Medicina e Espiritualidade - Marcos Boulos

4.094 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.094
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Medicina e Espiritualidade - Marcos Boulos

  1. 1. Medicina e Espiritualidade Marcos Boulos Faculdade de Medicina da USP FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE Salvador, 15 de junho de 2010
  2. 2. Cancer mortality in women and men who survived the siege of Leningrad (1941-1944) • Casuística: 3901 homens e 1429 mulheres • Resultados: mulheres que tinham entre 10 e 18 anos na época tiveram maior risco de morrer de câncer de seio Int J Cancer 2009, 124:1416 Cancer Incidence in Israeli Jewish Survivors of World War II • Casuística: 315.544 indivíduos que imigraram para Israel antes (57.496) ou depois (258.048) da II grande guerra • Resultados: a incidência de todos os cânceres, principalmente de seio e colo retal, foram mais freqüentes entre os que participaram da guerra J Natl Cancer Inst 2009, 101:1489
  3. 3. Berkman; Syme. Social Networks, Host Resistance, and Mortality: A Nine-year follow-up study of Alameda County Residents • Mortalidade 2,3 X maior para homens e 2,8 X para mulheres com menor suporte social. Young et al. The Mortality of Widowers. • Mortalidade maior até 6 meses da morte da esposa. Am J Epidemiol. 1979, 109:186. The Lancet, Aug 1963, 454.
  4. 4. The relation of stress and family environment to atopic dermatitis symptoms in children • Casuística: 44 crianças com dermatite atópica grave e seus familiares; • Metodologia: Foram avaliados eventos diários, problemas crônicos de relacionamento e ambiente familiar; • Análise de regressão indicou que medidas do estresse e ambiente familiar foram preditores importantes da gravidade dos sintomas; • Duas dimensões do ambiente familiar foram significativamente relacionados com a gravidade dos sintomas: ambiente familiar independente/ organizado X ambiente familiar moral/religioso. J Psychos Research 1987, 31:673.
  5. 5. O que é espiritualidade? Espiritualidade leva o indivíduo a compreender e encontrar propósitos e significados na vida. É experiência subjetiva que pode existir dentro e fora do contexto da religião. Ann Behav Med 2009, 38:105
  6. 6. The Role of Spirituality in the Relationship Between Religiosity and Depression in Prostate Cancer Patients • Casuística: 367 homens com câncer de próstata • Metodologia: aplicada escala de religiosidade, espiritualidade, qualidade de vida e depressão • Foi encontrada uma pequena associação negativa entre religiosidade e depressão (p < 0,05) e uma forte correlação negativa entre espiritualidade e depressão (p < 0,01) • O principal componente que reduziu a depressão foi o sentido de paz. Ann Behav Med 2009, 38:105
  7. 7. Entendimento
  8. 8. EMOÇÕES/ESTRESSE HIPOTÁLAMO GLÂNDULA PITUITÁRIA CÓRTEX ADRENAL RIM CORTISOL BAÇO SISTEMA IMUNE TIMO IL-1 IL-2 IL-6 SOMATOSTATINA DOPAMINA GH PROLACTINA BAÇO NOREPINEFRINA EPINEFRINA LINFONODOS ACTH CRF INTERLEUCINAS - + + + - - -
  9. 9. Reflexão
  10. 10. “ A separação da psicologia das premissas da biologia é puramente artificial, porque a psique humana vive em indissolúvel união com o corpo.” Jung C. Collected works of CG Jung, ed 2, vol 8. Princeton, NJ, Princeton University Press, 1972
  11. 11. “ A psique e o corpo reagem complementarmente um com o outro, em meu entender. Uma mudança no estado da psique produz uma mudança na estrutura do corpo, e à inversa, uma mudança na estrutura do corpo produz uma mudança na estrutura da psique”. Aristóteles – 4º século AC
  12. 12. Compreensão
  13. 13.   “ Entre teu saber e tua compreensão, há um caminho secreto que precisas descobrir antes de te tornar um com os outros homens e, portanto, um contigo mesmo.” Khalil Gibran
  14. 14. Quem sou eu?
  15. 15. “ Eu não sou. Eu sou um vir a ser”. Unicidade - Heráclito 6º século AC
  16. 16. Sensível e intelectivo Parmênides, Sócrates, Platão Biga alada “ Eu sou corpo e mente”.
