrita internet e inclusão
 
Atividade 3.2 slide de apresentação unidade III
Atividade 3.2 slide de apresentação unidade IIIAtividade 3.2 slide de apresentação unidade III
Atividade 3.2 slide de apresentação unidade III
 
Cobescanabeatriz
CobescanabeatrizCobescanabeatriz
Cobescanabeatriz
 
Cobescanabeatriz
CobescanabeatrizCobescanabeatriz
Cobescanabeatriz
 
Vildaine simões taschetto
Vildaine simões taschettoVildaine simões taschetto
Vildaine simões taschetto
 
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
As inovações tecnológicas e os sistemas educacionais: os impactos, limites, d...
 
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...As tecnologias no cotidiano   escolar possibilidades de __articular o trabalh...
As tecnologias no cotidiano escolar possibilidades de __articular o trabalh...
 
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educaçãoTecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
 
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educaçãoTecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
 
Informação, Tec e Mídia .ppt
Informação, Tec e Mídia .pptInformação, Tec e Mídia .ppt
Informação, Tec e Mídia .ppt
 
Informação, Tec e Mídia 2ª semana.ppt
Informação, Tec e Mídia 2ª semana.pptInformação, Tec e Mídia 2ª semana.ppt
Informação, Tec e Mídia 2ª semana.ppt
 
ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...
ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...
ARTIGO 5 TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCACIO...
 
18 ARTIGO TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...
18 ARTIGO  TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...18 ARTIGO  TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...
18 ARTIGO TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E INCLUSÃO DÁ PARA INOVAR EM UM CENÁRIO EDUCAC...
 
Agudo - Alana Sofia Beling
Agudo - Alana Sofia BelingAgudo - Alana Sofia Beling
Agudo - Alana Sofia Beling
 
InformáTica
InformáTicaInformáTica
InformáTica
 

Mais de viviprof

A metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoA metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoviviprof
 
Hipertexto
HipertextoHipertexto
Hipertextoviviprof
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliaçãoviviprof
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão finalviviprof
 
Avaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteAvaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteviviprof
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docenteviviprof
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisaviviprof
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemviviprof
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moralviviprof
 
Escola participativa
Escola participativaEscola participativa
Escola participativaviviprof
 
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de FormadoresComunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadoresviviprof
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubroviviprof
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2viviprof
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
K. Zeichner Entrevista
K. Zeichner EntrevistaK. Zeichner Entrevista
K. Zeichner Entrevistaviviprof
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escolaviviprof
 
O educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoO educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoviviprof
 
A supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioA supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioviviprof
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científicaviviprof
 

Mais de viviprof (20)

A metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoA metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informação
 
Hipertexto
HipertextoHipertexto
Hipertexto
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliação
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
 
Avaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteAvaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docente
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagem
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moral
 
Escola participativa
Escola participativaEscola participativa
Escola participativa
 
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de FormadoresComunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubro
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
K. Zeichner Entrevista
K. Zeichner EntrevistaK. Zeichner Entrevista
K. Zeichner Entrevista
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
 
O educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoO educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introdução
 
A supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioA supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteio
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científica
 

