SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
A ESCOLA PARTICIPATIVA

                                                           Angela Freitas de Rezende Costa

                                                                           Viviane da Rocha

O processo de gestão e o desenvolvimento profissional na escola

       Dirigente de uma geração atrás – pensamento predominantemente era o de que as
melhores escolas eram aquelas organizadas segundo o modelo de administração clássica,
que enfatizava a obediência às regras e o cumprimento à risca dos regulamentos, orientada
por alguns pressupostos (Lück, 1996)

1 – O ambiente de trabalho e comportamentos humanos previsíveis e controláveis;
2 – Crise, ambigüidade e incerteza encarados como problemas a serem evitados e não
como oportunidade de crescimento e transformação;
3 – O sucesso mantem-se por si mesmo não demandam esforço para manutenção e maior
desenvolvimento;
4 – Responsabilidade do dirigente é a obtenção e garantia de recursos para o
funcionamento perfeito da unidade;
5 – Modelos de administração que deram certos não devem ser mudados;
6 – Importação de modelos de ação que deram certo em outros lugares são importantes,
podem funcionar com pequenas adaptações;

7 – O participante ativo da organização (alunos e professores efetivos) está disposto a
aceitar modelos estabelecidos pela organização;
8 – Uma atitude de protecionismo oferecida a esse participe é a contrapartida necessária à
sua cooptação;
9 – É o administrador que estabelece a regra do jogo
10 – O importante é fazer o máximo e não o melhor e o diferente;
11 – a objetividade garante bons resultados, sendo a técnica o elemento fundamental para a
melhoria do trabalho;
DA ÓTICA FRAGMENTADA E DICOTOMIZADA PARA A ÓTICA GLOBALIZADA

       Transferência de responsabilidade – falta de compreensão da interação de ações e
atitudes existentes no seu processo social.

       A superação desta ótica ocorre pela ampliação de horizonte e visão critica do mundo
que implica em situar-se nele como ator, reconhecendo que cada um faz parte da
organização e do sistema de ensino como um todo e que, por isso mesmo, interfere no seu
processo de construção, que tenha, ou não, consciência deste fato.



    DA LIMITAÇÃO DO ÂMBITO DE RESPONSABILIDADE PARA A SUA EXPANSÃO

       A atuação orientada pela consciência da responsabilidade profissional pressupõe o
entendimento do todo e das necessidades de interação profissional, enquanto que a
consciência de funções leva a que se focalize as ações isoladas e ao distanciamento entre a
atuação de diferentes profissionais.

DA AÇ ÃO EPISÓDICA PARA O PROCESSO CONTÍNUO

       A tendência de se agir episodicamente, fragmentando aulas e lições, dissociando
aprendizagens, focalizando em eventos e atividades, em vez de aprendizagens significativas
e desenvolvimento, resulta na construção de rotinas vazias, em preocupação com o
imediatismo, afogada pelas dificuldades do cotidiano e sem possibilidade de superação.

A superação ocorre ao se considerar cada evento, circunstância e ato como parte de um
processo maior, orientado por uma visão de conjunto e de futuro.

                  “Pense grande e aja no pequeno” Amyr Klink (2000)

DA HIERAQUIRZAÇÃO E BUROCRATIZAÇÃO PARA A COORDENAÇÃO

       Definição na escola e no sistema de ensino de áreas diferenciadas de ação: Direção
de escola, supervisão pedagógica e orientação educacional.

       Profissionais   nem   sempre    bem    preparados     para   estas   funções   e   suas
complexidades,    passaram    a   simplificá-las   e   estereotipá-las,   burocratizando-as   e
estabelecendo hierarquias e segmentações inadequadas.

       A superação desta visão: percebendo a importância da contribuição individual e da
organização coletiva, para sua melhor realização e eficácia.

DA AÇÃO INDIVIDUALISTA PARA A COLETIVA
A complexidade do processo do ensino depende, para seu desenvolvimento e
aperfeiçoamento, de ações coletivas, de espírito de equipe, devendo ser esse o grande
desafio da gestão educacional.

        É nesse sentido que se caracteriza essa gestão: na mobilização do talento humano,
coletivamente organizado para a promoção de experiências significativas de aprendizagem.