  17. 17. A escolástica São Tomás de Aquino As Escrituras Sagradas Giordano Bruno, Galileu
  18. 18. O dualismo cartesiano Descartes, Kant, Espinosa “ Meu corpo, como posso ver claramente, é uma substância. É uma substância material, assim como minha alma é uma substância pensante. A coisa chamada eu, consiste de duas partes distintas – a máquina que se move, ou o corpo, e a mecânica que pensa, ou a alma.”
  19. 19. O dualismo cartesiano Descartes, Kant, Espinosa Biomedicina “ Eu sou o corpo”.
  20. 20. No fim do século XIX, cientistas sociais e do comportamento, adotaram a teoria do conhecimento e o método das ciências físicas. A maioria dos cientistas então, defendia a noção material da ciência exclusivamente, sendo incapazes de distinguir ciência de cientificismo que advogava nada existir fora da matéria. Com a adoção do cientificismo, tudo o que era exclusivamente humano como amor, compaixão, desejo, espiritualidade, não só foram intencionalmente omitidos dos questionamentos, eles foram inteiramente eliminados da vida. Fahlberg L, Am J Health Promot 1991, 5:273.
  21. 21. O despertar da consciência Física quântica Einstein, Bohr, Heisenberg “ O princípio da incerteza.” A biga alada revisitada “ Eu sou corpo, emoções, consciência e vontade ”
  22. 22. Um dos maiores “insights” que a física moderna teve foi o da unidade entre o observador e o observado: a pessoa que conduz a experiência – a consciência observadora – não pode ser separada dos fenômenos observados, e uma nova maneira de olhar leva os fenômenos observados a se comportarem de maneira diferente. Tolle – O poder do agora
  23. 23. Mas, eu posso mesmo, se quiser, interferir na vida de outra pessoa?
  24. 24. <ul><li>393 pacientes na Unidade coronariana do San Francisco General </li></ul><ul><li>Hospital acompanhados por período de 10 meses. </li></ul><ul><li>As doenças foram menos graves p  0,01 e houve menor requerimento </li></ul><ul><li>de diuréticos, antibióticos e entubação/ventilação p  0,001 </li></ul><ul><li>(análise multivariada) no grupo que recebeu as preces. </li></ul><ul><li>O grupo que recebeu preces teve menos insuficiência cardíaca </li></ul><ul><li>congestiva, precisaram de menos diuréticos e antibióticos, </li></ul><ul><li>tiveram menos episódios de pneumonias, menos arritmias e </li></ul><ul><li>foram menos entubados e ventilados. (p  0,05) </li></ul><ul><li>Cada paciente teve entre 3 e 7 pessoas que realizavam as preces </li></ul><ul><li>para si, diariamente. </li></ul><ul><li>192 pacientes receberam preces pacientes, médico e funcionários </li></ul><ul><li>outros não sabiam quem as recebia. </li></ul>Byrd RC. South Med J 1988, 81:826 Positive therapeutic effects of intercessory prayer in a coronary care unit population
  25. 25. * Objetivo: avaliar o efeito da prece à distância em pacientes cardíacos hospitalizados na redução de efeitos adversos e diminuição da hospitalização. * Metodologia: estudo prospectivo, duplo-cego, randomizado, em 990 pacientes consecutivamente admitidos na Unidade Coronariana do Mid America Heart Institute. . * Resultados: o grupo que recebeu as preces teve menos complicações (6,35 vs. 7,13; P=0,04) e as complicações foram menos graves (2,7 vs. 3; P=0,04). Não houve diferença quanto ao tempo de hospitalização. William H. et al. Arch Intern Med 1999, 159:2273 A randomized, controlled trial of the effects of remote, intercessory prayer on outcomes in patients admitted to the coronary care unit * Intervenção: 15 grupos de 5 indivíduos realizavam as preces diariamente durante 4 semanas (não se conheciam).
  26. 26. * Objetivo: avaliar o efeito da prece à distância em pacientes AIDS em estado avançado. * Metodologia: estudo prospectivo, duplo-cego, randomizado, em 40 pacientes em São Francisco. Pacientes eram randomizados por idade, contagem de CD4 e número de doenças definidoras de AIDS. * Resultados: após 6 meses o grupo que recebeu as orações teve menos doenças definidoras de AIDS (0,1 vs. 0,6; p= 0,04), doenças de menor gravidade (0,8 vs. 2,65; p= 0,03), necessitaram de menor número de visitas médicas (9,2 vs. 13; p=0,01), menor número de hospitalizações. (0,15 vs. 0,6; p=0,04). Sicher F. et al. West J Med 1998, 169:356. A randomized double-blind study of the effect of distant healing in a population with advanced AIDS * Intervenção: as preces eram realizadas por indivíduos que não se conheciam em diferentes locais dos EUA.