Comunicação e tecnologias na formação de professores

  • 1. COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIAS EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA E FORMAÇÃO DE FORMADORES Viviane da Rocha Esse texto é parte de um estudo mais amplo realizado na leitura do livro: Educação e Comunicação: o ideal de inclusão pelas tecnologias de informação, capítulo III - Internet e inclusão: otimismos exacerbados e lucidez pedagógica, de autoria da Prof.ª Dr.ª Suely Galli Soares, responsável pela disciplina de Comunicação e Tecnologias em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores, para o curso de Pós-Graduação em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores com acesso ao Mestrado Europeu em Ciências da Educação. Nossas análises aqui desenvolvidas são baseadas na leitura acima e nas discussões sobre o tema. Tem como referência de estudos a linha de pesquisa destinada a formação de professores o que nos remete a reflexão dos aspectos que podem compor nossa pesquisa e dissertação no mestrado. Os avanços na comunicação eletrônica configuram um novo contexto global, com o fim das fronteiras geográficas, pois a comunicação ampliou-se com a evolução da Internet, velocidade e potencial cada vez maior na transmissão de dados. A estrutura das telecomunicações passa por dois modelos: um idealista, com acesso a todos os serviços eletrônicos pelas redes públicas com preços acessíveis e outro modelo estratégico, em que as inovações técnicas produzidas são restritas para alguns meios e pessoas, segundo Soares: [...] a pregação de que o livre acesso à informação na Internet resulta na necessidade cada vez mais urgente e realização cada vez mais próxima, do desenvolvimento de políticas que contemplem a formação cidadã condição imperativa da nova sociedade. O que dependerá não apenas da distribuição democrática dos conhecimentos e informações, mas também da capacidade para produzi-los. (GALLI SOARES, 2006, p.101) Segundo a autora, toda essa inovação gera um otimismo exacerbado, que aponta para a solução de diversos problemas, principalmente com a perspectiva inclusiva que a Internet pode proporcionar. Essas facilidades e democratização das novas tecnologias também podem representar problemas e perigos, é preciso se pensar na urgência de políticas que garantam esta democratização e acesso de todos a esses recursos, pois ainda nem todos os países dispõe de investimentos financeiros e educacionais para a utilização de todas estas tecnologias.
  • 2. Considerando-se a inserção das tecnologias na educação, surge a necessidade se conhecer as políticas educacionais e orientações legais para seu cumprimento pelo Ministério de Educação e cultura. Políticas do MEC A utilização de novas tecnologias e modernização no sistema educacional brasileiro, de um modo geral, ainda acontece aos poucos e necessita de maiores discussões e projetos que podem contribuir para a inserção da tecnologia na gestão estratégica e administrativa como um elemento para a qualidade do ensino. Através do MEC o governo brasileiro vem procurando incentivar e ampliar os projetos de EAD, como uma forma de democratização, acesso ao conhecimento e formação escolar a todos os níveis, com destaque para o ensino superior que passa o oferecer cursos que podem ser em seu todo ou em parte não presencial. As novas tecnologias na educação surgem como uma alternativa para a solução na formação de professores. O Governo Federal passa a oferecer cursos de graduação e licenciatura a distancia nas áreas prioritárias para o atendimento do déficit de professores. Essa nova proposta pode resultar tanto em solução como em um agravamento do problema, caso a tecnologia não seja utilizada de forma adequada: [...] o modelo de ensino pautado nas tecnologias de informação e comunicação altera a relação ensino e aprendizagem podendo instalar uma nova fonte de autonomia pela prática da pesquisa, por parte do docente e do acadêmico em posse do acesso ao ferramental, conhecimento sobre seu funcionamento e suas aplicações facilitadoras da produção do saberes. (GALLI SOARES, 2006, p. 103) Com as novas tecnologias o ensino e a postura do professor são adaptados e no seu exercício prático o professor precisa se preparar para conhecer essa tecnologia, sua metodologia de ensino, avaliação e aprendizagem, como forma de promover a interação e o preparo adequado na utilização desta tecnologia por professores e alunos. As universidades brasileiras promovem e desenvolvem pesquisas e práticas por meio de novos ambientes educacionais, que facilitam o acesso a distancia e fomentam os estudos e formação de professores, constituindo em um canal aberto e eficaz para a promoção de pesquisas e acesso ao conhecimento.