GestãoParticipativa

Pressupõe a existência de espaço para a tomada de decisão coletiva sobre os processos e
ações    de   gestão   escolar   e   a   capacidade    de      assumir   a   sua   execução.
Nisso se caracteriza a autonomia da gestão escolar.

SELEÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE PROFISSIONAIS
DA ESCOLA.

Perfil do diretor da escola eficaz

Área Administrativa

Visão de conjunto e de futuro sobre o trabalho educacional e o papel da escola na
comunidade;

 Conhecimento de políticas e da legislação educacional;

Habilidade de planejamento e compreensão do seu papel na orientação do trabalho em
conjunto;

 Habilidade de manejo e controle do orçamento;

 Habilidade de organização do trabalho educacional;

Habilidade de acompanhamento e monitoramento de programas, projetos e ações;

Habilidade de avaliação diagnóstica, formativa e somativa;

Habilidade de tomar decisões eficazmente;

Habilidade de resolver problemas criativamente e de emprego de grande variedade de
técnicas;

Área de relacionamento interpessoal / inteligência emocional

Compreensão da dinâmica de relacionamento e comunicação interpessoal;

 Habilidade de se comunicar eficazmente;
Habilidade de mobilizar a equipe escolar e comunidade local;

Habilidade de facilitar a realização de processos de atuação colaborativa;

 Habilidade de desenvolver equipes;

Habilidade de negociar e resolver conflitos;

Habilidade de avaliar e dar feedback construtivo ao trabalho dos outros;




Perfil do professor competente

Área do currículo

- Conhecimento dos objetivos, processos e conteúdo curricular;

- Articulação entre as disciplinas e os conteúdos;

- Visão global do currículo e dos princípios de sua organização;

- Visão integrada e dinâmica do currículo em relação à realidade;

-Perspectiva interdisciplinar;

Área escolar

 - Habilidade de trabalhar em equipe;

- Habilidade de perceber à relação entre o trabalho de sua turma com o contexto da escola;

- Habilidade de escutar e compreender o ponto de vista de colegas e de pais de alunos.



Área pedagógica

Compreensão dos fundamentos e bases da ação educacional;

Compreensão da relação entre ações pedagógicas e seus resultados na aprendizagem e
formação de alunos;

Conhecimento sobre organização do currículo e articulação entre seus componentes e
processos;

Habilidade de mobilização da equipe escolar para a promoção dos objetivos educacionais
da escola;

Habilidade de orientação e feedback ao trabalho pedagógico.
Área de gestão de sala de aula / relacionamento interpessoal:

Compreensão da dinâmica do comportamento de alunos individualmente e em grupo;

Habilidade de criar ambiente de aprendizagem construtivo;

Habilidade de dar feedback construtivo;

Habilidade de motivar os alunos e mobilizar sua atenção;

Habilidade de diagnosticar necessidade de aprendizagem e          propor alternativas para
promovê-las;

Habilidade de identificar estilos, ritmos diferenciados de aprendizagem e orientá-los
adequadamente;

Habilidade de manejar tensão e conflito e vencer obstáculos;

Habilidade de compreender o ponto de vista dos alunos e a dinâmica de grupo e de sua
turma;

Habilidade de fazer demonstração criativas de conceitos a serem aprendidos;



SELEÇÃO DE EQUIPE ESCOLAR E DE SUAS LIDERANÇAS

          No sistema brasileiro vem ocorrendo uma gradativa superação na seleção de
diretores, com a mudança de indicações políticas para o entendimento de que a liderança
máxima da escola necessita ser exercida por profissional competente.

          Em alguns estados é realizada e eleição para a função de diretor com base em
critérios profissionais, com o nome de três candidatos qualificados submetidos a uma
eleição que define, por meio de votos de pais, mestres, alunos e demais funcionários.

Vantagens

          Garantia de que o diretor, uma vez eleito, terá o apoio da maioria das pessoas
envolvidas durante o desenvolvimento do seu trabalho; que o envolvimento dos pais,
professores e, em alguns casos, dos alunos, durante o processo de eleição, permite que
todos estes atores sintam maior responsabilidade pelo sucesso do trabalho realizado na
escola.