  27. 27. <ul><li>Objetivo: avaliar o efeito da prece na taxa de gestação </li></ul><ul><ul><li>em mulheres tratadas com fertilização in vitro. </li></ul></ul><ul><li>Metodologia: estudo prospectivo, duplo-cego, </li></ul><ul><li>randomizado em mulheres que não conheciam a </li></ul><ul><li>intervenção no Cha Hospital, Coréia. Grupo de </li></ul><ul><li>preces nos Estados Unidos, Canadá e Austrália. 219 </li></ul><ul><li>mulheres entre 26 e 46 anos em período de 4 meses. </li></ul><ul><li>Resultados: o grupo que recebeu as preces teve maior </li></ul><ul><ul><li>taxa de gestação (50% vs. 26%, p=0,0013) e </li></ul></ul><ul><ul><li>maior taxa de implantação (16,3% vs. 8%, p= </li></ul></ul><ul><ul><li>0,0005). </li></ul></ul>Kwang Y, et al. J Reproductive Med 2001, 46 781 Does Prayer Influence the Success of in Vitro Fertilization-Embryo Transfer?
  28. 33. Nerem et al. Science 1980, 208:1475. • Efeito de dieta rica em gordura e colesterol em coelhos. Social environment as a factor in diet-induced atherosclerosis • Hipótese: modificações ateroscleróticas (AE) arteriais. • Achado: um dos grupos estudados teve 60% menos AE. . • Esse grupo foi alimentado e cuidado por 1 único indivíduo. • Esse pesquisador, ao contrário dos outros, no decorrer do experimento, tirava os coelhos regularmente das gaiolas, acariciava-os, afagava-os e falava com eles. . • Coincidência? • Planejado novo estudo sistemático controlado com dois grupos, cuja única diferença foi o tratamento aos coelhos. • O grupo que recebeu afagos apresentou novamente 60% menos aterosclerose que o outro grupo!
  29. 34. dracena Backster C 1966.
  30. 35. Quem sou eu? Eu não sou. O mundo é!
  31. 36. “ O homem é definido como um ser pensante, mas suas grandes obras se realizam quando não pensa e não calcula. Devemos reconquistar a ingenuidade infantil através o exercício na arte de nos esquecermos de nós próprios. Nesse estágio, o homem pensa sem pensar. Ele pensa como a chuva que cai do céu, como as ondas que se alteiam sobre os oceanos, como as estrelas que iluminam o céu noturno, como a verde folhagem que brota na paz do frescor primaveril. Na verdade, ele é as ondas, o oceano, as estrelas, as folhas.” Diasetz Suzuki
  32. 37. Reflexões finais
  33. 38. • Infecção x doença • O exemplo da infecção pelo HIV <ul><li>• O papel do profissional de saúde </li></ul>
  34. 39. O mundo fora do nosso corpo físico existe, mas destituído de significado inerente. Existem coisas e eventos lá fora, mas nós é que lhe damos todo o significado que têm para nós. A maior parte do nosso sofrimento é devido ao significado que, reflexivamente, atribuímos a tudo o que vivenciamos, devido ao nosso condicionamento. Este condicionamento é a fonte do nosso sofrimento. Hurtak & Targ – O fim do Sofrimento
  35. 40. Para a teoria quântica, a realidade é criada a partir de um mecanismo chamado de efeito observador. Este efeito determina que o mundo depende de você e daquilo que você comunica a outras pessoas. Ele também depende daquilo que você acredita que é real. Não há, sob um prisma quântico, tempo nem espaço até a consciência escolher o caminho a ser traçado; somos criadores da nossa realidade.
  36. 41. Raramente estamos em estado de consciência dotado de liberdade de escolha. Ele só ocorre quando estamos criativos, quanto sentimos compaixão por outro ser, quando temos insights morais ou quando estamos em comunhão com a natureza. Se somos criadores de nossa realidade, por que não percebemos isto?

×