  • 3. A utilização das novas tecnologias de informação e comunicação representa novos desafios para a prática pedagógica, o professor passa a ter que conhecer e rever sua postura diante de novos recursos que passam a fazer parte dos ambientes educacionais. Muitas são as dificuldades que surgem diante do uso de novas ferramentas, que se tornam cada vez mais presente na prática do professor. O que antes era de acesso restrito do professor, como o acervo a livros clássicos e que para o aluno era de difícil acesso, hoje passa a fazer parte de um universo de informações onde o aluno pode ter tanta acessibilidade quanto o professor. Toda essa facilidade acaba por trazer também problemas, como o excesso de informações recortadas e coladas em trabalhos de pesquisa, o que faz com que muitos professores cheguem ao ponto de proibir alunos de utilizarem o computador, para tentar impor um limite a está ação. Mas para se buscar uma alternativa na solução destes problemas, cabe ao professor realizar uma seleção de fontes de pesquisa que julgue confiáveis, assim como a indicação de autores e livros para a pesquisa. Para que isso se torne possível o professor precisa de tempo e preparação, o que também é outro grande problema, pois aqui nos deparamos com pouca eficiência na formação continuada e de qualidade para os professores. As alterações sofridas diante o processo para a formação de professores, como o fim dos cursos de magistério no Ensino Médio, no Estado de São Paulo, o fechamento dos Centros Educacionais de Formação para o Magistério (CEFAM), são alguns dos exemplos de descaso e falta de políticas em nome da formação do professor, que vem perdendo em qualidade e traz à tona a discussão em torno da profissionalização do oficio de ensinar. Em uma sociedade em que a visão que se tem do professor é marcada pelos baixos salários, falta de reconhecimento e condições de trabalho a profissão do professor é desvalorizada, mesmo com a educação sendo reconhecida como um dos elementos fundamentais de transformação econômica e social de uma nação. [...] tornam-se assim urgentes ações capazes de contextualizar a realidade da formação do professor, das condições de trabalho na escola, das políticas do MEC em nome da formação continuada, da emergência das tecnologias de informação e comunicação no meio educacional, do descompasso entre o desenvolvimento científico e tecnológico da sociedade atual e a prática de ensino predominante na escola e finalmente o paradigma de ensino e aprendizagem a partir do advento das Tecnologias. (GALLI SOARES, 2006, p.108) Para a autora, a formação continuada dos professores visando uma profissionalização do seu ofício busca que a educação não fique para trás, mas que seja capaz de se qualificar e atender as novas exigências da sociedade na construção, produção
  • 4. e apropriação do conhecimento, nas experiências democráticas de aprendizagens e na qualidade da relação ensino aprendizagem. Desta forma, a educação passa a oferecer a todos o direito de conhecer e participar dos benefícios das novas tecnologias em busca de uma prática pedagógica mais ampla e cidadã. Conhecimento este que implica no esforço do usuário na compreensão sobre os sistemas de comunicação seu funcionamento e aplicações. Os sistemas de comunicação existentes atualmente são responsáveis por mudanças substanciais no cotidiano e nas relações interpessoais. A comunicação e a interação estão cada vez mais velozes e com maior qualidade, expandido suas possibilidades, assim: [...] os contatos e interações passam de um universo já ampliado pela telefonia e pelo fax, para outros que reconfiguram limites profissionais e sociais, modificando as perspectivas de comunicação e organização das pessoas de qualquer idade, situação e lugar, redefinindo o envelhecimento e a solidão. (GALLI SOARES, 2006, p.110) Diante destas inovações e situações, as limitações de distancia e tempo impostas pelo meio físico, ao mesmo tempo em que são superadas e trazem benefícios, apontam para novas situações de aprendizagens. Os sistemas de comunicação estão cada vez mais rápidos, dificultando a reflexão necessária para a apropriação do conhecimento, acesso a pessoas de menor poder aquisitivo as novidades constantemente lançadas e o mais urgente: uma educação mais empenhada no desenvolvimento para o uso crítico de todos estes recursos e das novas ações realizadas a distancia. Ação a distancia: entendimento e explicações O desenvolvimento dos meios de comunicação oferece ações a distancia com cada vez mais qualidade e eficiência, proporcionando um fluxo de informações rápidas e uma interação mais global. Dentre essas ações de comunicação a educação a distancia, com o desenvolvimento da Internet ganhou novas perspectivas e qualidade na interatividade entre o aluno, demais estudantes do curso e o professor. A utilização do ensino a distancia nos cursos de graduação ainda é bastante questionada, mas nos cursos de formação continuada, onde pessoas já formadas encontram a oportunidade de atualização, as ferramentas educacionais permitem chats, fóruns, entre outros para discussões dos conteúdos. A forma de comunicação pode ser em tempo real ou por meio de mensagens publicadas que as pessoas podem acessar de acordo com a sua disponibilidade de tempo. É ainda possível o acesso a diferentes fontes