Desvantagens

          Comunidade pode se sentir dividida pelos vários candidatos contribuindo para o
distanciamento de funcionários, professore e representantes da comunidade pós eleição de
um novo diretor; atitude de condescendência pelo diretor ao trabalho daqueles que nele
votaram.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS

 Promover o crescimento profissional e o desenvolvimento da escola;

 Insatisfação com o desenvolvimento de pessoal e com as práticas de avaliação de
desempenho é uma das queixas mais comuns entre os professores;

 O desenvolvimento e o crescimento profissional dos diretores de escola recebem
relativamente pouca atenção de comparado com o dos professores;

 O dia-a-dia da escola é fértil em oportunidade de aprendizagem e construção do
conhecimento profissional e, portanto, de promoção do desenvolvimento profissional.
Aproveitá-las plenamente é fundamental para alavancar o desenvolvimento da competência
de dirigentes das escolas e, conseqüentemente, o dinamismo das mesmas.



ESTRATÉGIAS PARTICIPATIVAS DO DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL

       Tanto os professores como os gestores devem ser envolvidos na concepção de
programas de desenvolvimento pessoal, a fase de concepção deve ser realizada mediante
consulta aos participantes efetivos e potenciais desses programas;

Ações básicas de programas participativos de desenvolvimento de pessoal

 Consultar os participantes a respeito de seu interesse sobre o programa;

 Remunerar o pessoal pela capacitação como base de concepção dos programas;

 Envolver os participantes na apresentação dos conceitos, ideias, estratégias e técnicas;

 Planejar a aplicação de conceitos, ideias, estratégias e técnicas;

 Oportunizar aos participantes a aplicação de seus novos conhecimentos e habilidades
correspondentes;

 Dar feedback durante o período de capacitação;

 Valorizar o programa e demonstrar esse valor em suas três faces:

 Aquisição de conhecimento e habilidade;

 Aplicação de conhecimento e habilidades adquiridos;

 Adaptação e extensão de conhecimentos e habilidades.
CARACTERÍSTICAS DE AVALIAÇÃO EFICAZ DE DESEMPENHO:

 Processo de avaliação associado a metas e objetivos de desenvolvimento escolar.

 Emprego de liderança contínua e de recursos logísticos adequados ao desenvolvimento
do sistema.

 Garantia de participação contínua de professores e funcionários, desde a fase de
planejamento e organização do processo, até às de sua implementação.

 Capacitação dos participantes do processo, antes do seu início formal, sobre conceitos,
métodos e técnicas de avaliação de desempenho.

 Contínuo cuidado dos avaliadores com sua capacitação para a realização desse
processo.

   Entendimento,   conjunto   entre   gestores   e   servidores   sobre   os   objetivos   de
desenvolvimento da escola, sua relação com a melhoria de desempenho e respectiva
avaliação.

 Alocação de tempo e atenção suficiente ao desenvolvimento do processo de avaliação.

 Desenvolvimento de prática de acompanhamentos e feedback sistemáticos ao
desempenho de professores e funcionários.

 Manutenção de relacionamentos interpessoais favoráveis e abertos.

CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DE PROFESSORES

CRITÉRIO 1: HABILIDADE PEDAGÓGICA

1.1 Instrução de planos

1.2 Identifica necessidades de aprendizagem

1.3 Organiza o currículo para o atendimento dessas necessidades

1.4 Desenvolve planos ativos e participativos para o desenvolvimento de aprendizagens

1.5 Implementa os objetivos planejados

1.6 Fornece orientações claras para o aluno

1.7 Auxilia no desenvolvimento de trabalho e habilidades de estudo

Critério 2: Gestão de sala de aula

2.1. Desenvolve procedimentos de sala de aula de maneira natural
2.2. Organiza o uso do espaço físico

2.3. Prepara material de apoio

2.4. Cuida da saúde mental e física dos alunos

2.5. Mantém relatórios adequados da disciplina e da turma

2.6. Mantém relatórios em conformidade com o que é requerido por leis e normas

2.7. Organiza os trabalhos individuais, em grupos pequenos, ou experiências de
aprendizagem em grupos grandes

Critério 3: Gestão de disciplina dos alunos em sala de aula

3.1. Acompanha os procedimentos disciplinares

3.2. Encoraja e estimula a autodisciplina dos alunos

3.3. Reconhece as condições, desenvolve e implanta as estratégias de disciplina

3.4. Deixa claro para os alunos quais são os padrões adequados de conduta

3.5. Trata os alunos de forma consistente e justa

3.6. Recruta assistência quando necessário

Critério 4: Interesse em ensinar os alunos

4.1. Desenvolve uma relação de harmonia com os alunos

4.2. Reconhece as características peculiares de cada aluno

4.3. Orienta o processo de aprendizagem

Critério 5: Esforço para provocar melhorias, quando necessário

5.1. Realiza autoavaliação contínua

5.2. Toma conhecimento das recomendações feitas

Critério 6: Conhecimento da disciplina ensinada

6.1. Mantém-se atualizado com as novas idéias e conhecimentos

6.2. Relaciona a disciplina ensinada com o conhecimento geral

Critério 7: Preparação profissional e sabedoria

7.1. Possui e mantém um embasamento acadêmico sólido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O papel do coordenador e supervisor
O papel do coordenador e supervisorO papel do coordenador e supervisor
O papel do coordenador e supervisorEdson Lilian
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisorJoao Balbi
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoSimone Mendes Dos Santos
 
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...Elvira Rodrigues
 
Supervisão clinica
Supervisão clinicaSupervisão clinica
Supervisão clinicagerluce
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoeduviecorr
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.Seduc MT
 
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemO papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemgilfaca158
 
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...Fundação Victor Civita
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoIvaneide B S
 
A lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacional
A lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacionalA lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacional
A lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacionalEdinaldo Barbosa de Brito
 
Função e Atuação do Gestor Escolar
Função e Atuação do Gestor EscolarFunção e Atuação do Gestor Escolar
Função e Atuação do Gestor Escolarwr1996
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigocefaprodematupa
 
Coordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interaçõesCoordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interaçõesRoberto Costa
 
Uma abordagem participativa para a gestão escolar
Uma abordagem participativa para a gestão escolarUma abordagem participativa para a gestão escolar
Uma abordagem participativa para a gestão escolarprofarosangela
 
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativoContributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativoBiblioteca Avelar Brotero
 
2011 slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)
2011   slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)2011   slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)
2011 slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)luverg
 
Artigo científico PDI Você S.A.
Artigo científico PDI Você S.A.Artigo científico PDI Você S.A.
Artigo científico PDI Você S.A.Vitor Suzart
 

Mais procurados (20)

A formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivoA formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivo
 
O papel do coordenador e supervisor
O papel do coordenador e supervisorO papel do coordenador e supervisor
O papel do coordenador e supervisor
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
 
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA:METODOLOGIAS E PRÁTICAS_ESEPF_PROFª DOUTORA DANIELA GON...
 
Supervisão clinica
Supervisão clinicaSupervisão clinica
Supervisão clinica
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
 
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemO papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
 
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 
A lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacional
A lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacionalA lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacional
A lideranca como_instrumento_de_administracao_na_gestao_educacional
 
Função e Atuação do Gestor Escolar
Função e Atuação do Gestor EscolarFunção e Atuação do Gestor Escolar
Função e Atuação do Gestor Escolar
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
 
Coordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interaçõesCoordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interações
 
Uma abordagem participativa para a gestão escolar
Uma abordagem participativa para a gestão escolarUma abordagem participativa para a gestão escolar
Uma abordagem participativa para a gestão escolar
 
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativoContributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
 
Coachingmentoring
CoachingmentoringCoachingmentoring
Coachingmentoring
 
2011 slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)
2011   slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)2011   slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)
2011 slides trabalho professora regina, mestrado (lucia e ricardo)
 
Artigo científico PDI Você S.A.
Artigo científico PDI Você S.A.Artigo científico PDI Você S.A.
Artigo científico PDI Você S.A.
 

Semelhante a Escola participativa

Escola participativa v final
Escola participativa  v  finalEscola participativa  v  final
Escola participativa v finalSilviardeloreto
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Palestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula Souza
Palestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula SouzaPalestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula Souza
Palestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula SouzaRenata Aquino
 
o papel do coordenador e supervisor.pdf
o papel do coordenador e supervisor.pdfo papel do coordenador e supervisor.pdf
o papel do coordenador e supervisor.pdflordesalles
 
matrizdecompetencias-integral para liderancas.pdf
matrizdecompetencias-integral para liderancas.pdfmatrizdecompetencias-integral para liderancas.pdf
matrizdecompetencias-integral para liderancas.pdfsimonebezerraprof
 