  • 5. de buscas em banco de dados e bibliotecas virtuais e nos chamados hipertextos, que através de links tecem uma rede para maiores informações dentro de um assunto. Os cursos a distancia são normatizados pelo MEC, que orienta as políticas de educação e ensino a distancia. Os cursos a distancia podem atender objetivos comerciais, relacionado com a divulgação de algum produto, patrocinado muitas vezes por grandes empresas, que acabam por fazer propaganda e utilização de seus produtos, ou de caráter social. A educação a distancia, de caráter social, visa elevar a qualidade de vidas das relações das pessoas, na atual sociedade competitiva e de caráter transitório, em seus processos produtivos e de comunicação. (GALLI SOARES, 2006, p.121) O ferramental tecnológico deve ser apropriado com as relações de ensino e aprendizagem que embasam a educação e formação a distancia, sendo acessível e de fácil uso, para que possa atender os mais diversos públicos como moradores de localizações distantes dos grandes centros onde há maior oferta de cursos. Profissionais que precisam de atualização como diferencial em seus cargos, pessoas que buscam a possibilidade de concluir os seus estudos e ingressar em uma formação superior, a impossibilidade de ausência no trabalho para cumprir a freqüência mínima exigida nos cursos convencionais, atendimento a normas de qualidade e certificações de determinadas empresas e exigências de requalificação profissional e interesse pela própria formação continuada. Nesse contexto novos conceitos de conhecimento e aprendizagem surgem para explicar novas necessidades, destacamos dentre eles o letramento. O letramento consiste em um processo muito mais amplo do que alfabetizar, considerando o aprender a ler e a escrever. Em um sentido mais ampliado o letramento consiste em ensinar a ler e a escrever dentro de um contexto que faça sentido e parte da vida do aluno. Mais do que decodificar o código da escrita é preciso que se saiba fazer uso dele em diferentes situações, o letramento compreende tanto as técnicas para a alfabetização quanto a necessidade de convívio e hábito na utilização da leitura e da escrita. Apresentando-se como uma nova situação de aprendizagem, as novas tecnologias na educação ainda não contam com contribuições pedagógicas dentro dos Parâmetros Curriculares Nacionais que orientam o ensino da leitura e da alfabetização em geral. A educação precisa empenhar-se no desenvolvimento do letramento digital, com o domínio e articulação entre o conhecimento técnico da leitura e escrita somando-se ao conhecimento técnico ferramental da informática.
  • 6. O letramento digital torna-se um elemento problematizador na formação do professor para a utilização das novas tecnologias na sua prática educativa, para que seja capaz de tornar pedagógico o que está disponível na Internet, segundo Soares: [...] a informação só produz conhecimento quando trabalhada, ou seja, refletida num dado contexto de interesse e necessidade de saber. Pois somente a partir da elaboração cognitiva é que ocorre a construção de novos saberes causados pela informação tramitados na rede. (GALLI SOARES, 2006, p.123) A qualidade da linguagem didática usada com a preocupação dos conteúdos, formas, imagens, sons, movimentos podem acrescentar motivação e ampliação da informação apresentada, apresentado o caráter pedagógico das tecnologias de informação e comunicação na Internet como forma de dinamizar a aprendizagem e a construção do conhecimento. Os espaços virtuais acessíveis pela Internet caracterizam a sociedade que se modifica constantemente, e o uso destes espaços contribui para a democratização dos conhecimentos de qualidade, com a cidadania e o desenvolvimento social econômico. As informações acessíveis pela rede Internet, assim como o sistema educacional, tem um currículo que se mostra e se oculta. A sua utilização pode ser somente para atender critérios comerciais ou de valores e tendências, ou de acordo com o uso que se faz dela na educação escolar seus conteúdos podem ser problematizados, interrogando, desvendando relações de interesse, enfim transformando em objeto de análise suas possibilidades e aplicações. Os sistemas de comunicação disponíveis hoje são responsáveis por mudanças significativas na forma como as pessoas se comunicam, interagem e tem acesso às noticias. A qualidade nas possibilidades de se contactar pessoas em diferentes lugares, por