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.pptseduc
 
Gestão participativa no contexto escolar
Gestão participativa no contexto escolarGestão participativa no contexto escolar
Gestão participativa no contexto escolargcordeiro42
 
Admescolar e lideranças jan12
Admescolar e lideranças jan12Admescolar e lideranças jan12
Admescolar e lideranças jan12José Matias Alves
 
Avaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiAvaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiRobson Eugênio
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...Eduardo Lopes
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5pactoensinomedioufu
 
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfUma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfLilideMenesesCerquei
 
mapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptx
mapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptxmapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptx
mapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptxAureaPenicheMartins
 

Semelhante a Escola participativa (20)

Escola participativa v final
Escola participativa  v  finalEscola participativa  v  final
Escola participativa v final
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Palestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula Souza
Palestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula SouzaPalestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula Souza
Palestra Myrtes Alonso Gestão Escolar e Tecnologias Centro Paula Souza
 
o papel do coordenador e supervisor.pdf
o papel do coordenador e supervisor.pdfo papel do coordenador e supervisor.pdf
o papel do coordenador e supervisor.pdf
 
matrizdecompetencias-integral para liderancas.pdf
matrizdecompetencias-integral para liderancas.pdfmatrizdecompetencias-integral para liderancas.pdf
matrizdecompetencias-integral para liderancas.pdf
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
 
Gestão participativa no contexto escolar
Gestão participativa no contexto escolarGestão participativa no contexto escolar
Gestão participativa no contexto escolar
 
Admescolar e lideranças jan12
Admescolar e lideranças jan12Admescolar e lideranças jan12
Admescolar e lideranças jan12
 
Gestão da Educação Especial
Gestão da Educação EspecialGestão da Educação Especial
Gestão da Educação Especial
 
Slides lideranca
Slides liderancaSlides lideranca
Slides lideranca
 
Dimensao participativa-da-gestao-escolar
Dimensao participativa-da-gestao-escolarDimensao participativa-da-gestao-escolar
Dimensao participativa-da-gestao-escolar
 
Dimensao participativa-da-gestao-escolar
Dimensao participativa-da-gestao-escolarDimensao participativa-da-gestao-escolar
Dimensao participativa-da-gestao-escolar
 
O conceito de gestão escolar
O conceito de gestão escolarO conceito de gestão escolar
O conceito de gestão escolar
 
Avaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiAvaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpi
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5
 
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfUma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
 
mapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptx
mapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptxmapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptx
mapa mentaL- GESTÃO ESCOLAR.pptx
 
Ppp 05 Set
Ppp 05 SetPpp 05 Set
Ppp 05 Set
 

Mais de viviprof

A metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoA metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoviviprof
 
Hipertexto
HipertextoHipertexto
Hipertextoviviprof
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliaçãoviviprof
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão finalviviprof
 
Avaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteAvaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteviviprof
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docenteviviprof
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisaviviprof
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemviviprof
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moralviviprof
 
Comunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologiasComunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologiasviviprof
 
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de FormadoresComunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadoresviviprof
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubroviviprof
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2viviprof
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
K. Zeichner Entrevista
K. Zeichner EntrevistaK. Zeichner Entrevista
K. Zeichner Entrevistaviviprof
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escolaviviprof
 
O educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoO educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoviviprof
 
A supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioA supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioviviprof
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científicaviviprof
 

Mais de viviprof (20)

A metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoA metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informação
 
Hipertexto
HipertextoHipertexto
Hipertexto
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliação
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
 
Avaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docenteAvaliação do desempenho docente
Avaliação do desempenho docente
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagem
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moral
 
Comunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologiasComunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologias
 
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de FormadoresComunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubro
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
K. Zeichner Entrevista
K. Zeichner EntrevistaK. Zeichner Entrevista
K. Zeichner Entrevista
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
 
O educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoO educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introdução
 
A supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioA supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteio
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científica
 