meio de mensagens de texto, chamadas com som e imagem em tempo real, modifica a forma de comunicação entre pessoas, passando a oferecer novas perspectivas de interação. Os diferentes recursos que tornam a veiculação das informações cada vez mais veloz potencializam uma nova cultura de sociabilidade e comunicação, onde pessoas mais envelhecidas e com maior propensão a solidão e ao isolamento, podem com a utilização de salas de bate papo, e-mails, programas de mensagens instantâneas entre outros, conversar com pessoas de qualquer lugar do planeta sobre os mais variados assuntos. As mudanças na comunicação, no entanto, vão além dos consideráveis avanços e benefícios proporcionados na interação entre as pessoas. Os ciberespaços também se
  • 7. constituem em um ambiente com demanda de profissionais, capazes de agregar conteúdos de qualidade que não estejam relacionados, apenas com o domínio técnico ferramental e sua funcionabilidade. A formação de equipes multidisciplinares com pedagogos, analistas de sistema, fotógrafos e outros podem contribuir para atender esta demanda, utilizando de seus conhecimentos e agregando maior planejamento nas ações que se queira realizar, para ir além de se ter apenas um projeto detalhado sobre um site, por exemplo. O projeto em questão torna-se mais amplo se pensado a partir de estudos e planejamento de uma equipe, que deve ter clareza nos objetivos e na melhor forma de realizá-los. Para isso, é preciso se pensar na metodologia de comunicação que se pretende estabelecer, considerando o público que se quer atingir, o conceito do projeto, a compreensão da linguagem quanto ao produto ou serviço, o desenvolvimento das ações pretendidas e os resultados que se espera obter, compreendendo avaliação de sua eficácia. Trata-se assim, de um processo mais conceitual e com a necessidade de um posicionamento diante da importância na determinação dos conteúdos, para que todo o processo seja visto de forma ampliada, dentro de uma multiplicidade que agrega diferentes conhecimentos em torno de um mesmo enfoque, constituindo-se em um campo de inovações não apenas restrito as considerações técnicas e ferramentais. Retomamos com a autora, a questão da leitura, habilidade lingüística fundamental para o desenvolvimento da comunicação oral e escrita, que tem inicio muito antes do aprendizado das letras, acontece dentro do contexto em que o individuo está envolvido. A leitura é muito mais do que um processo de decodificação de símbolos, constitui- se em uma apropriação e compreensão daquilo que se lê. O professor como mediador neste processo tem uma importância muito grande, diante das suas atitudes em relação à leitura, a sua prática e modelo como leitor. Os sistemas de comunicação e novas tecnologias proporcionam novas experiências de leituras para as quais o professor precisa estar atualizado. A leitura passa de um marco estabelecido pelo livro impresso e portátil para o ciberespaço, de natureza dinâmica e móvel com novas possibilidades de leitura. Práticas de leitura hoje podem ser favorecidas com o uso de softwares, que permitem a interatividade de acordo com a leitura realizada. O livro digital com o acesso a vários livros em um mesmo lugar, o audiobook que permite ao indivíduo escutar um livro de sua preferência, e o uso da Internet enfocando seu caráter pedagógico, são alguns dos
  • 8. diferenciais que podem fazer parte de novas práticas de leitura pelo professor no incentivo a leitura. A prática da leitura valorizando estas novas ferramentas faz nascer um novo tipo de leitor, segundo Soares: [...] na tela, a leitura imersiva se dá pela liberdade do leitor na escolha dos nexos e direções, definindo seu próprio percurso, construindo o próprio roteiro, ocupando-se apenas de manter a rota que o leva até os conteúdos num estado de prontidão. Conectando-se nas malhas e em seus nós num labirinto do qual participa da sua construção na medida em que interage com imagens, palavras, signos etc. (SOARES GALLI, 2006, p. 136). As possibilidades de exploração sensório-motoras, perceptivas, cognitivas e de sensibilidade são as mais variáveis possíveis e podem ter grande contribuição na necessidade de se aproximar os alunos da leitura. A prática da leitura torna-se mais dinâmica, atraente e interativa, indo além das práticas convencionais onde, muitas vezes, há somente a decodificação e não a compreensão da leitura. O ensino da leitura nas escolas pode ser construído como uma forma de se mudar a visão que muitos alunos levam consigo em relação ao ato de ler. Esse estudo não tem a pretensão de esgotar suas reflexões, mas de desencadear o debate sobre a formação do professor diante da demanda pela inclusão digital por meio da educação objetivo que manteremos no percurso de nossa prática profissional e da pesquisa de mestrado. Viviane da Rocha