Escola participativa

  • 1. A ESCOLA PARTICIPATIVA Angela Freitas de Rezende Costa Viviane da Rocha O processo de gestão e o desenvolvimento profissional na escola Dirigente de uma geração atrás – pensamento predominantemente era o de que as melhores escolas eram aquelas organizadas segundo o modelo de administração clássica, que enfatizava a obediência às regras e o cumprimento à risca dos regulamentos, orientada por alguns pressupostos (Lück, 1996) 1 – O ambiente de trabalho e comportamentos humanos previsíveis e controláveis; 2 – Crise, ambigüidade e incerteza encarados como problemas a serem evitados e não como oportunidade de crescimento e transformação; 3 – O sucesso mantem-se por si mesmo não demandam esforço para manutenção e maior desenvolvimento; 4 – Responsabilidade do dirigente é a obtenção e garantia de recursos para o funcionamento perfeito da unidade; 5 – Modelos de administração que deram certos não devem ser mudados; 6 – Importação de modelos de ação que deram certo em outros lugares são importantes, podem funcionar com pequenas adaptações; 7 – O participante ativo da organização (alunos e professores efetivos) está disposto a aceitar modelos estabelecidos pela organização; 8 – Uma atitude de protecionismo oferecida a esse participe é a contrapartida necessária à sua cooptação; 9 – É o administrador que estabelece a regra do jogo 10 – O importante é fazer o máximo e não o melhor e o diferente; 11 – a objetividade garante bons resultados, sendo a técnica o elemento fundamental para a melhoria do trabalho;
  • 2. DA ÓTICA FRAGMENTADA E DICOTOMIZADA PARA A ÓTICA GLOBALIZADA Transferência de responsabilidade – falta de compreensão da interação de ações e atitudes existentes no seu processo social. A superação desta ótica ocorre pela ampliação de horizonte e visão critica do mundo que implica em situar-se nele como ator, reconhecendo que cada um faz parte da organização e do sistema de ensino como um todo e que, por isso mesmo, interfere no seu processo de construção, que tenha, ou não, consciência deste fato. DA LIMITAÇÃO DO ÂMBITO DE RESPONSABILIDADE PARA A SUA EXPANSÃO A atuação orientada pela consciência da responsabilidade profissional pressupõe o entendimento do todo e das necessidades de interação profissional, enquanto que a consciência de funções leva a que se focalize as ações isoladas e ao distanciamento entre a atuação de diferentes profissionais. DA AÇ ÃO EPISÓDICA PARA O PROCESSO CONTÍNUO A tendência de se agir episodicamente, fragmentando aulas e lições, dissociando aprendizagens, focalizando em eventos e atividades, em vez de aprendizagens significativas e desenvolvimento, resulta na construção de rotinas vazias, em preocupação com o imediatismo, afogada pelas dificuldades do cotidiano e sem possibilidade de superação. A superação ocorre ao se considerar cada evento, circunstância e ato como parte de um processo maior, orientado por uma visão de conjunto e de futuro. “Pense grande e aja no pequeno” Amyr Klink (2000) DA HIERAQUIRZAÇÃO E BUROCRATIZAÇÃO PARA A COORDENAÇÃO Definição na escola e no sistema de ensino de áreas diferenciadas de ação: Direção de escola, supervisão pedagógica e orientação educacional. Profissionais nem sempre bem preparados para estas funções e suas complexidades, passaram a simplificá-las e estereotipá-las, burocratizando-as e estabelecendo hierarquias e segmentações inadequadas. A superação desta visão: percebendo a importância da contribuição individual e da organização coletiva, para sua melhor realização e eficácia. DA AÇÃO INDIVIDUALISTA PARA A COLETIVA
  • 3. A complexidade do processo do ensino depende, para seu desenvolvimento e aperfeiçoamento, de ações coletivas, de espírito de equipe, devendo ser esse o grande desafio da gestão educacional. É nesse sentido que se caracteriza essa gestão: na mobilização do talento humano, coletivamente organizado para a promoção de experiências significativas de aprendizagem. GestãoParticipativa Pressupõe a existência de espaço para a tomada de decisão coletiva sobre os processos e ações de gestão escolar e a capacidade de assumir a sua execução. Nisso se caracteriza a autonomia da gestão escolar. SELEÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE PROFISSIONAIS DA ESCOLA. Perfil do diretor da escola eficaz Área Administrativa Visão de conjunto e de futuro sobre o trabalho educacional e o papel da escola na comunidade;  Conhecimento de políticas e da legislação educacional; Habilidade de planejamento e compreensão do seu papel na orientação do trabalho em conjunto;  Habilidade de manejo e controle do orçamento;  Habilidade de organização do trabalho educacional; Habilidade de acompanhamento e monitoramento de programas, projetos e ações; Habilidade de avaliação diagnóstica, formativa e somativa; Habilidade de tomar decisões eficazmente; Habilidade de resolver problemas criativamente e de emprego de grande variedade de técnicas; Área de relacionamento interpessoal / inteligência emocional Compreensão da dinâmica de relacionamento e comunicação interpessoal;  Habilidade de se comunicar eficazmente;
  • 4. Habilidade de mobilizar a equipe escolar e comunidade local; Habilidade de facilitar a realização de processos de atuação colaborativa;  Habilidade de desenvolver equipes; Habilidade de negociar e resolver conflitos; Habilidade de avaliar e dar feedback construtivo ao trabalho dos outros; Perfil do professor competente Área do currículo - Conhecimento dos objetivos, processos e conteúdo curricular; - Articulação entre as disciplinas e os conteúdos; - Visão global do currículo e dos princípios de sua organização; - Visão integrada e dinâmica do currículo em relação à realidade; -Perspectiva interdisciplinar; Área escolar - Habilidade de trabalhar em equipe; - Habilidade de perceber à relação entre o trabalho de sua turma com o contexto da escola; - Habilidade de escutar e compreender o ponto de vista de colegas e de pais de alunos. Área pedagógica Compreensão dos fundamentos e bases da ação educacional; Compreensão da relação entre ações pedagógicas e seus resultados na aprendizagem e formação de alunos; Conhecimento sobre organização do currículo e articulação entre seus componentes e processos; Habilidade de mobilização da equipe escolar para a promoção dos objetivos educacionais da escola; Habilidade de orientação e feedback ao trabalho pedagógico.
  • 5. Área de gestão de sala de aula / relacionamento interpessoal: Compreensão da dinâmica do comportamento de alunos individualmente e em grupo; Habilidade de criar ambiente de aprendizagem construtivo; Habilidade de dar feedback construtivo; Habilidade de motivar os alunos e mobilizar sua atenção; Habilidade de diagnosticar necessidade de aprendizagem e propor alternativas para promovê-las; Habilidade de identificar estilos, ritmos diferenciados de aprendizagem e orientá-los adequadamente; Habilidade de manejar tensão e conflito e vencer obstáculos; Habilidade de compreender o ponto de vista dos alunos e a dinâmica de grupo e de sua turma; Habilidade de fazer demonstração criativas de conceitos a serem aprendidos; SELEÇÃO DE EQUIPE ESCOLAR E DE SUAS LIDERANÇAS No sistema brasileiro vem ocorrendo uma gradativa superação na seleção de diretores, com a mudança de indicações políticas para o entendimento de que a liderança máxima da escola necessita ser exercida por profissional competente. Em alguns estados é realizada e eleição para a função de diretor com base em critérios profissionais, com o nome de três candidatos qualificados submetidos a uma eleição que define, por meio de votos de pais, mestres, alunos e demais funcionários. Vantagens Garantia de que o diretor, uma vez eleito, terá o apoio da maioria das pessoas envolvidas durante o desenvolvimento do seu trabalho; que o envolvimento dos pais, professores e, em alguns casos, dos alunos, durante o processo de eleição, permite que todos estes atores sintam maior responsabilidade pelo sucesso do trabalho realizado na escola. Desvantagens Comunidade pode se sentir dividida pelos vários candidatos contribuindo para o distanciamento de funcionários, professore e representantes da comunidade pós eleição de
  • 6. um novo diretor; atitude de condescendência pelo diretor ao trabalho daqueles que nele votaram. DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS  Promover o crescimento profissional e o desenvolvimento da escola;  Insatisfação com o desenvolvimento de pessoal e com as práticas de avaliação de desempenho é uma das queixas mais comuns entre os professores;  O desenvolvimento e o crescimento profissional dos diretores de escola recebem relativamente pouca atenção de comparado com o dos professores;  O dia-a-dia da escola é fértil em oportunidade de aprendizagem e construção do conhecimento profissional e, portanto, de promoção do desenvolvimento profissional. Aproveitá-las plenamente é fundamental para alavancar o desenvolvimento da competência de dirigentes das escolas e, conseqüentemente, o dinamismo das mesmas. ESTRATÉGIAS PARTICIPATIVAS DO DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL Tanto os professores como os gestores devem ser envolvidos na concepção de programas de desenvolvimento pessoal, a fase de concepção deve ser realizada mediante consulta aos participantes efetivos e potenciais desses programas; Ações básicas de programas participativos de desenvolvimento de pessoal  Consultar os participantes a respeito de seu interesse sobre o programa;  Remunerar o pessoal pela capacitação como base de concepção dos programas;  Envolver os participantes na apresentação dos conceitos, ideias, estratégias e técnicas;  Planejar a aplicação de conceitos, ideias, estratégias e técnicas;  Oportunizar aos participantes a aplicação de seus novos conhecimentos e habilidades correspondentes;  Dar feedback durante o período de capacitação;  Valorizar o programa e demonstrar esse valor em suas três faces:  Aquisição de conhecimento e habilidade;  Aplicação de conhecimento e habilidades adquiridos;  Adaptação e extensão de conhecimentos e habilidades.
  • 7. CARACTERÍSTICAS DE AVALIAÇÃO EFICAZ DE DESEMPENHO:  Processo de avaliação associado a metas e objetivos de desenvolvimento escolar.  Emprego de liderança contínua e de recursos logísticos adequados ao desenvolvimento do sistema.  Garantia de participação contínua de professores e funcionários, desde a fase de planejamento e organização do processo, até às de sua implementação.  Capacitação dos participantes do processo, antes do seu início formal, sobre conceitos, métodos e técnicas de avaliação de desempenho.  Contínuo cuidado dos avaliadores com sua capacitação para a realização desse processo.  Entendimento, conjunto entre gestores e servidores sobre os objetivos de desenvolvimento da escola, sua relação com a melhoria de desempenho e respectiva avaliação.  Alocação de tempo e atenção suficiente ao desenvolvimento do processo de avaliação.  Desenvolvimento de prática de acompanhamentos e feedback sistemáticos ao desempenho de professores e funcionários.  Manutenção de relacionamentos interpessoais favoráveis e abertos. CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DE PROFESSORES CRITÉRIO 1: HABILIDADE PEDAGÓGICA 1.1 Instrução de planos 1.2 Identifica necessidades de aprendizagem 1.3 Organiza o currículo para o atendimento dessas necessidades 1.4 Desenvolve planos ativos e participativos para o desenvolvimento de aprendizagens 1.5 Implementa os objetivos planejados 1.6 Fornece orientações claras para o aluno 1.7 Auxilia no desenvolvimento de trabalho e habilidades de estudo Critério 2: Gestão de sala de aula 2.1. Desenvolve procedimentos de sala de aula de maneira natural
  • 8. 2.2. Organiza o uso do espaço físico 2.3. Prepara material de apoio 2.4. Cuida da saúde mental e física dos alunos 2.5. Mantém relatórios adequados da disciplina e da turma 2.6. Mantém relatórios em conformidade com o que é requerido por leis e normas 2.7. Organiza os trabalhos individuais, em grupos pequenos, ou experiências de aprendizagem em grupos grandes Critério 3: Gestão de disciplina dos alunos em sala de aula 3.1. Acompanha os procedimentos disciplinares 3.2. Encoraja e estimula a autodisciplina dos alunos 3.3. Reconhece as condições, desenvolve e implanta as estratégias de disciplina 3.4. Deixa claro para os alunos quais são os padrões adequados de conduta 3.5. Trata os alunos de forma consistente e justa 3.6. Recruta assistência quando necessário Critério 4: Interesse em ensinar os alunos 4.1. Desenvolve uma relação de harmonia com os alunos 4.2. Reconhece as características peculiares de cada aluno 4.3. Orienta o processo de aprendizagem Critério 5: Esforço para provocar melhorias, quando necessário 5.1. Realiza autoavaliação contínua 5.2. Toma conhecimento das recomendações feitas Critério 6: Conhecimento da disciplina ensinada 6.1. Mantém-se atualizado com as novas idéias e conhecimentos 6.2. Relaciona a disciplina ensinada com o conhecimento geral Critério 7: Preparação profissional e sabedoria 7.1. Possui e mantém um embasamento acadêmico sólido